for Journals by Title or ISSN
for Articles by Keywords
help
Followed Journals
Journal you Follow: 0
 
Sign Up to follow journals, search in your chosen journals and, optionally, receive Email Alerts when new issues of your Followed Jurnals are published.
Already have an account? Sign In to see the journals you follow.
Journal Cover Geo UERJ  
   Follow    
  This is an Open Access Journal Open Access journal
   ISSN (Print) 1415-7543 - ISSN (Online) 1981-9021
   Published by Universidade do Estado do Rio de Janeiro Homepage  [12 journals]
  • ACÚMULO DE DEPOSIÇÃO DE LIXO EM AMBIENTES COSTEIROS: A
           PRAIA OCEÂNICA DE PIRATININGA – NITERÓI – RJ

    • Authors: Saulo Cezar Guimarães Farias
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.9884 O estágio final das atividades produtivas e consumistas de uma sociedade é a geração de grande quantidade de material de descarte, superior a capacidade da natureza e desta sociedade de eliminá-lo e/ou reutilizá-lo.A produção excessiva de lixo na contemporaneidade compromete o equlíbrio dos ambientes naturais do planeta e a qualidade de vida dos seres que neles sobrevivem. Este trabalho apresenta uma crítica pautada nos conceitos de vulnerabilidades socioambientais das ciências ambientais aos resultados obtidos na coleta de material, observação e pesquisa de campo realizado em um período sazonal e estacionalentre os anos de 2002 e 2003, que teve como objetivo monitorar a poluição, deslocamento e deposição de lixo na praia de Piratininga, Niterói-RJ. Os resultados indicaram que a região é poluída por diversos agentes antrópicos, diretos e indiretos, incidindo descontinuamente e de maneira desigual por toda extensão da praia. Foram observados pelo menos quatro grandes agentes poluidores:as correntes marinhas, os turistas, o comércio local e a ação das ressacas sobre ocalçadão,desmontado-o.A pesquisa aponta para a importância de ações coordenadas entre o poder público, sociedade e iniciativa privada para diminuir a poluição na região e para uma conscientização dos problemas que o lixo causa na praia de Piratininga e nos ambientescosteiros do país. 
      PubDate: 2015-01-08
      Issue No: Vol. 2 (2015)
       
  • A GEOGRAFIA DO PETRÓLEO EM TRANSIÇÃO:
           CONSIDERAÇÕES A PARTIR DAS DESCOBERTAS DE FONTES NÃO
           CONVENCIONAIS DE PETRÓLEO NA AMÉRICA

    • Authors: Ciro Marques Reis, Mônica Sampaio Machado
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.12864 Este artigo apresenta considerações sobre a nova geopolítica do petróleoa partir das recentes descobertas de enormes jazidas de petróleo de fontes não convencionais em regiões fora do eixo Oriente Médio-Norte da África, especificamente, o xisto nos EUA, as areias betuminosas no Canadá e o pré-sal no Brasil. Busca-se, assim, delinearalguns cenários geopolíticos possíveis considerando a entrada dessasnovas fontes de petróleo no comércio mundial.Para tanto, este artigo foi organizado emtrês partes. Inicialmente, um breve balanço sobre o estado da arte dos atuais estudos sobre a geopolítica do petróleo no Brasil será apresentado. Em seguida, será expostoum quadro sobre a distribuição geográfica da indústria do petróleo no mundo,as principais reservas provadas, os países e regiões produtoras e consumidoras mais importantes e as principais atividades de refino, com destaque para o papel das grandes companhias.Por fim, são apresentadasas possibilidades de reestruturação e reordenamento geográfico e geopolítico do petróleo no mundo,considerando essas novas fontes energéticas não convencionaisdos EUA, Canadá e Brasil. 
      PubDate: 2014-12-16
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • A PRODUÇÃO DO ESPAÇO COMO RESISTÊNCIA AO CAPITAL

