Subjects -> MEDICAL SCIENCES (Total: 8196 journals)
    - ALLERGOLOGY AND IMMUNOLOGY (205 journals)
    - ANAESTHESIOLOGY (105 journals)
    - CARDIOVASCULAR DISEASES (334 journals)
    - CHIROPRACTIC, HOMEOPATHY, OSTEOPATHY (19 journals)
    - COMMUNICABLE DISEASES, EPIDEMIOLOGY (227 journals)
    - DENTISTRY (266 journals)
    - DERMATOLOGY AND VENEREOLOGY (162 journals)
    - EMERGENCY AND INTENSIVE CRITICAL CARE (121 journals)
    - ENDOCRINOLOGY (149 journals)
    - FORENSIC SCIENCES (43 journals)
    - GASTROENTEROLOGY AND HEPATOLOGY (178 journals)
    - GERONTOLOGY AND GERIATRICS (125 journals)
    - HEMATOLOGY (160 journals)
    - HYPNOSIS (4 journals)
    - INTERNAL MEDICINE (177 journals)
    - LABORATORY AND EXPERIMENTAL MEDICINE (90 journals)
    - MEDICAL GENETICS (58 journals)
    - MEDICAL SCIENCES (2241 journals)
    - NURSES AND NURSING (331 journals)
    - OBSTETRICS AND GYNECOLOGY (199 journals)
    - ONCOLOGY (355 journals)
    - OPHTHALMOLOGY AND OPTOMETRY (135 journals)
    - ORTHOPEDICS AND TRAUMATOLOGY (150 journals)
    - OTORHINOLARYNGOLOGY (76 journals)
    - PATHOLOGY (96 journals)
    - PEDIATRICS (254 journals)
    - PHYSICAL MEDICINE AND REHABILITATION (153 journals)
    - PSYCHIATRY AND NEUROLOGY (800 journals)
    - RADIOLOGY AND NUCLEAR MEDICINE (182 journals)
    - RESPIRATORY DISEASES (109 journals)
    - RHEUMATOLOGY (76 journals)
    - SPORTS MEDICINE (77 journals)
    - SURGERY (388 journals)
    - UROLOGY, NEPHROLOGY AND ANDROLOGY (151 journals)

SPORTS MEDICINE (77 journals)

Showing 1 - 79 of 79 Journals sorted alphabetically
American Journal of Sports Medicine     Hybrid Journal   (Followers: 153)
American Journal of Sports Science and Medicine     Open Access   (Followers: 38)
Archives of Sports Medicine and Physiotherapy     Open Access   (Followers: 2)
Arthroscopy, Sports Medicine, and Rehabilitation     Open Access   (Followers: 2)
Asia-Pacific Journal of Sports Medicine, Arthroscopy, Rehabilitation and Technology     Open Access   (Followers: 6)
Asian Journal of Sports Medicine     Open Access   (Followers: 11)
B&G Bewegungstherapie und Gesundheitssport     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Baltic Journal of Sport and Health Sciences     Open Access   (Followers: 2)
Biomedical Human Kinetics     Open Access   (Followers: 8)
BMJ Open Sport & Exercise Medicine     Open Access   (Followers: 18)
British Journal of Sports Medicine     Hybrid Journal   (Followers: 78)
Case Studies in Sport and Exercise Psychology     Hybrid Journal   (Followers: 7)
Case Studies in Sport Management     Full-text available via subscription   (Followers: 7)
Ciencia y Deporte     Open Access   (Followers: 1)
Clinical Journal of Sport Medicine     Hybrid Journal   (Followers: 34)
Clinics in Sports Medicine     Full-text available via subscription   (Followers: 32)
Current Sports Medicine Reports     Full-text available via subscription   (Followers: 21)
European Journal of Sport Science     Hybrid Journal   (Followers: 65)
Exercise and Sport Sciences Reviews     Hybrid Journal   (Followers: 55)
German Journal of Exercise and Sport Research : Sportwissenschaft     Hybrid Journal   (Followers: 2)
International Journal of Athletic Therapy & Training     Hybrid Journal   (Followers: 15)
International Journal of Kinesiology and Sports Science     Open Access   (Followers: 16)
International Journal of Sport Nutrition & Exercise Metabolism     Hybrid Journal   (Followers: 83)
International Journal of Sports Medicine     Hybrid Journal   (Followers: 33)
International Journal of Sports Physiology and Performance     Hybrid Journal   (Followers: 22)
Journal of Aging and Physical Activity     Hybrid Journal   (Followers: 11)
Journal of Athletic Enhancement     Hybrid Journal   (Followers: 6)
Journal of Clinical Sport Psychology     Hybrid Journal   (Followers: 8)
Journal of Education, Health and Sport     Open Access   (Followers: 3)
Journal of Exercise & Organ Cross Talk     Open Access   (Followers: 4)
Journal of Functional Morphology and Kinesiology     Open Access  
Journal of Human Kinetics     Open Access   (Followers: 15)
Journal of ISAKOS     Hybrid Journal  
Journal of Physical Education Health and Sport     Open Access   (Followers: 1)
Journal of Reconstructive Microsurgery Open     Open Access  
Journal of Science and Medicine in Sport     Hybrid Journal   (Followers: 36)
Journal of Sport & Social Issues     Hybrid Journal   (Followers: 10)
Journal of Sport and Exercise Psychology     Hybrid Journal   (Followers: 22)
Journal of Sport Rehabilitation     Hybrid Journal   (Followers: 16)
Journal of Sports Medicine     Open Access   (Followers: 19)
Journal of Sports Science and Medicine     Open Access   (Followers: 22)
Journal of Sports Sciences     Hybrid Journal   (Followers: 34)
Journal of the International Society of Sports Nutrition     Open Access   (Followers: 55)
Knie Journal     Hybrid Journal  
Medicine & Science in Sports & Exercise     Hybrid Journal   (Followers: 59)
Motor Control     Hybrid Journal   (Followers: 7)
Movement & Sport Sciences : Science & Motricité     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
OA Sports Medicine     Open Access   (Followers: 6)
Open Access Journal of Sports Medicine     Open Access   (Followers: 14)
Operative Techniques in Sports Medicine     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
Physical Therapy in Sport     Hybrid Journal   (Followers: 41)
Physician and Sportsmedicine     Open Access   (Followers: 6)
Research in Sports Medicine: An International Journal     Hybrid Journal   (Followers: 11)
Revista Andaluza de Medicina del Deporte     Open Access   (Followers: 2)
Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano     Open Access   (Followers: 1)
Saudi Journal of Sports Medicine     Open Access   (Followers: 1)
Scandinavian Journal of Medicine & Science In Sports     Hybrid Journal   (Followers: 29)
Science & Sports     Hybrid Journal   (Followers: 9)
Science and Medicine in Football     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Spor Bilimleri Dergisi / Hacettepe Journal of Sport Sciences     Open Access  
Spor ve Performans Araştırmaları Dergisi / Ondokuz Mayıs University Journal of Sports and Performance Researches     Open Access  
Sport Science and Health     Open Access   (Followers: 1)
Sport Sciences for Health     Hybrid Journal   (Followers: 5)
Sport, Education and Society     Hybrid Journal   (Followers: 12)
Sport, Ethics and Philosophy     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Sport, Exercise, and Performance Psychology     Full-text available via subscription   (Followers: 11)
Sportphysio     Hybrid Journal  
Sports Health: A Multidisciplinary Approach     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Sports Medicine     Full-text available via subscription   (Followers: 38)
Sports Medicine - Open     Open Access   (Followers: 12)
Sports Medicine and Arthroscopy Review     Full-text available via subscription   (Followers: 10)
Sports Medicine and Health Science     Open Access  
Sports Medicine International Open     Open Access   (Followers: 2)
Sports Medicine, Arthroscopy, Rehabilitation, Therapy & Technology     Open Access   (Followers: 16)
Sportverletzung · Sportschaden     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Sri Lankan Journal of Sports and Exercise Medicine     Open Access  
Translational Sports Medicine     Hybrid Journal  
Video Journal of Sports Medicine     Open Access  
Zeitschrift für Sportpsychologie     Hybrid Journal  
Similar Journals
Journal Cover
Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano
Journal Prestige (SJR): 0.247
Citation Impact (citeScore): 1
Number of Followers: 1  

  This is an Open Access Journal Open Access journal
ISSN (Print) 1415-8426 - ISSN (Online) 1980-0037
Published by SciELO Homepage  [672 journals]
  • Prevalência de Active Play em crianças e adolescentes brasileiros: uma
           atualização de revisão sistemática para o Report Card Brasil

    • Authors: Greice Westphal, Igor Alisson Spagnol Pereira, Maria Luiza Costa Borim, Claudiana Marcela Siste Charal, Nelson Nardo Junior
      Abstract: Este artigo é uma atualização da revisão sistemática sobre Active Play publicada em 2018 por Mendes et al. Esta revisão sistemática incluiu estudos publicados entre 2018 até 2019. A busca de potenciais artigos foi realizada nas seguintes bases de dados eletrônicas: Pubmed / Medline, Web of Science, Bireme, Scielo e Scopus. Inicialmente, 471 artigos atenderam aos critérios de elegibilidade. Porém, após análise aprofundada, apenas dois estudos permaneceram e foram incluídos na presente revisão. Destes artigos, apenas um apresentou informações individuais sobre a atividade física entre adolescentes de 12 a 17 anos de idade de Curitiba-PR e revelou que 77,2% deles eram fisicamente ativos no tempo livre. O outro estudo foi sobre as preferências por atividades de lazer entre adolescentes de Florianópolis-SC avaliados nos anos de 2001 e 2011. Este apresentou redução significativa na preferência pela prática de atividades físicas, enquanto o contrário foi observado para atividades sedentárias, como assistir TV, jogar videogame e usar o computador. Esses resultados, juntamente com as inconsistências nos pontos de corte do domínio active play entre os países envolvidos na Matriz Global 3.0, deixaram claro a necessidade de uma definição padrão e de uma ferramenta adequada para medi-la.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e84442
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Revisão sistemática do ambiente comunitário para atividade física em
           jovens – uma atualização do Report Card Brasil

