Journal Cover
Teatro : Criação e Construção de Conhecimento
Number of Followers: 0  

  This is an Open Access Journal Open Access journal
ISSN (Print) 2357-710X
Published by Universidade Federal do Tocantins Homepage  [13 journals]
  • TEMPLATE PARA PUBLICAÇÃO NA REVISTA

    • Authors: Juliano Casimiro Sampaio
      Abstract: Template
      PubDate: 2021-03-22
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • Apresentação do Dossiê - Experiências estéticas, arte e conhecimento
           indígena

    • Authors: Ana Carolina Fialho de Abreu
      Pages: 1 - 11
      Abstract: Apresentação bilíngue do Dossiê (Português e Espanhol)
      PubDate: 2021-03-19
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • SEQUÍA TUSUY, ARTE Y CONOCIMIENTO INDÍGENA

    • Authors: Rodrigo Montoya Rojas, Ana Carolina Fialho de Abreu
      Pages: 12 - 26
      Abstract: Entrevista con el antropólogo Rodrigo Montoya Rojas (Puquio, Lucanas, Ayacucho, Perú, 1943), profesor emérito de la Universidad Nacional Mayor de San Marcos, realizada en julio de 2018 y abril de 2020. La charla, conducida por la investigadora brasileña Ana Carolina Fialho de Abreu, sucedió en Perú, en el contexto de la Sequía Tusuy (Fiesta del Agua), fiesta indígena quechua peruana más antigua, ocurrida en los ayllus de Puquio y después, especialmente para este dossier. Montoya desde su primer libro sobre la predominancia del capitalismo en Perú (1971) ha consagrado su atención a tratar de entender la problemática cultural del país, particularmente la cultura quechua desde dentro y en sus articulaciones y contradicciones con la cultura ocidental criolla. A sus libros y artículos académicos se suman sus contribuciones periodísticas en el correr de los días, y su apoyo y acompañamiento a las organizaciones indígenas y populares en la
      defensa política de sus derechos. En esa charla no es diferente, Montoya habla de la Sequía Tusuy, la importancia de la fiesta, su función social y espiritual, su estructura y el compromiso y la participación de los actores y actrices sociales andinos para su realización, todos los años. Habla también del ayni, uno de los principios fundamentales de la sociedad quechua de todos los tiempos; de su vivencia en la fiesta cuando era niño y después cuando regresó ya como un profesor; de su encuentro en Puquio con José María Arguedas; de la relación de Arguedas con Puquio; de la teatralidad; del uso de las máscaras en el teatro; del teatro colonial quechua; del Taki unquy y, por fin, de las contribuciones de la Antropología para las Artes Escénicas y viceversa.
      PubDate: 2021-03-19
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • VOZ PARA QUEM JÁ DIZ, CORPO PARA QUEM JÁ DANÇA

    • Authors: Ana Julia Marko
      Pages: 27 - 45
      Abstract: O presente artigo pretende analisar o diálogo do Grupo Cultural Yuyachkani (Peru) com a cosmogonia andina incidente em seus espetáculos, ações cênicas, modos de operar coletivamente, formas de construir teatralidade. O coletivo se interessa em dar visibilidade às culturas originárias dos homens e mulheres dos Andes, que desde o Peru-Colônia são ameaçadas pelos projetos civilizatórios de branqueamento e esquecimento dos modos dissidentes de habitar o mundo. Para Yuyachkani, é importante que versões outras da História se manifestem para que a narrativa oficial e heroica seja problematizada. O sujeito andino tem sido alvo de epistemicídio pós-colonial, cujo projeto de aniquilamento o apaga e silencia e, quando muito, o relega a anexos mercantis/folclóricos em prol do turismo peruano exótico. Neste descarte simbólico, para usar o conceito de Rocío Santisteban, não apenas seus saberes e gramáticas de compreensão de mundo estão ameaçados de extinção, mas os próprios corpos foram alvos sistemáticos da violência sofrida durante o conflito armado do final do século XX no país, que deixou mais de 70 mil mortos e desaparecidos, em sua maioria camponeses quéchua-hablantes. Neste contexto, Yuyachkani, em seus 50 anos de trajetória, encara as problemáticas que relacionam representação e representatividade, esbarrando muitas vezes nas limitações do próprio teatro. O grupo composto por maior parte dos integrantes da capital limenha inventa modos pedagógicos de operar com saberes, escrituras, suportes e corporeidades não ocidentais. O conhecimento do outro e do diferente se apresenta enquanto condição de criação cênica e se estende para condição pedagógica em suas oficinas e laboratórios. A partir do diálogo com autores como Luiz Antônio Simas, Luiz Rufino, Ailton Krenak e Carla Dameane Souza, a investigação pretende examinar de perto tais procedimentos e ainda contribuir com estudos das batalhas pelas memórias marginalizadas da América Latina.
      PubDate: 2021-03-19
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • FESTIVIDADE DE PAUCARTAMBO