    • Authors: Fábio Rodrigues da Costa
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.5705 Seguramente o espaço é aceito pela maioria dos geógrafos como o objeto de estudo de sua ciência. Contudo, a palavra vem carregada de um grande número de significados, o que torna necessário maiores esclarecimentos. No presente artigo procuramos discutir o conceito de produção do espaço com o objetivo de entender a ação do capital em busca de reprodução ampliada e a resistência social contrária a esse processo. Se a ação do capital tem por principio a produção do espaço procurando ampliação, dialeticamente, existe resistência por parte de alguns grupos da sociedade. Como exemplo de produção do espaço como resistência ao capital apontamos alguns movimentos como: Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Associação de Moradores e a Economia Solidária. 
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • DO TURISMO DAS ÁGUAS MINERAIS AO TURISMO EM ÁREAS RURAIS: a
           microrregião de São Lourenço (MG).

    • Authors: Alexandre Carvalho de Andrade, Roberto Marques Neto, Rafael de Mello Castro Bacha, Enéas Rente Ferreira
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.5932  As mudanças nos interesses da sociedade refletem na apropriação dos espaços urbanos e rurais para as práticas turísticas. Devido a isto, sucessivas transformações coexistem nos centros receptores de turistas, o que resulta em distintos arranjos especiais e socioeconômicos em um determinado território. Este artigo tem o objetivo de mostrar como ocorreu o processo de turistificação na microrregião de São Lourenço (MG), onde, inicialmente a atividade se desenvolveu nas estâncias hidrominerais, em ambientes urbanos, e, com a progressiva maior valorização da natureza e dos espaços rurais pela sociedade, outras localidades, anteriormente eminentemente agrárias, atualmente recebem consideráveis investimentos turísticos.
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • A CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DA AMPLA ÁREA DE ESTUDO DO MORRO
           GAÚCHO, EM ARROIO DO MEIO E CAPITÃO/RS, VISANDO À
           CRIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO

    • Authors: Bruna Letícia Thomas
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.6358 Nos anos de 2002 e 2010 tentou-se a criação de uma Unidade de Conservação (UC) no Morro Gaúcho, localizado entre os municípios de Arroio do Meio e Capitão (RS). Porém, um dos empecilhos para que as propostas não tivessem sucesso foi a falta de informações ambientais básicas acerca da área em estudo, fato que dificultou o entendimento da proposta da UC e deixava dúvidas sobre a categoria e os limites ideais da área a ser protegida. Sendo assim, esta pesquisa visou realizar uma caracterização ambiental da ampla área de estudo do Morro Gaúcho como forma de auxiliar e fortalecer o processo de criação da UC. Na caracterização, foram avaliados atributos físicos (altimetria, declividade e recursos hídricos), biológicos (áreas de preservação permanente - APPs) e antrópicos (uso e ocupação do solo e situação legal das APPs) da paisagem. Assim, além de fornecer estas informações ambientais, também se espera que a UC seja planejada ambientalmente, de forma que os atributos ambientais realmente sejam protegidos com a criação deste espaço. 
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • CONHECENDO O ESPAÇO VIVIDO ATRAVÉS DA CARTOGRAFIA ESCOLAR

    • Authors: Viviane Paiva dos Santos, Josandra Araújo Barreto de Melo
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.7281 Este trabalho descreve e analisa as atividades desenvolvidas através do projeto de intervenção/colaboração desenvolvido no âmbito do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência – PIBID/CAPES/UEPB, realizado na Escola Estadual de Ensino Médio Inovador e Profissionalizante Hortênsio de Sousa Ribeiro (PREMEN), Campina Grande-PB, que teve como objetivo principal proporcionar aos alunos formas de conhecimento do espaço vivido e interpretá-lo através da cartografia. O intuito foi desenvolver o conhecimento cartográfico dos alunos, visando usar o espaço vivido como ferramenta, ou seja, mapear a cidade através da percepção dos mesmos. A partir da realização da atividade, foi possível observar o interesse dos alunos pela temática e a curiosidade dos discentes pelo conhecimento dos espaços da cidade em que vivem. O resultado alcançado com estas atividades confirmou que trabalhar com a realidade dos alunos usando diferentes metodologias, incentiva o interesse pela construção do conhecimento. 
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • GEOGRAFIAS DA REGULAÇÃO E GOVERNANÇA: perspectivas para a
           análise regional e urbana

