Publisher: Universidade Estadual de Londrina   (Total: 7 journals)   [Sort by number of followers]

Showing 1 - 7 of 7 Journals sorted alphabetically
Antiteses     Open Access  
BBR : Biochemistry and Biotechnology Reports     Open Access   (Followers: 6)
Economia & Região     Open Access  
Educação em Análise     Open Access  
Estudos Interdisciplinares em Psicologia     Open Access  
História & Ensino     Open Access  
Informação & Informação     Open Access   (Followers: 2)
Similar Journals
Journal Cover
História & Ensino
Number of Followers: 0  

  This is an Open Access Journal Open Access journal
ISSN (Print) 1414-3488
Published by Universidade Estadual de Londrina Homepage  [7 journals]
  • Editorial

    • Authors: Eder Cristiano de Souza
      Pages: 2 - 3
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p2
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • A Matriz Disciplinar de Jörn Rüsen como chave para compreender as
           Diretrizes Curriculares da Educação do estado do Paraná

    • Authors: Ricardo Marques de Mello
      Pages: 4 - 19
      Abstract: As Diretrizes Curriculares da Educação Básica (DCE) do Estado do Paraná (2008), especificamente o caderno de História, é um dos mais relevantes documentos regulatórios dos ensinos fundamental II e médio. Por isso, sua leitura e estudo tornam-se procedimentos recorrentes em cursos de Licenciatura em História, em Pós-Graduações voltadas ao Ensino (lato e stricto sensu), em encontros de Profissionais da educação paranaense, bem como fundamento para a formulação de Planos Pedagógicos Curriculares. Porém, os diagnósticos e as prescrições presentes nas DCE a respeito da historiografia e do ensino de história estão dispersos e sem conexão entre si, o que gera dificuldade de entendimento para estudantes e professores que precisam lidar com esse documento. Para facilitar a compreensão deste documento, neste texto reorganizo os elementos contidos nas DCE em uma “Matriz” específica, aos moldes da Matriz Disciplinar de Jörn Rüsen. Esse rearranjo resultou nas seguintes correspondências: Interesses = oriundos das desigualdades sociais e da racionalidade linear e excludente nos temas históricos; Perspectivas da Interpretação = Nova História, Nova Esquerda Inglesa e Nova História Cultural; Métodos = complexificação da relação tempo/espaço, problematização e assunção da multiplicidade de perspectivas; Formas de Representação = narrativas críticas e genéticas; e as Funções = inclusão social e pensamento complexo.
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p4
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • O Ensino de História na educação pública brasileira: uma análise dos
           pressupostos historiográficos dos currículos estaduais da década de
           1980

    • Authors: Geyso Dongley Germinari, Flávio Jose Dalazona
      Pages: 20 - 36
      Abstract: Este artigo apresenta os resultados finais de uma investigação desenvolvida na iniciação científica, vinculada ao Departamento de História da Universidade Estadual do Centro-Oeste, campus Irati, entre 2015 e 2016. A pesquisa examinou a conjuntura do ensino de História no Brasil, na década de 1980, por meio das propostas curriculares publicadas pelas Secretarias de Educação dos estados de São Paulo e Paraná. A intenção foi abordar o período de redemocratização da sociedade brasileira, pós-ditadura militar (1964-1985), e desvelar como, no campo curricular, a disciplina de História renovou as suas propostas de ensino. Nessa direção, o problema de pesquisa centrou-se na análise dos pressupostos historiográficos que embasaram as propostas curriculares na década de 1980. Do ponto de vista metodológico, utilizou-se a análise de conteúdo, na perspectiva de Bardin (2011), e como fonte de pesquisa o Currículo Básico Para a Escola Pública do Estado do Paraná, publicado em 1990, e a Proposta Curricular Para o Ensino de História-1º grau de São Paulo, elaborado em 1989. Como resultado, a pesquisa demonstrou que as propostas curriculares das redes públicas de ensino dos estados de São Paulo e do Paraná constituíram-se como espaços importantes da produção de uma tentativa de renovação do ensino de História, em conformidade com as principais correntes historiográficas da época, aspecto que possibilitou a construção de novas propostas de conteúdos e metodologias de ensino comprometidas com a emancipação crítica do aluno frente ao saber histórico.
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p20
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • A Consciência Histórica como potencial para leitura de mundo

