A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  

  Subjects -> ANTHROPOLOGY (Total: 398 journals)
The end of the list has been reached or no journals were found for your choice.
Similar Journals
Journal Cover
Cadernos de Campo
Number of Followers: 0  

  This is an Open Access Journal Open Access journal
ISSN (Print) 0104-5679 - ISSN (Online) 2316-9133
Published by Universidade de São Paulo Homepage  [48 journals]
  • Editorial

    • Authors: João Victtor Gomes Varjão
      PubDate: 2022-11-02
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe200999
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • O Caixão do Líder

    • Authors: Rogério Brites Wanderley Pires
      Abstract: Ensaio fotográfico sobre o enterro de Belfon Aboikoni, líder supremo do povo Saamaka, em 2014.
      PubDate: 2022-10-27
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe196073
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • Antropologia aplicada e a questão indígena no Brasil hoje

    • Authors: Dominique Tilkin Gallois, Leonardo Viana Braga
      PubDate: 2022-10-26
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe203786
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • PINHEIRO-MACHADO, Rosana. Amanhã vai ser maior: o que aconteceu com o
           Brasil e possíveis rotas de fuga para a crise atual.

    • Authors: Luis Fernando Novoa Garzon
      Abstract: Rosana Pinheiro-Machado reúne, neste livro, um conjunto de intervenções públicas sobre novas formas de luta e de protesto que surgem no Brasil a partir de junho de 2013 até a eleição de Bolsonaro em 2018. A autora, como acadêmica que atua e ativista que elabora, leva ao limite as fronteiras do campo acadêmico, dando consequência ao levantamento rigoroso de dados, alimentando a intervenção política direta e o diálogo multidirecional sobre os próximos passos. “Amanhã vai ser maior”, com título homônimo de Cocco e Cava (2014), procura realçar desdobramentos potenciais das Jornadas de Junho de 2013 e ações diretas congêneres. A atualidade da obra, publicada em 2019, pode ser sintetizada no fato de que não bastará a derrota eleitoral de Bolsonaro para que se reverta a onda que o colocou na cadeira presidencial.
      PubDate: 2022-10-13
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe198403
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • Aplicações da antropologia vistas por Evans-Pritchard

    • Authors: Carmen Añon Brasolin
      Abstract: O que pode a antropologia além de expandir conhecimento no âmbito acadêmico' E. E. Evans-Pritchard comenta essa e outras questões na conferência “Applied Anthropology”, proferida em 1945, agora traduzida para o português. À época de sua comunicação, a discussão sobre como aplicar a antropologia fora do conhecimento acadêmico era central, pois combinava ao menos duas atividades às quais se dedicavam os antropólogos, particularmente no caso dos britânicos: atender às demandas dos governos coloniais e construir um campo de conhecimento científico independente.
      PubDate: 2022-10-06
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe202022
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • Antropologia Aplicada