    • Authors: Marcos Barcellos de Souza
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.8813 O presente trabalho pretende apontar alguns elementos críticos presentes na iteratura anglo-saxã sobre geografias da regulação e da governança e discutir sua validade para a compreensão de padrões de urbanização. Para tal, busca-seentender as formas de imersão sócio-espacial das localidades e suas relações com regimes regulatórios, mecanismos de governança e transformações do Estado. Propomos uma construção analítica que destaque os aspectos institucionais, territoriais e não territoriais dagovernança urbana e as formas extra-econômicas que orientam as diversas estratégias de competitividade das cidades atuais.Discutimos o aspecto multiescalar dos mecanismos de governança e a complexidade envolvida na sua regulação global. 
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • ESPACIALIDADE E MASCULINIDADE NA VIVÊNCIA DE JOVENS DA ESCOLA DE
           'GUARDAS MIRINS' EM PONTA GROSSA, PARANÁ

    • Authors: João Paulo Leandro de Almeida, Marcio Jose Ornat
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.9553 Esta discussão tem por objetivo compreender a relação entre espacialidades e a constituição de masculinidades de jovens no cotidiano da Escola de Guardas Mirins 'Tenente Antônio João', na cidade de Ponta Grossa, Paraná. Esta reflexão tem por referencial as informações cadastrais institucionais de 203 discentes matriculados, da lista de 1.723 candidatas e candidatos a vagas nesta instituição e do resultado da realização de 10 entrevistas semiestruturas com alunos entre 14 a 16 anos. Tal material empírico evidencia, segundo imbricações entre militarismo e espiritismo kardecista, relações entre vivências espaciais e construções de masculinidades em homens jovens. Da mesma forma que existem várias feminilidades, é cabível que existam múltiplas masculinidades, não estritamente orientadas a uma direção do que é ser homem. Os alunos da Escola de Guardas Mirins 'Tenente Antônio João' são uma destas possibilidades, fenômeno este que dialoga cotidianamente com construções de masculinidade hegemônicas e periféricas. 
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • BREVE ANÁLISE DE “A FRANÇA DE LESTE”, DE VIDAL DE LA
           BLACHE

    • Authors: Rui Ribeiro de Campos
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.10809 O artigo faz uma breve análise do último livro de Vidal de La Blache, La France de l’Est, e procura demonstrar que os aspectos políticos faziam parte de sua proposta, mas foram omitidos por seus seguidores. Analisará também alguns aspectos colocados por ele, na defesa do Estado francês, em seu posicionamento a respeito da devolução de territórios, predominantemente de língua e cultura germânicas, com base em argumentos mais históricos que geográficos.   
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • ESPESSURA DO CIRCUITO DE RADIO FM EM CAMPINAS

    • Authors: Cristiano Nunes Alves
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.4742 Neste artigo analisamos a conformação e a espessura do circuito de rádio FM em Campinas. O circuito FM se insere no campo da indústria cultural em especial desde a década de 1970, tendo se expandido num momento de aceleração do processo de urbanização brasileira. Hoje este circuito integra um aparelho maior, ligado a estratégias verticais de uso do território. Trata-se, pois, de um estudo de Campinas enquanto um lugar que abriga densidades técnica, informacional e comunicacional. Problematizamos as condições geográficas contemporâneas de vida nesta cidade, indagando sobre a existência e o espraiamento de circuitos ascendentes de informação no território usado.
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • LEV TOLSTOY E PIOTR KROPOTKIN COMO CRÍTICOS DA EDUCAÇÃO
           GEOGRÁFICA.