    • Authors: Vera Lucia Trennepohl
      Pages: 37 - 55
      Abstract: O texto analisa o desenvolvimento da consciência histórica, entendida como uma categoria de operação mental, fundamental no processo de empoderamento dos sujeitos, que a todo o momento são desafiados a fazerem a leitura da realidade que estão inseridos, como pessoas ou como profissionais. Realidade essa que é complexa, marcada pelo acelerado progresso científico e tecnológico, que pode atender às necessidades básicas humanas, porém a forma como isso vai ocorrer depende dos sujeitos. A abordagem metodológica orienta-se na perspectiva de uma pesquisa qualitativa e dialética em educação, privilegia reflexões e conceitos das obras de Jörn Rüsen. O resultado desse estudo considera as vivências dos alunos nas aulas de história, para compreender os desafios colocados para essa área, na busca de uma nova relação com o conhecimento, que não pode mais estar marcada pelo estudo do passado pelo passado. Assim, os diversos profissionais deverão buscar na tradição aspectos para compreender a realidade, como também para intervir em sua dinâmica, numa perspectiva de futuro.     
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p37
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • A cultura histórica escolar contemporânea: uma análise a partir das
           categorias rüsenianas

    • Authors: Larissa Klosowski Paula, Isabela Candeloro Campoi
      Pages: 56 - 77
      Abstract: Ferramentas para o ensino de história desde o manual de Langlois e Seignobos, os livros didáticos, segundo Sales (2014) são, em conjunto com os documentos norteadores da disciplina, disseminadores da cultura histórica escolar e das orientações governamentais para o ensino de história. Assim sendo, constituem um campo de disputa entre as representações sociais e culturais historicamente construídas e conflitantes, e que, por reinvindicação dos movimentos sociais e políticos, galgam espaço em suas páginas. Além disso, também carregam a alcunha de normatizador e mantenedor de culturas e métodos dominantes, caracterizando-se, diante disso, como um material complexo e ao mesmo tempo profícuo para os estudos, ao passo em que ocupam o patamar de objeto e também de fontes para o trabalho historiográfico. Neste sentido, a proposta que segue primeiramente conceitua os usos desses impressos enquanto fontes, na tradição historiográfica, e, posteriormente, visa compreender, à luz da teoria rüseniana das dimensões para a construção da consciência histórica, como tal consciência é disseminada no material escolar mais distribuído para a modalidade ensino médio no ano de 2015. A hipótese que moveu tal investigação foi a de que na atualidade, o ensino de história refletido nos materiais didáticos, não prenuncia a formação histórica do aluno. Para tanto, a metodologia utilizada consistiu na leitura de “capa a capa” da coleção mais distribuída no ano mencionado, identificando e catalogando as formas pelas quais as dimensões de formação da consciência histórica, que consistem na experiência, interpretação e orientação, são desenvolvidas no material. Para tanto, foram elaborados quadros à guisa das considerações de Rüsen (2011) sobre O Livro Didático Ideal, tema e título de uma de suas produções, e essas perspectivas foram analisadas diante de produções específicas da área da ciência histórica. Por fim, constatou-se que tais dimensões não são plenamente possibilitadas no impresso didático analisado, caracterizando uma cultura histórica escolar carente de fundamentação mais precisa no que se refere às dimensões de formação da consciência histórica, tal qual Rüsen aponta ser identificado na Alemanha.
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p56
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • Por um ensino de história indígena em Mato Grosso: o povo Chiquitano na
           fronteira Brasil/Bolívia

    • Authors: Renilson Rosa Ribeiro, Leticia Antonia de Queiroz
      Pages: 78 - 112
      Abstract: A partir do questionamento dos estereótipos e padrões forjados em torno do conceito de “índio genérico”, o presente artigo investe na análise das imagens das populações indígenas presentes na “tradição” narrativa eurocentrada dos livros didáticos de História no Brasil, para em seguida adentrar as tramas da história do povo Chiquitano na fronteira Brasil-Bolívia, em Mato Grosso.
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p78
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • Um cineclube no interior da Amazônia: o uso do audiovisual como prática
           de aprendizagem histórica

