Subjects -> HEALTH AND SAFETY (Total: 1464 journals)
    - CIVIL DEFENSE (22 journals)
    - DRUG ABUSE AND ALCOHOLISM (87 journals)
    - HEALTH AND SAFETY (686 journals)
    - HEALTH FACILITIES AND ADMINISTRATION (358 journals)
    - OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY (112 journals)
    - PHYSICAL FITNESS AND HYGIENE (117 journals)
    - WOMEN'S HEALTH (82 journals)

PHYSICAL FITNESS AND HYGIENE (117 journals)                     

Showing 1 - 116 of 116 Journals sorted alphabetically
ACSMs Health & Fitness Journal     Full-text available via subscription   (Followers: 14)
Acta Facultatis Educationis Physicae Universitatis Comenianae     Open Access   (Followers: 3)
Acta Kinesiologiae Universitatis Tartuensis     Open Access   (Followers: 1)
ACTIVE : Journal of Physical Education, Sport, Health and Recreation     Open Access   (Followers: 30)
Adapted Physical Activity Quarterly     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Ágora para la Educación Física y el Deporte     Open Access  
Al.Qadisiya journal for the Sciences of Physical Education     Open Access  
American Journal of Sexuality Education     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Annals of Applied Sport Science     Open Access   (Followers: 11)
Annals of Work Exposures and Health     Hybrid Journal   (Followers: 9)
Applied Physiology, Nutrition and Metabolism     Hybrid Journal   (Followers: 37)
Arab Journal of Nutrition and Exercise     Open Access  
Arquivos em Movimento     Open Access   (Followers: 1)
Arrancada     Open Access  
Asian Journal of Sport and Exercise Psychology     Open Access   (Followers: 4)
Baltic Journal of Sport and Health Sciences     Open Access   (Followers: 2)
BMC Obesity     Open Access   (Followers: 8)
BMC Sports Science, Medicine and Rehabilitation     Open Access   (Followers: 37)
Child and Adolescent Obesity     Open Access   (Followers: 3)
Childhood Obesity     Hybrid Journal   (Followers: 24)
Clinical Journal of Sport Medicine     Hybrid Journal   (Followers: 37)
Comparative Exercise Physiology     Hybrid Journal   (Followers: 21)
Cultura, Ciencia y Deporte     Open Access   (Followers: 1)
Eating and Weight Disorders - Studies on Anorexia, Bulimia and Obesity     Hybrid Journal   (Followers: 25)
eJRIEPS : Ejournal de la recherche sur l'intervention en éducation physique et sport     Open Access  
Environmental Health and Preventive Medicine     Open Access   (Followers: 4)
Éthique & Santé     Full-text available via subscription  
Fat Studies : An Interdisciplinary Journal of Body Weight and Society     Partially Free   (Followers: 2)
Food Science and Human Wellness     Open Access   (Followers: 4)
Frontiers in Sports and Active Living     Open Access   (Followers: 2)
Gelanggang Pendidikan Jasmani Indonesia     Open Access  
German Journal of Exercise and Sport Research : Sportwissenschaft     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Geron     Full-text available via subscription  
Health and Quality of Life Outcomes     Open Access   (Followers: 14)
Health Education     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Health Education Journal     Hybrid Journal   (Followers: 16)
Health Marketing Quarterly     Hybrid Journal   (Followers: 3)
Health Physics     Hybrid Journal   (Followers: 7)
Home Healthcare Now     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Human Movement Science     Hybrid Journal   (Followers: 14)
IISE Transactions on Occupational Ergonomics and Human Factors     Hybrid Journal  
Indonesia Performance Journal     Open Access  
International Journal for Vitamin and Nutrition Research     Hybrid Journal   (Followers: 10)
International Journal of Applied Exercise Physiology     Open Access   (Followers: 54)
International Journal of Athletic Therapy & Training     Hybrid Journal   (Followers: 15)
International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity     Open Access   (Followers: 31)
International Journal of Obesity     Hybrid Journal   (Followers: 93)
International Journal of Obesity Supplements     Full-text available via subscription   (Followers: 7)
International Journal of Qualitative Studies on Health and Well-Being     Open Access   (Followers: 21)
International Journal of Spa and Wellness     Hybrid Journal  
International Journal of Sport, Exercise & Training Sciences     Open Access   (Followers: 3)
International Journal of Yoga     Open Access   (Followers: 17)
Isokinetics and Exercise Science     Hybrid Journal   (Followers: 10)
Journal of Advanced Nutrition and Human Metabolism     Open Access   (Followers: 16)
Journal of American College Health     Hybrid Journal   (Followers: 3)
Journal of Athlete Development and Experience     Open Access   (Followers: 2)
Journal of Bioenergetics and Biomembranes     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Journal of Exercise & Organ Cross Talk     Open Access   (Followers: 3)
Journal of Human Performance in Extreme Environments     Open Access   (Followers: 2)
Journal of Human Sport and Exercise     Open Access   (Followers: 16)
Journal of Motor Learning and Development     Hybrid Journal  
Journal of Physical Activity and Health     Hybrid Journal   (Followers: 11)
Journal of Physical Activity and Hormones     Open Access   (Followers: 2)
Journal of Physical Activity Research     Open Access   (Followers: 3)
Journal of Physical Education and Human Movement     Open Access  
Journal of Physical Education and Sport Sciences     Open Access   (Followers: 3)
Journal of Physical Education Health and Sport     Open Access   (Followers: 2)
Journal of Physical Education, Recreation & Dance     Full-text available via subscription   (Followers: 11)
Journal of Science in Sport and Exercise     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Journal of Sport and Health Science     Open Access   (Followers: 23)
Journal of Sport Sciences and Fitness     Open Access   (Followers: 13)
Journal of Strength and Conditioning Research     Hybrid Journal   (Followers: 73)
Kinesiology : International Journal of Fundamental and Applied Kinesiology     Open Access   (Followers: 1)
Kinesiology Review     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Malaysian Journal of Movement, Health & Exercise     Open Access   (Followers: 3)
Measurement in Physical Education and Exercise Science     Hybrid Journal   (Followers: 7)
Médecine & Nutrition     Full-text available via subscription  
Mental Health and Physical Activity     Hybrid Journal   (Followers: 16)
MHSalud : Movimiento Humano y Salud     Open Access  
Obesity     Hybrid Journal   (Followers: 58)
Obesity Research & Clinical Practice     Full-text available via subscription   (Followers: 20)
Obesity Reviews     Hybrid Journal   (Followers: 25)
Obesity Science & Practice     Open Access   (Followers: 1)
Open Obesity Journal     Open Access   (Followers: 1)
Pain Management in General Practice     Full-text available via subscription   (Followers: 12)
PALAESTRA : Adapted Sport, Physical Education, and Recreational Therapy     Full-text available via subscription   (Followers: 3)
Physical Activity and Health     Open Access   (Followers: 3)
Physical Education & Sport Pedagogy     Hybrid Journal   (Followers: 13)
Preventing Chronic Disease     Free   (Followers: 3)
Psychology of Sport and Exercise     Hybrid Journal   (Followers: 18)
Quality in Sport     Open Access  
Race and Yoga     Open Access  
RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva     Open Access   (Followers: 1)
RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento     Open Access   (Followers: 1)
RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício     Open Access  
Research Quarterly for Exercise and Sport     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Retos : Nuevas Tendencias en Educación Física, Deportes y Recreación     Open Access  
Revista Andaluza de Medicina del Deporte     Open Access   (Followers: 2)
Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde     Open Access   (Followers: 1)
Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano     Open Access   (Followers: 1)
Revista Internacional de Medicina y Ciencias de la Actividad Física y del Deporte : International Journal of Medicine and Science of Physical Activity and Sport     Open Access   (Followers: 1)
Revue phénEPS / PHEnex Journal     Open Access  
Scandinavian Journal of Sport and Exercise Psychology     Open Access   (Followers: 3)
SIPATAHOENAN : South-East Asian Journal for Youth, Sports & Health Education     Open Access  
Spor Bilimleri Dergisi / Hacettepe Journal of Sport Sciences     Open Access  
Sport and Fitness Journal     Open Access   (Followers: 6)
Sport Science and Health     Open Access   (Followers: 2)
Sport Sciences for Health     Hybrid Journal   (Followers: 5)
SPORTIVE : Journal Of Physical Education, Sport and Recreation     Open Access  
Sports     Open Access   (Followers: 3)
Sports Biomechanics     Hybrid Journal   (Followers: 27)
Sports Health: A Multidisciplinary Approach     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Strength & Conditioning Journal     Hybrid Journal   (Followers: 56)
Timisoara Physical Education and Rehabilitation Journal     Open Access   (Followers: 1)
Turkish Journal of Sport and Exercise     Open Access  
Yoga Mimamsa     Open Access   (Followers: 3)

           

Similar Journals
Journal Cover
Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde
Number of Followers: 1  

  This is an Open Access Journal Open Access journal
ISSN (Print) 1413-3482 - ISSN (Online) 2317-1634
Published by Universidade Federal de Pelotas Homepage  [14 journals]
  • Mensuração da atividade física e comportamento sedentário: uma
           análise baseada em grupos de pesquisa