    • Authors: Amir El Hakim de Paula
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.6639 Esse artigo tem como objetivo discutir as críticas à Geografia escolar realizadas por dois importantes teóricos russos: Lev Tolstoy e Piotr Kropotkin. Kropotkin, reconhecido humanista e anarquista, procurou apontar as deficiências que a Geografia tinha no que tange a sua aplicação na escola básica, seja por seu aspecto mnemônico ou por ressaltar nacionalismos e a submissão das chamadas “raças inferiores”. No caso de Tolstoy, apontaremos a sua experiência no projeto escolar realizado em sua cidade natal, bem como, a crítica que o grande escritor russo realizou contra a Geografia encontrada nos manuais escolares da primeira metade do século XIX.
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • ÁREAS VERDES PÚBLICAS EM JUIZ DE FORA, MG: uma análise do
           estado da arte atual

    • Authors: Carlos Magno Adães Araujo, Cássia Castro Martins Ferreira
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.9668 Uma das características mais marcantes do espaço geográfico é sua transformação ininterrupta, fruto da relação dialética entre a sociedade e a natureza, na qual ambos se influenciam reciprocamente, transformando-se uns aos outros. Sob a égide do capitalismo, as transformações espaciais são rápidas e, muitas vezes, tão profundas que produzem impactos socioambientais e socioespaciais que são difíceis de serem mitigados. O processo de urbanização demonstra claramente a magnitude das transformações pelas quais o homem e a natureza passam. Em Juiz de Fora, Minas Gerais, o rápido crescimento do município e de sua área urbana legaram à população um restrito e irregular número de áreas verdes públicas, fundamentais na melhoria da qualidade ambiental urbana e de vida da população. A análise da dinâmica demográfica e do Índice de Áreas Verdes de parques, praças, canteiros e da UFJF, de cada uma das 81 Regiões Urbanas do município e suas áreas de influência, reforçadas pelo cálculo e análise da Densidade de Áreas Verdes e do Percentual de Áreas verdes, se apresentam como importantes procedimentos na compreensão do status atual dessas áreas, que irão subsidiar propostas de políticas públicas que visem proteger, ampliar e construir novas áreas verdes, bem como facilitar que a legislação existente seja colocada efetivamente em prática.  
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • O ESTUDO DO MERCADO IMOBILIÁRIO EM CIDADES MÉDIAS: procedimentos
           para coleta e sistematização dos dados

    • Authors: Marlon Altavini Abreu, Wagner Vinícius Amorim
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.10403 O presente artigo propõe-se ao debate dos procedimentos pertinentes ao estudo da oferta no mercado imobiliário em cidades médias. Enfatiza as potencialidades e as limitações oriundas dos classificados imobiliários como principal fonte de dados. Utiliza-se de exemplos de pesquisas desenvolvidas, discutindo formas de análise e interpretação, através da mediação empírica e das questões associadas ao modo tal como agentes econômicos, circunscritos à dimensão do mercado imobiliário, produzem e comercializam frações do espaço urbano. Para tanto, apresenta os resultados desenvolvidos a partir do estudo do mercado imobiliário das cidades de Londrina/PR, Marília/SP e São José do Rio Preto/SP, destacando as variáveis, as escalas de análise, as formas de tratamento dos dados e o modo de sua representação. 
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • REVISITANDO OS CONCEITOS DE CIDADE DIFUSA E ACESSIBILIDADE:
           relações com a circulação e o aumento da frota de
           veículos em cidades médias do Estado de São Paulo

    • Authors: Cássio Antunes de Oliveira
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.10602 Objetiva-se realizar uma análise teórica do conceito de cidade difusa que apresenta novas formas de urbanização. Concomitante a essa análise se fará também considerações sobre a noção de acessibilidade privilegiando uma de suas dimensões, a circulação. Feitas essas análises teóricas, parte-se para uma breve compreensão do rodoviarismo no Brasil e do papel do automóvel na sociedade brasileira, em razão de ser o principal meio de circulação urbana no país. Por fim será feita uma análise da evolução da frota de veículos e da população de seis cidades médias do Estado de São Paulo, as quais são: Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Bauru, Presidente Prudente, Marília e Araçatuba. Considerando o modo capitalista de produção, portanto, por uma ótica mais econômica, é possível identificar algumas tendências de produção do espaço urbano, além de agravamento dos problemas relacionados ao uso de carros (automóveis) particulares nos deslocamentos nas cidades médias referidas trazendo como exemplo empírico problemas ocorridos na cidade de São José do Rio Preto.
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • O ENLACE RIO-MINAS-ESPÍRITO SANTO NA REDE GEOGRÁFICA DO
           TRANSPORTE RODOVIÁRIO DE CARGA