    • Authors: Paola Lopes Zamariola
      Pages: 46 - 56
      Abstract: O presente artigo debate as influências da festividade de Paucartambo na constituição da poética do grupo peruano Yuyachkani. Formado em 1971 na cidade de Lima, desde as primeiras investigações e criações desenvolvidas, este agrupamento de artistas busca estabelecer vínculos com as diferentes memórias e contextos do país. Ao realizarem pesquisas de campo e projetos relacionados às populações da afro-peruanas, bem como da costa, da selva e da serra, ao longo de sua trajetória puderam acompanhar e estudar relevantes manifestações populares.  Especificamente na celebração em homenagem à Virgen del Carmen, reconhecem uma significativa referência para refletirem a respeito das  particularidades das teatralidades andinas, bem como das singularidades das práticas cênicas contemporâneas. A festa do povoado situado na região sul do país, entre os Andes e a Amazônia peruana, que acontece anualmente entre os dias 15 e 18 de julho, possibilitou que as e os criadores do Yuyachkani reconhecessem nos mais 20 núcleos que estruturam este encontro, a importância de pensar processos criativos a partir da palavra quéchua Taki, que na cosmogonia andina corresponde aos verbos dançar e cantar. É a partir deste aspectos como este que Miguel Rubio Zapata questiona a ideia de puesta en escena, que na língua espanhola faz menção à encenação como algo vinculado à dramaturgia, e articula conceitos como o de escritura en el espacio. Por intermédio desta proposição o diretor encontra uma maneira de evidenciar que há um urgente gesto político a ser realizado por criadores de teatro na América Latina que, para além da tradição europeia da arte dramática, necessitam reconsiderar a realidade da Abya Yala para poderem vir a materializar experiências cênicas baseadas em dramaturgias potencialmente plurais e expandidas.
      PubDate: 2021-03-19
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • ESQUEMAS DIMENSIONALES: PROPUESTA PEDAGÓGICA SUBVERSIVA Y
           DE(S)COLONIAL

    • Authors: María Fernanda Sarmiento Bonilla
      Pages: 57 - 76
      Abstract: Este artículo narra las experiencias investigativas realizadas durante mi proceso de doctorado realizado en la Universidad Federal de Bahía (UFBA) entre 2015 y 2019. En esta se sugieren alternativas pedagógicas para las artes escénicas entrecruzando lo formativo con lo creativo y lo político, con una contundente perspectiva arraigada en los saberes, los sentires, las tradiciones y en la situación actual de América Latina, aquí denominada Abya Yala. Por lo anterior, la cuestión de(s)colonial y los espacios públicos de las ciudades de este continente, como lugares generadores de conocimientos/experiencias, son esenciales para el raciocinio de este artículo. Durante el trabajo de investigación se realizaron, como trabajo de campo, laboratorios teatrales con profesionales y estudiantes de cursos de pregrado de teatro, en las calles de once ciudades de Abya Yala, a saber; Salvador de Bahía y São Paulo en Brasil, Guadalajara en México, Bogotá en Colombia, Quito en Ecuador, Lima en Perú, La Paz en Bolivia, Santiago de Chile en Chile, Tandil y Buenos Aires en Argentina, y Montevideo en Uruguay. En ellas, además de realizar prácticas escénicas en los espacios públicos, se aplicaron entrevistas a profesores, directores y coordinadores de cursos universitarios de teatro con el fin de, por un lado, conocer/experimentar teatralmente las calles de las ciudades del continente y, por otro, levantar informaciones de los procedimientos y autores utilizados en la formación en teatro. Evidencio que los procesos de aprendizaje de las artes escénicas en Abya Yala necesitan asumir su territorialidad, reconocer su pertenencia e incorporar tanto los universos cosmogónicos, filosóficos y epistemológicos, como toda una historia de luchas, resistencias, dolores, masacres, discriminaciones y silenciamientos que constituyen nuestro continente.
      PubDate: 2021-03-19
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • PARA MORIRSE DE LA RISA

