for Journals by Title or ISSN
for Articles by Keywords
help
Followed Journals
Journal you Follow: 0
 
Sign Up to follow journals, search in your chosen journals and, optionally, receive Email Alerts when new issues of your Followed Jurnals are published.
Already have an account? Sign In to see the journals you follow.
Acta Médica Portuguesa
   Journal TOC RSS feeds Export to Zotero Follow    
  This is an Open Access Journal Open Access journal
     ISSN (Print) 0870-399X - ISSN (Online) 1646-0758
     Published by Ordem dos Médicos Homepage  [1 journal]   [SJR: 0.118]   [H-I: 11]
  • Trombo Volumoso do Ventrículo Direito

    • Authors: Carla Sousa, Pedro Almeida, Alexandra Gonçalves, João Rodrigues, Inês Rangel, Filipe Macedo, M. Júlia Maciel
      Abstract: A formação de trombos no ventrículo direito corresponde a uma situação rara porém potencialmente fatal. Tem sido descrita em associação a estados de hipercoagulabilidade, doenças autoimunes e cardiopatia dilatada. A ecocardiografia constitui o método de eleição para o diagnóstico e caracterização destas estruturas, permitindo, inclusive, a diferenciação entre os diversos tipos de trombos possíveis. Apresentamos o caso de um doente com miocardiopatia dilatada de etiologia alcoólica que foi admitido por insuficiência cardíaca congestiva e infeção respiratória baixa. Durante a marcha diagnóstica, o ecocardiograma de rotina revelou a presença de um volumoso trombo mural no ventrículo direito, em associação a disfunção sistólica biventricular de grau severo. Foi proposto o início de
      hipocoagulação oral, estratégia que o doente recusou.
      Palavras-chave: Cardiomiopatia Alcoólica; Trombose Coronária; Ecocardiografia; Disfunção; Ventricular Direita.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Anestesia Pediátrica em Período de Imaturidade Cerebral e
           Perturbações do Neurodesenvolvimento

    • Authors: Dora Catré, Maria Francelina Lopes, António Silvério Cabrita, Joaquim Silva Viana
      Abstract: Introdução: Diversos estudos experimentais e clínicos sugerem que fármacos usados em anestesia pediátrica podem exercer efeitos indesejáveis sobre o sistema nervoso central imaturo. O objetivo desta revisão consistiu em avaliar os resultados e conclusões de estudos publicados na literatura sobre perturbações persistentes do neurodesenvolvimento após exposição a anestésicos de crianças em fase de imaturidade cerebral.
      Material e Métodos: Realizámos uma pesquisa bibliográfica em diversas bases de dados (PubMed, SciELO e Cochrane Library),
      utilizando os termos ‘Pediatric anesthesia OR Pediatric anesthetic OR Developing brain anesthetic OR Developing brain anesthesia
      AND behavior disorders’ e foram incluídos os estudos em humanos, referentes a efeitos persistentes no neurodesenvolvimento após exposição a anestésicos nos primeiros quatro anos de idade.
      Resultados: Dez estudos retrospetivos cumpriram os critérios de inclusão. Destes, sete sugerem alteração do neurodesenvolvimento por exposição de criança pequena à anestesia, por oposição aos resultados obtidos pelos restantes três.
      Discussão: Embora maioritariamente utilizem bases de dados amplas, os estudos encontrados são retrospetivos, variam nos grupos teste, incluem variáveis de confusão por vezes contornáveis e alguns apresentam incorreções na escolha da população teste e controlo que podem comprometer a fiabilidade dos resultados.
      Conclusão: As numerosas limitações dos poucos estudos clínicos disponíveis fazem com que a informação reportada ainda se considere insuficiente para mudar a prática clínica atual. No entanto, sendo indiscutível que se mantêm as recomendações para providenciar anestesia quando necessária, independentemente da idade, os alertas encontrados na literatura são preocupantes, existindo indicação para que sempre que possível sejam ponderadas alternativas que possam contribuir para diminuir os riscos da exposição anestésica.
      Palavras-chave: Anestesia; Anestésicos; Criança; Perturbações do Desenvolvimento; Perturbações do Comportamento; Revisão.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • A Progressão Secundária Não é a Única
           Explicação

    • Authors: Filipe Palavra, Carmen Tur, Mar Tintoré, Àlex Rovira, Xavier Montalban
      Abstract: A esclerose múltipla é uma doença inflamatória e desmielinizante do sistema nervoso central. Tem apresentação variável e os respectivos curso clínico e prognóstico são heterogéneos. Cerca de 85% dos doentes apresentam uma evolução em surto e remissão, mas alguns podem assumir posteriormente um curso progressivo, com acumulação irreversível de incapacidade, definindo a forma secundariamente progressiva da doença. Apesar de todos os avanços conseguidos em termos de diagnóstico, muitas decisões práticas continuam a ser baseadas em aspectos puramente clínicos. Apresentamos o caso de uma doente que, depois do diagnóstico de um síndrome clínico isolado há vários anos, parecia entrar numa fase secundariamente progressiva, desenvolvendo um quadro clínico dominado por uma limitação progressiva da marcha. Mas a esclerose múltipla requer alguma experiência, no sentido de excluir os diagnósticos alternativos, que podem justificar as queixas dos doentes. Aqui apresentamos um importante alerta para o diagnóstico diferencial de esclerose múltipla secundariamente progressiva.
      Palavras-chave: Ressonância Magnética; Esclerosis Múltipla Crónica Progressiva; Meningioma.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Geografias da Diabetes Mellitus em Portugal: Como as Condições
           do Contexto Influenciam o Risco de Morrer