    • Authors: Marcelo Romanzini, Danilo Rodrigues Pereira da Silva, Luiza Isnardi Cardoso Ricardo, José Cazuza Farias Júnior, Arthur Oliveira Barbosa, Shana Ginar da Silva, Inácio Crochemore-Silva , Ially Rayssa Dias Moura, Alcides Prazeres Filho, Jeffer Eidi Sasaki, Felipe Fossati Reichert
      Pages: 1 - 8
      Abstract: O presente estudo caracterizou os grupos de pesquisa brasileiros que possuem linhas de pesquisa voltadas à temática da mensuração da atividade física e/ou comportamento sedentário. Autores de artigos originais envolvendo desenvolvimento, adaptação, tradução e testagem de qualidade de medidas de instrumentos da atividade física/comportamento sedentário na população brasileira foram convidados a responder um instrumento online contendo 19 questões para a identificação de líderes e de características gerais dos grupos de pesquisa. Vinte e oito grupos de pesquisa foram identificados, sendo o pioneiro criado na década de 1970 e a maioria nas últimas duas décadas. Enquanto a região sudeste apresentou a maior concentração de grupos, foi identificada ausência de grupos nas regiões norte e centro-oeste. Os métodos de mensuração mais testados por estes grupos foram os subjetivos, predominantemente questionários (n = 24), seguidos pelos métodos objetivos por meio de acelerômetros (n = 18) e pedômetros (n = 9). Foram identificadas várias conexões (parcerias permanentes com outros grupos/instituições) em nível nacional e internacional, especialmente com países da América do Norte, Europa e Austrália. Espera-se que os resultados do presente estudo possam estimular ações colaborativas entre grupos e pesquisadores brasileiros com o intuito de reduzir desigualdades regionais e aprimorar a produção do conhecimento na área da mensuração da atividade física e do comportamento sedentário.
      PubDate: 2022-11-21
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0279
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Processo de trabalho do profissional de Educação Física na atenção
           básica em territórios do campo

    • Authors: Fernando de Lima, Maria Deisyelle Sibaldina da Silva Almeida, Taynara Poliana Gonçalves de Melo, Wellington da Silva Rodrigues Junior, Nicole Caroline Nascimento da Silva, Ranieri Moreira da Silva, Larissa Manuelle Marciano Francisco, Danyela Lays dos Santos, Itamar Lages, Emmanuelly Correia de Lemos
      Pages: 1 - 9
      Abstract: O objetivo do estudo foi descrever o processo de trabalho do profissional de Educação Física na Atenção Primária à Saúde em territórios do campo. Estudo do tipo relato de experiência sistematizado a partir das vivências dos profissionais residentes de Educação Física, inseridos na Atenção Primária à Saúde nos territórios do campo dos municípios de Garanhuns e Caruaru, cidades do Agreste Pernambucano, com populações quilombolas e assentados de territórios de reforma agrária, no período de janeiro a agosto de 2021. O processo de trabalho dos profissionais de Educação Física no campo é marcado por agentes, objetos, meios, produtos e resultados que caracterizam o trabalho na Atenção Primária, composto por ações de núcleo e outras abrangentes, além das especificidades da área. Perpassa por atividades individuais, coletivas, a partir da realidade e necessidades específicas da população do campo,contribuindo com a atenção à saúde, facilitando a coordenação e continuidade do cuidado dessa população.
      PubDate: 2022-11-04
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0278
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Desenvolvimento adicional do Affordances for Motor Behavior of
           Schoolchildren: versão estandardizada e sistema de pontuação

    • Authors: Fábio Saraiva Flôres, Luis Paulo Rodrigues, Rita Cordovil
      Pages: 1 - 4
      Abstract: Mapear e avaliar os contextos regulares que escolares frequentam é de grande importância para a compreensão do comportamento motor. Esta comunicação tem como objetivo apresentar o sistema de pontuação e padronização do Affordances for Motor Behavior of Schoolchildren (AMBS), recentemente apresentado à comunidade científica e educacional. O AMBS foi desenvolvido para avaliar os sistemas interdependentes das crianças, como casa, escola e atividades esportivas, que podem influenciar o desenvolvimento motor, a aprendizagem motora e a competência motora de crianças de 6 a 10 anos. O questionário foi respondido por 377 famílias brasileiras. As pontuações brutas de cada uma das três subescalas (casa, materiais e escola) foram transformados em pontuações padrão, variando de muito baixo a muito alto. As subescalas AMBS foram classificadas em muito baixo (1º quartil), baixo (2º quartil), bom (3º quartil) e muito bom (4º quartil). A pontuação bruta total do AMBS é resultado da soma das pontuações padrão das três subescalas e pode ser classificada em três categorias, variando de um AMBS baixo a alto. Assim, os escores totais da AMBS foram classificados em baixo (1º tercil), médio (2º tercil) e alto (3º tercil). Esperamos que as pontuações brutas e padrão da AMBS possam ser utilizadas por pesquisadores, pais e profissionais clínicos/educacionais para avaliar as affordances das crianças visando melhor entendimento do comportamento motor.
      PubDate: 2022-10-31
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0277
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Caraterização da atividade física e aptidão física de acordo com os
           níveis de solidão em adultos 50+

    • Authors: Simão Pedro-Costa, Aoife Hiney, Arnaldina Sampaio, José Pedro Guimarães, Lucimere Bohn, Inês Marques-Aleixo
      Pages: 1 - 7
      Abstract: A solidão é uma percepção de insatisfação que parece resultar da carência de relacionamentos significativos, sendo múltiplos os seus potenciais fatores causais. A atual evidência não é robusta no que diz respeito à associação da solidão com a atividade física (AF) e aptidão física (ApF) em adultos 50+. O objetivo deste estudo transversal é caracterizar a AF e ApF de acordo com a solidão. Os 62 indivíduos portugueses (64,68 ± 6,85 anos; 68% mulheres) foram avaliados para solidão (Escala de Solidão de 16 itens da Universidade da Califórnia em Los Angeles - UCLA-16) e classificados como Isolamento Social ou Afinidades, i.e., presença de relações socias significativas. A AF foi estimada por questionário (Questionário Internacional de AF - Versão Curta - IPAQ-SV) e a ApF medida pela bateria Senior Fitness Test (força de membros superiores e inferiores, flexibilidade de membros superiores e membros inferiores, aptidão cardiorrespiratória e agilidade e equilíbrio dinâmico. Foram utilizadas estatísticas descritivas. A comparação entre grupos foi realizada através de testes paramétricos (teste-t, ANCOVA ajustada ao sexo e qui quadrado) e não paramétricos (Mann-Whitney). A prevalência de isolamento social foi de 53%. O grupo Afinidades apresentou mais AF moderada a vigorosa comparativamente ao grupo Isolamento Social (11,43 [0,00 – 17,14] vs (0,00 [0,00 – 12,86], respetivamente; p = 0,041). Após ajuste para o sexo, as diferenças deixaram de ser significativas. Os grupos de solidão não foram diferentes relativamente à ApF. A AF parece contribuir para um melhor perfil mental de adultos e idosos, contudo, os resultados devem ser confirmados em estudos com amostras maiores.
      PubDate: 2022-10-24
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0276
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Grupo de Trabalho em Mensuração da Atividade Física e Comportamento
           Sedentário: uma breve Apresentação

    • Authors: Inácio Crochemore-Silva, Jeffer Eidi Sasaki, Andrea Wendt, Alcides Prazeres Filho, Arthur Oliveira Barbosa, Danilo Rodrigues Pereira da Silva, Felipe Fossati Reichert, Ially Rayssa Dias Moura, José Cazuza de Farias Júnior, Shana Ginar da Silva, Luiza Isnardi Cardoso Ricardo, Marcelo Romanzini
      Pages: 1 - 4
      Abstract: A Sociedade Brasileira de Atividade Física & Saúde (SBAFS) exerce importante papel na união dos pesquisadores e fortalecimento da área no Brasil. Por essa razão, as decisões e direcionamentos das diferentes gestões da SBAFS, auxiliam, no desenvolvimento e consolidação da área. Uma das importantes ações da SBAFS nos últimos anos foi a criação de Grupos de Trabalhos (GTs) sobre diferentes temáticas da atividade física e saúde. Um dos GTs criados foi o GT de Mensuração da Atividade Física e Comportamento Sedentário. Neste contexto, o presente manuscrito descreve a criação do referido GT, suas atividades e ações no período de 2019 e 2021.
      PubDate: 2022-10-06
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0274
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Intervenções por exercício físico e funções cognitivas de idosos:
           revisão sistemática da literatura

    • Authors: Rebeca Marchiori Carazza Vale, Rubia Mara Esquarante Barbosa, Andrea Carmen Guimarães, Sabrina Martins Barroso, Mônia Aparecida da Silva
      Pages: 1 - 12
      Abstract: O objetivo dessa revisão sistemática foi analisar e sumarizar as características dos estudos que avaliam o efeito do exercício físico nas funções cognitivas de idosos e apresentar possíveis variáveis relacionadas com a melhora na cognição. As bases de dados consistiram em Scielo, MEDLINE, PsycINFO e Portal Regional da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), entre os anos de 2010 e 2020. Foram incluídas pesquisas empíricas, que tinham intervenção por exercício físico com pessoas de 60 anos ou mais. Treze estudos preencheram os critérios de inclusão, dos quais nove encontraram um efeito de melhora e quatro de manutenção do exercício físico sobre as funções cognitivas. A maioria dos estudos tiveram qualidade metodológica moderada, indicando a necessidade de maior controle de
      vieses em pesquisas futuras. Além disso, foi evidenciado um efeito dose resposta, indicando que a alta intensidade e frequência dos exercícios físicos podem estar associadas à melhora, bem como um efeito agudo, em que os ganhos são mais acentuados nos primeiros meses de intervenção, tendendo à estabilização posterior. Essa revisão sugere que o exercício físico pode ser protetivo à cognição de idosos.
      PubDate: 2022-09-30
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0275
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Atividade física no contexto escolar: a ciência e a
           política caminham juntas'

    • Authors: Júlio Brugnara Mello, Ciro Romelio Rodriguez-Añez, Evaldo José Ferreira Ribeiro Junior, Guilherme Alves Grubertt, Jéssica Gomes onçalves, James Silva Moura Buchmeier
      Pages: 1 - 3
      Abstract: None
      PubDate: 2022-08-25
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0273
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Aplicativos de smartphone para monitorar a atividade física e o
           comportamento sedentário: Uma revisão sistemática de estudos de
           validação

