for Journals by Title or ISSN
for Articles by Keywords
help
  Subjects -> HEALTH AND SAFETY (Total: 1292 journals)
    - CIVIL DEFENSE (18 journals)
    - DRUG ABUSE AND ALCOHOLISM (86 journals)
    - HEALTH AND SAFETY (524 journals)
    - HEALTH FACILITIES AND ADMINISTRATION (377 journals)
    - OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY (105 journals)
    - PHYSICAL FITNESS AND HYGIENE (101 journals)
    - WOMEN'S HEALTH (81 journals)

HEALTH AND SAFETY (524 journals)                  1 2 3 | Last

Showing 1 - 200 of 203 Journals sorted alphabetically
16 de Abril     Open Access  
A Life in the Day     Hybrid Journal   (Followers: 9)
Acta Informatica Medica     Open Access   (Followers: 1)
Acta Scientiarum. Health Sciences     Open Access  
Adultspan Journal     Hybrid Journal  
Advances in Child Development and Behavior     Full-text available via subscription   (Followers: 10)
Advances in Public Health     Open Access   (Followers: 23)
African Health Sciences     Open Access   (Followers: 2)
African Journal for Physical, Health Education, Recreation and Dance     Full-text available via subscription   (Followers: 6)
African Journal of Health Professions Education     Open Access   (Followers: 6)
Afrimedic Journal     Open Access   (Followers: 2)
Air Quality, Atmosphere & Health     Hybrid Journal   (Followers: 4)
AJOB Primary Research     Partially Free   (Followers: 3)
American Journal of Family Therapy     Hybrid Journal   (Followers: 11)
American Journal of Health Economics     Full-text available via subscription   (Followers: 12)
American Journal of Health Education     Hybrid Journal   (Followers: 30)
American Journal of Health Promotion     Hybrid Journal   (Followers: 23)
American Journal of Health Sciences     Open Access   (Followers: 6)
American Journal of Health Studies     Full-text available via subscription   (Followers: 10)
American Journal of Preventive Medicine     Hybrid Journal   (Followers: 24)
American Journal of Public Health     Full-text available via subscription   (Followers: 199)
American Journal of Public Health Research     Open Access   (Followers: 29)
American Medical Writers Association Journal     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Analytic Methods in Accident Research     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Annals of Global Health     Open Access   (Followers: 9)
Annals of Health Law     Open Access   (Followers: 3)
Annals of Tropical Medicine and Public Health     Open Access   (Followers: 15)
Applied Biosafety     Hybrid Journal  
Applied Research In Health And Social Sciences : Interface And Interaction     Open Access   (Followers: 1)
Archive of Community Health     Open Access  
Archives of Medicine and Health Sciences     Open Access   (Followers: 3)
Arquivos de Ciências da Saúde     Open Access  
Asia Pacific Journal of Counselling and Psychotherapy     Hybrid Journal   (Followers: 8)
Asia Pacific Journal of Health Management     Full-text available via subscription   (Followers: 3)
Asia-Pacific Journal of Public Health     Hybrid Journal   (Followers: 8)
Asian Journal of Gambling Issues and Public Health     Open Access   (Followers: 3)
Association of Schools of Allied Health Professions     Full-text available via subscription   (Followers: 6)
Atención Primaria     Open Access   (Followers: 1)
Australasian Journal of Paramedicine     Open Access   (Followers: 2)
Australian Advanced Aesthetics     Full-text available via subscription   (Followers: 4)
Australian Family Physician     Full-text available via subscription   (Followers: 3)
Australian Indigenous HealthBulletin     Free   (Followers: 6)
Autism & Developmental Language Impairments     Open Access   (Followers: 5)
Behavioral Healthcare     Full-text available via subscription   (Followers: 6)
Best Practices in Mental Health     Full-text available via subscription   (Followers: 8)
Bijzijn     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Bijzijn XL     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Biomedical Safety & Standards     Full-text available via subscription   (Followers: 8)
BLDE University Journal of Health Sciences     Open Access  
BMC Oral Health     Open Access   (Followers: 5)
BMC Pregnancy and Childbirth     Open Access   (Followers: 20)
BMJ Simulation & Technology Enhanced Learning     Full-text available via subscription   (Followers: 7)
Brazilian Journal of Medicine and Human Health     Open Access  
Buletin Penelitian Kesehatan     Open Access   (Followers: 2)
Buletin Penelitian Sistem Kesehatan     Open Access  
Bulletin of the World Health Organization     Open Access   (Followers: 17)
Cadernos de Educação, Saúde e Fisioterapia     Open Access   (Followers: 1)
Cadernos Saúde Coletiva     Open Access   (Followers: 1)
Canadian Family Physician     Partially Free   (Followers: 12)
Canadian Journal of Community Mental Health     Full-text available via subscription   (Followers: 12)
Canadian Journal of Human Sexuality     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Canadian Journal of Public Health     Full-text available via subscription   (Followers: 20)
Case Reports in Women's Health     Open Access   (Followers: 3)
Case Studies in Fire Safety     Open Access   (Followers: 12)
Central Asian Journal of Global Health     Open Access   (Followers: 2)
Central European Journal of Public Health     Full-text available via subscription   (Followers: 4)
CES Medicina     Open Access  
Child Abuse Research in South Africa     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
Child's Nervous System     Hybrid Journal  
Childhood Obesity and Nutrition     Open Access   (Followers: 10)
Children     Open Access   (Followers: 2)
CHRISMED Journal of Health and Research     Open Access  
Christian Journal for Global Health     Open Access  
Ciência & Saúde Coletiva     Open Access   (Followers: 2)
Ciencia y Cuidado     Open Access  
Ciencia, Tecnología y Salud     Open Access  
ClinicoEconomics and Outcomes Research     Open Access   (Followers: 2)
CME     Hybrid Journal   (Followers: 1)
CoDAS     Open Access  
Community Health     Open Access   (Followers: 2)
Conflict and Health     Open Access   (Followers: 8)
Curare     Open Access  
Current Opinion in Behavioral Sciences     Hybrid Journal   (Followers: 3)
Day Surgery Australia     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Digital Health     Open Access  
Dramatherapy     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Drogues, santé et société     Full-text available via subscription  
Duazary     Open Access   (Followers: 1)
Early Childhood Research Quarterly     Hybrid Journal   (Followers: 13)
East African Journal of Public Health     Full-text available via subscription   (Followers: 3)
Eating and Weight Disorders - Studies on Anorexia, Bulimia and Obesity     Hybrid Journal   (Followers: 16)
EcoHealth     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Education for Health     Open Access   (Followers: 5)
electronic Journal of Health Informatics     Open Access   (Followers: 6)
ElectronicHealthcare     Full-text available via subscription   (Followers: 4)
Elsevier Ergonomics Book Series     Full-text available via subscription   (Followers: 5)