    • Authors: Paula Santana, Cláudia Costa, Adriana Loureiro, João Raposo, José Manuel Boavida
      Abstract: Introdução: A Diabetes Mellitus é um problema de saúde pública em crescimento em todo o mundo e também em Portugal. Pretendemos identificar a evolução do padrão geográfico desta causa de morte e a associação com a privação sociomaterial, em Portugal.
      Material e Métodos: Estudo ecológico transversal dos óbitos por Diabetes Mellitus ocorridos nos municípios portugueses em três períodos (1989-1993, 1999-2003 e 2006-2010). Aplicámos um modelo hierárquico bayesiano, de modo a obter a Razão Padronizada de Mortalidade Suavizada e o Risco Relativo, de mortalidade por diabetes associado à privação sociomaterial.
      Resultados: Observámos os valores da Razão Padronizada de Mortalidade Suavizada mais elevados, em 1989-1993, nos municípios urbanos do litoral (80% dos municípios com Razão Padronizada de Mortalidade Suavizada ≥ 161, sendo 60% urbanos); em 2006-2010 verificámos o oposto, destacando-se, pelos valores de Razão Padronizada de Mortalidade Suavizada elevados, as áreas rurais localizadas no interior sul do país (76,9% dos municípios com Razão Padronizada de Mortalidade Suavizada ≥ 161 sendo 69,2% rurais), principalmente no Alentejo. O Risco Relativo de mortalidade por Diabetes Mellitus aumenta com o aumento da vulnerabilidade associada às condições sociais e económicas da área de residência, principalmente nos dois últimos períodos (Risco Relativo: 1,00; IC95%: 0,98-1,02).
      Discussão: A Diabetes Mellitus apresenta um padrão geográfico marcado pela assimetria litoral-interior e urbano-rural, que tem vindo a alterar-se ao longo dos últimos vinte anos, verificando-se uma transição geográfica: 48% da população reside em municípios em que a Razão Padronizada de Mortalidade Suavizada aumentou nos últimos vinte anos, com destaque para as áreas rurais do interior de Portugal.
      Conclusão: As Razões Padronizadas de Mortalidade Suavizada mais elevadas verificam-se, actualmente, em municípios rurais, com índice de privação sociomaterial mais elevado.
      Palavras-chave: Demografia; Diabetes Mellitus/epidemiologia; Diabetes Mellitus/mortalidade; Factores Socioeconómicos; Portugal.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Pólipo Hiperplásico' Olhe com Atenção… O
           Impacto da Nova Classificação para os Pólipos Serreados

    • Authors: Catarina Fidalgo, Liliana Santos, Isadora Rosa, Ricardo Fonseca, Pedro Lage, Isabel Claro, Paula Chaves, António Dias Pereira
      Abstract: Introdução: A Organização Mundial de Saúde reviu a classificação para os pólipos serreados do cólon em 2010. Uma nova entidade, o adenoma serreado séssil, foi incluída com duas variantes: com e sem displasia citológica. O potencial de malignização desta lesão foi reconhecido e, de acordo com a nova classificação, muitos pólipos poderão ser reclassificados. O impacto desta mudança ainda não foi aferido.
      Objectivo: Analisar a proporção de lesões reclassificadas de acordo com a nova classificação da Organização Mundial de Saúde e as variáveis que a influenciaram.
      Material e Métodos: Todos os doentes com pelo menos um adenoma serreado séssil diagnosticado num período de cinco anos foram incluídos. Todos os pólipos (independentemente do tipo histológico) ressecados durante o período considerado foram revistos. Recolhidas variáveis dos pólipos e dados dos doentes. Incluídos 40 doentes consecutivos [13 mulheres, idade média no diagnóstico do 1º adenoma serreado séssil - 59 anos (34-80)].
      Resultados: Revistos 247 pólipos: hiperplásicos - 42%; adenomas convencionais - 29%; adenoma serreado séssil - 24%; adenomas serreados-5%. Reclassificados 63 pólipos: 43 hiperplásicos, 12 adenomas serreados, 7 adenoma serreado séssil e 1 adenoma convencional com displasia de baixo brau. A reclassificação foi significativamente mais provável para os pólipos hiperplásicos em relação aos outros subtipos. 41% (43/104) dos pólipos hiperplásicos foram reclassificados como adenoma serreado séssil. Para estes pólipos a probabilidade de reclassificação foi independente da localização mas maior se a dimensão ≥ 5 mm.
      Discussão: Este é um estudo rectrospectivo que foi conduzido num único Centro Oncológico de Referenciação com uma Clínica de Risco Familiar associada, o que pode ter influenciado os resultados. No entanto, a elevada taxa de reclassificação para os pólipos hiperplásicos e o facto de estes terem sido reclassificados quase sempre como adenomas serreados tornam estes resultados relevantes para a prática do dia a dia.
      Conclusão: Os nossos resultados mostram que, de acordo com a nova classificação da Organização Mundial de Saúde para os pólipos serreados, uma proporção considerável de pólipos hiperplásicos seria reclassificada. A via serreada de carcinogénese colorectal tem sido provavelmente subestimada e doentes em risco podem estar sob vigilância inadequada.
      Palavras-chave: Classificação de Tumores; Neoplasias do Colon/classificação; Neoplasias do Colon/diagnóstico; Organização Mundial
      de Saúde; Pólipos do Cólon.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Gravidezes Bem Sucedidas com Recurso a Fertilização In Vitro
           após Oclusão de Hidrossalpinge Unilateral com Essure®