    • Authors: Carmen Añon Brasolin
      Abstract: O texto original "Applied Anthropology", do autor E.E. Evans-Pritchard, foi traduzido para o português em colaboração com a disciplina ministrada pela professora Dra. Beatriz Perrone-Moisés, no contexto de um conjunto de textos por ela traduzidos para uso didático ("Marret Lecture" e "The comparative Method in social anthropology"), os quais também foram submetidos para publicação por esta revista. "Antropologia Aplicada" é uma palestra de 1945 posteriormente transcrita (e já em domínio público) ainda sem versão na língua portuguesa.  Anterior às palestras mencionadas, é um material valioso para o estudo do autor e da antropologia social da época, onde o professor Evans-Pritchard opina com clareza sobre assuntos que não aparecem comoo assunto central de outros textos: a carreira antropológica, a atuação do antropólogo em campos fora da sua formação e o futuro da pesquisa em antropologia. Numa breve enumeração de tópicos, pode-se dizer que a palestra reflete sobre a relação entre antropólogos e a administração colonial, a falta de postos de trabalho tanto como administrador quanto como professor,  o insuficiente financiamento para as pesquisas de campo e as consequências disso no avanço da antropologia como ciência. Muitos desses tópicos podem parecer até enfadonhos lidos tanto tempo depois, ou mesmo tragicômicos no nosso contexto de pesquisa e docência em que as proporções entre antropólogos e vagas para ensino ou pesquisa é muito pior quando comparados ao onde e quando o discurso foi proferido. O trajeto híbrido do autor, trabalhando para Governos Coloniais, fazendo pesquisa independente, tornando-se professor num país estrangeiro (Egito) e posteriormente no seu próprio país, aparece em formas de exemplos e reflexões, o que me parece já valer a leitura. Lendo-o em um discurso preocupado com a formação de novos colegas, conheceremos um pouco mais este célebre desconhecido.   Há também, o anúncio de temas tratados em outros textos futuros com mais detalhe, como suas opiniões sobre a antropologia ser uma ciência com suas particularidades e sobre a necessidade de realizar pesquisa em centros independentes. Ele retoma a posição de não ser uma ciência aplicada no sentido de criar leis ("Evidentemente não pode ser aplicada no mesmo sentido que, por exemplo, medicina ou engenharia são ditas ciências aplicadas, uma vez que não pode declarar suas descobertas como leis, a partir das quais a antropologia pode prever eventos"), mas ser aplicável no sentido geral de, como qualquer conhecimento sobre sociedades humanas, poder ser utilizado "de maneira sensata para resolver problemas sociais", como por exemplo ele mesmo o fez no aconselhamento à administração colonial.   Há, ainda, um conselho em forma de reflexão (ou uma reflexão em forma de conselho), direcionada aos colegas em formação: a dedicação total do antropólogo à pesquisa pura ("Eu defenderia ainda mais que os antropólogos devem restringir sua pesquisa à investigação de problemas científicos pelo motivo de que o valor social da antropologia para as artes da política e da administração deve depender de seu avanço teórico"), pois dedicar-se à resolução de problemas sociais, sem um avanço do corpo de conhecimento mais geral, será limitado. Por isso, seu argumento é de que a pesquisa antropológica deve se manter independente e não ser ditada pelos interesses dos administradores ou homens de negócios, pois estes nem sempre se interessam por problemas científicos. Também declara sua visão sobre a contribuição da pesquisa antropológica auxiliar, a longo prazo, principalmente, a compreensão dos problemas de "nossa própria sociedade e problemas" a partir de um entendimento sobre a natureza humana em geral. A conexão com questões cotidianamente enfrentadas atualmente por antropólogos também convidados ao aconselhamento ou atuação fora da área de sua formação, ou o que chamaríamos de contexto interdisciplinar ou transdisciplinar, atualiza o texto em diversas passagens. A clareza de Evans-Pritchard manifesta-se, também, neste discurso em que reflete sobre o futuro da antropologia como ciência e como carreira.  
      PubDate: 2022-10-06
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe192686
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • Grafias Contra-Coloniais: re-desenhando subjetividades

    • Authors: Ana Clara Sousa Damásio dos Santos
      PubDate: 2022-09-13
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe179116
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • Plantas (i)legais: proibição, regularização e estados de
           transformação na América Latina contemporânea

    • Authors: Aline Ferreira Oliveira, Diana Paola Gómez Mateus
      Abstract: Este dossiê surgiu da pergunta "como se proíbe uma planta'" almejando analisar processos de proibição e/ou legalização de drogas de origem vegetal e fúngica em termos latino-americanos. Os autores aqui reunidos observam no Brasil, Chile, Argentina e México estes processos e suas mudanças ao longo do tempo sem abandonar o olhar crítico sobre as possíveis consequências das transformações legislativas que conhecemos, as quais, por um lado, não deixam de lado a lógica da criminalização, e que, por outro, podem criar novas formas de exclusão. Desse modo, abrimos um espaço de discussão sobre um tema de urgente debate e esperamos presenciar, com a devida reflexão crítica e com a presença dos diversos agentes envolvidos, o desenvolvimento dos caminhos da regulamentação que garantam a redução dos danos causados pela Guerra às drogas.
      PubDate: 2022-08-19
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe201147
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • Salvia divinorum: Entre la prohibición y la construcción de su
           conocimiento

