for Journals by Title or ISSN
for Articles by Keywords
help
  Subjects -> LAW (Total: 1221 journals)
    - CIVIL LAW (37 journals)
    - CONSTITUTIONAL LAW (44 journals)
    - CORPORATE LAW (80 journals)
    - CRIMINAL LAW (18 journals)
    - CRIMINOLOGY AND LAW ENFORCEMENT (140 journals)
    - FAMILY AND MATRIMONIAL LAW (21 journals)
    - INTERNATIONAL LAW (163 journals)
    - JUDICIAL SYSTEMS (22 journals)
    - LAW (689 journals)
    - LAW: GENERAL (7 journals)

LAW (689 journals)                  1 2 3 4 | Last

Showing 1 - 200 of 354 Journals sorted alphabetically
ABA Journal Magazine     Full-text available via subscription   (Followers: 19)
Acta Politica     Hybrid Journal   (Followers: 13)
Acta Universitatis Danubius. Juridica     Open Access  
Actualidad Jurídica Ambiental     Open Access   (Followers: 1)
Adelaide Law Review     Full-text available via subscription   (Followers: 19)
Administrative Law Review     Open Access   (Followers: 38)
Aegean Review of the Law of the Sea and Maritime Law     Hybrid Journal   (Followers: 7)
African Journal of Legal Studies     Hybrid Journal   (Followers: 6)
African Journal on Conflict Resolution     Open Access   (Followers: 15)
Afrilex     Open Access   (Followers: 4)
Air and Space Law     Full-text available via subscription   (Followers: 18)
Akron Law Review     Open Access   (Followers: 3)
Al Ihkam : Jurnal Hukum & Pranata Sosial     Open Access   (Followers: 1)
Al-Ahkam     Open Access   (Followers: 1)
Alaska Law Review     Open Access   (Followers: 9)
Albany Law Review     Free   (Followers: 6)
Alberta Law Review     Full-text available via subscription   (Followers: 14)
Alternative Law Journal     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Alternatives : Global, Local, Political     Hybrid Journal   (Followers: 13)
Amazon's Research and Environmental Law     Open Access   (Followers: 2)
American Journal of Comparative Law     Full-text available via subscription   (Followers: 51)
American Journal of Jurisprudence     Hybrid Journal   (Followers: 15)
American Journal of Law & Medicine     Full-text available via subscription   (Followers: 12)
American journal of legal history     Full-text available via subscription   (Followers: 4)
American Journal of Trial Advocacy     Full-text available via subscription   (Followers: 7)
American University Law Review     Open Access   (Followers: 15)
American University National Security Law Brief     Open Access   (Followers: 8)
Amicus Curiae     Open Access   (Followers: 5)
Amsterdam Law Forum     Open Access   (Followers: 9)
Annual Survey of South African Law     Full-text available via subscription   (Followers: 5)
Anuario de Psicología Jurídica     Open Access   (Followers: 1)
ANZSLA Commentator, The     Full-text available via subscription   (Followers: 4)
Appeal : Review of Current Law and Law Reform     Open Access  
Arbitration Law Monthly     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Arbitration Law Reports and Review     Hybrid Journal   (Followers: 12)
Arctic Review on Law and Politics     Open Access   (Followers: 1)
Arena Hukum     Open Access  
Arizona Law Review     Open Access   (Followers: 3)
Arizona State Law Journal     Free   (Followers: 2)
Arkansas Law Review     Free   (Followers: 5)
Ars Aequi Maandblad     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Art + Law     Full-text available via subscription   (Followers: 11)
Article 40     Open Access   (Followers: 2)
Artificial Intelligence and Law     Hybrid Journal   (Followers: 10)
Asian American Law Journal     Open Access   (Followers: 3)
Asian Journal of Legal Education     Full-text available via subscription   (Followers: 6)
Asian Pacific American Law Journal     Open Access   (Followers: 2)
AStA Wirtschafts- und Sozialstatistisches Archiv     Hybrid Journal   (Followers: 5)
Australasian Law Management Journal     Full-text available via subscription   (Followers: 7)
Australian and New Zealand Sports Law Journal     Full-text available via subscription   (Followers: 8)
Australian Feminist Law Journal     Hybrid Journal   (Followers: 10)
Australian Indigenous Law Review     Full-text available via subscription   (Followers: 15)
Australian Journal of Legal History     Full-text available via subscription   (Followers: 19)
Ave Maria Law Review     Free   (Followers: 2)
Badamai Law Journal     Open Access  
Baltic Journal of Law & Politics     Open Access   (Followers: 7)
Bar News: The Journal of the NSW Bar Association     Full-text available via subscription   (Followers: 5)
Behavioral Sciences & the Law     Hybrid Journal   (Followers: 20)
Beijing Law Review     Open Access   (Followers: 7)
Berkeley Journal of Entertainment and Sports Law     Open Access   (Followers: 6)