    • Authors: Luís Guedes-Martins, Joana Mesquita-Guimarães, Márcia Barreiro
      Abstract: Introdução: Desde há duas décadas que assistimos à publicação de vários estudos dedicados à avaliação da influência da hidrossalpinge nos resultados de técnicas de transferência de embriões. O objectivo deste trabalho é apresentar os resultados do tratamento e vigilância gestacional em mulheres com história de infertilidade - associada a hidrossalpinge unilateral, visível no exame ecográfico transvaginal - submetidas a oclusão unilateral com Essure® e tratamento subsequente com fertilização in vitro.
      Material e Métodos: Análise prospectiva de uma amostra constituída por seis mulheres, com antecedentes de infertilidade e hidrossalpinge unilateral, entre Abril de 2010 e Maio de 2013. Em todos os casos procedemos a exclusão de hidrossalpinge recorrendo à colocação unilateral de um dispositivo Essure® por via histeroscópica antes da realização de um ciclo para fertilização in vitro.
      Resultados: Das seis doentes submetidas a fertilização in vitro, quatro engravidaram (66,7%). Destas, registaram-se duas gravidezes de termo sem intercorrências até ao parto e duas gravidezes encontram-se em vigilância, sem intercorrências conhecidas até à data. Das doentes que não engravidaram após fertilização in vitro (n = 2, 33,3%), uma engravidou espontaneamente durante a vigilância subsequente.
      Discussão: O avanço da histeroscopia no tratamento de hidrossalpinge, recorrendo à implantação do dispositivo Essure®, representa uma alternativa válida à abordagem laparoscópica.
      Conclusão: Este estudo sugere que a oclusão tubar unilateral, induzida pelo dispositivo Essure®, melhora os resultados do tratamento com fertilização in vitro em casos de infertilidade associada a hidrossalpinge unilateral, visível no exame ecográfico transvaginal.
      Palavras-chave: Fertilização In Vitro; Histeroscopia; Infertilidade Feminina; Gravidez; Nascimento Vivo; Esterilização Tubária; Portugal.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Intervenção PRAdA: Efeitos no Peso Induzidos por Proposta de
           Alteração de Comportamento Alimentar em Hipertensos Medicados
           Nativos Portugueses e Imigrantes de Origem Africana

    • Authors: Catarina Peixoto, Gisela Carrilho, Violeta Alarcão, Filipa Guerra, Rui Simões, Milene Fernandes, Paulo Nicola, Sofia Guiomar, Paulo Nogueira, Evangelista Rocha
      Abstract: Introdução: Perdas de peso melhoram o controlo da tensão arterial em indivíduos hipertensos. As intervenções comportamentais para a perda de peso parecem ser menos eficazes nos imigrantes de origem africana (IOA). Os principais objetivos foram avaliar os efeitos no peso de uma intervenção alimentar em hipertensos nativos de origem portugueses (NOP) e IOA; identificar fatores de sucesso na perda de peso; avaliar a evolução dos conhecimentos e adesão às recomendações alimentares.
      Material e Métodos: Foram selecionados aleatoriamente hipertensos medicados seguidos nos cuidados de saúde primários para um estudo de duas fases, observacional (15 meses) e de intervenção comportamental (seis meses). Os participantes foram divididos em dois grupos: IOA e NOP. Foram dadas recomendações alimentares e de estilos de vida em sessões individuais presenciais e telefónicas.
      Resultados: Dos 110 participantes, com IMC médio de 31,6 ± 3,7 kg/m2 e idade média 61,3 ± 10,0 anos, 60 eram imigrantes. Durante a intervenção os NOP perderam 1,4 ± 2,7% do peso e os IOA 0,8 ± 3,6%, sendo a perda superior comparativamente com a fase observacional. Ser do sexo masculino e consumir pelo menos duas porções de lacticínios magros por dia associou-se a maior perda de peso durante a intervenção, independentemente da idade e origem. Houve um aumento significativo no número de recomendações dietéticas conhecidas e cumpridas, com os NOP a cumprirem em média mais recomendações.
      Discussão: A intervenção foi bem sucedida relativamente à perda de peso, especialmente no grupo dos NOP, confirmando outros estudos.
      Conclusão: A intervenção aumentou os conhecimentos e adesão às recomendações, realçando a pertinência da educação alimentar, culturalmente adaptada, nos cuidados de saúde primários.
      Palavras-chave: África; Emigrantes e Imigrantes; Estudos de Intervenção; Hábitos Alimentares; Hipertensão; Perda de Peso; Portugal.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Depressão e Ansiedade após Estimulação Cerebral
           Profunda na Doença de Parkinson: Revisão Sistemática e
           Meta-Análise

