Subjects -> POLITICAL SCIENCE (Total: 1097 journals)
    - CIVIL RIGHTS (16 journals)
    - INTERNATIONAL RELATIONS (148 journals)
    - POLITICAL SCIENCE (898 journals)
    - POLITICAL SCIENCES: GENERAL (35 journals)

POLITICAL SCIENCE (898 journals)                  1 2 3 4 5 | Last

Showing 1 - 200 of 281 Journals sorted alphabetically
A Contracorriente     Open Access   (Followers: 3)
Ab Imperio     Full-text available via subscription   (Followers: 4)
Acciones e Investigaciones Sociales     Open Access   (Followers: 1)
ACME : An International Journal for Critical Geographies     Open Access   (Followers: 1)
Acta Borealia: A Nordic Journal of Circumpolar Societies     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Acta Politica Estica     Open Access   (Followers: 1)
Acta Universitatis Sapientiae, European and Regional Studies     Open Access  
Administory. Zeitschrift für Verwaltungsgeschichte     Open Access   (Followers: 1)
Administrative Science Quarterly     Full-text available via subscription   (Followers: 156)
AFFRIKA Journal of Politics, Economics and Society     Full-text available via subscription   (Followers: 4)
Africa Conflict Monitor     Full-text available via subscription   (Followers: 7)
Africa Insight     Full-text available via subscription   (Followers: 15)
Africa Intelligence     Full-text available via subscription   (Followers: 14)
Africa Renewal     Free   (Followers: 13)
Africa Today     Full-text available via subscription   (Followers: 23)
African Affairs     Hybrid Journal   (Followers: 68)
African Conflict and Peacebuilding Review     Full-text available via subscription   (Followers: 16)
African Diaspora     Open Access   (Followers: 10)
African East-Asian Affairs     Open Access   (Followers: 10)
African Identities     Hybrid Journal   (Followers: 15)
African Journal of Democracy and Governance     Full-text available via subscription   (Followers: 3)
African Journal of Rhetoric     Full-text available via subscription   (Followers: 3)
African Renaissance     Full-text available via subscription   (Followers: 4)
African Yearbook of Rhetoric     Full-text available via subscription   (Followers: 3)
Africa’s Public Service Delivery and Performance Review     Open Access   (Followers: 5)
Afrika Focus     Open Access   (Followers: 1)
Afrique contemporaine : La revue de l'Afrique et du développement     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Agenda Internacional     Open Access  
Agenda Política     Open Access   (Followers: 1)
Agenda: A Journal of Policy Analysis and Reform     Full-text available via subscription   (Followers: 3)
Agrarian South : Journal of Political Economy     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Akademik Hassasiyetler     Open Access  
Akademik Yaklaşımlar Dergisi     Open Access   (Followers: 1)
Alternatives : Global, Local, Political     Hybrid Journal   (Followers: 10)
América Latina Hoy     Open Access   (Followers: 2)
American Communist History     Hybrid Journal   (Followers: 19)
American Enterprise Institute     Free   (Followers: 3)
American Foreign Policy Interests: The Journal of the National Committee on American Foreign Policy     Hybrid Journal   (Followers: 8)
American Journal of Political Science     Hybrid Journal   (Followers: 272)
American Political Science Review     Hybrid Journal   (Followers: 272)
American Political Thought     Full-text available via subscription   (Followers: 13)
American Politics Research     Hybrid Journal   (Followers: 30)
American Quarterly     Full-text available via subscription   (Followers: 24)
Anacronismo e Irrupción     Open Access  
Anais Eletrônicos do Congresso Epistemologias do Sul     Open Access  
Análise Social     Open Access   (Followers: 4)
Ankara University SBF Journal     Open Access   (Followers: 1)
Annales Universitatis Mariae Curie-Sklodowska, sectio M – Balcaniensis et Carpathiensis     Open Access  
Annals of the American Academy of Political and Social Science     Hybrid Journal   (Followers: 44)
Annual Review of Economics     Full-text available via subscription   (Followers: 44)
Annual Review of Political Science     Full-text available via subscription   (Followers: 145)
Anuario Latinoamericano : Ciencias Políticas y Relaciones Internacionales     Open Access  
AQ - Australian Quarterly     Full-text available via subscription  
Arabian Humanities     Open Access   (Followers: 6)
Arctic Review on Law and Politics     Open Access   (Followers: 1)
Arena Journal     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
Armed Conflict Survey     Full-text available via subscription   (Followers: 12)
Asia & the Pacific Policy Studies     Open Access   (Followers: 15)
Asia and the Global Economy     Open Access  
Asia Policy     Full-text available via subscription   (Followers: 6)
Asia-Pacific Journal : Japan Focus     Open Access   (Followers: 11)
Asia-Pacific Journal of Regional Science     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Asia-Pacific Review     Hybrid Journal   (Followers: 15)
Asian Affairs: An American Review     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Asian Journal of Comparative Politics     Hybrid Journal   (Followers: 3)
Asian Journal of Political Science     Hybrid Journal   (Followers: 20)
Asian Politics and Policy     Hybrid Journal   (Followers: 8)
Astropolitics: The International Journal of Space Politics & Policy     Hybrid Journal   (Followers: 14)
AUDEM : The International Journal of Higher Education and Democracy     Full-text available via subscription   (Followers: 12)
Audens : revista estudiantil d'anàlisi interdisciplinària     Open Access  
Australasian Review of African Studies, The     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Australian Journal of International Affairs     Hybrid Journal   (Followers: 15)
Australian Journal of Political Science     Hybrid Journal   (Followers: 14)
Austrian Journal of South-East Asian Studies     Open Access  
Balcanica Posnaniensia Acta et studia     Open Access  
Baltic Journal of Political Science     Open Access   (Followers: 1)
Bandung : Journal of the Global South     Open Access   (Followers: 1)
Behavioral Sciences of Terrorism and Political Aggression     Hybrid Journal   (Followers: 37)
Beleid en Maatschappij     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
BMC International Health and Human Rights     Open Access   (Followers: 9)
Bohemistyka     Open Access  
Boletim Meridiano 47 : Journal of Global Studies     Open Access  
Borderlands Journal : Culture, Politics, Law and Earth     Open Access   (Followers: 1)
Brazilian Political Science Review     Open Access   (Followers: 5)
Brésil(s)     Open Access  
British Journal of Canadian Studies     Hybrid Journal   (Followers: 12)
British Journal of Political Science     Hybrid Journal   (Followers: 179)
British Journal of Politics and International Relations     Hybrid Journal   (Followers: 35)
British Politics     Hybrid Journal   (Followers: 13)
British Review of New Zealand Studies     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Brookings Papers on Economic Activity     Open Access   (Followers: 68)
