Subjects -> HEALTH AND SAFETY (Total: 1478 journals)
    - CIVIL DEFENSE (22 journals)
    - DRUG ABUSE AND ALCOHOLISM (87 journals)
    - HEALTH AND SAFETY (700 journals)
    - HEALTH FACILITIES AND ADMINISTRATION (358 journals)
    - OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY (112 journals)
    - PHYSICAL FITNESS AND HYGIENE (117 journals)
    - WOMEN'S HEALTH (82 journals)

PHYSICAL FITNESS AND HYGIENE (117 journals)                     

Showing 1 - 115 of 115 Journals sorted alphabetically
ACSMs Health & Fitness Journal     Full-text available via subscription   (Followers: 14)
Acta Facultatis Educationis Physicae Universitatis Comenianae     Open Access   (Followers: 3)
Acta Kinesiologiae Universitatis Tartuensis     Open Access   (Followers: 1)
ACTIVE : Journal of Physical Education, Sport, Health and Recreation     Open Access   (Followers: 29)
Adapted Physical Activity Quarterly     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Ágora para la Educación Física y el Deporte     Open Access  
Al.Qadisiya journal for the Sciences of Physical Education     Open Access  
American Journal of Sexuality Education     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Annals of Applied Sport Science     Open Access   (Followers: 10)
Annals of Work Exposures and Health     Hybrid Journal   (Followers: 9)
Applied Physiology, Nutrition and Metabolism     Hybrid Journal   (Followers: 37)
Arab Journal of Nutrition and Exercise     Open Access  
Arquivos em Movimento     Open Access   (Followers: 1)
Arrancada     Open Access  
Asian Journal of Sport and Exercise Psychology     Open Access   (Followers: 3)
Baltic Journal of Sport and Health Sciences     Open Access   (Followers: 2)
BMC Obesity     Open Access   (Followers: 8)
BMC Sports Science, Medicine and Rehabilitation     Open Access   (Followers: 37)
Child and Adolescent Obesity     Open Access   (Followers: 1)
Childhood Obesity     Hybrid Journal   (Followers: 22)
Clinical Journal of Sport Medicine     Hybrid Journal   (Followers: 36)
Comparative Exercise Physiology     Hybrid Journal   (Followers: 21)
Cultura, Ciencia y Deporte     Open Access   (Followers: 1)
Eating and Weight Disorders - Studies on Anorexia, Bulimia and Obesity     Hybrid Journal   (Followers: 24)
eJRIEPS : Ejournal de la recherche sur l'intervention en éducation physique et sport     Open Access  
Environmental Health and Preventive Medicine     Open Access   (Followers: 4)
Éthique & Santé     Full-text available via subscription  
Fat Studies : An Interdisciplinary Journal of Body Weight and Society     Partially Free   (Followers: 2)
Food Science and Human Wellness     Open Access   (Followers: 4)
Frontiers in Sports and Active Living     Open Access   (Followers: 2)
Gelanggang Pendidikan Jasmani Indonesia     Open Access  
German Journal of Exercise and Sport Research : Sportwissenschaft     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Geron     Full-text available via subscription  
Health and Quality of Life Outcomes     Open Access   (Followers: 14)
Health Education     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Health Education Journal     Hybrid Journal   (Followers: 16)
Health Marketing Quarterly     Hybrid Journal   (Followers: 3)
Health Physics     Hybrid Journal   (Followers: 7)
Home Healthcare Now     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Human Movement Science     Hybrid Journal   (Followers: 14)
IISE Transactions on Occupational Ergonomics and Human Factors     Hybrid Journal  
Indonesia Performance Journal     Open Access  
International Journal for Vitamin and Nutrition Research     Hybrid Journal   (Followers: 10)
International Journal of Applied Exercise Physiology     Open Access   (Followers: 54)
International Journal of Athletic Therapy & Training     Hybrid Journal   (Followers: 15)
International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity     Open Access   (Followers: 31)
International Journal of Obesity     Hybrid Journal   (Followers: 92)
International Journal of Qualitative Studies on Health and Well-Being     Open Access   (Followers: 21)
International Journal of Spa and Wellness     Hybrid Journal  
International Journal of Sport, Exercise & Training Sciences     Open Access   (Followers: 3)
International Journal of Yoga     Open Access   (Followers: 17)
Isokinetics and Exercise Science     Hybrid Journal   (Followers: 10)
Journal of Advanced Nutrition and Human Metabolism     Open Access   (Followers: 16)
Journal of American College Health     Hybrid Journal   (Followers: 3)
Journal of Athlete Development and Experience     Open Access   (Followers: 1)
Journal of Bioenergetics and Biomembranes     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Journal of Exercise & Organ Cross Talk     Open Access   (Followers: 4)
Journal of Human Performance in Extreme Environments     Open Access   (Followers: 2)
Journal of Human Sport and Exercise     Open Access   (Followers: 15)
Journal of Motor Learning and Development     Hybrid Journal  
Journal of Physical Activity and Health     Hybrid Journal   (Followers: 11)
Journal of Physical Activity and Hormones     Open Access   (Followers: 2)
Journal of Physical Activity Research     Open Access   (Followers: 3)
Journal of Physical Education and Human Movement     Open Access  
Journal of Physical Education and Sport Sciences     Open Access   (Followers: 3)
Journal of Physical Education Health and Sport     Open Access   (Followers: 2)
Journal of Physical Education, Recreation & Dance     Full-text available via subscription   (Followers: 11)
Journal of Science in Sport and Exercise     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Journal of Sport and Health Science     Open Access   (Followers: 23)
Journal of Sport Sciences and Fitness     Open Access   (Followers: 13)
Journal of Strength and Conditioning Research     Hybrid Journal   (Followers: 73)
Kinesiology : International Journal of Fundamental and Applied Kinesiology     Open Access   (Followers: 1)
Kinesiology Review     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Malaysian Journal of Movement, Health & Exercise     Open Access   (Followers: 4)
Measurement in Physical Education and Exercise Science     Hybrid Journal   (Followers: 6)
Médecine & Nutrition     Full-text available via subscription  
Mental Health and Physical Activity     Hybrid Journal   (Followers: 16)
MHSalud : Movimiento Humano y Salud     Open Access  
Obesity     Hybrid Journal   (Followers: 58)
Obesity Research & Clinical Practice     Full-text available via subscription   (Followers: 20)
Obesity Reviews     Hybrid Journal   (Followers: 25)
Obesity Science & Practice     Open Access   (Followers: 1)
Open Obesity Journal     Open Access   (Followers: 1)
Pain Management in General Practice     Full-text available via subscription   (Followers: 12)
PALAESTRA : Adapted Sport, Physical Education, and Recreational Therapy     Full-text available via subscription   (Followers: 3)
Physical Activity and Health     Open Access   (Followers: 3)
Physical Education & Sport Pedagogy     Hybrid Journal   (Followers: 12)
Preventing Chronic Disease     Free   (Followers: 3)
Psychology of Sport and Exercise     Hybrid Journal   (Followers: 18)
Quality in Sport     Open Access  
Race and Yoga     Open Access  
RBNE - Revista Brasileira de Nutrição Esportiva     Open Access   (Followers: 1)
RBONE - Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento     Open Access   (Followers: 1)
RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício     Open Access  
Research Quarterly for Exercise and Sport     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Retos : Nuevas Tendencias en Educación Física, Deportes y Recreación     Open Access  
Revista Andaluza de Medicina del Deporte     Open Access   (Followers: 2)
Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde     Open Access   (Followers: 1)
Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano     Open Access   (Followers: 1)
Revista Internacional de Medicina y Ciencias de la Actividad Física y del Deporte : International Journal of Medicine and Science of Physical Activity and Sport     Open Access   (Followers: 1)
Revue phénEPS / PHEnex Journal     Open Access  
Scandinavian Journal of Sport and Exercise Psychology     Open Access   (Followers: 3)
SIPATAHOENAN : South-East Asian Journal for Youth, Sports & Health Education     Open Access  
Spor Bilimleri Dergisi / Hacettepe Journal of Sport Sciences     Open Access  
Sport and Fitness Journal     Open Access   (Followers: 5)
Sport Science and Health     Open Access   (Followers: 2)
Sport Sciences for Health     Hybrid Journal   (Followers: 5)
SPORTIVE : Journal Of Physical Education, Sport and Recreation     Open Access  
Sports     Open Access   (Followers: 3)
Sports Biomechanics     Hybrid Journal   (Followers: 27)
Sports Health: A Multidisciplinary Approach     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Strength & Conditioning Journal     Hybrid Journal   (Followers: 56)
Timisoara Physical Education and Rehabilitation Journal     Open Access   (Followers: 1)
Turkish Journal of Sport and Exercise     Open Access  
Yoga Mimamsa     Open Access   (Followers: 3)

           

Similar Journals
Journal Cover
RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício
Number of Followers: 0  

  This is an Open Access Journal Open Access journal
ISSN (Print) 1981-9900 - ISSN (Online) 1981-9900
Published by IBPEFEX Homepage  [4 journals]
  • Influência da corrida recreativa na capacidade cardiorrespiratória em
           mulheres de meia idade

    • Authors: Franciele Lima Queiroz Gonçalves, Gisélia Gonçalves de Castro, Kelly Christina de Faria, Eduardo Vignoto Fernandes, Daniel dos Santos, David Michel de Oliveira, Maria Laura Carvalho de Oliveira
      Pages: 353 - 359
      Abstract: Introdução:   A prática de corrida é uma importante estratégia para o indivíduo tornar-se fisicamente ativo, entretanto muitos praticam de forma recreacional e sem supervisão profissional, neste sentido a literatura carece de estudos sobre os efeitos sobre esta prática de exercícios para a saúde cardiovascular. Objetivo: Avaliar a influência da corrida recreativa na capacidade cardiorrespiratória em mulheres adultas. Materiais e Métodos: Neste estudo descritivo, comparativo e quase-experimental, a amostra foi composta por 60 mulheres adultas distribuídas em dois grupos: Grupo Não Praticantes (n=29), com idade de (33,17 ± 11,58 anos) e Grupo Praticantes (n=31), com idade de (40,1 ± 10,5 anos). Após avaliação da massa corporal e estatura, foi calculado o índice de massa corporal das participantes. Em seguida, ambos os grupos foram submetidos ao teste de esteira para avaliar a capacidade cardiorrespiratória. A frequência cardíaca e a percepção subjetiva de esforço (0 a 10) foram monitoradas durante todo o teste. Resultados: Em relação ao índice de massa corporal não foram encontradas diferenças significativas entre os grupos. Quanto ao teste de capacidade cardiorrespiratória os resultados foram estatisticamente maiores no grupo praticantes em relação ao grupo não praticantes. Conclusão: A corrida recreativa melhora capacidade cardiorrespiratória contribuindo para prevenção de doenças e proteção a saúde de mulheres de meia idade.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Relação entre o nível de atividade física e a quantidade de
           medicamentos utilizados por idosos hipertensos

    • Authors: Arthur Mol Ferreira Pena, Larissa Vitalina de Medeiros Pires, Karine Marlleny Neves Corrêa, Fernanda Carvalho Bitencourt de Oliveira, Francisco de Assis Dias Martins Junior, César Milagres da Silva, Patrícia Yoshie Watai Watai, Andrea Grabe Guimarães Guimarães, Lenice Kappes Becker Oliveira
      Pages: 360 - 368
      Abstract: Atividades físicas (AF) regulares podem gerar benefícios para a saúde, reduzindo os riscos de doenças cardiovasculares como a Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS). Para a realização do estudo, setenta e três idosos da cidade de Ouro Preto, Brasil, com idade média de 69 ± 7 anos responderam a questões que avaliaram o nível de atividade física (AF) através do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ), assim como os fármacos que utilizavam. Trata-se de uma análise transversal em que o objetivo foi investigar o nível de AF e o número de medicamentos utilizados. Antes, durante e após as entrevistas, foram aferidas a frequência cardíaca (FC) através do monitor cardíaco Polar (FT4®) e a pressão arterial (PA) utilizando o Esfigmomanômetro (Aneroide Premium®). Os resultados são apresentados de forma descritiva e apontaram uma relação inversa entre o nível de atividade física e a quantidade total de medicamentos. Ao avaliar a quantidade de fármacos utilizados para o tratamento da HAS, esta foi igual em todos os níveis, indicando a AF como marcador essencial na redução de medicação consumida pela população idosa.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Efeitos da atividade física na saúde e aptidão física de idosos: uma
           revisão de literatura

