Publisher: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade   (Total: 1 journals)   [Sort alphabetically]

Showing 1 - 1 of 1 Journals sorted by number of followers
Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade     Open Access   (Followers: 7)
Similar Journals
Journal Cover
Revista Brasileira de Medicina de Família e Comunidade
Number of Followers: 7  

  This is an Open Access Journal Open Access journal
ISSN (Print) 1809-5909 - ISSN (Online) 2179-7994
Published by Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade Homepage  [1 journal]
  • A atenção Primária à Saúde na pandemia da
           COVID-19

    • Authors: Michelle Fernandez; Luisa da Matta Machado Fernandes, Adriano Massuda
      Abstract: Introdução: A pandemia da COVID-19 afetou o mundo desigualmente. Países com ausência de coordenação nacional e/ou que resistiram a implementar as ações não farmacológicas de saúde pública tiveram suas populações impactadas pelo alto número de casos e pelas mortes por COVID-19, além de grandes impactos socioeconômicos, como o Brasil e os EUA. No caso brasileiro, especial atenção deve ser dada ao papel da Atenção Primária à Saúde (APS), considerando sua função de coordenadora e ordenadora do Sistema Único de Saúde. Objetivo: Este artigo tem como objetivo discutir as ações da APS no primeiro ano da emergência sanitária no Brasil. Métodos: Para realizar a análise proposta, consideramos os planos propostos por diversas organizações: Organização Mundial da Saúde, Conselho Nacional de Secretários de Saúde e Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde, Associação Brasileira de Saúde Coletiva e Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade. Os documentos foram contrapostos ao conjunto de documentos publicados pelo Ministério da Saúde relacionados à APS. Resultados: A estratégia de combate à pandemia do Brasil falhou em subestimar o papel da APS. Mesmo diante do apelo e dos parâmetros estabelecidos por entidades nacionais e internacionais, a ação foi descoordenada e pouco do previsto em notas técnicas foi implementado. Conclusões: Entendendo que a pandemia ainda está em curso no Brasil, há a necessidade de retomar a centralidade da APS.
      PubDate: Mon, 28 Nov 2022 00:00:00 -030
       
  • Dinâmica para contenção da transmissão da COVID-19 em um município do
           interior do Amazonas

    • Authors: Yury Bitencourt da Costa; Julie Anne Campos de Azevedo, Giane Zupellari dos Santos Melo, Thaysa Cristina Batista de Mattos, Sueny Evangelista da Silva Costa, Ana Rita Peixoto de Oliveira
      Abstract: Problema: A pandemia da COVID-19 causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2) tornou-se um dos maiores desafios de saúde pública deste século. Método: Trata-se de um estudo do tipo relato de experiência, realizado por alunos finalistas dos cursos de Medicina, Enfermagem e Odontologia da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), na disciplina de “Estágio rural em saúde coletiva”, no município de Itapiranga, estado do Amazonas. A experiência que deu origem a este relato ocorreu nos meses de agosto e setembro de 2020. Resultados: Os alunos foram inseridos nas equipes de saúde da família do município, com as quais desenvolveram atividades como visitas domiciliares, ações educativas em saúde, testes rápidos para COVID-19, visitas a comunidades ribeirinhas, consultas e atendimentos de enfermagem, medicina e odontologia. As medidas de prevenção da COVID-19 no município começaram com a orientação dos profissionais de saúde para o manejo da doença. Uso de máscaras, isolamento social e fechamento do comércio foram algumas providências adotas após o primeiro caso confirmado do vírus, ocorrido no dia 21 de abril de 2020. Foi realizada testagem em massa na população para a detecção dos casos sintomáticos e assintomáticos. Além disso, foram contratados mais profissionais de saúde como médicos, enfermeiros, psicólogos, técnicos de enfermagem e fisioterapeutas a fim de reforçar a equipe de saúde. Conclusão: O estágio rural em saúde coletiva na cidade de Itapiranga representou uma oportunidade ímpar de interação entre os discentes e as equipes de saúde do município, além da possibilidade de se ter uma visão mais ampla da funcionalidade da atenção primária à saúde, principalmente em período pandêmico, quando esse nível de atenção se mostrou tão importante para o diagnóstico precoce da doença quanto para a efetividade das medidas de contenção.
      PubDate: Mon, 28 Nov 2022 00:00:00 -030
       
  • Perfil e avaliação de competências comportamentais empreendedoras em
           médicos de família e comunidade brasileiros donos de clínicas e
           consultório

    • Authors: Bruno Brunelli
      Abstract: Introdução: Os médicos de família e comunidade, até pouco tempo atrás restritos ao Sistema Único de Saúde, têm sido cada vez mais requisitados no sistema suplementar. As experiências como profissionais ligados à assistência e como gestores das operadoras de saúde têm levado alguns a buscar empreender por meio de negócios próprios, na forma de clínicas e consultórios. Há um conjunto de competências que caracteriza o comportamento empreendedor, chamadas na literatura de competências comportamentais empreendedoras. Objetivo: Entender como essas competências comportamentais empreendedoras estão presentes nos médicos de família e comunidade pioneiros, seu perfil demográfico e socioeconômico, e quais influências pregressas encorajaram o aceitamento do risco para investir. Metodologia: Estudo misto, com desenho qualiquantitativo e exploratório-descritivo, com médicos de família e comunidade que já possuem consultório próprio. Foi aplicado o instrumento criado por Lenzi para a quantificação das competências comportamentais empreendedoras individuais e outro com questões para a caracterização sociodemográfica e contextual da amostra. Resultados: Foram convidados 16 médicos de família e comunidade empreendedores e atuantes no território brasileiro, encontrados por meio de contato em grupos da especialidade ativos em redes sociais. Apenas 11 responderam a ambos os questionários: seis homens e cinco mulheres de oito cidades diferentes, a maior parte capitais com mais de 1 milhão de habitantes, 90,9% formados em universidades públicas, 63,6% entre 30 e 40 anos, todos com experiência pregressa no Sistema Único de Saúde. A maior parte dos negócios tem menos de um ano (45,5%), rende menos de R$ 5.000,00 ao mês (45,5%), e a maior parte dos entrevistados trabalha ainda em outros serviços, como o próprio Sistema Único de Saúde ou para operadoras de saúde (90,9%). As competências comportamentais empreendedoras mais presentes foram “comprometimento” (90,9%), “busca de informações” (81,8%), “persistência” (72,7%) e “correr riscos calculados” (72,7%). As menos presentes foram “independência e autoconfiança” (27,3%) e “estabelecimento de metas” (45,4%). Conclusões: Apesar de ser por conveniência, é possível que a amostra represente significativa parcela dos poucos médicos de família que se têm arriscado no competitivo mercado do setor privado em saúde. Suas características: jovens, com gênero equilibrado, longa experiência no Sistema Único de Saúde e início recente no mercado privado, ainda com muito receio de investir e pouca formação formal no ramo do empreendedorismo. Este provavelmente é um retrato fidedigno do momento atual. O perfil das competências comportamentais empreendedoras desenvolvidas corroborou a literatura e serviu para alertar sobre a falta de foco no planejamento, mostrando que, embora trazer a médicos de família e comunidade para o mercado privado seja uma ideia inovadora, só boas ideias não são suficientes para produzir a estabilidade e sustentabilidade dos negócios.
      PubDate: Sat, 19 Nov 2022 00:00:00 -030
       
  • Poluição do ar

    • Authors: Mayara Floss; Rafaela Brugalli Zandavalli, Jéssica Rodrigues Borges Leão, Camila Vescovi Lima, Nelzair Vianna, Enrique Falceto Barros, Paulo Hilario Nascimento Saldiva
      Abstract: Introdução: As mortes atribuíveis à poluição do ar em longo prazo chegam a 9 milhões ao ano, concentrando-se principalmente em países de baixa e média renda como o Brasil. Classifica-se a poluição do ar em: domiciliar (indoor) ou ambiente (outdoor). A inalação de poluentes está relacionada com o aumento da incidência e desenvolvimento de condições clínicas, como doenças cardiovasculares, respiratórias e outras, que fazem parte da prática da medicina de família e comunidade. Objetivo: Verificar as evidências clínicas para a abordagem da poluição do ar relacionada à saúde humana no contexto da prática na Atenção Primária à Saúde. Métodos: Revisão de escopo do papel clínico da medicina de família e comunidade em relação à poluição do ar e saúde, voltada para questões clínicas associadas com a poluição do ar. Incluíram-se 35 artigos nesta revisão. Recomendações clínicas: Em nível individual, destacam-se a redução do uso de fogões a lenha, o uso de estratégias de proteção de fontes poluidoras (como queimadas, vias de trânsito e indústria), a filtragem do ar, o estímulo ao transporte ativo, a cessação do tabagismo. Essas recomendações devem ser complementares às políticas governamentais relacionadas à poluição do ar. Propõem-se perguntas para a entrevista clínica. Exploram-se recomendações específicas sobre uso de máscaras, atividade física e COVID-19. Sugerem-se temas de pesquisa que podem ser realizadas na Atenção Primária à Saúde e o papel da medicina de família e comunidade nesse contexto. Considerações: A inclusão na classificação internacional de atenção primária e no Código internacional de Doenças poderia melhorar a notificação e os estudos epidemiológicos sobre o assunto.
      PubDate: Sat, 19 Nov 2022 00:00:00 -030
       
  • As relações sociais de travestis e mulheres transgênero em favela de
           uma cidade metropolitana brasileira registradas pelo Ecomapa

    • Authors: Gabriela Persio Gonçalves; Eloísa Helena de Lima
      Abstract: Introdução: A Organização Mundial da Saúde tem trabalhado com a premissa da equidade com respeito universal pela dignidade humana, assumindo o compromisso de “não deixar ninguém para trás”, e por esse motivo direciona um olhar especial para a população de lésbicas, gays, bissexuais, transgêneros, queer e intersexuais. Sabe-se que a população transgênero é especialmente atingida por diversos estigmas sociais que impactam seu processo de saúde e adoecimento. Entendendo a Atenção Primária à Saúde como espaço primordial para a garantia de direitos dessa população, é necessário que os Centros de Saúde intensifiquem os esforços para acolher essas pessoas; um passo importante pode ser entender como é seu relacionamento familiar e sua inserção comunitária. Objetivo: Auxiliar na construção da visibilidade das representações que as mulheres transgênero e travestis assistidas em um Centro de Saúde têm sobre suas relações sociais. Métodos: Foram entrevistadas as travestis e mulheres transgênero moradoras de comunidade assistida pelo Centro de Saúde. As entrevistas foram feitas em profundidade e com a elaboração de ecomapa, sistematizadas com as participantes e posteriormente enviadas para sua aprovação. Os ecomapas individuais foram sintetizados em um único. Resultados: Todas as cinco travestis e mulheres transgênero que residiam na área foram entrevistadas. A média de idade foi de 27,5 anos. Sobre a autodeclaração de raça/cor, uma é branca, duas são pardas e duas, negras. Duas encontravam-se com vínculo de trabalho formal e três sem ocupação. Quatro apresentavam ensino médio completo e uma, ensino fundamental incompleto, conforme indicado na Tabela 1. Para a maioria das travestis e mulheres trans dessa comunidade, é notável o suporte familiar como ponto de apoio. No que concerne a equipamentos de proteção social, o mais citado foi a Defensoria Pública, uma organização não governamental e o Centro de Referência da Assistência Social. Todas fazem seu acompanhamento no Centro de Saúde, e uma referiu estar mais afastada por não ter demanda. A religiosidade candomblecista também foi fator de suporte para duas das entrevistadas. A maior dificuldade foi relativa à empregabilidade, com relatos de situações de transfobia. Uma das entrevistadas identificou que tem um problema relacionado à drogadição. Conclusões: Ainda há muito a evoluir em políticas públicas que promovam equidade e saúde para as mulheres trans e travestis, especialmente na garantia de cuidados com a saúde, de incentivos à empregabilidade trans e de combate à transfobia, porém as mulheres da comunidade estudada e suas famílias indicam-nos como o acolhimento e o apoio podem ser fatores diferenciais nessas trajetórias de vida.
      PubDate: Fri, 11 Nov 2022 00:00:00 -030
       
  • Avaliação da dor e seus fatores associados durante a inserção do
           dispositivo intrauterino na Atenção Primária à Saúde

    • Authors: Danyella da Silva Barreto; Maria Eduarda de Melo Pereira do Rêgo, Alexandre José de Melo Neto, Rafael Dias Gonçalves, Ianna Gil de Farias Morais, Gilka Paiva Oliveira Costa
      Abstract: Introdução: A inserção do dispositivo intrauterino é uma competência esperada para o médico generalista. No entanto, esse método encontra muitas barreiras ao ser inserido nas unidades básica de saúde, como a falta de treinamento dos profissionais e o medo que as mulheres têm de sentir dor. Objetivo: Avaliar a intensidade da dor durante o procedimento de inserção do dispositivo intrauterino realizado por médicos generalistas em unidades básicas de saúde na região metropolitana de João Pessoa e sua associação com fatores sociodemográficos, aspectos clínicos da mulher e formação médica. Métodos: Estudo transversal e descritivo, com dados coletados em 16 unidades básicas de saúde nos municípios de Conde, Caaporã, João Pessoa e Sapé, no intervalo de março a outubro de 2019. A coleta de dados foi realizada por entrevista individual com questionário estruturado, e a dor foi graduada pela escala visual analógica. Os dados foram analisados utilizando-se os testes de Mann-Whitney e χ². Resultados: Participaram do estudo 139 mulheres com idade mínima de 14 e máxima de 47 anos, cuja média de dor foi de 5,5 para aquelas que estavam menstruadas e de 4,6 para as que não estavam. A dor leve esteve presente em 20,1%, a dor moderada em 38% e dor intensa em 31,7%. Histerometria acima de 7 cm, histórico de uso de anti-inflamatórios na menstruação e de dismenorreia estiveram mais presentes em quem referiu dor intensa (p<0,001). Quanto à qualificação do médico que insere o dispositivo intrauterino, não houve significância estatística na correlação de dor intensa com o fato de ele ser residente (p=0,268), com o tempo de formatura (p=0,080) nem com a dificuldade técnica encontrada (p=0,065). Conclusões: A dor foi considerada pela maioria das mulheres como moderada, sendo uma oferta e um procedimento viável de ser ensinado e inserido na Atenção Primária à Saúde.
      PubDate: Fri, 11 Nov 2022 00:00:00 -030
       