    • Authors: Raul Cosme Ramos Prado, Margarethe Thaisi Garro Knebel, Evelyn Helena Corgosinho Ribeiro, Inaian Pignatti Teixeira, Jeffer Eidi Sasaki, Luciano Vieira de Araújo, Paulo Henrique Guerra, Alex Antonio Florindo
      Pages: 1 - 14
      Abstract: Aplicativos para smartphones têm sido desenvolvidos e investigados em estudos de validação para rastreamento de comportamento humano, como atividade física (AF) e comportamento sedentário (CS). No entanto, como não está claro se esses aplicativos são válidos para rastrear AF e CS quando comparados a acelerômetros de grau de pesquisa, portanto, essa revisão sistemática teve o objetivo investigar a validade de aplicativos de smartphone para rastreamento de AF e CS usando o acelerômetro como medida de critério. Uma busca sistemática foi realizada em quatro bases de dados. A diferença percentual média (MPD) foi utilizada para avaliar a validade de critério. Dez estudos (n = 662) validando diferentes aplicativos usando acelerômetros ActiGraph como medida de critério (seis foram realizados em condições de vida diária, dois em condições de laboratório e dois em ambas as condições) foram incluídos para análise. Enquanto quatro aplicativos foram considerados válidos para rastreamento de AF, seis não eram válidos ou totalmente válidos. A análise do MPD revelou que os aplicativos não fornecem pontuações válidas para rastrear medidas de AF (MPD = -12,6 – 37,7). A escassez de estudos investigando o CS limita o rastreamento dos resultados sobre esse comportamento. Desenhos de estudo, localização do smartphone e intensidade do exercício tendem a afetar a precisão dos aplicativos que rastreiam AF; assim, a presente revisão mostrou resultados conflitantes entre os estudos. Esta revisão mostra que não é possível generalizar as pontuações válidas para todos os aplicativos.
      PubDate: 2022-08-15
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0270
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Ações de prevenção e controle de diabetes na atenção primária no
           Amazonas

    • Authors: Elisa Brosina de Leon, Lucas Santos Fernandes, Hércules Lázaro Morais Campos, Fabio Araujo Almeida
      Pages: 1 - 13
      Abstract: Ações de prevenção e controle da diabetes do tipo 2 (T2DM) são prioridades dentro da atenção primária de saúde, desde a dispensação de medicações específicas, às ações não medicamentosas como atividade física e nutrição. O objetivo foi caracterizar ações de prevenção e manejo (PM) e seus componentes na atenção primária no Estado do Amazonas, Brasil. Estudo observacional baseado no modelo RE-AIM. Estratégias adotadas em ações de PM foram descritas pelas 5 dimensões: (R) Alcance, (E) Efetividade, (A) Adoção, (I) Implementação e (M) Manutenção. Dados foram coletados em Unidades Básicas de Saúde em 6 cidades do Amazonas, Brasil. Os questionários endereçados aos gestores visavam ações de PM e seu desenvolvimento. Este estudo identificou 17 diferentes tipos de ações. Onze ações contemplaram ambas as estratégias de PM com 53,8% focadas em atividade física e orientações nutricionais. No entanto, nenhuma ação relatou mensuração para avaliação de mudanças no nível de atividade física e no comportamento nutricional. As ações baseiam suas avaliações em coleta de feedback dos participantes, equipe executora e profissionais de saúde. Ao todo, 310 profissionais de saúde participaram de ações, incluindo 4 profissionais de educação física e 3 nutricionistas, sendo 100% dos esforços coordenados por enfermeiros. As ações de PM da T2DM são baseadas em práticas tradicionais de educação em saúde como palestras e não possuem atividades práticas que auxiliem na mudança e manutenção de comportamentos saudáveis. Apesar disso, a atenção primária exerce um papel fundamental no cuidado ao usuário portador de doença crônica em municípios do interior do Amazonas.
      PubDate: 2022-08-15
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0271
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Prevalência dos níveis de atividade física e fatores associados entre
           adolescentes escolares

    • Authors: Nayra Suze Souza e Silva, Rosângela Ramos Veloso Silva, Bruna Nathália Santos, Marise Fagundes Silveira, Maria Fernanda Santos Figueiredo Brito, Lucinéia de Pinho, Camila Katheryne Santos Cangussu, Carla Silvana de Oliveira e Silva
      Pages: 1 - 9
      Abstract: Este estudo objetivou estimar a prevalência dos níveis insuficientes de atividade física e fatores associados entre adolescentes. Trata-se de um estudo transversal e analítico, realizado em 2017/2018 com estudantes do ensino médio das escolas públicas de Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. Utilizou-se o autopreenchimento do IPAQ, versão curta, para avaliar o nível de atividade física, categorizando os adolescentes em ativos, insuficientemente ativos e fisicamente inativos. Variáveis de exposição foram organizadas em blocos: perfil sociodemográfico, consumo alimentar, uso de álcool/drogas, condições de saúde e aulas de educação física escolar. A Regressão Logística Multinomial permitiu estimar odds ratio (OR) e seus respectivos intervalos de confiança (IC) de 95%, com análises corrigidas pelo efeito do desenho. Participaram do estudo 2.040 adolescentes distribuídos em 21 escolas. No total, 21,3% eram insuficientemente ativos e 23,7% fisicamente inativos. As chances de ser insuficientemente ativo foram maiores entre as meninas (OR = 1,39; IC95%: 1,01 – 1,91), que consumiam frutas raramente (OR = 1,54; IC95%: 1,00 – 2,37), que não estavam fazendo nada em relação ao peso corporal (OR = 1,78; IC95%: 1,34 – 2,37) e com autopercepção de saúde regular (OR = 1,75; IC95%: 1,27 – 2,42). Houve maior chance de ser fisicamente inativo entre aqueles com menor renda (OR = 1,44; IC95%: 1,09 – 1,92), que consumiam frutas raramente (OR = 1,76; IC95%: 1,22 – 2,55), com boa autopercepção de saúde (OR = 1,54; IC95%: 1,15 – 2,07) e sem interesse pelas aulas de educação física (OR = 1,69; IC95%: 1,02 – 2,81). O estudo apontou que quase metade dos adolescentes não eram ativos fisicamente, indicando a necessidade de implementações de programas relacionados à promoção da prática de atividade física na adolescência.
      PubDate: 2022-08-03
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0272
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • RBAFS: análise dos artigos originais publicados entre 2016 e 2020

    • Authors: Paulo Henrique Guerra, Letícia Aparecida Calderão Sposito, Alex Antonio Florindo
      Pages: 1 - 6
      Abstract: Com objetivo de analisar as características das publicações do periódico relacionado ao tema “atividade física e saúde”, foi conduzida uma revisão de escopo a partir dos estudos originais publicados na Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde entre 2016 e 2020. Foram avaliados e encaminhados para a síntese os artigos originais que envolveram amostras de seres humanos, independente da abrangência dos dados, contexto de pesquisa, delineamentos, fenômenos e temas estudados e abordagem utilizada para a coleta e análise de dados. A partir dos dados de 207 artigos, observou--se maiores frequências de primeiros autores afiliados às instituições localizadas na região Sul do país; com estudos conduzidos em cidades da mesma região; pesquisas de desenho transversal com abordagens quantitativas à coleta e análise dos dados; que envolveram amostras com indivíduos de ambos os sexos; indivíduos adultos; com recrutamento nos cenários de atenção primária à saúde e tamanho amostral de até 50 indivíduos e com objetivos de identificar correlatos e fatores associados à atividade física. Visto o cenário de produtividade e competitividade entre pesquisadores e periódicos interessados no tema atividade física e saúde, esforços são necessários para que a revista aumente seu potencial como opção primária de submissão entre os pares da área.
      PubDate: 2022-08-02
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0269
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Impacto da Covid-19 na saúde mental, qualidade de vida e nível de
           atividade física em universitários

    • Authors: Ana Paula Rodrigues dos Santos, Joyce Neire Vidal Alexandre Souza, Bruno Rafael Vieira Souza Silva, Emília Chagas Costa, Marcela Claudia de Paula Oliveira Oliveira, Jael Maria de Aquino, Marcos André Moura dos Santos, Mauro Virgílio Gomes de Barros, Lygia Maria Pereira da Silva, Marco Aurelio de Valois Correia Junior
      Pages: 1 - 10
      Abstract: Jovens podem ter repercussões negativas em sua saúde mental, qualidade de vida e em doenças relacionadas com a inatividade física devido ao isolamento social e medo da doença (Covid-19). Este estudo teve como objetivo analisar o impacto da pandemia da Covid-19 na qualidade de vida, nível de atividade física e saúde mental de jovens universitários. Jovens universitários (16 a 24 anos) completaram uma entrevista online, considerando possíveis mudanças na saúde mental, qualidade de vida e nível de atividade física considerando o momento anterior e durante a pandemia. A estratégia de recrutamento dos participantes foi do tipo bola de neve. Participaram 1.167 jovens (69,2% mulheres), dos quais 8,8% tiveram diagnóstico de Covid-19 confirmado. Houve uma piora em todos os escores de qualidade de vida, estresse e depressão durante a pandemia quando comparados com o período anterior à pandemia (p < 0,001). A pandemia também aumentou a inatividade nos jovens (49% vs 28%, p < 0,001). Estudantes do sexo feminino, da área de saúde, que tinham casa própria e que não tiveram diagnóstico confirmado de Covid-19 apresentaram aumento do estresse no período pandêmico. A pandemia Covid-19 piorou os indicadores de saúde mental, qualidade de vida e nível de atividade física de jovens universitários. Chama atenção que apesar de não ser um grupo de risco para o agravamento da doença e consequente maior mortalidade, restrições relacionadas a pandemia limitaram ou evitaram a circulação de pessoas e esse isolamento pode representar importantes modificações na saúde a médio e longo prazo nesse público.
      PubDate: 2022-07-30
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0266
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Atividade física e tempo sentado em adultos após diagnóstico positivo
           para COVID-19: um estudo transversal