Emergency Services SA     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde     Open Access  
Environmental Disease     Open Access   (Followers: 2)
Environmental Sciences Europe     Open Access   (Followers: 2)
Epidemics     Open Access   (Followers: 4)
Epidemiologic Perspectives & Innovations     Open Access   (Followers: 5)
Epidemiology, Biostatistics and Public Health     Open Access   (Followers: 20)
Ethics, Medicine and Public Health     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Ethiopian Journal of Health Development     Open Access   (Followers: 8)
Ethiopian Journal of Health Sciences     Open Access   (Followers: 7)
Ethnicity & Health     Hybrid Journal   (Followers: 13)
European Journal of Investigation in Health, Psychology and Education     Open Access   (Followers: 2)
European Medical, Health and Pharmaceutical Journal     Open Access  
Evaluation & the Health Professions     Hybrid Journal   (Followers: 10)
Evidence-based Medicine & Public Health     Open Access   (Followers: 6)
Evidência - Ciência e Biotecnologia - Interdisciplinar     Open Access  
Expressa Extensão     Open Access  
Face à face     Open Access   (Followers: 1)
Families, Systems, & Health     Full-text available via subscription   (Followers: 8)
Family & Community Health     Partially Free   (Followers: 12)
Family Medicine and Community Health     Open Access   (Followers: 6)
Family Relations     Partially Free   (Followers: 11)
Fatigue : Biomedicine, Health & Behavior     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Food and Public Health     Open Access   (Followers: 11)
Frontiers in Public Health     Open Access   (Followers: 7)
Gaceta Sanitaria     Open Access   (Followers: 3)
Galen Medical Journal     Open Access  
Geospatial Health     Open Access  
Gesundheitsökonomie & Qualitätsmanagement     Hybrid Journal   (Followers: 11)
Giornale Italiano di Health Technology Assessment     Full-text available via subscription  
Global Health : Science and Practice     Open Access   (Followers: 5)
Global Health Promotion     Hybrid Journal   (Followers: 16)
Global Journal of Health Science     Open Access   (Followers: 9)
Global Journal of Public Health     Open Access   (Followers: 12)
Global Medical & Health Communication     Open Access   (Followers: 1)
Globalization and Health     Open Access   (Followers: 5)
Hacia la Promoción de la Salud     Open Access  
Hastings Center Report     Hybrid Journal   (Followers: 3)
HEADline     Hybrid Journal  
Health & Place     Hybrid Journal   (Followers: 15)
Health & Justice     Open Access   (Followers: 5)
Health : An Interdisciplinary Journal for the Social Study of Health, Illness and Medicine     Hybrid Journal   (Followers: 7)
Health and Human Rights     Free   (Followers: 8)
Health and Social Care Chaplaincy     Hybrid Journal   (Followers: 7)
Health and Social Work     Hybrid Journal   (Followers: 49)
Health Behavior and Policy Review     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
Health Care Analysis     Hybrid Journal   (Followers: 14)
Health Inform     Full-text available via subscription  
Health Information Management Journal     Hybrid Journal   (Followers: 15)
Health Issues     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Health Policy     Hybrid Journal   (Followers: 36)
Health Policy and Technology     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Health Professional Student Journal     Open Access   (Followers: 1)
Health Promotion International     Hybrid Journal   (Followers: 21)
Health Promotion Journal of Australia : Official Journal of Australian Association of Health Promotion Professionals     Full-text available via subscription   (Followers: 10)
Health Promotion Practice     Hybrid Journal   (Followers: 15)
Health Prospect     Open Access   (Followers: 1)
Health Psychology     Full-text available via subscription   (Followers: 48)
Health Psychology Research     Open Access   (Followers: 18)
Health Psychology Review     Hybrid Journal   (Followers: 40)
Health Renaissance     Open Access  
Health Research Policy and Systems     Open Access   (Followers: 11)
Health SA Gesondheid     Open Access   (Followers: 2)
Health Science Reports     Open Access  
Health Sciences and Disease     Open Access   (Followers: 2)
Health Services Insights     Open Access   (Followers: 2)
Health Systems     Hybrid Journal   (Followers: 3)
Health Voices     Full-text available via subscription  
Health, Culture and Society     Open Access   (Followers: 12)
Health, Risk & Society     Hybrid Journal   (Followers: 12)
Healthcare     Open Access   (Followers: 1)
Healthcare in Low-resource Settings     Open Access   (Followers: 1)
Healthcare Quarterly     Full-text available via subscription   (Followers: 8)
Healthy-Mu Journal     Open Access  
HERD : Health Environments Research & Design Journal     Full-text available via subscription  
Highland Medical Research Journal     Full-text available via subscription  
Hispanic Health Care International     Full-text available via subscription  
HIV & AIDS Review     Full-text available via subscription   (Followers: 11)
Home Health Care Services Quarterly     Hybrid Journal   (Followers: 5)
Hong Kong Journal of Social Work, The     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Hospitals & Health Networks     Free   (Followers: 4)
IEEE Journal of Translational Engineering in Health and Medicine     Open Access   (Followers: 3)
IMTU Medical Journal     Full-text available via subscription  
Indian Journal of Health Sciences     Open Access   (Followers: 2)
Indonesian Journal for Health Sciences     Open Access   (Followers: 1)
Inmanencia. Revista del Hospital Interzonal General de Agudos (HIGA) Eva Perón     Open Access  
Innovative Journal of Medical and Health Sciences     Open Access  
Institute for Security Studies Papers     Full-text available via subscription   (Followers: 5)
interactive Journal of Medical Research     Open Access  
International Health     Hybrid Journal   (Followers: 5)
International Journal for Equity in Health     Open Access   (Followers: 7)
International Journal for Quality in Health Care     Hybrid Journal   (Followers: 33)
International Journal of Applied Behavioral Sciences     Open Access   (Followers: 2)
International Journal of Behavioural and Healthcare Research     Hybrid Journal   (Followers: 7)
International Journal of Circumpolar Health     Open Access   (Followers: 1)
International Journal of Community Medicine and Public Health     Open Access   (Followers: 5)
International Journal of E-Health and Medical Communications     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
International Journal of Environmental Research and Public Health     Open Access   (Followers: 20)
International Journal of Evidence-Based Healthcare     Hybrid Journal   (Followers: 8)
International Journal of Food Safety, Nutrition and Public Health     Hybrid Journal   (Followers: 16)
International Journal of Health & Allied Sciences     Open Access   (Followers: 3)
International Journal of Health Care Quality Assurance     Hybrid Journal   (Followers: 9)
International Journal of Health Geographics     Open Access   (Followers: 6)
International Journal of Health Policy and Management     Open Access   (Followers: 4)