    • Authors: Ezequiel Ali Cortina Bello
      Abstract: Há muitas razões para afirmar que a Salvia divinorum é uma das plantas enteógenas mais singulares do planeta. Endêmica das montanhas de Oaxaca, México, tem sido tradicionalmente utilizada por várias culturas indígenas em complexos rituais mágicos, divinatórios e de cura. Nas últimas três décadas, ela surgiu no mercado mexicano e mundial sob a forma de extratos altamente concentrados para fumar, que proporcionam uma poderosa experiência psicodélica, por isso começou a ser vendida como uma "droga recreativa" ignorando os usos tradicionais que historicamente a acompanharam. Este fato levou não só ao seu descrédito em diferentes âmbitos com possibilidades terapêuticas, sociais e de conhecimento, mas também à sua proibição em muitos países ao redor do mundo.
      PubDate: 2022-08-19
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe197817
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • Influenciadoras Muçulmanas no Instagram

    • Authors: Maria Rita Galhardo Batista, Vitoria Fernandes Andreossi, Beatriz Emídio Moreno, Bianca Erina Sakiyama, Francirosy Campos Barbosa
      Abstract: Considerando a popularização das mídias sociais e o crescimento de profissões a elas relacionadas, pretendeu-se por meio deste estudo entender o que constitui as influenciadoras muçulmanas e analisar o engajamento alcançado a depender do conteúdo difundido. Para tanto, foram considerados os perfis de Mag Halat, Fabiola Oliveira e Mariam Chami na plataforma Instagram, analisando-os através dos conteúdos produzidos e o engajamento dos seguidores nas publicações, de modo a entender como a representatividade e visibilidade podem interferir nessa relação. O engajamento foi analisado por meio de abordagem quanti-qualitativa, tanto no feed como nos stories. Assim sendo, foi possível observar como os três perfis são importantes para garantir a representatividade da mulher muçulmana no ambiente do Instagram. Ao estabelecerem-se como influenciadoras, as interlocutoras analisadas contribuem para levar ao público seus conhecimentos acerca do Islam, e assim desmistificar conceitos errôneos, disseminar informação e combater preconceitos, cada uma à sua maneira.
      PubDate: 2022-08-19
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe183331
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • Consultas previas y resolución de conflictos territoriales en el marco
           del pluralismo jurídico: el caso de los Kichwa del Parque Yasuní
           (Amazonía ecuatoriana)

    • Authors: Sofia Cevallos Vivar
      Abstract: Este artigo está baseado na experiência de trabalho de campo realizado entre 2013-2016, período durante o qual, acompanhamos os processos de organização do povo Kichwa do Yasuní (Amazônia equatoriana) de cara à intensificação da extração petrolífera nos seus territórios. Tendo em conta o contexto equatoriano, caracterizado pela consolidação do pluralismo legal na Constituição politica (2008), esta análises terá dois objetivos principais: 1. apontar o impacto das reformas constitucionais plurinacionais no âmbito dos direitos dos povos indígenas e as possibilidades e limites da aplicação dessas reformas em contextos extrativistas; 2. abordar a maneira como os Kichwa tem se apropriado do discurso relativo a seus direitos –em particular do direito à consulta previa e ao consentimento-, como ferramenta contra-hegemônica para denunciar a violência que vivem os povos indígenas e para desestabilizar o discurso oficial do desenvolvimento entendido desde a lógica do mercado e do capital transnacional. 
      PubDate: 2022-08-19
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe186549
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • Memórias, Materialidades e Narrativas na Doença de Alzheimer