    • Authors: Maria Inês Couto, Ana Monteiro, Ana Oliveira, Nuno Lunet, João Massano
      Abstract: Introdução: A estimulação cerebral profunda (ECP) é eficaz na doença de Parkinson (DP) avançada, melhorando sintomas motores, flutuações e a qualidade de vida. No entanto, têm sido reportados efeitos adversos psiquiátricos, mas de uma forma variável e não padronizada. O objectivo deste artigo é analisar e sumarizar a evidência publicada sobre sintomas depressivos e ansiedade em doentes com DP após ECP, através de revisão sistemática e meta-análise.
      Material e Métodos: A PubMed foi pesquisada até Maio 2012 para identificar os estudos que avaliaram sintomas depressivos e
      ansiedade em doentes com doença de Parkinson submetidos a estimulação cerebral profunda bilateral do núcleo subtalâmico (NST) ou globo pálido interno (GPi). Foram feitas meta-análises com modelo de efeitos aleatórios para grupos de pelo menos três estudos homogéneos em relação ao desenho e instrumentos utilizados.
      Resultados: Foram selecionadas 63 referências; 98,4% continham dados relativos a escalas de avaliação de depressão e 38,1% relativos a ansiedade. Dois estudos não discriminavam o alvo usado; nos restantes 61 foi feita avaliação de curto prazo em 37 (60,7%), de médio prazo em 36 (59,0%) e de longo prazo em 5 (8,2%). Foram encontrados dados sobre variação pré/pós operatória em 57 (93,4%) estudos e 16 (26,2%) continham dados comparando ECP-NST versus outros grupos: ECP-GPi (n = 4 estudos, 25,0%), elegíveis para cirurgia (n = 6, 37,5%), e tratamento médico (n = 7, 43,8%).
      Discussão: É aparente a melhoria de depressão e ansiedade após ECP, sobretudo a curto prazo, efeito que tende a esbater-se em avaliações posteriores. Em relação à depressão a ECP-NST mostrou-se superior ao tratamento médico, mas não em comparação com o grupo de controlo elegível para cirurgia. Verificou-se o resultado oposto para a ansiedade, uma vez que os resultados favorecem o tratamento médico sobre a ECP-NST, e esta sobre o grupo de elegíveis para cirurgia. Não é evidente a superioridade de um alvo sobre o outro, mas os dados favorecem ligeiramente o GPi para ambos os tipos de sintomas.
      Conclusões: O padrão e curso dos sintomas depressivos e ansiedade após ECP na DP não são claros, mas ambos parecem melhorar no curto prazo, especialmente a depressão após a ECP-NST. Os resultados são bastante heterogéneos. Devem ser promovidos esforços no sentido de haver padronização de procedimentos de avaliação nos vários centros.
      Palavras-chave: Doença de Parkinson; Estimulação Cerebral Profunda; Ansiedade; Depressão; Meta-Análise.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Infeções do Trato Urinário numa Coorte de Transplantados
           Renais

    • Authors: Ana Bispo, Milene Fernandes, Cristina Toscano, Teresa Marques, Domingos Machado, André Weigert
      Abstract: Introdução: A infeção do trato urinário é a complicação infeciosa mais comum no período pós transplante renal, estando a sua frequência pouco caracterizada na população portuguesa. Este trabalho teve como objetivo determinar a incidência de infeções do trato urinário e infeções do trato urinário recorrentes em transplantados renais.
      Material e Métodos: Tratou-se de um estudo observacional de coorte retrospetiva, com consulta dos processos clínicos de doentes transplantados entre Janeiro de 2004 e Dezembro de 2005, no Hospital de Santa Cruz, com seguimento durante cinco anos ou até à data de perda de enxerto, morte ou perda de follow-up. Após uma análise descritiva da população, utilizámos testes bivariados para identificação de fatores associados a infeções do trato urinário.
      Resultados: Em 127 doentes incluídos com seguimento de 593 doentes/ ano, 53 (41,7%) tiveram pelo menos um episódio de infeção do trato urinário e 21 (16,5%) tiveram infeções do trato urinário recorrentes. O género feminino foi o único fator associado com ocorrência de infeções do trato urinário (p < 0,001, OR = 7,08, RR = 2,95) e infeções do trato urinário recorrentes (p < 0,001, OR = 4,66, RR = 2,83). Os agentes etiológicos mais frequentes foram Escherichia coli (51,6%), Klebsiella pneumoniae (15,5%) e Enterobacter spp (9,9%). As infeções do trato urinário não causaram aumento de mortalidade ou perda de enxerto, mas foram a principal causa de internamentos hospitalares.
      Discussão: Na nossa população, apenas o género feminino foi identificado como fator de risco para o desenvolvimento de infeções do trato urinário, recorrentes ou não. Escherichia coli foi o agente etiológico mais frequente.
      Conclusão: Apesar das medidas preventivas adotadas, as infeções do trato urinário continuam a ser uma importante causa de morbilidade e de internamentos hospitalares.
      Palavras-chave: Infeção do Tracto Urinário; Complicações Pós-operatórias; Factores de Risco; Transplantação Renal; Portugal.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Alergia de Contacto a Metais num Período de 20 Anos no Centro de
           Portugal: Implicações das Directivas Europeias