    • Authors: Rodrigo de Oliveira Bastos Honorato, Camila Silva SAmorim, Frederico Barros Costa, Carlos Eduardo Lima Monteiro, Estélio Henrique Martin Dantas
      Pages: 369 - 378
      Abstract: Introdução: O fenômeno do aumento da população idosa que vem sendo observado em todo o mundo nas últimas décadas está diretamente relacionado a aspectos como a diminuição das taxas de fecundidade e mortalidade, dentre muitas outras contribuições da ciência. Objetivo: O objetivo do presente estudo é identificar diferentes estudos da área de Educação Física sobre a interação da atividade física na qualidade de vida de diferentes grupos de idosos e seus resultados. Materiais e métodos: Foi realizada uma breve revisão bibliográfica de trabalhos publicados nos anais dos dois últimos Congressos Brasileiros de Ciência do Esporte (CONBRACE) e Congressos Internacionais de Ciência do Esporte (CONICE), importantes eventos na área da Educação Física realizados pelo Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE). Resultados e Discussão: Os principais achados foram os benefícios da atividade física na saúde do idoso, socialização e autoestima, atividade física no auxílio ao tratamento de doenças crônicas e, atividade física na melhora de componentes da aptidão física relacionados a saúde. Conclusão: Conclui-se que a prática de atividade física apresenta uma importância ainda maior durante a terceira idade.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Implicações do método pilates no equilíbrio em
           mulheres idosas

    • Authors: Paula de Lélis da Silva Palma, Fabrício Bruno Cardoso
      Pages: 379 - 384
      Abstract: A partir do crescimento da expectativa de vida mundial, que aumentou demasiadamente nos últimos anos, estão sendo realizados diversos estudos em busca de melhorar a qualidade de vida dos idosos que enfrentam dificuldades como a perda do potencial de equilíbrio, bem como deficiências motoras e de marcha, principalmente em mulheres devido as alterações hormonais que elas sofrem ao longo da vida. Pensando nisso, exercícios como o método Pilates, são considerados adequados para o fortalecimento muscular preservando assim a capacidade funcional de idosos, portanto, o presente estudo visou realizar uma revisão de literatura sobre os resultados do método Pilates no equilíbrio de mulheres idosas.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Patinação artística sobre rodas: uma revisão narrativa

    • Authors: Paloma Mattos Lazzaroni, Giovani dos Santos Cunha
      Pages: 385 - 392
      Abstract: O objetivo do presente estudo foi realizar uma revisão narrativa sobre a Patinação Artística sobre Rodas, visto que, a literatura ainda carece de informações sobre esse esporte. A revisão foi realizada nos meses de novembro a dezembro de 2020, por meio dos descritores roller skating, figure skating e artistic skating e seus respectivos correspondentes em português. A busca contemplou artigos publicados entre 1980 e 2020, resultantes de todos os tipos de pesquisas. Os artigos selecionados para o estudo apresentavam informações importantes sobre o esporte, como o histórico, as demandas físicas e fisiológicas, bem como, sobre aptidão física e questões relacionadas a saúde. A patinação artística é considerada um esporte em desenvolvimento e apresenta uma forte relação com a especialização precoce e alta prevalência de lesões. Os atletas de Patinação Artística têm um VO2máx médio de 37,7 ml.kg-1.min-1, a altura média dos saltos é de 21,3 cm e o %G varia entre 17,3 e 22%. Conclui-se que a Patinação Artística sobre Rodas apresenta resultados moderado para a aptidão física, sendo que os patinadores da modalidade Livre apresentam melhores resultados em comparação a modalidade Dança. A composição corporal demonstra resultados normais de densidade mineral óssea e percentual de gordura, assim como valores normais de flexibilidade. A patinação artística apresenta altos índices de lesões por esforço repetitivo principalmente associados as horas de treinamento, complexidade dos movimentos técnicos e ao processo de especialização precoce.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Efeito agudo de uma única sessão de hidroginástica sobre o estado de
           humor de idosas em uma academia de Carandaí-MG

    • Authors: Evellyn Aparecida do Carmo Ferreira, Lucas Rogério dos Reis Caldas
      Pages: 393 - 398
      Abstract: O exercício físico tem uma grande importância na vida dos idosos, pois promove melhora no estado de humor, proporcionando, assim, um envelhecimento saudável. O objetivo do estudo foi avaliar o efeito agudo da aula de hidroginástica no estado de humor em idosas. A pesquisa foi realizada em uma academia da cidade de Carandaí-MG. Os instrumentos utilizados para coleta de dados na pesquisa foram um questionário de caracterização da amostra e o questionário Profile of Mood States (POMS) reduzido para avaliar o estado de que foi aplicado antes e depois de uma aula de hidroginástica. Foi verifica a normalidade dos dados através do teste Shapiro-Wilk, para comparar os valores dos domínios do POMS pré vs pós foi aplicado o teste t pareado (distribuição normal) ou Wilcoxon (distribuição não normal). Para verificar diferenças entre os domínios do humor, foi utilizado o teste Anova de medidas repetidas. Foi utilizado o pacote estatístico SigmaPlot, versão 11.0, foi adotado nível de significância de 5% para todas as análises. Observamos que uma sessão de hidroginástica resultou em melhora do estado de humor, apontando redução da Perturbação Total do Humor e dos fatores Tensão, Depressão, Hostilidade e Confusão mental e aumento do Vigor. Conclui-se uma única sessão de hidroginástica tem efeitos positivos no estado de humor, gerando melhora no bem-estar físico e mental de idosos.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Efeitos de duas estratégias nutricionais associadas ao treinamento de
           força sobre parâmetros antropométricos, composição corporal e consumo
           alimentar em idosas: estudo randomizado controlado

    • Authors: Crístenes Oliveira de Melo Ferreira Lima, Natália Costa de Meira Lins, Lara Medeiros de Melo, Silvia Gomes de Oliveira, Maria Lúcia Diniz Araujo, André dos Santos Costa
      Pages: 399 - 407
      Abstract: A prevalência do excesso de peso tem crescido significativamente em idosos brasileiros e cresce também o debate em torno de qual estratégia nutricional seria ideal para a promoção do emagrecimento. Assim, este estudo teve por objetivo comparar o efeito da educação nutricional com um método tradicional de prescrição alimentar restritiva, ambas associadas ao treinamento de força, sobre medidas antropométricas, composição corporal e consumo alimentar em idosas em um período de oito semanas de intervenção. Estudo do tipo ensaio clínico aleatorizado, controlado, desenvolvido com 24 idosas, idade ≥ 60 anos, Circunferência da Cintura ≥80 cm e que aderiram voluntariamente ao estudo. Os dados de consumo calórico e de macronutrientes apresentaram efeito significativo para as calorias, proteínas e lipídeos em relação ao tempo. Quanto aos dados antropométricos e de composição corporal, observou-se efeito significativo da interação tempo e grupo sobre as medidas percentual magro total, gordo total e massa gordurosa androide. Para as demais variáveis não houve diferenças estatisticamente significantes. Tanto o método tradicional prescritivo como a educação nutricional associadas a oito semanas de treinamento de força promoveram reduções significativas na ingestão total de calorias e de lipídios, mas apenas no método tradicional prescritivo promoveu redução significativa na massa gorda da região androide. Entretanto, independente da abordagem nutricional, oito semanas de intervenção (curto prazo) não foram suficientes para promover reduções significativas na classificação de risco de complicações cardiometabólicas, avaliado pela circunferência de cintura.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Estudo comparativo do agachamento jefferson e agachamento unilateral
           quanto à eficácia no treinamento de força

    • Authors: Marianne Iara Silva de Macêdo, Moisés Augusto de Oliveira Borges, Ricardo da Silveira Chaves, José Camilo Camões
      Pages: 408 - 415
      Abstract: Objetivo: investigar qual o tipo de agachamento é mais eficaz para o ganho de força nos membros inferiores. Além disso, buscou-se, também, evidenciar o uso do agachamento Jefferson para o treinamento de força. Materiais e métodos: Foram utilizados 18 indivíduos jovens com, no mínimo, oito meses ininterruptos no treino de musculação (nove do sexo feminino e nove do sexo masculino), com idade entre 19 e 28 anos, divididos em grupos experimentais (grupo 1 e grupo 2) e controles (agachamento Jefferson e agachamento Unilateral), que realizaram o treino de força utilizando os dois exercícios de agachamento com três sets de três a quatro repetições a 90% de 1RM com a força sendo determinada pelo teste de 1RM na pré-intervenção e pós-intervenção, no período de oito semanas de treinamento. Resultados: Os resultados obtidos intragrupo foram significantes nos grupos 1 (p=0,027), 2 (p=0,027) e controle – agachamento Unilateral (p=0,048); não houve significância intergrupos nos resultados entre o Grupo 1 e controle - agachamento Jefferson pós-intervenção (p=0,079) e nos resultados entre Grupo 2 e controle - agachamento Unilateral pós-intervenção (p=0,199). Conclusão: Esse estudo evidenciou o uso do agachamento Jefferson, por meio de pesquisa científica, mostrando a sua eficácia quanto ao treino de força.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Treinamento de força e aeróbio em indivíduos com fibromialgia: revisão
           sistemática

    • Authors: Lucas Felipe do Nascimento, Andréa Dias Reis, Bianca Trovello Ramallo
      Pages: 416 - 424
      Abstract: Introdução: A síndrome da Fibromialgia (SFM) é caracterizada por dor crônica de maneira difusa, os sintomas são pertinentes, tais como: fadiga, distúrbios de sono, sofrimento psicológico. A etiologia dessa síndrome não está confirmada na literatura, entretanto é destacado que a falta de condicionamento físico contribui para a SFM. Há efeitos positivos do exercício físico no tratamento desta síndrome, mas o planejamento do treinamento físico deve ser de forma individualizada. Objetivo. Analisar os efeitos do exercício de força e aeróbico em indivíduos com fibromialgia. Materiais e Métodos.  Revisão sistemática seguindo a estratégia PICO. A busca de dados ocorreu nas bases de dados Scielo e no Pubmed utilizando os descritores: exercise, fibromyalgia, pain. Após a aplicação de critérios de inclusão e exclusão foram selecionados sete estudos para análise. Resultados. Os sete estudos avaliados identificaram benefícios tanto para o treinamento aeróbio, como para o treinamento de força, sendo o aeróbico de baixo impacto e o treinamento de força com prescrição de 40% de 1RM como o mais recomendado para esse público. Partindo desse ponto, a prescrição deve ser de forma individualizada. Conclusão. O exercício de força e aeróbico demonstra ser uma forma benéfica não medicamentosa no tratamento da fibromialgia, diminuindo seus sintomas em geral como: dor difusa, fadiga, distúrbios de sono, alterações cognitivas de humor e de forma geral melhorando a qualidade de vida das pessoas com essa síndrome.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Análise dos ângulos das articulações glenoumeral e cotovelo durante o
           exercício flexão executado por praticantes de crossfit

    • Authors: Júlia Valério de Mendonça, Davi Andrade Galvão de Melo, Felipe Augusto da Cruz , Marcelo Rodrigues da Cunha, Carlos Alberto de Moraes, Giovanna Cavalcanti Banov, Maria Carolina Delforno, Tiago Negrão de Andrade, Eduardo José Caldeira, Marcelo Conte, Victor Augusto Ramos Fernandes
      Pages: 425 - 435
      Abstract: Introdução: O exercício flexão, praticado em muitos esportes e programas de treinamento, possui uma diversidade de técnicas e formas de execução, envolvendo maior risco de lesões articulares. Objetivo: Comparar a execução da flexão entre homens e mulheres praticantes de CrossFit e analisar padrões de movimento prejudiciais às articulações glenoumeral e do cotovelo. Materiais e Métodos: Foram selecionados sete praticantes avançados na modalidade, os quais executaram três repetições de flexão. Os movimentos foram filmados para a coleta dos ângulos das articulações glenoumeral e do cotovelo nas fases inicial, média e final do movimento. A análise cinemática foi realizada com o software Kinovea®. Resultados: Foi identificada uma diminuição significativa do ângulo da articulação glenoumeral no sexo feminino, enquanto no sexo masculino o ângulo sofreu um ligeiro aumento. Os homens adotaram uma posição mais afastada das mãos em comparação com as mulheres. Conclusão: A maior atividade do tríceps braquial nas mulheres levaria à preferência pela posição mais fechada das mãos, priorizando uma maior flexão dos cotovelos em relação aos homens, com maior ativação no peitoral maior e força muscular na adução dos ombros. A posição elevada dos ombros, observada nos homens, ocasiona um risco de impacto no ombro, justificando a adoção do posicionamento fechado ou com os cotovelos mais próximos do tronco no CrossFit.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Composição corporal e consumo alimentar de atletas universitários
           praticantes de diferentes modalidades esportivas