    • Authors: Ana Beatriz Minelli Ramos, Euripedes Barsanulfo Gonçalves Gomide, Thiago Cândido Alves, Natália Drieli Miguel, Átila Alexandre Trapé, Emerson Sebastião, André Pereira dos Santos
      Pages: 1 - 10
      Abstract: Este estudo teve como objetivo: a) investigar os sinais e sintomas mais comuns relatados por pessoas infectadas por COVID-19, b) comparar o tempo total e o nível semanal de atividade física das pessoas no período pré e pós- infecção, c) examinar a associação entre os níveis de atividade física e os sinais e sintomas relatados durante o ciclo da doença. Participaram deste estudo 22 pessoas (14 do sexo masculino e oito do feminino, idade média 37,9 ± 16,8 anos) residentes na cidade de Ribeirão Preto, Brasil. Todos receberam diagnóstico positivo para COVID-19 via PCR. A atividade física e o tempo sentado foram avaliados por meio do Questionário Internacional de Atividade Física. Variáveis como índice de massa corporal e o quadro clínico da doença (sinais e sintomas), foram coletadas. Os sinais e sintomas mais frequentes foram perda do paladar (77,8% e 25%), dor de cabeça (66,7% e 25%), tosse (66,7% e 25%), dificuldade para respirar (61,1% e 25%) e dor garganta (61,1% e 75%), para indivíduos ativos e inativos, respectivamente. Uma redução de 120 minutos (p = 0,010) no tempo total de atividade física semanal e de 155 minutos (p = 0,003) de atividade física moderada semanal foi observada na comparação pré e pós-diagnóstico por COVID-19. Houve associação entre dificuldade para respirar e ser fisicamente inativo (odds ratio = 0,222; IC95%: 0,094 – 0,527). Nossos resultados sugerem que a COVID-19 teve impacto negativo na atividade física e que pessoas fisicamente ativas podem reduzir a probabilidade de apresentar dificuldade para respirar quando diagnosticadas por COVID-19.
      PubDate: 2022-07-28
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0268
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Distúrbios do sono e exercício físico regular na atenção primária à
           saúde: estudo observacional

    • Authors: Karina Nunes Assunção, Luísa Teixeira Pasqualotto, Helton Oliveira Campos, Newton Santos Faria Júnior
      Pages: 1 - 6
      Abstract: O exercício físico é considerado atualmente como alternativa não farmacológica para melhora da qualidadedo sono, porém pela falta de conhecimento de alguns profissionais o mesmo não é muito utilizado para essa finalidade. Dessa forma, o objetivo deste estudo foi comparar a qualidade do sono, a presença de distúrbios do sono e insônia, e a qualidade de vida em pacientes praticantes de exercício físico regular (PEFR) e não praticantes de exercício físico regular (NPEFR), assistidos em UBS´s do município de Divinópolis, Minas Gerais. O estudo foi do tipo observacional transversal, realizado com 49 pacientes recrutados a partir de Unidades Básicas de Saúde (UBS´s) do município de Divinópolis, Minas Gerais. Foram divididos em dois grupos, os PEFR e NPEFR, e em seguida avaliados quanto a qualidade e presença de distúrbios do sono, percepção da insônia, e qualidade de vida, abordados de acordo com os respectivos questionários: Índice de Qualidade de Sono de Pittsburgh (IQSP), Índice de Gravidade de Insônia e Questionário de Qualidade de Vida SF-36. Quando comparado os grupos, houve diferença estatisticamente significativa quanto aos itens boa qualidade do sono, presença de insônia severa, qualidade de vida sob os domínios estado geral de saúde, aspectos sociais e saúde mental. Desta forma, sugere-se que os pacientes que praticam exercício físico regular assistidos em UBS’s apresentam maior prevalência de boa qualidade do sono, menor índice de insônia severa e melhor qualidade de vida.
      PubDate: 2022-07-28
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0267
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Fatores associados à aderência em programa comunitário de atividade
           física numa capital brasileira

    • Authors: Glauber Rocha Monteiro, Cristiane Kelly Aquino dos Santos, Gilene de Jesus Pereira, Roberto Jerônimo dos Santos Silva
      Pages: 1 - 9
      Abstract: Este trabalho tem como objetivo analisar os fatores associados à aderência em um Programa Comunitário de Atividade Física de uma capital do nordeste brasileiro. Trata-se de uma coorte retrospectiva, de base populacional. Foram analisados 2.616 registros de participantes, relacionando tempo de adesão à dezesseis covariáveis referente a dados sociodemográficos, estilo de vida, percepção de saúde e doenças referidas por diagnóstico clínico, entre 2004 e 2009. Foi utilizado estimador de sobrevida não-paramétrico Kaplan-Meier para caracterizar o grupo e estimar a aderência e o teste de logrank para comparar as categorias de cada covariável, utilizando p ≤ 0,20. Foram inseridas no modelo final de Cox àquelas que apresentaram valor de p ≤ 0,05, determinando a Razão de Chance (OR) da aderência com um intervalo de confiança de 95%. As análises foram realizadas no SPSS for Windows® versão 22. Foi observado 97,4% casos de desistência e 2,6% de censura. Mantiveram chances de aderência “grupamento etário de 35-59 anos de idade” (OR = 1,839; IC95%: 1,625 – 2,083), “60 anos de idade ou mais” (OR = 1,197; IC95%: 1,080 – 1,325) e “estresse” (OR = 1,087; IC95%: 1,004 – 1,178). Apresentaram menores chances de aderência indivíduos que relataram lombalgia (OR = 0,887; IC95%: 0,810 – 0,972) e aqueles com renda entre um e três salários mínimos mensais (OR = 0,751; IC95%: 0,596 - 0,961). Assim, verifica-se baixa aderência nos primeiros meses de participação, em que adultos, idosos e participantes com estresse apresentam maiores chances de aderência, ao contrário dos lombálgicos e indivíduos menos abastados.
      PubDate: 2022-07-22
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0265
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Estratégias para promover motivação para a atividade física no
           contexto da atenção primária à saúde

    • Authors: Anelise Sandri, Rodrigo Sudatti Delevatti, Thiago Sousa Matias
      Pages: 1 - 7
      Abstract: A promoção da saúde envolve aspectos afetivos e cognitivos para mudanças de comportamento, assim destaca-se a necessidade de maior atenção voltada aos aspectos motivacionais relacionados à adesão e manutenção das pessoas à prática de atividade física no contexto da Atenção Primária à Saúde (APS). Este ensaio tem como objetivo apresentar a etapa inicial de um modelo teórico-metodológico de intervenção para a atividade física no contexto da APS, que considerem os processos regulatórios da motivação. O macroprojeto foi organizado sob três processos: desenvolvimento (foco exclusivo deste ensaio); validação e avaliação/aplicação. A partir da análise bibliográfica foram extraídas 17 estratégias para promover motivação para a atividade física. Após, foi sugerido formas de implementar tais estratégias no contexto da atividade física da APS. Este trabalho visa democratizar e encorajar a apreciação dos aspectos afetivos e cognitivos por profissionais, pesquisadores e gestores interessados na promoção da prática de atividade física para a saúde no contexto da APS.
      PubDate: 2022-07-20
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0264
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • A experiência de curso de capacitação para promoção da atividade
           física na atenção primária à saúde

    • Authors: Luiz Guilherme Grossi Porto, Lucas Ugliara, Rafael Rodrigues da Cunha , Marco Antonio Caetano Junior, Rodrigo Souza Celes, Amilton Vieira
      Pages: 1 - 5
      Abstract: Evidências demonstram a importância de estratégias de promoção da atividade física no contexto da atenção primária à saúde (APS) e a carência de qualificação profissional específica nesta área. Objetivou-se relatar a experiência de um curso básico de capacitação para condução de aulas coletivas junto ao estudo piloto do Programa Brasil em Movimento, do Ministério da Saúde (PBM). O curso abrangeu oito temas com carga de 22 horas oferecidas remotamente. Em 21 dias de divulgação inscreveram-se 630 pessoas, com média de 439 visualizações das aulas. Os discentes avaliaram o curso positivamente (95%) e o recomendariam (93%). Observou-se que: 1- o número de inscritos e de visualizações das aulas indicam interesse por este tipo de qualificação; 2- a oferta do curso de modo remoto foi adequada para atingir interessados de todas regiões do Brasil; 3- a oferta desse tipo de capacitação parece ser fundamental, frente à heterogeneidade de formação do público alvo.
      PubDate: 2022-07-16
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0262
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Comparação de avaliação de medidas indiretas e associação com medida
           subjetiva de capacidade aeróbia

    • Authors: Rubian Diego Andrade, Iedo José da Silva Junior , Luciane Pereira Nascimento Hackl , Sabrina Fernandes de Azevedo , Diego Grasel Barbosa , Érico Pereira Gomes Felden
      Pages: 1 - 7
      Abstract: Este estudo teve como objetivo comparar a avaliação da resistência aeróbia avaliada pelos testes de McArdle e Conconi e associar as medidas indiretas com a percepção subjetiva por meio da Escala de Capacidade Percebida (ECP). Foram recrutados 29 participantes, 17 homens e 12 mulheres, com idades iguais ou maiores de 18 anos da região de São José, Santa Catarina. Após os recrutamentos foram analisados variáveis como sexo, idade, estatura, massa corporal, frequência cardíaca e esforço físico por meio dos testes de banco de McArdle e Conconi, além da capacidade percebida por meio da ECP. A média da pontuação da ECP foi de 9,72 (DP = 1,60). O Índice de Correlação Intraclasse entre os dois testes foi considerando excelente (r = 0,939; p < 0,001). Além disso, ambas análises apresentaram associação com a variável desfecho. No entanto, o poder explicativo da Regressão Linear, considerando como variável independente o VO2max a partir do deste de McArdle foi maior (45,3%). Assim, recomenta-se a utilização da tabela de referência deste teste para identificação do VO2máx a partir da percepção subjetiva pela ECP. Desta forma, a ECP pode ser uma ferramenta valiosa na avaliação, prescrição de exercícios e em estudos epidemiológicos por sua fácil e rápida aplicabilidade em adultos ativos fisicamente.
      PubDate: 2022-07-12
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0261
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Indicadores geoespaciais do índice de bikeability como projeto de cidade
           amiga da bicicleta: uma revisão sistemática