    • Authors: Vera Teixeira, Inês Coutinho, Margarida Gonçalo
      Abstract: Introdução: Os metais são causa frequente de dermatite de contacto alérgica. Desde a introdução da Directiva Comunitária do Níquel (1994/27/CE; 2004/96/CE) e, mais recentemente, da Directiva do Cimento (2003/53/CE), nos países nórdicos tem havido uma diminuição da sensibilização aos metais. A aplicabilidade destas medidas e o seu impacto permanece por avaliar em Portugal.
      Material e Métodos: Foi realizado um estudo retrospectivo (1992-2011) na Consulta de Alergologia Cutânea com o principal objectivo de analisar a variação dos padrões de sensibilização aos metais (níquel [Ni], cobalto [Co] e crómio [Cr]) ao longo de 20 anos, em particular no que se refere ao género, grupo etário e relação com a actividade profissional.
      Resultados: Do total de 5 250 doentes estudados, em 1 626 (31%) observámos pelo menos um teste epicutâneo positivo a um metal (26,5% ao Ni; 10,0% ao Co e 7,0% ao Cr). A prevalência de sensibilização ao Ni era significativamente maior nas mulheres (34,4% versus 8,9%) e ao Cr nos homens (11,5% versus 5,0%). Não houve diminuição significativa da sensibilização ao Ni ao longo dos 20 anos, mas o contributo da faixa etária dos 16-30 anos no total de mulheres sensíveis a este metal decresceu de forma significativamente estatística ao longo dos anos (p < 0,001). A sensibilização ao Cr decresceu sobretudo nos homens (r = -0,535), muito particularmente
      nos casos relacionados com a construção civil (r = -0,639), enquanto a reatividade ao Cr relacionado com o uso de calçado
      se manteve estável.
      Discussão: A manutenção dos elevados níveis de sensibilização ao níquel denota ainda uma fraca implementação das Directivas
      comunitárias mas a redução da percentagem de mulheres jovens poderá significar já algum efeito positivo nesta faixa etária. Ao contrário, a Directiva referente à redução do Cr no cimento parece estar a ter os seus efeitos positivos. Há, contudo, necessidade de interferir com o conteúdo em Cr no couro natural utilizado no calçado.
      Conclusões: A regulamentação da implementação de medidas interventivas relacionadas quer com o fabrico e comércio de adornos quer a nível profissional permitirá uma melhor protecção da população da alergia aos metais.
      Palavras-chave: Dermatite de Contacto Alérgica; Metais; Níquel; Cobalto; Crómio; Testes Epicutâneos; Portugal; União Europeia.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Os Desafios ao Jornalismo Científico de Qualidade

    • Authors: Débora Miranda
      Abstract: Palavras-chave: Jornalismo; Ciência.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Doença Invasiva Meningocócica em Cuidados Intensivos
           Pediátricos

    • Authors: Patrícia Mação, Gustavo Januário, Sofia Ferreira, Andrea Dias, Teresa Dionísio, Carla Pinto, Leonor Carvalho
      Abstract: Introdução: A infecção meningocócica tem uma elevada mortalidade e morbilidade em crianças. O tratamento agressivo do choque, a referenciação precoce, o transporte secundário especializado e a vacinação são factores com impacto potencial na redução da mortalidade. Foram objectivos caracterizar as crianças com doença invasiva meningocócica admitidas em cuidados intensivos, avaliar parâmetros de gravidade e mortalidade.
      Material e Métodos: Estudo observacional, cujo método de colheita de dados foi retrospectivo. Foram constituídos dois períodos, de seis anos cada, de acordo com o ano de admissão (A: 2000-2005 e B: 2006-2011) e nestes compararam-se índices de gravidade, disfunção orgânica e mortalidade.
      Resultados: Foram admitidas 70 crianças com doença invasiva meningocócica. Quando comparadas com as outras causas verificouse uma redução nas admissões por doença invasiva meningocócica (período A: 3,4%; período B: 1,5%; p = 0,001). A ocorrência de meningite foi de 41% no período A e de 29% no período B (p = 0,461). Tiveram púrpura rapidamente progressiva 78% no período A e 50% no período B (p = 0,0032). As crianças do período A tiveram disfunção multi-órgão (80%), coagulação intravascular disseminada (76%) e coma (22%) mais frequentemente que as crianças do período B (29%, 29%, 0%; p < 0,05). A mortalidade foi 26% no período A e 0% no período B (p = 0,006) e a mortalidade estandardizada pelo PRISM foi 1,3 e 0 no período A e B respectivamente.
      Discussão: A redução do número de admissões por doença menigocócica invasiva pode ser explicada pela introdução da vacina anti-meningocócica C em 2006. Pensa-se que a redução da mortalidade observada, possa ser atribuível à melhoria da estabilização inicial e ao transporte secundário.
      Conclusão: Nos últimos anos houve uma redução significativa no número de admissões e na mortalidade por doença invasiva meningocócica.
      Palavras-chave: Infecções Meningocócicas; Cuidados Intensivos Pediátricos; Mortalidade; Insuficiência de Múltiplos Órgãos; Portugal; Sepsis.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Hipocalcemia Crónica por Anticorpos Anti-Recetor do Cálcio