Berkeley Technology Law Journal     Free   (Followers: 11)
Bioethics Research Notes     Full-text available via subscription   (Followers: 14)
Bond Law Review     Open Access   (Followers: 17)
Boston College Environmental Affairs Law Review     Open Access   (Followers: 7)
Boston College Journal of Law & Social Justice     Open Access   (Followers: 8)
Boston College Law Review     Open Access   (Followers: 17)
Boston University Law Review     Free   (Followers: 10)
BRICS Law Journal     Open Access  
Brigham Young University Journal of Public Law     Open Access   (Followers: 7)
Brigham Young University Law Review     Full-text available via subscription   (Followers: 7)
British Journal of American Legal Studies     Open Access  
Brooklyn Law Review     Open Access   (Followers: 2)
Bulletin of Medieval Canon Law     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
C@hiers du CRHIDI     Open Access  
Cadernos de Dereito Actual     Open Access  
Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Direito - PPGDir./UFRGS     Open Access   (Followers: 1)
Cadernos Ibero-Americanos de Direito Sanitário     Open Access  
Cahiers, Droit, Sciences et Technologies     Open Access  
California Law Review     Open Access   (Followers: 19)
California Lawyer     Free  
California Western Law Review     Open Access   (Followers: 2)
Cambridge Law Journal     Hybrid Journal   (Followers: 133)
Campbell Law Review     Open Access   (Followers: 4)
Campus Legal Advisor     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Case Western Reserve Law Review     Open Access   (Followers: 1)
Časopis pro právní vědu a praxi     Open Access  
Časopis zdravotnického práva a bioetiky     Open Access  
Catalyst : A Social Justice Forum     Open Access   (Followers: 10)
Catholic University Law Review     Open Access   (Followers: 2)
Chicago-Kent Law Review     Full-text available via subscription   (Followers: 3)
Chicana/o-Latina/o Law Review     Open Access   (Followers: 2)
China : An International Journal     Full-text available via subscription   (Followers: 16)
China-EU Law Journal     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Chinese Journal of Comparative Law     Hybrid Journal   (Followers: 3)
Chinese Law & Government     Full-text available via subscription   (Followers: 6)
Cleveland State Law Review     Free   (Followers: 1)
College Athletics and The Law     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Colombia Forense     Open Access  
Columbia Journal of Environmental Law     Free   (Followers: 10)
Columbia Journal of Law and Social Problems     Full-text available via subscription   (Followers: 12)
Columbia Law Review (Sidebar)     Open Access   (Followers: 13)
Commercial Law Quarterly: The Journal of the Commercial Law Association of Australia     Full-text available via subscription   (Followers: 5)
Comparative Law Review     Open Access   (Followers: 39)
Comparative Legal History     Full-text available via subscription   (Followers: 7)
Con-texto     Open Access  
Conflict Resolution Quarterly     Hybrid Journal   (Followers: 33)
Conflict Trends     Full-text available via subscription   (Followers: 8)
Cornell Law Review     Open Access   (Followers: 7)
Criterio Jurídico     Open Access  
Critical Analysis of Law : An International & Interdisciplinary Law Review     Open Access   (Followers: 2)
Cuadernos de Historia del Derecho     Open Access   (Followers: 5)
Cuestiones Juridicas     Open Access   (Followers: 1)
Current Legal Problems     Hybrid Journal   (Followers: 25)
Danube : The Journal of European Association Comenius - EACO     Open Access   (Followers: 2)
De Jure     Open Access   (Followers: 1)
De Rebus     Full-text available via subscription  
Deakin Law Review     Full-text available via subscription   (Followers: 14)
Defense Counsel Journal     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
Democrazia e diritto     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
Denning Law Journal     Full-text available via subscription   (Followers: 8)
DePaul Journal of Women, Gender and the Law     Open Access   (Followers: 2)
DePaul Law Review     Open Access   (Followers: 1)
Der Staat     Full-text available via subscription   (Followers: 13)
Derecho PUCP     Open Access   (Followers: 3)
Derecho y Ciencias Sociales     Open Access   (Followers: 1)
Die Verwaltung     Full-text available via subscription   (Followers: 10)
Dikaion     Open Access   (Followers: 1)
Dike     Open Access  
Direito e Desenvolvimento     Open Access   (Followers: 1)
Direito e Liberdade     Open Access  
Diritto penale contemporaneo     Free   (Followers: 2)