  • Avaliação de adequabilidade de um serviço de
           telespirometria

    • Authors: Amanda Gomes Faria; Cynthia Goulart Molina-Bastos, Marcelo Rodrigues Gonçalves, Carlos André Aita Schmitz
      Abstract: Introdução: As doenças respiratórias crônicas estão entre os principais problemas de saúde pública no mundo. Mesmo sendo sensíveis ao tratamento na Atenção Primária à Saúde, são a terceira principal causa de morte no Brasil. Os serviços de telemedicina apresentam-se como aliados importantes dos profissionais de saúde no que tange ao manejo de doenças respiratórias como a asma e a doença pulmonar obstrutiva crônica. Objetivo: Avaliar a adequabilidade de um serviço de telemedicina diagnóstica em espirometria considerando os indicadores de oferta, utilização e cobertura populacional no estado do Rio Grande do Sul. Resultados: No período estudado, o serviço ofertou 27.672 exames de telespirometria aos usuários do Sistema Único de Saúde do Rio Grande do Sul encaminhados por médicos da Atenção Primária à Saúde. A utilização esteve abaixo de 50% da oferta em todas as macrorregiões de saúde do estado. Conclusões: O estudo demonstrou que a capacidade instalada pelo serviço esteve adequada para atender à demanda populacional do Rio Grande do Sul, no entanto a baixa utilização do serviço pode estar associada ao desconhecimento sobre ele e à dificuldade em reconhecer essas doenças por parte dos profissionais de saúde da Atenção Primária à Saúde.
      PubDate: Fri, 11 Nov 2022 00:00:00 -030
       
  • Impacto do Programa Mais Médicos nas internações por condições
           sensíveis na Atenção Primária

    • Authors: Adenísio Vicente Martins; Ludmila Grego Maia, Priscila Nunes Pereira, Sérgio Valverde Marques dos Santos, Luiz Almeida da Silva
      Abstract: Introdução: No Brasil, um dos principais desafios que a Estratégia Saúde da Família (ESF) tem enfrentado é a alta rotatividade de profissionais, principalmente médicos de família e comunidade. Assim, o Programa Mais Médicos (PMM) surgiu para suprir a carência de profissionais médicos nas regiões brasileiras, garantindo assistência de qualidade na Atenção Primária à Saúde (APS). Objetivo: Analisar a efetividade do Programa Mais Médicos no Brasil com base nas internações por condições sensíveis à Atenção Primária (ICSAP) antes e depois da implementação. Métodos: Estudo ecológico de séries temporais, com dados dos anos de 2010 a 2016 — período de três anos antes e depois da implantação do PMM no sudoeste de Goiás — extraídos do Sistema de Informações Hospitalares. A tabulação dos dados foi realizada pelo TabWin3.2, e posteriormente eles foram analisados no programa Stata 15.0, com análise da tendência por meio da regressão linear. Resultados: A taxa média de internação foi estatisticamente maior que a taxa média de ICSAP (p<0,001). A taxa média de ICSAP nos homens foi estatisticamente maior que a taxa média de ICSAP (p<0,05). Verificou-se redução da taxa de incidência global de ICSAP (p<0,001) após a implantação do PMM (p<0,001). Conclusões: Os resultados deste estudo sugerem que a inclusão de médicos nos serviços de APS após a implantação do PMM contribuiu para o acesso aos serviços de saúde, ao mostrar tendência de redução das ICSAP mais significativas em decorrência das ações do Programa.
      PubDate: Sat, 05 Nov 2022 00:00:00 -030
       
  • Predição de visitas domiciliares na atenção
           primária

    • Authors: Luiza Bolsoni; Leandro Pereira Garcia, Daniela Baumgart de Liz Calderón
      Abstract: Introdução: Espera-se, nos próximos anos, um novo perfil de demanda para o Sistema Único de Saúde em consequência do envelhecimento populacional e do aumento da prevalência de doenças crônicas. Diante disso, faz-se necessário o uso de ferramentas para estimar a demanda futura por serviços. Modelos para a análise de séries temporais como o Autoregressive Integrated Moving Average (ARIMA) podem auxiliar. Objetivo: Estimar a demanda por visitas domiciliares na Atenção Primária à Saúde (APS) do Sistema Único de Saúde, em Florianópolis (SC). Métodos: Estudo ecológico de séries temporais que utilizou o ARIMA para projeções. Adotaram-se as visitas domiciliares realizadas pela APS, registradas do prontuário eletrônico da Secretaria de Saúde do município, de janeiro de 2015 a fevereiro de 2019. As projeções dos 20 meses seguintes foram realizadas para o município e para cada um de seus 49 Centros de Saúde. Resultados: A previsão aponta, em agosto de 2019, a máxima de 702 visitas, seguida de queda para 573 visitas em dezembro de 2019 e posterior recuperação, com estimativa de 632 para outubro de 2020. A previsão para cada Centro de Saúde indicou variações na demanda entre unidades com o mesmo número de equipes de Saúde da Família (ESF), entre 11,3 e 1,3 visitas/ESF, no 20o mês. Conclusões: O ARIMA possibilitou a realização das projeções de visitas domiciliares no município, indicando queda na demanda de visitas domiciliares. O método pode ser de grande valia para a projeção de outras demandas no mesmo município ou em outros que possuam dados de série histórica. Estudos futuros podem expandir a análise nesse sentido, bem como comparar o ARIMA com modelos como a suavização exponencial.
      PubDate: Fri, 07 Oct 2022 00:00:00 -030
       
  • Estágio em Medicina de Família e Comunidade em unidades com residência
           médica no município do Rio de Janeiro

    • Authors: Thaís Ranzani Tiseo; Marcia Cristina Lemos dos Santos, Clarice de Azevedo Sarmet Loureiro Smiderle
      Abstract: Introdução: Atualmente os estudantes de Medicina devem cumprir 30% de seu estágio obrigatório no Sistema Único de Saúde, na atenção primária e em serviço de urgência e emergência. No Rio de Janeiro, as principais instituições de ensino adequaram seus currículos a essa exigência e o internato em Medicina de Família e Comunidade passou a ocupar grande parte dessa carga horária. Objetivo: Este trabalho propõe-se a investigar como esse estágio, realizado em unidades com residência de Medicina de Família e Comunidade (MFC) na cidade do Rio de Janeiro, impacta a formação de futuros médicos, identificando quais os principais fatores envolvidos, quais as potencialidades desse estágio e sua influência, tanto pessoal como social, sobre os estudantes. Métodos: Foi realizado um estudo qualitativo, e a coleta de dados ocorreu por meio de minigrupos focais com alunos de uma universidade federal que vivenciaram o internato em Medicina de Família e Comunidade em unidades nas quais programas de residência estão implementados. A análise temática foi posteriormente realizada seguindo os preceitos de Bardin. Resultados: Na análise de dados, foram estudadas seis categorias: expectativas prévias em relação ao estágio e à MFC, impressões atuais sobre o estágio e a MFC, aprendizados diversos de outras especialidades, vivências que aproximam da MFC, vivências que afastam da MFC e aprendizados extra-acadêmicos. Conclusões: Com deste estudo foi possível identificar, por meio da percepção dos estudantes, os pontos fracos e fortes da realização de estágio em unidades com residência médica em MFC na cidade do Rio de Janeiro e como essa vivência impacta a formação dos acadêmicos. Pelo potencial demonstrado, sugere-se incentivo e investimento nesse tipo de estágio.
      PubDate: Fri, 07 Oct 2022 00:00:00 -030
       
  • COVID-19 e a saúde mental de médicos residentes na
           atenção primária

    • Authors: Bruno Limaverde Vilar Lobo; Paulo César de Almeida, Mariana Pompílio Gomes Cabral
      Abstract: Introdução: A pandemia da COVID-19 tem feito inúmeras vítimas fatais em todo o mundo. Ela não apenas ameaça a esfera física do indivíduo, como também pode gerar importante adoecimento psicológico na população, principalmente por conta do medo de contrair a doença. Objetivo: Avaliar a relação do medo da COVID-19 com sintomas ansiosos e depressivos dos residentes de Medicina de Família e Comunidade da região metropolitana de Fortaleza. Métodos: Realizou-se um estudo quantitativo analítico, correlacional e transversal, no qual os participantes responderam a um formulário eletrônico que continha um questionário elaborado pelos autores e os instrumentos Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (HADS) e Escala de Medo do COVID-19 (EMC-19). Resultados: A pesquisa contou com 50 participantes. Verificou-se que 52% dos residentes apresentavam sintomas de ansiedade, 36% sintomas depressivos e 22% possuíam medo da doença de moderado a intenso. As maiores médias de medo foram dos residentes que já tratavam ansiedade ou depressão e dos residentes que iniciaram tratamento durante a pandemia. Conclusões: O estudo demonstrou que uma porcentagem relevante dos pesquisados apresentou sintomas de ansiedade e depressão, além de mostrar associação direta entre esses sintomas e o medo da COVID-19. Conclui-se enfatizando que o contexto pandêmico exige maior atenção às circunstâncias da saúde mental dos residentes de Medicina de Família para propor medidas de enfrentamento mais resolutivas à problemática.
      PubDate: Sat, 01 Oct 2022 00:00:00 -030
       
  • Análise retrospectiva de um programa para cessação do tabagismo em
           município do leste mineiro

    • Authors: Rayane Castro; Andressa Silva de Oliveira, Rafael Marins Rezende, Xellen Cunha Muniz, Thátila Canuto Gomes Pereira, Leonor Eliza de Assis Abi Ali, Ludimila Forechi
      Abstract: Introdução: O programa “Deixando de Fumar sem Mistérios” foi desenvolvido para ajudar os participantes a cessar o tabagismo. Objetivo: Avaliar o número de participantes que cessaram o tabagismo após 12 meses do programa “Deixando de Fumar sem Mistérios”, mensurar o nível atual de dependência da nicotina dos que não cessaram o hábito e detectar os fatores envolvidos na falta de adesão ao programa. Metodologia: Entrevista foi realizada com 39 participantes do programa “Deixando de Fumar sem Mistérios” em um município mineiro, para a aplicação do teste de Fagerström e de questionário sobre o funcionamento do programa. A análise dos dados foi realizada por meio do cálculo das frequências absolutas (n) e relativas (%). Resultados: Dos entrevistados, 23% relataram ter parado de fumar, 51% não faltaram às reuniões, e 74% declararam satisfação com o resultado do programa. O nível de dependência do tabaco dos participantes que não cessaram o tabagismo foi moderado (5,2±2,8 pontos), com consumo médio de 22,9±17,3 cigarros/dia e 35,0±15,5 anos de consumo. Os fatores que mais contribuíram para a falta de adesão foram questões logísticas (56%) e crenças pessoais (36%). Conclusão: O grau de satisfação com o programa foi elevado. A desatualização cadastral dificultou o contato com grande parte dos participantes, evidenciando a necessidade de adaptações logísticas para que o programa contribua mais efetivamente com a cessação do tabagismo dos participantes.
      PubDate: Sat, 01 Oct 2022 00:00:00 -030
       
  • Tendência temporal das complicações do pé diabético e da cobertura da
           Atenção Primária à Saúde nas capitais brasileiras, 2008–2018

    • Authors: Adson Aragão de Araújo Santos; André Fellipe Lima Gomes, Fillipe Siqueira Santos da Silva, Hellen de Carvalho Lima, José Matheus Mendonça da Silva, Marcello Barbosa Otoni Gonçalves Guedes, Diego Neves Araújo, Carlos Alberto de Lima Botelho Filho, Matheus Rodrigues Lopes, Johnnatas Mikael Lopes
      Abstract: Introdução: Complicações diabéticas são condições preveníveis em sua maioria, sendo o pé diabético uma das mais comuns. O manejo adequado do pé diabético mitiga eventos incapacitantes e maiores gastos ao sistema de saúde. As intervenções efetivas na Atenção Primária à Saúde (APS) possibilitam prevenir as complicações diabéticas. Objetivo: Analisar a tendência das complicações do pé diabético e sua relação com a cobertura da APS nas capitais brasileiras, entre 2008 e 2018. Métodos: Estudo ecológico de séries temporais das incidências acumuladas de complicações do pé diabético nas 27 capitais utilizando dados do Sistema de Informação sobre Hipertensos e Diabéticos. As variáveis independentes foram ano, cobertura da APS e da Estratégia Saúde da Família. Empregou-se modelo de regressão de Prais-Winsten. Resultados: No Brasil, ocorreram 45.095 casos de complicações do pé diabético no período, com média de 0,57 casos/100.000 habitantes (p<0,001) — estável em 14 capitais (p>0,05) e crescente em 13 capitais (p<0,05). Há associação entre elevação do nível de cobertura da APS e estabilidade na evolução das complicações diabéticas (p<0,05). Conclusões: Evidencia-se aumento da ocorrência das complicações do pé diabético, contudo, nas capitais com crescimento da cobertura da APS, houve controle da progressão.
      PubDate: Sat, 01 Oct 2022 00:00:00 -030
       