    • Authors: Bárbara Rossin Costa
      Abstract: Na literatura biomédica, demência é um termo genérico utilizado para descrever uma constelação de condições progressivas, incuráveis e comumente associadas ao processo de envelhecimento. Neste artigo, procuro refletir sobre o trabalho de reconstrução e administração das memórias de pessoas diagnosticadas com a Doença de Alzheimer e/ou outras demências em um serviço multiprofissional de saúde. Como material de análise, apresento alguns casos e relatos da minha pesquisa etnográfica no Centro de Referência em Atenção à Saúde do Idoso, da Universidade Federal Fluminense. Tratarei de descrever parte das dinâmicas observadas, as técnicas que orientam os profissionais de saúde em suas práticas laborais e o protagonismo de alguns artefatos na manutenção da saúde e cuidado. A partir desse compósito de experiências, espero, por fim, analisar os meios pelos quais as memórias autobiográficas e a cognição podem ser encarnadas e entrelaçadas aos fluxos materiais.
      PubDate: 2022-08-19
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe187765
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • Masculinidade, projeto e poder entre bate-bolas do Rio de Janeiro

    • Authors: Taynã Martins Ribeiro
      Abstract: Este artigo se propõe a pensar uma masculinidade a partir de uma perspectiva processual. O texto procura desdobrar experiências etnográficas do autor junto a uma turma de bate-bolas da cidade do Rio de Janeiro, dedicando especial atenção ao exame de uma série de estratégias individuais e coletivas realizadas por membros dessa coletividade em seus processos de construção de gênero. Dessa forma, algumas questões buscam ser respondidas ao longo do artigo: há, de fato, uma masculinidade partilhada pelos membros do grupo estudado' Que estratégias são traçadas por esses sujeitos visando a construção de suas masculinidades' Conclui-se que a participação nesses coletivos é uma importante fonte de identidade para uma parcela significativa dos homens que habitam o subúrbio carioca.Este artigo se propõe a pensar uma masculinidade a partir de uma perspectiva processual. O texto procura desdobrar experiências etnográficas do autor junto a uma turma de bate-bolas da cidade do Rio de Janeiro, dedicando especial atenção ao exame de uma série de estratégias individuais e coletivas realizadas por membros dessa coletividade em seus processos de construção de gênero. Dessa forma, algumas questões buscam ser respondidas ao longo do artigo: há, de fato, uma masculinidade partilhada pelos membros do grupo estudado' Que estratégias são traçadas por esses sujeitos visando a construção de suas masculinidades' Conclui-se que a participação nesses coletivos é uma importante fonte de identidade para uma parcela significativa dos homens que habitam o subúrbio carioca.
      PubDate: 2022-08-19
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe192647
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • Vidas que perseveram: escrevivências de uma comunidade quilombola como
           ruptura ótica e política

    • Authors: Diego de Matos Gondim
      Abstract: Este ensaio tem como objetivo produzir escrevivências de uma Comunidade Remanescentes de Quilombo no interior do estado de São Paulo, tendo como perspectiva uma ruptura ótica e política das imagens representativas da realidade. Tal proposta é inspirada na obra Becos da memória, de Conceição Evaristo – onde a escrevivência é compreendida como uma maneira de con(fundir) escrita e vida. A ruptura ótica e política é inspirada na performance Narciso e Eco, realizada por Grada Kilomba – onde a ruptura é produzida a partir de uma desobediência poética das figuras representativas da realidade. Para tanto, a escrevivência é produzida em correspondência com diversas conversações realizadas com os moradores da comunidade quilombola do Mandira. Tais conversações encarnam não apenas a memória de um trabalho de campo iniciado em 2015, mas também as vivências dos quilombolas, atualizando passado, presente e futuro na contemporaneidade.
      PubDate: 2022-08-19
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe173838
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • De ‘Erva do Diabo’ a Panaceia' Biopolíticas da
           Cannabis no Brasil