    • Authors: Andrés Del Bosque
      Pages: 77 - 98
      Abstract: A través de mapear nueve puntos de manifestación de la conciencia, el trabajo propone un montaje escénico, con el fin de despertar del hechizo de una cultura caníbal que vive fagocitando su propia matriz. Desde una visión piadosamente bufonesca el mapa nos conduce, a un territorio fronterizo entre el antiguo rito de los sardos de Cerdeña, que bebiendo el apium risum ejecutaban a palos y entre risas a sus ancianos en una suerte de primitiva eutanasia; hasta la región limítrofe de una Residencia de Mayores en Colmenar Viejo del Madrid contemporáneo, donde los jóvenes Acabadores buscan un buen final para las vidas inconclusas de los veteranos. Enmarcados en la peste que vivimos actualmente, observamos una metamorfosis que revela, que bajo la piel de cada viejo hay un virtuoso estudiante de teatro, quienes revoloteando nos muestran, que la risa sardónica del ritual sardo no es más cruel que la eugenesia que sugiere el Fondo Monetario Internacional, cuando afirma que los viejos viven más de lo esperado afectando con ello la economía global. Resulta que no hay guerra contra el virus, hay una negociación. Toda biopolítica es inmunológica: los cuerpos inmunes que no pagan tributos y merecen protección y aquellos potencialmente virales los demuni que serán excluidos. Todo acto de protección implica una definición inmunitaria de la comunidad, según la cual, esta se dará a sí misma la autoridad de sacrificar otras vidas, en beneficio de una idea de su propia soberanía. El estado de excepción es la normalización de esta insoportable paradoja.
      PubDate: 2021-03-19
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • DE LA EXPERIENCIA, LOS SUEÑOS, LA ESCRITURA Y LA CREACIÓN

    • Authors: Daniela Botero Marulanda
      Pages: 99 - 111
      Abstract: ¿Qué caminos podemos tomar a la hora de vincular trabajo de campo, escritura etnográfica y creación artística' Esta pregunta es el punto de partida de este trabajo. Este texto se divide en cuatro partes. Primero, inicio describiendo una propuesta de trabajo corporal creada a partir del ejercicio etnográfico. Aqui, doy cuenta del trabajo gestual y con imágenes en el que se apoya la propuesta. En segundo lugar, contextualizo mi trabajo de campo en la ciudad de Leticia, en el amazonas colombiano, junto al pueblo indígena Murui-Muina. Hago un breve acercamiento a 3 espacios tradicionales alrededor de los cuales se mueve la vida cotidiana y sirven como lugar de análisis para ese cuerpo en movimiento que trabaja, baila y crea. En seguida, trazo puentes metodológicos con las posibilidades que brinda la etnografía en un escenario como este. En este aparte, dialogo principalmente con autoras latinoamericanas que han discutido el papel del cuerpo en la investigación artística y etnográfica. De otro lado, resalto algunos aportes de la corriente de la antropología de la danza que ha propuesto partir del movimiento como clave de análisis cultural. Argumento entonces, que una etnografía del movimiento resulta ser un poderoso instrumento para el análisis y la vivencia de procesos que pasan por el cuerpo, y que exigen retos a la hora de describir con palabras  fenómenos sensibles. Por eso, el diálogo con la creación artística es un camino posible para ampliar dichos lenguajes y experimentar esa producción de conocimiento de otras formas. Finalmente, esbozo algunas conclusiones a propósito de las potencialidades del trabajo con gestos, imágenes y acciones referenciada en lo aprendido y discutido junto a los Murui-Muina en Leticia y en la práctica docente, artística y de investigación. 
      PubDate: 2021-03-19
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • QUEM SÃO E COMO VIVEM OS JAVAÉ DA ILHA DO BANANAL