    • Authors: Ronaldo da Silva Junior, Walquí­ria Inácio Oliveira Assis, Maykleine Stéphani Pereira, Juliana Cristina Guimarães de Assis, Guilherme Moreira Andrade, João Paulo Lima de Oliveira, Wilson César de Abreu
      Pages: 436 - 445
      Abstract: A análise dos hábitos alimentares e composição corporal de atletas podem revelar diferentes perfis de alimentação e características antropométricas. O objetivo deste estudo foi avaliar a composição corporal e o consumo alimentar de atletas universitários praticantes de diferentes modalidades esportivas. Participaram do estudo 58 atletas distribuídos nas modalidades futebol masculino (n=23), rugby masculino (n=11), voleibol feminino (n=9) e judô misto (n=15). A composição corporal foi determinada pelo protocolo de sete dobras cutâneas. O consumo dietético foi determinado com base na aplicação de três registros alimentares de 24h. A medidas antropométricas variaram entres as modalidades: peso (Futebol = 74,69 ± 9,20kg; Ruby = 83,60 ± 13,84kg; Vôlei = 72,90 ± 13,95kg e Judô = 62,00 ± 27.80kg), altura (Futebol = 175,70 ± 6,10cm; Ruby = 180,00 ± 5,00cm; Vôlei = 180,00 ± 5,95cm e Judô = 165,00 ± 14,10cm) e percentual de gordura corporal (Futebol = 13,30 ± 5,27%; Ruby = 18,00 ± 5,90%; Vôlei = 24,50 ± 4,10% e Judô = 14,10 ± 6.10%). O consumo diário de energia e macronutrientes variou entre os atletas das modalidades investigadas. Apenas os jogadores de futebol apresentaram consumo adequado de macronutrientes. Os atletas de rugby e judô apresentaram consumo insuficiente de carboidratos e suficiente de proteínas e lipídeos, enquanto as atletas de voleibol apresentaram consumo insuficiente para todos macronutrientes. Em todas as modalidades esportivas foi observado consumo adequado de vitamina C. O consumo de ferro foi insuficiente somente nas mulheres. Somente os atletas de rugby apresentaram consumo adequado de cálcio. Conclui-se que a composição corporal e consumo alimentar variaram de acordo com a modalidade esportiva e gênero. Assim, recomenda-se realização de ações de educação alimentar e nutricional com os atletas visando melhorar os hábitos alimentares.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Programa de reabilitação pulmonar de 36 sessões melhora a capacidade
           funcional e reduz o índice de massa corpórea em pacientes com doença
           pulmonar obstrutiva crônica

    • Authors: Paulo Sergio Correia Martins, Débora Ferreira Moraes Guimarães, Roger Medeiros Xavier, Alessandra de Magalhães Campos Garcia, Matheus Gomes Castro, Cristiano Teixeira Mostarda, Antonio Coppi Navarro
      Pages: 446 - 452
      Abstract: Objetivo: Avaliar a capacidade funcional através do teste de caminhada de seis minutos e o índice de massa corpórea em pacientes com Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica, participantes do Programa de Reabilitação Pulmonar, nos momentos pré, 18 sessões e ao final de 36 sessões. Materiais e Métodos: No Programa de Reabilitação Pulmonar com 3 sessões semanais por um período de 12 semanas de exercícios combinados (aeróbio e força), foi realizado o teste de caminhada de seis minutos, afim de verificar a capacidade funcional, pré, 18 sessões e após 36 sessões de Reabilitação Pulmonar; foram avaliados 20 pacientes diagnosticados com DPOC (15 com DPOC moderada e 5 com DPOC grave); foi verificado também o Índice de Massa Corpórea (IMC) dos pacientes nos mesmos momentos. Resultados: foi verificado aumento da distância percorrida no TC6M, em 18 sessões e ao fim das 36 sessões do programa; também se verificou diminuição do IMC dos pacientes ao fim das 36 sessões do programa de reabilitação. Discussão: em 18 sessões, observou-se uma melhora de 18,75%, assim como em 36 sessões a melhora foi de 29,47% da distância percorrida pelos pacientes no TC6M; pós 18 sessões já ocorreu uma redução de 3% no IMC e com 36 sessões essa redução foi a 6,24%, demonstrando assim a eficiência do programa de reabilitação pulmonar. Conclusão: A reabilitação pulmonar após 36 sessões é eficaz na melhora da capacidade funcional e na redução do IMC de pacientes com DPOC.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Correlação entre o teste de caminhada de seis minutos e o AQ20 em
           indivíduos com doença pulmonar obstrutiva crônica

    • Authors: Asley Catlle Belfort Nascimento, Karoline Silva Dias, Paulo Sergio Correia Martins, Cristiano Teixeira Mostarda, Antonio Coppi Navarro
      Pages: 453 - 459
      Abstract: Introdução: A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) pode alterar as atividades de vida diária (AVD) dos indivíduos, e consequentemente a Qualidade de Vida (QV). O Teste de Caminhada de 6 Minutos (TC6) é um bom preditor da capacidade funcional. Avalição da qualidade de vida é importante para percepção das limitações de pacientes com DPOC.  Objetivo: verificar a correlação da capacidade funcional pelo TC6 e a qualidade de vida pelo questionário de vias aéreas AQ20 em indivíduos com DPOC. Materiais e Métodos: O estudo foi realizado com 20 pacientes com DPOC, atendidas no Núcleo de Reabilitação de Doenças Pulmonares do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão (HUUFMA). Foi aplicado o questionário de qualidade de vida (AQ20), e realizado o teste de caminhada de seis minutos (TC6). Foi utilizado os testes de Shapiro-Wilk e correlação de Pearson. Todas as análises foram realizadas nos softwares computacionais SPSS 18.0 e Sigma Plot 12.0. O valor adotado foi p<0,05.  Resultados: Foi encontrado o valor r=-0,457; p=0,04. Indicando correlação negativa, inversa e significante para os valores de AQ20 e TC6. Discussão: O baixo escore de qualidade de vida pode estar associado as dificuldades impostas pela doença, bem como a dispneia, e a limitação funcional. Tais limitações também dificultam as atividades de baixa resistência, como TC6. Conclusão: Conclui-se que houve correlação moderada, negativa entre o teste de caminhada de seis minutos e a qualidade de vida pelo AQ20. Nesse sentido, confirmasse a hipótese desse estudo. No entanto, as limitações da DPOC influenciam diretamente a percepção da qualidade de vida.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • As respostas da corrida de rua na ansiedade, estresse e depressão

    • Authors: Matheus Cardoso de Araújo, Ivoneide Firmino Santos , Walmir Romário dos Santos, Marlene Salvina Fernandes Costa, Wlaldemir Roberto Santos
      Pages: 460 - 466
      Abstract: Introdução: entre as complicações da saúde da população atual, destaca-se a saúde mental, potencializada pela inatividade física. Sendo que o exercício físico, em especial, corrida de rua, pode levar a benefícios diretamente na mesma, controlando os níveis de ansiedade, estresse e depressão. Deste modo, o presente estudo teve como objetivo verificar as respostas da corrida de rua nos níveis de ansiedade, estresse e depressão. Materiais e métodos: a amostra do estudo foi composta por 118 participantes (70 homens), que praticavam regularmente corrida de rua. Através de uma seleção não-probabilística e por conveniência, a coleta de dados se deu por meio Google formulário (realizado por meio de redes sociais), onde foram verificados as questões sociodemográficas, histórico de treinamento e mensurados os sintomas de ansiedade, estresse e depressão (DASS-21). Os dados foram analisados através da estatística descritiva e correlacionados pelo teste de Mann Whitney, considerando nível de significância de p<0,05. Resultados: com os resultados observamos que as mulheres apresentaram maiores níveis de estresse do que os homens (p=0,039), sendo valores que não tivemos diferença nos níveis de ansiedade e depressão. Conclusão: com isso, observamos que a corrida de rua a corrida de rua pode auxiliar diretamente na saúde mental, em especial nos níveis de estresse dos homens, devido as suas respostas fisiológicas e emocionais. Porém, estudos são escassos, se fazendo necessários mais estudos com a temática para encorajar a prática da corrida de rua como tratamento não medicamentoso para melhoria da saúde mental.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Abordagem fisioterapêutica em paciente com lesão do nervo torácico
           longo dor associada à discinesia escapular: relato de caso

    • Authors: Catiúscia Martins de Santana Pereira, Estevão Rios Monteiro, Alexsandro da Silva Oliveira
      Pages: 467 - 473
      Abstract: O nervo torácico longo é responsável pela inervação do músculo serrátil anterior, o principal estabilizador da escápula que uma vez comprometido, pode levar à fraqueza ou paralisia do músculo, ocasionando assim a discinesia escapular. Dentro desse contexto, o presente estudo tem como objetivo contribuir por meio de um relato de caso com as discussões referentes ao tratamento fisioterapêutico em pacientes com lesão do nervo torácico longo associado à discinesia escapular. Paciente do sexo masculino, 21 anos, com diagnóstico de lesão do nervo torácico longo. Apresentava dor na escápula e ombro direito, restrição de amplitude de movimento para os movimentos de flexão e abdução e diminuição na força de preensão palmar. Os instrumentos de avaliação usados foram a Escala Visual Analógica, a goniometria e o Teste do Esfigmomanômetro Modificado. A avaliação funcional do membro superior foi feita por meio da escala Shoulder Pain and Disability Index. O programa de tratamento proposto foi baseado em condutas de exercícios terapêuticos voltados para os músculos estabilizadores da escápula de forma gradual, durante 4 semanas. Os resultados apontaram que a proposta de tratamento fisioterapêutico foi eficaz na diminuição do quadro álgico, aumento da força muscular, aumento da amplitude de movimento e melhora da capacidade funcional. O Tratamento fisioterapêutico baseado em exercícios terapêuticos com ênfase nos músculos estabilizadores da escápula mostrou-se efetivo na recuperação de um paciente com lesão do nervo torácico longo associado à discinesia escapular.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Desempenho motor e intelectual de crianças e adolescentes com e sem
           diagnóstico do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade

    • Authors: Fernanda Gusmão Viotti Balthazar Figueiredo Figueiredo, Guilherme de Azambuja Pussieldi, Luciano Bernardes Leite, Leonardo Mateus Teixeira Rezende, Leôncio Lopes Soares, Eduarda Maria Rocha Teles de Castro Coelho
      Pages: 474 - 483
      Abstract: O objetivo do presente estudo foi comparar o desempenho motor e cognitivo de crianças e adolescentes com e sem o diagnóstico do transtorno de déficit de atenção/hiperatividade. A amostra foi composta por 20 alunos, sendo 10 estudantes diagnosticados com o TDAH e 10 sem o transtorno que integram o grupo controle (CON). Para avaliar o desempenho intelectual dos alunos, foi utilizado o teste Matrizes Progressivas Coloridas de Raven e para avaliação da coordenação motora foi utilizado o Körperkoordinationstest für Kinder (KTK). Para verificar se a amostra apresentou uma distribuição normal, foi utilizado o teste de Shapiro Wilk. Foi utilizado o Teste T de Student, de comparação de médias para amostras não pareadas. Utilizou-se o teste não paramétrico de Mann-Whitney para as variáveis que não apresentaram distribuição normal. Recorreu-se as análises de frequência e tendência central (média) e dispersão (desvio padrão) para a apresentação dos dados.  O Grupo CON apresentou um desempenho motor significativamente melhor que o Grupo TDAH no Quociente Motor Total alcançado no teste KTK. Nas Matrizes Progressivas de Raven, não encontramos diferença significativa. Os resultados do presente estudo indicam que as crianças com transtorno do déficit de atenção/hiperatividade apresentam menor desempenho motor.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Ocorrência de lesões osteomusculares em praticantes de
           Zumba® Fitness