Bulletin d'histoire politique     Full-text available via subscription   (Followers: 4)
Cadernos de Estudos Sociais e Políticos     Open Access   (Followers: 2)
Cadernos de Ética e Filosofia Política     Open Access  
Cahiers de l'Urmis     Open Access   (Followers: 1)
Cahiers de Sciences politiques de l'ULg     Open Access   (Followers: 1)
California Journal of Politics and Policy     Open Access   (Followers: 2)
Cambio 16     Full-text available via subscription   (Followers: 5)
Cambio : Rivista sulle Trasformazioni Sociali     Open Access  
Cambridge Review of International Affairs     Hybrid Journal   (Followers: 23)
Canadian Foreign Policy Journal     Hybrid Journal   (Followers: 7)
Canadian Journal of European and Russian Studies     Open Access   (Followers: 1)
Canadian Journal of Political Science/Revue canadienne de science politique     Full-text available via subscription   (Followers: 24)
Caucasus Survey     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Central and Eastern European Review     Open Access   (Followers: 4)
Central Asian Affairs     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Central Banking     Full-text available via subscription   (Followers: 7)
Central European Journal of Public Policy     Open Access   (Followers: 3)
China : An International Journal     Full-text available via subscription   (Followers: 20)
China International Strategy Review     Hybrid Journal   (Followers: 3)
China perspectives     Open Access   (Followers: 12)
China Quarterly     Hybrid Journal   (Followers: 60)
China Report     Hybrid Journal   (Followers: 11)
China Review International     Full-text available via subscription   (Followers: 11)
China-EU Law Journal     Hybrid Journal   (Followers: 5)
Chinese Journal of Global Governance     Open Access   (Followers: 1)
Chinese Journal of International Politics     Hybrid Journal   (Followers: 12)
Chinese Political Science Review     Hybrid Journal   (Followers: 3)
Chinese Studies     Open Access   (Followers: 4)
Citizenship Education Research Journal (CERJ)     Open Access   (Followers: 1)
Cittadinanza Europea (LA)     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
Civil Wars     Hybrid Journal   (Followers: 21)
Claremont-UC Undergraduate Research Conference on the European Union     Open Access  
Class, Race and Corporate Power     Open Access   (Followers: 2)
Cold War History     Hybrid Journal   (Followers: 20)
Colección     Open Access  
Commonwealth & Comparative Politics     Hybrid Journal   (Followers: 11)
Communication, Politics & Culture     Open Access   (Followers: 12)
Comparative Cultural Studies : European and Latin American Perspectives     Open Access   (Followers: 5)
Comparative Political Studies     Hybrid Journal   (Followers: 179)
Comparative Politics (Russia)     Open Access   (Followers: 4)
Comparative Strategy     Hybrid Journal   (Followers: 9)
Competition & Change     Hybrid Journal   (Followers: 12)
Complexity, Governance & Networks     Open Access   (Followers: 2)
Confines     Open Access  
Conflict and Society     Open Access   (Followers: 4)
Conflict Management and Peace Science     Hybrid Journal   (Followers: 31)
Conflict, Security & Development     Hybrid Journal   (Followers: 268)
Conflicto Social     Open Access  
Congress & the Presidency: A Journal of Capital Studies     Hybrid Journal   (Followers: 3)
Conhecer : Debate entre o Público e o Privado     Open Access  
Connexe : Questioning Post-Communist Spaces     Open Access  
Constellations     Hybrid Journal   (Followers: 26)
Contemporary Italian Politics     Hybrid Journal   (Followers: 5)
Contemporary Japan     Hybrid Journal   (Followers: 7)
Contemporary Journal of African Studies     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Contemporary Levant     Hybrid Journal  
Contemporary Political Theory     Hybrid Journal   (Followers: 52)
Contemporary Review of the Middle East     Full-text available via subscription   (Followers: 10)
Contemporary Security Policy     Hybrid Journal   (Followers: 18)
Contemporary Southeast Asia: A Journal of International and Strategic Affairs     Full-text available via subscription   (Followers: 18)
Contemporary Wales     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
Contenciosa     Open Access  
Cooperation and Conflict     Hybrid Journal   (Followers: 25)
Counterculture Studies     Open Access   (Followers: 1)
Criterios     Open Access  
Critical Asian Studies     Hybrid Journal   (Followers: 14)
Critical Review : A Journal of Politics and Society     Hybrid Journal   (Followers: 23)
Critical Review of International Social and Political Philosophy     Hybrid Journal   (Followers: 20)
Critical Reviews on Latin American Research     Open Access   (Followers: 4)
Critical Social Policy     Hybrid Journal   (Followers: 45)
Critical Studies on Security     Hybrid Journal   (Followers: 3)
Critical Studies on Terrorism     Hybrid Journal   (Followers: 57)
Cuadernos de Coyuntura     Open Access  
Cuadernos de Gibraltar : Gibraltar Reports     Open Access  
Cuadernos de historia de España     Open Access   (Followers: 3)
Cuadernos Latinoamericanos de Administración     Open Access  
Cuestiones Políticas     Open Access  
Cultura de Paz     Open Access  
Cultura Latinoamericana     Open Access   (Followers: 1)
Cultural Critique     Full-text available via subscription   (Followers: 11)
Cultural Logic : A Journal of Marxist Theory & Practice     Open Access   (Followers: 1)
Cywilizacja i Polityka     Open Access  
Data & Policy     Open Access   (Followers: 3)
De Europa     Open Access  
Debater a Europa     Open Access  
Decolonization : Indigeneity, Education & Society     Open Access   (Followers: 15)
Defence Studies     Hybrid Journal   (Followers: 27)
Defense & Security Analysis     Hybrid Journal   (Followers: 27)
Democracy & Education     Open Access   (Followers: 15)
Democratic Communiqué     Open Access   (Followers: 1)
Democratic Theory     Open Access   (Followers: 11)
Democratization     Hybrid Journal   (Followers: 46)
Democrazia e diritto     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Demokratizatsiya: The Journal of Post-Soviet Democratization     Full-text available via subscription   (Followers: 10)
Desafíos     Open Access   (Followers: 1)
Development and Change     Hybrid Journal   (Followers: 58)
Digest of Middle East Studies     Hybrid Journal   (Followers: 13)
Digital Government : Research and Practice     Open Access   (Followers: 1)
Diplomacy & Statecraft     Hybrid Journal   (Followers: 14)
Diplomatic History     Hybrid Journal   (Followers: 24)
Discurso     Open Access  
Dissent     Full-text available via subscription   (Followers: 7)
Diversité urbaine     Full-text available via subscription  
Dynamics of Asymmetric Conflict: Pathways toward terrorism and genocide     Hybrid Journal   (Followers: 12)
Earth System Governance     Open Access   (Followers: 1)
East European Jewish Affairs     Hybrid Journal   (Followers: 17)
East European Politics     Hybrid Journal   (Followers: 16)
East/West : Journal of Ukrainian Studies     Open Access  
Eastern African Literary and Cultural Studies     Hybrid Journal  

