Subjects -> MEDICAL SCIENCES (Total: 8697 journals)
    - ALLERGOLOGY AND IMMUNOLOGY (220 journals)
    - ANAESTHESIOLOGY (121 journals)
    - CARDIOVASCULAR DISEASES (338 journals)
    - CHIROPRACTIC, HOMEOPATHY, OSTEOPATHY (21 journals)
    - COMMUNICABLE DISEASES, EPIDEMIOLOGY (235 journals)
    - DENTISTRY (294 journals)
    - DERMATOLOGY AND VENEREOLOGY (163 journals)
    - EMERGENCY AND INTENSIVE CRITICAL CARE (124 journals)
    - ENDOCRINOLOGY (151 journals)
    - FORENSIC SCIENCES (42 journals)
    - GASTROENTEROLOGY AND HEPATOLOGY (189 journals)
    - GERONTOLOGY AND GERIATRICS (138 journals)
    - HEMATOLOGY (158 journals)
    - HYPNOSIS (4 journals)
    - INTERNAL MEDICINE (178 journals)
    - LABORATORY AND EXPERIMENTAL MEDICINE (99 journals)
    - MEDICAL GENETICS (58 journals)
    - MEDICAL SCIENCES (2419 journals)
    - NURSES AND NURSING (371 journals)
    - OBSTETRICS AND GYNECOLOGY (208 journals)
    - ONCOLOGY (386 journals)
    - OPHTHALMOLOGY AND OPTOMETRY (141 journals)
    - ORTHOPEDICS AND TRAUMATOLOGY (170 journals)
    - OTORHINOLARYNGOLOGY (83 journals)
    - PATHOLOGY (100 journals)
    - PEDIATRICS (275 journals)
    - PHYSICAL MEDICINE AND REHABILITATION (159 journals)
    - PSYCHIATRY AND NEUROLOGY (834 journals)
    - RADIOLOGY AND NUCLEAR MEDICINE (192 journals)
    - RESPIRATORY DISEASES (105 journals)
    - RHEUMATOLOGY (79 journals)
    - SPORTS MEDICINE (81 journals)
    - SURGERY (406 journals)
    - UROLOGY, NEPHROLOGY AND ANDROLOGY (155 journals)

ANAESTHESIOLOGY (121 journals)                     