    • Authors: Eduardo Rossato de Victo, Dirceu Solé, Gerson Ferrari
      Abstract: O objetivo deste estudo foi atualizar uma revisão sistemática sobre a relação entre o meio ambiente e a atividade física em crianças e adolescentes brasileiros. As buscas dos artigos para esta revisão foi feita nas bases de dados MEDLINE, LILACS/BIREME e SCIELO. Para essa atualização, foi utilizado apenas artigos publicados entre o ano de 2018 e 2019. Os descritores foram utilizados na língua inglesa e portuguesa. Foi utilizado operadores booleano para a busca avançada, com 3 blocos principais: ambiente, atividade física e população. Filtros adicionais foram usados de acordo com a estrutura da base de dados. Ao todo, 5 artigos foram incluídos nessa revisão sistemática, sendo 4 com amostra com base populacional e 1 com base escolar. Entre os artigos selecionados, 4 foram realizados na região sul brasileira (2 em Santa Catarina; 1 no Rio Grande do Sul; 1 no Paraná) e o outro artigo foi realizado com amostra nacional. O período da pesquisa variou entre o ano de 2012 e 2017, com tamanho da amostra variando de 38 voluntários até 102.072 participantes. Os indicadores ambientais encontrados foram a segurança viária, a existência e utilização de espaços para a prática de atividade física, as características da escola e a possibilidade de prática no ambiente escolar. Concluiu-se que os indicadores ambientais podem potencializar a prática de atividade física entre os jovens brasileiros, exigindo políticas públicas que desenvolvam projetos ambientais de promoção da atividade física.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e83464
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Comportamento sedentário em crianças e adolescentes brasileiros: uma
           atualização da revisão sistemática do Report Card Brasil

    • Authors: Kelly Samara da Silva, Giseli Minatto, Alexsandra da Silva Bandeira, Priscila Cristina dos Santos, Ana Caroline Ferreira Campos de Sousa, Valter Cordeiro Barbosa Filho
      Abstract: Este revisão atualiza dados de comportamento sedentário em crianças e adolescentes brasileiros para o Report Card Brasil 4.0. A busca foi realizada em oito bases de dados (PubMed, Scopus, Web of Science, LILACS, SPORTDiscus, BIREME, Scielo, and Google Scholar) usando os seguintes critérios: artigos originais; amostras incluindo crianças e adolescentes; estudos observacionais que estimaram a prevalência de pelo menos um componente do CS. Nesta atualização foram incluídos 118 estudos (com publicação de 159 artigos), sendo 71 (104 artigos) revisados anteriormente no Report Card 3.0 e 47 estudos (55 artigos) encontrados na atualização de 2018 a 2019. O tempo de tela (34,7%) e de TV (28,2%) continuam sendo os componentes mais investigados, entretanto, dois estudos investigaram o uso de celular e houve aumento em outros comportamentos sedentários, como o tempo sentado (de 9% para 25,6%). Foram encontrados somente quatro estudos com pré-escolares, mas quatro deles cobriam quase todas as idades. O questionário foi o instrumento mais utilizado; no entanto, aumentou o número de estudos usando acelerômetros (de 2 para 8). O ponto de corte mais frequente foi 2 horas/dia (47,5%), mas o uso de outros medidas duplicou. Quase 70% dos estudos relatou que menos de 50% (variação geral: 9,4% a 97,7%) dos adolescentes atendem às recomendações (<2 horas / dia) de comportamento sedentário. A revisão atualizada mostra ainda poucos estudos com pré-escolares e crianças, com o uso de instrumentos validados, com o uso de acelerômetros, com padronização de pontos de corte, e prevalências muito próximas do observado na revisão anterior.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e82645
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Prevalência de atividade física global entre jovens: uma atualização
           de revisão sistemática para o Report Card - Brasil

    • Authors: Valter Cordeiro Barbosa Filho, Rafael Martins da Costa, Bruno Nunes de Oliveira, Victor Hugo Santos de Castro, Kelly Samara da Silva
      Abstract: Este estudo objetivou atualizar a revisão do documento Report Card do Brasil, sobre a prevalência de atividade física (AF) global entre crianças e adolescentes brasileiros. A revisão sistemática incluiu uma busca eletrônica em 8 bases de dados (PubMed, Scopus, Web of Science, LILACS, SPORTDiscus, BIREME, Scielo e Google Scholar) e uma busca manual nas referências de estudos recuperados. Estudos publicados em 2018 e 2019 e que avaliaram a AF global entre jovens brasileiros foram incluídos na atualização. Uma abordagem narrativa em relação aos resultados foi adotada. A busca inicial atingiu 1892 títulos potencialmente relevantes (1244 títulos após análise duplicada); 62 (47 estudos diferentes) preencheram todos os critérios de inclusão. A maioria dos estudos da atualização foi realizada nas regiões Sul (40.4%) e Sudeste (25.5%) do Brasil. Seis estudos trouxeram dados sobre levantamentos nacionais (12,8%), e um estudo incluiu crianças pré-escolares (< 5 anos de idade). Dez estudos realizaram a medida objetiva de AF (acelerômetros ou pedômetros). Nos estudos da atualização, a proporção geral de jovens que eram fisicamente ativos variou de 9,8% a 79,6%. Três pesquisas nacionais relataram a prevalência de estudantes fisicamente ativos, variando de 18,4% a 78,8%. Observou-se um avanço nos levantamentos com medidas objetivas de AF e com crianças menores de 12 anos de idade com os estudos de 2018 e 2019. Contudo, lacunas importantes de pesquisa (p.ex., variações na mensuração da AF global até no mesmo estudo) devem ser consideradas para aprimorar o monitoramento e a avaliação da AF global no Brasil.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e82643
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Atividade física e saúde mental em adolescentes brasileiros
           escolarizados: uma revisão sistemática

    • Authors: Vanessa Teixeira da Solidade, Victor Matheus Santos do Nascimento, Davi Pereira Monte Oliveira, Michele Caroline de Souza Ribas, Ricardo Aurélio Carvalho Sampaio, Roberto Jerônimo dos Santos Silva
      Abstract: Objetivou-se identificar a evidência quanto às associações entre atividade física (AF) e saúde mental (SM) em adolescentes escolarizados brasileiros. Trata-se de um estudo de Revisão Sistemática. Os estudos foram selecionados em português e inglês e identificados por meio de uma busca sistemática em seis bases de dados eletrônicas: PubMed, Web of Science, SPORTDiscus/Ebsco, ScIELO, ERIC, e LILACS, que compreendeu publicações até o final de 2019. Os critérios de inclusão foram: estudos com um desenho de coorte, descritivo de caráter exploratório, transversal, ou qualitativos; realizados com crianças e adolescentes; estudos que analisaram a relação entre AF e SM; estudos que investigaram adolescentes que praticavam AF nas escolas; estudos realizados no Brasil e os que obtiveram a pontuação mínima estabelecida de 60% conforme os critérios da qualidade metodológica do instrumento STROBE. A Educação Física oferecida no currículo da educação básica tem um efeito protetor sobre a SM no ambiente escolar. Além disso, mais de 300 min/semana de AF foi associado positivamente com a SM. Algumas associações foram negativas entre a AF e a SM, tais como: tempo excessivo de TV; isolamento social; insatisfação com o peso corporal. A AF escolar está associada positivamente à SM por promover bem-estar físico e psicológico, impactando na redução dos índices de problema de insônia, atenuando a solidão e melhorando a aparência física.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e82866
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Associação da atividade física entre pais e filhos: atualização de
           revisão em estudos brasileiros - Report Card Brasil

    • Authors: William Rodrigues Tebar, Bruna Thamyres Ciccoti Saraiva, Tatiana Machado de Mattos Damato, Gabriela Caroline Rodrigues Silva, Camila Cassemiro Rosa, Jorge Mota, Crystian Bitencourt Oliveira, Diego Giulliano Destro Christofaro
      Abstract: Esta atualização de revisão sistemática teve como objetivo buscar por novas evidências acerca da prática de atividade física de pais e filhos em estudos brasileiros. Uma nova busca na literatura por estudos brasileiros publicados até 31 de dezembro de 2019 foi realizada em cinco bases de dados (Medline, Embase, Cinahl, Lilacs and SciELO) por meio da combinação de palavras-chave sobre crianças e adolescentes, atividade física e apoio parental, restritos aos idiomas inglês e português. Como resultado, apenas um novo estudo foi incluído além daqueles provenientes da revisão prévia, que corroborou com os achados prévios sobre a relação positiva da atividade física entre pais e filhos. Os estudos que foram incluídos (n=14) são apresentados de acordo com a distribuição geográfica, ano de publicação, desenho da pesquisa e método de avaliação da atividade física. São destacadas limitações e futuros direcionamentos sobre domínios específicos da atividade física e volume semanal, bem como influência dos pares e do ambiente. Os achados desta revisão reforçaram que o estilo de vida dos pais corresponde a um fator importante para promoção de estilo de vida ativo em crianças e adolescentes brasileiros.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e82715
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Duração do sono adequada entre crianças e adolescentes: revisão para o
           Report Card Brazil

    • Authors: Luís Eduardo Argenta Malheiros, Margarethe Thaisi Garro Knebel, Marcus Vinicius Veber Lopes, Gabrielli Thais de Mello, Valter Cordeiro Barbosa Filho, Kelly Samara da Silva
      Abstract: Objetivou-se resumir os estudos existentes que examinaram a prevalência de duração adequada do sono ou atendimento às recomendações de sono entre crianças e adolescentes brasileiros. Uma revisão sistemática foi realizada em oito bases de dados. Os critérios de inclusão foram pesquisas originais, amostras incluindo crianças e adolescentes brasileiros (de 0 a 18 anos), estudos que relataram variáveis ​​relacionadas à duração do sono usando medidas objetivas ou subjetivas, pesquisas baseadas na escola ou na população com amostragem aleatória e transversal ou estudos de coorte. Dos 54 artigos incluídos, apenas 27 utilizaram dados de estudos diferentes. A maioria dos estudos foi realizada na região sul (n = 17), com apenas dois estudos tendo uma amostra representativa nacionalmente. Dois estudos incluíram crianças menores de cinco anos, e a faixa etária mais investigada foi de adolescentes (> 10 anos). A maioria dos estudos utilizou um questionário autorreferido e mostrou variabilidade no ponto de corte aplicado para a duração adequada do sono com a maioria relatada sendo ≥8 horas. A proporção de adolescentes que cumpriram as recomendações ou tiveram uma duração de sono adequada variou de 15% a 89%. Entre as crianças, a prevalência variou de 17% a 95%. A menor variabilidade foi observada entre as crianças, variando de 93% a 95%. Nenhuma diferença de gênero consistente foi observada entre os grupos. Observa-se que, pela ampla variabilidade de resultados e pela carência de dados com representatividade nacional, a prevalência de sono suficiente em jovens com menos de 18 anos permanece indefinida no Brasil.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e82644
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Transporte ativo para o trabalho entre professores da educação básica
           pública do estado de Minas Gerais