    • Authors: Pedro Marques, Rita Santos, Branca Cavaco, Valeriano Leite
      Abstract: Introdução: O hipoparatiroidismo cursa com hipocalcemia e é mais frequentemente registado após cirurgia cervical. A etiologia autoimune é mais rara e difícil de diagnosticar.
      Caso clínico: Mulher, 52 anos, sem antecedentes pessoais, medicamentosos ou familiares relevantes, referenciada por hipocalcemia e calcificação dos núcleos da base, detetados no decurso de investigação de quadro de mialgias. Além de hipocalcemia (4,6 mg/dL), foi verificada hiperfosfatemia (8,7 mg/dL), hormona paratiroideia indetetável, calciúria, fosfatúria e magnesúria baixas. A análise molecular do gene CaSR excluiu mutações germinais. A pesquisa de anticorpos anti-receptor sensível do cálcio (anti-CaSR) foi positiva. Atualmente está assintomática e normocalcémica sob terapêutica com cálcio e vitamina D.
      Discussão: Embora rara, a hipocalcemia por hipoparatiroidismo autoimune deve ponderar-se em adultos sem antecedentes de cirurgia cervical, medicação hipocalcemiante, história familiar ou fenótipo sugestivo de doença genética. Hormona paratiroideia diminuída ou indetetável exclui pseudohipoparatiroidismo e a positividade para anti-CaSR confirma o diagnóstico.
      Palavras-chave: Hipocalcemia; Hipoparatiroidismo; Receptores de Detecção de Cálcio.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Diagnóstico de Sífilis a Partir de Lesões da Mucosa Oral

    • Authors: Luis Uva, João Borges-Costa, Paulo Filipe
      Abstract: Palavras-chave: Doenças da Boca; Sífilis; Sífilis Cutânea; Treponema pallidum.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Empiema do Coto Ureteral após Heminefrectomia

    • Authors: Joana Pereira, Armando Reis, Ribeiro de Castro
      Abstract: Palavras-chave: Empiema; Complicações Pós-Operatórias; Doenças Ureterais; Nefrectomia.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Referente ao Artigo: J Pereira de Moura, M Santos Rosa, V Alves, A Mota
           Pinto, V Rodrigues, JM Silva, JJ Alves de Moura. Populações
           Celulares Periféricas (CD4+, CD8+ e CD19+) em Indivíduos
           Dislipidémicos

    • Authors: Viroj Wiwanitkit
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • “O Último Cocheiro”, o Trio de Factores de Risco:
           Álcool, Tabaco e Acidentes de Viação

    • Authors: Rui Tato Marinho
      Abstract: Palavras-chave: Consumo de Bebidas Alcoólicas; Fumar; História, Século XX; Pessoas famosas; Pintura; Portugal.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Sobrevivência de Cancro da Mama e Factores Associados: Resultados do
           Registo Oncológico Regional Sul

    • Authors: Maria do Rosario André, Sandra Amaral, Alexandra Mayer, Ana Miranda, Working Group ROR SUL
      Abstract: Objectivos: A incidência do cancro da mama em Portugal é inferior à média europeia, sendo, ainda assim, a neoplasia mais frequente na mulher. As taxas de mortalidade por cancro de mama apresentam uma distribuição heterogénea nas diferentes regiões de Portugal. São múltiplos os factores que podem influenciar esta distribuição, incluindo aspectos demográficos e socioeconómicos, características biológicas tumorais, e o acesso aos cuidados de saúde. O objectivo deste estudo é detectar diferenças na sobrevivência do cancro de mama feminino e os principais factores associados.
      Material e Métodos: Estudo de coorte, de base populacional e orientação retrospectiva, com follow-up. Foram incluídos casos de cancro de mama diagnosticados em 2005 e residentes na região sul de Portugal, tendo os dados sido recolhidos a partir da base de dados do Registo Oncológico Regional Sul (ROR-Sul) e complementados com dados dos processos clínicos.
      Resultados: Foram incluídos neste estudo 1 354 doentes. Observaram-se as seguintes variações geográficas: na distribuição etária, com uma população envelhecida no Alentejo; na distribuição de sub-tipos tumorais, com uma maior incidência de tumores HER2- positivo no Algarve e maior incidência de tumores HER2-negativo na Região Autónoma da Madeira. A sobrevivência global estimada aos 5 anos foi de 80%, com uma associação significativa com o estadio, receptores hormonais e status HER2. Não foram identificadas diferenças na sobrevivência entre mulheres residentes em regiões geográficas distintas.
      Discussão: Apesar das diferenças observadas na distribuição etária e de sub-tipos tumorais entre regiões geográficas, os nossos resultados não suportam a existência de discrepâncias na sobrevivência do cancro de mama entre estas regiões. As características biológicas tumorais parecem ser os principais factores associados à sobrevivência do cancro de mama feminino na nossa população.
      Conclusões: O nosso estudo confirma a associação entre a sobrevivência e o estadio, receptores hormonais e status HER2. No entanto, não foram observadas diferenças na sobrevivência entre diferentes regiões geográficas de residência.
      Palavras-chave: Neoplasias da Mama; Estadiamento de Neoplasias; Análise de Sobrevida; Portugal.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Medicina Geral e Familiar: Desafios Hoje e no Futuro

    • Authors: José Silva Henriques, Denise Alexandra
      Abstract: Palavras-chave: Medicina Geral e Familiar; Portugal.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Análise da Revisão Cochrane: Anticoagulação versus
           Placebo em Doentes com Insuficiência Cardíaca em Ritmo Sinusal.
           Cochrane Database Syst Rev. 2014;3:CD003336.