Showing 1 - 121 of 121 Journals sorted alphabetically
Acta Anaesthesiologica Scandinavica     Hybrid Journal   (Followers: 62)
Acta Anaesthesiologica Taiwanica     Open Access   (Followers: 6)
Acute Pain     Full-text available via subscription   (Followers: 16)
Advances in Anesthesia     Full-text available via subscription   (Followers: 31)
African Journal of Anaesthesia and Intensive Care     Full-text available via subscription   (Followers: 9)
Ain-Shams Journal of Anaesthesiology     Open Access   (Followers: 2)
Ain-Shams Journal of Anesthesiology     Open Access   (Followers: 1)
Ambulatory Anesthesia     Open Access   (Followers: 9)
Anaesthesia     Hybrid Journal   (Followers: 239)
Anaesthesia & Intensive Care Medicine     Full-text available via subscription   (Followers: 72)
Anaesthesia and Intensive Care     Full-text available via subscription   (Followers: 62)
Anaesthesia Critical Care & Pain Medicine     Full-text available via subscription   (Followers: 28)
Anaesthesia Reports     Hybrid Journal  
Anaesthesia, Pain & Intensive Care     Open Access  
Anaesthesiology Intensive Therapy     Open Access   (Followers: 9)
Analgesia & Resuscitation : Current Research     Hybrid Journal   (Followers: 7)
Anestesia Analgesia Reanimación     Open Access   (Followers: 1)
Anestesia en México     Open Access   (Followers: 1)
Anesthesia & Analgesia     Hybrid Journal   (Followers: 275)
Anesthesia : Essays and Researches     Open Access   (Followers: 10)
Anesthesia Progress     Hybrid Journal   (Followers: 6)
Anesthésie & Réanimation     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Anesthesiology     Hybrid Journal   (Followers: 232)
Anesthesiology and Pain Medicine     Open Access   (Followers: 23)
Anesthesiology Clinics     Full-text available via subscription   (Followers: 25)
Anesthesiology Research and Practice     Open Access   (Followers: 15)
Angewandte Schmerztherapie und Palliativmedizin     Hybrid Journal  
Annales Françaises d'Anesthésie et de Réanimation     Full-text available via subscription   (Followers: 4)
Annals of Cardiac Anaesthesia     Open Access   (Followers: 15)
BDJ Team     Open Access   (Followers: 1)
Best Practice & Research Clinical Anaesthesiology     Hybrid Journal   (Followers: 15)
BJA : British Journal of Anaesthesia     Hybrid Journal   (Followers: 245)
BJA Education     Hybrid Journal   (Followers: 70)
BMC Anesthesiology     Open Access   (Followers: 18)
BMJ Supportive & Palliative Care     Hybrid Journal   (Followers: 47)
Brazilian Journal of Anesthesiology     Open Access   (Followers: 5)
Brazilian Journal of Anesthesiology (Edicion en espanol)     Open Access  
Brazilian Journal of Anesthesiology (English edition)     Open Access   (Followers: 1)
Brazilian Journal of Pain (BrJP)     Open Access  
British Journal of Pain     Hybrid Journal   (Followers: 28)
Canadian Journal of Anesthesia/Journal canadien d'anesthésie     Hybrid Journal   (Followers: 48)
Case Reports in Anesthesiology     Open Access   (Followers: 11)
Clinical Journal of Pain     Hybrid Journal   (Followers: 19)
Colombian Journal of Anesthesiology : Revista Colombiana de Anestesiología     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Current Anaesthesia & Critical Care     Full-text available via subscription   (Followers: 36)
Current Anesthesiology Reports     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Current Opinion in Anaesthesiology     Hybrid Journal   (Followers: 61)
Current Pain and Headache Reports     Hybrid Journal   (Followers: 2)
Der Anaesthesist     Hybrid Journal   (Followers: 9)
Der Schmerz     Hybrid Journal   (Followers: 4)
Der Schmerzpatient     Hybrid Journal  
Douleur et Analgésie     Hybrid Journal  
Egyptian Journal of Anaesthesia     Open Access   (Followers: 3)
Egyptian Journal of Cardiothoracic Anesthesia     Open Access  
EMC - Anestesia-Reanimación     Hybrid Journal  
EMC - Anestesia-Rianimazione     Hybrid Journal  
EMC - Urgenze     Full-text available via subscription  
European Journal of Anaesthesiology     Hybrid Journal   (Followers: 30)
European Journal of Pain     Full-text available via subscription   (Followers: 27)
European Journal of Pain Supplements     Full-text available via subscription   (Followers: 5)
Global Journal of Anesthesiology     Open Access   (Followers: 2)
Headache The Journal of Head and Face Pain     Hybrid Journal   (Followers: 5)
Indian Journal of Anaesthesia     Open Access   (Followers: 7)
Indian Journal of Pain     Open Access   (Followers: 2)
Indian Journal of Palliative Care     Open Access   (Followers: 8)
International Anesthesiology Clinics     Hybrid Journal   (Followers: 9)
International Journal of Clinical Anesthesia and Research     Open Access  
Itch & Pain     Open Access   (Followers: 2)
JA Clinical Reports     Open Access  
Journal Club Schmerzmedizin     Hybrid Journal  
Journal of Anesthesia & Clinical Research     Open Access   (Followers: 10)
Journal of Anaesthesiology Clinical Pharmacology     Open Access   (Followers: 8)
Journal of Anesthesia     Hybrid Journal   (Followers: 13)
Journal of Anesthesia History     Full-text available via subscription   (Followers: 1)
Journal of Anesthesiology and Clinical Science     Open Access   (Followers: 1)
Journal of Cellular and Molecular Anesthesia     Open Access  
Journal of Clinical Anesthesia     Hybrid Journal   (Followers: 13)
Journal of Critical Care     Hybrid Journal   (Followers: 42)
Journal of Headache and Pain     Open Access   (Followers: 3)
Journal of Neuroanaesthesiology and Critical Care     Open Access   (Followers: 3)
Journal of Neurosurgical Anesthesiology     Hybrid Journal   (Followers: 8)
Journal of Obstetric Anaesthesia and Critical Care     Open Access   (Followers: 22)
Journal of Pain     Hybrid Journal   (Followers: 19)
Journal of Pain and Symptom Management     Hybrid Journal   (Followers: 45)
Journal of Pain Research     Open Access   (Followers: 10)
Journal of Palliative Care     Full-text available via subscription   (Followers: 20)
Journal of Society of Anesthesiologists of Nepal     Open Access   (Followers: 2)
Journal of the Bangladesh Society of Anaesthesiologists     Open Access  
Jurnal Anestesi Perioperatif     Open Access  
Jurnal Anestesiologi Indonesia     Open Access  
Karnataka Anaesthesia Journal     Open Access   (Followers: 2)
Le Praticien en Anesthésie Réanimation     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Local and Regional Anesthesia     Open Access   (Followers: 8)
Medical Gas Research     Open Access   (Followers: 3)
Medycyna Paliatywna w Praktyce     Open Access   (Followers: 1)
OA Anaesthetics     Open Access   (Followers: 3)
Open Anesthesia Journal     Open Access  
Open Journal of Anesthesiology     Open Access   (Followers: 10)
Pain     Hybrid Journal   (Followers: 61)
Pain Clinic     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Pain Management     Hybrid Journal   (Followers: 18)
Pain Medicine     Hybrid Journal   (Followers: 13)
Pain Research and Management     Open Access   (Followers: 7)
Pain Research and Treatment     Open Access   (Followers: 2)
Pain Studies and Treatment     Open Access   (Followers: 2)
Research and Opinion in Anesthesia and Intensive Care     Open Access   (Followers: 3)
Revista Chilena de Anestesia     Open Access   (Followers: 1)
Revista Colombiana de Anestesiología     Open Access   (Followers: 1)
Revista Cubana de Anestesiología y Reanimación     Open Access   (Followers: 1)
Revista da Sociedade Portuguesa de Anestesiologia     Open Access  
Revista Española de Anestesiología y Reanimación     Hybrid Journal  
Revista Española de Anestesiología y Reanimación (English Edition)     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Romanian Journal of Anaesthesia and Intensive Care     Open Access   (Followers: 1)
Saudi Journal of Anaesthesia     Open Access   (Followers: 7)
Scandinavian Journal of Pain     Hybrid Journal   (Followers: 1)
Southern African Journal of Anaesthesia and Analgesia     Open Access   (Followers: 8)
Sri Lankan Journal of Anaesthesiology     Open Access   (Followers: 2)
Survey of Anesthesiology     Full-text available via subscription   (Followers: 12)
Techniques in Regional Anesthesia and Pain Management     Hybrid Journal   (Followers: 11)
Topics in Pain Management     Full-text available via subscription   (Followers: 2)
Trends in Anaesthesia and Critical Care     Full-text available via subscription   (Followers: 23)