    • Authors: Bárbara Kellen Antunes Borges, Francielle Chrislainne Duarte Fonseca, Rafaella Rocha Lima, Thiago Alves Xavier dos Santos
      Pages: 484 - 490
      Abstract: A Zumba® é considerada como umas das tendências de fitness dos últimos anos, sendo caracterizada como um exercício aeróbico popular a partir da mistura de dança com ginástica, praticado em grupos de pessoas. O presente estudo tem como objetivo verificar a ocorrência de lesões osteomusculares em participantes de um grupo de Zumba® fitness. Trata-se de um estudo descritivo, observacional e transversal com abordagem quantitativa, realizado com nove mulheres praticantes de um grupo de Zumba® fitness na cidade Montes Claros-MG. A coleta de dados se deu a partir de um questionário. Observou-se que as participantes estavam com a faixa etária entre 30-40 anos e praticavam a Zumba® fitness a 4,5 meses, realizando três aulas por semana com duração de 90 minutos cada. Foram relatados 14 tipos de dores causado pelas lesões, visto que algumas apresentaram dois ou mais tipo, sendo o quadril e/ou coxas (28,6%) e o tornozelo/pés (21,4%) os mais relatados. Conclui-se que todas as participantes desse grupo de Zumba® fitness avaliado relataram a ocorrencia de alguma lesões.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Classificação da potência anaeróbia em jogadores
           jovens de futebol

    • Authors: Thiago Mattos Frota Souza, Rafael Valério Pazoto, Gian Alensson Zaia, Eduardo Fantato Rodrigues, Heron Soares Santos, Leonardo Vinicius Vicente Modesto dos Santos, Roberto Moriggi Junior, Vagner Reolon Marcelino, Cláudio de Oliveira Assumpção, Túio Banja
      Pages: 491 - 499
      Abstract: Introdução: O futebol é uma modalidade que apresenta grande exigência da potência anaeróbia em suas ações específicas de jogo, sendo a avaliação física imprescindível para fornecer informações que melhoram a prescrição do treinamento e, consequentemente, o rendimento esportivo. Objetivo: Verificar e classificar o desempenho da potência anaeróbia em jogadores de futebol de categorias de base. Materiais e Métodos: Participaram do estudo 51 indivíduos do sexo masculino com idade de 14,2 ± 1,6 anos, subdivididos em quatro categorias: Sub 12, Sub 13, Sub 14 e Sub 16. Todos os jogadores foram submetidos ao teste de potência anaeróbia TVPA-RAST. Para a comparação dos resultados, foi utilizado o teste de Kruskal-Wallis e, para a sugestão de classificação, foram utilizados os percentis. Resultados: O grupo Sub 16 apresentou melhores resultados em relação aos grupos Sub 12 e Sub 13 na maioria das variáveis (Potência Máxima = 689,9 ± 130,2 W, Potência Máxima Relativa = 11,0 ± 1,4 W/kg, Potência Média = 513,6 ± 88,4 W, Potência Média Relativa = 8,2 ± 0,8 W/kg, Potência Mínima = 377,4 ± 91,5 W, Tempo para percorrer 35 m = 4,8 ± 0,2 s; p<0,05). Entretanto, o Índice de Fadiga não apresentou diferença estatística entre os grupos. Conclusão: Concluímos que o grupo Sub 16 apresentou melhor rendimento no teste TVPA-RAST, sendo que nossa sugestão de classificação tem como objetivo ser uma ferramenta prática para treinadores e preparadores físicos nortearem o treinamento físico em categorias de base no futebol.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Fatores que influenciam a adaptação do ventrículo esquerdo
           de jovens atletas

    • Authors: Lígia Ribeiro Moscardini, David Michel de Oliveira, Paulo Ricardo Prado Nunes, Anderson Geremias Macedo , Bruno Barbosa Rosa, Daniel dos Santos
      Pages: 500 - 508
      Abstract: A prática esportiva por adolescentes tem aumentado nos últimos anos, inclusive nesta direção, tem-se observado um crescente processo de profissionalização do esporte. O processo sistemático e rigoroso de treinamento exigido no esporte de alto rendimento, segundo alguns estudos, promove alterações na morfologia do ventrículo esquerdo em atletas adolescentes. O objetivo foi revisar   na   literatura   sobre   a influência do treinamento esportivo na adaptação do ventrículo esquerdo de jovens atletas. Este trabalho tem como delineamento a revisão narrativa, sendo consultadas bases eletrônicas de bibliotecas virtuais (Pubmed e Scielo).  Dos 230 artigos encontrados,14 foram incluídos nessa revisão. O resultado da análise dos artigos verificou-se que o treinamento promove alterações sobre ventrículo esquerdo, nas quais são observadas aumento das dimensões cavitarias, massa ventricular esquerda total e massa indexada pela superfície corpórea, além da espessura relativa da parede maior em atletas, principalmente no sexo masculino e em negros quando comparados a mulheres e brancos esportistas e ao grupo de sedentários, sem diferença significativa na fração de ejeção entre os diversos grupos estudados. Concluímos que o treinamento físico regular e intensivo está associado a diversas adaptações estruturais que resultam na hipertrofia do ventrículo esquerdo em jovens atletas. A magnitude dessas adaptações é determinada por diversos fatores incluindo idade, sexo, tamanho do corpo, etnia, tipo e intensidade do exercício praticado. No entanto, a maioria dos estudos encontrados tem delineamento transversal, sugerindo assim novos estudos com abordagem longitudinal.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Relação entre flexibilidade, potência de membros inferiores e
           desempenho em saltos verticais no contexto esportivo e no envelhecimento

    • Authors: Kairam Ramos Rios , Igor Martins Barbosa, Aline Pacheco Posser, Virgínia Teixeira Hermann, Samuel Klippel Prusch, Luiz Fernando Cuozzo Lemos
      Pages: 509 - 518
      Abstract: Introdução: Um nível de flexibilidade adequado permite a execução de movimentos com maior amplitude, força e velocidade. Assim, a flexibilidade parece apresentar relação com o desempenho em gestos motores explosivos, tal como os saltos verticais. Objetivo: Apresentar uma abordagem teórica acerca da possível existência de associação do nível de flexibilidade com o desempenho em saltos verticais e a capacidade de produção de potência muscular dos membros inferiores, além dos efeitos que o processo de envelhecimento pode causar nestas capacidades físicas e habilidade motora. Materiais e métodos: Foi realizada uma revisão narrativa de literatura a partir da busca de artigos nas bases de dados PubMed, SciELO, Science Direct e Google Academics. Para tal, foram considerados artigos na língua portuguesa e inglesa. Resultados: Após as buscas foram selecionados 57 artigos, os quais foram utilizados como base para escrita do presente estudo. Conclusão: O presente estudo fornece uma base teórica para o desenvolvimento de trabalhos originais que verifiquem as relações entre medidas de flexibilidade, desempenho em saltos verticais e potência de membros inferiores. Assim como para sua verificação em grupos de distintas faixas etárias ou de forma longitudinal em um grupo específico, no intuito de compreender como o processo de envelhecimento atua nestas capacidades físicas e habilidade motora, bem como nas possíveis relações existentes entre elas.
      PubDate: 2022-08-06
      Issue No: Vol. 15, No. 98 (2022)
       
  • Análise da força da musculatura respiratória, capacidade aeróbica,
           capacidade funcional, qualidade de vida e qualidade do sono de pacientes
           com a doença pulmonar obstrutiva crônica

    • Authors: Matheus Gomes Castro, Ana Lídia de Carvalho Cutrim França, Paulo Sérgio Correia Martins, Rafael Martins Andrade, Carlos José Moraes Dias, Cinthya Walter, Christian Emmanuel Torres Cabido, Alessandra de Magalhães Campos Garcia, Cristiano Teixeira Mostarda
      Pages: 519 - 530
      Abstract: Introdução: A Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica é uma patologia respiratória, progressiva, que é caracterizada por lesões no parênquima pulmonar, levando à restrição crônica do fluxo aéreo. Objetivo: Analisar a força da musculatura respiratória, a capacidade aeróbica, a capacidade funcional, a qualidade de vida e a qualidade do sono de pacientes com a Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica. Materiais e Métodos: Os pacientes (23) realizaram os testes de manovacuometria, espirometria e de caminhada de seis minutos, e responderam ao Questionário de Vias Aéreas e ao Inventário de Qualidade do Sono de Pittsburgh. Resultados: Entre os dados da pressão inspiratória máxima e pressão expiratória máxima e o volume de oxigênio pico, em ambos os casos houve correlação moderada (0,5319 - p=0,0075; 0,4472 - p=0,0314). Entre os dados da pressão inspiratória máxima e pressão expiratória máxima e a metragem alcançada no teste de caminhada, em ambos os casos houve correlação moderada (0,5318 - p=0,0075; 0,4497 - p=0,0313. Entre os dados de qualidade de vida e qualidade do sono houve uma correlação moderada (0,6). Discussão: Em indivíduos com diagnóstico de doenças pulmonares como o de DPOC, diversos fatores podem ser interferidos pela força da musculatura respiratória e as complicações dessa doença parecem estar associadas. Conclusão: Baixos níveis de força da musculatura respiratória possuem relacionamento significante com a fraca capacidade cardiorrespiratória, e que baixos níveis de força da musculatura respiratória estão correlacionados com grave limitação funcional. A qualidade de vida apresenta relacionamento positivo com a qualidade do sono em pacientes nessas condições.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Otimização de variáveis da aptidão física em praticantes de corrida
           de 400m do ginásio experimental olímpico da prefeitura do rio de janeiro
           após um programa de treinamento

    • Authors: Rubem Machado Filho, Mario Roberto Guagliardi Júnior, Marco Leandro Martins de Assis, Marco Antônio Pinto de Avellar, Amanda Cristine da Silva, Edson Farret da Costa Junior, Leonardo Gonçalves Ribeiro
      Pages: 531 - 537
      Abstract: A literatura aponta que o desporto atletismo é uma das modalidades esportivas mais antigas do mundo, ele é também considerado como modalidade base para vários outros esportes. Trata-se de um estudo retrospectivo, longitudinal, que pretende analisar as avaliações realizadas durante seis meses de treinamento na modalidade de corrida de 400 metros. Participaram do estudo 33 estudantes, de 11 a 15 anos, praticantes de Atletismo, na modalidade de corrida de 400 metros. Os dados foram resumidos por meio de frequências, medidas de posição e medidas de dispersão e a determinação do tamanho do efeito (effect size). Para a análise comparativa intragrupos (pré-pós) aplicou-se o Teste não paramétrico de Wilcoxon. Para as comparações foi considerado o nível de significância de 5%. As análises foram processadas com uso do SPSS 22.0. A análise intragrupo dos voluntários que treinaram 5 vezes por semana mostra que, com exceção da corrida 20 m, houve melhora significativa da aptidão física ao final do treinamento. Melhora significativa também foi observada nos voluntários que treinaram 3 vezes por semana, com exceção da corrida 20 m. Uma análise intergrupos mostrou que não houve diferença significativa entre os grupos para quaisquer das variáveis. As práticas específicas de modalidades esportivas referentes ao atletismo apresentaram como sendo importantes para melhoria das capacidades motoras dos escolares na faixa etária de 11 a 15 anos de idade.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Avaliação do efeito do treinamento muscular inspiratório na força
           muscular inspiratória e função pulmonar de pacientes com insuficiência
           cardíaca submetidos a um programa de reabilitação cardíaca

