A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  

  Subjects -> PHILOSOPHY (Total: 762 journals)
The end of the list has been reached or no journals were found for your choice.
Similar Journals
Journal Cover
Trans/Form/Ação - Revista de Filosofia
Journal Prestige (SJR): 0.1
Number of Followers: 0  

  This is an Open Access Journal Open Access journal
ISSN (Print) 0101-3173
Published by Universidade Estadual Paulista Homepage  [10 journals]
  • Transformação v. 45, n. 3, 2022

    • Authors: Equipe Editorial
      Pages: 1 - 262
      PubDate: 2022-07-07
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Apresentação

    • Authors: Marcos Antonio Alves
      Pages: 7 - 12
      Abstract: Apresentação
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p7
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Entrevista com Ivan Domingues:

    • Authors: Allison Vicente Xavier Gonzalez, Weiny César Freitas Pinto
      Pages: 13 - 32
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p13
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Metontology and Heidegger’s concern for the ontic after being and
           time:

    • Authors: Cristina Crichton
      Pages: 33 - 58
      Abstract: The Kehre (turn) in Heidegger’s thought has been greatly discussed and debated. The introduction of the notion of metontology (Metontologie) in 1927 has fruitfully informed this debate since it entails a concern for the ontic domain on the part of Heidegger that is not present in earlier works. The fact that this notion disappears right after being introduced, however, challenges its contribution to this debate. In this paper, I show that the disappearance of metontology does not imply the disappearance of Heidegger’s concern for the ontic, but the opposite. I will begin by presenting Freeman’s view of a tension between the ontic and the ontological in Heidegger’s thought in the mid-to-late 20s that results in the introduction of metontology in 1927. Later on, I will show that McNeill’s explanation of the disappearance of metontology as a consequence of Heidegger’s mid-30s view that the a priori projection of being is a withdrawal of being (Entzug des Seins), allows saying that this disappearance does not entail Heidegger’s sudden lack of concern for the ontic. By considering Heidegger’s analysis of ‘the mathematical’ in Die Frage nach dem Ding, I will finally argue that metontology disappears from Heidegger’s thought because its dependency upon ontology prevents it to account for his increasing concern for the ontic properly.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p33
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Comments to “Metontology and Heidegger’s concern for the ontic after
           being and time: challenging the a priori”:

    • Authors: Bernardo Ainbinder
      Pages: 59 - 64
      Abstract: Commented article reference: CRICHTON, Cristina. Metontology and Heidegger’s concern for the ontic after Being and Time: challenging the a priori. Trans/form/ação: revista de Filosofia da Unesp, v. 45, n. 3, p. 33-58, 2022.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p59
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • The power to tolerate

    • Authors: Eduardo Fuentes Caro
      Pages: 65 - 84
      Abstract: Toleration is a privilege of the powerful. A person can tolerate only if she has the power to interfere with what she objects to. In this paper, I revise the circumstances in which someone has the power to tolerate. I argue that the answer must incorporate both metaphysical and practical considerations. Specifically, I argue that someone has the power to tolerate when her properties ground that power in the practical situation in which the person finds themselves, characterized by her practical interests. In doing so, I criticize Glen Newey’s analysis of this power.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p65
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Comentario a “The Power to Tolerate”

    • Authors: Felipe Schwember Augier
      Pages: 85 - 88
      Abstract: Referencia al artículo comentado: FUENTES, Eduardo. The Power to Tolerate. Trans/form/ação: revista de Filosofia da Unesp, v. 46, n. 3, p. 65-84, 2022.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p85
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Reconstruindo a Era Secular em Charles Taylor

    • Authors: Juliano Cordeiro da Costa Oliveira
      Pages: 89 - 104
      Abstract: Este artigo discute como Charles Taylor reconstrói a era secular. A tese de Taylor é que a era secular não pode estar restrita à ideia da saída da religião do espaço público (secularidade 1), nem apenas pode significar a diminuição de crenças e práticas religiosas (secularidade 2). Taylor propõe uma nova leitura da era secular (secularidade 3), segundo a qual o pluralismo de crentes e não crentes seria a melhor descrição para um mundo que se seculariza, mas que, ao mesmo tempo, as doutrinas de fé ainda continuam influenciado o modo de vida das pessoas. Taylor enfatiza que a religião ainda se relaciona com a formação das diversas identidades, à medida que exerce, ao mesmo tempo, uma perspectiva de reconhecimento dos sujeitos, mesmo em sociedades modernas. Na parte final do artigo, são discutidas críticas à filosofia de Taylor, a partir das propostas teóricas de Jürgen Habermas e Nancy Fraser. A metodologia consistiu em análises das obras de Taylor (principalmente Uma Era Secular, como obra-chave deste artigo), bem como de seus intérpretes e estudiosos.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p89
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Dialéctica de la experiencia en Merleau-Ponty y Adorno