  • Impactos da ausência do Núcleo de Apoio à Saúde da Família no
           contexto da pandemia de COVID-19

    • Authors: Mariana de Paula Santana; Aline Martins Alves, Isadora Cecília Salgado Gama, Natália Varreira Parduci, Mônica Mussolini Larroque, Bruna Moretti Luchesi
      Abstract: A COVID-19 trouxe um panorama desafiador e incerto para o mundo — especialmente no Brasil, em que, por conta do descrédito de medidas comprovadamente efetivas e políticas negacionistas, o cenário pandêmico tem sido devastador. Apesar disso, o País conta com muitas potencialidades para o enfrentamento da crise sanitária, notadamente por meio da Atenção Primária à Saúde. Um dos destaques seriam os Núcleos de Apoio à Saúde da Família, que poderiam atender às demandas multidimensionais da população, evidenciando-se aquelas causadas ou agravadas pela pandemia. No entanto, os Núcleos de Apoio à Saúde da Família, criados em 2008, foram intensamente prejudicados pela Portaria nº 2.979, de novembro de 2019, e da Nota Técnica nº 3/2020, da Secretaria de Atenção Primária à Saúde, que representaram, em síntese, a desestruturação da Atenção Primária à Saúde. Assim, objetivamos demonstrar a importância dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família e os impactos de sua ausência no cenário pós-pandêmico.
      PubDate: Thu, 29 Sep 2022 00:00:00 -030
       
  • Alcançando o lazer na entrevista médica

    • Authors: Ricardo Alexandre de Souza
      Abstract: A entrevista médica resume-se a organizar as informações do paciente em algoritmo médico para possibilitar as decisões e organizar o registro. O lazer é informação fundamental para compreender o contexto do sujeito. A relação da cultura com o lazer cria a necessidade de percebermos que, dependendo do lugar e do tempo, haverá algumas atividades prescritas e proscritas de lazer. Para manter uma vida ativa e de qualidade, faz-se necessário que o paciente precise, algumas vezes, da prescrição ou proscrição do lazer, que é muito mais amplo do que atividades físicas. Como possibilitar que isso ocorra e o que deve ser procurado para melhor compreender isso' O que é lazer e quais as suas formas de prescrição'
      PubDate: Thu, 29 Sep 2022 00:00:00 -030
       
  • Diagnóstico de doença de Addison por meio de lesão cutânea na
           Atenção Primária

    • Authors: Izabela Brugugnolli; Ana Olívia Guedes Leite, Giovanna Emanuella Piffer Soares Arantes, Leonardo Valentini Arf, João Pedro Martoneto Faccioli, Luis Gustavo Cunha Claudino
      Abstract: A doença de Addison, ou insuficiência adrenal primária, é uma doença insidiosa e rara, que pode apresentar altas taxas de morbi-mortalidade quando o seu diagnóstico não é reconhecido e o seu tratamento não é iniciado precocemente. Apresenta sintomas variados, entre eles destacando-se hipotensão arterial, hiperpigmentação cutânea, hiponatremia e hipercalemia. Quando não tratada, pode evoluir com crise adrenal e colapso cardiovascular. O diagnóstico da doença de Addison é feito clinicamente e através dos achados, em exames laboratoriais, de concentrações elevadas do hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) e de baixas concentrações de cortisol no plasma.  O tratamento depende da causa e requer abordagem multidisciplinar, mas em geral se faz com reposição de glicocorticoides e, ocasionalmente, demais hormônios. Este artigo descreve um caso de Doença de Addison diagnosticada na Atenção Primária à saúde, situação esta que não é comum, já que a doença apresenta sintomas clínicos bastante inespecíficos, principalmente em seus estágios iniciais, e frequentemente não é um diagnóstico considerado. Palavras Chave: Doença de Addison; Insuficiência Adrenal Primária; Relato de caso; Atenção primária à saúde.  
      PubDate: Thu, 29 Sep 2022 00:00:00 -030
       
  • A percepção do usuário idoso sobre o acesso e a qualidade da Atenção
           Primária à Saúde

    • Authors: Ana Carolina Diniz Oliveira; Karla Cristina Giacomin, Wagner Jorge dos Santos, Josélia Oliveira Araújo Firmo
      Abstract: Introdução: O envelhecimento populacional brasileiro já repercute na Atenção Primária à Saúde. Objetivo: Avaliar a percepção dos idosos quanto ao acesso e à qualidade da atenção em Bambuí, Minas Gerais. Métodos: Esta pesquisa tem abordagem qualitativa. O modelo dos signos, significados e ações foi utilizado na coleta e análise dos dados. Foram realizadas entrevistas nos domicílios, cuja escolha baseou-se em critérios para garantir a heterogeneidade dos participantes. Resultados: A análise fundamentou-se na perspectiva êmica. Nela, emergiram elementos que compõem a percepção do usuário idoso acerca da implantação e da consolidação do Sistema Único de Saúde e da Estratégia Saúde da Família local na categoria ― Desafios da Atenção Primária à Saúde na percepção do usuário idoso. Observou-se na percepção dos idosos, o serviço público evoluiu para melhor, porém ainda persistem dificuldades de acesso e a insatisfação de alguns com a qualidade do serviço, o que os leva à busca pela atenção secundária, pela urgência e pela medicina privada. Conclusões: Os achados demonstram que na percepção dos idosos a implantação da Estratégia Saúde da Família foi positiva, porém a atenção primária em saúde ainda pode ser melhorada.
      PubDate: Wed, 28 Sep 2022 00:00:00 -030
       
  • Para além do processo transexualizador

    • Authors: Marcelle Medeiros Lucena; Guilherme Gomes Ferreira, Mayara Floss, Diego Azevedo Conte de Melo
      Abstract: Problema: Sabe-se que transexuais e travestis são uma população extremamente vulnerabilizada em diversas esferas sociais, incluindo institucionalmente. Na saúde, esse processo não é diferente, e o que se observa são inúmeras barreiras às demandas em saúde dessa população. Essa desassistência está em dissonância da legislação vigente, dos próprios fundamentos do Sistema Único de Saúde (SUS) e mesmo de políticas de atenção à saúde da população LGBTQIA+. A ampliação e o fortalecimento da rede de cuidado dessa população caminham no sentido de redução das iniquidades e reparação histórica, que são sistematicamente violentadas nos moldes sociais que temos atualmente. O objetivo do trabalho foi relatar a experiência da criação do serviço do Ambulatório de Identidade de Gênero (AMIG) do Grupo Hospitalar Conceição, um serviço integral e despatologizador de atendimento à saúde trans e travesti no contexto da Atenção Primária à Saúde no SUS. Método: Este é um estudo de natureza qualitativa, do tipo descritivo. Foi realizada pesquisa documental de minutas e materiais produzidos nesse percurso, bem como observações feitas pelos pesquisadores, como diário de campo, que decorreram da participação nesse processo. Para a análise dos dados, foi utilizada análise de conteúdo, a fim de sintetizar e processar as informações coletadas. Resultados: Serviços específicos para a população trans e travesti são necessários, pois operam na lógica de sanar iniquidades históricas sofridas por essa população. A concepção e a operacionalização desse serviço permitiram revisitar etapas de um processo complexo e nem sempre linear, com desafios incluindo a transfobia. Conclusão: O fortalecimento do próprio serviço e da rede de atenção à saúde dessa população necessitará da formação continuada de profissionais, bem como do incentivo das instituições envolvidas nesse processo. A formalização do projeto, a ampliação da participação popular e de movimentos sociais e o estímulo a ações educativas e formativas são perspectivas a serem consideradas nos próximos passos dessa trajetória.
      PubDate: Sat, 30 Jul 2022 00:00:00 -030
       
  • Análise da produção científica sobre a síndrome de burnout em
           médicos da atenção primária

    • Authors: Fernando Augusto Figueiredo Montandon; Rodrigo Pastor Alves Pereira, Leonardo Cançado Monteiro Savassi
      Abstract: Introdução: A síndrome de burnout é um transtorno adaptativo ao estresse crônico no ambiente laboral, com consequências tanto na saúde e na qualidade de vida do profissional quanto em sua organização e desempenho no trabalho. Médicos de todas as especialidades estão vulneráveis ao desenvolvimento da síndrome de burnout. Aqueles que atuam na atenção primária à saúde – generalistas e médicos de família e comunidade – parecem apresentar maior risco, visto que estão expostos a diversos estressores no trabalho. As pesquisas sobre a síndrome de burnout em médicos da atenção primária à saúde vêm ganhando destaque nos últimos 20 anos, e a escassez de estudos no Brasil dificulta a caracterização do real impacto dessa síndrome nesses profissionais. Objetivo: Revisar a literatura na busca por publicações relacionadas à síndrome de burnout em médicos da atenção primária à saúde e analisá-las, sistematizando as áreas de interesse. Métodos: Revisão narrativa da literatura sobre a síndrome de burnout em médicos da atenção primária à saúde, por meio de busca sistematizada nas bases eletrônicas PubMed e Scientific Electronic Library Online (SciELO), utilizando os seguintes descritores: "burnout, professional", "physicians, primary care" e "physicians, family". A busca foi realizada em outubro de 2018 e possibilitou a identificação de 192 publicações, das quais 55 foram incluídas na análise e categorizadas quanto a ano de publicação, país de origem, desenho do estudo e áreas de interesse. Resultados: A maior parte dos estudos era do tipo observacional descritivo transversal, metodologia utilizada em 40 trabalhos. Também foram identificadas duas revisões sistemáticas de estudos observacionais, dois estudos descritivos qualitativos, dois estudos longitudinais de coorte, dois ensaios clínicos randomizados, dois artigos de opinião, dois editoriais, um ensaio temporal, uma série temporal e um estudo de caso. Identificamos uma variedade de temas investigados sobre a síndrome de burnout em médicos da atenção primária à saúde, mas são frequentes estudos observacionais que descrevem a prevalência da síndrome nesses profissionais e as diversas variáveis de associação. As mais frequentemente estudadas são as sociodemográficas e as relacionadas ao ambiente laboral ou ao profissional. Percebe-se escassez de estudos que levantem dados epidemiológicos em médicos da atenção primária à saúde no Brasil, passo importante para o conhecimento de como essa síndrome se comporta em nosso meio. Conclusões: Fazem-se necessárias pesquisas de prevalência e sobre o impacto da síndrome de burnout nos médicos da atenção primária à saúde, que investiguem principalmente fatores relacionados ao ambiente e ao processo laboral. Ensaios clínicos podem prover evidências no combate eficaz ao burnout. Estudos qualitativos podem levantar dados sobre as motivações dos profissionais, além de comportamentos, opiniões e expectativas, direcionando estratégias para o enfrentamento dessa síndrome.
      PubDate: Sat, 30 Jul 2022 00:00:00 -030
       
  • Coping espiritual/religioso e fim de vida

    • Authors: Valéria Carolina Armas Villegas; Andressa Luciani Pereira Rodrigues , Elaine Rossi Ribeiro, Márcio José de Almeida, Mary Rute Gomes Esperandio
      Abstract: Introdução: A espiritualidade/religiosidade é considerada uma dimensão essencial nas boas práticas em cuidados paliativos, principalmente durante a fase de terminalidade. Esses pacientes, assim como seus familiares, fazem uso de estratégias de coping espiritual/religioso. Objetivo: O objetivo desta revisão é mostrar a relação entre o coping espiritual/religioso e o processo de terminalidade. Método: A metodologia aplicada foi a revisão sistemática e utilizou PubMed, Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), PsycINFO e Scientific Electronic Library Online (SciELO) como bases de dados. Resultado: Foram capturados 96 artigos e sete foram selecionados para análise. Tais artigos abordaram questões de apego, tipos de coping, significado da doença e dificuldades de mensuração da espiritualidade/religiosidade. Conclusão: Os estudos demonstram que o coping espiritual/religioso influencia na qualidade da morte durante o processo de terminalidade.
      PubDate: Sat, 30 Jul 2022 00:00:00 -030
       
  • Os fundamentos da Abordagem Centrada na Pessoa na obra de Carl Ransom
           Rogers e a relevância deles para a prática clínica da Medicina de
           Família e Comunidade

    • Authors: Rodrigo Caprio Leite de Castro
      Abstract: A abordagem centrada na pessoa (ACP) é uma ferramenta clínica estruturante da Medicina de Família e Comunidade (MFC), sendo o seu ensino parte essencial dos programas de residência médica nessa especialidade. A fundamentação teórica da ACP está alicerçada sobre a obra do psicólogo norte-americano Carl Ransom Rogers, considerado o precursor da Psicologia Humanista. O objetivo deste artigo é apresentar os fundamentos da ACP na obra de Rogers e a relevância deles para a prática clínica da MFC. Os principais conceitos são apresentados em três pontos: 1) tendência atualizante (ou formativa); 2) ACP e a produção de insight; e 3) os três conceitos-chave (ou atitudes-chave) da ACP: congruência, consideração incondicional positiva e compreensão empática. Existe viva, pela obra de Rogers, a perspectiva de construção e aperfeiçoamento da clínica humanista, de maneira que, por essa razão, justamente, essa referência oferece um enorme potencial de qualificação da clínica da MFC.
      PubDate: Sat, 30 Jul 2022 00:00:00 -030
       