        1 2 3 | Last

Journal Cover Arquivos de Ciências da Saúde
  [0 followers]  Follow
    
  This is an Open Access Journal Open Access journal
   ISSN (Print) 1807-1325 - ISSN (Online) 2318-3691
   Published by Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Homepage  [1 journal]
  • EMPODERAMENTO NA SAÚDE

    • Authors: Claudia Bernardi Cesarino, Adília Maria Pires Sciarra
      Pages: 01 - 02
      Abstract:  “Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo, os homens se educam mediatizados pelo mundo” (Paulo Freire) Versão completa do editorial em PDF
      PubDate: 2017-11-06
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • SUPLEMENTAÇÃO COM VITAMINA D EM PACIENTES COM DOENÇA RENAL CRÔNICA
           ASSOCIADA À HIPOVITAMINOSE D

    • Authors: Alberto Lopes Ribeiro Junior, Omar Pereira de Almeida Neto, Thales Antonio Martins Soares, Cristiane Martins Cunha, Leila Aparecida Kauchakje Pedrosa
      Pages: 03 - 07
      Abstract:  Introdução: A vitamina D tem sido amplamente pesquisada e notou-se que seu papel vai muito além da atuação metabólica, por exemplo, na modulação de processos patológicos, como na doença renal crônica. Objetivo: Investigar a relação estabelecida na literatura sobre a suplementação com vitamina D em pacientes com doença renal crônica e hipovitaminose D associada. Materiais e Métodos: Trata-se de uma revisão integrativa da literatura, demarcada por fases metodológicas precisas, utilizando os descrito-res “Insuficiência Renal; Hipovitaminose D; Suplementos Nutricionais” e suas respectivas traduções, conforme os Mesh Terms, interligados pelo operador booleano AND nas bases de dados PUBMED, LILACS e SciELO. Foram incluídos artigos publicados entre 2011-2016, disponíveis na íntegra, nos idiomas português, espanhol e inglês e que respondessem a pergunta principal deste estudo. Resultados: Foram levantados 101 artigos. Após aplicação dos critérios de inclusão e exclusão, 7 foram inclusos para compor esta revisão. A suplementação com vitamina D, em pacientes com doença renal crônica e hipovitaminose associada, reduz a proteinúria, a albuminuria, os níveis de parartôrmonio e a pressão arterial. Ao mesmo tempo, aumenta os níveis de 25(OH)D e a taxa de filtração glomerular. Conclusão: Os resultados demonstram que a suplementação com vitamina D nestes pacientes atua de forma positiva e contribui para o manejo terapêutico desta população. 
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • MOBILIZAÇÃO PRECOCE INTRA-HOSPITALAR EM PACIENTES APÓS ACIDENTE
           VASCULAR CEREBRAL: REVISÃO SISTEMÁTICA

    • Authors: Adriano Petrolini Mateus, Evelyn Aline Boscolo Ruivo, Wesley Araújo de Brito, Neuseli Marino Lamari, Simone Cavenaghi
      Pages: 08 - 13
      Abstract: Introdução: O acidente vascular cerebral é definido por uma síndrome clínica com início abrupto e insidioso de alterações vasculares focais ou globais. Complicações relacionadas à imobilidade são comuns e, para esses pacientes, a mobilização precoce tem como objetivo acelerar a capacidade de caminhar ou mover-se. Objetivo: Identificar as repercussões da mobilização precoce comparada à terapia convencional em pacientes após acidente vascular cerebral no período intra-hospitalar. Material e Métodos: Realizou-se uma revisão sistemática da literatura nas bases de dados SciELO, Bireme, Google Acadêmico e MedLine/PubMed. Foram selecionados artigos originais, contendo texto na íntegra, escritos em português, inglês ou espanhol, indexados entre 2012 a 2016 que avaliaram os efeitos da mobilização precoce comparada ao tratamento com terapia convencional. Resultados: Foram encontrados 257 artigos pela combinação de descritores, 42 foram selecionados para leitura do texto completo e, apenas, sete estudos foram incluídos nesta revisão. Destes, quatro sugerem que a mobilização precoce pode otimizar o estado funcional, dois trazem evidências de que o tratamento convencional é mais seguro, e apenas um é inconclusivo em relação a ocorrência de complicações graves ou melhora funcional atribuídos a mobilização precoce em pacientes após acidente vascular cerebral. Conclusão: Observamos que os melhores resultados ocorreram por meio da mobilização precoce aplicada após 24 horas do acidente vascular cerebral com melhora funcional a longo prazo e redução de complicações graves quando comparada a terapia convencional.
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • AUTOPERCEPÇÃO DA SAÚDE BUCAL E CIÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA
           CÂNCER ORAL EM IDOSOS