    • Authors: Érico Silva Muniz, Silvane da Silva e Silva
      Pages: 113 - 133
      Abstract: O presente artigo relata a experiência do Cineclube da Aldeia, uma atividade de extensão universitária na interface entre cinema, ensino de história e formação no campo dos direitos humanos. Realizado na cidade de Bragança, localizada no nordeste paraense, o cineclube promove exibição de filmes que trabalham no âmbito das discussões sobre historiografia, diversidade e formação cidadã seguida de debate sobre o ensino de história. Criado no ano de 2017 a experiência de um cineclube como contribuição metodológica para o ensino de História na Amazônia colabora com o uso crítico do audiovisual nas escolas da educação básica do interior e das periferias mais distantes dos grandes centros urbanos promovendo a aprendizagem histórica. 
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p113
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • A BNCC e os Referenciais Curriculares do estado da Paraíba:
           considerações sobre o ensino de História nos Anos Finais do Ensino
           Fundamental

    • Authors: Eduardo Roberto Jordão Knack, Lidiane Elizabete Friderichs
      Pages: 134 - 159
      Abstract: O presente artigo apresenta uma reflexão em torno da elaboração da "Base Comum Curricular Nacional" (BRASIL, 2018) e dos "Referenciais Curriculares do Ensino Fundamental: Ciências Humanas, Ensino Religioso e Diversidade Cultural" (PARAÍBA, 2010). O intuito do trabalho não é tecer uma comparação entre os dois documentos, mas observar aproximações, divergências, possibilidades e limites que se colocam aos professores de história dos anos finais do ensino fundamental a partir da promulgação da BNCC, especialmente no estado da Paraíba. Para isso, algumas considerações teóricas sobre currículo são desenvolvidas, bem como esclarecimentos sobre o contexto de elaboração da base comum para construir um olhar crítico sobre as duas propostas.
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p134
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • A História Regional e o uso de tecnologias da informação e
           comunicação (TDIC’s) em sala de aula

    • Authors: Taís Temporim de Almeida, Lourdes Madalena Gazarini Conde Feitosa, Fabio Paride Pallotta, Laís Prestes Redondo, Gabriela Isbaes, Marco Antônio de Morais Júnior
      Pages: 160 - 180
      Abstract: Em tempos de globalização torna-se cada vez mais necessário conhecer o local em que se vive, para nele ser possível atuar de forma consciente e cidadã. Frente a este desafio do conhecimento do mais próximo, do que nos diz respeito de onde vivemos e devemos agir em primeiro lugar, bem como da construção e aplicação deste conhecimento como instrumento de ensino e aprendizagem escolar é que se apresenta, nesse artigo, as reflexões e resultados obtidos e compilados durante o ano de 2017, em atividades do projeto de História - “Bairros, patrimônio e memória: a história da cidade de Bauru a partir de seus espaços urbanos”, financiado pelo Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID/CAPES). As atividades foram desenvolvidas por um grupo de graduandos e professores do curso de História da Universidade do Sagrado Coração de Bauru – SP, com alunos do 6º ano da escola Estadual Edison Gasparini, localizada no Bairro de nome homônimo. Dois desafios foram cruciais para o desenvolvimento desta proposta e nos motivaram a refletir a respeito do tema: primeiro, como o uso de ferramentas das Tecnologias da Informação e Comunicação (TDIC’s) poderia contribuir para a construção de conhecimentos relacionados à história do local com alunos dos anos finais do ensino fundamental (EF), e, segundo, como envolvê-los na formulação deste saber. Desse modo, os resultados compartilhados nesse texto têm por objetivos apresentar as possibilidades de produção de conteúdo em história local com o uso destas tecnologias e a sua articulação com o ensino. Além disso, de contribuir para a disseminação e popularização de informações a respeito destas práticas, que poderão nortear futuras situações escolares no processo de ensino-aprendizagem em História.
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p160
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • “Lugar de autoria”: outros olhares sobre a produção
           de livros didáticos

    • Authors: Adriana Soares Ralejo
      Pages: 181 - 199
      Abstract: Este artigo apresenta uma discussão oriunda de pesquisa de doutorado que tem por objetivo desenvolver a noção de “lugar de autoria” a fim de compreender o cenário atual da produção de livros didáticos. Nesta ocasião, tendo como aporte teórico as contribuições de Michel Foucault, o conceito de autoria é revisto com base na função que desempenha no discurso. Na atual conjuntura política e econômica, é problematizado o papel das editoras na produção de materiais didáticos, propondo-se um olhar para além da atuação mercadológica. A partir de entrevistas realizadas com autores de livros didáticos, compreendemos que o “lugar de autoria” se constitui na especificidade de seu tempo e espaço.
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p181
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • Ensino de História e desenvolvimento do pensamento histórico nos Anos
           Iniciais do Ensino Fundamental