           

Similar Journals
Journal Cover
Brazilian Journal of Anesthesiology
Journal Prestige (SJR): 0.32
Citation Impact (citeScore): 1
Number of Followers: 5  

  This is an Open Access Journal Open Access journal
ISSN (Print) 0034-7094
Published by Elsevier Homepage  [3201 journals]
  • Tutorial para execução de revisões sistemáticas e metanálises com
           estudos de intervenção em anestesia

    • Abstract: Publication date: Available online 2 February 2019Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Fabiano Timbó Barbosa, Amanda Bastos Lira, Olavo Barbosa de Oliveira Neto, Leyna Leite Santos, Isabelle Oliveira Santos, Luciano Timbó Barbosa, Marina Viegas Moura Rezende Ribeiro, Célio Fernando de Sousa‐RodriguesResumoJustificativa e objetivoA revisão sistemática de ensaios clínicos randomizados é crucial para avaliar a segurança e a efetividade das intervenções médias. O objetivo deste artigo é apresentar um tutorial para o planejamento e execução de revisões sistemáticas e metanálises de estudos de ensaios clínicos randomizados.ConteúdoA revisão sistemática da literatura é o tipo de pesquisa que organiza, critica e integra as evidências disponíveis publicadas na áera da saúde. A sistematização leva a menos tendenciosidades, entretanto a qualidade das revisões sistemáticas nem sempre pode ser percebida devido à forma como têm sido descritas nos artigos. A informação divulgada nos artigos nem sempre está livre de tendenciosidades. Os passos para a revisão sistemática incluem o delineamento, o registro do protocolo, a execução, a análise matamática dos resultados e a divulgação. O Prisma statment melhorou a qualidade dos relatos das revisões sistemáticas, fornece uma lista de itens a serem descritos e este artigo enfatiza os principais passos para a execução de uma revisão sistemática de intervenção.ConclusãoA evidência gerada por meio de uma revisão sistemática pode propiciar ao clínico maior confiança na tomada de decisões no momento da prática clínica, aprimorar os benefícios aos seus pacientes e servir como ferramenta para auxiliar os gestores na tomada de decisões quanto à implantação de novas estratégias em prol da saúde da população. Background and objectiveThe systematic review of randomized clinical trials is crucial to assess the safety and effectiveness of intermediate procedures. The objective of this article is to present a tutorial for the planning and execution of systematic review and meta‐analysis of randomized clinical trial studies.ContentThe systematic literature review is the type of research that organizes, criticizes, and integrates available evidence published in the health field. Systematization leads to less bias, however, the quality of systematic reviews may not always be perceived due to the way it is described in the articles. The information disclosed in the articles is not always free of bias. The steps for carrying out a systematic review include design, protocol registration, implementation, mathematical analysis of results, and dissemination. PRISMA statement has improved the quality of systematic review reports by providing a list of items to be described, and this article emphasizes the key steps for performing a systematic review of interventions.ConclusionThe evidence generated through a systematic review can provide the clinician with greater confidence in decision making at the moment of clinical practice and optimize the benefits to his patients, serving as a tool to assist managers in making decisions regarding the implementation of new strategies in favor of the public health.
       