    • Authors: Maiqueli Arpini, Fernando Antonio de Lima Torres , Juliana Carvalho Schleder, Tamiris Aparecida da Rosa, Débora Melo Mazzo
      Pages: 538 - 549
      Abstract: Introdução: A insuficiência cardíaca (IC) é uma síndrome clínica de caráter sistêmico, definida como disfunção cardíaca que provoca inadequado suprimento sanguíneo para comportar as necessidades metabólicas dos tecidos. Objetivo: Comparar os efeitos do resistor linear pressórico (RLP) e do incentivador respiratório à volume (IRV), como treinamento muscular inspiratório (TMI) em pacientes com Insuficiência Cardíaca (IC) inseridos em um programa de reabilitação cardíaca (RC). Materiais e Métodos: Refere-se a um ensaio clínico randomizado, realizado no Ambulatório de Reabilitação Cardíaca, com 18 pacientes com diagnóstico de IC, divididos entre o grupo RLP+RC (n=9) e o grupo IRV+RC (n=9). Ambos os grupos realizaram 20 min de TMI e 20 min de RC, três vezes semanais, durante oito semanas. Foi estabelecido um grupo Meta (n=9) constituído por pacientes que obtiveram alta do tratamento fisioterapêutico, mas continuaram na RC acompanhados por profissionais de Educação Física. Foram avaliadas à força muscular respiratória, função pulmonar, sensação de dispneia, fadiga, e classe funcional NYHA. Resultados: Na análise intragrupos após 8 semanas, os grupos RLP+RC e IRV+RC melhoraram a força muscular respiratória, a função pulmonar através do VEF1, a fadiga e a classe funcional. O grupo Meta, após 8 semanas, aumentou somente a PImáx. Na comparação entre os grupos do TMI e o Meta, a PImáx, a PEmáx, o PFE e a CVF, apresentavam diferença no início, porém, ao final não apresentaram. Conclusão: O TMI, com o RLP ou o IRV deve ser empregado no tratamento de pacientes com IC.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Análise da influência de sessões de treinamento em condições de
           hipóxia normobárica intermitente e normóxia sobre parâmetros
           hematológicos e aptidão aeróbica

    • Authors: Aline Mara Marques Sousa , Francisco Edson Ferreira Paz , Eduardo da Silva Pereira
      Pages: 550 - 557
      Abstract: O treinamento em hipóxia baseia-se na diminuição da quantidade disponível de oxigênio nos tecidos, no qual é realizado em grandes altitudes. Com a finalidade de simular esse método, máscaras estão sendo utilizadas durante o treinamento. Com base nisso o presente trabalho teve como objetivo avaliar a influência de sessões de treinamento em condições de hipóxia normobárica intermitente e normóxia sobre os parâmetros hematológicos e aptidão aeróbica. Trata-se de um estudo de campo, caracterizado como experimental do tipo pré e pós-teste, de corte longitudinal, de natureza intervencionista-descritiva com abordagem quantitativa. A amostra foi composta por 18 homens, relacionados por adesão, distribuídos aleatoriamente em três grupos, no qual foram submetidos ao teste de aptidão aeróbica e hemograma antes e após as sessões de treinamento com máscara. O tratamento foi composto por 12 sessões, concentração de 15% de oxigênio (30 min/dia, 3x/sem). As análises estatísticas, feitas através do teste t de Student para amostras pareadas (p<0,05), apresentaram diminuição significativa nos valores de SpO2, Hb, HCM e CHCM (p<0,05) do grupo TCM. Não foram observadas alterações da FC e VO2 máximo após as sessões de treinamento. Porém, observou-se aumento significativo na distância de corrida no pós-teste do grupo TCM (p<0,05). Conclui-se que o THNI, na dosagem aplicada nesta investigação, foi eficaz para favorecer aumento de performance, apesar da significativa redução nos valores hematológicos e SpO2. O resultado em hipóxia afirma que o método aqui utilizado, precisa ser investigado levando em consideração outras variáveis que possam vir a ser influenciadas por esse tipo de treinamento.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Efeito do treinamento de futebol na aptidão aeróbia de atletas
           universitários

    • Authors: Pedro Henrique Souza, Heloiana Karoliny Campos Faro, Marília Padilha Martins Tavares, Pedro Moraes Dutra Agrícola, Luiz Inácio do Nascimento Neto, André Igor Fonteles, Daniel Gomes da Silva Machado
      Pages: 558 - 565
      Abstract: Objetivo: Avaliar o efeito do treinamento de futebol na aptidão aeróbia de adultos jovens. Materiais e Métodos:  Onze homens (24,27 ± 3,80 anos; 73,44 ± 8,31kg; 1,82 ± 0,12m; 22,31 ± 3,14 kg/m2) participantes da equipe de futebol da Universidade Federal do Rio Grande do Norte realizaram uma avaliação da aptidão aeróbia usando o Yo-Yo Intermittent Recovery Test 1 antes e após 5 meses de treino de futebol. Foram analisados o consumo máximo de oxigênio (VO2max) estimado, velocidade máxima e distância percorrida. Resultados: O teste t para amostra pareadas mostrou que não houve diferença entre pré e pós treinamento no VO2max (47,36 ± 3,14 Vs. 47,28 ± 2,64 ml.kg-1.min-1), distância percorrida (1,31 ± 0,37 Vs. 1,29 ± 0,31 km), tampouco na velocidade máxima atingida (16,56 ± 1,17 Vs. 16,36 ± 0,93 km.h-1), respectivamente (p>0,38). Conclusão: Os resultados indicaram que o treinamento de futebol em atletas universitários não aumentou a aptidão aeróbia, avaliados pelo VO2máx, tempo até exaustão e velocidade máxima atingida.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Efeitos fisiológicos do exercício físico combinado com a oclusão
           vascular parcial: revisão sistemática

    • Authors: João Gabriel Souza Cesar, Vania Cristina dos Reis Miranda, Keyleytonn Sthil Ribeiro, Elaine Cristina Martinez Teodoro
      Pages: 566 - 576
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Comportamento hemodinâmico durante sessão de treinamento de força com
           restrição do fluxo sanguíneo

    • Authors: Thiago Mattos Frota Souza, Bruna de Fátima Morais, Leandro Xavier de Carvalho, Renata Juliana Mota, Reinaldo Pinto de Almeida Junior, Luis Felipe Milano Teixeira, Otavio Augusto Soares Machado
      Pages: 577 - 586
      Abstract: Introdução: O treinamento de força de baixa intensidade associado à restrição do fluxo sanguíneo (TFRFS) pode ser uma alternativa eficaz para indivíduos que busquem adaptações neuromusculares similares ao treinamento de força de alta intensidade (TF). Objetivo: Comparar as respostas hemodinâmicas entre o treinamento de força convencional e o treinamento de força com restrição do fluxo sanguíneo. Materiais e Métodos: Seis indivíduos (26,0 ± 3,7 anos, 70,3 ± 15,0 kg, 1,71 ± 0,10 m) foram submetidos à duas sessões de treinamento de força com pelo menos 48 horas de intervalo entre elas: TF=3 séries de 10 repetições a 80% de 1-RM predito com intervalo de 1 minuto e 30 segundos entre séries; TFRFS = 1 série de 30 repetições mais 3 séries de 15 repetições a 30% de 1-RM predito associado a 80% da pressão arterial sistólica do membro exercitado com intervalo de 30 segundos entre séries. Em ambas as sessões, foram monitoradas a frequência cardíaca, pressão arterial e duplo produto. Para a análise dos dados, utilizou-se ANOVA two way de medidas repetidas com post hoc de Sidak com um nível de significância de 5%. Resultados: Houve efeito de tempo para a frequência cardíaca (p<0,001), pressão arterial sistólica (p<0,001), média (p<0,05) e duplo produto (p<0,001), sem diferença entre grupos TF e TFRFS. Conclusão: Concluímos que ambas as sessões de treinamento de força (TF e TFRFS) apresentaram comportamento similar em relação às repostas hemodinâmicas.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Efeitos agudos de diferentes volumes de alongamento estático de
           antagonistas no desempenho de repetições de agonistas

    • Authors: Mayara Gomes Serra de Azevedo , fhfreitas Fabio Henrique de Freitas, Humberto Lameira Miranda
      Pages: 587 - 593
      Abstract: Introdução: os exercícios de alongamento têm sido utilizados, como parte integrante de uma sessão de treino, com o objetivo de promover melhoras no desempenho da força. Objetivo: investigar os efeitos agudos de diferentes volumes de alongamento estático (AE) de antagonistas no desempenho de repetições no exercício cadeira extensora. Materiais e métodos: a amostra foi composta por 12 homens (27.2 ± 8.0 anos de idade; 81.0 ± 9.2 kg de massa corporal; 180 ± 0.1 cm de estatura; 26.1 ± 2.5 kg/m2 de índice de massa corporal). Foram realizadas seis visitas com intervalos de 48 a 72 horas entre elas. Nas três primeiras visitas, foram realizados: a) preenchimento do par-Q e TCLE; b) medidas antropométricas; c) familiarização; d) teste e reteste de 15 RM. Nas demais visitas, foram realizados os protocolos experimentais: 1) protocolo tradicional (TRAD) - sem AE prévio e execução da cadeira extensora; 2) protocolo de AE de antagonistas com volume reduzido (AE30) e posterior execução da cadeira extensora; 3) protocolo de AE de antagonistas com volume ampliado (AE60) e posterior execução da cadeira extensora. Discussão: o principal achado do presente estudo foi observar que os exercícios de AE de antagonistas, independente do volume, não interferiu nem de forma positiva nem negativa, no desempenho de repetições de agonistas. Resultados: não foram observadas diferenças significativas entre os protocolos experimentais. Conclusão: a utilização de exercícios de AE de antagonistas, independente do volume, não influenciou, quer seja de forma positiva ou negativa, no desempenho da força de agonistas. 
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Carga interna de treinamento em atletas de basquete em cadeira de rodas:
           percepção dos atletas versus percepção do técnico

    • Authors: Amanda Vitória Fabris, Marcos Vinicius Soares Martins, André Lucas Moraes, Veronica Volski Mattes, Ana Paludo
      Pages: 594 - 600
      Abstract: Introdução: A manipulação das cargas de treinamento é um componente chave para o aumento do desempenho do atleta e da equipe. Por isso torna-se importante que as cargas percebidas pelos atletas sejam semelhantes a carga planejada pelo técnico. Objetivo: analisar as respostas de carga interna de treinamento em atletas de basquete em cadeira de rodas com a carga planejada pelo técnico. Materiais e Métodos: Foram analisados sete atletas de uma equipe recreacional de basquete em cadeira de rodas, no Brasil. A carga interna de treinamento foi avaliada em quatro sessões (duas leves e duas moderadas) através da multiplicação da percepção subjetiva de esforço da sessão pela duração da sessão. A percepção subjetiva do esforço foi analisada pela escala de Borg CR-10, preenchida pelos atletas 30min após as sessões de treinamento e pelo técnico antes das sessões de treinamento. Resultados: Em todas as sessões, os atletas perceberam a intensidade de maneira diferente, entre eles (exemplo: atleta 1). As sessões caracterizadas como leve apresentaram maior semelhança entre a carga pretendida pelo técnico e a percebida pelos atletas, já as sessões moderadas apresentaram maior discrepância. Conclusão: Conclui-se que a intensidade do treinamento pode ser percebida de maneira diferente entre os atletas de uma equipe de basquete em cadeira de rodas, assim como sessões de treinamento com cargas moderadas cargas tendem a ser apresentar uma maior variação, sendo subestimada para uns e superestimada para outros. Assim, ajustes contínuos no planejamento do treinamento devem ser realizados, para potencializar o desempenho da equipe como um todo.  
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Influência do exercício físico sobre o estresse oxidativo em idosos:
           Uma revisão sistemática