    • Authors: Maria Eliana de Campos Corbucci Moreira
      Pages: 14 - 18
      Abstract: Introdução: O diagnóstico do câncer bucal em estágios iniciais e a busca por tratamento adequado são importantes para um prognóstico favorável e melhor qualidade de vida da população idosa. A dificuldade de acesso aos serviços de saúde e às informações sobre os fatores de risco podem comprometer a detecção precoce da doença. Objetivos: Avaliar as condições e a autopercepção da saúde bucal e o nível de informação sobre o câncer de boca e dos fatores de risco referidos pelos idosos. Casuística e Métodos: Estudo transversal, descritivo e observacional. A amostra foi selecionada por conveniência, composta por 121 idosos de 60 anos ou mais, atendida no Centro de Especialidades Odontológicas no município de Mirassol-SP, no período de Agosto a Dezembro de 2014. Foram aplicados dois questionários com perguntas referentes ao perfil sócio demográfico, autopercepção da saúde bucal e conhecimentos relacionados ao câncer oral. Os dados obtidos foram analisados por meio de frequência estatística descritiva e percentual. Resultados: Observou-se que dos 121 entrevistados, 65,28% relataram nada saber sobre a doença, 25,28% relataram saber alguma coisa, e apenas 11% disseram saber o que pode provocar o câncer de boca. Dentre os fatores de risco, 48,76% relataram “nunca ter fumado cigarro”, 33,05% disseram ser “ex-fumantes de tabaco”, e o restante (19,19%) relatou ser “fumante de cigarro”. Quanto ao uso do álcool, dos 20,66%, 11,56% relataram consumir de duas a 10 doses/dia com frequência. Quanto à escolaridade, 85,12% relataram ter ≤ de quatro anos de estudo, 14,04% de cinco a oito anos, e 1% mais de nove anos de estudo. Destes idosos, 76,86% consideraram a saúde bucal ótima/boa, 21,49% regular, e 1,65% ruim/péssima. Conclusão: O conhecimento necessário sobre o câncer bucal referido pelos idosos mostrou-se inconsistente no tocante ao reconhecimento dos fatores de risco, e do acesso aos serviços de saúde, que podem implicar numa deficiência nas ações de prevenção e detecção precoce da doença.
      PubDate: 2017-09-29
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • VIVÊNCIA DAS MÃES NA TRANSIÇÃO PARA O DESMAME NATURAL

    • Authors: Nayara Mendes Cruz, Mônica Cecília Pimentel de Melo, Lucineide Santos Silva, Susanne Pinheiro Costa e Silva
      Pages: 19 - 24
      Abstract: Introdução: O desmame fisiológico deve fazer parte das ações de incentivo às práticas do aleitar, finalizando o ciclo da amamentação sob o enfoque de sua importância para a saúde física e emocional da díade mãe-filho. Objetivo: Compreender a vivência de mães que optam pelo desmame natural/fisiológico. Casuística e Métodos: Pesquisa qualitativa, descritiva, aprovada pelo Comitê de Ética, nº 1.230.832. Fizeram parte da pesquisa oito mães com idade igual ou maior do que 18 anos, lactante e com o filho frequentando a puericultura, na faixa etária igual ou maior do que um ano, através de entrevistas semiestruturadas. A pesquisa foi concluída após a saturação do material empírico e tratada conforme análise de conteúdo de Bardin. Resultados: Apresentaram-se de forma recorrente, nos depoimentos das participantes, quatro categorias: Fatores que levam as mães a continuarem amamentando seus filhos; Influências sociais recebidas; Pretensão das mães em amamentar e Participação dos profissionais de saúde, originadas de uma categorização prévia do conteúdo analisado e que sintetizam a vivência do desmame natural/fisiológico. Conclusão: As nutrizes têm conhecimento sobre a importância do aleitamento materno para a saúde da criança e para a construção do vínculo afetivo, por isso dão preferência pela continuidade da amamentação até o momento que a criança se encontre preparada para o autodesmame, adotando uma decisão pessoal, não aceitando interferências de amigos ou mesmo de profissionais de saúde.
      PubDate: 2017-09-29
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA DE DIABÉTICOS E HIPERTENSOS
           ATENDIDOS EM UM CENTRO HIPERDIA

    • Authors: Hamilton Henrique Teixeira Reis, João Carlos Bouzas Marins
      Pages: 25 - 30
      Abstract: Introdução: As doenças crônico-degenerativas constituem um problema de saúde mundial. Nesse grupo de doenças, a diabetes e a hipertensão arterial sistêmica são diagnósticos frequentes, atingindo elevado número da população global e com forte tendência de aumento em sua prevalência, em especial na população brasileira. O sedentarismo é uma doença que se alastra mundialmente, causando impactos elevados à população e aumentando os riscos de diagnósticos da diabetes e hipertensão. Por essa razão, a atividade física surge como possibilidade de intervenção não farmacológica bastante acessível, afetando positivamente a saúde. Objetivo: Identificar o nível de atividade física dos diabéticos e hipertensos cadastrados no Centro HIPERDIA de Viçosa, MG, por meio do International Physical Activity Questionnaire. Casuística e Métodos: Foram avaliados 85 sujeitos (50 do sexo feminino e 35 do sexo masculino) com idade média de 48.3 ± 10.7 (30-74) anos. Desses, 37 indivíduos eram diagnosticados com diabetes e 48 com hipertensão. Para avaliação do nível de atividade física foi aplicado o International Physical Activity Questionnaire, versão curta. Os avaliados foram divididos em grupos etários (30-44 anos; 45-55 anos e; 60-75 anos), tendo os dados submetidos à análise descritiva e cálculo das prevalências. Resultados: Dos diabéticos e hipertensos, 51.76% atingiram níveis insuficientes de atividade física. Na avaliação por sexo, os indivíduos do sexo masculino apresentaram, em sua grande maioria (80% dos diabéticos e 60% dos hipertensos), níveis insuficientes de atividade física, enquanto os indivíduos do sexo feminino apresentam níveis insuficientes de maneira mais reduzida. Pela idade, observou-se uma tendência de aumento do nível de atividade física conforme sua progressão. Conclusão: Concluímos que, tanto diabéticos quanto hipertensos apresentaram comportamento sedentário, sendo os homens com maior potencial e os mais velhos com menor prevalência de sedentarismo.
      PubDate: 2017-09-29
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • SINTOMAS URINÁRIOS EM PRIMIGESTAS ATENDIDAS NO CENTRO DE SAÚDE ESCOLA DE
           UMA UNIVERSIDADE ESTADUAL