Diritto, immigrazione e cittadinanza     Open Access   (Followers: 3)
Dixi     Open Access  
Droit et Cultures     Open Access   (Followers: 6)
Droit et Médecine Bucco-Dentaire     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
Droit, Déontologie & Soin     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Drug Science, Policy and Law     Full-text available via subscription  
Duke Environmental Law & Policy Forum     Open Access   (Followers: 6)
Duke Forum for Law & Social Change     Open Access   (Followers: 7)
Duke Journal of Gender Law & Policy     Open Access   (Followers: 14)
Duke Law & Technology Review     Open Access   (Followers: 9)
Duke Law Journal     Open Access   (Followers: 25)
DULR Online     Open Access   (Followers: 1)
East Asia Law Review     Open Access   (Followers: 1)
ECI Interdisciplinary Journal for Legal and Social Policy     Open Access   (Followers: 2)
Ecology Law Quarterly     Free   (Followers: 3)
Edinburgh Law Review     Hybrid Journal   (Followers: 20)
Education and the Law     Hybrid Journal   (Followers: 12)
El Cotidiano     Open Access   (Followers: 1)
Election Law Journal     Hybrid Journal   (Followers: 22)
Energy Law Journal     Full-text available via subscription   (Followers: 4)
Environmental Justice     Hybrid Journal   (Followers: 10)
Environmental Law Review     Full-text available via subscription   (Followers: 23)
Environmental Policy and Law     Hybrid Journal   (Followers: 16)
ERA-Forum     Hybrid Journal   (Followers: 5)
Espaço Jurídico : Journal of Law     Open Access   (Followers: 1)
ESR Review : Economic and Social Rights in South Africa     Open Access   (Followers: 4)
Ethnopolitics     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Ethos: Official Publication of the Law Society of the Australian Capital Territory     Full-text available via subscription   (Followers: 4)
EU agrarian Law     Open Access   (Followers: 3)
Europaisches Journal fur Minderheitenfragen     Hybrid Journal   (Followers: 2)
European Energy and Environmental Law Review     Full-text available via subscription   (Followers: 16)
European Journal for Education Law and Policy     Hybrid Journal   (Followers: 8)
European Journal of Comparative Law and Governance     Hybrid Journal   (Followers: 3)
European Journal of Law and Technology     Open Access   (Followers: 15)
European Journal of Psychology Applied to Legal Context     Open Access   (Followers: 4)
European Law Journal     Hybrid Journal   (Followers: 122)
European Public Law     Full-text available via subscription   (Followers: 32)
European Review of Contract Law     Hybrid Journal   (Followers: 22)
European Review of Private Law     Full-text available via subscription   (Followers: 29)
European Yearbook of Minority Issues Online     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Evaluation Review     Hybrid Journal   (Followers: 12)
Evidence & Policy : A Journal of Research, Debate and Practice     Full-text available via subscription   (Followers: 9)
Faulkner Law Review     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
Federal Communication Law Journal     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
Federal Law Review     Full-text available via subscription   (Followers: 20)
Federal Probation     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Feminist Legal Studies     Hybrid Journal   (Followers: 16)
feminists@law     Open Access   (Followers: 4)
Fiat Justisia     Open Access  
First Amendment Studies     Hybrid Journal  
Florida Bar News     Free  
Florida Law Review     Open Access   (Followers: 3)
Florida State University Law Review     Open Access   (Followers: 3)
Fordham Environmental Law Review     Open Access   (Followers: 5)
Fordham Intellectual Property, Media and Entertainment Law Journal     Open Access   (Followers: 19)
Fordham Law Review     Open Access   (Followers: 13)
FORO. Revista de Ciencias Jurídicas y Sociales, Nueva Época     Open Access   (Followers: 2)
Fundamina : A Journal of Legal History     Open Access   (Followers: 7)
Geoforum     Hybrid Journal   (Followers: 21)
George Washington Law Review     Free   (Followers: 7)
Georgia Law Review     Open Access   (Followers: 1)
Georgia State University Law Review     Open Access   (Followers: 2)
Global Journal of Comparative Law     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Global Labour Journal     Open Access   (Followers: 7)
Golden Gate University Environmental Law Journal     Open Access   (Followers: 3)
Golden Gate University Law Review     Open Access   (Followers: 2)
Grey Room     Hybrid Journal   (Followers: 15)
Griffith Law Review     Hybrid Journal   (Followers: 12)
GSTF Journal of Law and Social Sciences     Open Access   (Followers: 2)