        1 2 3 4 5 | Last

Similar Journals
Journal Cover
Cadernos de Ética e Filosofia Política
Number of Followers: 0  

  This is an Open Access Journal Open Access journal
ISSN (Print) 1517-0128 - ISSN (Online) 2317-806X
Published by Universidade de São Paulo Homepage  [46 journals]
  • Créditos e sumário

    • Authors: Cadernos de Ética e Filosofia Política
      Pages: 1 - 7
      Abstract: Créditos do volume 39, n.º 2
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p1-7
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Apresentação do dossiê II Encontro do GT Filosofia e
           Gênero

    • Authors: Silvana de Souza Ramos, Clêmie Ferreira Blaud
      Pages: 8 - 9
      Abstract: Apresentação do dossiê II Encontro do GT Filosofia e Gênero
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p8-9
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • “Um Brasil, para brasileiros”: O pensamento decolonial de
           Carolina Maria de Jesus

    • Authors: Susana de Castro
      Pages: 10 - 20
      Abstract: O objetivo deste trabalho é de mostrar que Carolina Maria de Jesus foi muito mais do que uma autora de um só livro, Quarto de Despejo. O fato, entretanto, de ela ter sido assim considerada, mostra que, na verdade, a favor do seu silenciamento trabalharam o autoritarismo e o machismo vigentes. Os brasileiros rejeitaram a ideia de que uma voz feminina negra oriunda da favela pudesse ocupar o espaço ‘puro’ da literatura e do pensamento, reservado aos membros da elite econômica brasileira.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p10-20
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • A interseccionalidade como base do feminismo negro

    • Authors: Halina Macedo Leal
      Pages: 21 - 32
      Abstract: A análise de processos de opressão de gênero começa a emergir nas reflexões filosóficas, seja pelo foco no funcionamento do sistema patriarcal ou pelo foco na intersecção do patriarcado com relações de dominação a partir de origens etnicorraciais. Em geral, tais reflexões buscam examinar os fundamentos dos sistemas opressivos e a reação das mulheres a tais sistemas. São localizadas diferentes formas e demandas dos movimentos feministas e os modos como estes procuram, por meio da discussão sobre gênero, fortalecer o papel social e político das mulheres. Neste contexto, o presente artigo visa examinar o lugar do feminismo negro no debate e suas bases de sustentação, tendo em vista as peculiaridades das necessidades das mulheres negras. Estas peculiaridades estão relacionadas à inseparabilidade estrutural entre patriarcado, sexismo, racismo e
      suas articulações que implicam em múltiplas situações de opressão sofridas por este grupo de mulheres. Em outras palavras, busca-se analisar a centralidade do conceito de interseccionalidade para a compreensão da atuação do feminismo negro nas reflexões filosóficas acerca da condição da mulher negra na sociedade.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p21-32
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • A intelectualidade negra e a produção científica: um olhar
           decolonial

    • Authors: Betânia de Assis Reis Matta, Rita de Cássia Fraga Machado
      Pages: 33 - 44
      Abstract: Este artigo discute o papel feminino na produção de conhecimentos científicos a partir da perspectiva decolonial. Possui como linha de análise a educação libertadora e reflete sobre os discursos sociais contemporâneos pautados em um modelo de pensamento colonialista. Para esse pensamento colonialista, a questão de gênero ainda é muito relevante. A importância deste tema se justifica pela necessidade de compreender os aspectos procedentes da mentalidade colonizadora, que silenciou, censurou e desvalorizou o conhecimento produzido pelas mulheres ao longo da história. Por isso, espaços democráticos de debates devem ser criados para que os grupos que não foram visibilizados durante muito tempo por essa sociedade patriarcal, machista e desigual possam ser ouvidos e acolhidos. Para tanto, a metodologia utilizada foi a pesquisa bibliográfica, tendo como corpus de análise artigos científicos e livros. Os materiais pesquisados fazem referência aos estudos decoloniais e ao legado do Movimento Feminista Negro.  
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p33-44
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • O impacto da corporeidade nos escritos de Catharine MacKinnon na
           década de 1990