    • Authors: Eleta Carvalho Freire, Dayse Kássia Silva Amorim, Laís Almeida Souza
      Pages: 200 - 225
      Abstract: A pesquisa cujos resultados são apresentados neste artigo teve como objetivo conhecer a apropriação que estudantes do 5º ano do ensino fundamental têm sobre as noções de temporalidade histórica. A investigação contou com apoio de pesquisas que, ao discutirem o ensino de história nos anos iniciais do ensino fundamental, destacam a relevância da articulação entre o desenvolvimento do pensamento histórico da criança e o ensino dos conhecimentos históricos. Foi desenvolvida em uma escola da rede pública municipal na cidade do Jaboatão dos Guararapes, situada na Região Metropolitana do Recife na qual realizamos observações de aulas, entrevista com a professora e aplicação de um exercício aos estudantes. Os dados foram analisados a partir dos referenciais da análise temática, propostos por Bardin (1977) para a análise do conteúdo das comunicações. Os resultados apontaram que os estudantes compreendem o tempo apoiando-se em sua dimensão cronológica e linear e, ainda assim, a sequenciação de fatos depende da presença de elementos concretos e apresentados de forma ordenada. Por outro lado, o entendimento sobre a relação de simultaneidade entre acontecimentos mostrou-se limitado a eventos do tempo presente, sem a percepção da simultaneidade entre fatos do passado. Assim, inferimos que o entendimento sobre a temporalidade histórica estaria em fase inicial de construção, uma vez que a noção de tempo cronológico e linear é predominante na assimilação revelada pelas crianças.
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p200
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • A invisibilidade da cultura negra brasileira através do discurso da
           “mestiçagem"

    • Authors: Bruno Marcelo de Souza Costa, Paulo Jorge Martins Nunes, Piedade Lino Videira, Elivaldo Serrão Custódio
      Pages: 226 - 243
      Abstract: Este artigo tem como principal objetivo problematizar como a ideia de mestiçagem está muitas vezes ancorada de forma velada na tentativa de inviabilização da cultura negra no Brasil. O texto ora apresentado tenta problematizar o quanto o ideal de democracia racial emerge a partir do discurso velado de país mestiço-harmonioso e apresenta os mais expressivos intelectuais brasileiros, dentre eles Cavalleiro (2001) e Silva (2014), que discutem sobre o processo de branqueamento da sociedade brasileira. Todavia, é à luz de Kabengele Munanga que tentamos descortinar esse discurso ilusório e superficial da mestiçagem. As reflexões metodológicas que guiaram a escrita do artigo emergiram a partir de leituras sistemáticas e de discussões na disciplina Educação, Culturas e Diversidades, ministrada no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Amapá. Para nós, mestiçagem existe sim, mas foi usada como discurso ideológico e falacioso ao longo da história com o intuito de manter o poder da elite dominante e branca.  
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p226
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • O ensino híbrido nas aulas de História nos Anos Finais do Ensino
           Fundamental: impactos e transformações no processo de aprendizagem

    • Authors: Samanta Trivilin Comiotto
      Pages: 244 - 260
      Abstract: As rápidas mudanças que ocorrem na sociedade atual levam a escola a repensar suas práticas para adequar-se a modelos cognitivos que se encaixem as necessidades sociais exigidas aos sujeitos pertencentes a ela. Neste sentido, as metodologias do ensino híbrido trazem novas possibilidades para a produção do conhecimento e para a significação da aprendizagem dos educandos “nativos virtuais”. Unir o ensino de história que, possui em seu caráter primeiro, o objetivo de formar cidadãos pensantes e atuantes na sociedade com base na análise das ações humanas ao longo do tempo, a novas formas de significar o passado podem contribuir para um processo de aprendizagem de maior qualidade e relevância.
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p244
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • As religiões afrodescendentes no ensino de História: a série Mojubá,
           contribuindo para uma educação antirracista