    • Authors: Thiago Rodrigues, Paulo José dos Reis Pereira
      Abstract: Nas últimas décadas, a regulação da cannabis tem avançado de maneira expressiva, especialmente para o uso médico, ao mesmo tempo em que o uso recreativo dessa droga tem alcançado um número cada vez maior de pessoas em todo o mundo, inclusive em classes sociais mais altas, em sociedades ocidentais. No Brasil, algumas dessas tendências mundiais legais, científicas e sociais sobre a Cannabis também estão presentes, enquanto outras não. Argumentamos aqui que as tensões e movimentações das práticas relativas à Cannabis no Brasil podem ser compreendidas a partir de uma perspectiva analítica histórico-política. Para tanto, utilizamos a Drug War Analysis (DWA) como instrumento teórico-metodológico. Concluímos que o ritmo relativamente lento das reformas nas políticas sobre Cannabis no país, quando comparado a outras sociedades, é fruto de correlações de forças entre diferentes posições nos campos moral, político, social e econômico (todos eles, níveis analíticos da DWA). A análise das articulações e enfrentamentos entre essas forças fornecem uma promissora lente interpretativa para compreender como e quanto é possível esperar alterações mais ou menos profundas na política sobre Cannabis no Brasil contemporâneo.
      PubDate: 2022-08-19
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe198075
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • El cannabis en sus transformaciones: notas etnográficas sobre el proceso
           de regulación de la planta de cannabis y sus derivados

    • Authors: María Cecilia Díaz
      Abstract: Este artículo se desprende de una etnografía realizada entre redes translocales de activistas que impulsaron la sanción de la Ley de Cannabis Medicinal en Argentina en 2017. El análisis considera en detalle determinadas actuaciones administrativas y acciones militantes para centrarse en el proceso de metamorfosis de la planta de cannabis y sus derivados durante los últimos años. A través de entrevistas en profundidad, análisis documental y observación participante, se reconstruye el devenir del cannabis en medicamento de uso compasivo; sus oscilaciones entre estupefaciente y herramienta terapéutica; y su más reciente resignificación como producto capaz de promover el desarrollo económico. La investigación propone comprender al cannabis como “sustancia transgresora” (Taussig, 2013) en la que se reúnen la continuidad de modos clasificatorios prohibicionistas y la emergencia de otras formas de pensar sobre –y relacionarse con– la planta, tal como se observa en las trayectorias de vida de aquellas personas que se tornaron cultivadoras, investigadoras, y usuarias terapéuticas.
      PubDate: 2022-08-19
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe195460
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
  • Nuevos espacios clínicos para Cannabis sativa y hongos Psilocibe en
           Chile

    • Authors: Pedro Musalem Nazar
      Abstract: Neste texto, proponho uma reflexão centrada nos novos espaços clínicos, organizados em torno dos usos medicinais da cannabis, durante a última década no Chile, e ultimamente também, em torno dos cogumelos ricos em psilocibina. Esses novos espaços, que pretendem se inscrever no âmbito da medicina científica oficial, emergem nas fronteiras móveis entre duas tendências históricas contrárias – proibição e liberação das drogas. O objetivo deste texto é expor brevemente as condições que permitiram a emergência material desses novos espaços, bem como dar uma ideia do tipo de subjetividade que perpassa a clínica que neles é praticada. O texto propõe algumas tipologias e conceitos provisórios para a compreensão dessa subjetividade. Acompanho e participo diretamente da formação desses espaços clínicos desde sua criação no Chile, e acompanho, há vinte anos, como paciente, médico e antropólogo, usos rituais e terapêuticos dessas e de outras drogas, em outros países latino-americanos.  
      PubDate: 2022-08-19
      DOI: 10.11606/issn.2316-9133.v31i1pe197349
      Issue No: Vol. 31, No. 1 (2022)
       
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
 


Your IP address: 100.24.118.144
 
Home (Search)
API
About JournalTOCs
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-