    • Authors: Solange Cavalcante de Matos, Francisco Edviges Albuquerque
      Pages: 112 - 126
      Abstract: O presente texto faz uma breve descrição e reflexão a respeito do povo indígena Javaé, habitantes imemoráveis da Ilha do Bananal - TO, abordando seus aspectos linguísticos, culturais, mitológicos e artísticos, bem como sua organização social e formas de subsistência, com o objetivo de conhecer um pouco os costumes desse povo e saber como tem lidado com o processo intercultural de convivência com a sociedade majoritária. Trata-se de um estudo bibliográfico, com enfoque qualitativo, realizado com base em pesquisadores que já desenvolveram estudos nas aldeias Javaé, tais como: Aryon Rodrigues (1986); Patrícia Rodrigues (2008); Grupioni (2001); Toral (2002); Lourenço (2009); Mattos et al (2013); Saburaia Javaé (2014); Ramos 2016); dentre outros. Os resultados revelam que esse povo, que se autodenomina Inỹ, possui cosmologia, arte e cultura muito ricas e que, apesar dos desafios enfrentados, na contemporaneidade, para manter sua identidade étnica, tem lutado para continuar vivendo em suas terras e praticando seus rituais sagrados, sua arte e tradições culturais. Veremos que os principais desafios encontrados pelos Javaé estão relacionados ao convívio com a sociedade majoritária, o que tem contribuído para a perda de sua língua e cultura; além da escassez dos recursos naturais da Ilha do Bananal, causada pela exploração do homem branco. Esses desafios têm levado os Javaé a procurarem novas formas de subsistência, bem como a adquirirem conhecimentos científicos do homem branco que lhes permitem interagir de forma mais autônoma com a sociedade não indígena e assumirem cargos públicos dentro de suas próprias aldeias, como os de professores indígenas, agentes de saúde indígena, dentre outros, o que, de certa forma, tem sido positivo para o bem estar das comunidades e para a manutenção de sua identidade étnica. 
      PubDate: 2021-03-19
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • MITODRAMA: A AMAZÔNIA É O PALCO

    • Authors: José Maria Lopes Júnior
      Pages: 127 - 140
      Abstract: Este artigo tem o objetivo de apresentar/refletir sobre os processos de ensino e aprendizagem de teatro com indígenas de Rondônia a partir dos registros das aulas ministradas por mim no Projeto Açaí II, curso de formação de professores indígenas de Rondônia (2009-2015). Por meio da descrição, análise, reflexão e diálogos teóricos no que tange ao lugar do componente curricular arte na escola e as relações estabelecidas entre o teatro e a educação escolar indígena, este texto traz a proposta metodológica de ensino e aprendizagem de teatro que surgiu neste contexto, o Mitodrama. Esta pesquisa foi tema da minha tese de doutorado defendida no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFBA em 2015. Resumidamente, o objetivo/passos do MITODRAMA se dá: por meio do diálogo intercultural estabelecido entre as narrativas de autoria indígena e os processos de ensino e aprendizagem de teatro, e assim, o Mitodrama propõe 1) Encontrar no mito as ações dramáticas para compor a cena (o drama no mito); 2) Identificar o mito nas cenas improvisadas pelos indígenas (o mito no drama); 3) Investigar os processos de ensino-aprendizagem de teatro na transposição da narrativa indígena para a cena dramática (do mito ao drama) para assim, estudar a linguagem teatral indígena. Conclui-se que a partir do Mitodrama é possível encontrar o teatro no mito, o mito no teatro e assim, abrir possibilidades para que os envolvidos/participantes levem para a cena uma experiência cultural da floresta: suas tramas, cheiros, sabores, corpos, gestos, sons, cores, texturas, etc, ou seja, uma experiência teatral que surge a partir das manifestações artísticas e culturais indígenas.
      PubDate: 2021-03-19
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • EDUCAÇÃO E ARTE APINAYÉ COMO POSSIBILIDADE PARA UMA
           ESTÉTICA DECOLONIAL