    • Authors: Daniel Monteiro Huertas
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.10807 Em análise estruturada a partir da teoria do espaço geográfico, este artigo pretende demonstrar as peculiaridades e dinâmicas territorias que corroboram a inserção de um conjunto nodal formado pelos polígonos fluminense (Resende-Três Rios-Petrópolis-Rio de Janeiro) e mineiro (Divinópolis-Conselheiro Lafaiete-Belo Horizonte-Ipatinga), e pelos eixos capixaba (Cachoeiro de Itapemirim-Vitória-Aracruz) e Macaé-Arraial do Cabo (RJ), como centralidades da rede geográfica do transporte rodoviário de carga, cuja configuração territorial é composta por linhas e nodais que em seu conjunto expressam a organização e estruturação desta atividade na formação socioespacial brasileira e evidenciam um processo de seletividade espacial que privilegiou certos pontos e áreas em detrimento de outros, demarcado pela concentração e atuação de seus agentes.
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • GEOTECNOLOGIAS E MÉTRICAS APLICADAS NA ANÁLISE DA PAISAGEM DA
           BACIA DO RIO AGUAPEÍ/MT, BRASIL

    • Authors: Laís Fernandes de Souza Neves, Sandra Mara Alves da Silva Neves, Ronaldo José Neves
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.11739 Objetivou-se analisar as mudanças estruturais da paisagem da Bacia Hidrográfica do Rio Aguapeí/MT, nos anos de 1991 e 2011, através do uso das geotecnologias e métricas. Este estudo é baseado numa abordagem categórica, cujas classes discretas pertencentes à cobertura vegetal e uso da terra foram identificadas e mapeadas por meio das Geotecnologias e caracterizadas quantitativamente por índices de Ecologia de Paisagem, adotando o modelo conceitual de “mancha-corredor-matriz”. Verificou-se que a paisagem da área de estudo forma um mosaico, apresentando uma matriz constituída por Savana (Cerrado), com diversas manchas de Agropecuária e uma de área de Influência urbana, sendo que esta última classe não existia em 1991, e o corredor formado pela Floresta aluvial do Rio Aguapeí. Os dados evidenciaram um decréscimo da área ocupada pela vegetação de Savana e o crescimento da atividade agropecuária no período analisado. Caso este padrão seja mantido, indica que nos próximos 20 anos poderá a matriz da bacia ser constituída pela atividade agropecuária implicando em simplificação dos ecossistemas. Sendo assim, há necessidade de que as políticas de desenvolvimento regional de Mato Grosso priorizem a conservação ambiental, o que irá refletir no planejamento do uso da terra, para melhorar a permeabilidade da paisagem.
      PubDate: 2014-12-02
      Issue No: Vol. 2 (2014)
       
  • APRESENTAÇÃO

    • Authors: Glaucio José Marafon, Antonio Soares da Silva, Mônica Sampaio Machado
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.14434
      Issue No: Vol. 2
       
  • RELAÇÕES CAMPO-CIDADE E A COMERCIALIZAÇÃO
           AGRÍCOLA: notas sobre o espaço fluminense

    • Authors: Glaucio José Marafon, Rogério Seabra
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.14406 As transformações em curso no campo revelam uma necessária separação semântica entre rural e agrícola. As atividades no/do campo, mesmo que pontuais, incorporam o setor de serviços, principalmente, para o caso da Região Serrana Fluminense, o turismo em áreas rurais. Ao mesmo tempo, a produção serrana mantém a função de abastecimento para a capital fluminense e seu entorno, mesmo diante de muitas alterações no campo que, consequentemente,rebatem na forma e nas normas previstas na comercialização. O texto analisa elementos afins presentes nas mudanças no campo a partir da sua relação com as cidades, dentro do contexto da comercialização agrícola e pensando, portanto, as conexões reticulares nesses espaços. 
      Issue No: Vol. 2
       