    • Authors: Rosângela Ramos Veloso Silva, Vítor Fonseca Bastos, Geane Hellen Leal Mota, Gabriel Oliveira Mota, Nayra Suze Souza e Silva, Marise Fagundes Silveira, Maria Fernanda Santos Figueiredo Brito, Lucineia de Pinho, Desirée Sant’Ana Haikal
      Abstract: O objetivo do estudo foi verificar a prevalência e os fatores associados ao transporte ativo para o trabalho entre professores da educação básica pública do estado de Minas Gerais. Foi realizado inquérito epidemiológico do tipo websurvey com professores da rede pública estadual de educação básica de Minas Gerais e a coleta ocorreu de agosto a setembro de 2020 via formulário digital. A variável dependente foi o transporte ativo para o trabalho e foi utilizada a Regressão de Poisson bruta e ajustada. Participaram do estudo 15.641 professores. Desses, 26,1% faziam transporte ativo para o trabalho. Houve maior prevalência entre as mulheres (RP=1,08; IC95% 1,01; 1,17), aqueles com idade de 41 a 59 anos (RP=1,20; IC95% 1,12;1,28), da área urbana (RP=1,51; IC95% 1,37;1,66), com menor renda familiar (RP=1,75; IC95% 1,48;1,93), os com tempo de trabalho superior a 20 anos (RP=1,27; IC95% 1,19;1,35), que trabalham na docência em até 39 horas semanais (RP=1,15; IC95% 1,06;1,25), com peso eutrófico (RP=1,09; IC95% 1,02;1,17) e aqueles que praticavam atividade física 5 vezes ou mais por semana (RP=1,25; IC95% 1,15;1,36). Os resultados evidenciaram que há prevalência significativa de professores que não realizam o transporte ativo para o trabalho. A maior prevalência de transporte ativo para o trabalho teve associação significativa com diversas variáveis, dentre os quais se destacam área censitária e renda familiar. Incentivos são necessários para promover o transporte ativo entre professores.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e83277
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Efeitos de partidas consecutivas de futebol escolar com intervalos de 24 e
           48 horas no estado de recuperação física de jogadores Sub-19

    • Authors: Vitor Hugo Santos Rezende, Diego A. Borba, Lucas A. Souza, Suene F. N. Chaves, Maria H. A. Pinheiro, Hugo C. Martins Costa, Daniel B. Coelho, Rauno A. P. Simola, Carlos M. A. Costa, André Bonadias Gadelha
      Abstract: Este estudo teve como objetivo avaliar os efeitos de partidas consecutivas de futebol escolar com intervalos de 24 e 48 horas no estado de recuperação física de jogadores Sub-19. Foram avaliados 35 homens (17,6±1,1 anos) atletas escolares sub-19. Durante a competição, foram realizados três jogos de 70-min de duração. Dezessete atletas tiveram intervalo de 24h entre cada jogo (grupo GGG). Dezoito atletas tiveram intervalo de 48 h entre o 2º e o 3º jogo (grupo GG48hG). Antes de cada jogo foram medidas a Qualidade Total de Recuperação, altura do salto com contra movimento, velocidade no sprint de 10-m, e força máxima isométrica lombar máxima. A carga interna do jogo foi calculada pelo produto da percepção subjetiva do esforço da sessão e tempo de cada jogo. Houve uma redução de 22% na qualidade total de recuperação (p <0,001) e de 12% no desempenho de sprint de 10 m (p <0,001) antes da terceira partida no grupo GGG, enquanto o grupo GG48hG não apresentou alterações para as mesmas variáveis (p> 0,05). O salto com contra movimento diminuiu antes da segunda partida em ambos os grupos (GGG = 12% e GG48hG = 10%; p <0,001), sem diferença entre os grupos (p> 0,05). Em adição, ambos os grupos não apresentaram alterações na força isométrica e na carga interna ao longo dos jogos (p> 0,05). Apesar de não proporcionar uma completa recuperação muscular, 48 h de intervalo entre o segundo e o terceiro jogo parece ter minimizado o efeito de jogos consecutivos na redução do desempenho.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e78044
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Indicadores físico-motores e habilidades específicas de jovens
           basquetebolistas após treinamento com periodização

    • Authors: André de Assis Lauria, Dilson Borges Ribeiro Junior, Sarah da Glória Teles Bredt, Francisco Zacaron Werneck
      Abstract: O basquete é um esporte coletivo com padrões de movimentos curtos, de alta intensidade e com mudanças rápidas e frequentes de direção. Niveis elevados de força, agilidade e velocidade, além de habilidades técnicas específicas, são primordiais para uma boa performance em atletas desta modalidade. O objetivo do estudo foi verificar o efeito de uma periodização tradicional nos indicadores fisico-motores e nas habilidades técnicas em jovens basquetebolistas. Dezenove jovens basquetebolistas (idade: 15,4 ± 1,3 anos, estatura: 172,80 ± 7,90 cm), com pelo menos 12 meses de experiencia em treinamento, foram submetidos a uma periodização de 5 meses. Foram avaliados, nos momentos PRÉ e PÓS treinamento dois indicadores físico-motores (salto vertical com contramovimento (CMJ); e capacidade anaeróbica (Line Drill)) e duas habilidades técnicas específicas (Arremesso e Drible). Para testar o efeito do treinamento sobre as variáveis fisico-motoras e habilidades técnicas, foi utilizado o teste de t de Student pareado. Foi calculado o intervalo de confiança de 95% da média do ganho relativo (Δ%) em cada variável. O tamanho do efeito foi analisado pelo d de Cohen (p≤ 0.05). Foram encontradas diferenças significativas entre os momentos PRÉ e PÓS no CMJ (34,02 vs. 38,64 cm; p<0,001), no Line-Drill (33,20 vs. 31,73 s; p<0,001), no Drible (6,95 vs. 6,66 s; p<0,001) e no Arremesso (15,84 vs. 17,95 pts; p<0,001). Conclui-se que jovens basquetebolistas de nível escolar, submetidos a uma periodização do treinamento de 5 meses, melhoram a potência de membros inferiores, a capacidade anaeróbica e as habilidades de drible e arremesso.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e82862
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Desigualdade no basquete brasileiro: efeito do local de nascimento

    • Authors: Larissa Oliveira Faria, Sarah da Glória Teles Bredt, Amanda Isadora Ribeiro, Larissa Rafaela Galatti, Maicon Rodrigues Albuquerque
      Abstract: O presente estudo investigou o efeito do local de nascimento em ambos os sexos do basquete brasileiro e de acordo com os estados e regiões geográficas. Nós hipotetizamos que o estado de São Paulo (SP) seria o principal responsável pelo destaque da região sudeste sobre as demais regiões. O efeito do local de Nascimento dos atletas brasileiros participantes da Copa do Mundo da FIBA e de duas ligas nacionais foram coletados de sites com acesso livre. Os locais de nascimento de 315 atletas foram incluídos. As frequências absolutas e relativas do local de nascimento dos atletas em cada estado e região geográfica foram calculadas. O teste de chi-quadrado foi usado para comparar as frequências esperadas e observadas entre regiões e estados. A razão de chances e o intervalo de confiança de 95% foram calculados para indicar a probabilidade de um atleta de alto rendimento nascer em determinada região ou estado. Os resultados confirmaram nossas hipóteses, apontando altas frequências de atletas nascidos na região Sudeste, especialmente no estado de SP. Concluímos que a desigualdade de participação no basquete brasileiro é causada pela dimensão continental do país e pelo contexto histórico da modalidade. A concentração de clubes de basquete em uma única região e estado (SP) levam a subutilização do potencial esportivo do país.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e76932
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Estresse fisiológico de árbitras de basquetebol durante uma
           competição nacional

    • Authors: Ramiro Marques Inchauspe, Pablo Morales Barbian, Gregório Aguiar Lélis, Flávia Renata de Almeida, Alejandro Vaquera
      Abstract: O objetivo deste estudo foi examinar as demandas fisiológicas de sete árbitros durante uma competição nacional de basquete. Durante cada uma das partidas do torneio, frequência cardíaca (FC), intensidade relativa do exercício como porcentagem da FC máxima prevista pela idade (FCmax), proporção de tempo de jogo dentro das categorias de intensidade de exercício definidas pelo ACSM foram registradas para cada árbitro em cada período e todo o jogo. Não houve diferenças significativas entre os períodos para nenhuma variável. Árbitros, usando um formato de três árbitros por partida, trabalhavam com uma FC média de 150 bpm (intervalo de 110-181 bpm) para cada quarto da partida, o que equivale a uma intensidade relativa> 70% da FCmax para a maioria (∼76%) de cada trimestre. Outros estudos ajudarão no desenvolvimento de programas de treinamento apropriados para árbitros de basquete de elite para manter e / ou maximizar o desempenho.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e74548
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Estrutura para a prática de atividades físicas nas escolas brasileiras,
           Índice de Desenvolvimento Humano e Índice de Desenvolvimento da
           Educação Básica: contribuições para o Report Card Brasil

    • Authors: Rosa Luciana Prado, Anderson Vieira de Freitas, Micael Deivison de Jesus Alves, Devisson dos Santos Silva, Ricardo Aurélio Carvalho Sampaio, Michele Caroline de Souza Ribas, Roberto Jerônimo dos Santos Silva
      Abstract: O objetivo do estudo foi identificar as estruturas para atividades físicas (AF) nas escolas brasileiras e relacioná-las ao Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) e indicadores de qualidade do Report Card Brasil (RCB). Trata-se de estudo descritivo que utilizou dados secundários do INEP-Brasil para a identificação e classificação da estrutura para prática de AF nas escolas brasileiras, a partir da existência de “pátio”, “quadras” e “materiais esportivos”, organizadas por escolas do nível “fundamental” e “médio”. Os dados foram organizados por Região Macroeconômica e relacionados com os Índices IDH, IDEB e os Critérios de Classificação de Qualidade do RCB. Assim, para o “Ensino Fundamental”, verificou-se relação positiva entre o IDH e a existência de “pátio” (r=0,53; p=0,004), “quadra” (r=0,855; p<0,01) e material esportivo (r=0,764; p<0,01), o IDEB também apresentou relação positiva com a existência de “pátio” (r=0,475; p=0,01), “quadra esportiva” (r=0,676; p<0,01) e “material esportivo” (r=0,535; p<0,01). Para o “Ensino Médio”, verificou-se relação entre o IDH e a existência de quadras (r=0,517; p<0,01) e materiais esportivos (r=0,499; p < 0,01), enquanto para o IDEB, apenas houve relação com a existência de materiais esportivos (r=0,508; p<0,01). Conclui-se que as Regiões Norte e Nordeste possuem escolas com menores frequências de estrutura para Atividade Física e que há relação positiva desta estrutura com o IDH, IDEB e classificação de qualidade RCB.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e84206
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • A modulação parassimpática durante o sono é reduzida após o
           exercício máximo e está correlacionada com a aptidão aeróbia em
           mulheres jovens