    • Authors: Magda Guadalupe dos Santos
      Pages: 45 - 56
      Abstract: As teorias feministas de Catharine MacKinnon sobre a questão do corpo, na década de 1990, ampliam as discussões que regulam o processo de materialização de significados e submissão das mulheres ao poder. MacKinnon, especialmente em Are Women Human', propõe que se amplie a proteção das mulheres contra a violência, visando alcançar, nos julgamentos de estupros em tempos de guerra, a conotação de genocídio, pelo seu impacto ético-político. Também com relação à pornografia ela é profundamente crítica, entendendo isso como verticalidade de uma violência explícita que deveria ser combatida. Ao se questionar o alcance de sua teoria no momento histórico de sua produção, verifica-se que suas preocupações chegam até os dias atuais em novas pautas axiológicas, mas ainda como um desafio e uma necessidade teórica nos tópicos feministas da atualidade.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p45-56
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • A política da voz e do dizer segundo Adriana Cavarero

    • Authors: Thiago Dias
      Pages: 57 - 68
      Abstract: Um dos objetivos deste artigo é apresentar a relação entre política e palavra proposta por Adriana Cavarero em "Vozes plurais". Sob influência declarada de Hannah Arendt, Cavarero coloca a singularidade no centro de seu pensamento, e o segundo objetivo deste artigo é mostrar que a singularidade é uma ideia chave para a crítica do patriarcado. Uma análise fina de Platão e Aristóteles mostra que eles dividiram o logos em um aspecto sonoro e um aspecto lógico e, ato contínuo, soterraram a voz sob o semântico estabelecendo uma hierarquia que marcaria toda a tradição. A diferença de gênero se uniria a esta hierarquia, pois a tradição atribuiria a voz à mulher e o semântico ao homem. Carnal, sensual e particular, a voz e a mulher se mantiveram à sombra do espiritual, racional e universal garantidos pelo homem e seu logos sem voz. Em um passo adicional, Cavarero apresenta uma fenomenologia vocálica da unicidade a fim de mostrar que a voz porta a singularidade humana. Diante disto, faz-se necessário reconduzir a palavra à sua raiz vocálica, especificamente acústica e tradicionalmente feminina, a fim de elaborar uma política pós-patriarcal.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p57-68
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Calendários de mulheres nuas, batons e loções afrodisíacas: artefatos
           simbólicos e arquétipos ligados ao gênero, desejo e processos de
           dominação

    • Authors: Manuela Triani Gomes de Knegt Brière
      Pages: 69 - 79
      Abstract: O presente artigo trata de três obras de arte produzidas nas décadas de 1960 e 1970 por Lygia Pape, Wanda Pimentel e Maria Eugenia Chellet. Todas as três colocam em cena o corpo de mulheres ambientado em distintas situações onde discursos normativos da sexualidade e processos de dominação são evidenciados. As principais fontes de pesquisa para este artigo foram depoimentos das artistas, entrevistas, textos de exposições, além de uma literatura dirigida à sexualidade feminina e aos mecanismos de estabelecimento de relações de dominação.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p69-79
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Interações, espaços e ambientes utilizados por entendidas
           belorizontinas: um caminho velado

    • Authors: Janice Aparecida de Souza, Alessandra Sampaio Chacham
      Pages: 80 - 91
      Abstract: Este artigo aborda a invisibilidade da homossexualidade feminina a partir da análise da experiência de uma “Confraria” de Lésbicas mineiras nascidas na década de 1950. O objetivo é refletir sobre os usos que faziam dos espaços e sobre as interações possíveis à época. Se é a partir dos processos de interação social que o sentido e o significado nas relações emergem, a forma pela qual a cidade acolhe ou ignora e invisibiliza determinados sujeitos impacta suas vidas. O modo pelo qual elas se apropriaram dos espaços disponíveis na cidade de Belo Horizonte e a criação de outros espaços mais reservados foram fundamentais para a criação de longevos vínculos de amizade e convivência. Tais vínculos parecem ter colaborado para uma rede de apoio mais estruturada na velhice formada por  relações de afeto, amizade e solidariedade.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p80-91
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Maternidade: uma forma de opressão'

    • Authors: Carolina Bernardini Antoniazzi
      Pages: 92 - 103
      Abstract: O presente artigo persegue a seguinte questão: seria a maternidade uma forma de opressão' Para tanto, partimos do conceito de opressão formulado por bell hooks. A fim de analisar a experiência da maternidade enquanto vivida por um sujeito único, mas, ao mesmo tempo, constrangida por estruturas sociais generificadas, ancoraremos a maior parte de nossa análise em Iris Young. O pensamento da autora é habilidoso ao entrelaçar uma corrente fenomenológica à crítica social, dando conta de problemas que surgem nas pautas feministas acerca de subjetividades em relação a marcadores sociais. É pertinente, ainda, na medida em que Young se ocupa amplamente de temas e problemas ligados à maternidade, dando maior ênfase a este debate do que normalmente observamos. Silvia Federici também é central neste ponto, fornecendo ferramentas para entendermos a reprodução como um trabalho. Procuramos demonstrar como as tarefas do cuidado estão amplamente relacionadas à maternidade e, provavelmente, foram naturalizadas como pertencentes à esfera feminina em decorrência do próprio trabalho reprodutivo.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p92-103
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Gênero, emoções, afetos e cuidados: novos desafios para o
           campo da filosofia

    • Authors: Mateus Gustavo Coelho, Cristina Scheibe Wolff
      Pages: 104 - 117
      Abstract: Este trabalho pretende traçar uma relação entre a recente abertura acadêmica da Filosofia para os estudos feministas no Brasil e de como estes, em grande parte, têm sido responsáveis por colocar novos desafios ao ato de filosofar a partir das possibilidades trazidas pela discussão das interações entre a categoria gênero, com os estudos de afetos, emoções e cuidado. Ao trazer os afetos e emoções, ligados ao gênero, para a discussão nas Ciências Humanas e na Filosofia, os estudos feministas buscam estabelecer relações com partes da vida humana que durante séculos foram deixadas de lado no pensamento filosófico. Temas como a relevância das emoções, o cuidado com o outro e os afetos cada vez mais se fazem presentes dentro dos espaços de debate. Os estudos feministas não apenas ampliaram as temáticas possíveis dentro da academia, como também propiciaram diferentes possibilidades de escrita ao dar ênfase às subjetividades. Partindo de uma análise bibliográfica de autoras que pesquisam o papel dos afetos, emoções e cuidados, defendemos aqui que os estudos feministas ao trazerem estes temas como categorias de análise trazem consigo o próprio ato de espantar-se e de afetar-se com o mundo.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p104-117
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • O silêncio necessário para o recolhimento: a mulher no limiar
           entre ser e não-ser