    • Authors: Leonardo Verano Gamboa
      Pages: 105 - 124
      Abstract: El texto propone un diálogo entre fenomenología y teoría crítica, concretamente en Merleau-Ponty y Adorno. Sostenemos que la labor asignada por ellos a la filosofía pone en evidencia una concepción dialéctica de la experiencia en la que se reivindica el sentido de ésta como experiencia viva (lebendige Erfahrung). No obstante las fuertes objeciones dirigidas a la fenomenología por Adorno, Horkheimer y Marcuse, identificamos a modo de introducción la negatividad de la experiencia como rasgo característico en Husserl, Heidegger y Merleau-Ponty. En segundo lugar, nos ocupamos de la concepción de percepción como experiencia sensible en Merleau-Ponty, con el fin de precisar el sentido dialéctico de esta. En tercer lugar, señalamos la importancia que Adorno asigna al trabajo conceptual de la filosofía con el propósito de ver el sentido dialéctico de este que lo vincula a la experiencia viva de las cosas. Por último, identificamos a modo de conclusión puntos de encuentro en la concepción de la dialéctica en ambos autores y presentamos una reflexión sobre la actualidad de esta.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p105
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Comentário a “Dialéctica de la experiencia en
           Merleau-Ponty y Adorno”:

    • Authors: Abah Andrade
      Pages: 125 - 128
      Abstract: Referência do artigo comentado: GAMBOA, Leonardo Verano. Dialéctica de la experiencia en Merleau-Ponty y Adorno. Trans/form/ação: revista de Filosofia da Unesp, v. 45, n. 2, p. 105-124, 2022.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p125
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • La actualidad del esse en la metafísica tomista:

    • Authors: Manuel Alejandro Serra Pérez
      Pages: 129 - 152
      Abstract: Una de las causas del renacimiento que la filosofía del ser de Tomás de Aquino ha tenido desde la mitad del siglo pasado es, sin duda, el impacto de los estudios que, sobre esta materia, llevó a cabo el medievalista francés Étienne Gilson. Acuciado por la crítica onto-teológica de M. Heidegger, Gilson y otros tomistas hicieron causa común para clarificar el alcance de la invectiva heideggeriana, la cual juzgaba que la metafísica del ser del Aquinate habría caído también en un esencialismo o cosificación del ser. La propuesta de estos autores se centró en poner de relieve la original noción de ser (actus essendi) frente a intérpretes (algunos de la propia escuela tomista) que habrían oscurecido su significado, fundamentalmente su valor de actualidad suprema. A juicio de Gilson, Fabro y otros, la causa principal de este desenfoque habría sido la identificación de ser y existencia. Mi objetivo en este artículo es analizar críticamente algunas posiciones del tomismo contemporáneo y justificar la imposibilidad de identificar lo que Tomás de Aquino llama esse por existencia.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p129
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Comentário a “La actualidad del esse em la metafísica tomista:
           perspectivas críticas”

    • Authors: Antonio Janunzi Neto
      Pages: 153 - 156
      Abstract: Referência do artigo comentado: SERRA PÉREZ, Manuel Alejandro. La actualidad del esse em la metafísica tomista: perspectivas críticas. Trans/form/ação: revista de Filosofia da Unesp, v. 45, n. 3, p. 129-152, 2022.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p153
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Comentário a “La actualidad del esse en la metafísica tomista:
           perspectivas críticas”

    • Authors: José Jivaldo Lima
      Pages: 157 - 162
      Abstract: Referência do artigo comentado: SERRA PÉREZ, Manuel Alejandro. La actualidad del esse em la metafísica tomista: perspectivas críticas. Trans/form/ação: revista de Filosofia da Unesp, v. 45, n. 3, p. 129-152, 2022.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p157
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Socioconstrutivismo:

    • Authors: Marcos Rodrigues da Silva
      Pages: 163 - 178
      Abstract: O artigo apresenta e discute quatro objeções que têm sido direcionadas ao socioconstrutivismo, enquanto concepção de ciência: i) sua impossibilidade teórica; ii) sua implausibilidade teórica; iii) sua irrelevância; iv) sua indesejabilidade. O artigo sustenta a inadequação das quatro objeções, sugere a importância do socioconstrutivismo, mas defende que essa posição não é nem a única nem a melhor, para nossa compreensão da ciência, porém, apenas mais uma, dentre tantas contribuições filosóficas para essa compreensão.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p163
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Ética dialética da Interpretação:

    • Authors: Mauricio Mancilla Muñoz
      Pages: 179 - 200
      Abstract: O artigo a seguir tem como objetivo expor a atualidade do pensamento hermenêutico de Friedrich Schleiermacher (1768-1834), levando em conta o contexto germinativo fértil de sua obra e sua influente posição filosófica no âmbito do “primeiro romantismo alemão” (Frühromantik). Schleiermacher renuncia a um importante fundamento transcendental a-histórico em favor de uma compreensão situada, que se configura através do diálogo. A hipótese central deste artigo alerta que o desenvolvimento paralelo e sistemático das lições sobre ética, dialética e hermenêutica em Schleiermacher não é mera coincidência, muito menos um sintoma isolado, senão que revela um projeto de caráter orgânico. Por um lado, se examinará –à luz de seus textos– o papel da linguagem como variável histórica e social para a compreensão e, por outro, algumas reflexões sobre as novas possibilidades de seu método hermenêutico e suas implicações para a reflexão filosófica contemporânea.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p179
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Comentário a “Ética dialética da interpretação: a hermenêutica
           romântica de Friedrich Schleiermacher”