    • Authors: Caio Isidoro Silva
      Pages: 261 - 281
      Abstract: O presente artigo tem o objetivo de analisar um material didático-pedagógico que pode ser direcionado para professores, a série mojubá, voltada para uma abordagem positiva e não estereotipada das religiões afrodescendentes, buscando contribuir para uma possível implementação de uma educação antirracista por meio do ensino de história, colaborando assim com uma educação plural e o respeito à diversidade. Esse material pretende dar suporte aos educadores no processo de formação continuada, atendendo a demanda da Lei 10.639/03 no tocante ao tratamento das histórias e culturas africanas e afro-brasileiras, especificamente suas religiosidades. A formação da identidade brasileira contém inúmeros elementos africanos e afro-brasileiros, portanto, as religiões afrodescendentes também estão inseridas nesse contexto de valorização dos elementos associados às culturas negras. 
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p261
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • Breve História do Brasil: a influência do Ratio Studiorum na escrita de
           padre Raphael M. Galanti

    • Authors: Ligia Bahia de Mendonça
      Pages: 282 - 303
      Abstract: Investigar a disseminação da Ratio Studiorium, conjunto de normas criado para regulamentar o ensino nos colégios jesuíticos, através do livro didático Breve História do Brasil, tomado no estudo por fonte/objeto de pesquisa, que foi utilizado no ensino da disciplina de História do Brasil nos institutos da Companhia de Jesus no Brasil é o objetivo deste artigo. A obra, dedicada ao público escolar infantil, de autoria do Padre jesuíta Raphael Maria Galanti, foi publicada em 1913, pela editora Duprat& Comp., de São Paulo. A pesquisa reflete como o Padre Galanti, autor, também, de outras obras didáticas sobre a história pátria utilizadas nos colégios jesuítas, por meio da metodologia apresentada no impresso, recorre o Ratio Studiorium para seguir as normas e procedimentos que uniformizam o ensino jesuítico e, por razões políticas da Ordem, exerce influência desta instituição religiosa, mesmo em meios não católicos. O estudo apresenta, também, o livro didático como objeto privilegiado da cultura material escolar para apreender a pedagogia, o conteúdo e o currículo vigente nas escolas da Companhia de Jesus instalada no Brasil. A investigação dialoga com Viñao Frago e Escolano (1998), Diaz (2002) e Dominique Julia (2001) sobre cultura escolar. A pesquisa conclui que os livros do inaciano Padre Galanti, utilizados nas escolas jesuíticas, no final do século XIX e início do século XX, baseados na Ratio Studiorium, influenciou outras escrituras didáticas no sistema educacional brasileiro daquele momento.
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p282
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • Jornal Formação como meio de atuação do Centro
           Estudantal Campinense (1936/1953)

    • Authors: Ajanayr Michelly Sobral Santana, Lia Machado Fiuza Fialho, Charliton José dos Santos Machado
      Pages: 304 - 331
      Abstract: Objetivou-se compreender o que motivou os estudantes do Centro Estudantal Campinense a criar o jornal Formação e como este se constituía na condição de espaço de desenvolvimento da intelectualidade juvenil e de disseminação do ideário de educação dos estudantes secundaristas. Desenvolveu-se uma pesquisa documental híbrida no Formação nas edições de 1936 e 1953, complementada com os jornais Tribuna do Estudante e Jornal do Estudante, respectivamente, nas edições de 1951 e 1953, e de entrevistas em História Oral Temática com três ex-centristas. As fontes explicitam que o Centro Estudantal Campinense se constituiu como uma organização estudantil de formação educacional e política de estudantes campinenses, desde a promoção do debate acerca dos projetos educacionais e políticos e do movimento estudantil local, que se utilizava do jornal Formação para disseminação de seu ideário. Constatou-se que, na escrita do Formação, os centristas constituíram espaços de lutas e disputas e disseminaram suas ideias. Este veículo de comunicação contribuiu para o alargamento intelectual dos estudantes campinenses.
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p304
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
  • Expediente

    • Authors: Eder Cristiano de Souza
      First page: 332
      PubDate: 2020-09-30
      DOI: 10.5433/2238-3018.2020v26n1p332
      Issue No: Vol. 26, No. 1 (2020)
       
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
 


Your IP address: 3.236.100.6
 
Home (Search)
API
About JournalTOCs
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-