    • Authors: Gabriel Kolesny Tricot, Jaqueline Alves Araújo, Fabiula Isoton Novelli, Guilherme Moraes Puga, Gisela Arsa, Lucieli Teresa Cambri
      Abstract: Sabe-se que o risco cardiovascular aumenta durante o exercício e sua recuperação. Assim, é necessário avaliar todo o risco associado ao exercício para minimizar a chance de eventos cardiovasculares. Objetivou-se verificar se um exercício máximo altera a modulação autonômica cardíaca ambulatorial em mulheres não treinadas e se a aptidão aeróbia está correlacionada à modulação autonômica cardíaca. Doze mulheres (25,35 ± 5,44 anos) foram equipadas com monitor Holter em um dia experimental (após exercício máximo) e dia controle para avaliação da variabilidade da frequência cardíaca (VFC). O exercício máximo aumentou a frequência cardíaca em 24 h (82 ± 14 vs 77 ± 11 bpm; p = 0,04) e durante o sono (72 ± 14 vs 65 ± 9 bpm; p = 0,01), bem como reduziu a modulação parassimpática (HF - nu 49,96 ± 11,56 vs 42,10 ± 14,98; p = 0,04) e aumentou a razão de baixa frequência / alta frequência - LF/HF (2,88 ± 3,24 vs 1,31 ± 0,60; p = 0,03) durante o period do sono em comparação com o dia de controle. A aptidão aeróbia foi correlacionada positivamente com os índices LF, HF e HF (nu) (r = 0,61 a 0,73, p <0,05) e negativamente correlacionada com LF (nu) e razão LF / HF (Rho = - 0,57 a - 0,69; p <0,05). O exercício máximo altera a modulação parassimpática durante o sono em mulheres não treinadas. A modulação autonômica cardíaca ambulatorial após o exercício foi correlacionada com a aptidão aeróbia.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e83295
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Desenvolvimento de novas equações ajustadas para estimativa da massa
           muscular esquelética estratificada pelo estado nutricional para pacientes
           com artrite reumatóide: um estudo metodológico

    • Authors: Rafaela Cavalheiro do Espírito Santo, Lidiane Isabel Filippin, Priscila Schimidt Lora, Ricardo Machado Xavier
      Abstract: Nosso objetivo foi ajustar e validar equações preditivas para massa muscular esquelética apendicular (ASM) em pacientes com Artrite Reumatoide (AR). Dados de DXA de corpo inteiro em 90 pacientes com AR foram usados ​​para medição de ASM (kg). A equação de predição antropométrica de massa muscular proposta por Lee et al foi utilizada para gerar estimativas de ASM. Índice de massa muscular esquelética apendicular (ASMI, kg / m2) foi calculada. Análise de frequência, Teste t de Student pareado, Regressão linear, Correlação de Pearson, Coeficientes de correlação intraclasse e Dispersão de Bland-Altman foram realizados. A significância estatística considerada foi p<0,05. A equação de Lee superestimou em 30% quando comparada com a ASMI da DXA. Quando estratificada por estado nutricional, a equação de Lee superestimou o ASMI em 30% em pacientes com sobrepeso e em 50% em pacientes obesos em comparação com DXA (p<0,05). Esses valores estimados de equações ajustadas para ASMI foram mais próximos daqueles obtidos por DXA do que aqueles estimados pela equação de Lee original (p<0,05). Essa maior concordância foi confirmada pelos coeficientes de correlação interclasses observados e pelos gráficos de dispersão de Bland-Altman. Em conclusão, a predição da massa muscular em pacientes com AR pode ser realizada com equações que consideram o estado nutricional dos pacientes.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e78122
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Melhorias na fadiga e na depressão em sobreviventes de câncer de mama
           praticantes de treinamento de força

    • Authors: Sandro Nobre Chaves, Filipe Dinato de Lima, Brenda Búrtuli Perondi, Jaqueline Vieira, Julia de Morais Elias, Leonardo Amorim Ribeiro, Achilles Khaluf Soares Silva, Sacha Clael, Ricardo Jacó de Oliveira
      Abstract: Devido à alta incidência de câncer de mama em todo o mundo, é importante pesquisar e entender os efeitos fisiológicos e psicológicos dessa doença, como fadiga, depressão e capacidade de realizar tarefas da vida diária e como elas se modificam com a atividade física. O objetivo deste estudo foi analisar os efeitos do treinamento de força na fadiga física (IMF-20), depressão (questionário de Beck), força de preensão manual e desempenho funcional (timed up and go). A amostra foi composta por 17 mulheres sobreviventes de câncer de mama, das quais 8 voluntárias eram praticantes de treinamento de força há pelo menos 6 meses (P) e 9 voluntárias eram não-praticantes (NP). O teste T identificou diferenças significativas (p> 0,05) entre os grupos sobre fadiga (P = 7,37 ± 1,76; NP= 10,77 ± 3,41; p = 0,02) e sobre depressão (P= 8,75 ± 5,20; NP= 14,55 ± 4,21). Não houve diferença significativa entre os grupos em força de preensão manual e desempenho funcional.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e73039
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • A influência do polimorfismo R577X do gene ACTN3 na responsividade à
           melhora de desempenho de salto pós-ativação em indivíduos jovens
           destreinados

    • Authors: Guilherme Beneduzzi Mantovani, Renan Vieira Barreto, Victor Alvino de Souza, Carlos Roberto Bueno Júnior, Claudio de Oliveira Assumpção, Camila Coelho Greco, Benedito Sérgio Denadai, Leonardo Coelho Rabello de Lima
      Abstract: Tivemos como objetivo investigar a influência do polimorfismo do gene ACTN3 na responsividade à potencialização do desempenho de salto com contra movimento (CMJ) pós-ativação (PAPE). Dezesseis homens destreinados foram divididos em dois grupos: homozigotos para os alelos X (XX, n = 9) ou R (RR, n = 7). A altura de CMJ, a potência média e a força vertical aplicada durante o salto pelos participantes foram determinadas duas vezes (CMJ1 e CMJ2) em duas condições: controle (CON) e potencializado (PAPE). Na condição CON, os CMJ foram realizados antes e depois de um período de 15 minutos de repouso. Na condição PAPE, os CMJ foram realizados 15 minutos antes e 4 minutos após a realização de cinco agachamentos com carga de cinco repetições máximas (5RM). As diferentes condições foram realizadas em dias separados e em ordem randomizada. ANOVAs fatoriais de três caminhos foram utilizadas para comparar diferenças entre condições, tempos e grupos. O tamanho do efeito foi calculado pelo d de Cohen. Os tamanhos do efeito para alterações na altura de CMJ para os grupos CON e PAPE foram 0.04 e 0.08, respectivamente. Não houve diferenças significantes entre os grupos XX e RR na altura de salto em condição basal (1.07 ± 2.54 cm e -0.82 ± 2.56 cm, respectivamente). Não houve diferenças significativas na responsividade à PAPE entre os grupos (XX = -0.20 ± 1.6 cm e RR = -0.81 ± 2.7 cm). O polimorfismo do gene ACTN3 parece não ser influenciar isoladamente a responsividade à PAPE.
      PubDate: 2021-12-09
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e77035
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Prevalência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes
           brasileiros: uma revisão sistemática

    • Authors: Andreia Pelegrini, Mateus Augusto Bim, Fernanda Ulsula de Souza, Karoline Sisnandes da Silva Kilim, André de Araújo Pinto
      Abstract: É importante conhecer a situação de sobrepeso e obesidade de crianças e adolescentes brasileiros. O presente estudo teve como objetivo atualizar a produção científica, por meio de uma revisão sistemática, sobre a prevalência e os fatores associados ao sobrepeso e à obesidade em crianças e adolescentes brasileiros. Nove bases de dados foram verificadas e 1.316 referências foram examinadas de 2018 a 2019. A busca eletrônica foi realizada por três pesquisadores independentes. Todas as etapas de revisão seguiram uma estratégia baseada no PRISMA. 40 estudos foram incluídos nesta revisão sistemática. A maioria dos estudos usou os critérios de classificação da Organização Mundial da Saúde. A prevalência de excesso de peso em crianças e adolescentes brasileiros variou de 8,8% a 22,2% (meninos: 6,2% a 21%; meninas: 6,9% a 27,6%). A prevalência de obesidade variou de 3,8% a 24% (meninos: 2,4% a 28,9%; meninas: 1,6% a 19,4%). Observou-se que os fatores socioeconômicos (sexo, cor da pele, nível econômico, região, escolaridade da mãe, morar em casa alugada e sem acesso à internet), hereditários/genéticos (histórico familiar de dislipidemia e excesso de peso e genótipo rs9939609) e comportamentais (atividade física, tempo de tela, hábitos alimentares, peso corporal percebido, vulnerabilidade à saúde, presença de resultado próximo a casa, bebida alcoólica, consumo de cigarro) estiveram associados ao desfecho. Conclui-se que as prevalências de sobrepeso e obesidade entre crianças e adolescentes brasileiros são preocupantes e a maioria dos fatores associados aos desfechos está sujeita a mudanças a partir da adoção de um estilo de vida saudável.
      PubDate: 2021-12-08
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e80352
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Prevalência de crianças e adolescentes brasileiros que atenderam aos
           critérios de saúde para aptidão aeróbia: atualização de revisão
           sistemática para o Projeto Report Card Brasil

    • Authors: Priscila Custódio Martins, Carlos Alencar Souza Alves Junior, Tiago Rodrigues de Lima, Andressa Ferreira da Silva, Mikael Seabra Moraes, Suellem Zanlorenci, João Antônio Chula de Castro, Diego Augusto Santos Silva
      Abstract: O objetivo do estudo foi realizar uma atualização das evidências brasileiras sobre a prevalência de crianças e adolescentes que atenderam aos critérios de saúde para aptidão aeróbia. Essa revisão sistemática integra o Projeto Report Card Brasil e a busca foi restrita aos estudos publicados durante o período de Janeiro de 2018 a Dezembro de 2019 em nove bases de dados eletrônicas. Estudos com diferentes delineamentos, os quais permitiram extrair informações acerca da prevalência de crianças e adolescentes que atenderam aos critérios de saúde para a aptidão aeróbia (idade até 19 anos ou com média de idade até 19 anos) foram incluídos. Estudos publicados a partir de 2020 não foram incluídos por conta do possível efeito da pandemia nesse indicador e por não haver uma certeza de quando finalizará a pandemia. Do total de 694 estudos inicialmente identificados, 13 estudos com informações de 14.673 crianças e adolescentes foram incluídos após a leitura de títulos, resumo, textos completos e referências. A prevalência de crianças e adolescentes que atenderam aos critérios de saúde para aptidão aeróbia foi de 26.9% (29,7% para as meninas; 44,6% para os meninos). Nessa busca, oito pontos de corte distintos para determinar níveis adequados de aptidão aeróbia foram utilizados, bem como cinco testes foram empregados para se determinar a aptidão aeróbia. Analisando-se os dados da presente revisão com a revisão sistemática anterior desse projeto, um terço das crianças e adolescentes do Brasil atendem aos critérios de saúde para aptidão aeróbia.
      PubDate: 2021-12-08
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e78858
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Revisão sistemática do transporte ativo para a escola em jovens -
           atualização do Report Card do Brasil