    • Authors: Daniel Caldeira, António Vaz-Carneiro, João Costa
      Abstract: Os eventos trombóticos e embólicos contribuem para a morbilidade e mortalidade associada à Insuficiência Cardíaca Crónica (IC). Diferentemente da associação da fibrilhação auricular (FA) com IC, em que o benefício da anticoagulação está bem documentada, a utilização desta classe farmacoterapêutica naqueles que se apresentam em ritmo sinusal (sem história pregressa de FA) é discutível. Nesta revisão sistemática da Cochrane Collaboration, os autores avaliaram os benefícios e riscos associados à anticoagulação oral (versus placebo) nesta população. Apenas foram publicados 2 ensaios clínicos aleatorizados e controlados (um dos quais com desenho aberto) incluindo um total de 324 doentes. Os resultados da meta-análise baseados na melhor evidência disponível não suporta o uso sistemático de anticoagulantes orais em doentes com IC e ritmo sinusal na prevenção de morte (global ou cardiovascular) ou eventos cardiovasculares não- fatais. A anticoagulação aumentou significativamente o risco de hemorragia grave.
      Palavras-chave: Anticoagulação; Insuficiência Cardíaca; Ritmo Sinusal; Revisão Sistemática.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • O Registo Oncológico Regional Sul e a Investigação Clinica
           em Portugal: Desafios e Oportunidades

    • Authors: Joana Ribeiro, Fátima Cardoso
      Abstract: Palavras-chave: Neoplasias; Registos; Portugal.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • A Propósito do Artigo “Adults with Down Syndrome:
           Characterization of a Portuguese Sample”

    • Authors: Jorge M. Saraiva
      Abstract: Palavras-chave: Adulto; Síndrome de Down, Portugal.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Sintomas e Motivo para uma Visita Médica em Doentes com Cancro do
           Pulmão

    • Authors: Francisco-Javier Gonzalez-Barcala, José-Antonio Falagan, Jose-Maria Garcia-Prim, Luis Valdes, Jose-Martin Carreira, Antonio Pose, Juan-Carlos Canive, Diana Anton, Maria-Teresa Garcia-Sanz, Amalia Puga, Enrique Temes, Rafael Lopez-Lopes
      Abstract: Contexto: A Os doentes com o diagnóstico de cancro do pulmão estão habitualmente sintomáticos no momento do diagnóstico, sendo comum que o médico ou o doente não associem essa sintomatologia com a eventualidade de um tumor maligno.
      Objectivos: Este estudo teve como objectivo a análise dos sintomas de doentes com cancro do pulmão e sua relação com as características pessoais ou com a doença oncológica.
      Material e Métodos: Foi levado a cabo um estudo retrospectivo englobando todos os doentes com o diagnóstico de cancro do pulmão na Região de Saúde de Pontevedra (Espanha) ao longo de um período de três anos. São analisados os sintomas de apresentação do doente, o motivo de consulta e a concordância entre ambos ou com quaisquer factores correlacionados.
      Resultados: Foram incluídos no estudo 358 doentes, com uma média etária de 68,7 anos, sendo 87% dos doentes do sexo masculino. Os sintomas iniciais mais comuns foram sintomas constitucionais em 30,4% dos casos, tosse em 20,9% e dor torácica, descrita por 12% dos doentes. O motivo de consulta mais frequente foi dispneia em 22,1% dos doentes, um achado acidental em 15,4% dos doentes e hemoptise em 12,8%. Observou-se uma associação moderada (coeficiente de correlação = 0,495) entre os sintomas iniciais e o motivo de consulta.
      Conclusões: Uma elevada percentagem de doentes com um diagnóstico de cancro do pulmão apresentou sintomas associados com o tumor no momento do diagnóstico, mesmo num estadio inicial da doença.
      Palavras-chave: Neoplasias do pulmão/diagnóstico; Espanha.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Schistosomose e Apendicite Aguda

    • Authors: Jacinta Figueiredo, Ângela Santos, Horácio Clemente, Augusto Lourenço, Sandra Costa, Maria Amélia Grácio, Silvana Belo
      Abstract: A ocorrência de casos de apendicite aguda causada por Schistosoma haematobium e S. mansoni é uma situação clínica que tem vindo a ser observada em doentes submetidos a apendicectomia na urgência do Hospital Américo Boavida em Luanda. Atendendo à prevalência e morbilidade da schistosomose (ou bilharziose) no país, admitimos que esta infeção parasitária seja um fator causal muito frequente de apendicite, particularmente nas populações mais expostas à transmissão. Descrevemos dois casos de apendicite aguda associada à presença de ovos destas espécies de Schistosoma atingindo a mucosa do apêndice visíveis por histologia, em doentes naturais de zonas endémicas de Angola, com exposição precoce aos parasitas, o que justifica a cronicidade da infeção. Consideramos que a divulgação destes casos será particularmente relevante para as equipas de cirurgia geral e de anatomopatologia, atendendo à necessidade de execução sistemática de exames histológicos em todas as peças operatórias relacionadas.
      Palavras-chave: Apendicite/ parasitologia; Schistosomose; Angola; África.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Adultos com Síndrome de Down: Caracterização de Uma Amostra
           Portuguesa