    • Authors: Alfredo Leopoldo Enrique Messenger Valenzuela, Adalberto Aparecido dos Santos Lopes, Pablo Antônio Bertasso de Araujo, Marcelo Dutra Della Justina, Gabriel Claudino Budal Arins, Cassiano Ricardo Rech
      Pages: 1 - 12
      Abstract: Identificar os principais indicadores geoespaciais sobre a construção do índice de bikeability. O protocolo do estudo foi registrado no PROSPERO, sob o número de registro CRD42020166795, seguiu o guia (PRISMA). Foram selecionados estudos originais indexados nas bases de dados eletrônicas Lilacs, PubMed, Science Direct, Scopus, SPORTDiscus, Trid, Web of Science. A revisão também incluiu literatura cinza, além da lista de referências e documentos identificados por especialistas. A busca inicial identificou 703 artigos, após a retirada das duplicatas e análise de títulos, resumos e texto completo, 11 artigos foram incluídos na revisão. Um total de 100 indicadores geoespaciais do ambiente construído foram identificados com diferentes definições e métricas para estimar o índice de bikeability. O setor censitário foi a unidade de análise mais utilizada nos artigos, que utilizaram dados de SIG (Sistema de Informações Geográficas) além de informações autorreferidas sobre características ambientais. Os resultados indicam que os indicadores mais usuais dizem respeito à infraestrutura – existência e largura das ciclovias – destino, inclinação, limite de velocidade, conectividade e interseções. A criação e manutenção de ambientes amigos da bicicleta poderia contemplar a implantação de mais infraestrutura em vias planas e conectadas com mudanças nos limites de velocidade nos bairros, principalmente em regiões com baixa densidade de cruzamentos, para diminuir os acidentes e aumentar a percepção de segurança dos ciclistas.
      PubDate: 2022-07-04
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0255
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Planejamento e compromisso da nova gestão da Sociedade Brasileira de
           Atividade Física e Saúde (2022-2024)

    • Authors: Maria Cecilia Marinho Tenório, Roseanne Autran
      Pages: 1 - 2
      PubDate: 2022-07-01
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0263
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Atividade física como fator de proteção para sintomas do
           climatério

    • Authors: Juliene Gonçalves Costa, Tállita Cristina Ferreira de Souza, Priscila Aline Dias, Priscila Missaki Nakamura, Guilherme Morais Puga
      Pages: 1 - 9
      Abstract: O objetivo desta pesquisa foi investigar a associação entre os sintomas e qualidade de vida (QDV) no climatério com o nível e intensidade da atividade física (AF), índice de massa corporal (IMC), utilização de terapia hormonal da menopausa (THM) e nível de escolaridade. O estudo foi realizado com 641 mulheres climatéricas, com 56 ± 6 anos de idade, que preencheram o Índice de Kupperman-Blatt (IKB) e Menopause Rating Scale (MRS) para avaliar os sintomas do climatério, a Escala de Cervantes (EC) para avaliar a QDV, o Questionário Internacional de Atividade Física – versão curta (IPAQ) para avaliar AF e perguntas sobre peso, estatura, uso de THM e nível de escolaridade. Foi realizado a correlação de Spearman no software SPSS 26 e a regressão logística binária no software Stata 14.0, adotando-se um p < 0,05. Ter nível de escolaridade universitário (IKB = 44%), praticar mais de 150 minutos de AF total/semana (IKB = 48%) e mais de 10 minutos de AF vigorosa/semana (IKB = 36%), são fatores de proteção para sintomas vasomotores, fraqueza, cefaleia, parestesia, vertigem, artralgia ou mialgia, palpitações, formigamentos e sintomas relacionados ao humor moderado/acentuado. Ter IMC normal (EC = 43%), nível de escolaridade universitário (EC = 46%) e praticar mais de 150 minutos de AF total/semana (EC = 61%), são fatores protetores de proteção para melhor QDV. Para sintomas psicológicos, somáticos e urogenital, avaliados pelo MRS, não houve associação com os fatores de exposição. Assim, atingir as recomendações de AF, ter nível de escolaridade universitário e o IMC normal são fatores de proteção para sintomas climatéricos moderados e acentuados e QDV.
      PubDate: 2022-06-23
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0260
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Mudanças nos níveis de ansiedade e depressão após dois programas de
           exercícios com mulheres participantes do Programa Academia de Saúde

    • Authors: Carolina Gabriela Reis Barbosa, Alex Harley Crisp, José Jonas de Oliveira, Anna Gabriela Silva Vilela Ribeiro, Matheus Valério Almeida Oliveira, Rozangela Verlengia
      Pages: 1 - 9
      Abstract: Este estudo investigou mudanças nos sintomas de ansiedade e depressão após dois programas de exercícios com mulheres adultas participantes do Programa Academia da Saúde. Com base em amostragem não probabilística, um total de 93 mulheres adultas (faixa etária: 19 a 77 anos) foram recrutadas em duas unidades de saúde, selecionadas para receber programas de exercícios físicos com características contínua (CT; n = 53) ou intermitente (IT; n = 40). As atividades foram supervisionadas durante seis meses (duas vezes por semana; ~60 min) por um profissional de educação física. O desfecho primário do estudo foi a avaliação do nível de alterações de ansiedade e depressão por meio da escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão. A função física foi avaliada por meio do teste de caminhada de 1 milha, força de preensão manual e teste de sentar e levantar. Nenhuma interação grupo-por-tempo significativa foi observada para qualquer um dos resultados investigados. . Em relação às comparações entre os momentos, houve melhora significativa nos escores de ansiedade (F = 16,52; p = <0,001; ηp2 = 0,15) e depressão (F = 9,29; p = 0,003; ηp2 = 0,09). Além disso, houve melhorias significativas no teste de caminhada de 1 milha (F = 70,36; p = <0,001; ηp2 = 0,44), teste de sentar e levantar (F = 141,53; p = <0,001; ηp2 = 0,61) e desempenho de força de preensão manual (F = 10,12; p = 0,002; ηp2 = 0,10). Em conclusão, ambos os programas de exercícios foram igualmente eficazes na promoção de mudanças benéficas nos níveis de ansiedade, depressão e melhora da função física em mulheres participantes do Programa Academia de Saúde. Portanto, a decisão de escolher qual protocolo aplicar deve ser baseada na preferência da comunidade e em considerações práticas.
      PubDate: 2022-06-06
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0257
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Pandemia de COVID-19 e inatividade física em estudantes universitários
           brasileiros: um estudo multicêntrico

    • Authors: Samuel Carvalho Dumith, Vanise dos Santos Ferreira Viero, Eduardo Gauze Alexandrino, Luis Carlos Barbosa Silva, Rafael Miranda Tassitano, Lauro Miranda Demenech
      Pages: 1 - 9
      Abstract: O objetivo deste estudo foi investigar a prevalência de inatividade física durante a pandemia de COVID-19 e a associação com variáveis do contexto pandêmico em universitários brasileiros. Conduziu se uma pesquisa transversal, multicêntrica, em cinco universidades públicas das diferentes regiões geográficas do Brasil. Participaram do estudo 5.720 estudantes, de 18 anos ou mais, entre setembro de 2020 e maio de 2021. A coleta de dados foi realizada por meio de um questionário autoaplicável online na plataforma REDCap. A variável dependente foi inatividade física. As variáveis independentes foram os aspectos relacionados à pandemia. A prevalência de inatividade física foi de 48,8% (IC95%: 47,5%; 50,1%), variando entre 26,3% para os que saíram todos ou quase todos os dias para atividades não essenciais e 64,9% para os que ficaram em casa o tempo todo. Universitários que referiram continuar trabalhando normalmente e que tinham medo da pandemia tiveram maior probabilidade de serem inativos fisicamente. Já os grupos que tiveram menor probabilidade para o desfecho foram os que tiveram redução na renda, os que saíram mais de casa para atividades essenciais e não essenciais, os que passaram a trabalhar em casa, os que cumpriram o distanciamento social e os que tinham algum fator de risco para COVID-19. Os achados indicam que um a cada dois universitários brasileiros são inativos fisicamente e os principais fatores de risco foram continuar trabalhando normalmente e medo da pandemia. Recomendam-se intervenções para promover a atividade física, especialmente para os grupos mais afetados pela pandemia de COVID-19.
      PubDate: 2022-06-03
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0258
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Acesso a locais para a prática de atividade física entre usuários de
           Unidades Básicas de Saúde

    • Authors: Eduardo Ribes Kohn, Vitor Häfele, Fernando Vinholes Siqueira
      Pages: 1 - 9
      Abstract: O objetivo desse estudo foi descrever a prevalência de acesso a locais para a prática de atividade física (AF) por usuários de Unidade Básica de Saúde (UBS) da zona urbana da cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul. Foi realizado um estudo de delineamento transversal, de base populacional comunitária, com usuários de 18 anos ou mais, que alguma vez tenham recebido aconselhamento para a prática de AF na UBS e que estivessem aguardando atendimento na sala de espera da UBS. Foram coletadas variáveis socioeconômicas, demográficas, comportamentais, de saúde e de acesso a AF. O desfecho, acesso a algum local para prática de AF, foi operacionalizado pela seguinte pergunta: “Após o aconselhamento para a prática de atividade física, o(a) Sr(a) teve acesso a algum local em que fosse possível realizar atividade física'”. Foram entrevistados 248 usuários em 31 UBS visitadas. A prevalência de acesso a locais para a prática de AF foi de 52,8%, sendo os locais públicos os mais acessados (63,4%). Entre quem não teve acesso, 46,2% não procuraram por um local e 29,2% relataram não existir local público adequado. Concluímos que apesar dos usuários de UBS considerarem a AF como importante para a saúde e apesar de ter recebido aconselhamento para a prática de AF, pouco mais da metade dos entrevistados teve acesso a locais de prática de AF.
      PubDate: 2022-06-01
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0259
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Faltar à aula eleva a frequência diária de uso de telas
           entre estudantes