    • Authors: Eduardo Rossato de Victo, Tatiane Kosimenko Ferrari Figueiredo , Dirceu Solé, André Oliveira Werneck , Danilo Rodrigues da Silva, Gerson Ferrari
      Abstract: O objetivo deste estudo foi atualizar uma revisão sistemática sobre o uso de transporte ativo para a escola em crianças e adolescentes brasileiros. Todos os estudos foram extraídos da LILACS; BIREME; SCIELO e MEDLINE. A busca foi realizada em manuscritos publicados no período de 2018-2019. Os descritores foram utilizados em português, inglês e espanhol. No geral, 8 manuscritos foram incluídos nesta revisão sistemática, com 1 apresentando dados de três períodos (2009, 2012 e 2015). Os dados do estudo foram obtidos no período de 2009 a 2015 e a faixa etária encontrada entre 7 a 19 anos. Dos artigos selecionados, 2 apresentaram dados nacionais, 1 do Norte, 2 do Nordeste, 1 do Sudeste e 2 do Sul do Brasil. O uso de transporte ativo foi superior ao transporte passivo em 6 ocasiões e seu uso foi comum em meninos do que em meninas (4 de 6 artigos). O uso de transporte ativo ainda é mais comum do que o passivo na maioria das regiões brasileiras, embora algumas cidades tenham o oposto. Os resultados sugerem que a prevalência de transporte ativo é maior em meninos do que em meninas. Políticas públicas devem ser criadas para favorecer o uso do transporte ativo entre os jovens brasileiros.
      PubDate: 2021-12-08
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e81169
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Report Card Brasil: revisão sistemática sobre avaliação da força
           muscular em crianças e adolescentes no Brasil

    • Authors: Tiago Rodrigues de Lima, Priscila Custódio Martins, Carlos Alencar Souza Alves Junior, Mikael Seabra Moraes, Suellem Zanlorenci, Leandro Lima Borges, João Antônio Chula de Castro, Diego Augusto Santos Silva
      Abstract: O estudo teve como objetivo identificar e sumarizar evidências referentes à avaliação dos níveis de força muscular (FM) em crianças e adolescentes escolares (≤ 19 anos) no Brasil, com o intuito de atualizar as evidências publicadas anteriormente pelo projeto Report Card Brazil. A busca sistemática das informações foi conduzida em sete bases de dados, restrita aos estudos publicados durante o período de Janeiro de 2018 a Dezembro de 2019. Treze estudos foram incluídos, o que reuniu informações de 10.135 crianças e adolescentes de sete estados brasileiros. Diferentes testes/protocolos para avaliar a FM foram identificados, contudo, a força de preensão manual foi o teste mais empregado pelos estudos (53,8%). A prevalência de crianças e adolescentes que apresentavam níveis de FM considerados saudáveis foi de 29,8% considerando a totalidade de informações, e 27,6% para os meninos e 31,8% para as meninas. Considerando a totalidade de dados revisados pelo projeto Report Card Brazil (informações analisadas neste estudo em adição aos anteriormente publicados), o corpo de informações referente a avaliação dos níveis de FM em crianças e adolescentes no Brasil foram advindas de pesquisas conduzidas durante o período de 2010 a 2019, o que reuniu amostra de 15.208 crianças e adolescentes (sete a 19 anos). De acordo com estas informações, a prevalência de crianças e adolescentes que apresentavam níveis de FM considerados saudáveis nesse período foi de 57,8%, sendo que no sexo masculino foi de 61,1% e no sexo feminino de 58,8%.
      PubDate: 2021-12-08
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e80292
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Nível de atividade física em jovens escolarizados com excesso de peso:
           uma revisão sistemática

    • Authors: Micael Deivison de Jesus Alves, Josivan Rosa dos Santos, Devisson dos Santos Silva, Ricardo Aurélio Carvalho Sampaio, Michele Caroline de Souza Ribas, Roberto Jeronimo dos Santos Silva
      Abstract: O objetivo desta revisão sistemática foi identificar a associação entre excesso de peso, obesidade e nível de atividade física em crianças e adolescentes brasileiros, no ambiente escolar. A busca eletrônica foi realizada nas principais bases de dados de referência (PubMed, LILACS, SciELO, SPORTDiscus, Web of Science, ERIC). A pesquisas nas bases resultaram em 3265 títulos potencialmente relevantes (2775 títulos após análise duplicada); 21 estudos preencheram todos os critérios de inclusão e foram analisados. Os estudos foram realizados entre 2007 e 2019, 47,6 % deles foram realizados no sul do Brasil, e apenas uma pesquisa foi realizada a nível nacional. Foi identificado prevalências de 5,4% a 21% para sobrepeso, 3,5% a 16,9% para obesidade e 11,8% a 40,1% para excesso de peso (obesidade + sobrepeso). De acordo com os resultados, 64,3% dos jovens com sobrepeso, 69,8% dos obesos e 37,7% daqueles com excesso de peso foram considerados insuficientemente ativos. A não padronização dos instrumentos para avaliar os níveis de atividade física e a pouca representatividade de outras regiões brasileiras foram classificadas como lacunas importantes. Os resultados reforçam o aumento da prevalência de excesso de peso em crianças e adolescentes no Brasil, e a alta prevalência de inatividade física entre estes jovens. A cada dez jovens acima do peso, seis são insuficientemente ativos.
      PubDate: 2021-12-08
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e82375
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Melhora da autoestima após intervenção do método Pilates solo em
           mulheres com câncer de mama em tratamento de hormonioterapia: ensaio
           clínico randomizado estudo piloto

    • Authors: Tatiana de Bem Fretta, Leonessa Boing, Francine Stein, Larissa dos Santos, Adriana Coutinho de Azevedo Guimarães
      Abstract: O objetivo deste ensaio clínico randomizado foi analisar o efeito de 16 semanas de intervenção do método Pilates na autoestima e sintomas depressivos em mulheres com câncer de mama em terapia hormonal. Trinta e quatro mulheres foram randomizadas no grupo Pilates (PG) (n = 18) e no grupo controle (GC) (n = 16). A intervenção ocorre por 16 semanas, com 3x por semana, durante 60 minutos cada sessão (intensidade leve a intenso de acordo com a escala de BORG). O GC recebeu atividades educativas em forma de palestras e foi convidado a manter suas atividades de rotina. A coleta de dados ocorreu na linha de base e pós-intervenção. Foi aplicado um questionário incluindo a Escala de Autoestima e o Inventário de Depressão de Beck. Anova Two way, com medidas repetidas e teste de comparação de Sydak, foi utilizado para analisar os efeitos nas variáveis ​​após as 16 semanas de intervenção. Dois tipos de análise foram realizados após a intervenção, na análise por intenção de tratar PG (n=18) a variável autoestima apresentou resultado significativo (p=0.011) e na análise por protocolo PG (n=11) (p=0.013). Os sintomas depressivos não demonstraram melhora significativas após a intervenção. O grupo controle não apresentou alterações significativas durante o período do estudo. As 16 semanas de PG foram uma intervenção eficaz para melhorar a autoestima de mulheres com câncer de mama em terapia hormonal.
      PubDate: 2021-12-08
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e76311
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Efeitos agudos de uma atividade de caminhada na pressão plantar de
           crianças com obesidade

    • Authors: Flavius Augusto Pinto Cunha, Rodrigo Jerônimo Santos, Paula Ribeiro Mesquita, Ana Cristina de David
      Abstract: Crianças com obesidade apresentam maiores cargas plantares durante o caminhar quando comparadas às eutróficas. No entanto, ainda não se conhece os efeitos agudos de uma atividade moderada de caminhar sobre a distribuição da pressão plantar em crianças com excesso de massa corporal. Nosso objetivo foi verificar o efeito agudo do teste de 6 minutos na pressão plantar de crianças obesas e eutróficas. Uma plataforma de pressão foi utilizada para registro da pressão plantar durante o andar de 62 crianças (37 meninas), com idade entre 7 e 10 anos, antes e após o teste de caminhada de seis minutos. As crianças foram divididas em um grupo com obesidade - OB (n = 20) e um grupo eutrófico - EU (n = 42). Pico de pressão plantar (PPP), força máxima (FM), área de contato (AC) foram avaliados em três tentativas durante o andar em velocidade confortável. A análise foi realizada em cinco regiões plantares: retro pé, médio pé, ante pé, hálux e dedos. O PPP foi maior sob a região do médio pé no grupo OB após a caminhada. Na comparação entre os grupos, PPP, FM e AC foram maiores para o grupo OB para a maioria das regiões. Concluímos que, após uma atividade de caminhada moderada, crianças com obesidade sofrem um aumento das cargas plantares, especialmente no médio pé, o que pode trazer maior desconforto e risco de lesões.
      PubDate: 2021-12-08
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e78684
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Obesidade e redução da atividade física diária de crianças e
           adolescentes: um estudo longitudinal

    • Authors: Gilmar Mercês de Jesus, Lizziane Andrade Dias, Anna Karolina Cerqueira Barros, Lara Daniele Matos dos Santos Araujo, Emil Kupek, Maria Alice Altenburg de Assis
      Abstract: O estudo analisou o efeito da obesidade na atividade física diária (AFD) e nas atividades físicas leves (AFL), moderadas (AFM) e vigorosas (AFV). Trata-se de um estudo longitudinal com seguimento de um ano. Participaram 462 estudantes de escola pública (53,6% meninos; 7-12 anos de idade). Atividades físicas foram relatadas no questionário Consumo Alimentar e Atividade Física de Escolares (Web-CAAFE). Obesidade foi avaliada pelo escore z do Índice de Massa Corporal (IMC-para idade ≥+2). Obesidade ocorreu, na média, em 16,5% dos participantes, mas não influenciou as AFL, AFM ou AFD. Porém, reduziu em 20% as AFV (β²=0,80; IC95%: 0,66-0,98). Maiores reduções ocorreram em meninas com obesidade comparadas a meninos sem obesidade (Diferença Média = -0,97; IC95%: -1,36 a -0,57) e em meninas sem obesidade comparadas a meninos sem obesidade (Diferença Média = -1,18; IC95%: -1,40 a -0,95) e com obesidade (Diferença Média = -0,58; IC95%: -0,90 a -0,24). AFV declinou mais em meninos com obesidade comparados aos congêneres sem obesidade (Diferença Média = -0,61; IC95%: -0,96 a -0,26). Quando apreciada a interação entre obesidade, sexo e idade, meninas com obesidade com 10 anos ou mais só não exibiram maior redução na AFV, quando comparadas às congêneres sem obesidade na mesma faixa etária (Diferença Média: -0,181; IC95%: -0,48 a 0,12). A frequência diária de AFV cresceu com o aumento dos comportamentos sedentários. Obesidade reduziu a AFV na amostra, sobretudo entre meninas com 10 anos ou mais.
      PubDate: 2021-12-08
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e78251
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Desenvolvimento psicossocial e saúde mental em jovens atletas: examinando
           os efeitos da idade, tipo de esporte e nível de experiência