        1 2 3 4 | Last

Journal Cover Espaço Jurídico : Journal of Law
  [1 followers]  Follow
    
  This is an Open Access Journal Open Access journal
   ISSN (Print) 2179-7943
   Published by Editora Unoesc Homepage  [7 journals]
  • Folha de rosto e Sumário

    • Authors: admin Débora Diersmann
      Pages: 711 - 718
      Abstract: Folha de rosto e Sumário
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • Constituição, realidade e crise

    • Authors: Wilson Antônio Steinmetz
      Pages: 719 - 732
      Abstract: “O direito constitucional tem de se garantir por si mesmo”, escreveu Konrad Hesse. A observância e a aplicação das normas constitucionais não estão garantidas por outras normas acima da Constituição ou por poderes supraestatais. “A Constituição não depende senão de sua própria força e de suas próprias garantias.” (HESSE). No caso da Constituição brasileira, são garantias imanentes o controle de constitucionalidade das leis, os limites materiais ao poder de emendar a Constituição, o dever de aplicação imediata de direitos e garantias fundamentais e a previsão de um órgão judicial guardião máximo da Constituição, com poderes de decidir sobre matérias constitucionais com efeitos imediatos, gerais e vinculantes. Contudo, o próprio Hesse lembra que nem o mais “engenhoso sistema constitucional” consegue garantir a sua própria efetividade quando certos pressupostos não estão presentes, especialmente quando a Constituição não consegue ser uma ordem configuradora da realidade histórica viva. Essa capacidade configuradora “[...] depende em grande medida de fatores externos, sobre os quais a Constituição só pode influir limitadamente.” Hesse menciona entre os fatores externos as circunstâncias da realidade histórica e o nível de desenvolvimento espiritual, social, político ou econômico dos tempos. Outro pressuposto essencial, ainda segundo Hesse, é a conduta dos atores que participam na “vida constitucional”. Decisiva é a disposição de governantes e governados aceitarem como moralmente correto, legítimo e imperativo o conteúdo da Constituição. Em síntese, paralelamente às garantias imanentes da Constituição, desempenham um papel decisivo os fatores externos. É a dialética que se processa entre norma e realidade, que se manifesta em complementaridades e tensões. Tudo isso não é inovação ou novidade teórica. São premissas bem assentadas no campo da Teoria da Constituição enquanto locus epistêmico de análise e reflexão sobre as constituições. O que muda é a descrição ou a interpretação da relação entre Constituição e realidade que cada uma das inúmeras teorias da Constituição propõe e a ênfase, descritiva ou valorativa, que se atribui aos polos da relação. Na atual quadra da história do Brasil, retomar a pesquisa e a reflexão rigorosas sobre a dialética Constituição-realidade é, se não uma imposição, muito recomendável à comunidade científica do direito, especialmente àqueles que investigam o direito como fenômeno normativo e suas projeções sobre as relações políticas e sociais. Nosso País vive aquela que talvez seja a maior crise após a redemocratização. À crise política somam-se uma crise econômica e uma crise financeira do Estado, nos três níveis da Federação. A crise política por si mesma não seria atemorizante ou ameaçadora. Desde a redemocratização em meados dos anos 1980, atravessamos crises políticas sem rupturas institucionais ou constitucionais. No pós-1988, a Constituição tem se mostrado adequada e, ao mesmo tempo, resistente às crises políticas sazonais. No entanto, há fundados motivos para supormos que a atual crise – que possui uma dimensão política, uma dimensão econômica e uma dimensão financeira – desafia e continuará desafiando a engenharia institucional e organizacional desenhada pela Constituição de 1988. Primeiro, as dimensões da crise formam uma unidade, estão profundamente imbricadas. Passados dois anos, constata-se que a solução da crise geral depende de uma solução articulada ou encadeada das três dimensões. Segundo, o País necessita de uma ampla reforma política para a qual os partidos, os grupos e as facções políticas parecem ter disposição nenhuma para convergir. Terceiro, a crise sinaliza que o Estado brasileiro, em todas as suas esferas, já não tem condições de, simultaneamente, cumprir todas as tarefas que a Constituição lhe impõe, atender às demandas remuneratórias das corporações internas ao Estado (especialmente, daquelas corporações tradicionalmente privilegiadas) e às demandas de financiamento ou crédito de grupos econômicos e sociais externos ao Estado. Quarto, o País necessita de uma profunda reforma fiscal, mas ninguém quer perder coisa alguma. Após 1988, a comunidade científica do direito, especialmente aquela dedicada à investigação do direito constitucional, priorizou a exploração e a construção de modelos, interpretações e esquemas argumentativos que otimizassem as potencialidades normativas, substantivas e instrumentais da Constituição. E isso, sem dúvida, produziu um estado da arte muito superior na teoria, na dogmática e na práxis constitucionais àquele anteriormente existente. Desse empenho, resultou, até mesmo, um certo otimismo constitucional. Aqui, não se está dizendo ou insinuando que o País vive uma crise constitucional ou está na iminência de se precipitar em uma crise constitucional. A Constituição vige. A Constituição, na sua globalidade, não é motivo de dissenso. A Constituição ma...
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • Entre o ativismo e a judicialização da política: a difícil
           concretização do direito fundamental a uma decisão judicial
           constitucionalmente adequada

    • Authors: Lenio Luiz Streck
      Pages: 721 - 732
      Abstract: Resumo: Em uma democracia estável, o direito ocupa um papel central na organização da engenharia institucional, ao definir as condições mínimas para o funcionamento do sistema político. Ao mesmo tempo, o reconhecimento de novos direitos pelo Constitucionalismo Contemporâneo ocasiona uma atuação mais destacada do Poder Judiciário; essa situação, muitas vezes, é confundida pela comunidade jurídica como uma justificativa para decisões sem qualquer critério de racionalidade, baseadas na mais pura discricionariedade judicial. Torna-se necessário enfrentar os desafios que tem o Poder Judiciário para – no limite, em face da incompetência dos demais Poderes – contribuir para a concretização dos direitos fundamentais. Isso implica, fundamentalmente, enfrentar o tema a partir da necessária diferenciação entre os fenômenos do ativismo judicial e da judicialização da política. Afinal, uma decisão constitucionalmente adequada também deve ser observada como um direito fundamental do cidadão. Palavras-chave: Ativismo judicial. Judicialização da política. Direitos fundamentais. Decisão judicial constitucionalmente adequada.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • O Judicial Review e o ativismo judicial da Suprema Corte americana na
           proteção de direitos fundamentais

    • Authors: Estefania Maria de Queiroz Barboza, Katya Kozicki
      Pages: 733 - 752
      Abstract: Resumo: No presente artigo examinaram-se as origens históricas do judicial review nos Estados Unidos da América desde o caso Marbury v. Madison até a Corte Burger, bem como os reflexos de sua concepção no chamado “ativismo judicial” norte-americano, o qual acabou por priorizar o papel da jurisdição constitucional na proteção dos direitos fundamentais garantidos na Constituição, mesmo que isso implicasse enfrentar questões tipicamente políticas. Ou seja, apresentaram-se casos nos quais a Suprema Corte atuou de forma ativista especialmente na proteção de direitos fundamentais, embora em outros momentos tenha atuado justamente no sentido contrário, como na Era Lochner, numa postura conservadora em relação à proteção de direitos. Palavras-chave: Ativismo judicial. Suprema Corte. Estados Unidos. Judicial Review.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • Human rights violations committed by private military and security
           companies: an international law analysis