    • Authors: Simara de Sousa Muniz, Francisco Edviges Albuquerque, Severina Alves de Almeida
      Pages: 141 - 161
      Abstract: O ser humano é o único vivente que precisa da educação, pois somente assim sua humanidade se efetivará. A arte favorece essa transposição, pois se apresenta mesmo como a única forma de se eternizar a presença do homem na terra. Historicamente, educação e arte se confraternizaram num cenário dividido, quando o homem branco, habitante da polis impôs suas formas de ser e de viver, disseminando sua cultura a partir de critérios muito pontuais. As pessoas que não atendessem aos pré-requisitos estabelecidos eram excluídas. É a estética da invisibilidade, imposta aos escravos e àqueles que viviam no campo. São, pois, os nossos indígenas atualmente, vitimados pelo colonizador. Nosso objetivo aqui é apresentar a Educação e a Arte Apinayé como possibilidade para uma estética decolonial, na perspectiva da mediação (Inter)cultural e dos estudos culturais. Os procedimentos metodológicos foram: pesquisa interdisciplinar (Vasconcelo, 2009; Fazendo, 2008); pesquisa qualitativa e bibliográfica (Severino, 2001; Gil, 2002; Almeida et all, 2017; Miranda e Silva, 2019), e pesquisa internetnográfica (Almeida et all, 2017a; Kozinets, 2014). Termos como Educação Indígena, os Apinayé, Estética Decolonial, Decolonialidade e Mediação (Inter)cultural foram estudados com rigor, e, não obstante, assumem lugar de destaque nos discursos atuais. A Estética decolonial é revelada a partir dos estudos de Walter Mignolo. A decolonialidade originou-se no início do sistema-moderno-colonial que organiza diferenças e desigualdades entre povos, partindo da dupla configuração, raça-etnia. A mediação (Inter)cultural favorece esse diálogo, fomentando conhecimentos e competências socioculturais para intervir em grupos, organizações e instituições no âmbito da inteculturalidade e do pluralismo cultural, efetivando ações educativas em prol da igualdade e do respeito à diversidade. É, pois, uma educação que promove atitudes, comportamentos e intercâmbios sociais, rejeitando toda e qualquer forma de discriminação e implementando relações positivas entre as culturas. Os indígenas, notadamente os Apinayé, a educação e a arte em suas aldeias forneceram os subsídios necessários para a realização do trabalho, favorecendo a emergência de uma estética decolonial, no âmbito da mediação (Inter)cultural.
      PubDate: 2021-03-19
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • RELATOS: ARTE-VIDA, CONFLUÊNCIAS E COSMOLOGIAS AFRO-INDÍGENAS
           PERIFÉRICAS

    • Authors: Vanessa Rosa de Araujo
      Pages: 162 - 173
      Abstract: Esse artigo contempla a criação de relatos a partir das experiências e estudos sobre a prática educacional desenvolvida pelo povo Guarani Mbya no Centro de Educação e Cultura Indígena Tenondé Porã, para as crianças de zero a seis anos moradoras da aldeia.  Durante cerca de quatro anos de pesquisas, reconhecendo os valores, saberes e processos educacionais que fomentam o fortalecimento cultural e ensino sobre a vida dos povos Guarani, em enfrentamento a imposição sócio educacional euro-cristã, pude mergulhar numa pesquisa-vida em diálogo com minhas memórias de infância, saberes de família e a presença da construção cultural e territorial periférica nordestina na cidade de São Paulo.  Todo esse processo me levou a compreender as importantes e significativas mudanças no campo de atuação no processo de pesquisa e ensino teatral, em específico na linguagem da comicidade no Brasil. Na união desses saberes nasce o Terreiros do Riso em busca por ouvir, referenciar e dar visibilidade aos diversos caminhos e histórias culturais afro-orientadas e afro-indígenas na produção artística estética cômica. Conclui-se que saber de figuras cômicas indígenas e afro-diaspóricas, e seguir caminhos de aprendizado sobre o riso como uma tecnologia de sobrevivência, me faz habitar por uma produção artística que não tem como fim um ato cênico, mas que apreende a força da construção simbólica em todo o processo, reconhecendo no brincar, nas dramatizações, uma fonte de alimento de saberes de um “Teko Porã”. Compreendendo o meu fazer com um diálogo social e coletivo, em todas as esféricas e dinâmicas políticas presentes em habitar pindorama.  
      PubDate: 2021-03-19
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • CULTURA, LÍNGUA E A MANUTENÇÃO DA IDENTIDADE DO POVO
           KRAHÔ NO TOCANTINS

    • Authors: Marta Virginia de Araújo Batista Abreu, Francisco Edviges Albuquerque
      Pages: 174 - 183
      Abstract: No presente artigo apresentaremos a sociedade Krahô, sua língua, sua cultura, sua identidade e sua história.  Faremos considerações acerca do contato dos indígenas Krahô com a sociedade envolvente, para então compreendermos as consequências do contato para a realidade desse povo. Demonstraremos um pouco das características sociolinguísticas, dos saberes tradicionais e dos aspectos culturais do povo Krahô. O contato de duas sociedades de culturas diferentes pode causar intensos conflitos, como disputas entre si e também mudanças culturais. Assim, o contato da sociedade brasileira com a sociedade indígena ocasionou inúmeras alterações, principalmente, para a sociedade indígena. Essas mudanças acarretaram consequências positivas e negativas em vários aspectos, tais como: conflitos de identidade, relações de trabalho, hábitos alimentares, condições de saúde, aspectos econômicos, educação formal, concepções religiosas, dentre outros. Contudo, constatamos que, mesmo diante da situação de conflito linguístico e intercultural em que se encontram, os Krahô tentam resistir às influências culturais e linguísticas, mantendo sua língua, suas atividades culturais e seus saberes tradicionais. Entre o povo Krahô, os aspectos culturais são bem conservados, assim como a prática permanente de rituais. A cultura é bem preservada e pode-se notar o empenho dos indígenas Krahô, em continuar mantendo a cultura e os conhecimentos tradicionais de seus antepassados. Os aspectos sociolinguísticos foram utilizados neste trabalho, também, para descrevermos os aspectos socioculturais da comunidade Krahô e o seu dia a dia, observando os seus usos, costumes e saberes tradicionais, fatores que demonstram a realidade desse povo. Esses fatores sociolinguísticos são importantes para a manutenção da língua materna, bem como as características linguísticas e culturais próprias do povo Krahô.
      PubDate: 2021-03-19
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • ENTRE HÀCTI, HÔXWA E CARĨRE