    • Authors: Michel Milistetd, Martin Camire, Vitor Ciampolini, Ricardo Teixeira Quinaud , Juarez Vieira do Nascimento
      Abstract: A atividade física por meio do esporte organizado tem sido posicionada como uma ferramenta potencial não apenas para prevenir o acometimento de doenças crônico degenerativas, mas também para promover uma sociedade mais saudável. Contudo, ainda existe uma lacuna científica acerca da relação entre a participação no esporte competitivo no contexto de clubes e a promoção do desenvolvimento psicossocial e a saúde mental de jovens atletas. Assim, este estudo buscou analisar os efeitos da idade, tipo de esporte e nível de experiência no desenvolvimento psicossocial e na saúde mental de jovens atletas de um clube brasileiro. Os participantes foram 220 atletas adolescentes do sexo masculino (Média = 14,09 anos; DP = 2,21) de esportes individuais e coletivos. Os instrumentos incluíram o Questionário de Experiência Esportiva em Jovens - Português (P-YES-S) e o Contínuo de Saúde Mental - Short Form – Português (P-MHC-SF). Análises de correlação e regressão linear multinível foram realizadas. Os resultados indicaram uma correlação moderada entre os dois questionários. Para o P-YES-S, as estimativas do efeito do modelo mostraram variação para a idade na dimensão Habilidades Pessoais e Sociais e variações para o nível de experiência nas dimensões Habilidades Cognitivas e Experiências Negativas. Para o P-MHC-SF, as estimativas do efeito do modelo mostraram variação para a idade na dimensão Bem-estar Emocional e variação para o tipo de esporte nas dimensões Bem-Estar Social e Bem-Estar Psicológico. Mais pesquisas são necessárias para continuar examinando como as características da participação no esporte estão relacionadas ao desenvolvimento psicossocial e à saúde mental.
      PubDate: 2021-12-08
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e78769
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Prevalência e correlatos do excesso de peso corporal em estudantes
           universitários

    • Authors: Dartagnan Pinto Guedes, André Luís dos Santos Silva
      Abstract: O objetivo do estudo foi identificar a prevalência do excesso de peso corporal em estudantes universitários de um estado representativo da região sul do Brasil e estabelecer associações com correlatos demográficos, do ambiente universitário e de condutas de saúde. Amostra aleatória de 5310 estudantes universitários respondeu questionário online com dados demográficos, do ambiente universitário e de oito condutas de saúde. O excesso de peso corporal foi identificado mediante o índice de massa corporal (IMC ≥ 25 Kg/m2). Os dados foram tratados através de análise bivariada e regressão múltipla hierarquizada. Prevalência global de exposição ao excesso de peso corporal foi equivalente a 39,1% [35,7–42,6], com taxas significativamente diferentes entre sexo, idade e situação conjugal. Da mesma forma, tipo de habitação e ano de estudo apresentaram associações significativas com o excesso de peso corporal. Entre os indicadores de conduta de saúde, com controle de todas as demais variáveis envolvidas no modelo, sintomas de depressão (p = 0,031), estresse elevado (p = 0,045), duração de sono < 6 horas/noite (p < 0,001), atividade física moderada-vigorosa < 150 min/semana (p = 0,022) e consumo de frutas/hortaliças < 5 porções/dias (p < 0,001) mostraram-se independentemente associados ao desfecho. Contudo, tabagismo, consumo nocivo de álcool e uso indevido de medicamentos controlados não permaneceram no modelo multivariado ajustado. Concluindo, os achados enfatizam a importância de propor e implementar ações de intervenção preventivas multifacetadas a fim de prevenir agravos relacionados ao excesso de peso corporal, uma vez identificada associações significativas com fatores modificáveis.
      PubDate: 2021-12-08
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e78433
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • A variabilidade da frequência cardíaca está relacionada ao desempenho
           de resistência em jogadoras de futsal'

    • Authors: Julio Cesar Barbosa de Lima Pinto, Radamés Maciel Vitor Medeiros, Arnaldo Luis Mortatti, Fábio Yuzo Nakamura, Leonardo de Sousa Fortes, Daniel Gomes da Silva Machado, André Igor Fonteles
      Abstract: O objetivo do estudo foi verificar a correlação entre a variabilidade da frequência cardíaca de repouso (VFCRepouso) e o desempenho de resistência em jogadoras de futsal, bem como avaliar a confiabilidade do marcador parassimpático. No total, 16 jogadoras de futsal (idade: 22 ± 3 anos; VO2max: 42.3 ± 2.0 ml.kg-1.min-1) foram avaliadas durante a primeira semana de treinamento da pré-temporada. A modulação vagal foi avaliada a partir da VFC de repouso (isto é, raiz quadrada da média das diferenças sucessivas ao quadrado dos intervalos R-R adjacentes - Ln-RMSSD) por dois dias consecutivos, enquanto o desempenho da resistência foi avaliado pelo Yo-Yo Intermittent Recovery Test, Level 1 (Yo-Yo IR1). A correlação de Pearson foi utilizada para analisar a relação entre as variáveis. A confiabilidade foi testada através do coeficiente de correlação intraclasse, coeficiente de variação e análise de concordância de Bland-Altman. Observou-se uma forte correlação entre o índice de VFCrepouso e o desempenho de endurance (r = 0,643; p = 0,007). Por outro lado, repetibilidade aceitável dos índices de repouso vagal, mas com grande variabilidade interindividual (ICC = 0,670, IC = 0,056-0,885, CV = 15,8%). O presente estudo apresentou forte correlação entre Ln-RMSSD e desempenho de endurance, e mesmo com valores aceitáveis de confiabilidade intrasujeito, a VFC em repouso apresentou alta variabilidade interindividual em jogadoras de futsal.
      PubDate: 2021-12-08
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e73799
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Jogos Reduzidos como Hólons no Futebol: uma abordagem sistêmica
           hierárquica

    • Authors: Marcos Antônio Mattos dos Reis, Umberto César Corrêa
      Abstract: A ciência do esporte traz benefícios na utilização de jogos reduzidos nos processos de ensino-aprendizagem e treinamento do futebol. Nós propomos que tais benefícios ocorrem porque os jogos reduzidos são hólons de um sistema organizado hierarquicamente que mantém as características do jogo, apesar da complexidade reduzida. O modelo hierárquico do jogo de futebol considera as interações de cooperação e oposição entre os jogadores em um espaço específico de jogo. O modelo é caracterizado como uma hierarquia aninhada porque leva em consideração as diferentes partes e processos do jogo. O modelo possui cinco níveis hierárquicos, em que no nível superior se encontra o jogo de futebol como todo e no nível elementar se encontram situações de jogo, que caracterizam os jogos reduzidos enquanto intervenção. Como qualquer sistema aberto organizado hierarquicamente, os jogos reduzidos apresentam simultaneamente as características invariáveis ​​do todo e as especificidades das partes de acordo com o contexto e nível de análise. A adoção dessa perspectiva hierárquica permite definir objetivos, bem como selecionar conteúdos no ensino-aprendizagem e treinamento do futebol em diferentes níveis de análise, mantendo a autonomia-dependência de cada um.
      PubDate: 2021-12-08
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e74081
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Boas práticas higiênico-sanitárias na rotina antropométrica na (pós-)
           pandemia da COVID-19

    • Authors: Vladimir Schuindt da Silva, Israel Souza, Paulo Lague Sehl
      Abstract: A pandemia da COVID-19 afetou diversas atividades humanas, tais como práticas de medições antropométricas, desde o campo clínico e de pesquisa até o campo do ensino. Dada a falta de vacinas e/ou medicamentos eficazes contra a COVID-19, a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendou medidas de prevenção e enfrentamento da doença. Essas recomendações foram posteriormente endossadas pela Sociedade Internacional para o Avanço da Cineantropometria/ International Society for the Advancement of Kinanthropometry (ISAK), com adaptações às rotinas antropométricas, que complementamos para aplicação abrangente nos diversos segmentos de atuação da Antropometria. Este ponto de vista visa enfatizar e contribuir às considerações de segurança das rotinas antropométricas em um mundo pós-COVID-19. Entende-se aqui que o protocolo de biossegurança apresentado neste ponto de vista para retorno e continuidade das atividades antropométricas, no mundo inteiro, independentemente da formação/ capacitação/ atuação profissional, no que diz respeito à vida e às comunidades, também pode ter aplicação recorrente no combate a outros patógenos respiratórios semelhante para se transformarem em pandemias no futuro. Sugere-se o desenvolvimento de vídeos demonstrativos das recomendações deste ponto de vista para reforçar as boas práticas higiênico-sanitárias a serem adotadas pelos profissionais da antropometria na realização das medições do corpo humano.
      PubDate: 2021-12-08
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e77625
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Associação entre a obesidade e o comportamento sedentário
           em adultos

    • Authors: Bárbara de Barros Gonze, Thatiane Lopes Valentim di Pachoale Ostolin, Evandro Fornias Sperandio, Rodolfo Leite Arantes, Antônio Ricardo de Toledo Gagliardi, Marcello Romiti, Victor Zuniga Dourado
      Abstract: Embora o comportamento sedentário (CS) esteja relacionado ao desenvolvimento de doenças metabólicas, ainda não há consenso na literatura sobre a associação entre o CS avaliado diretamente por acelerometria e a obesidade, especialmente quando essa relação é ajustada por fatores de risco cardiovascular e nível de atividade física. Objetivou-se avaliar a associação entre CS e obesidade ajustada por potenciais confundidores em adultos. Foram analisados ​​os dados de 780 participantes do Estudo Epidemiológico sobre o Movimento Humano (EPIMOV). Dados relativos à massa corporal, índice de massa corporal (IMC) e porcentagem de gordura corporal (%GC) (bioimpedância elétrica) foram obtidos e, então, utilizados para estratificar os participantes. O CS foi medido objetivamente por meio de acelerômetros triaxiais colocados sob o quadril dominante durante as horas de vigília por, pelo menos, quatro dias consecutivos (4-7 dias). O CS e seu padrão não foram significativamente diferentes entre os grupos de obesidade. Embora o CS tenha apresentado algumas correlações significativas com a obesidade, o coeficiente de correlação e determinação indicou uma fraca associação entre o CS e a obesidade (por exemplo, IMC e %GC). A obesidade apresentou pouca ou nenhuma associação com o CS e seu padrão após o ajuste para potenciais fatores de confusão, principalmente quando avaliado com acelerômetro.
      PubDate: 2021-03-10
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e75420
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • A flexibilidade funcional em idosos sedentários institucionalizados