    • Authors: Paula Breia, Rosário Mendes, Ana Silvestre, Maria João Gonçalves, Maria João Figueira, Regina Bispo
      Abstract: Introdução: A síndrome de Down ou Trissomia 21 afeta o desenvolvimento físico, comportamental e cognitivo. No decurso do envelhecimento, a ocorrência de comorbilidades aumenta nesta população, sendo a sua deteção e tratamento precoces determinantes na sua qualidade de vida.
      Objetivo: Analisar numa amostra de adultos com síndrome de Down a existência de doenças médicas comuns, uso regular de medicação, eventual disfunção cognitiva e capacidades de comunicação oral.
      Material e Métodos: Foram coletados os dados sociodemográficos e clínicos de 209 adultos portugueses (20 - 58 anos), com síndrome de Down. Vinte e seis indivíduos foram avaliados com a WAIS-III. Os dados foram analisados estatisticamente - SPSS (v.19).
      Resultados: Quase metade da amostra (47,36%) sofre de comorbilidades, sendo as doenças cardíacas, psiquiátricas, epilepsia e hipotiroidismo as mais prevalentes. Setenta e dois indivíduos (34,45%) tomam medicação com ação no sistema nervoso central. Na WAIS-III, os valores de QI situam-se entre 45-61 (m = 49,65, dp = 4,93) existindo 141 indivíduos (67,5%) capazes de se expressar através de linguagem oral básica.
      Discussão: Os indivíduos desta amostra são vulneráveis a várias comorbilidades. A maioria tem linguagem oral básica, mas os valores de QI situam-se na faixa ‘extremamente baixo’, sendo melhor o desempenho em tarefas verbais.
      Conclusão: As limitações cognitivas e dificuldades comunicacionais na população com síndrome de Down podem condicionar o reconhecimento clínico precoce de comorbilidades que lhe estão associadas no decurso do envelhecimento. A valorização semiológica, com apoio do cuidador, é essencial para garantir que os cuidados de saúde adequados são prestados a esta população.
      Palavras-chave: Síndrome de Down; Comorbilidade; Portugal.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
  • Traumatismo Crânio-Encefálico em Portugal: Tendências em
           Doentes Internados de 2000 a 2010

    • Authors: Celeste Dias, João Rocha, Eduarda Pereira, António Cerejo
      Abstract: Introdução: O traumatismo crânio-encefálico tem um impacto sócio-económico considerável, sendo uma importante causa de mobimortalidade, frequentemente causador de incapacidade permanente. Procuramos caracterizar a utilização dos recursos de saúde de adultos com traumatismo crânio-encefálico em Portugal entre 2000-2010.
      Material e Métodos: Estudo retrospectivo de registos de adultos com código ICD9 de traumatismo crânio-encefálico incluídos na Base-de-Dados Nacional de Grupos Diagnósticos Homogéneos de 2000-2010. Realizamos uma análise estatística descritiva e avaliamos as tendências durante a década.
      Resultados: Analisamos 72 865 admissões em 111 hospitais, 64,1% do sexo masculino, idade média de 57,9 ± 21,8 anos (18-107). Encontramos uma diminuição no número de traumatismo crânio-encefálico em pacientes jovens e um aumento nos mais velhos. O número de acidentes de trânsito diminuiu e o número de quedas aumentou. Houve um aumento de traumatismos crânio-encefálicos moderados-graves internados: 47,2% em 2000 / 80% em 2010. O número de admissões em Cuidados Intensivos quase duplicou (15,8% vs 29,5%), assim como o número de procedimentos neurocirúrgicos efectuados (8,2% vs 15,2%). A mortalidade total aumentou de 7,1% para 10,6%.
      Discussão: A diminuição do traumatismo crânio-encefálico observada pode estar associada com as campanhas de prevenção rodoviária, melhoria da rede rodoviária e políticas de saúde. O aumento da mortalidade poderá ser explicado pelo melhor atendimento pré-hospitalar, permitindo que casos mais graves cheguem ao hospital com vida e, embora tratados com mais frequência em Cuidados Intensivos e exigindo procedimentos neurocirúrgicos, vêm a falecer. Por outo lado, o aumento da idade dos doentes presumivelmente com maiores co-morbilidades associadas ao envelhecimento também estará a contribuir para a maior mortalidade.
      Conclusão: O traumatismo crânio-encefálico em Portugal está a mudar. Embora as admissões hospitalares por traumatismo crânioencefálico tenham diminuído, a mortalidade aumentou.
      Palavras-chave: Unidades de Cuidados Intensivos; Traumatismos Crânio-Encefálico; Hospitalização; Portugal.
      PubDate: 2014-06-30
      Issue No: Vol. 27 (2014)
       
 
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
Fax: +00 44 (0)131 4513327
 
About JournalTOCs
API
Help
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-2014