    • Authors: Ana Carolina Fialho de Abreu, Francisco Laécio Araújo de Holanda
      Pages: 184 - 202
      Abstract: Durante o Jàt Jõ Pῖ (Festa da Batata), que acontece na Aldeia Manoel Alves Pequeno, localizada no norte do Brasil, no estado do Tocantins, onde vive o povo Mẽhĩ (Krahô), além da preparação e realização da festa, que tem os/as hôxwa (abóbora, companheiro/a do/a batata-doce) como “protagonistas”, aconteceu em 2018, o encontro entre professora e estudantes da Universidade Federal do Tocantins (UFT) com as crianças indígenas. O presente relato, resulta das experiências construídas através de sorrisos e saberes, das brincadeiras, brinquedos e dos jogos revelados no contato entre esses mundos, além de pesquisa bibliográfica. “Hàcti e carĩre” (gavião e galinha), “Pàt jarahpêêre” (tamanduá bandeira grande) e “Cukôj roubando põõhy” (macaco roubando milho) são alguns dos jogos presentes neste artigo. Vários deles fazem parte não somente do cotidiano, mas dos ritos e mitos do povo Mẽhĩ e ambos revelam e ensinam de maneira simbólica as culturas desse grupo étnico. Encontram-se também os Jogos Tradicionais do Povo Krahô e a atual realidade, luta e resistência desta sociedade indígena diante da pandemia do novo coronavírus. Aparecem em destaque os/as seguintes mestres/as indígenas e autores/as: Renato Yahé Krahô (2017); Creuza Prumkwỳj Krahô (2017), Francinaldo Freitas Leite (2017), Célida Salume (2016) e Ana Gabriela Morim de Lima (2016). Conclui-se que a presença dessas práticas corporais indígenas e dos contextos históricos e sociais revelados por elas na nossa educação e especialmente nas aulas de Artes, podem produzir ações de resistência que deflagram o estado silencioso de nossos corpos colonizados, contribuindo com a descolonização das práticas e saberes hegemônicos a que somos subordinados/as.
      PubDate: 2021-03-19
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • TROCAS IN-EX-CORPORADAS EM ARTES

    • Authors: Alba Pedreira Vieira
      Pages: 203 - 218
      Abstract: Abordo nesse texto uma proposta, ‘in-ex-corporação’, elaborada desde meu doutorado. Construída a partir de experiências educacionais vividas por professores universitários de Dança de seis países, a mesma foi enriquecida com saberes de experiências vividas com os Krahô.  Estabeleço diálogo entre ideias de Paulo Freire e autores de diferentes localidades geográficas, filosóficas e epistemológicas em busca de consonâncias e nuances. Mas o objetivo não é reforçar oposições de ideias, competições intelectuais e/ou enfatizar pensamentos binários. Pelo contrário. Ao considerar que todas as propostas são incompletas, imperfeitas, inacabadas e em estado de devir, procuro encontrar caminhos para complementá-las. A proposta que apresento pode ser adotada na formação de docentes-pesquisadores-artistas, incluindo os do Teatro e Dança, pois sugere nutrirmos a curiosidade que busca descobrir a riqueza que existe no que nos torna semelhantes – somos todes seres humanos e compartilhamos o existir com e como seres vivos. A curiosidade, que caminha aliada à ‘consciência e suspensão’ de pré-julgamentos e pré-conceitos, pode ser um dos elementos a orientar nossas práticas formativas como artistas, docentes e pesquisadores. Como seres vivos que co-existem e respeitam semelhanças e nuances da nossa comum humanidade. Comunidade. O relacionamento afetuoso entre corpos que gera o saber coletivo, tão presente em conhecimentos de indígenas, é algo que poderíamos priorizar em formações de artistas-pesquisadores-docentes. Na nossa co-existência com outros seres vivos (humanos, animais, natureza, universo...), sugiro que a in-ex-corporação possa ser imaginada como uma proposta que se coloca em eterno estado de criação. Como uma dança que nunca tem fim. Educar, a meu ver, é imaginar possibilidades. Sonhar com um outro mundo mais afetuoso. Imaginar outra arte, também. Imagino ‘obras’, ações, posturas, atitudes, performances, falas que transformem visões e práticas na formação do artista-docente-pesquisador que possam potencializar a nossa humanidade comum. Ao mesmo tempo em que respeitamos, valorizamos e damos visibilidade à pluralidade de experiências estéticas, éticas, às artes e conhecimentos de todes, em particular de povos originários. 
      PubDate: 2021-03-22
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • O CASAMENTO COMO LUGAR COMUM DE DRAMATURGIAS ENTRE HÔXWA E
           PALHAÇAS