    • Authors: Mariana Di Stella Piazzolla
      Pages: 118 - 129
      Abstract: A ética levinasiana assume a mulher ou o feminino como alteridade discreta. A decisão por uma leitura elegendo um dos termos pode abrir para diferentes interpretações sobre a atribuição dessa alteridade, e isso suscitou um enorme interesse por teóricas feministas pela filosofia de Levinas, sendo Simone de Beauvoir uma das precursoras da crítica ao rebaixamento da mulher como Outro, continuada, de certa forma, por Luce Irigaray. Para compreender como essas críticas implicam na constituição de uma subjetividade oferecida a Outrem, decidimos iniciar pela análise do lugar que a mulher ocupa na ética levinasiana. Discutiremos desde a perspectiva da separação entre o ser e o ente, com objetivo de constituir o que sustenta uma aceitação de uma alteridade radical, tomando primeiramente o termo mulher como alteridade silenciosa, cuja posição intermediária entre ser e não-ser torna-se a condição para o recolhimento, e por conseguinte, indispensável para a relação ética. Em seguida, apresentaremos algumas questões que orbitam em torno da noção de feminino empregada por Levinas.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p118-129
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • “Este é o mundo errado” – elementos para uma utopia
           política feminista

    • Authors: Janyne Sattler
      Pages: 130 - 143
      Abstract: Este artigo busca salientar os elementos utópicos comuns entre as obras de Christine de Pizan, A cidade das damas, e de Charlotte Perkins Gilman, Terra das mulheres, em vista de uma utopia política feminista, cujo valor central reside tanto num projeto de autonomia filosófica e literária quanto naquilo que tenho defendido para as utopistas e as não utopistas que escrevem ao longo da história da filosofia, como constituindo uma efetiva política do texto, da escrita e da linguagem com as obras realizando em ato uma defesa das capacidades cognitivas, imaginativas e políticas das mulheres.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p130-143
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Ciência para os 99%

    • Authors: Anastasia Guidi Itokazu
      Pages: 144 - 160
      Abstract: Neste artigo, proponho que a crise política que vivenciamos em todo o mundo está relacionada a uma crise epistêmica, e que uma revolução científica se impõe diante de nós: somente uma ciência feita pelos 99% e para os 99% pode fazer frente à onda de obscurantismo que ameaça as bases cognitivas da própria democracia. Na parte final do artigo, descrevo de maneira bastante geral algumas características que devem ser satisfeitas por essa ciência sucessora.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p144-160
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • A noção de liberdade para Silvia Federici

    • Authors: Maria Cristina Longo Cardoso Dias
      Pages: 161 - 176
      Abstract: Busca-se, neste artigo, explicitar o conceito de liberdade para Silvia Federici. Será mostrado que esta noção, para a autora, significa a construção de lutas contra o modo de produção capitalista entendido como um sistema produtor e reprodutor de diversas formas de opressão como as de classe, raça e gênero, com vistas ao lucro. Neste sentido, torna-se necessário explicitar o processo de acumulação primitiva de capital como constituinte de antigas e atuais explorações para então mostrar as diversas lutas anticapitalistas que se formam.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p161-176
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Razão à sombra do sexismo: o feminino no pensamento de
           Sêneca

    • Authors: Taynam Santos Luz Bueno
      Pages: 177 - 189
      Abstract: Neste artigo será abordada a ambígua e, por vezes, contraditória representação das mulheres no pensamento do filósofo estoico Sêneca. Com isso, pretende-se demonstrar que a construção da postura misógina no âmbito da filosofia se dá, primeiramente, desde a antiguidade e, muitas vezes, de modo conflituoso com os próprios pressupostos e princípios professados pelas diversas correntes de pensamento. No caso específico deste texto, pretendemos demonstrar como Sêneca, declarado filósofo estoico, apresenta o gênero feminino de modo pejorativo e, como veremos, com discutível respaldo no conjunto dos princípios da filosofia do pórtico. Ao acompanhar as reflexões do pensador romano sobre o gênero feminino percebemos que há uma dupla apresentação das mulheres. Em algumas passagens, o filósofo as expõe como virtuosas e, portanto, dignas da atividade filosófica e da realização de ações corretas. Por outro lado, e na maior parte das vezes, o autor latino confere ao gênero feminino características que indicam limitações e podem prejudicar seu comportamento ético, mitigando assim o exercício pleno de sua racionalidade. Por muitas vezes, vemos Sêneca associar aos adjetivos femininos falhas morais e deficiências de caráter, ao passo que, aos adjetivos masculinos, o filósofo creditará ações virtuosas e ligadas à racionalidade. No entanto, como compreender tal ambiguidade em relação ao gênero feminino se, por princípio, o pensamento estoico afirma que a potencialidade de realização de ações virtuosas é garantida à humanidade, graças a sua participação na razão universal'
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p177-189
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Provar algo não significa convencer o público: lições de pensadoras
           ‘feministas’ do século XVII

    • Authors: Ilze Zirbel
      Pages: 190 - 202
      Abstract: O presente artigo traz algumas reflexões da filósofa e feminista decolonial Elsa Dorlin sobre o que chamou de feminismo-lógico-filosófico do século XVII, presente nas posições de Marie de Gournay, Anna Maria Van Schurman, François Poullain de la Barre e Gabrielle Suchon.  Neste artigo, esse tipo de filosofia é classificado como lógico-igualitarista e recebe uma quinta representante: Mary Astell. Estas filósofas e la Barre defenderam uma igualdade entre os ‘sexos' por meio de argumentos lógicos que visavam demonstrar a igualdade como algo verdadeiro e irrefutável. É nossa intenção apresentar ao público brasileiro algumas das estratégias utilizadas por essas filósofas, e apontadas por Dorlin, no debate sobre a desigualdade ou igualdade entre os sexos. Por fim, focaremos nos motivos pelos quais as estratégias utilizadas não chegaram a atingir seu objetivo: um contexto de juízos e juízes corrompidos.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p190-202
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Marie de Gournay e Simone de Beauvoir: notas sobre memória e
           história