    • Authors: Lilian Carla Monteiro Brandão, Ellen do Socorro Cruz de Maria, Cibele Nazaré Camara Rodrigues, Lucieny da Silva Pontes, Gustavo Fernando Sutter Latorre, Erica Carneiro Nunes
      Pages: 31 - 34
      Abstract: Introdução: A gravidez é um período que resulta em diversas modificações no organismo materno, que predispõe o surgimento dos sintomas urinários com a ação hormonal no trato urinário inferior e na musculatura do diafragma da pelve. Objetivo: Analisar a prevalência dos sintomas urinários nas primigestas atendidas em um centro de saúde do município de Belém-PA. Casuística e Métodos: Estudo transversal e analítico de 99 primigestas que responderam a um questionário semiestruturado com 25 questões objetivas com dados sociodemográficos e estruturais sobre sintomas urinários. Foram utilizados os testes Qui-quadrado de aderência e de independência, o teste t de Student e o teste U de Mann-Whitney, fixado o nível de significância alfa = 0,05 para rejeição da hipótese de nulidade. Resultados: A média de idade das participantes foi de 23,7±4,4 anos e a idade gestacional de 23,7 semanas ±8,8 semanas. Os sintomas urinários mais prevalentes em todo o período gestacional foram noctúria (94,9%) e poliaciúria (85,9 %) e, a incontinência urinária por esforço (27,3%). Conclusão: Esta pesquisa permite concluir que, para o grupo amostral estudado, a prevalência de sintomas urinários é alta durante a gestação, diferindo o início dos sintomas nas semanas gestacionais
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • SÍNDROME METABÓLICA E ESTRESSE DE AGENTES DE SEGURANÇA
           PENITENCIÁRIA

    • Authors: Andréa Luísa Ribeiro Roque Silva, Geovana Eduarda Ribeiro Bueno Sales, Leila Fátima Maioqui Fonseca Fonseca, Marcos Henrique Astolfo, Paula Gamba Manoel, Pollyanna Oliveira da Silva, Carlos Alexandre Santos, Elias Antônio Augusto Zenun, Cristiane Aparecida Silveira, Cristiane Fonseca Freitas
      Pages: 35 - 41
      Abstract: Introdução: O trabalho dos agentes de Segurança Penitenciária é estressante, com reflexos diretos na saúde laboral. Objetivo: comparar fatores de risco que desencadeiam Síndrome Metabólica relacionada ao estresse nos agentes penitenciários.  Material e Métodos: Estudo quantitativo, transversal, descritivo realizado com agentes de segurança penitenciária de um município de Minas Gerais. Utilizou-se instrumento semiestruturado para caracterização amostral, exames antropométricos, avaliação da pressão arterial, coleta de sangue para análise bioquímica. O estresse foi avaliado com o Inventário de Sintomas de estresse de Lipp. A pesquisa foi aprovada pelo Comité de Ética em Pesquisa (Parecer 110218 CAAE: 05360512.9.0000.5137). A análise foi a partir da estatística descritiva e inferencial.  Resultados: Foram pesquisadas 38 agentes de Segurança Penitenciária. Os agentes, masculinos e femininos, respectivamente, apresentaram os seguintes parâmetros: média de idade 33,00 ± 1,86 anos vs 33,37±1,36 anos. Quanto aos exames alterados: pressão arterial 23,33% 138,81/93,09 ± 1,42/1,50 mmHg) vs 12,5% (145,00/94,5±2,89/0,50 mmHg); glicemia 36% (101,67 ± 1,68 mg/dl) vs 37,50% (110,11 ± 3,94 mg/dl); triglicerídeos 26,57% (317,50 ± 26,57 mg/dl) vs 15,22% (233,83 ± 15,22 mg/dl); HDL baixo 46,67 % (30,92 ± 1,4 mg/dl) vs 75% (35,59 ± 2,27 mg/dl); Circunferência abdominal aumentada 14,44% (110,6 ± 2,12 cm) vs 50%  (97,00 ± 2,86 cm); obesidade 37,50% (33,53 ± 0,72) vs 23,33% (33,13 ± 0,53); colesterol total alto 18,75% (272 ± 7 mg/dl); LDL alto  18,75% (168,40 ± 2,40 mg/dl) nos homens e nas mulheres 10%  (170,07 ± 2,59 mg/dl); 70,00% dos homens e 100% das mulheres em alguma fase de estresse. Conclusão: As mulheres tiveram maiores médias de pressão arterial e glicemia, bem como todas estavam em estresse. Entretanto, as frequências de dados alterados foram maiores entre os homens. O estudo mostra a correlação entre as variáveis que definem Síndrome Metabólica e estresse entre agentes prisionais, sendo que a maioria dessas variáveis é modificável.
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • MAUS-TRATOS INFANTIS: NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS ESTUDANTES DE UM
           CURSO DE MEDICINA

    • Authors: Carolina Sabadoto Brienze, Natany Nakamura Vieira, Maria Clara Artiaga, Terezinha Soares Biscegli
      Pages: 42 - 47
      Abstract: Introdução: Os maus-tratos contra crianças e adolescentes representam um problema frequente e grave em todo o mundo. Objetivos: testar o conhecimento dos estudantes sobre os tipos de maus-tratos descritos no Estatuto da Criança e Adolescente. Material e Métodos: estudo transversal, descritivo, realizado por meio da aplicação de questionário a 384 alunos de Medicina das Faculdades Integradas Padre Albino, Catanduva-SP, no período de agosto/outubro de 2016. As variáveis analisadas foram: série, idade, sexo, e sete questões sobre o grau de conhecimento do Estatuto da Criança e do Adolescente e a prática médica a ele relacionada. Resultados: Os participantes representaram 93,2% dos matriculados, sendo 58,1% mulheres. Dos participantes, 65,4% referiram um conhecimento mínimo sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, 52,6% acusaram que o tema violência da criança foi abordado em sala de aula e 73,5% admitiram não se sentirem seguros para agir diante de uma situação de maus-tratos. Conclusão: Observaram-se pontos deficitários no conteúdo programático específico sobre legislação de proteção à infância, apontando a necessidade de se rever o plano da aula e a estratégia de ensino-aprendizagem, além de promover a capacitação específica dos profissionais de saúde que atuam na orientação dos alunos.
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • PERFIL DE IDOSOS E O GRAU DE CONFIANÇA DE IDOSOS FRENTE A
           EPISÓDIO DE QUEDAS