    • Authors: Maurício Caetano da Silva
      Pages: 219 - 235
      Abstract: Hôxwa é um grupo de pessoas da etnia indígena Krahô que compartilha um conjunto de nomes relacionados ao conhecimento recebido de seres não-humanos do Yetÿopi, conhecido como Festa da Batata. Os Krahô vivem no nordeste do estado do Tocantins e mantém muitas relações, amistosas com aliados e tensas com setores contrários às causas indígenas, há muito tempo. Essas relações são com agentes dos mais variados setores da cultura, da arte e da política. Nesse artigo, buscando uma reflexão sobre o fluxo de referências cômicas interétnicas, apresento dois momentos em que hôxwa Krahô e palhaças interagem entre si. Considero essas interações como dramaturgias presentes na aldeia e no palco e identifico um ponto em comum entre elas para além do riso, o casamento. Esse trabalho foi realizado na área da Antropologia e sua escrita e leitura se tornam uma ferramenta do conhecimento indígena e um exercício de aproximação entre teatro e antropologia. Na primeira parte apresento alguns pontos importantes sobre o contexto dos hôxwa e alguns apontamentos breves sobre o sistema de troca de nomes entre os Krahô e os sistemas de classificação desse povo, assunto que merece grande atenção. Em seguida exponho alguns pontos sobre a realização do Yetÿopi. Na terceira parte há a transcrição da apresentação de um Cabaré Povo Parrir em que alguns hôxwa fizeram parte. Antes de concluirmos, transcrevo a dança dos hôxwa realizada na aldeia Manuel Alves, em 2018. Na última parte indico um fluxo de referências dramatúrgicas entre os dois eventos e o matrimônio como tema comum entre eles.
      PubDate: 2021-03-22
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • EU E AHPRACTI, DIST NCIAS E APROXIMAÇÕES

    • Authors: Demian Moreira Reis
      Pages: 236 - 248
      Abstract: Aqui faço um breve relato fotográfico sobre meu encontro, como artista pesquisador de Pós-doutorado em Artes Cênicas pela UFBA, com Ismael Ahpracti Krahô, que entre diversas funções e papéis que desempenha em sua aldeia uma é de Hotxuá, uma figura cômica tradicional da cultura dos povos Krahô. Falo da trajetória do nosso encontro que tem início quando assisto no dia seguinte à minha defesa de doutorado o documentário de Letícia Sabatela e Gringo Cardia, “Hotxuá – o sacerdote do riso”. Depois o conheço pessoalmente no encontro de povos indígenas do Brasil que ocorre bienalmente chamado Aldeia Multiétnica. Em seguida convivo com Ahpracti em sua aldeia Manoel Alves durante um mês e Ahpracti passa dez dias num intercâmbio comigo em Salvador. Compartilho nesse relato, fotos e reflexões sobre essas experiências de intercambio e interação entre eu e Ahpracti assim como descrevo algumas cenas desses encontros. Também transcrevo trecho de uma entrevista que gravei com Ahpracti na ocasião em que esteve em Salvador. A travessia do meu encontro com Ahpracti me abriu muitos outros horizontes de saber e sabedoria do que apenas da minha área de atuação. Da minha ancestralidade, de um lado, e dos povos indígenas hoje vivos, de outro. Existe um continente entre nós, povos da cidade e povos indígenas. Por mais que carregue no meu corpo sangue de povos indígenas e povos africanos, boa parte é de sangue das embarcações que chegaram aqui de modo destrutivo para quem habitava estas terras, e como um trator passou por cima de corpos, culturas, florestas, meio ambiente, animais e principalmente povos, de 1500 até hoje.
      PubDate: 2021-03-22
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • UM PONTO DOIS, UM OLHAR SOBRE O GRUPO DE TEATRO NO CONTEXTO
           COMUNITÁRIO EM PALMAS-TO