    • Authors: Michelle Matos Duarte, Vicente Martínez de Haro, Ismael Sanz Arribas, Luis A. Berlanga
      Abstract: O envelhecimento implica uma deterioração das funções fisiológicas, podendo diminuir a capacidade funcional. O exercício físico poderia minimizar esses efeitos deletérios, por isso é necessário conhecer a condição física dos idosos. O objetivo deste estudo é verificar a evolução da amplitude de movimento em idosos institucionalizados e sedentários. A amostra foi composta por 19 voluntários, com idades entre 65 e 95 anos, que concluíram os testes Chair Sit and Reach (CSR) e Back Scratch (BS) para medir a flexibilidade dos membros inferiores e superiores, respectivamente; antes e depois de um período de 12 semanas sem intervenção. Os resultados mostraram uma diminuição significativa durante o período de controle (BS, p=0.004; RSE, p=0.001). Esses achados confirmam que a inatividade física pode implicar uma perda significativa de flexibilidade dos idosos institucionalizados, indicando uma diminuição nas propriedades elásticas do tecido musculoesquelético e dos tecidos conjuntivos nas articulações. Portanto, a participação de idosos institucionalizados no exercício físico orientado e adequadamente prescrito deve ser contínua e regular.
      PubDate: 2021-03-10
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e73816
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Efeito do sistema visual e atividade física na distribuição da pressão
           plantar em mulheres adultas e idosas

    • Authors: Hadassa Costa Sousa, Martina Estevam Brom Vieira, Mariana Ferreira Moreira, Juliane Leite Orcino, Darlan Martins Ribeiro, Guilherme Augusto Santos Bueno, Thiago Vilela Lemos, Cibelle Kayene Martins Roberto Formiga, Flávia Martins Gervásio
      Abstract: O processo de envelhecimento acarreta alterações nas condições físico-funcionais e na estrutura e função do pé. O objetivo do estudo foi analisar a variação da pressão plantar quanto a informação visual e atividade física em mulheres adultas e idosas. Estudo transversal, com uma amostra de 142 mulheres (média de idade de 67,8 anos). As mulheres responderam ao questionário de anamnese, Mini Exame do Estado Mental (MEEM) e o Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ). O exame da pressão plantar foi realizado pela baropodometria computadorizada. A distribuição da pressão plantar foi observada na posição semitandem com o pé direito na frente e com o pé esquerdo à frente. O tipo de pé não teve relação com a variação da pressão plantar, idade (p = 0,37 pé direito e p = 0,93 pé esquerdo) ou atividade física (p = 0,28 pé direito e p = 0,96 pé esquerdo). A variação da pressão plantar também não mostrou relação significativa com idade (R2 = 0,2 e p = 0,6). Conclui-se que a variação da pressão plantar não está associada com o tipo morfológico do pé das mulheres analisadas, pois a condição visual não gerou variação da pressão plantar quando comparada ao seu efeito na classificação dos arcos plantares. O nível de atividade física não apresentou relação na variação da pressão plantar.
      PubDate: 2021-03-10
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e73290
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • A regra tática e o formato do campo mudam o desempenho físico e técnico
           de jovens jogadores de futebol durante jogos reduzidos

    • Authors: José Francisco de Sousa Neto Segundo, Jefferson Pitz Vieira, Arthur Pereira Ventura, João Vitor Wan-zuit, Guilherme Souza Pereira, Pedro Henrique Cangiani Sanches, Anderson Santiago Teixeira, Juliano Fernandes da Silva
      Abstract: O estudo examinou os efeitos de diferentes jogos reduzidos e condicionados (JRC): manipulando as regras táticas (posse de bola (BP) vs. marcar gols com goleiro (GS)) e o formato do campo (quadrado vs. retangular) sobre o desempenho físico e técnico em jovens jogadores de futebol. Dez jogadores do sexo masculino (idade: 12,45 ± 0,51 anos; massa corporal: 41,99 ± 7,97 kg; altura: 152,85 ± 10,3 cm) foram monitorados através do sistema de posicionamento global e os JRC gravados em vídeo. A distância percorrida em diferentes intensidades e o número de ações técnicas para os 4 diferentes JRC foram usadas para análise. O efeito dos JRC sobre o desempenho no teste de sprints de 30 m e altura do salto vertical também foram analisadas. Os JRC para GS provocaram distâncias significativamente menores em corrida de baixa intensidade (p=0.003; d=-0.95) e mais sprints (p=0.050; d=0.67) e maiores distâncias caminhando (p=0.035; d=2.60) e em sprint (p=0.029; d=0.75) comparado ao BP; (ii) o número de passes (curtos [p=0.002; d=1.10] e longos [p=0.013; d=0.82]) é maior nos JRC de BP que GS. O formato retangular permite maior ocorrência de passes longos que o modelo quadrado (p=0.036; d=0.64); (iii) o desempenho de salto vertical e velocidade não mudou (p>0.05) após os JRC. Concluindo, ações envolvendo sprints em número e distância são maiores no JRC com GS comparado ao BP, enquanto que JRC de BP favorecem o desenvolvimento do passe. Por fim, o campo retangular com BP estimula a realização de passes mais longos em jovens jogadores.
      PubDate: 2021-03-10
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e70479
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Confiabilidade na avaliação de juízes internacionais e nacionais em uma
           rotina de nado artístico

    • Authors: Katia Regina Ponciano, Meico Fugita, Cláudia Borim da Silva, Roberta Luksevivius Rica, Ana Carolina Gomes, Cássio de Miranda Meira Júnior, Danilo Sales Bocalini
      Abstract: Nado artístico (NA) é um esporte avaliado por quinze juízes em provas de rotinas. A meta dos atletas é a realização de padrões motores proficientes de acordo com critérios pré-estabelecidos. O presente estudo analisou se havia diferença entre os dois grupos de juízes de NA com diferentes níveis de experiência. O grupo da Federação Internacional de Natação - FINA (GI) avalia a nível nacional e internacional e o grupo não FINA (GN) avalia apenas a nível nacional. Participaram 20 juízes experientes separados em grupos, 10 juízes GI e 10 juízes GN. Assim, os juízes avaliaram o item execução de três rotinas com cinco elementos obrigatórios. O coeficiente alfa de Cronbach apresentou elevada consistência interna no GI (a= 0,85 em T1 e 0,83 em T2). No GN observou-se consistência interna em T1 e baixa em T2 (a = 0,82 em T1 e 0,39 em T2). A análise de avaliação entre GI e GN, foi significativa (p˃0,0330) e análise de confiabilidade (viés: -0,1266 de limite de concordância 95%: -1,642 a 1,388) mostrando consistência e alto grau de confiança nos resultados. Os achados sugerem que o item execução dos elementos requeridos apresentou alta objetividade no que diz respeito aos juízes com diferentes níveis de experiência, GI e GN, independentemente da categorização e do tempo de prática. A FINA alterou o número de juízes e o número de itens que são avaliados nas provas de rotina. Sugere-se que a redução dos itens tenha contribuído para que os juízes se concentrassem mais na avaliação.
      PubDate: 2021-03-10
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e76587
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Índice de adiposidade corporal e fatores associados em trabalhadores
           do setor moveleiro

    • Authors: Renata Aparecida Rodrigues de Oliveira, Paulo Roberto dos Santos Amorim, Braúlio Parma Baião, Pedro Victor Santos Rodrigues de Oliveira, João Carlos Bouzas Marins
      Abstract: A obesidade representa um dos principais fatores de risco cardiovascular. Sendo que esta apresenta uma elevada prevalência entre a população brasileira. O objetivo do estudo foi avaliar o índice de adiposidade corporal (IAC) e os fatores associados em trabalhadores do setor moveleiro. Foi realizado um estudo descritivo com 204 trabalhadores do pólo moveleiro da cidade de Ubá-MG, de ambos os sexos, com idade entre 20 e 70 anos. Avaliou-se o setor de trabalho, classe econômica, nível de atividade física, índice de massa corporal, circunferência de cintura, circunferência abdominal, relação cintura-quadril, pressão arterial sistólica e diastólica, glicemia de jejum, colesterol total, lipoproteína de alta densidade, lipoproteína de baixa densidade e triglicerídeos. A razão de chances (RC) foi utilizada para determinar a força de associação entre as variáveis. Do total de avaliados, 50% apresentaram o IAC elevado, com estes apresentando maiores valores antropométricos, pressóricos, glicemia e triglicerídeos (p<0,05). Pode-se observar que a idade elevada (RC: 2,76; p= 0,002) e o setor de produção (RC: 2,52; p= 0,045) foram significativamente associados a mesma. Quando analisado o IAC segundo a classe econômica e nível de atividade física, foi observado um aumento do IAC com a redução da classe econômica. Conclui-se que foi encontrado um elevado percentual de IAC elevado entre os trabalhadores, com associação deste com a idade, setor de trabalho e classe econômica dos mesmos.
      PubDate: 2021-03-10
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e76348
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Variações das medidas de carga e bem-estar durante um período
           profissional de basquetebol

    • Authors: Mónica Ferreira, Miguel Camões, Ricardo Franco Lima, Rui Silva, Henrique de Oliveira Castro, Bruno Mendes, Pedro Bezerra, Filipe Manuel Clemente
      Abstract: O objetivo deste estudo foi: (1) descrever as variações semanais de carga aguda (CA), razão da carga de trabalho aguda:crônica, dor musuclar tardia (DOT) e fadiga; (ii) analisar as variações da carga semanal de trabalho e bem-estar entre três períodos da temporada (P1, P2 e P3); e (iii) analisar as relações entre carga de trabalho e medidas de bem-estar. Quinze jogadores profissionais de basquetebol de um clube de primeira liga Européia foram monitorados ao longo de uma temporada utilizando a escala CR-10 Borg e o questionário de Hooper. A CA semanal e a razão da carga de trabalho aguda:crônica (RCTAC) foram calculadas semanalmente para monitorar a carga interna. Além disso, os valores de DOT e fadiga foram calculados semanalmente. Maiores valores da CA, DOT e fadiga foram ensontrados durante o início da temporada e o maior valor de RCTAC foi encontrado durante o segundo período. No geral, a CA apresentou grandes correlações com a DOT (r = 0,60) e fadiga (r = 0,62). Os resultados deste estudo indicam que a carga é maior no primeiro período e depois diminui ao longo da temporada. Os resultados também motraram que a CA está mais relacionada com os parâmetros de bem-estar do que a RCTAC.
      PubDate: 2021-03-10
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e75863
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Exercício intervalado durante o treinamento concorrente otimiza as
           adaptações cardiorrespiratórias em mulheres