    • Authors: FRANCISCA ELIDIVÂNIA DE FARIAS CAMBOIM, Janine Rafael de Figueiredo, Milena Nunes Alves de sousa, Sheila da Costa Rodrigues Silva, kamila Nethielly Souza Leite, José Cleston Alves Camboim, Marie Oliveira Nóbrega
      Pages: 48 - 54
      Abstract: Introdução: As quedas na população idosa são eventos comuns e aumentam gradativamente com a idade, gerando consequências, como isolamento social, declínio funcional e perda da confiança, sendo portando, considerado um problema de saúde pública. Objetivo: Descrever o perfil de uma amostra de idosos que sofrem quedas, apresentar as doenças relacionadas e identificar o grau de confiança desses pacientes na execução de atividades diárias. Casuística e Métodos: participaram do estudo 20 idosos que vivenciaram episódio de queda, cadastrados em uma microárea da Unidade Básica de Saúde III Dr. Francisco das Chagas Lopes de Sousa, no município de São Mamede-PB. Os dados foram coletados a partir de um instrumento contendo perguntas relacionadas à caracterização sociodemográfica, o auto-relato de doenças, ocorrência de quedas e da versão portuguesa do “Falls Efficacy Scale. Um valor de p ≤ 0,05 foi considerado estatisticamente significante. Resultados: Verificou-se que maioria dos idosos era do gênero feminino (75%), viúvos, com ensino fundamental incompleto, agricultores, renda de um salário mínimo e católicos. As principais enfermidades autorrelatadas foram hipertensão arterial, déficit visual, doenças osteoarticulares e cardiopatias. A média da pontuação total da Falls Efficacy Scale foi de 80,75 e os idosos desta amostra apresentaram maior confiança nos itens vestir e despir. Conclusão: O perfil dos idosos que sofreram quedas envolve fatores que demonstram a importância da abordagem ao idoso vítima de quedas, assim como a sua prevenção de forma ampla e integral.
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • DIAGNÓSTICO DE SEPSE EM PACIENTES APÓS INTERNAÇÃO EM UNIDADE DE
           TERAPIA INTENSIVA

    • Authors: Joice Marques Moura, Eduarda Sanches, Roseli Pereira, Alexandre Lins Werneck, Ligia Marcia Contrin, Isabela Frutuoso
      Pages: 55 - 60
      Abstract: Introdução: Sepse é definida como uma disfunção orgânica potencialmente fatal causada por uma resposta do hospedeiro desregulada à infecção. Os pacientes com sepse (anteriormente chamada de sepse grave) ainda devem ser identificados pelos mesmos critérios de disfunção orgânica (incluindo o nível de lactato superior a 2 mmol/L). A disfunção orgânica também pode ser identificada no futuro, usando a avaliação rápida de insuficiência de órgãos baseada em sepse (qSOFA). Atualmente, a sepse é uma das principais causas de mortalidade nas Unidades de Terapia Intensiva. Em 2003, foi criada a Sepsis Surviving Campaign (campanha sobrevivendo a sepse), elaborando um cronograma de ações para diminuir a incidência de sepse, principalmente em unidades de terapia intensiva. Objetivo: Conhecer as características clínicas e o desfecho dos pacientes que desenvolveram sepse durante a internação em uma unidade de terapia intensiva. Material e Métodos: Trata-se de estudo retrospectivo propriamente dito, de campo, descritivo de abordagem quantitativa, realizado na Unidade de Terapia Intensiva. Os dados foram obtidos por meio de prontuário eletrônico. Para analise dos dados foi utilizado o programa Epi Info, versão 7.2.1.0. Resultados: O maior número de internação foi do sexo masculino, com idade entre 51 e 70 anos. As comorbidades mais encontradas foram hipertensão arterial sistêmica, Diabetes Mellitus, etilismo, tabagismo e cardiopatia. O desfecho pós-sepse mais analisado foi alta da unidade de terapia intensiva, consideravelmente do sexo masculino. Conclusão: Concluímos que os pacientes que mais desenvolveram sepse foram homens (62%), faixa etária de 51 a 70 anos (36%); a principal comorbidade foi hipertensão arterial sistêmica (42%) e o desfecho mais observado foi alta da unidade de terapia intensiva (67%).
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • DESPERDÍCIO ALIMENTAR: CONSCIENTIZAÇÃO DOS COMENSAIS DE UM SERVIÇO
           HOSPITALAR DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

    • Authors: Angelica Dias Parada, Fabiane Regina Guimarães Oliveira
      Pages: 61 - 64
      Abstract: Introdução: Uma Unidade de Alimentação e Nutrição é um local destinado ao preparo e distribuição de refeições, que tende a garantir a qualidade nutricional e fornecer uma refeição segura, segundo as normas higiênico-sanitárias estabelecidas pela legislação. O Brasil, além de ser um dos maiores países produtores de alimentos, também é um dos que mais desperdiçam e milhares de pessoas estão sofrendo com esse problema. O aumento da fome no mundo cresce em ritmo acelerado. Um dos indicadores da quantidade de alimentos devolvidos nos pratos ou bandejas dos comensais é chamado de resto-ingestão. A literatura considera como aceitável um padrão de 7 a 25 g de desperdício por pessoa/refeição. Objetivo: Avaliar a quantidade de resto-ingestão e implantar campanhas de conscientização sobre o desperdício alimentar, no período de almoço em um refeitório. Material e Métodos: Estudo qualitativo descritivo,realizado no período de dezembro de 2015 a fevereiro de 2016 e de junho a agosto de 2016, que avaliou o resto-ingestão do almoço servido aos comensais em um serviço de nutrição e dietética de um hospital localizado no município de São José do Rio Preto. Resultados: Os resultados mostraram uma redução em mais de 30% dos valores de resto-ingestão após a realização de intervenções no desperdício. Por dia desperdiçavam em média 23 Kg de alimentos reduzindo para 16 kg de alimentos. Já por mês, desperdiçavam 680 kg de alimentos diminuindo para 477 Kg de alimentos. Quanto ao resto-ingestão, de 57 g por pessoa passou para 25 g por pessoa. Conclusão: Campanhas de conscientização e as mudanças no porcionamento trouxeram benefícios ao serviço de nutrição e dietética como a redução dos custos, gerando um aumento na economia mensal.
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • INDICADORES DE ESPERANÇA, ANSIEDADE E DEPRESSÃO DE PACIENTES EM
           TRATAMENTO ONCOLÓGICO