    • Authors: Gilmar Mercês de Jesus, Raphael Henrique de Oliveira Araujo, Lizziane Andrade Dias, Anna Karolina Cerqueira Barros, Lara Daniele Matos dos Santos Araujo, Maria Alice Altenburg de Assis
      Pages: 1 - 8
      Abstract: Nós analisamos a associação longitudinal entre presença na escola e frequência diária de uso de diferentes tipos de telas (TV, celular, computador e videogame). O follow-up incluiu quatro medidas repetidas durante o ano letivo de 2015. Participaram do estudo crianças e adolescentes de escola pública (n = 463; 53,6% meninos; 9,3 ± 1,3 anos). O uso de telas foi o desfecho analisado, relatado em um questionário online para a recordação do dia anterior, ilustrado com 32 ícones de atividades, incluindo 4 tipos de dispositivos eletrônicos. O participante respondeu “O que você fez ontem'” pela manhã, tarde e noite. A frequência escolar foi avaliada por meio do item “Você veio à escola ontem'”. A análise foi conduzida via equações de estimativa generalizada, com ajuste por sexo, idade, estação do ano e escore-z de IMC. O percentual médio de faltas no período foi de 28,7%. De maneira geral, o uso de telas foi 13% mais frequente entre estudantes que faltaram à aula, com destaque para vídeogame, cuja frequência diária foi 37% maior. Adolescentes (10-12 anos) exibiram frequência diária de telas 26% maior quando comparados com as crianças (7-9 anos), especialmente de TV (36%) e celular (32%). A frequência diária de uso de telas e de assistir TV entre os alunos que faltaram às aulas no inverno foi, respectivamente, 24% (IRR = 1,24; IC95% = 1,11 - 1,39) e 35% (IRR = 1,35; IC95% = 1,10 - 1,66) maior em relação aos que faltaram às aulas no outono. Concluímos que o uso de telas predominou entre estudantes que faltaram à aula, sobretudo no período do inverno.
      PubDate: 2022-05-31
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0256
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Atividades Físicas e Esportivas: desenvolvimento do modelo lógico do
           Projeto Vida Ativa Pelotas, Rio Grande do Sul

    • Authors: Giulia Salaberry Leite, Katia Denise Costa Berni, José Antônio Bicca Ribeiro, Inacio Crochemore-Silva
      Pages: 1 - 6
      Abstract: O objetivo deste estudo foi desenvolver o modelo lógico do Projeto Vida Ativa (PVA), Pelotas, Rio Grande do Sul. O modelo foi realizado com uma abordagem prospectiva e optou-se por delimitar como marco temporal o ano de 2019, refletindo um período pré-pandemia de Covid-19 e um momento de consolidação recente do programa. Foram conduzidas entrevistas semiestruturadas com a coordenação do projeto, além da análise de documentos. O projeto é uma política de governo, desenvolvida desde 2013, financiado e executado pela prefeitura municipal. O PVA tem como objetivo melhorar a qualidade de vida de crianças, jovens, adultos e idosos, em situação de vulnerabilidade social promovendo Atividades Físicas e Esportivas recreativas, aeróbicas, de resistência entre outros, além de eventos aos finais de semana e feriados. O modelo lógico possibilitou a sistematização de informações, demarcando objetivos, insumos, atividades desenvolvidas, produtos e resultados à curto e a longo prazo. Futuros estudos podem utilizar estas informações para avaliar os componentes do projeto.
      PubDate: 2022-05-24
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0254
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Estágios da doença renal crônica e suas associações com o nível de
           atividade física, qualidade de vida e perfil nutricional

    • Authors: Antonio Filipe Pereira Caetano, Flavianne Araújo Neves Alves, Katianne Monique da Silva França, André Victor Ferreira Gomes, Juliana Célia de Farias Silva
      Pages: 1 - 9
      Abstract: Estudos apresentaram resultados benéficos da prática de exercício físico no tratamento adjuvante à doença renal crônica (DRC). O objetivo desse estudo foi comparar e associar os estágios da evolução da DRC dos pacientes em tratamento conservador com o nível de atividade física, qualidade de vida e o perfil nutricional. A amostra foi composta por pacientes de ambos os sexos, com idade superior aos 18 anos em tratamento conservador para DRC. Foram avaliados o perfil nutricional (índice de massa corporal, circunferência de cintura e percentual de gordura); nível de atividade física (IPAQ); nível de qualidade de vida (WHOQOL-Bref). Participaram do estudo 52 pacientes com idade média de 60,30 ± 9,10 anos, 53,8% mulheres, 57,6% diabéticos e 76,9% hipertensos. Para o perfil nutricional e nível de atividade física, 38,4% eram pessoas com obesidade; 82,6% com valores elevados de circunferência da cintura (CC); e 67% apresentaram baixos níveis baixos de atividade física. Para o nível de qualidade de vida, menores escores em satisfação com saúde (2,98 ± 0,83) e meio ambiente (2,75 ± 0,38); melhores escores em domínio psicológico (3,80 ± 0,53) e relações sociais (3,58 ± 0,58). Não houve associação significativa entre as variáveis do estudo e a estratificação dos pacientes em níveis de filtração glomerular. A correlação foi positiva do estágio DRC somente com a dimensão de relações sociais (rho = 0,247, p = 0,07) do nível de qualidade de vida. Os sujeitos apresentaram baixos níveis de atividade física e elevado prevalência de excesso de peso/obesidade, mas estes níveis não se alteraram em associação com os estágios da DRC.
      PubDate: 2022-05-24
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0253
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Estrutura, perfil dos frequentadores e padrão de utilização de
           Academias a Céu Aberto em Belo Horizonte, Minas Gerais

    • Authors: Amanda Paula Fernandes, Hugo César Martins-Costa, José Mauro Silva Vidigal, Rogério César Fermino
      Pages: 1 - 9
      Abstract: O objetivo deste estudo foi descrever a estrutura, o perfil dos frequentadores e o padrão de utilização de Academias a Céu Aberto (ACA) localizadas em áreas de vulnerabilidade distintas de Belo Horizonte, Minas Gerais. Estudo com delineamento transversal e análises exploratórias, realizado em duas ACA no ano de 2016. Foram utilizadas três abordagens in loco para mensurar as variáveis de interesse: das estruturas das ACA (PARA), entrevistas face-a-face com os usuários presentes e observação sistemática dos frequentadores (SOPARC). Os dados foram analisados com a estatística descritiva e testes de qui-quadrado e Fisher no software R (p < 0,05). ACA-médio risco apresentou melhores estruturas para exercícios, conforto para usuários e condições de limpeza, estética e segurança comparadas à ACA-baixo risco. Foram entrevistados 49 adultos (51,2% mulheres) e observados 294 frequentadores (59,9% homens). Entre os usuários entrevistados, a maioria tinha mais de 50 anos, apresentavam sobrepeso ou obesidade (65,2%). Ademais, 51,0% dos entrevistados realizavam 150 minutos ou mais de atividade física moderada ou vigorosa, sendo que 24,5% deles atingiram esse tempo utilizando apenas as ACA (p = 0,016). Por meio do SOPARC, foi observado proporcionalmente maior presença de adultos (62,0%), de frequentadores em atividades sedentárias (58,4%), seguido de exercícios nos aparelhos das ACA (34,7%), e em dias de semana (64,0%). Proporção significativa de frequentadores em atividades sedentárias foi observada na ACA-baixo risco (p < 0,001). Este estudo contribui para orientação de políticas públicas de promoção de atividade física nas ACA, reforçando a relevância dos aspectos do ambiente físico e social no planejamento, monitoramento e avaliação dessas intervenções.
      PubDate: 2022-05-24
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0251
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Associação entre função física e cognitiva na pós-menopausa: um
           estudo transversal

    • Authors: Wellington Gilberto de Sousa, Luanna Rodrigues Margato, Danyelle Cristina Silva Pelet, Rodolfo Ferreira de Paula, Anderson Diogo de Souza Lino, Fábio Lera Orsatti, Markus Vinicius Campos Souza
      Pages: 1 - 8
      Abstract: Testes funcionais têm sido realizados para predizer declínio cognitivo em mulheres na pós menopausa e podem ser uma ferramenta importante para identificar reduções precoces no desempenho cognitivo nessa população. No entanto, ainda não está claro qual teste funcional é mais sensível para detectar precocemente o declínio cognitivo na amostra investigada. O objetivo deste estudo foi verificar se há associação entre desempenho funcional e função cognitiva em mulheres na pós-menopausa e analisar se os testes de velocidade de marcha de 400 metros (Vm400) e Timed Up and Go (TUG) são preditores da função cognitiva nesta amostra. Cento e vinte oito mulheres na pós-menopausa (60,8 ± 7,9 anos) participaram deste estudo de carácter transversal. A composição corporal foi avaliada pela Absorciometria Radiológica de Dupla Energia (DXA), desempenho funcional pelos testes Vm400 e TUG, desempenho cognitivo pelo teste Montreal Cognitive Assessment (MoCA) e força muscular pela contração isométrica voluntaria máxima (CIVM) dos membros inferiores. Uma associação entre desempenho funcional e função cognitiva foi observada na amostra investigada. O teste TUG foi associado ao teste MoCA (B = -0,79; SE = 0,29; p = 0,008). No entanto, não foi observada associação entre Vm400 com o teste MoCA (B = 3,03; SE = 1,92; p = 0,117). Esses resultados mostram que o teste TUG é um bom preditor de declínio cognitivo em mulheres na pós-menopausa na meia idade.
      PubDate: 2022-05-16
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0252
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Taxas de abandono em estudos controlados com exergames para gerenciamento
           da pressão arterial: protocolo de uma revisão sistemática e metanálise
           