    • Authors: Rodrigo Ferrari, Cristine Lima Alberton, Stephanie Santana Pinto, Eduardo Lusa Cadore, Ronei Silveira Pinto, Luiz Fernando Martins Kruel
      Abstract: O presente estudo comparou os efeitos do uso de exercício aeróbio contínuo e intervalado durante o treinamento concorrente nas adaptações cardiorrespiratórias de mulheres. Trinta e duas participantes foram randomizadas em três grupos de treinamento: corrida contínua + treinamento resistido (C-RUN, n = 10), corrida intervalada + treinamento resistido (I-RUN, n = 11), e apenas treinamento resistido (RT, n = 11). Cada grupo treinou 2 vezes por semana ao longo de 11 semanas. Foi avaliado o consumo de oxigênio correspondente ao primeiro (VO2VT1) e segundo (VO2VT2) limiar ventilatório, bem como o consumo máximo de oxigênio (VO2max) antes e depois dos treinamentos. Foram encontrados aumentos significativos no VO2VT1, VO2VT2 e VO2max ao final do período de treinamento nos três grupos. Ainda, foi encontrada interação tempo*grupo nas variáveis VO2VT2 e VO2max , sugerindo que a magnitude de alteração foi dependente do tipo de treinamento realizado (VO2VT2: C-Run = 6,6%, I-Run = 15,7%, RT = 1,7%; VO2max: C-Run = 7,2%, I-Run = 14,3%, RT = 2,7%). Da mesma forma, diferentes tamanhos de efeito foram observados ao final do treinamento, de acordo com a intervenção realizada (C-RUN versus RT d = 0,566 para o VO2VT2 e d = 0,442 para o VO2max; I-RUN versus RT d = 0,949 para o VO2VT2 e d = 1,189 para o VO2max). Embora o uso de exercício aeróbio contínuo e intervalado durante o treinamento concorrente tenha sido efetivo em promover adaptações cardiorrespiratórias em mulheres, os ganhos obtidos foram maiores quando o exercício intervalado foi associado ao exercício resistido.
      PubDate: 2021-03-10
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e73867
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Validação de equações antropométricas para a predição da massa
           corporal e estatura de mulheres idosas

    • Authors: Gilberto Moreira Santos Júnior, Amandio Aristides Rihan Geraldes, Dante Wanderley Lima de Oliveira, Piettra Moura Galvão Pereira, Rodrigo B. de Albuquerque
      Abstract: Investigar a validade cruzada de duas equações, largamente utilizadas em pesquisas nacionais, para a predição da massa corporal e estatura em idosos brasileiros. Adicionalmente, será investigado a importância das possíveis diferenças entre o IMC observado e predito com auxílio das equações. As medidas da MC e EST foram mensuradas, com auxílio de balanças mecânicas e estadiômetros portáteis, em amostra de 200 idosas (66.6±5,43 anos) residentes em Maceió/AL - Brasil. Para verificar a validade das equações foram utilizadas as seguintes variáveis: teste t de Student, erro constante (EC), erro total (ET) e o erro padrão de estimativa (EPE). Para verificar a concordância entre os valores reais e preditos utilizou-se o teste Bland-Altman. A comparação entre os valores de MC e EST obtidos através das equações e os verificados na mensuração das medidas, apresentaram diferenças estatisticamente significantes (p<0,05). O EC entre os valores preditos e medidos, os ET das equações testadas, bem como, o EPE para a predição das variáveis: MC (1,66; 0,11 e 6,33), EST (-0,02; 0,02 e 0,10) e IMC (1,47; 0,10 e 3,24) permitiram determinar valores relativos muito próximos dos reais (2,6%, 1,31% e 5,3% para MC, EST e IMC respectivamente), entretanto, não estatisticamente significativos. As equações analisadas não poderiam ser utilizadas de maneira generalizada para a população de idosas brasileiras com características semelhantes às estudadas. Portanto, recomenda-se estudos adicionais desenvolvidos com o objetivo de construir equações específicas, para a população de idosas, hospitalizadas, especialmente as mais frágeis.
      PubDate: 2021-03-10
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e77985
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Relação entre as alterações posturais com variáveis físicas e
           funcionais em escolares de 6 a 12 anos

    • Authors: Dernival Bertoncello, Karina Pereira, Lelles Gabriel Damasceno Queiroz, Eduardo Porcatti Walsh, Angélica Emboaba Salomão, Isabel Aparecida Porcatti Walsh
      Abstract: O objetivo é avaliar a prevalência de alterações posturais e suas relações com o índice de massa corporal (IMC), dor, posturas adotadas em atividades de vida diária (AVDs), prática de atividades físicas, sexo e idade (6 a 12 anos). Caracteriza-se como transversal, quantitativa e descritiva. A amostra de conveniência foi constituída por 840 escolares. Quanto as características dos escolares, 477 (56,79%) eram do sexo feminino, na faixa etária de 6 a 12 anos (Média=8,90±1,71 anos). As avaliações foram realizadas nas dependências das escolas e um questionário foi aplicado para coleta dos dados: sexo, idade, relato de dor, prática de atividades físicas fora da escola e posturas adotadas nas AVDs. Verificou-se a massa corporal, estatura e a avaliação da postura. Alguns escolares (43,21%) relataram não praticar atividade física fora da escola, 544 (64,76%) carregavam corretamente a mochila e 51,9% adotava posturas corretas para estudar e assistir televisão. A dor musculoesquelética foi relatada por 62,73%, sendo os ombros a região mais acometida. O IMC indicou 55,6% com magreza/eutrofia e 44,40% com sobrepeso/obesidade. As alterações posturais foram apresentadas por 97,02% dos escolares e a região com maior número de alterações foi o membro superior. O sexo feminino apresentou maior número de alterações no tronco (p˂0,001), os que não praticavam atividade física (p˂0.02) e também nos membros inferiores para os escolares mais novos (p˂0.02) e do sexo feminino (p˂0.01). Este estudo identificou uma alta prevalência de alterações posturais em escolares.
      PubDate: 2021-03-10
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e55654
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Análise de saque e devolução de saque em em diferentes tipos de quadra
           em jogadores de tênis de elite

    • Authors: Victor Paiva de Faria Melonio, Marcelo Saldanha Aoki, Ademir Felipe Schultz Arruda, Darlan Souza, Caroline Dário Capitani, Alexandre Moreira
      Abstract: O objetivo do presente estudo foi analisar as interações dos jogadores em situações de saque e retorno de saque e examinar como os pontos foram decididos em função do posicionamento em quadra e dos tipos de superfície. Quatorze partidas do torneio ATP 1000 foram analisadas (7 em superfície dura; 7 em superfície de saibro). O tipo de piso não influenciou a forma como os pontos são definidos (χ²=9,26; p > 0,05), mas apresentou efeito sobre o posicionamento vertical na devolução de saque (χ²=270,86; p < 0.001). O posicionamento na devolução de saque, tanto vertical como lateral (no lado de iguais χ² = 92,68; p < 0,001 e no lado da vantagem χ²=78,98; p < 0,001), e o tipo de saque (χ²=45,13; p < 0.001) afetaram a forma como os pontos foram definidos. Os resultados do presente estudo sugerem que os tenistas devem usar, ou pelo menos buscar, estratégias de jogo baseadas na agressividade e consistência do 1º saque. Os resultados também indicam que na devolução do 2º saque os jogadores são mais ofensivos, e que nas superfícies duras os jogadores ficam alguns passos dentro da quadra para devolver o saque, diferentemente das superfícies de saibro. Recomenda-se que devoluções de saque combinem agressividade, por posicionamento dentro da quadra, e acurácia.
      PubDate: 2021-03-10
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e76603
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
  • Métodos de avaliação da arquitetura do músculo vasto lateral usando
           ultrassonografia panorâmica: nova abordagem, confiabilidade teste-reteste
           e erro da medida

    • Authors: André Luiz Conveniente Soares, Fernando dos Santos Nogueira, Paulo Sergio Chagas Gomes
      Abstract: A ultrassonografia panorâmica é uma alternativa válida para determinar as dimensões da musculatura estriada esquelética, entretanto alguns fatores podem influenciar a medida final. Objetivou-se determinar a confiabilidade e o erro da medida das variáveis da arquitetura do músculo vasto lateral através de marcações anatômicas internas, bem como comparar dois métodos de avaliação diferentes através da ultrassonografia panorâmica. Doze homens (idade: 24 ± 6 anos) participaram do estudo. As imagens foram obtidas através da ultrassonografia panorâmica do músculo vasto lateral. Foram realizadas as medidas da espessura muscular (EM), comprimento do fascículo (CF) e ângulo de penação do fascículo (AP) através do método que identifica marcações anatômicas internas. A EM também foi medida através de distâncias predeterminadas de 2 cm proximal, 6 cm proximal e 2 cm distal. A ANOVA de uma via com medidas repetidas não identificou diferença significativa para todas as variáveis mensuradas, o erro típico de medida em centímetros (cm) ou graus (º), o coeficiente de variação em percentual (%) e o coeficiente de correlação intraclasse foram respectivamente: EM = 0,07 cm, 2,93%, 0,964; CF = 0,31 cm, 2,89%, 0,947; AP = 0,92º; 4,08%; 0,942; EM 2 cm proximal = 0,10 cm, 3,77%, 0,910; EM 6 cm proximal = 0,27 cm, 9,66%, 0,576; EM 2 cm distal = 0,35 cm, 19,76%, 0,564. EM, CF e AP apresentaram alta confiabilidade e baixo erro de medida. As marcações anatômicas internas demonstraram ser mais confiáveis e apresentam menores erros de medida quando comparados ao método de distâncias predeterminadas.
      PubDate: 2021-03-10
      DOI: 10.1590/1980-0037.2021v23e76402
      Issue No: Vol. 23 (2021)
       
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
 


Your IP address: 44.192.65.228
 
Home (Search)
API
About JournalTOCs
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-