    • Authors: Mariana Vidotti Grandizoli, Randolfo dos Santos Júnior, Ivone Silva Mariz Ibiapina, Viviane Cristina Bianchi Garcia
      Pages: 65 - 70
      Abstract: Introdução: A esperança de pacientes com neoplasia maligna tem papel fundamental, pois ajuda na resolução das dificuldades enfrentadas. Esses pacientes vivenciam grandes mudanças em razão da enfermidade que lhes acomete, o que pode gerar sofrimento emocional. Objetivos: Identificar e correlacionar os indicadores de esperança, ansiedade e depressão de pacientes em tratamento oncológico. Casuística e Métodos: Pesquisa transversal e descritiva com indivíduos que estavam em tratamento oncológico no Instituto do Câncer e no Hospital de Base de São José do Rio Preto. Foram respondidos três instrumentos: a) questionário sociodemográfico, b) Escala de Ansiedade e Depressão Hospitalar e c) Escala de Esperança de Herth. Resultados: Participaram do estudo 118 indivíduos, com média de idade de 55,11 ±13,34 anos, com predomínio do sexo feminino. Em relação às características clínicas, houve maior porcentagem de câncer de mama (28%) e 54% dos participantes apresentavam metástase. Os níveis de esperança apresentaram média de 39,6; os níveis de ansiedade apresentaram média de 5,36 ± 3,66 e os de depressão 5,82 ± 4,12. Nessa amostra, 27% dos pacientes apresentaram índices de depressão e 24% índices de ansiedade. Dentre esses, 13% apresentaram tanto ansiedade quanto depressão. Houve também correlação negativa significante entre esperança, ansiedade (p=0.0001) e depressão (p=0.0001). Conclusão: Os indivíduos apresentaram elevados níveis de esperança, o que se revela como um possível fator de proteção à ansiedade e depressão.
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE SOBRE CHECKLIST DE CIRURGIA
           SEGURA

    • Authors: Eusiene Furtado Mota Silva, Ângela Silveira Gagliardo Calil, Célia Souza Araújo, Priscila Buck de Oliveira Ruiz, Marli de Carvalho Jericó
      Pages: 71 - 78
      Abstract: Introdução: A segurança do paciente reflete diretamente na qualidade da assistência prestada ao cliente. O checklist de cirurgia segura é um instrumento importante e eficaz, cuja utilização é essencial no trabalho da equipe de saúde do centro cirúrgico. Objetivo: Verificar o conhecimento sobre o checklist de cirurgia segura pelos profissionais de saúde. Material e Métodos: Pesquisa quantitativa, de campo, transversal, com delineamento descritivo, realizada no período de julho a setembro de 2016. Foram sujeitos do estudo os membros da equipe cirúrgica, atuantes em um hospital de ensino do interior do Estado de São Paulo. A coleta de dados foi realizada após aprovação do comitê de ética (parecer nº 1.650.232) e elaboração de instrumento composto por dados relacionados ao perfil demográfico, profissional e conhecimento sobre o checklist de cirurgia segura. Resultados: Participaram 202 profissionais, sendo 79 técnicos de enfermagem, 11 enfermeiros, 16 anestesistas, 34 cirurgiões e 62 residentes. Os resultados mostraram os seguintes apontamentos observados nos profissionais de saúde sobre o checklist de Cirurgia Segura: 199 (98,5%) profissionais alegaram conhecer o checklist, 108 (53,3%) receberam treinamento sobre o checklist e 152 (75,2%) verificam o chekclist antes de assiná-lo. Todos consideraram importante a realização do checklist. Maior nível de conhecimentos das etapas: Etapa 1 – 166 (82,2%); Etapa 2 – 17(8,4%) e Etapa 3 – 128 (63,4%). Sem conhecimento nas etapas – 4 (2,0%). Conhecimento dos profissionais na quantidade de etapas: Técnico de enfermagem – 73 (92,4%,); Enfermeira – 10 (90,9%), Anestesistas – 13 (81,25%); Cirurgião – 11 (32,4%) e Residentes – 48 (77,4%). Conclusão: O mapeamento permitiu refletir sobre o conhecimento dos profissionais de saúde, em relação ao checklist de cirurgia segura, possibilitando ao gestor do Centro Cirúrgico, elaborar estratégias para atuar neste tema.
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • CARACTERIZAÇÃO DE PACIENTES REINTERNADOS NO SETOR DE CARDIOLOGIA

    • Authors: Ana Cláudia Marques Rosa, Neuseli Marino Lamari
      Pages: 79 - 83
      Abstract: Introdução: As doenças cardiovasculares fazem parte do grupo de doenças crônicas e apresentam alto índice de mortalidade. Desta forma, representam grande demanda aos serviços hospitalares, contribuindo com um número alto de internações e reinternações. Objetivos: Descrever o perfil de pacientes reinternados na enfermaria do setor de Cardiologia de um hospital escola. Casuística e Métodos: Trata-se de um estudo clínico transversal, qualitativo e quantitativo. O levantamento de dados foi obtido por meio de uma entrevista semiestruturada feita com pacientes ou acompanhantes, entre os meses de junho a outubro de 2014. Os dados foram registrados no programa Microsoft Excel e a interpretação ocorreu por análise estatística descritiva. Resultados: Do total de 544 pacientes entrevistados durante este período, 86 estiveram reinternados no setor de cardiologia. Mais da metade eram do sexo masculino, com média de idade de 66 ± 13,08 anos, casados, aposentados e com baixa escolaridade. As principais condições clínicas pregressas foram hipertensão, tabagismo, diabetes, etilismo e dislipidemia. Predominaram reinternações que tiveram como afecções de base, insuficiência cardíaca, infarto agudo do miocárdio e valvopatia. Conclusão: Entre os pacientes reinternados predominaram os do sexo masculino, casados, aposentados, com baixa escolaridade. Predominaram reinternações que tiveram como afecções de base, insuficiência cardíaca, infarto agudo do miocárdio e valvopatia. Entre os motivos de reinternação os principais foram afecções respiratórias, insuficiência cardíaca, e os relacionados à doença arterial coronariana.
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • PERCEPÇÃO DE FAMILIARES SOBRE VISITAS A PACIENTES E REGRAS EM
           UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