    • Authors: Clêmie Ferreira Blaud
      Pages: 203 - 213
      Abstract: A prática de evocar o nome de mulheres, personagens míticas ou reais, nos discursos filosóficos que tratam da emancipação feminina serve a dois propósitos principais: i. resgatar a memória das mulheres, com o propósito de reconstruir a história da filosofia, refutando os argumentos desfavoráveis às mulheres; ii. exemplificar os conceitos discutidos no texto com a ação ou pensamento de outras mulheres, muitas delas esquecidas na história da filosofia. O estudo das semelhanças e diferenças no modo como os nomes de mulheres são mobilizados produz novas reflexões sobre a memória e a história da filosofia. Este artigo investiga essas questões em dois textos, sendo um do século XVII, Égalité des hommes et des femmes, escrito por Marie de Gournay; e o outro do século XX, o capítulo intitulado "História" da obra O segundo sexo de Simone de Beauvoir.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p203-213
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Sobre o poder das mulheres no aforismo 68 de A Gaia Ciência

    • Authors: Adriana Delbó
      Pages: 214 - 226
      Abstract: Este texto está vinculado a uma investigação contemporânea dos problemas de gênero a partir de Nietzsche, visando pensar se naquilo que já está dado como mulher não há a obediência a ideais que exigem que a cada gênero seja necessário atender às amarras que significam exatamente impedimentos à criação de si. Tomando como principal referência o aforismo 68 de A Gaia Ciência, pretendo discutir as cenas e os diálogos elaborados por Nietzsche, os quais desbancam a discussão que os homens travam para a determinação das mulheres. Contrapõe-se a isso, o poder das mulheres de elaborarem-se a si mesmas. Trata-se de uma leitura que vê em Nietzsche contribuições para a análise das dicotomias de gênero como determinações daquilo que se é, e, consequentemente, a impossibilidade para que cada pessoa possa fazer-se para além do que já está autorizado pelas sociedades.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p214-226
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Nietzsche e o Controverso Ideal de Emancipação Feminina

    • Authors: Patrícia Sheyla Bagot de Almeida
      Pages: 227 - 238
      Abstract: Se as considerações de Nietzsche sobre a mulher são variadas, difíceis e até problemáticas, posto que não se pode atribuir um único sentido ao termo, o mesmo, em parte, não ocorre com o termo emancipação. Nietzsche apresenta aforismos nos quais demonstra algumas noções atribuídas ao termo. Não obstante, o filósofo trata da emancipação feminina não do ponto de vista exclusivamente político, mas da mulher como uma ideia “em si”. Neste artigo, partirei de alguns aforismos da obra Além do bem e do mal, de 1886, na qual é possível verificar o sentido que ele dá ao termo, assim como esquadrinhar os indícios do modo como ele lê a crença da igualdade buscada pela mulher, a fim de demonstrar a incoerência da proposta de emancipação, uma vez que, a partir da quebra da distinção e do abandono da diferença entre homem e mulher, é que se exigia o sacrifício da internalização dos valores masculinos em um consequente esvaziamento, embotamento e regressão do que é singular na mulher. Para desenvolver o objetivo proposto, relacionarei o tema a outros aforismos a fim de ressaltar que a problemática da emancipação feminina como condição sine qua non de pertencimento do espaço público, locus no qual as ações políticas são efetivas e consideradas, fora também problematizadas por Wollstonecraft, no que Carole Pateman denominou o “dilema Wollstonecraft”, a saber, exigir igualdade é aceitar a concepção patriarcal de cidadania, na qual as mulheres devem parecer-se aos homens a fim de serem vistas no cenário público, âmbito da ação política. Assim, buscarei examinar a análise de Nietzsche no que tange a emancipação feminina e seus desdobramentos conceituais, sem, no entanto, deixar de realizar outras tecituras com autoras que pensaram essa concepção.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p227-238
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • O gênero na produção e reprodução da vida social
           e a luta política

    • Authors: Larissa Drigo Agostinho
      Pages: 239 - 251
      Abstract: Esse artigo analisa a crítica que Gayle Rubin tece contra a psicanálise de Freud e Lacan e, principalmente, a antropologia de Lévi-Strauss. Uma crítica que tem como objetivo compreender que tabus em torno da sexualidade e do gênero foram necessários para a construção de diversas sociedades ao longo da história, expondo as suas formas de repressão e suas políticas de sexo. Essas críticas serão comparadas à análise crítica de Deleuze e Guattari, principalmente no que diz respeito ao papel de Édipo na repressão do desejo, com o objetivo de explicitar como esses autores entendem a repressão do desejo e não apenas da sexualidade e sua função no interior da vida social. Partiremos de Engels, para traçar o quadro marxista a partir do qual o debate sobre feminismo se estendeu e expor a relevância do feminismo e do pensamento de Deleuze e Guattari para pensarmos a natureza da repressão.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p239-251
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Subjetividade feminista em devir: a individualidade humana de Emma Goldman
           entre a filosofia e o teatro