  • Fitoterapia e desmedicalização na Atenção
           Primária à Saúde

    • Authors: Artur Alves da Silva; Wandson Alves Ribeiro Padilha
      Abstract: Introdução: O uso da fitoterapia no cuidado em saúde é acessível, confiável e culturalmente aceito, reconhecendo-se que cerca de 80% da população mundial faz uso das plantas medicinais. No Sistema Único de Saúde (SUS), com o movimento da Reforma Sanitária e os interesses popular e institucional, foi construída a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, que incentivou a implantação de diversos programas de fitoterapia no Brasil. Apesar dessa ascensão da fitoterapia no SUS, a medicalização segue influenciando a prática clínica e tornando os indivíduos cada vez mais suscetíveis a intervenções desnecessárias, que muitas vezes acabam causando danos. Objetivo: Debater possibilidades de uso da fitoterapia no enfrentamento da sobremedicalização para promover a prevenção quaternária na Atenção Primária à Saúde. Métodos: Trata-se de um ensaio teórico elaborado com base na contextualização da possibilidade de enfrentamento da medicalização no âmbito do SUS, com o uso da fitoterapia. Resultados: O referencial teórico partiu de uma breve revisão do avanço da medicalização no SUS, considerando em seguida a fitoterapia como prática acessível e difundida entre a população brasileira como possibilidade para reduzir a medicalização ao ser correlacionada com o método clínico centrado na pessoa. Conclusões: A fitoterapia pode ser uma aliada da prática da prevenção quaternária ao tornar possível o encontro do saber tradicional com o técnico-científico, viabilizando um modo de cuidado alternativo à lógica medicalizadora.
      PubDate: Sat, 30 Jul 2022 00:00:00 -030
       
  • Auriculoterapia na atenção primária

    • Authors: Lívia Karoline Morais da Silva; Hannyelly de Souza Lima, Wanessa Toscano Cavalcante, Maria do Socorro Trindade Morais, Yullia Abreu Viana , Luana Martiniano da Silva
      Abstract: Introdução: A inserção da auriculoterapia no âmbito da atenção primária à saúde em João Pessoa é recente e ocorre de forma autônoma e difusa, a depender da motivação dos profissionais. Objetivo: O objetivo deste artigo é apresentar uma breve análise sobre a oferta da auriculoterapia em um grupo de caráter fechado. Métodos: Pesquisa qualitativa exploratória utilizando dados coletados por meio de entrevistas semiestruturadas com usuários que utilizam a auriculoterapia no processo terapêutico. Resultados: Após a análise qualitativa dos dados por meio da técnica de análise de conteúdo de Bardin, emergiram três categorias: compreensão e construção de conceitos sobre auriculoterapia; concepção sobre a eficácia da auriculoterapia; experiência da auriculoterapia em grupo. Pode-se depreender que a oferta de auriculoterapia na atenção primária é visualizada pelo usuário como uma prática que leva ao bem-estar e alivia suas dores, sejam elas físicas ou emocionais. Os usuários revelam ainda a importância da educação em saúde para a compreensão da terapia da qual usufruem, construindo suas concepções pelas vivências, trocas e compartilhamento de conhecimentos. Conclusões: A auriculoterapia é, portanto, uma prática pela qual se pode construir e fortalecer vínculos e aumentar o escopo de ações ofertadas para o alcance da integralidade.
      PubDate: Sat, 30 Jul 2022 00:00:00 -030
       
  • Produção de fumo e insônia

    • Authors: Maria Luisa Kechichian Lucchini; Andreia Costa, Ana Júlia Araújo de Carvalho, Mayara Floss, Marcela Araújo de Oliveira Santana, Gabriella d’Avila Lopes
      Abstract: Introdução: A fumicultura concentra-se sobretudo em áreas rurais do Sul do país. Reconhecidamente, as áreas rurais apresentam disparidades socioeconômicas, desigualdades no acesso geográfico, bem como dificuldade de retenção de profissionais na Atenção Primária à Saúde (APS). Apresentação do caso: Descrevem-se, neste artigo, as intersecções de determinantes socioeconômicos de saúde ao se abordar um paciente masculino, de 57 anos, em uso crônico de benzodiazepínicos para o tratamento de insônia. Ao se aprofundar a anamnese, os determinantes socioeconômicos que levaram ao desenvolvimento da insônia foram identificados como: dificuldades financeiras na produção de tabaco, preocupações excessivas com o trabalho e presença de depressão como comorbidade. Nesse sentido, ser produtor de tabaco e a relação com a empresa podem ser considerados determinantes socioeconômicos da saúde para o desenvolvimento de insônia. Conclusões: No contexto deste caso, a rotatividade de profissionais e a falta de criação de vínculo fez com que o paciente permanecesse cronicamente a tratar a insônia como benzodiazepínico, o que é proscrito. Assim, revelam-se a fragmentação do cuidado e a alta rotatividade de profissionais como determinantes socioeconômicos da saúde.
      PubDate: Sat, 30 Jul 2022 00:00:00 -030
       
  • Semeando saúde

    • Authors: Gabriel Brito de Moura Monteiro; Bruno Henrique Soares Pessoa
      Abstract: Problema: Atualmente, o paradigma da produção de saúde é prodigalizado por uma miríade de interesses mercantis galanteadores do modelo biomédico, que supervaloriza o conhecimento científico moderno. Mesmo que seja desprestigiado pela soberania científica, cerca de 70% do uso popular das plantas medicinais é confirmado cientificamente, e esses saberes não institucionais são frequentes nas práticas cotidianas. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 80% da população de países em desenvolvimento utiliza-se de práticas tradicionais na atenção primária à saúde e, desse total, 85% fazem uso de plantas medicinais. No Brasil, 82% dos brasileiros usam produtos à base de plantas medicinais para cuidar da saúde. Perante este descompasso, a atenção primária à saúde destaca-se como espaço estratégico para adubar o terreno das práticas fitoterápicas. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo, qualitativo, do tipo relato de experiência, sobre o desenvolvimento de um jardim medicinal localizado numa Unidade de Saúde da Família do município de Recife, Pernambuco. Utilizou-se um registro sistemático das atividades por meio da confecção de um diário de campo com registro fotográfico, complementado por levantamento bibliográfico e pesquisa documental. Resultados: O projeto perpassou pelas etapas informacional, estrutural e de plantio, constelando vários saberes com base no espírito da multiprofissionalidade e da participação comunitária. Ao fim, os esforços culminaram na efetivação de um jardim medicinal, propiciando um espaço para a troca de conhecimentos e experiências. Conclusão: Conclui-se que a estruturação de um jardim medicinal no âmbito da atenção primária à saúde conclama um prodigioso potencial no fortalecimento dos princípios que norteiam esse nível de atenção, reposicionando o usuário no centro do modelo de cuidado e ampliando as opções terapêuticas eficazes e de baixo custo.
      PubDate: Thu, 30 Jun 2022 00:00:00 -030
       
  • Telematriciamento em saúde mental na pandemia de COVID-19

    • Authors: Claudia Reis Miliauskas; Camila Rocha, Fábio Salomão, Helena Ferraz, Sandra Fortes
      Abstract: Problema: A demanda em saúde mental na Atenção Primária à Saúde (APS) é alta, e a capacitação das equipes para a detecção e o tratamento desses pacientes é fundamental, sendo o matriciamento, modelo de cuidado colaborativo desenvolvido no contexto brasileiro, uma ferramenta importante para a efetividade do cuidado em saúde mental na APS. Em março de 2020, com o isolamento social consequente à pandemia pelo novo coronavírus, houve necessidade de reorganização dos serviços. O objetivo deste artigo é descrever a experiência de telematriciamento e reorganização do apoio matricial em saúde mental em unidade da APS do município do Rio de Janeiro, nos primeiros meses de pandemia. Método: O Centro Municipal de Saúde Heitor Beltrão localiza-se na Zona Norte do Rio de Janeiro. Nos anos de 2017 a 2019, o matriciamento ocorreu por meio de consultas conjuntas, discussão de casos e grupo de psicotrópicos. No início da pandemia, o trabalho foi reorganizado em duas frentes: teleconsultas conjuntas síncronas e organização da lista de usuários com transtornos mentais. Resultados: Foram realizadas 50 teleconsultas conjuntas no período de 12 semanas, com média de 4,16 consultas/semana, sendo os diagnósticos mais frequentes transtornos depressivos e ansiosos seguidos de transtornos de personalidade e por uso de substâncias. O novo formato permitiu a manutenção do acesso de usuários da saúde mental ao serviço, a absorção de novos casos, a melhoria de acesso a usuários do grupo de risco para infecção por coronavírus e a continuidade do processo formativo em saúde com aquisição de novas competências e modernização do trabalho. As principais limitações foram a falta de equipamentos disponíveis e a dificuldade de acesso à internet. Conclusão: Esta experiência, desenvolvida em razão da pandemia de COVID-19, descreve os desafios e benefícios da utilização do telematriciamento e da criação da lista de usuários da saúde mental. Poderá auxiliar profissionais e gestores de outros serviços a desenvolver adaptações mais adequadas às realidades locais.
      PubDate: Thu, 30 Jun 2022 00:00:00 -030
       
  • Avaliação dos atributos da atenção primária à saúde sob a ótica
           dos profissionais médicos

    • Authors: Ana Paula Brandão Costa; Maximiliano Ribeiro Guerra, Isabel Cristina Gonçalves Leite
      Abstract: Introdução: A presença e a extensão dos atributos da Atenção Primária à Saúde são fatores determinantes na efetividade da assistência em serviços de atenção primária. Objetivo: Avaliar a aplicação dos atributos da Atenção Primária à Saúde na perspectiva dos profissionais médicos das unidades básicas de saúde. Métodos: Trata-se de estudo transversal, realizado por meio da aplicação de questionário Primary Care Assessment Tool (PCATool-Brasil), na versão profissionais de saúde, e de questionário sociodemográfico para caracterizar o perfil de formação, experiência profissional e atuação na Atenção Primária à Saúde. Participaram da pesquisa os médicos de unidades da Estratégia Saúde da Família, tradicionais e mistas, do município de Juiz de Fora. Resultados: As médias dos escores gerais, essenciais e derivados dos atributos da Atenção Primária à Saúde exibiram pontuação considerada como satisfatória (≥6,6), contudo o atributo de acessibilidade foi avaliado como insatisfatório. Além disso, os atributos de longitudinalidade e coordenação/integração do cuidado obtiveram avaliação insatisfatória entre os médicos com menor tempo de atuação na Atenção Primária à Saúde, enquanto os atributos de longitudinalidade e orientação familiar receberam avaliação insatisfatória dos médicos que não cursaram pós-graduação em medicina de família e comunidade ou áreas afins. Conclusões: O estudo aponta para a necessidade de ampliação da acessibilidade aos serviços de atenção primária, da busca de alternativas para a valorização e a fixação do profissional médico na Atenção Primária à Saúde e o estímulo à formação e à qualificação desses profissionais de saúde, com a finalidade de propiciar o aumento da resolutividade e da qualidade dos serviços prestados.
      PubDate: Tue, 14 Jun 2022 00:00:00 -030
       
  • Uso de disciplina violenta na infância

    • Authors: Silvana Martinho Sinhorinho; Anna Tereza Miranda Soares de Moura
      Abstract: Introdução: A reflexão sobre violência familiar contra a criança ganhou destaque internacional nas últimas décadas, acompanhada de políticas para a abolição de atos de disciplina violenta, que ainda permanecem aceitos socialmente e são utilizados por muitos responsáveis. Objetivo: Conhecer as percepções e práticas no âmbito da Estratégia Saúde da Família (ESF) relacionadas à orientação sobre métodos de disciplina em duas unidades no município do Rio de Janeiro. Métodos: Foram abordados 38 profissionais que atuam no atendimento cotidiano às crianças. Procedeu-se à análise de conteúdo dos relatos obtidos por meio de entrevistas semiestruturadas, e os dados foram organizados nas categorias: “percepção dos profissionais da ESF sobre disciplina infantil” e “práticas sobre disciplina na infância: existem oportunidades de promoção na ESF'” Resultados: Parece ainda não existir abordagem rotineira sobre disciplina infantil em nenhuma das clínicas estudadas, nem são realizadas atividades direcionadas à prevenção de maus-tratos. Os profissionais relacionaram suas experiências pessoais (vivenciadas na própria infância e com seus filhos) com as ações realizadas em sua prática cotidiana. Conclusões: Os relatos sugerem que a abordagem do castigo corporal permanece encoberta nas consultas de puericultura, com perdas de oportunidades de apoio aos pais e de promoção de vínculos familiares positivos. Com base em mudanças significativas na percepção sobre o que se considera violência, os profissionais possam ressignificar suas crenças, ampliando suas ações sobre o tema.
      PubDate: Tue, 14 Jun 2022 00:00:00 -030
       
  • Uso de álcool associado aos transtornos mentais em homens adultos

    • Authors: Cintha Regina Molina; Karine Laura Cortellazzi Mendes, Jaqueline Vilela Bulgareli, Luciane Miranda Guerra, Marcelo de Castro Meneghim, Antonio Carlos Pereira
      Abstract: Introdução: Do ponto de vista da saúde pública, a população masculina adulta mostra-se vulnerável ao uso de álcool e as suas consequências. A detecção precoce, assim como a busca por fatores associados são necessárias e as unidades de Saúde da Família são importantes locais para esta abordagem. Objetivo: Este estudo teve como objetivo identificar o uso de álcool em homens adultos e verificar sua associação com fatores socioeconômicos, demográficos e transtornos mentais (episódio depressivo maior e transtorno de ansiedade generalizada). Métodos: Foi realizado um estudo transversal em adultos de 20 a 59 anos do município de Piracicaba, cadastrados nas Unidades de Saúde da Família (USF) no ano 2018. Após análises descritivas, as variáveis com p<0,20 nas análises simples foram estudas em modelos de regressão binomial negativa múltipla. Pelo modelo final, estimaram-se as razões de médias ajustadas com os intervalos de 95% de confiança. Resultados: Observou-se prevalência de 26,9% de consumo de álcool na população estudada. O escore do The Alcohol Use Disorders Identification Test (AUDIT) apresentou relação direta com a idade (razões de médias — RM=1,02; intervalo de confiança — IC95% 0,99–1,03). Quanto à religião, protestantes e evangélicos apresentaram escore médio de AUDIT menor que os demais (RM=1,78; IC95% 1,14–2,79). Pessoas com transtorno mental apresentam escore médio de AUDIT maior que os sem transtorno (RM=2,30; IC95% 1,28–4,11). Conclusões: Concluímos que o consumo de álcool na população adulta masculina é bastante prevalente, que seu consumo aumenta com a idade, que a religião tem efeito protetor e que pessoas com depressão e ansiedade apresentam maior propensão ao uso. Com base nesses dados, destacamos a importância da USF no desenvolvimento de estratégias que rastreiem as condições de risco de sua população, bem como discutam abordagens e possíveis intervenções.
      PubDate: Tue, 14 Jun 2022 00:00:00 -030
       