    • Authors: Elzbieta Karska
      Pages: 753 - 766
      Abstract: Abstract: This paper is devoted to the growing phenomenon of the private military and security industry with respect to human rights obligations. In the first part, it will analyze the concept of a private security company, which is not clear in national regulations and has few relevant provisions in international conventions. The second part will contain a short description of examples of human rights violations committed by private military and security companies, or with their participation, during service delivery or other forms of activity. The third part of this paper discusses possible methods of responsibility enforcement, with respect to the transnational character of many private security companies involved in human rights violations worldwide. One of the most important elements of the discussion in international community should focus on binding international instrument, preferably a convention, which would be able to establish at least very elementary rules for states and international organizations, responsible for using private military and security companies. The international community has witnessed a lot of initiatives from non-governmental entities, also model laws and self-regulations of the private security industry, but still the real problem has not even been reduced. The number of human rights violations has grown. Keywords: Human rights. Private security companies. Liability.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • The complex structure of the absolute prohibition of torture: comments in
           the light of the regulation of article 3 of the European Convention on
           human rights

    • Authors: Elzbieta Hanna Morawska
      Pages: 767 - 778
      Abstract: Abstract: The complexity indicated in the title of this paper does not refer purely to the internal structure of the prohibition of torture, but also to the obligations of States party to the ECHR that are tied to this prohibition. This is because it is not restricted to negative obligations understood as a duty on the part of the State to abstain from certain interferences by the public authorities and which was the fundamental purpose of the ECHR and as such was entered explicit into the normative structure of the freedoms and rights defined in the ECHR , but embraces – firstly – positive obligations which result in a command to take measures for the purpose of ensuring freedom from the said torture for persons under the jurisdiction of States that are party to the ECHR, both in horizontal and vertical relations, and – secondly – a procedural obligations which, year by year, is achieving an ever more autonomous position among the types of commitment resulting from the ECHR for States and the essence of which is the effective clarification of circumstances in the violation of the prohibition of torture. Keywords: Human Rights. Torture. Ill-treatment. Positive and negative obligations.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • O Tribunal para a antiga Iugoslávia na formação da norma da
           responsabilidade individual por graves violações de direitos humanos:
           tensões entre direitos humanos e princípios penais liberais

    • Authors: Renata Reverendo Vidal Kawano Nagamine
      Pages: 779 - 796
      Abstract: Resumo: Neste artigo pretendeu-se analisar como o Tribunal Penal Internacional para a antiga Iugoslávia concorreu para consagrar uma concepção de justiça global que toma o direito internacional penal como coextensivo aos direitos humanos. Nele, parte-se de um estudo da cientista política Kathryn Sikkink sobre a formação da norma da responsabilidade criminal individual por graves violações de direitos humanos para explorar as tensões entre princípios penais e normas de direitos humanos naquele que foi o primeiro tribunal penal internacional desde o Tribunal de Nuremberg. Para tanto, analisam-se as primeiras decisões do Tribunal para a antiga Iugoslávia, tomadas entre os anos 1995 e 2000, com foco nas formulações sobre crimes contra a humanidade e legalidade pelos juízes de primeira e segunda instâncias do Tribunal. Palavras-chave: Direitos humanos. Jurisdição internacional penal. Crimes contra a humanidade. Legalidade.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • Sistemas de direitos humanos e comunidades econômicas regionais: uma
           diferenciação tipológica dos atuais protetores de direitos humanos

    • Authors: Marina Feferbaum
      Pages: 797 - 820
      Abstract: Resumo: Diante da presente atuação na proteção de direitos humanos, tanto por parte dos Sistemas Internacionais de Direitos Humanos quanto das Comunidades Econômicas Regionais, neste artigo pretende-se contribuir para uma reflexão sobre as relações entre integração regional e direitos humanos. Por meio da investigação da literatura especializada e do funcionamento prático de alguns exemplos institucionais, foram expostas as diferenças entre os dois arranjos, identificando seus vieses de finalidade e de estrutura. Na primeira parte apresentam-se os sistemas de direitos humanos como centro de análise e tomam-se as comunidades econômicas como parâmetros comparativos. Foram abordados o conceito de sistema, a natureza das organizações internacionais governamentais e as características dimensionais dos sistemas de direitos humanos. Na segunda parte, posicionam-se as comunidades econômicas regionais no centro da investigação, invertendo o foco de análise. O caso paradigmático de tais comunidades e suas principais características podem ser observados a partir de seu processo e produto. Finalmente, foi realizado um balanço das características dos arranjos e de suas possíveis implicações. Palavras-chave: Sistemas de direitos humanos. Comunidades econômicas regionais. Direitos humanos. Organizações internacionais. Tipologia.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • Multiculturalismo liberal e imigração: os limites da
           política da diferença