  • Fatores de risco para hipotermia pós‐operatória em sala de
           recuperação pós‐anestésica: estudo piloto prospectivo de
           prognóstico

    • Abstract: Publication date: Available online 23 January 2019Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Fabrício Tavares Mendonça, Marcelo Cabral de Lucena, Raul Silva Quirino, Catia Sousa Govêia, Gabriel Magalhaes Nunes GuimarãesResumoJustificativaA hipotermia ocorre em até 20% dos pacientes no perioperatório. A monitoração sistemática pós‐operatória da temperatura não é um padrão de atendimento no Brasil e há poucas publicações sobre recuperação da temperatura na sala de recuperação pós‐anestésica.Desenho e cenárioEstudo multicêntrico, observacional, transversal, conduzido no Hospital de Base do Distrito Federal e no Hospital Materno Infantil de Brasília.MétodosNa admissão e alta da sala de recuperação pós‐anestesia, os pacientes submetidos a procedimentos cirúrgicos eletivos ou de urgência foram avaliados de acordo com a temperatura timpânica, os sinais vitais, os eventos adversos perioperatórios, o tempo de permanência na sala de recuperação pós‐anestesia e o tempo de internação hospitalar.ResultadosSetenta e oito pacientes com idades entre 18 e 85 anos foram avaliados. A incidência de temperatura
       
  • Reflexo trigêmino‐cardíaco tardio após cirurgia
           buco‐maxilo‐facial

    • Abstract: Publication date: Available online 18 January 2019Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Alexandre Almeida Guedes, Felipe Ladeira Pereira, Eric Guimarães Machado, Marcello Fonseca Salgado Filho, Leandro Fellet Miranda Chaves, Fernando de Paiva AraújoResumoJustificativaO reflexo trigêmino‐cardíaco é um fenômeno fisiológico passível de ocorrer em cirurgias da cabeça e pescoço e é normalmente benigno. Contudo, pode apresentar respostas exageradas, com grave morbidade.Relato de casoPaciente masculino, 26 anos, candidato a tratamento cirúrgico de fratura do complexo zigomático‐orbitário. Ato cirúrgico sem intercorrências com tamponamento nasal bilateral ao final. Após admitido na sala de recuperação pós‐anestésica, queixou‐se de “falta de ar” e náusea. A oximetria de pulso caiu abaixo 90% em ar ambiente e foi ofertado então o2 a 100% sob máscara de Hudson. Não houve melhoria da oximetria e apresentou piora da dispneia, com sibilos difusos, redução da frequência cardíaca e da pressão arterial. Administrada atropina, que elevou a frequência cardíaca, mas sem resolução da hipotensão arterial e broncoespasmo. Aventamos a hipótese de reflexo trigêmino‐cardíaco e então foi feita a remoção do tamponamento nasal com remissão completa dos sinais e sintomas.DiscussãoFlorian Kratschmer (1870) foi o primeiro a descrever as influências de reflexos da mucosa nasal na respiração e na circulação, o que ficou conhecido como reflexo de Kratschmer. Trata‐se de um arco reflexo cuja aferência é originária nas terminações nervosas do nervo trigêmeo. A apresentação clínica do reflexo trigêmino‐cardíaco é a ocorrência de súbita bradicardia, hipotensão, apneia e hipermotilidade gástrica.ConclusãoO reflexo trigêmino‐cardíaco pode ser uma resposta neurogênica protetiva, oxigênio‐conservadora, de baixa morbidade, contudo exacerbada em determinadas situações. A interação entre cirurgião e anestesiologista, aliada à monitoração criteriosa da pressão arterial e do ritmo cardíaco, é fundamental para o diagnóstico e o tratamento. BackgroundTrigeminocardiac reflex is a physiological phenomenon that may occur in head and neck surgery, and is usually benign. However, it may present with exaggerated responses with severe morbidity.Case reportMale patient, 26 years old, candidate for surgical treatment of zygomatic‐orbital complex fracture. The surgery with bilateral nasal packing placed at the end of the procedure was uneventful. After being admitted to the post‐anesthesia care unity, the patient complained of shortness of breath and nausea. Pulse oximetry fell below 90% in ambient air, and 100% O2 was then offered through a Hudson mask. He showed no improvement in oximetry and developed a worsening dyspnea, diffuse wheezing, reduced heart rate, and blood pressure. Atropine was given, which raised the heart rate, but without resolution of hypotension and bronchospasm. Our suspicion was of a trigeminal‐cardiac reflex, and then the removal of the nasal packing was done with complete remission of the signs and symptoms.DiscussionFlorian Kratschmer (1870) was the first to describe the influences of nasal mucosal reflexes on respiration and circulation, which became known as Kratschmer's reflex. It is a reflex arc whose afferent originates in the nerve endings of the trigeminal nerve. The clinical presentation of trigeminocardiac reflex is the occurrence of sudden bradycardia, hypotension, apnea, and gastric hypermotility.ConclusionTrigeminocardiac reflex may be a protective neurogenic, oxygen‐conserving response with low morbidity, however, exacerbated in certain situations. The interaction between surgeon and anesthesiologist, together with a careful monitoring of blood pressure and heart rate are fundamental for diagnosis and treatment.
       