    • Authors: Flávio Augusto Carvalho Vilela , Gabriela Marques Coelho , Giovana Carneiro Araújo Souza , Jéssica Alexandra Lemos Oliveira , Lucas Chiovato Silva , Hugo Ribeiro Zanetti , Alexandre Gonçalves
      Pages: 601 - 605
      Abstract: Um dos grandes males que pode levar à uma série de acometimentos físicos ao idoso é o excesso de produção de radicais livres, a qual, aparentemente, pode ser combatida pela prática regular de exercício físico. O objetivo do presente estudo foi analisar, através de uma revisão sistemática da literatura, a influência do exercício físico sobre o estresse oxidativo em idosos. Assim, foi realizado uma revisão da literatura, cruzando-se as palavras exercício físico, estresse oxidativo e idoso, nas bases de dados PubMed, Europe PMC, Web of Science, Scielo, sem restrição de idioma até 2021. Após a aplicação dos critérios de inclusão e exclusão foram selecionados somente quatro artigos os quais tiveram como objeto de estudo o exercício resistido e exercício aeróbio. Em três estudos que utilizaram o exercício resistido, dois observaram diminuição do estresse oxidativo e um não obteve diferença. Já no único estudo relacionado ao exercício aeróbio demonstrou diminuição do estresse oxidativo. Assim, concluiu-se que, apesar dos poucos estudos obtidos, aparentemente, o exercício físico é eficiente no combate ao estresse oxidativo em idosos.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Gameterapia como ferramenta de estímulo no equilíbrio de indivíduos com
           síndrome de down

    • Authors: Paulo Márcio Montserrat, Rony Medeiros Figueiredo, Raphael Medeiros de Oliveira Silva, Deyvison Vitoi Pereira, Ana Luíza da Silva Rocha
      Pages: 606 - 613
      Abstract: A Síndrome de Down (SD), Trissomia 21, acarreta atrasos no desenvolvimento mental e físico além de semelhanças nas características físicas e problemas médicos associados. É de grande importância a realização de terapias de estímulo, já que o “grau” de acometimento dos sintomas é inversamente proporcional. A gameterapia, está se popularizando como ferramenta de reabilitação, demonstrando efetividade na melhoria do equilíbrio de indivíduos de forma geral. Assim, este estudo avaliou a influência da gameterapia como ferramenta de estímulo no equilíbrio de indivíduos com SD, utilizando a trave de equilíbrio como teste. Foi realizada pesquisa de campo de caráter quantitativo, transversal e observacional, com sessões de gameterapia em sete indivíduos com SD, de ambos os sexos, idades e pesos variáveis. O teste foi realizado antes e depois das sessões. Todos os participantes melhoraram seu desempenho. Dois deles se destacaram com pontuação acima de 25 pontos (4 e 7), um do sexo masculino outro, feminino, apontando que o sexo não influiu. Os participantes acima do peso (1, 3 e 6) demonstraram maior dificuldade na execução da tarefa, apontando o peso como fator de influência. Um participante do sexo masculino com peso ideal obteve o menor rendimento, sendo ele o de maior idade e com maior limitação. O estudo demonstrou que o uso da gameterapia tem grande potencial de utilização como ferramenta de estímulo no equilíbrio de indivíduos com SD sendo ainda necessários vários estudos sobre o tema.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Uso do comando verbal na prescrição do exercício
           intervalado em mulheres ativas

    • Authors: Sandro dos Santos Ferreira
      Pages: 614 - 620
      Abstract: O exercício intervalado se popularizou nas últimas décadas tornando-se uma efetiva estratégia na melhora do condicionamento físico em pessoas destreinadas e não atletas. O objetivo do presente estudo foi verificar se existe diferença na percepção subjetiva de esforço (PSE) e velocidade de corrida do exercício intervalo prescrito por comandos verbais. 10 mulheres ativas participaram do estudo. Foram realizadas três sessões de exercícios a partir dos seguintes comandos verbais: intensidade leve, intensidade moderada, e intensidade alta. Cada sessão de exercício consistiu em 20 minutos de corrida intervalada (60 s: 60s) no formato de vai e vem.  A PSE e velocidade (Km.h) foram mensuradas em cada sessão de exercício. Diferenças entre os comandos verbais foram observadas para a PSE χ2 (2) = 19,53 p<0.001 e velocidade de corrida χ2 (2) = 20,00, p<0.001. O comando verbal leve foi menor, quando comparado com o moderado e alto, e o comando verbal moderado foi menor quando comparado com o alto para ambos a PSE e velocidade de corrida p<0.01. Os resultados do presente estudo sugerem que diferentes comandos verbais podem ser usados na prescrição de exercícios intervalado em mulheres ativas, e que os comandos verbais de moderada e alta intensidade podem fornecer estímulos cardiorrespiratórios adequados para mudanças significativas no condicionamento físico.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Análise do nível de atividade física de graduandos de
           enfermagem

    • Authors: Danilo Lutiano Valerio
      Pages: 621 - 628
      Abstract: Uma parcela significativa da população brasileira não realiza atividade física de maneira regular. Observa-se que um grupo específico que faz parte dessa realidade são os estudantes universitários. O objetivo do estudo foi identificar os níveis atividade física de graduandos de enfermagem de uma universidade privada. Trata-se de um estudo transversal quantitativo de levantamento com uma abordagem descritiva-exploratória. Utilizou-se como instrumento de pesquisa o Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) Versão-Curta. A amostra do estudo foi composta por 73 estudantes universitários matriculados no sétimo e oitavo semestre do curso de Enfermagem, sendo aproximadamente 95% do sexo feminino (69 estudantes) com idade média de 29,5 anos (DP 8,4) e aproximadamente 5% do sexo masculino (4 estudantes) com idade média de 27 anos (DP 7,6). Os dados coletados foram analisados através da análise estatística de percentual simples. Os achados da pesquisa demonstram que 14% dos discentes encontram-se Muito Ativos, 44% Ativos, 18% Irregularmente Ativos A, 12% Irregularmente Ativos B e 12% Sedentários. De acordo com os dados expostos pode-se aferir que a maior parte dos graduandos do curso de enfermagem analisados apresentaram níveis significativos de prática de atividade física.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Perfil da aptidão física relacionada à saúde de escolares brasileiros:
           Uma revisão narrativa

    • Authors: Renata Rovani Hoffmann, Miguel Angelo Duarte Junior, Rogério da Cunha Voser
      Pages: 629 - 636
      Abstract: Introdução: A aptidão física pode ser entendida como a capacidade de realizar tarefas diárias com vigor e atenção, sem fadiga excessiva e com energia suficiente para disfrutar de atividades de lazer e enfrentar emergências inesperadas. Em crianças e adolescentes, níveis satisfatórios de aptidão física são considerados importantes preditores do estado de saúde. Nesse sentido, justifica-se a avaliação da aptidão física, principalmente no ambiente escolar, onde o professor de Educação Física pode subsidiar suas práticas pedagógicas com as avaliações realizadas. Objetivo: Realizar uma revisão na literatura a respeito do nível de aptidão física relacionada à saúde de escolares brasileiros. Materiais e Métodos: A revisão narrativa foi realizada através de estudos publicados nos últimos 5 anos, que utilizaram a bateria de testes e avaliações, assim como, os critérios de avaliação sugeridos pelo Projeto Esporte Brasil (PROESP-Br). Resultados: Os estudos mostram uma alta prevalência de escolares na “zona risco à saúde” nos diferentes componentes da aptidão física relacionada à saúde, flexibilidade (20-43%), resistência abdominal (32-92%) e aptidão cardiorrespiratória (38-52%), sobrepeso/obesidade (10-40%). Conclusão: Há uma alta prevalência de escolares brasileiros com níveis insatisfatórios de aptidão física relacionada à saúde.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Efeitos de diferentes protocolos e intensidades de exercício físico
           sobre a pressão arterial de indivíduos pré-hipertensos e hipertensos:
           Uma revisão narrativa

    • Authors: Rafael Fleming de Campos, Paulo César Caetano Junior
      Pages: 637 - 644
      Abstract: O objetivo dessa revisão é comparar os diferentes protocolos e intensidades de exercício sobre a resposta hipotensora de indivíduos com pressão arterial elevada e hipertensão. Foram realizadas as buscas por artigos nas bases de dados SciELO e PubMed. Os critérios de inclusão foram: estudos que avaliem os níveis de pressão arterial em pessoas pré-hipertensas e hipertensas, após uma ou mais sessões de exercícios (seja ele exercício aeróbio ou resistido). Não foram aplicadas restrições quanto a intervenções medicamentosas ou comorbidades. Foram incluídos 18 artigos no presente estudo. De acordo com os achados, o exercício resistido foi mais efetivo nas intensidades moderada e submáxima (50% a 80% de 1RM). O exercício aeróbio também foi efetivo na redução da pressão arterial, podendo ser aplicado individualmente ou em conjunto com o exercício resistido. Os exercícios combinados tiveram resultados bem efetivos, quando combinado exercício aeróbio antes e depois da sessão de exercício resistido.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Desempenho neuromotor entre praticantes de hóquei na grama versus
           escolares recreacionalmente ativos

    • Authors: Alice Aparecida Queiro Coelho, Laíde de Souza Oliveira, Marlon Silva Leite, Marianna de Freitas Maia, Haroldo Gualter Santana, Rafael Alves Barreto, Gabriel Andrade Paz, Francine de Oliveira Souza
      Pages: 645 - 653
      Abstract: Objetivo: Investigar o desempenho de agilidade, potência muscular, controle postural e coordenação motora entre adolescentes praticantes de hóquei na grama versus escolares recreacionalmente ativos. Materiais e métodos: a amostra foi constituída por 44 alunos com idade 14,1 (0,5), estatura 162 (4,8), massa 54,5(3,3), sendo 22 que praticam o hóquei sobre grama (GH) e 22 escolares que praticam as aulas convencionais de Educação Física (GC). Todos foram submetidos no mesmo dia a uma sequência de testes, sendo eles respectivamente: teste antropométrico; teste de controle postural (Star Excursion - Y Balance Test); teste do salto vertical (Vertical Jump); teste de agilidade (Illinois agility test) e o teste de coordenação motora (KTK). Resultados: O desempenho no salto vertical para o GC foi significativamente menor (19,7±4,6 cm) versus GH (23,2 ±12,6 cm). Resultados similares foram observados nos saltos bilaterais alternados no GC (36,5 ± 5,2) versus GH (42,5 ± 6,0). Na transposição de plataformas o desempenho do GC: (29,6 ± 2,0) também foi significativamente menor comparado ao GH (31± 2,2). O GH foi significativamente mais ágil (19,8 ±1,36 seg) em comparação ao GH (21,0 ± 1,36 seg) no Illinois agility test. Conclusão: Dessa forma, o hóquei na grama parecer ser uma modalidade eficiente para desenvolver agilidade, coordenação e controle postural em escolares além da implementação das aulas convencionais de Educação Física.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Efeitos da suplementação de antioxidantes nas adaptações ao
           treinamento resistido

    • Authors: Bernardo Soares Mazuim, José Luis de Freitas, Ví­tor Scotta Hentschke, Guilherme Scotta Hentschke, Fabiano Moraes Miguel
      Pages: 654 - 662
      Abstract: Enquanto a produção excessiva de radicais livres pode causar diversos danos celulares, a produção controlada desempenha importantes papéis regulatórios na célula no processo de adaptação no sistema de defesa antioxidante. Deste modo, o objetivo deste estudo é de esclarecer os efeitos do uso de suplementos antioxidantes das vitaminas C e E, quanto às adaptações obtidas através do treinamento resistido. A realização desta revisão da literatura foi do tipo sistemática, utilizando-se da base de dados Pubmed, aplicando-se os critérios de inclusão e exclusão previamente estabelecidos. De acordo com a investigação, cronicamente, a suplementação das vitaminas C e E não parecem ter efeito benéfico no processo de hipertrofia muscular em praticantes amadores, de modo que o seu uso pode ainda interferir de forma significantemente negativa nos ganhos de força e hipertrofia muscular, após um período de suplementação. Conclui-se que a suplementação de vitaminas C e E em doses superiores às recomendadas, não parece promover benefícios no processo de hipertrofia muscular. Pelo contrário, especialmente em jovens adultos saudáveis, a suplementação pode ser prejudicial quando o objetivo é aumento de massa magra e força.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Relações entre a composição corporal total e fracionada e a potência
           muscular de jovens futebolistas de diferentes faixas etárias