    • Authors: Raquel Fabiana Lopes Sparemberger, Bruno Heringer Junior
      Pages: 821 - 842
      Abstract: Resumo: Os Estados contemporâneos caracterizam-se por um acentuado pluralismo étnico, racial e religioso, o que vem se acentuando nos últimos anos, em razão do fenômeno da migração e do refúgio humanitário. Essa situação tem levado grupos de migrantes, refugiados e nacionais marginalizados a encaminhar demandas por reconhecimento, respeito e promoção de sua singularidade cultural, impondo aos governos o incontornável desafio de delimitar o espaço legítimo das manifestações divergentes, bem como da extensão da representação política e do autogoverno desses grupos populacionais. Apesar de a política da diferença contrapor-se, até certo ponto, aos postulados liberais que orientam os Estados contemporâneos, as demandas por reconhecimento provavelmente continuarão a ocorrer. Nesse processo, o Direito Internacional dos Direitos Humanos constitui um limite infranqueável às expressões culturais divergentes, principalmente no que se refere às migrações, imigrações e refúgios. Neste estudo, o método de abordagem é o dialético, e a técnica de pesquisa é a bibliográfica. A título de considerações finais, o reconhecimento parcial, mas progressivo, vem sendo, mundo afora, a criação de inúmeros programas de valorização das minorias culturais, a instituição de ações afirmativas compensatórias, a atribuição de autonomia, o autogoverno a certos grupos, a consideração de seus costumes e tradições no momento de aplicação de leis gerais, entre tantas outras medidas Estatais. Palavras-chave: Multiculturalismo. Liberalismo político. Política da diferença. Direitos humanos. Imigração.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • Novas tecnologias e direitos humanos: uma reflexão à luz da concepção
           de esfera pública

    • Authors: Têmis Limberger, Maria Eugenia Bunchaft
      Pages: 843 - 868
      Abstract: Resumo: No artigo destaca-se a compatibilização das novas tecnologias e da proteção dos direitos humanos na atualidade, diante das manifestações nas redes sociais que pretendam a ampliação do espaço democrático na esfera pública. Nesse contexto, com a expansão do espaço virtual, o conceito de cidadania – então atrelado à ideia de território físico – deve ser repensado a partir da proposição de Pérez Luño – ciberciudadanía o ciudadanía.com. Neste artigo sustenta-se que a concepção habermasiana estabelecida em Faktizität und Geltung, baseada em um modelo de eclusas que atribui à esfera pública papel mais ofensivo, e os aportes teóricos delineados em Sobre a Constituição da Europa, atendem aos desafios propostos pela necessidade de conceber o espaço de informação na internet como uma arena efetiva de exercício dos direitos humanos. Aduz-se que a perspectiva de Fraser, assumindo o Princípio de todos os Sujeitados, revela maior alcance teórico para a compreensão da luta política por justiça global, especialmente em se tratando da ideia de contrapublicidade, que pode ser incrementada pela mobilização virtual. Contudo, é importante que o mundo virtual tenha sua normatização e não se transforme em um far west informático. Utilizou-se o método fenomenológico-hermenêutico e uma técnica de pesquisa baseada na documentação indireta. Palavras-chave: Informação pública. Novas tecnologias. Democracia. Direitos humanos. Esfera pública.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • A autocompreensão ética da espécie e o futuro da natureza humana
           segundo Habermas. Seria a eugenia um direito?

    • Authors: Alexandre Paludo Bressiani, Paulo Cesar Nodari
      Pages: 869 - 884
      Abstract: Resumo: Com o progresso e os avanços científicos em muitas áreas do saber, a ciência e a técnica, além de proporcionarem a ampliação considerável no horizonte da liberdade e da autonomia, provocam uma espécie de “encantamento da natureza interna”. No contexto eminentemente cientificizado e tecnicizado hodierno, neste trabalho objetivou-se realizar um estudo acerca do futuro da natureza humana em Habermas, a partir do texto: O futuro da natureza humana. A presente pesquisa orienta-se pelo método analítico-interpretativo e está dividida em dois momentos. Em um primeiro momento, buscou-se questionar e identificar como e em que medida a eugenia liberal poderia suscitar questões referentes à ética de espécie, isto é, poderia afetar a autocompreensão normativa de sujeitos que agem de forma livre, autônoma e responsável. Em um segundo momento, pretendeu-se apresentar a compreensão de natureza humana envolvida na argumentação habermasiana por conta da complexidade e relevância do tema no debate da eugenia liberal, a fim de questionar se esta poderia vir a tornar-se, inclusive, um direito de todos. Palavras-chave: Habermas. Ciência. Autocompreensão. Ética da espécie. Natureza humana.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • Crucifixos em repartições públicas: do exame de constitucionalidade de
           uma prática administrativa baseada na tradição

    • Authors: Leonardo Martins, Diogo Caldas Leonardo Dantas
      Pages: 885 - 912
      Abstract: Resumo: A constitucionalidade da presença de crucifixos nas repartições públicas brasileiras ainda não foi adequadamente avaliada pela literatura jurídica e pelos tribunais. Partindo-se de uma análise da situação concreta e das decisões pertinentes, buscou-se encontrar o fundamento normativo de tal prática e da argumentação jurídica usada pelos órgãos estatais que avaliaram o caso e chancelaram a prática com fulcro meramente consuetudinário. Fez-se a análise em abstrato das normas constitucionais pertinentes da Constituição Federal (CF) para, então, proceder-se à análise da constitucionalidade da determinação administrativa da presença de crucifixos. Trata-se, em suma, de se responder, fundamentadamente, se e em que medida se está diante de uma intervenção estatal no direito fundamental à liberdade de crença, e se tal intervenção restaria justificada constitucionalmente, caso em que o art. 5°, VI, da Constituição Federal não teria sido violado. Conclui-se pela ausência de uma justificação constitucional e consequente verificação da violação do direito fundamental decorrente do mesmo art. 5°, VI. Palavras-chave: Constituição Federal. Direitos fundamentais. Liberdade de crença. Crucifixos.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • A prostituição e a dignidade da pessoa humana: crítica literária e
           musical à negação do direito fundamental ao trabalho