  • Doenças crônicas em idosos e vacinação contra a
           influenza

    • Authors: Aldiane Gomes de Macedo Bacurau; Priscila Maria Stolses Bergamo Francisco
      Abstract: Introdução: As informações sobre a presença de doenças crônicas nos idosos não são registradas durante as campanhas de vacinação contra influenza, o que dificulta sua identificação (proporção) nos idosos vacinados. Objetivo: Descrever a prevalência de doenças crônicas autorreferidas em idosos vacinados contra a influenza; verificar a influência da mídia na decisão de tomar a vacina; e se recebeu orientações sobre a importância dela, segundo o tipo de profissional de saúde. Métodos: Estudo transversal descritivo, com dados coletados por meio de entrevistas com idosos vacinados contra influenza (n=798) em um Centro de Saúde de Campinas (SP) em 2019. Resultados: Na amostra estudada, a maioria eram mulheres (58,0%), indivíduos com ensino médio completo ou ensino superior (53,0%) e com plano de saúde (72,3%). As doenças mais prevalentes foram hipertensão arterial (56,9%; intervalo de confiança — IC95% 53,4–60,3), diabetes (24,7%; IC95% 21,8–27,8), doenças cardíacas (13,6%; IC95% 11,4–16,2) e respiratórias (5,6%; IC95% 4,2–7,5). A maioria (58,0%) considerou que a mídia influenciou sua decisão de tomar a vacina. Receberam orientações sobre a importância da vacinação 21,1% dos idosos, fornecidas principalmente por médicos/as (67,4%), enfermeiros/as (18,2%) e agentes de saúde (7,0%). Conclusões: A investigação mostrou que as principais doenças referidas pelos idosos vacinados foram hipertensão arterial, diabetes, cardiopatias e doenças respiratórias. A orientação de profissionais da saúde foi pouco relatada pelos idosos e a maioria referiu influência da mídia na decisão de vacinar-se. Ressaltam-se a necessidade e a relevância de investir em estratégias de comunicação em saúde, a fim de esclarecer a população sobre a importância da vacinação contra a influenza para as pessoas idosas e com doenças crônicas.
      PubDate: Mon, 06 Jun 2022 00:00:00 -030
       
  • Avaliação da efetividade do Programa Mais Médicos por meio de
           condições traçadoras em Pernambuco, 2011 a 2016

    • Authors: Ingrid Lilianne de Almeida Araújo; Gabriella da Conceição Cerqueira, Mozart Júlio Tabosa Sales, Suely Arruda Vidal
      Abstract: Introdução: O Programa Mais Médicos (PMM) foi criado com a finalidade de prover médicos para as regiões mais necessitadas, considerando-se que a presença do médico na Atenção Básica atua em demandas como promoção e vigilância da saúde, prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças. Objetivo: Objetivou-se avaliar a efetividade do PMM em Pernambuco utilizando internamentos e óbitos por hipertensão arterial (HA) e diabete mellitus (DM) como condições traçadoras. Métodos: Estudo de corte transversal, do tipo antes e depois, nos períodos 2011–2013 e 2014–2016. Os dados foram obtidos do Sistema de Informação Hospitalar do Sistema Único de Saúde (SIH/SUS) do Departamento de Informática do SUS (DATASUS), considerando o estado e suas mesorregiões. Resultados: Foi observada redução do número de internamentos no estado, 27% por HA e 26% por DM. Por HA, houve queda nos internamentos de 58% no Sertão, maior se por urgência. Os óbitos por HA diminuíram em quase todas as mesorregiões, e no estado houve queda de 41%; exceção para a Região Metropolitana do Recife, que aumentou o percentual. Por DM, a redução dos internamentos foi menor se comparada à daqueles por HA, e houve aumento dos internamentos por urgência na Zona da Mata e no Sertão do São Francisco. Os óbitos por DM reduziram em todas as mesorregiões, totalizando 42% no estado. Conclusões: O PMM mostrou-se efetivo na redução de internamentos e óbitos por HA e DM em Pernambuco, caracterizando-se como importante programa para o fortalecimento da Atenção Básica, especialmente para a redução de complicações de condições sensíveis. Destaca-se a necessidade do profissional médico para a ampliação da assistência, principalmente em regiões carentes e desprovidas de médicos.
      PubDate: Mon, 06 Jun 2022 00:00:00 -030
       
  • Avaliação de uma capacitação de profissionais da atenção primária
           objetivando a redução de estigma aos transtornos mentais

    • Authors: Marina Pinho Carneiro; Lívia Mota Veras , Carla Salles Gazeta Vieira Fernandes , Maria Clara de Souza Vieira , Giovana Barroso de Melo Rios , Lourrany Borges Costa
      Abstract: Introdução: O estigma dos portadores de transtornos mentais está presente na sociedade como um todo, incluindo os profissionais da saúde, prejudicando tanto as relações sociais desses indivíduos quanto a assistência à saúde que lhes é fornecida. Objetivo: Analisar como a educação em saúde altera o estigma dos profissionais da atenção primária em saúde sobre os portadores de transtornos mentais. Métodos: Estudo experimental com abordagem avaliativa pré e pós-intervenção, em quatro unidades de atenção primária em saúde na Regional de Saúde VI de Fortaleza (Ceará), de junho a dezembro de 2019, com profissionais da Estratégia Saúde da Família. Realizaram-se capacitações educativas baseadas no manual Mental Health Gap Action Program, da Organização Mundial da Saúde, por dois pesquisadores. O grau de estigma foi avaliado com o Questionário de Atribuição versão em português (Attribution Questionnaire — AQ-9). Resultados: Participaram 64 profissionais da saúde, a maioria mulheres (92%, n=58), com ensino médio completo (56%, n=34), predominando agentes comunitários de saúde (63%, n=39), com idade média de 43 anos. Comparou-se a soma das respostas de cada item do questionário para cada participante, antes e depois da intervenção, por meio do teste de Wilcoxon, e foi encontrado o valor p<0,001. Conclusões: A intervenção educativa foi capaz de diminuir o estigma de profissionais da saúde em relação aos portadores de transtornos mentais, podendo servir para a criação de um modelo municipal de educação profissional permanente.
      PubDate: Mon, 06 Jun 2022 00:00:00 -030
       
  • Fatores de risco e prevenção do suicídio na Atenção Primária à
           Saúde em tempos de pandemia por COVID-19

    • Authors: Eder Paulo Reis Ornelas Silva ; Hebert Luan Pereira Campos dos Santos, Fernanda Beatriz Melo Maciel , Edi Cristina Manfroi, Nília Maria de Brito Lima Prado
      Abstract: Introdução: O suicídio constitui-se em uma das principais causas de morte evitáveis. A pandemia da COVID-19 pode contribuir para reforçar os fatores de risco e a ideação suicida em razão da diminuição da capacidade de enfrentamento emocional ante a crise sanitária mundial. Ao mesmo tempo, os serviços de Atenção Primária à Saúde (APS) foram demandados a construir uma resposta rápida a questões relacionadas à saúde mental. Objetivo: Refletir sobre os fatores de risco e as possíveis intervenções para a prevenção do suicídio na atenção primária no contexto da pandemia da COVID-19. Métodos: Trata-se de uma revisão integrativa pautada na construção de uma análise crítica da literatura internacional sobre os fatores de risco e a prevenção do suicídio na APS durante a pandemia do novo coronavírus. Esta revisão foi construída por meio do levantamento de evidências na literatura internacional, feito pelo acesso às bases de dados científicas Web of Science, Science Direct e Scopus usando os descritores suicide AND prevention AND COVID-19 AND Primary Health Care. Foram incluídos artigos científicos disponibilizados entre dezembro de 2019 e setembro de 2020 e publicados em português, inglês e espanhol. Resultados: O corpus de análise foi composto de 15 artigos, com predominância da descrição de fatores de risco, da implementação e das adaptações de estratégias de intervenções específicas mediadas por recursos de tecnologia da informação e comunicação para oferecer cuidados de saúde mental. Conclusões: Os cuidados colaborativos pautados pelos atributos essenciais da APS destacaram-se como estratégias prioritárias para ofertar cuidados contínuos e longitudinais no contexto da pandemia.
      PubDate: Sat, 30 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Formação médica no contexto da atenção
           primária rural no Chile

    • Authors: Karen Pesse-Sorensen; Soledad Burgos de la Vega, Sophie Esnouf Mannion
      Abstract: Introdução: O internato é uma fase fundamental da formação médica. No contexto rural, promove o uso racional de recursos e o contato dos alunos com realidades diversas, que contrastan com sua experiência nos espaços clínicos urbanos. Objetivo: Caracterizar as percepções de estudantes de Medicina em relação à contribuição do internato rural em sua formação profissional de saúde. Métodos: Pesquisa qualitativa baseada em 15 entrevistas semiestruturadas, realizadas em 2016 com estudantes de Medicina da Sede Norte da Universidade do Chile que estavam no último ano de seus cursos. Foi realizada uma análise narrativa do conteúdo das entrevistas. Resultados: Identificaram-se três áreas nas quais os alunos atribuem importância ao internato rural para sua formação profissional: (1) na dimensão pessoal, no reforço das competências clínicas, na autonomia e no papel social como médico. Eles também visualizam seu trabalho futuro e identificam outras formas de vida e suas necessidades pessoais; (2) em relação aos pacientes e familiares, destacam-se o valor da relação médico-paciente e o reconhecimento dos determinantes sociais; (3) na dimensão comunitária, eles mencionam a maior valorização da organização comunitária e dos vínculos entre o paciente e seu ambiente e motivações atribuíveis à função médica e não ao contexto rural. Conclusões: A vivência do internato rural contribui para a formação pessoal e para a relação médico-paciente-família-comunidade, revelando uma visão crítica da prática medica e do sistema de saúde.
      PubDate: Sat, 30 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Resistência antimicrobiana em uroculturas de moradores das Zonas Norte e
           Nordeste de Porto Alegre

    • Authors: Ricardo Pretto Reolom; André Klafke
      Abstract: Introdução: Infecção urinária é motivo comum de consulta na Atenção Primária, requerendo tratamento empírico. Para a seleção do antimicrobiano, é necessário conhecer o perfil de resistência dos uropatógenos na comunidade. Objetivo: Analisar o perfil de resistência antimicrobiana em uroculturas realizadas em pacientes da Atenção Primária à Saúde do Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição, de julho de 2017 a junho de 2019. Métodos: Estudo transversal, observacional e descritivo com uroculturas de pacientes ambulatoriais das Unidades de Saúde do Serviço de Saúde Comunitária do Grupo Hospitalar Conceição, nas Zonas Norte e Nordeste de Porto Alegre, de julho de 2017 a junho de 2019. Os dados das uroculturas foram fornecidos pelo laboratório do Grupo Hospitalar e analisados por meio das proporções, por sexo, micro-organismo e resistência antimicrobiana. Resultados: Encontraram-se 2.000 uroculturas positivas no período, principalmente por Escherichia coli (75,50%), Klebsiella pneumoniae (7,80%), Staphylococcus saprophyticus (4,95%), Enterococcus specie (3,35%) e Proteus mirabilis (2,85%). Entre os antibióticos orais testados, a maior resistência foi para ampicilina (48,95%), seguida por sulfametoxazol+trimetoprima (25,85%), norfloxacino (18,05%), ciprofloxacino (18,00%), amoxicilina+clavulanato (11,05%) e nitrofurantoína (8,60%). Considerando-se apenas E. coli, as resistências foram 47,75% para ampicilina, 29,74% para sulfametoxazol+trimetoprima, 19,74% para norfloxacino e ciprofloxacino, 8,08% para amoxicilina+clavulanato e 1,99% para nitrofurantoína. Conclusões: O perfil de resistência antimicrobiana nas Zonas Norte e Nordeste de Porto Alegre sugere que sejam utilizados para tratamento empírico de infecção do trato urinário nessa localidade nitrofurantoína ou amoxicilina+clavulanato.
      PubDate: Sat, 30 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Abordagem psicossocial às perdas gestacionais na Atenção Primária à
           Saúde