    • Authors: Sergio de Sousa
      Pages: 663 - 669
      Abstract: A composição corporal é atualmente um dos aspectos mais importantes do futebol, haja vista que é necessário ter bons índices musculares, ósseos e de gordura para executar as ações motoras exigidas pelo esporte. No entanto, o quanto a constituição corpórea está relacionada com variáveis como a potência muscular' Com a intenção de responder essa pergunta o objetivo do presente estudo foi investigar as relações entre a composição corporal total e fracionada e a potência muscular de jovens futebolistas. Para isso, 27 atletas participaram da presente pesquisa, os quais foram separados em dois grupos sendo, grupo 1 (G1) da categoria sub 15 com 13 jogadores (13,1 ± 01anos; 53,46 ± 3,1kg; 164 ± 2,5cm) e grupo 2 (G2) pertencente a categoria sub 20 com 14 atletas (18,3 ± 03anos; 71,83 ± 1,8kg; 177 ± 1,6cm). Os participantes realizaram avaliação antropométrica e da composição corporal com o DEXA e executaram o Running Based Anaerobic Sprint Test (RAST). Como resultado, o G1 apontou os maiores coeficientes de correlação, como, por exemplo, 0,952 na relação entre MMT x PPA e de 0,900 para MMMI (p<0,01), porém o G2 indicou apenas duas relações MMT x PMA e MMMI versus PMA com 0,580 e 0,618 respectivamente para p<0,05. Conclui-se que a categoria sub 15 apresentou maiores valores de correlação entre as variáveis de composição corporal e os valores de potência.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Efeito subagudo do alongamento dos antagonistas sobre atividade
           mioelétrica e desempenho de agonistas na cadeira extensora

    • Authors: Franklin Gomes, Francine Ribeiro de Oliveira Souza, Sabrina Medeiros Casseres, Marco Antonio de Jesus, Vicente Pinheiro Lima, Humberto Lameira Miranda, Gabriel Andrade Paz
      Pages: 670 - 680
      Abstract: Introdução: Protocolos de pré-ativação dos antagonistas vem sendo averiguados visando melhora do desempenho dos músculos agonistas. Objetivo: O estudo teve como objetivo investigar o efeito agudo do alongamento estático e da facilitação neuromuscular proprioceptiva (FNP) aplicados nos antagonistas, antes de uma sessão no exercício “cadeira extensora”, sobre o desempenho de repetições máximas, atividade mioelétrica do vasto lateral, vasto medial oblíquo, reto femoral e gastrocnêmio porção lateral, percepção subjetiva de esforço (PSE), tempo sob tensão (TST) e eletromiografia de agonistas e antagonistas. Materiais Métodos: Foi realizado um ensaio clínico randomizado. Os participantes foram selecionados por conveniência e de forma não probabilística, sendo composta por 12 voluntários do sexo masculino. Os indivíduos executaram teste de carga para 25 repetições máximas (RM) na cadeira extensora. Em seguida, três protocolos foram realizados. Protocolo tradicional (PT), alongamento estático em antagonistas (PAP) e protocolo de facilitação neuromuscular proprioceptiva em flexores do joelho (FNPFLX). Resultados: Não houve diferença significativa entre os grupos. Conclusão: O TFL parece não influenciar no desempenho da sessão quando utilizado um protocolo para resistência muscular localizada de 25 RM.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Efeitos dos exercícios do método pilates sobre aspectos funcionais e de
           mobilidade de membro superior em mulher com neoplasia mamária: um estudo
           de caso

    • Authors: Isabel Cristina Sbors, Renan Carlos Teixeira, Felipe de Oliveira, Renan Fudoli Lins Vieira, Rafael Calais Gaspar, Vitor Rosetto Muñoz, José Rodrigo Pauli, Paulo Henrique Canciglieri, Leonardo Breda
      Pages: 681 - 688
      Abstract: Objetivo: Avaliar os efeitos dos exercícios do método Pilates sobre aspectos funcionais e de mobilidade de membro superior em mulher com neoplasia de mama. Materiais e Métodos: Amostra constituída de uma mulher de 53 anos, não mastectomizada, com linfedema severo no membro superior homolateral à neoplasia da mama. Foram realizadas avaliações de antropometria, resistência de força isométrica, mobilidade articular e percepção subjetiva de peso e desconforto de membro superior antes e após 12 semanas de um programa de exercícios do método Pilates (15 exercícios/10 repetições), sendo 3 sessões semanais, com duração de 45 minutos. Resultados: Verifica-se que ocorreu aumento na resistência de força isométrica de membros superiores (116,66%), aumento de flexibilidade no teste de goniometria glenoumeral nos movimentos de flexão (14,28%), extensão (14,28%), adução (25%) e abdução (6,25%) do membro superior afetado após as 12 semanas de treinamento. Além disso, foram observadas reduções nas medidas de circunferências do membro afetado sendo 2,85% no antebraço superior, 3,57% no antebraço medial, 4,54% no punho, 4,54% no braço superior e 8,82% no braço medial. Ocorreu também aumento em 52,38% na mobilidade articular e melhora de 80% na percepção subjetiva de peso e desconforto do membro superior avaliado após a intervenção com método Pilates. Conclusão: A prática de exercícios do método Pilates apresenta uma estratégia de intervenção não farmacológica que pode auxiliar na melhora da funcionalidade e mobilidade do membro superior em mulher com neoplasia mamária.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Comportamentos de risco relacionados ao uso indiscriminado de suplemento
           alimentar em vigorexos

    • Authors: Alison Silva, Sheila Michelly Almeida Gonçalves, Ingryd Feliciano Lima , Samira Tatiane Gomes de Lima , Fátima Larissa Santiago, Luciano Machado Ferreira Tenório de Oliveira
      Pages: 689 - 697
      Abstract: Objetivo: analisar a associação entre vigorexia e o uso indiscriminado de suplemento alimentar. Materiais e Métodos: Trata-se de um estudo transversal, epidemiológico, descritivo e inferencial com abordagem quantitativa e abrangência municipal em academias. A amostra foi selecionada por meio de uma estratégia de amostragem aleatória de cluster. Utilizou-se o questionário muscle appearance satisfaction scale para avaliar a vigorexia e foram testados os Indicadores de reprodutibilidade das perguntas referentes aos comportamentos de risco (0,61 a 1,00). O teste do qui-quadrado e a regressão logística binária foram utilizados nas análises dos dados. Resultados: A amostra final foi de 449 alunos (25±6 anos). A prevalência de pessoas com um Risco alto de vigorexia foi de 30,1%, valores maiores entre os rapazes (36,9% versus. 24,7%% p=0,002) e naquelas pessoas com um menor grau de escolaridade (36,6% versus. 16,4%% p=0,001). Os suplementos mais usados são proteína e/ou aminoácidos (89,3%) e creatina (18,4%) respectivamente e seu uso não tem associação com o nível socioeconômico (p=0,664). Aqueles classificados com um alto risco de vigorexia fazem mais dieta sem a orientação de um nutricionista (p=0,009) e utilizam uma maior quantidade de suplementos alimentares associados (três ou mais) (OR:2,01IC95%:1,27-3,15, p=0,003). Conclusão: Os homens têm mais chances de serem classificados como vigorexos e a falta de informação pode aumentar essas chances. O menor poder aquisitivo não diminui o uso de suplementos alimentares e aqueles com um alto risco de vigorexia realizam mais dietas e usam excessivamente mais suplementos alimentares sem a orientação de um nutricionista.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Influência do intervalo de recuperação após uma sessão de hiit sobre
           o desempenho de força muscular

    • Authors: Bruno Ronzei Perez, Lucas Câmara da Silveira, Geraldo de Albuquerque Maranhão Neto, Victor Magalhães Curty, Rodrigo Cunha de Melo Pedreiro
      Pages: 698 - 704
      Abstract: Introdução: O Treinamento de Força (TF) tornou-se uma das práticas mais populares de exercícios para melhorar a capacidade física e para o condicionamento. Na busca por melhores resultados, o Treinamento Intervalado de Alta Intensidade (HIIT) associado ao TF tem sido muito praticado. Porém, pouco se sabe sobre sua influência em relação a capacidade de desempenho quando ambos são praticados em uma mesma sessão. Objetivo: avaliar o efeito do intervalo de descanso após uma sessão de HIIT sobre a força muscular. Materiais e Métodos: Oito homens jovens (25,6 ± 6,1 anos), praticantes de musculação há pelo menos 6 meses participaram do estudo. Foram realizados dois protocolos randomizados com 72h de intervalo. No protocolo 1 foi realizado o HIIT e logo em seguida repetiam o teste de 10RM. No protocolo 2 foi realizado o HIIT, dado um descanso de 30 minutos, e em seguida realizavam o teste de 10RM. Foi estabelecido um nível de significância de p<0,05. Resultados: o desempenho no teste de 10RM no Leg Press 45º foi significativamente menor quando realizado sem descanso (7 ± 3 repetições). Não houve diferença significativa para o Supino Reto mesmo sem o descanso. Quando houve descanso entre os exercícios, não houve diferenças no desempenho em 10RM tanto no Supino Reto quanto no Leg Press 45º. Conclusão: o HIIT em esteira ergométrica promove queda no desempenho da força apenas nos membros inferiores, e essa influência pode ser atenuada com um intervalo de pelo menos 30 minutos entre os treinamentos.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Influência do ritmo circadiano no desempenho e capacidades físicas de
           pilotos de automodelismo de fenda

    • Authors: Sandro Augusto Rosa, Victor Augusto Ramos Fernandes, Marcelo Conte
      Pages: 705 - 713
      Abstract: É conhecido que o ritmo circadiano influencia a performance física, sendo relativamente bem definida as oscilações diárias do desempenho humano em diferentes esportes. Contudo, não existem estudos a respeito da influência do relógio biológico no desempenho de praticantes de automodelismo de fenda. Objetivo: Verificar e comparar o desempenho, o tempo de reação e a força de preensão manual de pilotos de Automodelismo de Fenda durante diferentes horários do dia. Materiais e Métodos: Foram avaliados sete voluntários, utilizando de testes específicos para quantificar a performance durante a prática do Automobilismo de Fenda, o teste de tempo de reação e a força de preensão manual. Os testes foram realizados às 09 horas e 17 horas. Resultados: Descritivamente verificou-se que às 17 horas os pilotos apresentaram desempenho superior às 09 horas. Ou seja, percorreram uma distância 8% superior e a melhor volta foi 2,5% mais rápida.  Por outro lado, o tempo de reação foi 20% melhor no período da tarde. Contudo, em relação à força de preensão manual, não foi verificada alteração entre os momentos do dia. A correlação entre distância percorrida e melhor volta foi r = -0,98 às 09 horas e as r = -0,93 às 17 horas. Quanto à distância e força r = 0,51 e r = 0,71 e entre força e melhor volta r = -0,75 e r = -0,99 respectivamente às 09 horas e 17 horas.  Conclusão: O desempenho e o tempo de reação dos pilotos de Automobilismo de Fenda foram descritivamente melhores às 17 horas. Por outro lado, independente do horário houve forte correlação entre a distância percorrida e a melhor volta nos testes, bem como entre a força de preensão manual com o desempenho no Automobilismo de Fenda.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • A utilização do foam rolling em diferentes ordens não influencia no
           desempenho do salto vertical em atletas de basquete

    • Authors: Caio Rocha de Souza, Iara Viegas Emmerick, Ramon Fernandes Bastos Pinheiro, Felipe Cabral, Humberto Miranda
      Pages: 714 - 720
      Abstract: O aquecimento é um dos componentes presentes na prática desportiva com o objetivo de reduzir os riscos de lesões e melhorar o desempenho da atividade seguinte. Recentemente, o foam rolling (FR) recebeu maior atenção entre atletas e treinadores de diversas modalidades para atingir tais finalidades com o objetivo de melhorar o rendimento da atividade principal ou pelo menos não interferir negativamente a mesma. O objetivo do presente estudo foi verificar os efeitos de diferentes protocolos de FR no desempenho do salto vertical em atletas de basquete masculino. Para isso, foram avaliados 12 participantes homens (23,75 ± 2,89 anos) em três protocolos distintos após uma sessão de familiarização (total de quatro visitas com intervalo de 48-72h). O primeiro protocolo, crânio caudal (CRCA), o sujeito realizava três séries de 30 segundos de FR nas musculaturas do peitoral, grande dorsal, glúteos, quadríceps, isquiotibiais e tríceps sural para então realizar o salto vertical. No segundo protocolo, caudal cranial (CACR), era realizada a técnica nas mesmas musculaturas, porém na ordem oposta para então realizar o salto vertical. No protocolo controle, os indivíduos realizavam apenas o teste do salto vertical. Os resultados não mostraram diferenças significativas entre os protocolos. Dessa forma, pelo menos de maneira aguda, a técnica parece não ser prejudicial aos parâmetros avaliados no teste do salto vertical, como altura do salto e tempo de voo, sendo assim uma alternativa interessante para incluir na rotina de treino dos praticantes dessa modalidade sem que ocorram efeitos deletérios no desempenho subsequente.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Avaliação de sessões de treinos contínuo e intervalado em jogadores de
           futebol universitários