    • Authors: Larissa Guedes Tokunaga
      Pages: 252 - 265
      Abstract: O feminismo antipredicativo de Emma Goldman incita ao cotejo de seu prisma anarquista com o de uma filosofia de ontologia radical, uma transversalidade que resgata a matriz do ideário anarquista, a saber: o indivíduo. A partir do presente artigo, pretende-se realizar um diálogo entre o conceito de “individualidade humana” propugnado por Goldman e os ideários de Max Stirner e Henrik Ibsen, leituras de cabeceira da autora. A filosofia stirneriana, ao rechaçar as mediações externas, contribuiria para a valorização do “eu” enquanto bastião da revolta contra as instituições hegemônicas, ao passo que o teatro social moderno ibseniano estimularia a anarquista a entrever na arte um instrumento de consciência voltada à autonomia da mulher, a qual passaria a questionar sua objetificação e a se autogovernar enquanto ser humano. O devir, que imprimiria a marca de incongruência em relação a quaisquer modelos programáticos de insurgência, se consubstanciaria em um feminismo antipredicativo crivado pela filosofia e teatro dessubjetivadores/subjetivadores.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p252-265
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Na sala do teatro, “É de Diadorim que você deve de me
           chamar”

    • Authors: Luana Alves dos Santos
      Pages: 266 - 277
      Abstract: Num primeiro plano, partindo do fato de que Diadorim é uma subjetividade atravessada pelo olhar do outro – ou seja, não se trata de uma subjetividade que narra a si mesma, mas de uma subjetividade cujo “ser” se põe, face a um narrador em primeira pessoa, como “ser-para-outro” – é preciso indagar em que medida a revelação de seu corpo como sendo corpo-de-mulher contribui, na maneira pela qual Riobaldo-narrador tece os fios do passado, para o acorde entre feminino e alteridade. Trata-se, portanto, de investigar o ajuste firmado, no romance de Rosa, entre o feminino e a condição de “Outro absoluto” que lhe é atribuída e sobre a qual discorre Simone de Beauvoir. Num segundo plano, para além do exame sobre o que o romance fala (seus ajustes e pactos), é preciso deslindar o que o romance dissimula. Em outras palavras, mais do que capturar Diadorim em uma identidade de gênero, ainda que provisória – visto que Diadorim parece não performar os padrões de masculinidade impostos por seus pares e daí receber o epíteto de “o delicado”; tampouco Diadorim “torna-se mulher”, mas é, discursivamente, “tornada” mulher, no advento de sua morte – pretendemos demonstrar que o que o romance dissimula é o escândalo, manifesto já no nome “Diadorim”, da desorganização das normas de inteligibilidade de gênero; a essa altura, tomaremos como pressupostos teóricos os estudos de Judith Butler sobre o tema.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p266-277
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • O feminismo espinosano de Marilena Chaui: Espinosa contra as Amazonas ou a
           hipótese contrária

    • Authors: Henrique Piccinato Xavier
      Pages: 278 - 295
      Abstract: A partir de um dos primeiros textos publicados por Marilena Chaui, o “Terceira margem. Notas para um rodapé selvagem” de 1976, que inaugura a sua reflexão acerca do estatuto político das mulheres e, ao mesmo tempo, amadurece suas primeiras ideias acerca do que viria constituir o Nervura do real (sua principal obra sobre Espinosa), o nosso ensaio se pergunta acerca da possibilidade de um feminismo espinosano operando na obra de Chaui. Para tanto, procuramos dar conta de como o referido texto de 1976 aborda a aparente hipótese da rejeição da participação das mulheres na democracia no Tratado político de 1677 de Espinosa, sendo esta rejeição um problema enfrentado pelas principais feministas contemporâneas que recorrem à filosofia de Espinosa para fundamentar suas ideias e lutas. Levando em conta esta última consideração e o fato de que no Brasil ainda sejam raras as aproximações entre feminismo e Espinosa (algo diferente do que acontece internacionalmente), o nosso ensaio apresenta um apêndice contendo o mapeamento das principais obras, autoras e linhas do que contemporaneamente vem a ser chamado de feminismo espinosano.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p278-295
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Paradigmas em disputa' Debate entre Butler, Benhabib e Fraser

    • Authors: Michele Teixeira Bonote
      Pages: 296 - 308
      Abstract: O presente artigo revisita um debate na teoria feminista dos anos 1990 entre as teóricas Judith Butler, Seyla Benhabib e Nancy Fraser presente na coletânea Debates Feministas. O objetivo central é compreender a posição política de cada autora em relação às possibilidades – ou não – de um sujeito para o feminismo, que apontariam os caminhos para se pensar a emancipação – como Benhabib indica – ou a subversão – como Butler indica. Iniciamos o artigo com a exposição da teoria da performatividade de gênero de Butler e com o pensamento de Benhabib sobre o self situado; posteriormente apresentamos a disputa política entre as autoras; por final, a partir da leitura de Fraser, trazemos uma tentativa de reconciliação entre os paradigmas que cada autora trabalha.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p296-308
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Sobre mulher e filosofia ou uma canção para Simone de Beauvoir

    • Authors: Izilda Johanson
      Pages: 309 - 319
      Abstract: Quem frequenta discussões e debates dedicados à filosofia de Simone de Beauvoir sabe que não é incomum surgir em algum momento a inevitável questão sobre essa grande pensadora do século XX ter-se considerado principalmente escritora, mas não filósofa. Nossa proposta é de enfrentar essa questão diretamente como uma questão ou um problema de filosofia, e não um problema de Simone de Beauvoir com a filosofia, como alguns autores e autoras, filósofas feministas inclusive, há algum tempo vêm insistindo em fazer. Entendemos que o engajamento intelectual e feminista de Simone de Beauvoir é não só compatível como necessário à afirmação da autenticidade e originalidade de sua filosofia.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p309-319
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Da divindade ao pecado

    • Authors: Melissa Tami Otsuka
      Pages: 320 - 332
      Abstract: Trata-se de um comentário acerca do papel das figuras mitológicas de cosmogonias antigas na construção de ideais de feminilidade que Simone de Beauvoir evoca n’O Segundo Sexo (1949) de acordo com as narrativas modernas acerca do passado mítico feminino. O presente artigo busca sobrevoar a abordagem da filósofa acerca dos discursos míticos da criação segundo os estudos de seus interlocutores etnólogos e antropólogos: a divindade da mulher nas sociedades, consideradas por eles como “primitivas”, e a sua dessacralização diante da moral cristã. Essa é uma das investigações realizadas por Beauvoir para compreender a situação de opressão da mulher, a saber, como através de discursos e narrativas sobre o corpo se tenta colocar a mulher como o Outro absoluto. Tendo em vista esse recorte, nosso enfoque, portanto, passa por apresentar a análise feita pela filósofa que torna possível identificar como o corpo, ora interpretado por explicações sacralizadoras do que é feminino, ora repudiado pelo cristianismo como pecado, torna-se expressão da alteridade.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p320-332
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Sobre a importância da transversalidade de gênero para o debate
           feminista contemporâneo