    • Authors: Bárbara Natália Lages Lobo, José Adercio Leite Sampaio
      Pages: 913 - 932
      Abstract: Resumo: No presente artigo antecede-se pesquisa densa acerca do “submundo” da prostituição, sob a óptica dos direitos fundamentais e a sua concreção. Analisou-se a relativização da dignidade humana pela negação do direito ao trabalho àquelas pessoas que se prostituem, bem como a sua condição de invisibilidade e mazela social. Destacou-se, ainda, por meio da análise dos direitos sexuais, que envolvem a liberdade, a indissolubilidade do “amálgama normativo” direito, moral e religião, demonstrando, assim, a necessidade premente de regulação da atividade como forma de se destinar aos prostitutos igual respeito e consideração. Palavras-chave: Prostituição. Direitos fundamentais. Dignidade da pessoa humana. Moralidade. Direito ao trabalho.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • A autonomia da criança intersexual: crítica à teoria
           jurídica das incapacidades

    • Authors: Roxana Cardoso Brasileiro Borges, Andréa Santana Leone de Souza, Isabel Maria Sampaio Oliveira Lima
      Pages: 933 - 956
      Abstract: Resumo: O tema da autonomia da criança perpassa a evolução histórica da sua condição enquanto sujeito de direito. Quando uma criança nasce com genitália ambígua, configura-se uma situação complexa que exige diversas iniciativas interdisciplinares. Com o presente artigo visa-se discutir a respeito da autonomia privada da criança intersexual diante da teoria da incapacidade jurídica. A autonomia privada da criança intersexual representa um direito humano, relevante e atual. Adotou-se uma abordagem de natureza qualitativa com revisão de literatura e revisão legislativa. Ao longo da revisão, constatou-se que a legislação, mecanismo de proteção desse segmento, está em contínua mudança. Quanto à produção científica sobre a intersexualidade, evidencia-se que as nominações da situação intersexual são diferentes, conforme o campo do saber e da prática. Constata-se, ainda, que a discussão sobre autonomia da criança intersexual não tem sido privilegiada. Reconhecendo-se o paradigma atual da proteção da criança, tem-se que o poder familiar, outrora irrestrito, passou a ser mitigado pelo princípio do melhor interesse da criança. Entende-se como medida mais adequada à proteção da criança que a cirurgia de definição do sexo, quando não for necessária à manutenção da vida, seja protelada, visando à percepção da criança enquanto parte do processo de definição do sexo de criação. Essa posição se fundamenta na dimensão participatória ou emancipatória que incide no debate sobre a capacidade de a criança exercer seus próprios direitos, segundo o conceito de autonomia progressiva. Palavras-chave: Direito da personalidade. Direito da criança. Intersexualidade. Autonomia.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • The uncertain reform to the Chilean pension system

    • Authors: Ivan Obando Camino
      Pages: 957 - 974
      Abstract: Abstract: This paper describes the attempts to introduce some solidary features into the private pension system and the reform strategy followed thereof by left-wing governments in Chile since 2008. The negative impact on retirees of a private pension system driven by financial markets and profit-oriented actors has led to a continuing questioning of this system by experts and the population. The strong veto powers that major industry actors hold in the policy process determined that those governments adopted an institutional reform strategy based on layering. This paper surmises that this strategy may a have an impact on the pension system in the long-term by steering it gradually towards a public pension system. Keywords: Social security. Pension system. Solidarity system
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • Serviço público: condição da dignidade humana no estado social e
           democrático de direito

    • Authors: Adriana da Costa Ricardo Schier, Paulo Ricardo Schier
      Pages: 975 - 992
      Abstract: Resumo: A pesquisa, desenvolvida por meio do método dedutivo e com metodologia de procedimento monográfica, denota que a Constituição de 1988 consagra amplo catálogo de direitos sociais. Tais direitos, na perspectiva do constitucionalismo pós-Segunda Guerra, são percebidos como normas jurídicas vinculantes e não como simples recomendações ao legislador. Esse reconhecimento de normatividade aos direitos sociais impôs, historicamente, a necessidade de reflexão sobre as suas diferenças estruturais e funcionais em relação aos direitos individuais. Apesar da enorme proximidade entre as diversas categorias de direitos fundamentais, a dogmática constitucional tem reconhecido que os direitos sociais exigem realização preferencialmente mediante a prestação de serviços públicos, que é o meio mais adequado de satisfazer esses direitos não apenas em uma perspectiva individual-liberal, mas de forma vinculada à persecução dos objetivos fundamentais da República, mormente a realização do desenvolvimento nacional e a redução das desigualdades sociais e regionais. Os resultados da pesquisa denotam que a discussão sobre serviço público deve ocupar a preocupação central da atuação do Poder Público no plano dos direitos sociais. Isso não significa negar a possibilidade de satisfação desses direitos pela via judicial, mas implica reconhecer que, em face de limites institucionais da atuação do Judiciário, o serviço público, prestado por intermédio de específico regime jurídico, possui maior capacidade institucional de efetivá-los de modo consoante ou mais conforme as exigências do princípio da socialidade. Palavras-chave: Direitos fundamentais. Direitos sociais. Serviço público. Dignidade humana. Estado social.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • A efetivação dos direitos econômicos, sociais e culturais pelo poder
           judiciário: o Projeto de Lei n. 8.058/2014 e os desafios em sede de
           controle jurisdicional de políticas públicas