    • Authors: Pamela Roberta Gomes Gonelli, João Pedro de Lima Montebello, Maria Imaculada de Lima Montebello, Marcio Antonio Gonsalves Sindorf, Ricardo Adamoli Simões, Marcelo de Castro Cesar
      Pages: 721 - 734
      Abstract: O estudo teve como objetivo avaliar a respostas da massa corporal, frequência cardíaca, lactato sérico e percepção subjetiva de esforço em uma sessão de treino contínuo e uma sessão intervalada, em jogadores de futebol universitários. Participaram do estudo dez voluntários, idade de 20,00 ± 2,21 anos, que foram submetidos ao protocolo: teste cardiopulmonar máximo; duas sessões de treino no campo, uma de treino contínuo de duração de 40 minutos na intensidade do limiar ventilatório; e uma sessão de treino intervalado (tiros de velocidade de 10-20-30 metros com 30-45-60 segundos de corrida de baixa intensidade entre eles), foi verificada a massa corporal pré e pós sessões, monitorizada a frequência cardíaca, determinado o lactato sérico no primeiro, terceiro e quinto minuto após as sessões, foi utilizada a escala de Borg para percepção subjetiva do esforço (PSE). Na sessão contínua a zona da frequência cardíaca predominante foi de 81-90% da frequência cardíaca máxima, na sessão intervalada foi de 91-100%, o lactato sérico apresentou valores significantemente maiores na sessão intervalada (4,87mmol/L) em relação à contínua (3,39mmol/L) nos momentos pós e a PSE não apresentou diferença significante entre as sessões. Estes resultados sugerem uma maior intensidade de esforço na sessão intervalada, devido aos maiores valores da frequência cardíaca e lactato sérico, embora a PSE não tenha apresentado diferença, o que pode ser devido a uma maior adaptação dos jogadores a sessão intervalada (maior proximidade com as ações durante o jogo). Portanto, o treinamento intervalado, mostrou-se mais apropriado em decorrência da especificidade da modalidade. 
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Treinamento aeróbio de 24 semanas altera positivamente as variáveis
           hemodinâmicas em diabéticos tipo 2

    • Authors: Roberto Carlos Vieira Junior, Elton Alves de Andrade
      Pages: 735 - 745
      Abstract: Introdução: O diabetes mellitus é considerado um grave problema de saúde pública e sua prevalência aumenta gradativamente devido ao processo de industrialização. O tratamento do diabetes mellitus do tipo 2 (DM2) inclui estratégias medicamentosas e não medicamentosas, como mudança na alimentação, prática regular de exercício físico e suspensão dos hábitos tabágicos. Objetivo: Avaliar os efeitos do treinamento físico aeróbio (TFA) sobre os parâmetros antropométricos, glicídicos, insulínicos e hemodinâmicos de indivíduos acometidos pelo DM2. Materiais e Métodos: Dois grupos foram avaliados: GC (n=39): não submetido ao TFA; GE (n=36): submetido ao TFA, 3 vezes/sem, com duração de 50 min/sessão, acumulando 150 min/semana. Foram mensuradas 7 dobras cutâneas, circunferências de abdômen, cintura e quadril, assim como amostras sanguíneas para análise glicídica e insulínica em jejum, TOTG e hemoglobina glicada. Para aferição da PA utilizou-se esfigmomanômetro e estetoscópio, além do frequencímetro para obtenção da FC. Resultados: Apenas no somatório de pregas cutâneas houve diferença significativa entre os momentos pré e pós-TFA e, também, quando comparado ao GC, GE sofreu redução. Não houve alteração das variáveis bioquímicas e as variáveis hemodinâmicas apresentaram reduções significativas em todos os parâmetros avaliados. Conclusão: O TFA promoveu diminuições nas variáveis hemodinâmicas analisadas, bem como reduziram, discretamente, a gordura corporal de indivíduos acometidos pelo DM2.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Efeito do intervalo entre repetições na potencialização pós
           ativação do salto vertical

    • Authors: Hiago P. de Araujo, Paolo V. Sirieiro, Humberto Miranda
      Pages: 746 - 753
      Abstract: Introdução e Objetivo: A estratégia de utilizar um exercício de alta intensidade antes de uma atividade explosiva subsequente é denominada potencialização pós ativação (PPA). Entretanto, a PPA pode ser mascarada caso a fadiga seja excessiva. Logo, métodos que contribuam para a redução da fadiga podem contribuir para o sucesso da PPA. O objetivo do presente estudo é verificar o efeito de 4 repetições máximas (4RM) no agachamento realizados de maneira contínua e com intervalo entre repetições no salto vertical. Materiais e métodos: 10 homens recreacionalmente treinados (27,3 ± 3,2 anos, 180,3 ± 6,3cm, 80,8 ± 4,3kg), após teste e reteste de 4RM no exercício agachamento livre, separados por um período de 48h, realizaram de maneira aleatória os seguintes protocolos: (a) somente saltavam (CON); (b) repetições tradicionais contínuas (TRD); (c) intervalo entre repetições de 15 segundos (IER). Em todos, a altura do salto vertical foi verificada aos 3, 7 e 11 minutos de intervalo. Resultados: Não foram observadas diferenças entre os diferentes momentos (p=0,253) e os diferentes protocolos (p=0,509). O tamanho do efeito revelou magnitude trivial para todas as interações, exceto para o IER comparado ao TRD no intervalo de 3 minutos (pequeno). Discussão: Apesar de não encontrar melhora estatística significante, a magnitude pequena do protocolo IER no intervalo 3 minutos sugere uma possível menor fadiga. Conclusão: O intervalo de 15 segundos entre repetições não foi suficiente para recuperar a fadiga ocasionada pela alta intensidade realizada durante o agachamento.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Incidência de lesões em praticantes de kitesurf na grande
           Vitoria, Espírito Santo

    • Authors: Artur Ferron, Thelmo Motta Costa FIlho, Fabiane Valentini Francisqueti-Ferron, Felipe de Sá, Hugo Tadashi Kano, Frederico Eutropio, Bruno Jacobsen, Eliane Cunha, Fernando Moreto, Roberto Burini
      Pages: 754 - 761
      Abstract: Introdução: O Kitesurf é um novo esporte aquático, mistura de surf, windsurf e wakeboard. Sua prática depende das condições climáticas e ambientais e está relacionada a uma alta taxa de lesões. Objetivo: Investigar lesões graves resultantes da prática de kitesurf em Grande Vitória, Espírito Santo. Materiais e métodos: A amostra foi composta por 45 kitesurfistas masculinos e femininos com idade, altura, massa corporal e tempo de prática no esporte, respectivamente, 37 ± 7,6 (anos), 176,8 ± 7,1 (cm), 81,4 ± 11kg, 6,7 ± 4,2 anos. O instrumento para coleta de dados foi um questionário com perguntas abertas e fechadas. Resultados: Foram encontradas 52 lesões entre todos os participantes e a maioria tinha mais de um tipo de lesão. A entorse foi o tipo de lesão mais frequente, 30,8% mais acometidos são os membros inferiores, 57,7%, e o agente etiológico que mais causou lesões foi a manobra, 51,4%. Conclusão: O kitesurf pode ser considerado um esporte de alto risco com alta taxa de lesões em todas as partes do corpo.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Influências do aquecimento e alongamento pré-exercício da ativação da
           preensão palmar em diferentes protocolos

    • Authors: Ariston Aires de Lucena Neto, Leandro Sávio Oliota-Ribeiro, Rafaelle Cavalcante de Lira, André Luiz de Medeiros Medeiros, Yago Gomes Lopes Fernandes, Sêmio Wendel Martins Melo
      Pages: 762 - 768
      Abstract: O aquecimento e alongamento são bastante utilizados por praticantes de exercícios físicos com a finalidade de preparar o corpo para os exercícios subsequentes objetivando uma melhoria no desempenho e prevenindo possíveis lesões decorrente da atividade. Objetivo: O estudo teve como objetivo identificar as influências do aquecimento e alongamento pré-exercício na força de preensão palmar, verificando se houve um efeito benéfico ou deletério no ganho de força. Materiais e Métodos: Participaram deste estudo 21 indivíduos do sexo masculino, com idades entre 19 e 38 anos. Todos os indivíduos foram submetidos ao dinamômetro manual, acoplado ao eletromiógrafo conectado à um computador, sem intervenções prévias. Posteriormente, a amostra foi dividida em três grupos, realizando um aquecimento específico, alongamento estático e ambas as intervenções. Na análise de dados foi utilizado o software SPSS, realizando uma estatística descritiva (média, desvio padrão, frequência e porcentagem). Realizou-se o teste de normalidade Shapiro Wilk, em seguida foi selecionado o Teste t para comparar os resultados. Resultados e discussão: Os resultados mostraram que o grupo que utilizou o aquecimento específico obteve um aumento significativo de força; o grupo que utilizou um alongamento estático, apresentou um pequeno efeito deletério de força; o grupo que utilizou o alongamento estático seguido de um aquecimento específico, apresentou um pequeno aumento no ganho de força, embora não significativo. Conclusão: Conclui-se que o aquecimento específico tem consequências positivas no ganho de força no exercício subsequente, entretanto, ao utilizar-se um alongamento estático, mesmo que seguido do aquecimento específico, pode ocasionar um efeito prejudicial ao exercício.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
  • Efeito de um programa de treinamento funcional na melhoria das capacidades
           funcionais de idosos

    • Authors: Daniele Ferreira de Albuquerque, Demócrito Sena Sales Neto, Eduardo dos Santos Soares Monteiro, Morgana Rios de Oliveira, Luan Carlos Nunes de Oliveira, Daniele Cristina dos Anjos Dantas , Rayanny Pereira Lacerda, André Lopes Rodrigues, Eric Lucena Barbosa, Bruno Teixeira Barbosa, Taí­s Feitosa da Silva, Ana Cristina Oliveira Marques, Jennifer Ariely Sales Suassuna
      Pages: 769 - 776
      Abstract: Introdução: O envelhecimento está associado a redução das capacidades funcionais. Sabe- se que o treinamento funcional parece eficiente nessa melhora. Objetivo: Avaliar o efeito de um programa de quatro semanas de treinamento funcional no equilíbrio, nas capacidades funcionais e da composição corporal de idosos. Materiais e Métodos: Participaram do estudo 11 idosos (65,1±4,6 anos), sendo quatro homens; todos os praticantes de atividades físicas prévias a pelo menos três meses (avaliados pelo IPAQ). As capacidades funcionais foram avaliadas pela bateria de Rikli Jones, o equilíbrio foi feito pela escala de Berg e a composição corporal avaliada pela bioimpedância (Inbody 720). Os idosos foram submetidos a quatro semanas de treinamento funcional progressivo, com frequência semanal de três dias não consecutivos. As sessões de treino foram organizadas em preparação de movimento, parte principal e volta a calma. Foram trabalhados padrões de movimento, habilidades motoras e da vida diária em todas as sessões de treino, sendo os exercícios ajustados em graus de progressão de movimento. Resultados: Quando comparados os valores encontrados na Bateria Rikli Jones, observou-se um aumento significativo na quantidade de repetições de flexões de antebraço (p=0,005); como também no movimento de se levantar e sentar na cadeira (p=0,026) e na flexibilidade no teste de sentar e alcançar (p=0,042). Conclusão: A prática do treinamento funcional durante o período de quatro semanas é suficiente para melhoria das capacidades funcionais e nas habilidades da vida diária de idosos previamente ativos. Sugerindo que a estruturação do treinamento e o tipo de intervenção podem ser determinantes para os ganhos nesta população.
      PubDate: 2022-08-31
      Issue No: Vol. 15, No. 100 (2022)
       
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
 


Your IP address: 18.208.187.128
 
Home (Search)
API
About JournalTOCs
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-