  • NORMATIVAS URBANAS NO BRASIL IMPERIAL: A CIDADE E A VIDA URBANA NA
           LEGISLAÇÃO BRASILEIRA (1822 – 1850)

    • Authors: Doralice Sátyro Maia
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.14407 A legislação brasileira no que diz respeito ao tratamento das suas cidades e da vida urbana no período imperial revela inspirações nos movimentos para a construção dos Estados Liberais ou do Novo Regime que se davam nos países europeus e nos Estados Unidos. Neste período, muito embora existissem as resoluções municipais, estas eram na maioria das vezes determinadas pela legislação nacional. O propósito deste artigo é mostrar como a cidade e a vida urbana foram regulamentadas pelas leis e pelos decretos que compuseram a Legislação Brasileira, particularmente na primeira metade do século XIX a partir da instalação do que se denomina Brasil Imperial. Desta forma, o intervalo temporal corresponde ao período de 1822 a 1850. A opção por este recorte deu-se em função da preocupação por demonstrar como a legislação brasileira vai redefinindo os regulamentos, as normativas e mesmo o tratamento da cidade e do urbano desde a instalação de uma nova forma de governar e também da construção do Estado Brasileiro. Já a definição do marco final – 1850 -, legitima-se em função da aprovação da Lei de Terras que provocará a partir de então grandes alterações no tratamento da terra tanto rural como urbana e, por conseguinte, do solo urbano com a instituição da propriedade privada. Primeiramente expõe-se a opção metodológica por analisar os documentos oficiais e posteriormente elege-se para análise as principais legislações que tratam da forma administrativa do espaço citadino e particularmente dos documentos que se referem às atribuições das Câmaras Municipais e, por conseguinte, das Posturas Municipais.
      Issue No: Vol. 2
       
  • METROPOLIZAÇÃO DO ESPAÇO, GESTÃO TERRITORIAL E
           RELAÇÕES URBANO-RURAIS: ALGUMAS INTERAÇÕES
           POSSÍVEIS

    • Authors: Alvaro Ferreira, João Rua, Regina Célia de Mattos
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.14408 O artigo desenvolve a hipótese de acordo com a qual a reprodução do espaço, no mundo contemporâneo, aprofunda a contradição entre o processo de produção social do espaço e sua apropriação privada. A metropolização do espaço, num sentido amplo, contribui para transformar as dinâmicas espaciais urbano-metropolitanas em todas as escalas territoriais. O espaço é um produto social e é produzido com intenções que interferem na vida cotidiana. O planejamento e a gestão territorial num momento de agudização das contradições sociais e de práticas excludentes, em todas as escalas geográficas, são definidos na relação com os direitos coletivos e individuais. Em outras palavras, eles operam na presunção de que, por um lado, existe a lógica territorial dos grupos sociais afetados/dominados pelas geometrias de poder, por outro lado, está a lógica dos que gerenciam os projetos de desenvolvimento. A recente corrida global por terra produziu um dramático implemento dos investimentos na compra de terras no Brasil. A tendência atual acentua os processos em curso de elevação dos preços da terra bem como as consequências desses processos. O trabalho enfoca as interações entre a gestão territorial e as relações urbano-rurais integrados pela metropolização do espaço vista como o processo espacial dominante nos dias atuais. 
      Issue No: Vol. 2
       
  • MANAGING WITHOUT GROWTH

    • Authors: Rodrigo de Campos Macedo
      Abstract:
      DOI : http://dx.doi.org/10.12957/geouerj.2014.14409
      Issue No: Vol. 2
       
 
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
Fax: +00 44 (0)131 4513327
 
About JournalTOCs
API
Help
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-2014