    • Authors: Lucas Alcides Justino, Renata Patrícia da Silva
      Pages: 249 - 259
      Abstract: Este artigo tem como propósito apresentar parte da trajetória do Grupo de Teatro Um Ponto Dois, da cidade de Palmas - Tocantins, com o intuito de explorar a aproximação de sua produção artística com as propostas do teatro comunitário. Para tanto, faz-se um breve histórico das fases vivenciadas pela companhia, tomando como foco a dramaturgia de alguns espetáculos realizados, a fim de evidenciar os percursos traçados pelos artistas junto ao contexto sociocultural em que atuam e são convidados a criar suas obras. Nesse sentido, entrelaçando experiências vivenciadas pelos artistas e aportes teóricos que embasaram a nossa discussão construiu-se uma escrita referenciada nos estudos de autores como: Nogueira (2008), Augusto Boal (1991), Dario Fo (1998), Dan Baron (2004), entre outros. A partir da pesquisa realizada é possível considerar que o teatro desenvolvido pelo grupo vem construindo um percurso cada vez mais aprofundado nas questões do teatro comunitário e isso é resultado do estreitamento das relações entre os artistas, seu processo criativo e a comunidade.
      PubDate: 2021-03-22
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
  • TEATRO POPULAR EM PORTO NACIONAL/TO

    • Authors: Mariana Cunha Pereira, Noeci Carvalho Messias
      Pages: 260 - 270
      Abstract: Este ensaio traz algumas contribuições e discussões a respeito do teatro popular em Porto Nacional/TO, refletidas em uma prática social artística em favor da população negra que se junta a outras manifestações da cultura negra, em especial a capoeira. Esta reflexão carece de compreensão sobre o Teatro Experimental Negro (TEN), criado nos anos de 1940, por Abdias do Nascimento diante da referência que ele é para a história das manifestações populares negras, mas, principalmente, por inaugurar um tipo de movimento negro no Brasil. Para tanto, estabelecemos um diálogo com o Grupo de Consciência Negra do Tocantins (Gruconto) que, a partir dos anos de 1990, desenvolveu diversas estratégias, como peças teatrais, Sarau de Poesias e também uma articulação com a capoeira em prol da inclusão social do negro e da superação do racismo na sociedade nessas bandas do território da Amazônia legal. Esse encontro entre capoeira e teatro popular se concretizou por atividades culturais, levadas a cabo pelo capoeirista Mestre Timbal e o Artista José Iramar. Na perspectiva de compreender esse legado de combate ao racismo, recorremos a estudos acadêmicos e a discussões teóricas de Hasenbalg (1979), Domingues (2007), Nascimento (2004) e outros. Também para efeito metodológico de levantamento de dados, recorremos às lives “Bate Papo com os Mestres e Amigos da Cultura Tocantinense” (duas edições), que atualizam os dados sobre a capoeira do Mestre Timbal e sua importância para o Tocantins, bem como aquela que traz a história de José Iramar e a prática com o teatro popular negro em Porto Nacional. Ambas nos subsidiam significativamente, mostrando que essas experiências e vivências cênicas contribuíram bastante com a valorização da cultura afro-brasileira e o combate ao racismo no cenário tocantinense. Outra fonte importante foi o trabalho de Hortegal (2006), que, para nós, se tornou um fio a nos conduzir na tese que aqui defendemos, qual seja, a relevância do teatro popular negro como expressivo instrumento de luta e resistência do movimento negro do Tocantins.
      PubDate: 2021-03-22
      Issue No: Vol. 8, No. 1 e 2 (2021)
       
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
 


Your IP address: 44.210.77.73
 
Home (Search)
API
About JournalTOCs
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-
JournalTOCs
 
A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  All
HOME > Browse the 3359 Publishers covered by JournalTOCs 1 2 3 4 5 6 7 8  
PublisherTotal Journals
1 2 3 4 5 6 7 8  
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
 


Your IP address: 44.210.77.73
 
Home (Search)
API
About JournalTOCs
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-