    • Authors: Fatima Elisa D’Ippolito Alcocer; Karoline Baruque Bignotto, Guilherme de Sousa Barbosa
      Abstract: Introdução: Perdas gestacionais são eventos comuns na vida reprodutiva. Tendo em vista a dificuldade individual e profissional de lidar com o sofrimento mental que ocasionam, indaga-se sobre a escolha da técnica, a periodicidade e o modo de execução das abordagens que melhor se adequariam ao enfrentamento dessa situação. Sendo assim, esta revisão clínica tem como objetivo avaliar a literatura recente acerca do tema e buscar as melhores evidências científicas em relação à abordagem psicossocial a essas perdas. Métodos: Foram utilizadas palavras-chave determinadas pelo Medical Subject Headings (MeSH) para selecionar títulos de estudos nas bases de dados: PubMed, ACCESSSS, British Medical Journal (BMJ), DYNAMED, Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS). Os critérios de inclusão foram: ano de publicação entre 2010 e 2020; tipo de estudo (metanálise, revisão sistemática, ensaio clínico randomizado, ensaio clínico não randomizado, coorte ou caso controle); não abordar abortamento induzido; estar em inglês, português ou espanhol; ser passível de ser encontrado na íntegra. Resultados: Foram encontrados 28 artigos, que tiveram seus resumos avaliados; 14 foram excluídos e 14 lidos na íntegra. No fim, nove estudos foram incluídos nesta revisão. Foi possível observar que sintomas psicológicos são frequentemente apresentados após perdas gestacionais, que há diversas maneiras de acessar esses dados e que não há consenso sobre qual a melhor intervenção a ser feita. Além disso, em homens e casais homossexuais, há maior chance de invisibilidade do sofrimento e menor abordagem de luto por profissionais de saúde. Conclusão: Na falta de consenso sobre quais intervenções apresentam melhores resultados, recomenda-se o rastreamento de sofrimento mental e o compartilhamento da decisão com as partes envolvidas.
      PubDate: Sun, 24 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Encarando a finitude

    • Authors: Maiara Conzatti
      Abstract: O livro de Kathryn Mannix intitulado Precisamos falar sobre a morte é transformador pessoal e profissionalmente. A autora aborda, por meio de experiências vivenciadas com seus pacientes em final de vida, os padrões e o jeito único de cada indivíduo vivenciar a finitude; além disso, discorre sobre a importância de falar sobre a imortalidade e a capacidade humana de ressignificar os momentos dolorosos, o legado de cada indivíduo e a preocupação com a transcendência. Não é um livro sobre morrer, mas sobre como viver na perspectiva de que não somos imortais.
      PubDate: Sun, 24 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Avaliação dos produtos alimentícios adquiridos por adultos com
           obesidade e o grau de processamento dos alimentos

    • Authors: Clara Sandra de Araújo Sugizaki; Ana Tereza Vaz de Souza Freitas, Adriana Luz Martins Sagno, Raquel Machado Schincaglia, Ida Helena Carvalho Francescantonio Menezes, Lucilene Maria de Sousa
      Abstract: Introdução: O aumento da obesidade está relacionado a mudanças no padrão de aquisição e de consumo de produtos alimentícios ultraprocessados em detrimento de alimentos in natura e minimamente processados. O objetivo do presente estudo foi investigar a prevalência de obesidade em um território adstrito à Unidade Básica de Saúde, em município de pequeno porte, e avaliar os produtos alimentícios adquiridos pelos indivíduos com obesidade de acordo com o grau de processamento. Métodos: Estudo analítico transversal dividido em duas etapas. Na primeira, foi investigado o índice de massa corporal (IMC) de 533 indivíduos da cidade de pequeno porte. Selecionou-se 60 indivíduos para a segunda etapa, em que foram investigados determinantes do perfil nutricional, tais como aquisição de alimentos e gasto com alimentação. Resultados: Na primeira etapa, foi encontrada a prevalência de 30,39% de obesidade. Na segunda, não houve diferença significativa na aquisição de alimentos por grau de processamento. No entanto, chama atenção a quantidade adquirida de processados e ultraprocessados. Mais de 18% dos entrevistados relataram omitir o café da manhã e quase 22% disseram almoçar no trabalho. Não houve diferenças nos gastos totais, por local de compra e na proporção de gastos com alimentação em relação à renda familiar e às categorias de obesidade. Conclusões: A prevalência de obesidade no distrito estudado é alta, tendo em vista sua população. Sugerimos que essa prevalência possa ser influenciada pela aquisição de ultraprocessados, pela alimentação fora do lar e pela omissão do café da manhã.
      PubDate: Sun, 24 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Fatores associados à hipertensão arterial sistêmica e diabetes mellitus
           na população atendida pelo Projeto Vozes das Ruas em Jundiaí

    • Authors: Lucas Castro Pires; Lucas Gabricio Marçola, João Paulo Bartolo de Siqueira, Natália Arthur Vieira, Raissa Alves Jorge, Adriano Pires Barbosa, Marília Jesus Batista
      Abstract: Introdução: As doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) — incluindo diabetes (DM) e hipertensão arterial sistêmica (HAS) — são responsáveis por grande parte das mortes mundiais atualmente, sendo a identificação de fatores associados uma ferramenta fundamental para sua prevenção e estratégias de promoção da saúde. Objetivo: Determinar a prevalência de HAS e DM na população adulta atendida pelo Projeto Vozes das Ruas (PVR) em Jundiaí (SP) e fatores associados. Métodos: Os participantes do estudo transversal, conduzido de março a novembro de 2019, foram adultos acima de 18 anos, voluntários das ações de promoção de saúde do PVR em 2019, que consistiram na aplicação de um questionário sociodemográfico e de comportamentos em saúde; na avaliação de glicemia capilar, pressão arterial, peso, altura e circunferência abdominal; e posterior aconselhamento em saúde. Realizou-se análise descritiva dos dados para verificar a associação dos desfechos DM e HAS com variáveis independentes. Utilizaram-se teste χ2 e regressão logística multivariada para variáveis com p<0,20, adotando-se a significância de 5%. Resultados: A amostra foi composta de 580 participantes, 50% do sexo feminino e com idade média de 48,56 anos. A prevalência autodeclarada de DM foi 16,2% e de HAS, 30,2%. Os fatores associados em comum foram: faixa etária acima de 39 anos e uso de medicação contínua. Associados à DM foram: antecedente familiar de DM, uso de unidade básica de saúde, histórico de tabagismo. Em relação à HAS as associações foram: menos de oito anos de estudo, sobrepeso e obesidade. Conclusões: Na população estudada houve elevada prevalência de duas das principais DCNT — HAS e DM — que apresentaram fatores associados de extrema relevância para o planejamento de estratégias de promoção da saúde e prevenção de doenças.
      PubDate: Sun, 24 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Serviços de atendimento integral à saúde de transexuais e travestis no
           Sistema Único de Saúde

    • Authors: Marcelle Medeiros Lucena; Guilherme Gomes Ferreira, Mayara Floss, Diego Azevedo Conte de Melo
      Abstract: Introdução: É inegável o cenário de marginalização institucional a que está exposta a população travesti e transexual. Isso inclui serviços mesmo no contexto do Sistema Único de Saúde (SUS). Esse fenômeno, como apontam a literatura e os próprios movimentos sociais, apresenta-se principalmente no desrespeito ao nome social, na discriminação, na necessidade de diagnóstico para acesso a serviços e no despreparo das equipes de saúde. Para que se possam reduzir iniquidades históricas na constituição da assistência e da implementação de políticas públicas em saúde, é necessário caracterizar a assistência ofertada a essa população no âmbito do SUS. Objetivo: Analisar como se vêm constituindo os serviços de atendimento integral à saúde de pessoas transexuais e travestis no Brasil com base em uma revisão integrativa da literatura sobre o tema. Métodos: Este é um estudo de natureza qualitativa, do tipo exploratório. Foi realizada revisão integrativa da literatura, buscando explorar o cenário de atenção à saúde trans atual no país. A busca foi conduzida nas bases Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde (LILACS), Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) no período de julho a setembro de 2020. Os critérios de inclusão foram ter temática referente a serviços públicos e nacionais de atenção à saúde trans e travesti, independentemente do nível de complexidade. Resultados: Foi realizada a leitura completa de 22 trabalhos. O cenário de atenção à saúde trans e travesti no âmbito do SUS consiste, majoritariamente, em serviços de atenção especializada e concentra-se no Sul do país, em grandes centros urbanos. Os dispositivos de saúde já existentes na rede não se mostram suficientes e capacitados para realizar assistência integral em saúde, com uma ótica que fuja à heterocisnormatividade e ao modelo patologizador biomédico das transidentidades. Modelos de serviços exitosos na Atenção Primária à Saúde (APS), contudo, estão modificando esse cenário. Conclusões: Serviços específicos para a população trans e travesti são necessários, pois operam na lógica de sanar iniquidades históricas sofridas por essa população. A APS é um cenário estratégico nesse cuidado e políticas públicas devem operar nessa perspectiva.
      PubDate: Sun, 24 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Atividade das Unidades de Saúde Familiares da Área Metropolitana do
           Porto no Facebook em ano de COVID-19

    • Authors: André Fernandes Correia
      Abstract: Introdução: As redes sociais têm possibilitado, nos últimos anos, novas formas de interação entre pessoas e entidades e a partilha escalável de conteúdos de diversas áreas, embora nem sempre de forma criteriosa. Objetivos: Caracterizar a presença de páginas das Unidades de Saúde Familiar da Área Metropolitana do Porto (Portugal) na plataforma Facebook à data de dezembro de 2020, suas métricas de idade, seguidores, publicações e interações num dado intervalo de tempo e sua distribuição por modelo organizacional (Unidades de Saúde Familiar–A/B) e Agrupamento de Centros de Saúde; verificar a tendência de criação de páginas em 2020 – ano de pandemia por COVID-19 – e aferir as temáticas abordadas pelas 50 publicações dos últimos 60 dias que obtiveram mais interações. Métodos: Estudo exploratório transversal, descritivo e analítico, com verificação individual das páginas das Unidades de Saúde Familiar da Área Metropolitana do Porto a 30 de dezembro de 2020 e obtenção de métricas relativas a um intervalo de 60 dias de atividade por meio da página Fanpage Karma. Foram calculadas frequências, intervalos, médias e medianas e aplicados testes paramétricos e não paramétricos. Resultados: Das 135 Unidades de Saúde Familiar funcionantes (64% Unidades de Saúde Familiar–B), 53% tinham página ativa (61% Unidades de Saúde Familiar–B, p<0,05), variando entre 0 e 81,3% das Unidades de Saúde Familiar em cada Agrupamento de Centros de Saúde, criadas nos últimos dez anos (mediana 4,6 anos, Unidades de Saúde Familiar–A 1,5 versus Unidades de Saúde Familiar–B 5,3, p<0,05), com crescimento de 44% no ano de 2020. O número de seguidores distribui-se heterogeneamente entre diferentes Unidades de Saúde Familiar e Agrupamento de Centros de Saúde, contudo sem diferenças entre modelos de Unidades de Saúde Familiar, não ultrapassando o milhar em 69% das páginas, e com apenas cinco páginas alcançando mais de 2 mil seguidores. Das páginas ativas, 75% (54/72) publicaram em média 0,3 vez por dia nos últimos 60 dias. Não se verificam associações significativas entre o número de seguidores ou entre modelos Unidades de Saúde Familiar–A/B e o tempo da última publicação ou o número de publicações a 60 dias. Durante esse tempo, foram geradas 15.913 interações (média de 18,8 por publicação). Analisadas as 50 publicações com mais interações dos últimos 60 dias, verifica-se o predomínio de temas relacionados com a COVID-19 e com questões organizacionais e burocráticas, efemérides relativas às Unidades de Saúde Familiar e informação/promoção da vacina contra a COVID-19. Discussão: Admite-se haver aplicação reduzida pelas Unidades de Saúde Familiar (embora crescente em ano de pandemia) do potencial comunicacional e colaborativo das redes sociais. Havendo margem de progressão, estas podem constituir uma ferramenta complementar e interativa para a promoção do acesso e a melhoria da qualidade dos serviços, o combate à desinformação, a capacitação para a saúde dos cidadãos e a melhoria de resultados em saúde.
      PubDate: Sun, 24 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • A clínica ampliada e a formação médica

    • Authors: Maria das Graças Monte Melo Taveira; Divanise Suruagy Correia , Maria Stella Jakeline Alves Farias , Jorge Artur Peçanha de Miranda Coelho , Carlos Dornels Freire de Souza
      Abstract: Introdução: A Clínica Ampliada busca a integração e a construção de vínculos entre profissionais e usuários do sistema de saúde, expandindo os recursos de intervenção sobre o processo saúde-doença. Objetivo: Este estudo objetivou analisar o conhecimento sobre Clínica Ampliada entre estudantes do internato de um curso de Medicina no Nordeste brasileiro. Métodos: Trata-se de um estudo qualitativo realizado em 2017, que envolveu 25 acadêmicos de Medicina da Universidade Federal de Alagoas. Os dados foram coletados por meio de um questionário sobre o tema estudado e analisados pelo programa Interface de R pour les Analyses Multidimensionnelles de Textes et de Questionnaires (IRAMUTEQ). Resultados: Foram observadas cinco classes de conhecimento sobre Clínica Ampliada: “aplicação”, “conhecimento”, “espaço de uso no internato”, “vivência” e “desafios da formação”. Os estudantes conhecem-na, e a formação médica por eles vivenciada apoia-se na perspectiva do cuidado ampliado, principalmente na atenção básica. Nos demais níveis de atenção ela é pouco trabalhada. Conclusões: Conclui-se que, embora avanços sejam notados no percurso formativo do curso em questão, ainda persiste a necessidade de melhor articulação no que se refere à aplicação da Clínica Ampliada em todos os níveis de atenção.
      PubDate: Sun, 24 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Prevenção quaternária em tempos de pandemia