    • Authors: Camilo Luis Monteiro Lourenço, Aline Rodrigues Barbosa, Vandrize Meneghini, Aline Mendes Gerage
      Pages: 1 - 8
      Abstract: Exergame, um tipo de videogame ativo divertido que combina esforço físico e jogo virtual, é uma inovação tecnológica que tem gerado informações importantes para a área da saúde. Na área cardiovascular, os exergames têm sido usados para gerenciar a pressão arterial em adultos, com alguns resultados positivos. Apesar disso, em estudos primários, é possível identificar que os participantes abandonaram (dropout) as intervenções dos exergames, mas nenhuma síntese de evidências foi produzida até o momento para explorar isso. Os objetivos desta revisão são i) estimar a taxa combinada de dropouts em estudos controlados que avaliam os efeitos de intervenções baseadas em exergame na pressão arterial de repouso em adultos e idosos; ii) comparar as taxas de dropouts entre os grupos exergame e controles e iii) investigar as características de intervenção associadas às taxas de dropouts. Serão incluídos ensaios clínicos randomizados (ECRs) ou quase-ECRs (≥ 4 semanas) avaliando efeitos de intervenções com exergames sobre a pressão arterial em repouso em adultos (≥ 18 anos). Não haverá restrição de idioma, data de publicação e ambiente de intervenção. As buscas na literatura serão conduzidas usando PubMed, Scopus, SPORTDiscus, Cumulative Index of Nursing and Allied Health Literature, Web of Science, Cochrane Central Register of Controlled Trials e Scientific Electronic Library Online. O risco de viés dos ECRs será avaliado por meio da ferramenta da Cochrane. Uma síntese narrativa descritiva e uma metanálise de modelo de efeitos aleatórios da taxa de eventos combinados (prevalência) serão fornecidas (p < 0,05). Este protocolo está registrado com PROSPERO: CRD42020199547.
      PubDate: 2022-05-13
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0250
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Seleção de profissionais de educação física para atuarem nos NASF-AB:
           análise de provas

    • Authors: Bruno Cunha Amaro, Rubiane Giovani Fonseca, Mathias Roberto Loch
      Pages: 1 - 8
      Abstract: A partir da criação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (atualmente denominado Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica – NASF-AB) um dos profissionais que passou a poder integrar as equipes foi o de Educação Física. Desde então, muitos processos seletivos e concursos foram realizados para a contratação de profissionais de Educação Física (PEF). O objetivo deste estudo foi analisar o conteúdo específico das provas da área da Educação Física de processos seletivos e concursos públicos destinados à contratação de PEF para atuarem nos NASF-AB. Foi realizado um estudo descritivo utilizando-se da pesquisa documental. Foram analisadas 180 questões, de 10 provas que foram obtidas em dois sítios eletrônicos especializados (PCI Concursos e QConcursos) em concursos públicos. Todas as questões foram analisadas por dois pesquisadores e agrupadas de acordo com seus conteúdos e eixos temáticos. Foram identificados 39 conteúdos e destes, quatro apresentaram mais do que 10 questões: “Esporte – História/Conceito/Regras/Tática-Técnica” (n = 20; 11,1%); “Especificidades da prescrição/orientação para prática de atividade física em grupos específicos” (n = 19; 10,6%), “Educação Física escolar” (n = 13; 7,2%) e “Conhecimentos sobre políticas públicas de saúde” (n = 13; 7,2%). Os conteúdos foram agrupados em sete eixos temáticos, sendo que “Temas gerais da profissão Educação Física” (n = 32; 17,8%) e “Funcionamento do SUS” (n = 31; 17,2%) foram os com maior frequência de questões. Conclui-se que os processos de seleção de PEF para atuarem no NASF-AB precisam ser mais específicos ao perfil de atuação que se espera deste profissional neste contexto específico.
      PubDate: 2022-04-13
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0249
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Protocolo de reabilitação cardiopulmonar de curto período em um
           paciente pós- COVID 19: relato de caso

    • Authors: Juliana Rodrigues de Souza, Beatriz da Silva Barbosa, Jonathan Galvão Tenório Cavalcante, Juliana Thaís Ferezini Faria Santos, Rafaella Carvalho da Silva, Vera Regina Fernandes da Silva Marães
      Pages: 1 - 6
      Abstract: O objetivo deste estudo foi relatar um caso clínico bem-sucedido de reabilitação cardiopulmonar de curta duração após alta hospitalar pós COVID-19. Trata-se de um estudo de caso exploratório descritivo com um homem de 58 anos, ex-tabagista e com necessidade de suplementação de oxigênio após infecção por COVID-19, admitido em um programa de reabilitação cardiopulmonar de seis semanas em uma clínica escola do Distrito Federal – Brasília, Brasil. A expansão torácica, capacidade aeróbia, função física e qualidade de vida foram avaliadas antes e após o programa por meio de cirtometria torácica, teste de caminhada de 6 minutos, teste de sentar e levantar de 1 minuto e Short Form Health Survey, respectivamente. Ao final da reabilitação cardiopulmonar, o paciente apresentou aumento da expansão torácica, aumento da distância percorrida com diminuição da percepção de esforço, aumento das repetições no teste de sentar e levantar de 1 minuto e aumento da qualidade de vida. Além disso, o desmame completo do oxigênio suplementar também foi alcançado. Um protocolo de reabilitação cardiopulmonar, ainda que de curta duração, pode contribuir para a melhora da capacidade aeróbica, funcional e da qualidade de vida após a COVID-19.
      PubDate: 2022-03-25
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0247
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Coordenação-Geral de Promoção da Atividade Física e Ações
           Intersetoriais: gestão da atividade física no Ministério da Saúde do
           Brasil

    • Authors: Secretaria de Atenção Primária à Saúde do Ministério da Saúde do Brasil
      Pages: 1 - 4
      PubDate: 2022-03-21
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0248
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Validação de oficina de educação permanente em alimentação,
           atividade física e práticas corporais

    • Authors: Julia De Caro Costa, Douglas Roque Andrade, Patricia Constante Jaime
      Pages: 1 - 12
      Abstract: O objetivo deste trabalho é descrever o desenvolvimento e validação de conteúdo de um protocolo de oficina de educação permanente em saúde para a qualificação profissional em promoção da alimentação adequada e saudável e da atividade física e práticas corporais voltado aos profissionais atuantes na Atenção Primária à Saúde. O desenvolvimento do protocolo utilizou como referenciais teóricos o Guia Alimentar para a População Brasileira, o Guia de Atividade Física para a População Brasileira, a Prática Colaborativa Interprofissional e a Metodologia Crítico-Reflexiva (MCR); e foi definido com seis módulos presenciais, totalizando 30 horas de qualificação. O protocolo foi avaliado nos aspectos de clareza, pertinência e representatividade, em dois painéis de juízes para validação de conteúdo. Foram calculados o Índice de Validade de Conteúdo (IVC), considerando adequadas as atividades que pontuaram IVC>0,8; e o percentual de representatividade dos referenciais teóricos em cada atividade. Todas as 32 atividades do protocolo foram validadas para clareza e pertinência; e a representatividade obteve resultados condizentes com os objetivos de cada módulo. A representatividade da MCR no protocolo como um todo foi de 86,25%. As atividades da oficina foram avaliadas como adequadas ao objetivo proposto, considerando seu referencial teórico e seu público-alvo. Esta é a primeira oficina de educação permanente em saúde validada a trabalhar em formação combinada com o Guia Alimentar e o Guia de Atividade Física para a População Brasileira, e pode ser aplicada para a qualificação de profissionais da Atenção Primária à Saúde em todo Brasil.
      PubDate: 2022-02-18
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0245
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Projeto RESPIRE: protocolo de avaliação do impacto da pandemia na saúde
           da comunidade do IFSul

    • Authors: César Augusto Häfele, Marina Marques Kremer, Gabriel Barros da Cunha, Gicele de Oliveira karini da Cunha, Ítalo Fontoura Guimarães, Fabricio Mota Foster, Giancarlo Bacchieri, Felipe Fossati Reichert, Thiago Terra Borges
      Pages: 1 - 8
      Abstract: A pandemia do coronavírus (COVID-19) configura-se como uma das maiores crises sanitárias já enfrentadas pela humanidade. Este protocolo detalha o estudo sobre o impacto do distanciamento social na saúde de escolares e servidores dos 14 Câmpus e Reitoria do Instituto Federal Sul-rio-grandense (IFSul). O estudo observacional longitudinal envolve duas coletas de dados: Coleta 1 - realizada entre os meses de maio e agosto de 2021 com informações referentes ao período pré e durante o distanciamento social; Coleta 2 - será realizada no retorno das aulas presenciais no período pós distanciamento social (previsto para abril de 2022). Participantes responderam um questionário auto aplicado através da plataforma QuestionPro, onde foram coletadas variáveis sociodemográficas, comportamentais (atividades físicas, sedentárias, sono, alimentação, tabagismo e consumo de álcool), saúde mental, autopercepção de saúde e relacionadas a instituição de ensino. Estratégias de alcance da população alvo envolveram a utilização da página do Câmpus, aplicação do questionário em aula para alunos, encaminhamento via e-mail aos servidores e divulgação nas mídias sociais. Entender como o distanciamento social afetou a saúde de estudantes e servidores e realizar um acompanhamento no retorno das aulas é importante para os gestores terem um diagnóstico de saúde dos diferentes momentos, criarem políticas para facilitar o retorno as aulas, bem como, auxiliar no enfrentamento dos problemas identificados com a pesquisa durante o retorno as aulas presenciais.
      PubDate: 2022-02-18
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0244
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Recomendações de exercício físico após adoecimento por COVID-19:
           revisão de escopo