    • Authors: Rainri Back
      Pages: 201 - 206
      Abstract: Referência do artigo comentado: MANCILLA, Mauricio. Ética dialética da interpretação: a hermenêutica romântica de Friedrich Schleiermacher. Trans/form/ação: revista de Filosofia da Unesp, v. 45, n. 3, p. 179-200, 2022.
      PubDate: 2022-07-08
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p201
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • James Scott e a origem agrária do estado:

    • Authors: Mauro Dela Bandera Arco Júnior
      Pages: 207 - 230
      Abstract: A narrativa de Rousseau sobre a origem do Estado foi retomada nos últimos séculos por diversas tradições, fazendo-se notar no seio do iluminismo escocês e nos trabalhos de Engels. James Scott, em seu recente livro Contra o grão de 2017, ecoa algumas teses de Rousseau. Dentre tantos pontos de convergência, três se destacam e serão analisados no decorrer neste artigo: i) de um lado, a variedade dos modos de ser e de se relacionar com a natureza dos povos sem Estado, a idade de ouro dos bárbaros; de outro, a estratificação dos povos sob o Estado, o empobrecimento dos agricultores cerealistas; ii) as condições ecológicas raras e especialíssimas favoráveis à emergência do aparelho estatal em oposição às dificuldades de se formar o Estado em regiões de abundância naturais, donde se faz necessário estabelecer a hipótese de mudanças climáticas que alteram as condições de existência; iii) e, por fim, a importância dos grãos para o processo civilizatório, isto é, a afinidade entre economia agrária de cereais e Estado.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p207
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Comentário a “James Scott e a origem agrária do estado: um
           rousseauismo inconfesso”

    • Authors: Thiago Vargas
      Pages: 231 - 236
      Abstract: Referência do artigo comentado: BANDERA, Mauro Dela. James Scott e a origem agrária do estado: um rousseauismo inconfesso. Trans/form/ação: revista de Filosofia da Unesp, V. 45, n. 3, p. 207-230, 2022.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p231
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Sobre a origem da linguagem de Herder, o seu legado e a inevitável
           reflexão a fazer no hipotético quadro de singularidade tecnológica

    • Authors: Paulo Alexandre e Castro
      Pages: 237 - 254
      Abstract: Johann Gottfried Herder, à semelhança dos seus contemporâneos, reflectiu sobre a linguagem e em 1772 publicou o Ensaio Sobre a Origem da Linguagem, que no ano anterior lhe valera a distinção da Academia de Berlim para melhor ensaio. No entanto, ainda hoje, muito do seu pensamento é desconhecido, ignorando-se por isso que algumas das modernas abordagens da filosofia contemporânea, da antropologia filosófica ou mesmo da sociobiologia, estão já aí enunciadas, nomeadamente nas narrativas decorrentes da enunciação das quatro leis naturais. Mais do que a justificação sobre a origem da linguagem, o ensaio do filósofo permite ainda compreender e estruturar a natureza humana, inserindo no coração da antropologia filosófica a sua génese e contrariando, se não mesmo confrontando dessa forma, a tradição divina dessa atribuição. Num primeiro momento far-se-á uma análise genérica da obra, ressaltando as teses fundamentais que permitirão o estabelecimento do diálogo com algumas das abordagens filosóficas contemporâneas. De seguida, admitindo a possibilidade de um cenário de singularidade tecnológica, tal como enunciado por Irving John Good, Vernor Vinge ou Ray Kurzweil, verificar a plausibilidade e validade das teses de Herder no que concerne ao alcance da linguagem e à natureza humana.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p237
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Comentário a “Sobre a origem da linguagem de Herder, o seu legado e a
           inevitável reflexão a fazer no hipotético quadro de singularidade
           tecnológica”

    • Authors: Ana Branca Soeiro de Carvalho
      Pages: 255 - 258
      Abstract: Referência do artigo comentado: CASTRO, Paulo Alexandre e. Sobre a origem da linguagem de Herder, o seu legado e a inevitável reflexão a fazer no hipotético quadro de singularidade tecnológica. Trans/form/ação: revista de Filosofia da Unesp, V. 45, n. 3, p. 237-254, 2022.
      PubDate: 2022-07-07
      DOI: 10.1590/0101-3173.2022.v45n3.p255
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
  • Normas de submissão e avaliação

    • Authors: Equipe Editorial
      Pages: 259 - 262
      Abstract: Trans/Form/Ação publica textos originais na forma de artigos, além de entrevistas, traduções de ensaios filosóficos de reconhecida relevância e resenhas de obras filosóficas. O autor, ensaísta, resenhista ou tradutor que publicar na revista precisa aguardar dois anos, isto é, seis fascículos, para poder apresentar uma nova proposta.
      PubDate: 2022-07-07
      Issue No: Vol. 45, No. 3 (2022)
       
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
 


Your IP address: 44.197.230.180
 
Home (Search)
API
About JournalTOCs
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-