    • Authors: Mônia Clarissa Hennig Leal, Felipe Dalenogare Alves
      Pages: 993 - 1012
      Abstract: Resumo: Neste trabalho expõe-se o resultado de uma pesquisa bibliográfica, utilizando-se os métodos dedutivo, para fins de abordagem, e monográfico, a título procedimental, sobre a temática da efetivação dos direitos econômicos, sociais e culturais (DESCs) pelo Judiciário. O objetivo principal foi analisar as peculiaridades que envolvem esses direitos e a sua concretização judicial pelo controle das políticas públicas. Para tanto, realizou-se um estudo dos principais aspectos referentes ao tema, com a construção teórica acerca dos DESCs e sua difícil efetivação pelas políticas públicas, além do seu controle jurisdicional, para, posteriormente, realizar uma análise sistemática do Projeto de Lei n. 8.058/2014, que visa estabelecer um processo especial para o controle jurisdicional de políticas públicas, levantando seus principais avanços no sentido de contribuir para a modernização processual, especialmente quando se trata da tutela dos DESCs, diante das principais dificuldades arguidas como fundamentos na exposição de motivos. No decorrer do trabalho, buscou-se o esclarecimento de questões importantes à temática, como o seguinte problema: quais as peculiaridades próprias aos direitos econômicos, sociais e culturais que dificultam sua concretização e qual a necessidade e as vantagens de um Processo especial para o controle jurisdicional de políticas públicas? Por fim, concluiu-se que o Projeto apresenta importantes instrumentos no sentido de modernizar o processo judicial, principalmente no sentido de oportunizar uma tutela coletiva dos DESCs, possuindo, também, dispositivos que devem ser objeto de aperfeiçoamento no decorrer do processo legislativo. Palavras-chave: Controle jurisdicional de políticas públicas. Direitos econômicos, sociais e culturais. DESCs. Judicialização. Projeto de Lei n. 8.058/2014.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • O direito fundamental ao conteúdo do próprio trabalho: uma
           reconstrução normativa do direito ao trabalho

    • Authors: Leonardo Vieira Wandelli
      Pages: 1013 - 1052
      Abstract: Resumo: Pretende-se enfrentar a inefetividade do direito humano e fundamental ao trabalho a partir de um esforço de reconstrução normativa da sua fundamentação, apoiada em um duplo pilar teórico, nas teorias das necessidades e nas teorias do reconhecimento. Com isso, não somente se recupera a importância do vínculo entre trabalho e dignidade humana, como se explicitam aspectos essenciais da centralidade do trabalho para os sujeitos. A partir disso, o direito ao trabalho se desvela não apenas como necessidade radical, tendente à transformação da institucionalidade vigente, mas também como direito positivado em um amplo leque de normas internacionais e nacionais, que contempla diversas dimensões normativas atualmente exigíveis. Propõe-se que, no centro desse direito, está um direito fundamental ao conteúdo do próprio trabalho, que determina juridicamente as condições da atividade e da organização do trabalho. Recente estudo adotado pelo Alto Comissariado em Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o direito ao trabalho reforça essa compreensão. Palavras-chave: Direitos humanos. Direitos fundamentais. Direito ao trabalho. Psicodinâmica do trabalho. Direito do trabalho.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • Biografias não autorizadas: um estudo da ADI 4815

    • Authors: Marco Aurélio Rodrigues da Cunha e Cruz, Wilson Antônio Steinmetz
      Pages: 1037 - 1052
      Abstract: Resumo: O objetivo com este texto foi examinar a contribuição do julgado do Supremo Tribunal Federal sobre Biografias Não Autorizadas (ADI 4815) para o debate sobre a relação entre liberdade de expressão e direitos da personalidade. Adotou-se uma metódica analítica e reconstrutiva dos principais argumentos sucitados na ADI 4815. Inicialmente, fez-se uma análise da petição inicial para identificar os argumentos e os paradigmas normativos que a sustentam. Na sequência, realizou-se um comparativo analítico e crítico desses argumentos com as razões jurídicas que fundamentam a decisão do Supremo Tribunal Federal. Palavras-chave: Biografias. Censura privada. Liberdade de expressão. Supremo Tribunal Federal.
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
  • Diretrizes para autores

    • Authors: admin Débora Diersmann
      Pages: 1053 - 1074
      Abstract: Diretrizes para autores
      PubDate: 2016-12-20
      Issue No: Vol. 17, No. 3 (2016)
       
 
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
Fax: +00 44 (0)131 4513327
 
About JournalTOCs
API
Help
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-2016