    • Authors: Alexandre Konig Garcia Prado, Jhennifer Carolina de Almeida Alves, Renata Neli Moreno Gurginski, Thaymara Mikuni, Danieli Zata, Paula Lucia Magalhães da Silva Albuquerque, João Ricardo Gabriel de Oliveira
      Pages: 1 - 12
      Abstract: Além dos efeitos agudos, o adoecimento por COVID-19 pode deixar sintomas e sequelas persistentes por um longo período. O exercício físico pode ser uma importante contramedida durante o processo de recuperação de doenças, porém pouco se sabe a respeito dos efeitos dessa prática em pessoas convalescentes da COVID-19. O presente estudo apresenta uma revisão de escopo de recomendações para a prática de exercícios físicos após adoecimento por COVID-19 (fases aguda e pós-aguda). Foi realizada uma busca eletrônica nas bases: Cochrane, PEDro, PubMed, SciELO, Sport Discus e Web of Science. A leitura do título e resumo, dos artigos na íntegra e extração dos dados foi realizada por dois revisores independentes. Foram encontradas 445 referências, sendo 16 estudos incluídos na versão final. Entre os estudos incluídos, são citados com maior frequência: 1) recomendações para maiores de 18 anos, com diferentes graus de acometimento; 2) reabilitação à distância e uso de equipamentos de proteção individual nos procedimentos de biossegurança; 3) testes de aptidão física e avaliações clínicas; 4) saturação de oxigênio e a frequência cardíaca para monitoramento da sessão; 5) programas com mais de um tipo de exercício (multicomponente), sendo os exercícios aeróbios e de força os mais indicados, e; 6) necessidade de prescrição individualizada e intervenção multiprofissional. O programa de reabilitação deve considerar as peculiaridades individuais e a gravidade da COVID-19, com prescrição centrada na melhoria geral. Baseados em estudos frágeis, a eficácia do exercício físico na reabilitação após COVID-19 não pode ser confirmada. Ensaios clínicos randomizados controlados devem ser realizados.
      PubDate: 2022-02-18
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0243
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Por uma visão ampliada da atividade física na saúde

    • Authors: Sanderson Soares da Silva, Maria do Socorro Brasileiro-Santos, João Miguel Souza Neto, Filipe Ferreira da Costa
      Pages: 1 - 2
      PubDate: 2022-02-14
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0246
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Força de trabalho de Profissionais de Educação Física na Atenção
           Primária à Saúde

    • Authors: Debora Bernardo da Silva, Taciana Rocha dos Santos Sixel, Arthur de Almeida Medeiros, Ana Carolina Basso Schmitt
      Pages: 1 - 9
      Abstract: O objetivo deste estudo foi analisar a distribuição espaço temporal de Profissionais de Educação Física na Atenção Primária à Saúde do Sistema Único de Saúde nos Estados brasileiros. Este estudo possui característica ecológica de série temporal, em que foram utilizados dados secundários do Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde de 2008 a 2020 para identificar a força de trabalho desta área profissional. Foram construídos mapas e gráficos para a análise espacial da força de trabalho, número de Profissionais de Educação Física por 10.000 habitantes, por Estados e regiões brasileiras. As análises de regressão foram realizadas no Joinpoint Regression Program versão 4.7.0.0, considerando o intervalo de confiança de 95%. Em 2008 no Brasil havia 321 Profissionais de Educação Física na atenção primária e 139 em 2020, representando uma diminuição de 56% para a quantidade de profissionais vinculados à Atenção Primária à Saúde. Observou-se o crescimento da densidade deste profissional na maioria dos Estados no primeiro momento e o decréscimo em seguida. Destaca-se o Estado de Espírito Santo, com a maior densidade de profissionais em 2008 e Pernambuco que atingiu em 2012 o maior pico entre os Estados. A tendência temporal variou entre os Estados brasileiros, Goiás foi o único que apresentou aumento no período de 2008 a 2020, já na região Sudeste todos os Estados demonstraram decréscimo. O incentivo da prática de atividade física supervisionada e orientada é importante para auxiliar no aumento da força de trabalho do Profissional de Educação Física na Atenção Primária à Saúde, como também aumentar o nível de atividade física da população, contribuindo para adquirir benefícios de saúde oriundos da prática regular de atividade física.
      PubDate: 2022-02-11
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0240
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Questionário sobre fatores associados para o Aconselhamento para
           Atividade Física por Trabalhadores da Saúde: construção, validação e
           reprodutibilidade

    • Authors: João Miguel de Souza Neto, Sanderson Soares da Silva, José Cazuza de Farias Júnior, Filipe Ferreira da Costa
      Pages: 1 - 8
      Abstract: O objetivo deste estudo é descrever o desenvolvimento, validação e reprodutibilidade de um questionário para mensurar fatores associados à prática do aconselhamento para atividade física por trabalhadores de saúde. O desenvolvimento do questionário foi realizado em quatro etapas: construção da matriz analítica; validação de face; estudo piloto; estudo de reprodutibilidade. A primeira etapa resultou numa matriz analítica com dez módulos com um total de 47 questões. Na segunda etapa, 21 brasileiros especialistas em diferentes áreas opinaram sobre a apresentação, clareza e adequação de cada item. Na terceira etapa, foi realizado o estudo piloto com 20 profissionais (médicos, enfermeiros e agentes comunitários de saúde) da Estratégia de Saúde da Família de João Pessoa-PB. Por fim, uma amostra de 53 trabalhadores participou do estudo de reprodutibilidade. A versão final do questionário foi composta de 53 questões distribuídas em dez módulos. Foi encontrado um índice de validade geral de 0,90, variando de 0,81 a 0,95 nos módulos. A clareza e adequação da escala demonstraram valores médios de 0,93 (variando entre 0,87 e 0,96) e 0,95 (variando entre 0,91 e 0,98), respectivamente. Oito dos dez módulos apresentaram todos os itens com valores de reprodutibilidade acima de 0,60 (kappa). O questionário apresentou validade satisfatória e reprodutibilidade adequada, recomendando a sua utilização em estudos que visam avaliar a prática de aconselhamento de atividade física e outras práticas de promoção da saúde por trabalhadores de saúde da atenção primaria à saúde.
      PubDate: 2022-02-11
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0241
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Aspectos a serem considerados na promoção de atividade física por
           profissionais de saúde

    • Authors: Letícia Gonçalves , Andressa Ferreira da Silva, Suellem Zanlorenci, Diego Augusto Santos Silva
      Pages: 1 - 4
      Abstract: No Brasil, as práticas corporais e atividade física (PCAF) obtiveram avanços com a implementação de políticas, ações e programas que contribuíram substancialmente com a saúde pública. Entretanto, recentes retrocessos, em que a instabilidade política, escassez e cortes de gastos públicos predominam, evidenciam o quando as PCAF ainda precisam avançar e serem consolidadas no Sistema Único de Saúde. Assim, o objetivo desse ensaio é demonstrar os aspectos que devem ser considerados para a promoção das PCAF na Atenção Primária à Saúde, trazendo reflexões quanto a sua complexidade e multifatoriedade. Essa reflexão é direcionada aos profissionais de saúde, sobretudo aos profissionais de Educação Física. Em conclusão, foram ressaltados aspectos essenciais, que vão desde a luta pela defesa e avanço de políticas públicas que incentivem o fomento e consolidação das PCAF até a apropriação de teorias que ajudem a compreender a dimensão do comportamento humano.
      PubDate: 2022-02-11
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0242
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
  • Efeito do volume de participação em programas de exercícios nos
           parâmetros bioquímicos de mulheres

    • Authors: Karina Brunheroti, Alynne Christian Ribeiro Andaki, Eduardo Kokubun, Camila Bosquiero Papini
      Pages: 1 - 8
      Abstract: O objetivo do presente estudo foi avaliar o efeito do volume de participação em programas de exercícios, ofertados na Atenção Primária à Saúde (APS), durante 24 semanas, nos parâmetros bioquímicos sanguíneos de mulheres adultas. Foram selecionadas 03 Unidades Básicas de Saúde de Rio Claro-São Paulo e implementadas 2 intervenções de exercícios com diferentes volumes (3 sessões/semana, 90 minutos cada; 2 sessões/semana, 60 minutos cada). No total, 53 participantes se mantiveram até o final das intervenções, independentemente do número de faltas foram divididos em 4 grupos, de acordo com o volume de participação (calculado conforme a duração das sessões e a quantidade de aulas realizadas de forma individual), formando os grupos segundo os quartis: Grupo Baixo Volume (GBV; 57,62 ± 9,97 anos), Grupo Baixo Médio Volume (GBMV; 56,31 ± 12,18 anos), Grupo Médio Alto Volume (GMAV; 53,00 ± 10,25 anos) e Grupo Alto Volume (GAV; 59,69 ± 7,66 anos). Os parâmetros bioquímicos sanguíneos foram dosados pelo método ELISA. Foi utilizado o Modelo de Equações de Estimações Generalizadas para a comparação dos parâmetros bioquímicos (tempo, grupo e interação; p ≤ 0,05). A análise evidenciou efeito significativo favorável do tempo para lipoproteínas de baixa densidade (LDL) e glicemia em todos os grupos e para colesterol total (CT) no GVB, GBMV e GMAV; e efeito significativo do grupo para GAV no CT (maiores níveis comparado a todos os grupos) e LDL (maiores níveis comparados ao GBV e GBMV). Conclui-se que o programa de exercício físico ofertado na APS contribuiu para a redução significativa dos níveis de LDL e glicemia, independentemente do volume de participação dos indivíduos nos programas.
      PubDate: 2022-02-10
      DOI: 10.12820/rbafs.27e0239
      Issue No: Vol. 27 (2022)
       
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
 


Your IP address: 3.239.112.140
 
Home (Search)
API
About JournalTOCs
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-