    • Authors: Ricardo Ángel La Valle; Aurelio Gómez, Miguel Pizzanelli Báez
      Abstract: A pandemia de COVID-19 causou uma mudança imprevista no mundo; expôs, como nunca antes, a desigualdade, a injustiça distributiva e as falácias dos modelos econômicos que dominaram as últimas décadas. Ao mesmo tempo, abriu-se uma janela de oportunidade para avançar em direção a mudanças profundas nos sistemas de saúde. É nesse quadro que, com base na visão da Prevenção Quaternária, propomos os princípios norteadores do que consideramos a transformação necessária no sistema de saúde para que essa mudança não seja mais do mesmo. Na América do Sul temos uma oportunidade única para essa tarefa, mas para isso devemos “nos livrar” da colonialidade, devemos ousar fundar um novo acordo social que privilegie a vida, as pessoas e uma distribuição mais equitativa da riqueza, e que deixe para trás o neoliberalismo, o racismo e o machismo que são parte constitutiva e indissociável do modelo atual.
      PubDate: Sun, 24 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • ‘Dizem que é o perigo’

    • Authors: Janos Valery Gyuricza; John Brodersen, Lucas Bastos Marcondes Machado, Ana Flávia Pires Lucas d'Oliveira
      Abstract: Introdução: Hipertensão arterial leve é uma condição assintomática caracterizada por pressão arterial entre 14/9 e 16/10 mmHG e baixo risco de problemas cardiovasculares. É a condição de aproximadamente dois terços das pessoas diagnosticadas com alguma forma de hipertensão. A melhor evidência disponível não apoia o tratamento farmacológico desse grupo para a redução de mortalidade cardiovascular. Além disso, a sobredetecção de hipertensão ocorre e essa prática é apoiada por campanhas de conscientização ao público, rastreamento, acesso fácil ao teste e má prática clínica, que aumentam potencialmente o sobrediagnóstico. Poucas pesquisas qualitativas orientadas para os pacientes mostram que diagnosticar hipertensão pode ter também consequências negativas. Diante disso, são necessárias evidências sobre o potencial de efeitos psicossociais não esperados no diagnóstico de hipertensão. Objetivo: Investigar se o diagnóstico de pessoas de baixo risco com hipertensão leve tem consequências psicossociais indesejadas. Métodos: Onze entrevistas semiestruturadas e quatro grupos focais foram conduzidos em São Paulo, Brasil, com pessoas que relataram hipertensão arterial leve, sem comorbidades, com ou sem uso de medicação. Informantes foram selecionados da população geral por meio de lista de pacientes de unidades de atenção primária e também recrutados por redes sociais. Os participantes tiveram variedade em termos de sexo, idade, nível educacional, cor de pele e tempo de diagnóstico. Os dados foram submetidos à análise qualitativa de conteúdo temático por três dos autores independentemente, o que foi seguido de discussões para gerar categorias e temas. Resultados: os informantes confirmaram que o diagnóstico de hipertensão foi tomado como um rótulo para reações psicossomáticas ao estresse, medicalizou situações difíceis e causadoras de estresse, nomeando-as como doença, e foi um marco biográfico. Nós observamos consequências não intencionais do diagnóstico em uma ampla gama de dimensões psicossociais, por exemplo, medo de morte, doença e envelhecimento; pressão e controle por parte de pessoas próximas; e culpa, vergonha e ansiedade em relação ao trabalho e ao lazer. Apesar das diferentes características dos informantes, todos compartilharam histórias e sentimentos semelhantes relacionados ao rótulo. Conclusão: O diagnóstico de hipertensão é um evento significativo que afeta o dia a dia. A maior parte do impacto é considerada como consequências psicossocias negativas; porém, às vezes, o impacto pode ser ambíguo ou mesmo positivo. Os modelos explanatórios das pessoas são elementos-chave para entender e abordar as consequências psicossociais do diagnóstico, e profissionais de saúde e formuladores de políticas públicas devem estar atentos a esses potenciais consequências negativas na avaliação de risco/benefício das estratégias de diagnóstico desses casos.
      PubDate: Tue, 12 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Revisão sobre o uso de inibidores de cotransportador sódio-glicose 2 e
           agonistas de peptídeo 1 em pessoas com diabetes mellitus tipo 2 e doença
           cardiovascular

    • Authors: Juliana Nogueira Garcia; Jardel Côrrea de Oliveira
      Abstract: Introdução: Introdução: Diabetes mellitus tipo 2 é um importante e crescente problema de saúde para todos os países. Objetivo: Este trabalho visa avaliar a qualidade da evidência disponível sobre os fármacos inibidores de sódio-glicose 2 e agonistas de glucagon 1 em pessoas com diabetes mellitus e doença cardiovascular aterosclerótica. Métodos: Realizou-se revisão integrativa utilizando as bases de dados MEDLINE via PubMed, Embase via Cochrane Library, Cochrane Library, LILACS via BVS. A pergunta de pesquisa foi estruturada da seguinte forma: população – pessoas com diabetes mellitus tipo 2 e doença cardiovascular estabelecida; intervenção – tratamento usual exceto insulina + inibidores de sódio-glicose 2 ou tratamento usual exceto insulina + agonistas de glucagon 1; controle - tratamento usual exceto insulina + placebo; desfecho – mortalidade geral, mortalidade por causas cardiovasculares, morbidade, efeitos adversos. Resultados: Selecionaram-se dois estudos sobre empagliflozina. Esse medicamento associado ao tratamento usual foi superior ao placebo associado ao tratamento usual no desfecho primário (HR 0,86; IC95% 0,74–0,99; p=0,04), na redução de hospitalização por insuficiência cardíaca (HR 0,65; IC95% 0,50–0,85; p=0,002), da mortalidade cardiovascular (HR 0,62; IC95% 0,49–0,77) e da mortalidade geral (HR 0,68; IC95% 0,57–0,82; p<0,001). No subgrupo de pessoas com diabetes que não usavam insulina, houve benefício com empagliflozina em relação ao desfecho primário (HR 0,79; IC95% 0,64–0,97; DR 2,5; NNT 40) e a mortes de causa cardiovascular (HR 0,61; IC95% 0,44–0,85; DR 2; NNT 49). Houve heterogeneidade entre os subgrupos com benefício de empagliflozina no desfecho primário apenas para aqueles com idade ³65 anos (p=0,01) e hemoglobina glicada <8,5 (p=0,01). Em relação às mortes por causas cardiovasculares, houve diferença (p=0,05) com o uso de empagliflozina reduzindo o risco somente no subgrupo com índice de massa corporal <30. Não houve diferença significativa em relação ao placebo para acidente vascular encefálico fatal e não fatal, tampouco no desfecho composto de acidente vascular encefálico debilitante não fatal e acidente vascular encefálico fatal (HR 0,81; IC95% 0,43–1,50; p=0,50). Houve mais pessoas acometidas por acidente vascular encefálico no grupo intervenção em que a hemoglobina glicada inicial era ≥8,5%, favorecendo o placebo (p=0,01). Conclusões: Os dados encontrados favorecem o benefício de utilizar esse medicamento no Sistema Único de Saúde em pessoas com doenças cardiovasculares. Entretanto, houve heterogeneidade entre grupos populacionais, o que pode ajudar a delinear estratégias de uso para esses medicamentos. São necessários mais estudos para avaliar qual seria o motivo de não haver benefício em desfechos cerebrovasculares isoladamente.
      PubDate: Sat, 02 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Quando o paciente chora na consulta

    • Authors: Marcia Cristina Lemos dos Santos; Gabriela Sobrino Porto Bastos, Aline Stefano Mantovani, Bianca Porto Santos
      Abstract: Introdução: Nos atendimentos clínicos realizados na Atenção Primária, não é incomum que pacientes chorem durante a consulta. No entanto, os profissionais que atuam nesse âmbito podem não se sentir preparados para lidar com esse cenário, em virtude da falta de conhecimento de ferramentas para lidar com esse tipo de demanda. Objetivo: Este estudo propôs-se a elencar e categorizar técnicas para a abordagem ao paciente que chora, por meio de entrevistas realizadas com preceptores do Programa de Residência em Medicina de Família e Comunidade (MFC) da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro. Método: Foram realizadas entrevistas com 16 preceptores, que foram gravadas, transcritas e analisadas segundo os preceitos de Bardin. Resultados: Como resultado, obteve-se o compilado de 94 citações de técnicas não verbais e 27 de técnicas verbais, além dos modos de aprendizado delas, que ocorreram sobretudo por conhecimentos obtidos na Residência em MFC, na experiência prática e na leitura de temas correlatos, destacando-se referências sobre comunicação clínica. Ademais, foram categorizados os motivos para o choro dos pacientes, os sentimentos dos médicos, os objetivos das técnicas utilizadas e se se considera que elas auxiliam tanto médicos quanto pacientes nessa situação. Conclusões: Conclui-se que as técnicas empregadas pertencem ao conjunto de ferramentas de comunicação clínica baseadas em empatia e vínculo, e que o primeiro contato com elas ocorre geralmente na Residência em MFC; posteriormente elas são aprimoradas com a experiência clínica. Nesse contexto, destaca-se a importância da ênfase dada ao tema durante a especialização e da educação continuada em benefício do médico e do paciente.
      PubDate: Sat, 02 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Idosos em cuidados paliativos

    • Authors: Valéria Carolina Armas Villegas; Aline Sayuri Imagava, Kethlen Roberta Roussenq, Nathalia Mayumi Tsukamoto Ferraz
      Abstract: Introdução: Diante do maior número de idosos no país, destaca-se a importância de diálogos voltados ao cenário de fim de vida. O Brasil foi o 42o no Death Quality Index de 2015, o que reflete a necessidade de melhorias na qualidade de morte associadas à instituição de política nacional de cuidados paliativos (CP) forte e efetiva. Objetivo: Realizar revisão integrativa sobre como a aplicação dos CP no idoso auxilia o parceiro/cônjuge no processo de terminalidade, em comparação aos de pacientes que não recebem CP. Métodos: Foi feita uma revisão integrativa com os artigos das bases de dados PubMed e Biblioteca Virtual em Saúde no período de 2000 a agosto de 2020. Resultados: Os principais resultados demonstraram que os cuidadores que utilizaram CP relataram sintomas mais baixos de depressão pós-morte e ansiedade em comparação com aqueles que não usaram CP. Os determinantes mais importantes da satisfação com o CP foram a ajuda profissional disponível e o atendimento de natureza holística, que englobou a família e observou os cuidados físicos, psicológicos, espirituais e psicossociais dos familiares. Conclusões: Conforme apresentado, muitas vezes, cabe ao parceiro/cônjuge realizar o papel de cuidador. Seu isolamento e dedicação exclusiva podem desencadear sentimentos depressivos e excesso de responsabilidades, sobretudo quando não há suporte. Nesta pesquisa, observou-se que o uso do CP pode propiciar melhor entendimento do processo evolutivo da doença, desde o início até o luto.
      PubDate: Sat, 02 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Barreiras para a realização de oftalmoscopia direta por médicos de
           família e comunidade

    • Authors: Lucas Zanetti Milani; Santiago Pich, Marcos Krahe Edelweiss
      Abstract: A oftalmoscopia direta é um exame utilizado para diagnóstico e rastreamento de doenças da retina, do disco óptico e do humor vítreo no contexto da atenção primária à saúde. Estudos demonstram que é uma prática pouco utilizada regularmente por médicos de família e comunidade. O objetivo deste estudo é identificar barreiras para a realização da oftalmoscopia por médicos da referida especialidade. Este estudo utilizou metodologia qualitativa, baseada em entrevista semiestruturada com médicos de família e comunidade e posterior análise temática. Demonstrou-se que as barreiras para a realização de oftalmoscopia direta incluem dificuldade no manejo do oftalmoscópio e na dilatação pupilar, pouco conhecimento da anatomia ocular, sentimento de insegurança na realização e na interpretação de achados, percepção de que seria um exame mais bem realizado por um especialista, falta de formação e experiência prática na graduação e na residência médica, percepção de pouca utilidade ou resolutividade, dificuldade em adequar o ambiente para a realização do exame, ausência de aparelho e colírios midriáticos nas unidades de saúde, aumento no tempo de consulta, ausência de fluxos de encaminhamento mediante achados alterados, presença de serviços de teleoftalmologia e ausência de treinamento da equipe multiprofissional.
      PubDate: Sat, 02 Apr 2022 00:00:00 -030
       
  • Experiências de médicos de família e comunidade no cuidado com a saúde
           de pacientes lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais

    • Authors: Joao Antonio Smania Gomes; Zeno Carlos Tesser Junior
      Abstract: Introdução: A comunidade lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais e suas particularidades associadas à saúde foram ignoradas por muitos anos. Embora a homossexualidade e a transexualidade não sejam mais consideradas doenças, ainda prevalece marginalização de muitas pessoas lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais a nível sócio-econômico-cultural e de acesso aos serviços de saúde. No que tange ao acesso à saúde, o primeiro contato do paciente Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais dentro do sistema de saúde pode ser através do médico de família e comunidade. Objetivo: Analisar as experiências dos médicos de família e comunidade no atendimento às pessoas lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais na atenção básica da rede municipal de saúde em uma cidade no Sul do Brasil. Métodos: Desenvolveram-se dois grupos focais (13 profissionais no total), um deles constituído de seis médicos de família e comunidade autodeclarados heterossexuais e cisgêneros e outro grupo constituído de sete médicos de família e comunidade autodeclarados lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, em julho de 2019. Resultados: Os participantes consideraram importante a temática da saúde lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais na atenção primária, embora ela tenha sido pouco explorada nos seus cursos de graduação. Relataram que as principais demandas dos pacientes lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais são as de saúde mental, violência e infecções sexualmente transmissíveis. Apontaram que possuem dificuldades em abordar questões que envolvem sexualidade e identidade de gênero em suas consultas. Conclusões: Os resultados reforçam a necessidade de os médicos de família e comunidade conhecerem especificidades da população lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Sugere-se que a temática da saúde da população lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais seja mais ensinada nos cursos de graduação em Medicina.
      PubDate: Fri, 04 Mar 2022 00:00:00 -030
       