    • Authors: Veronica Calado
      Pages: 333 - 343
      Abstract: O primeiro tratado versando sobre a necessidade do desenvolvimento de cooperação internacional para a defesa dos direitos humanos, independentemente de raça, sexo, língua ou religião, foi a Carta das Nações Unidas (1945). A partir de então outros documentos, tais como a Convenção Interamericana sobre a concessão dos direitos civis à mulher (1948), Convenção sobre os Direitos Políticos (1953), Convenção para eliminar todas as formas de discriminação contra a mulher (1979), foram firmados. No Brasil, a questão da desigualdade de gênero voltou a ser debatida, na esteira no processo de redemocratização nacional, a partir da década de 1980. Não obstante, a agenda política internacional persiste na defesa da superação da desigualdade sob o viés individual, ignorando sua interface com outras questões, tais como: pobreza, raça ou etnia, entre outras. Negligenciam-se também aspectos importantes ao debate, tais como a desnaturalização e a dimensão identitária do corpo, e a ética feminista da negação do dever de cuidado. Observar a mulher para além dos limites impostos pela divisão sexual e social do trabalho pode auxiliar no processo de efetivação dos direitos e garantias fundamentais assegurados a esse grupo focal pela via normativa, mas reiteradamente negados pelos costumes.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p333-343
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Não ando só! Homenagem às professoras do Departamento de
           Filosofia da USP

    • Authors: Tessa Moura Lacerda
      Pages: 344 - 348
      Abstract: Neste relato, tenho a difícil e honrosa tarefa de me colocar ao lado de grandes mulheres, professoras do Departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo, recuperando muito brevemente aspectos de minha trajetória pessoal.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p344-348
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Expondo a si mesmas: homenagem às professoras do departamento de
           Filosofia da USP e o processo de escuta

    • Authors: Carla Milani Damião
      Pages: 349 - 363
      Abstract: Este artigo visa tratar do relato e da memória de onze professoras que compõem ou compuseram o corpo docente do departamento de Filosofia da Universidade de São Paulo. Testemunhos de diferentes intensidades apresentados no II Encontro do GT de Filosofia e Gênero da ANPOF, realizado em setembro de 2019 no Departamento de Filosofia (FFLCH) da USP. Busca-se, com a mesma atenção, a fundamentação de teorias feministas sobre a narrativa e a escuta de mulheres, tendo por esteio uma nova compreensão de subjetividade que pressupõe a crítica à tradição do pensamento filosófico e à construção metafísica da subjetividade. Com base na ideia de “eu relacional”, a crítica não homogênea de feministas torna possível uma compreensão de relatos variados, testemunhos de opressão revelados e de discriminações, revelados em narrativas.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p349-363
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Gênero em tradução: além do monolinguismo, de Judith
           Butler

    • Authors: Fernanda Miguens, Carla Rodrigues, Judith Butler
      Pages: 364 - 387
      Abstract: As reflexões anglófonas e teóricas sobre gênero muitas vezes assumem o caráter generalizante das suas próprias afirmações sem antes colocar a pergunta sobre se o “gender” existe como termo, ou se existe da mesma maneira em outras línguas. Parte da resistência à entrada do termo “gender” em contextos não anglófonos surge de uma resistência anterior ao inglês ou, de fato, apoiada na sintaxe de uma língua na qual as questões de gênero são resolvidas através de inflexões verbais ou de uma referência implícita. É claro que uma forma mais abrangente de resistência tem relação com os medos de que a categoria possa produzir, por si mesma, formas de liberdade sexual e desafios para as hierarquias existentes na língua para a qual está sendo traduzida. O ataque político e organizado ao gênero e aos estudos de gênero que está acontecendo no mundo todo tem muitas fontes, mas não é esse o foco desse ensaio. Este ensaio sustenta que não pode existir teoria de gênero sem tradução e que o monolinguismo anglófono muitas vezes assume que o inglês constitui uma base suficiente para as afirmações teóricas sobre gênero. Além disso, na medida em que o uso contemporâneo do termo “gender” vem de uma criação introduzida por sexólogos e, posteriormente, reapropriada pelas feministas, desde o início o termo esteve vinculado à inovação gramatical e aos desafios sintáticos. Sem um entendimento da tradução – com sua prática e seus limites – os estudos de gênero não podem existir num enquadramento global. Finalmente, o processo de se tornar de um gênero, ou de mudar de gênero, requer tradução para comunicar outros termos de reconhecimento das novas modalidades de gênero. Sendo assim, a tradução é parte constitutiva de qualquer teoria de gênero que busque ser multilíngue e aceite o caráter historicamente dinâmico das línguas. Esse enquadramento pode facilitar o caminho para o reconhecimento de diferentes gêneros, assim como de diferentes considerações sobre a identidade de gênero (essencialista, construtivista, processual, interativa, interseccional), que requerem tanto a tradução quanto uma definição de seus limites. Sem a tradução e a invenção histórica do termo “gender” não há como compreender a categoria dinâmica e mutável do gênero ou as resistências que ela hoje enfrenta.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p364-387
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
  • Plebe, política e acontecimento, de Alain Brossat

    • Authors: Breno Benedykt, Maurício Pelegrini, Renan Ferreira da Silva
      Pages: 389 - 404
      Abstract: Apresentação da tradução e tradução do texto de Alain Brossat.
      PubDate: 2021-12-21
      DOI: 10.11606/issn.1517-0128.v39i2p389-404
      Issue No: Vol. 39, No. 2 (2021)
       
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
 


Your IP address: 3.238.24.209
 
Home (Search)
API
About JournalTOCs
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-