    • Authors: Maria Emília Pereira Nunes, Leticia Macedo Gabarra
      Pages: 84 - 88
      Abstract: Introdução: A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) constitui um local relacionado com o risco eminente de morte. A presença constante dos familiares é considerada uma forma de suporte para a recuperação do paciente. Entretanto, a UTI possui a característica de ser uma unidade fechada, com visitação restrita. Objetivo: Conhecer a percepção de familiares sobre a visitação e regras em Unidade de Terapia Intensiva. Casuística e Método: Trata-se de uma pesquisa qualitativa de campo. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas, entre outubro e novembro de 2014, com dez familiares de pacientes que estiveram internados na UTI Adulto geral. As entrevistas foram gravadas e transcritas para análise qualitativa dos dados de acordo com a proposta de análise de conteúdo de Bardin. Resultados: A visita foi percebida como fonte de amparo ao paciente e também contribuiu para a melhora do estado emocional do familiar. Observou-se que sentimentos, como medo, angústia e tranquilidade emergiram a partir da visita e que o relacionamento com os profissionais de saúde interfere na avaliação que os familiares fazem sobre a visita. As regras de visitação foram indicadas como necessárias. No entanto, uma maior flexibilidade dessas regras foi considerada relevante frente a situações especiais. Conclusão: Tanto a visitação quanto às regras em UTI foram percebidas como importantes pelos familiares. Porém, destaca-se que nem todos estão preparados para realizar a visita e que a equipe pode auxiliá-los nesse processo.
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • INTERFERÊNCIA DO BALANÇO HIDROELETROLÍTICO NO DESFECHO DO
           DESMAME VENTILATÓRIO

    • Authors: Jaqueline Cortezia de Souza, Juliana Rodrigues Correia de Mello, Jaine Rocha Jenuário, José Ivo Pereira da Silva Filho, Odete Maud Cavenaghi, Lucas Lima Ferreira, Marcus Camargo Brito
      Pages: 89 - 93
      Abstract: Introdução: A ventilação mecânica invasiva oferece suporte principalmente para aqueles com insuficiência respiratória aguda. Seu objetivo é manter a função respiratória, porém torna-se imprescindível interrompê-la o quanto antes, evitando seus efeitos deletérios. Portanto, o ideal é planejar precocemente o desmame e a extubação. Vários fatores podem interferir no sucesso e insucesso da retirada do paciente da ventilação mecânica invasiva, entre eles o balanço hídrico, que é a ingestão, eliminação e redistribuição de líquidos para o organismo, regulando as funções renais e pulmonares. Objetivo: Verificar a interferência do balanço hídrico no desfecho do desmame ventilatório de pacientes adultos internados em unidade de terapia intensiva. Casuísticas e Métodos: Trata-se de um estudo prospectivo longitudinal não randomizado, realizado no Hospital de Base em São José do Rio Preto-SP. Foram incluídos pacientes de ambos os sexos, maiores de 18 anos, em ventilação mecânica invasiva por tempo superior a 72 horas, hospitalizados entre maio e novembro de 2016, com ausência ou doses mínimas de drogas vasoativas e submetidos a testes respiratórios a fim de elegê-los para desmame e extubação. Por meio do teste de Kolmogorov-Smirnov foi analisada a normalidade dos dados; e para comparar a soma dos valores do balanço hídrico no período pré-extubação com os valores do balanço 24 horas após a extubação, foi aplicado teste t não pareado. Foram considerados estatisticamente significativos valores de p ≤ 0,05. Resultados: Foram coletados dados de 30 pacientes. Destes, o quadro clínico de 10 indivíduos (33%) evoluiu para desmame e extubação. Ambos os grupos apresentaram balanço hídrico positivo e não houve diferença significativa entre eles. Conclusão: Na amostra analisada o balanço hídrico positivo não interferiu no desfecho do desmame ventilatório.
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
  • PROFISSIONAIS DE UM LABORATÓRIO DE SAÚDE PÚBLICA ESTIMULAM ESTUDANTES
           NA PREVENÇÃO DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR ALIMENTOS

    • Authors: Mayara Gambellini Gonçalves, Tatiane Simplício Sezefredo, Inara Siqueira de Carvalho Teixeira, Sonia Izaura Lima Silva, Danilo Prates Prates, Jacqueline Tanury Macruz Peresi, Vania Del´Arco Paschoal, Heloisa da Silveira Paro Pedro, Susilene Maria Tonelli Nardi
      Pages: 94 - 99
      Abstract: Introdução: Ações educativas com ênfase na prevenção constituem importante ferramenta na redução de surtos de Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA). Objetivo: Verificar se, após palestras educativas, os estudantes modificaram seus hábitos diários a fim de prevenir as DTAs. Casuística e Métodos: Em quatro anos, profissionais e bolsistas do Instituto Adolfo Lutz, por meio do projeto “Circuito Itinerante de Palestras” apresentaram 41 aulas expositivas e folder com abordagem dos agentes etiológicos, sintomas, medidas de prevenção, conservação e manuseio de alimentos para 1906 estudantes. Após dois meses da apresentação, um instrumento de avaliação com 10 afirmativas foi aplicado aos alunos para verificar se houve mudança de hábitos. Resultados: Responderam ao instrumento 1555 alunos, sendo que 81,5% mudaram hábitos, que foram mais incorporados pelos alunos dos 6º, 7º e 8º anos do ensino fundamental (EF) quando comparados aos alunos dos 9º ano EF, 1º e 3º anos do ensino médio (valor-p<0,05). A média de mudanças de hábitos relacionados aos quatro itens de higiene pessoal foi de 2,42 (DP 1,07) e aos seis itens sobre cuidados com alimentos foi de 3,37 (DP 1,41). Conclusão: Popularizar a ciência com ações educativas mostrou ser um método eficaz, uma vez que 81,5% dos jovens mudaram os hábitos diários de higiene pessoal e com os alimentos.
      PubDate: 2017-10-02
      Issue No: Vol. 24, No. 3 (2017)
       
 
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
Fax: +00 44 (0)131 4513327
 
Home (Search)
Subjects A-Z
Publishers A-Z
Customise
APIs
Your IP address: 54.224.187.45
 
About JournalTOCs
API
Help
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-2016