  • Análise das prescrições de medicamentos na atenção primária à
           saúde de um município Centro-potiguar

    • Authors: Christyan de Azevedo Jota; Almária Mariz Batista
      Abstract: Introdução: A não conformidade de prescrições de medicamentos com normativas que regulamentam esse processo é uma realidade do processo de cuidado em saúde. Objetivo: Este estudo teve como objetivo analisar prescrições médicas e odontológicas do sistema primário de saúde do município de Angicos, Rio Grande do Norte de acordo com a legislação em vigor. Métodos: Desenvolveu-se estudo transversal de caráter descritivo-exploratório. Constituíram objeto de análise segundas vias de prescrições e receituário de controle especial elaborados por todos os médicos e odontólogos lotados na atenção primária desse município, no período de janeiro a junho de 2018. Verificaram-se itens como presença de nome do paciente, idade, sexo, via de administração, dosagem/concentração, duração do tratamento, nomenclatura do medicamento, carimbo e assinatura do prescritor. Resultados: Analisaram-se 3.725 prescrições, em que 566 (15,19%) estavam não conformes com a legislação, sendo mais problemáticos os itens identificação do usuário (68,02%), data da prescrição (34,10%), nomenclatura do medicamento por denominação comum brasileira/internacional (18,02%), duração do tratamento (13,96%) e posologia (10,60%). Conclusões: Esses resultados apontam para a necessidade de que estratégias de educação permanente e fiscalização quanto ao cumprimento da legislação sejam desenvolvidas de forma mais assídua.
      PubDate: Fri, 04 Mar 2022 00:00:00 -030
       
  • Perspectivas acerca do cuidado com a saúde das pessoas em
           situação de rua

    • Authors: Fernanda Gomes Faria; Rodrigo Siqueira-Batista
      Abstract: Introdução: As pessoas em situação de rua (PSR) estão submetidas, cotidianamente, a significativos riscos, entre os quais se destacam aqueles atinentes à saúde. Objetivo: Discutir as principais questões relativas ao cuidado à saúde das PSR. Métodos: Realizou-se investigação teórica a partir da leitura e apreciação de textos e documentos atuais dirigidos ao tema, a fim de destacar (1) os conceitos chave apresentados e (2) a argumentação desenvolvida. Resultados e discussão: O caminho percorrido em tal empreitada considerou (1) a concepção de saúde-doença e as necessidades e demandas de saúde dessas populações, (2) as políticas públicas e o papel dos serviços na atenção à saúde da PSR e (3) o papel da Atenção Primária à Saúde (APSD), com ênfase no trabalho dos Consultórios na Rua. Conclusões: A sistematização reflexivo-crítica empreendida buscou a delimitação de elementos do aparato jurídico-social e ético-político que envolvem os processos de ampliação do cuidado de tais usuários.
      PubDate: Fri, 04 Mar 2022 00:00:00 -030
       
  • Diagnóstico e tratamento de infecções sexualmente transmissíveis
           realizados por enfermeiros na Atenção Primária à Saúde

    • Authors: Bruna Andrade; Lucas Alexandre Pedebos, Ana Carolina Severino da Silva, Lúcia Nazareth Amante, Lucilene Gama Paes, Fernanda Paese
      Abstract: Introdução: No final da década de 1990, iniciou-se as atividades de prevenção das infecções sexualmente transmissíveis para a atenção primária à saúde. Nas duas últimas décadas, vem ocorrendo uma ampliação da assistência de enfermeiros no tratamento dessas infecções. A Lei do Exercício Profissional da Enfermagem nº 7.498./86, garante aos enfermeiros na consulta de enfermagem o direito de realizar a prescrição de medicamentos aprovados por protocolos institucionais. Objetivo: Verificar se os enfermeiros que atuam na Atenção Primária à Saúde de Florianópolis se sentem aptos para a execução do diagnóstico e do tratamento medicamentoso das infecções sexualmente transmissíveis (IST) com base nos Protocolos de Enfermagem do município. Métodos: Pesquisa exploratório-descritiva de abordagem qualitativa realizada por meio de entrevista semiestruturada com perguntas disparadoras. Foram entrevistados dez enfermeiros assistenciais da Atenção Primária à Saúde do município. Os dados foram analisados segundo a técnica de Bardin. Resultados: Identificaram-se duas categorias analíticas: “O enfermeiro e a (re)construção de sua prática profissional” e “O enfermeiro e a sua contribuição na qualidade de serviço na Atenção Primária à Saúde”. Conclusões: Os enfermeiros da rede assistencial da Atenção Primária à Saúde de Florianópolis mostram-se altamente qualificados e sentem-se capazes de responder adequadamente às necessidades de sua prática profissional.
      PubDate: Fri, 04 Mar 2022 00:00:00 -030
       
  • Letramento funcional em saúde de usuários da atenção primária de
           Altamira, Pará

    • Authors: Rafael Ileus Monteiro Lima; Mariellen Aguiar Parente, Talita Isabelle Sena Pantoja Ferreira, Alexandre Apolo Silva Coelho, Evellyn Vitória Sousa de Loureiro, Taynara Menezes Barbosa, Sasha Botelho Lustosa , Osvaldo Correia Damasceno, Francisco Bruno Teixeira
      Abstract: Introdução: O Letramento Funcional em Saúde (LFS) está associado à capacidade dos pacientes em compreender e utilizar seus conhecimentos em saúde no âmbito do autocuidado e na promoção a saúde. Por isso, torna-se essencial reconhecer o nível de LFS e identificar os fatores que o influenciam. Objetivo: Analisar o nível de letramento funcional em saúde (LFS) de usuários de Unidades de Saúde da Família (USF) na área urbana de Altamira (PA). Métodos: Estudo transversal no qual a coleta de dados ocorreu entre agosto de 2018 e dezembro de 2019 em 12 USF da área urbana. O cálculo amostral foi realizado com base na população urbana de Altamira registrada pelo Censo de 2010. Utilizou-se intervalo de confiança de 95% com margem de erro de 5% e prevalência de achados de 50% em uma população semelhante, encontrando-se assim o valor de 382. Os participantes foram entrevistados a fim de se coletarem informações sobre dados sociodemográficos, e posteriormente foi aplicado um questionário baseado na versão brasileira do Short Test of Functional Health Literacy (S-TOFHLA), instrumento utilizado para a mensuração do LFS. O coeficiente de correlação de Pearson, o teste qui-quadrado, o teste G e a odds ratio foram utilizados para verificar a relação entre a pontuação do S-TOFHLA e os dados sociodemográficos. Além disso, uma análise de regressão múltipla foi realizada para predizer os fatores que interferem no LFS. Por fim, o teste ANOVA buscou diferenças entre os níveis de LFS dos usuários nas USF analisadas. Resultados: Foram incluídos no estudo 400 participantes, dos quais 59% apresentaram LFS adequado, 16,5% limítrofe e 24,5% inadequado. As variáveis, grau de escolaridade, idade e renda foram associadas ao LFS na população estudada, predizendo, respectivamente, em 46, 26 e 17% o desempenho no teste S-TOFHLA. Baixa escolaridade e baixa renda aumentam o risco de indivíduos possuírem LFS insatisfatório em cinco e quatro vezes, nessa ordem. Por fim, foram encontradas diferenças entre os níveis de LFS dos usuários das USF analisadas. Conclusões: A população da área urbana de Altamira apresentou alta prevalência de LFS insatisfatório. Sendo assim, no intuito de aumentar os resultados satisfatórios em saúde, os profissionais da região devem adequar as suas formas de comunicação e linguagem às necessidades dos usuários das USF, observando que a adequação da equipe pode trazer melhorias para o entendimento das informações e oportunizar melhores condições de recuperação e autocuidado em saúde.
      PubDate: Fri, 04 Mar 2022 00:00:00 -030
       
  • Tradução, adaptação transcultural e validação de questionário de
           satisfação em telemedicina

    • Authors: Taís de Campos Moreira; Hilda Maria Constant, Amanda Gomes Faria, Ana Maria Frölich Matzenbacher, Giuliano Uhlein Balardin, Lucas Matturro, Márcio Santanna da Silva, Roberto Nunes Umpierre, Átila Szczecinski Rodrigues, Felipe Cezar Cabral, Cassia Garcia Moraes Pagano
      Abstract: Introdução: A telemedicina facilita o acesso ao cuidado para os pacientes. Essa tecnologia tem apresentado bons resultados clínicos e de satisfação dos usuários. A satisfação é um dos principais indicadores de qualidade dos serviços, e sua avaliação permite mudanças na qualidade da prestação de cuidados, identifica problemas e viabiliza a melhor gestão e os melhores comportamentos dos profissionais de saúde. Do aumento do uso da telemedicina no mundo emergiu a necessidade de entendimento da qualidade desse serviço. Objetivo: Traduzir, adaptar culturalmente e validar um questionário para avaliação da satisfação de pacientes atendidos por telemedicina. Métodos: A versão adaptada após a avaliação por um comitê de juízes foi utilizada em pré-teste com 30 pacientes atendidos no projeto TeleOftalmo. Os resultados do pré-teste foram avaliados a fim de se obter uma versão adequada do instrumento. Além disso, o instrumento foi aplicado em uma amostra de 141 pacientes atendidos via telemedicina. Análises de consistência interna e de validação de constructo foram realizadas. Resultados: O coeficiente de validade de conteúdo (CVC) global foi 0,942, demonstrando clareza, pertinência e relevância das questões. O instrumento apresentou consistência interna com alfa de Cronbach estandardizado de 0,6, considerado aceitável. A análise fatorial exploratória apresentou critério de Kaiser-Meyer-Olkin de adequação de amostragem de 0,56 e o teste de esfericidade de Bartlett apresentou valor de 0,001. Conclusões: A versão brasileira do Questionário de Avaliação da Satisfação de Pacientes Atendidos via Telemedicina (QAS-Tele) é um instrumento fácil e viável para a avaliação da satisfação dos pacientes atendidos por telemedicina.
      PubDate: Fri, 04 Mar 2022 00:00:00 -030
       
  • O enfrentamento da COVID-19 em um território da Estratégia
           Saúde da Família

    • Authors: Aimée Giovanna da Silva Silva; Alyny Leal Santos, Wesley Ribeiro de Morais, William Vieira Fernandes, Cassandra Santos da Cunha, Mayara Lopes de Jesus, Alba Lúcia Santos Pinheiro
      Abstract: Problema: A COVID-19 configura-se como um desafio para toda a rede de saúde, e a Atenção Primária à Saúde destaca-se como um ordenador do cuidado nesse cenário. A equipe de residentes que atua em uma Unidade de Saúde da Família em Itabuna/Bahia tem buscado novas formas de planejar e desenvolver ações perante essa pandemia. Método: Trata-se de um relato de experiência sobre a operacionalização de um plano de ação elaborado pelos residentes de um território de Estratégia Saúde da Família como resposta ao contexto da pandemia da COVID-19. Resultados: Foram produzidas informações, reorganizado os fluxos na unidade, evitando as aglomerações nos serviços, garantido os equipamentos de proteção individual para os profissionais de saúde, produzido material educativo para orientar essas ações e principalmente não perdendo de vista a integralidade do cuidado ao garantir a manutenção das ações e programas anteriores. Conclusão: A adoção dessas novas medidas vem impactando positivamente o processo de trabalho, enfatizando a prevenção como eixo principal.
      PubDate: Fri, 04 Mar 2022 00:00:00 -030
       
  • Construindo bases para os cuidados paliativos na atenção
           primária

    • Authors: Alberto Gorayeb de Carvalho Ferreira; Arthur Fernandes da Silva
      Abstract: Problema: Trata-se de um relato de experiência sobre a idealização e a fase de implantação do Projeto Manto de Assistência em Cuidados Paliativos, desenvolvido em uma unidade básica de saúde do município de Caruaru (PE). Método: O Projeto Manto contou tanto com estratégias de educação continuada da equipe multiprofissional como com assistência integral à saúde do paciente em Cuidados Paliativos e acolheu 12 usuários nessa fase. Resultados: O projeto impactou a realidade de trabalho e cuidado de mais de uma equipe de saúde da família; promoveu e reforçou vínculos de unidades de cuidado pessoa/família com as equipes e consolidou-se como boa prática e experiência exitosa na Atenção Primária à Saúde e no Sistema Único de Saúde. Conclusão: A experiência do Projeto Manto desafia a realidade do interior do Nordeste brasileiro em um contexto de crise econômica, fragilidade na formação de profissionais e educação permanente de trabalhadores da saúde.
      PubDate: Fri, 04 Mar 2022 00:00:00 -030
       
  • A despedida

    • Authors: Rafael Fernandes de Almeida
      Abstract: A conspiração do silêncio figura como uma temática recorrente no cuidado às famílias que lidam com a terminalidade. Trata-se de uma forma de comunicação frequentemente entendida como prejudicial pelas equipes de assistência à saúde. O filme "A Despedida", de 2019, põe esse assunto em cheque ao explorar a história, baseada em fatos reais, de uma família chinesa cuja matriarca é diagnosticada com um câncer de pulmão que ameaça a continuidade da sua vida. O conflito ético se evidencia, contrapondo as vontades dos familiares que se dividem entre tradições orientais e filosofias ocidentais. O desfecho pouco usual do enredo levanta a discussão sobre diferenças culturais na percepção do bem-estar do fim de vida e abre espaço para aplicação desta reflexão no cuidado às pessoas e famílias de diferentes culturas no processo de finitude.
      PubDate: Fri, 04 Mar 2022 00:00:00 -030
       
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
 


Your IP address: 18.232.127.73
 
Home (Search)
API
About JournalTOCs
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-