  • Retenção do conhecimento após treinamento de ultrassonografia cardíaca
           focalizada: estudo‐piloto prospectivo de coorte

    • Abstract: Publication date: Available online 18 January 2019Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Glenio B. Mizubuti, Rene V. Allard, Anthony M.‐H. Ho, Louie Wang, Theresa Beesley, Wilma M. Hopman, Rylan Egan, Devin Sydor, Dale Engen, Tarit Saha, Robert C. TanzolaResumoJustificativa e objetivosA ultrassonografia cardíaca no local de atendimento (USCLA) provou ser importante para orientar o processo de tomada de decisão clínica dos anestesiologistas. Treinar os residentes para fazer e interpretar uma USCLA é viável e eficaz. No entanto, o grau de retenção do conhecimento após o treinamento permanece um assunto de debate. Procuramos fornecer uma descrição do currículo de quatro semanas do treinamento de USCLA e avaliar a retenção do conhecimento entre os residentes de anestesia seis meses após a rotação em USCLA.MétodosUma análise prospectiva foi feita com 11 residentes seniores de anestesia. No fim da rotação em USCLA, os participantes preencheram um questionário (avaliaram o número de exames ultrassonográficos concluídos, o conhecimento adquirido e o nível de conforto dos residentes com a USCLA) e fizeram um exame de múltipla escolha para USCLA, composto por perguntas escritas e baseadas em vídeo. Seis meses depois, os participantes preencheram um questionário de acompanhamento e um exame similar. A autoavaliação do conhecimento e os escores do exame foram comparados no fim da rotação e após seis meses. Correlações de Spearman foram usadas para testar a relação entre o número de exames concluídos e os escores dos exames, o conhecimento percebido e os escores dos exames e o número de exames e o conhecimento percebido.ResultadosOs escores médios dos exames (50) foram: 44,1 no fim da rotação e 43 após seis meses. Os residentes tiveram conhecimento percebido significativamente maior (10) no fim da rotação (8,0) do que após seis meses (5,5), p = 0,003. No fim da rotação, todos os estagiários se sentiram confortáveis ao usar o aparelho de USCLA e, aos seis meses, 10/11 ainda se sentiam confortáveis. Todos os estagiários haviam usado o USCLA em sua prática clínica após o fim da rotação e a razão mais citada para não usar o USCLA com mais frequência foi a falta de necessidade clínica percebida. Uma correlação forte e estatisticamente significativa (rho = 0,804, p = 0,005) foi observada entre o número de exames feitos durante a rotação em USCLA e o conhecimento percebido em seis meses de seguimento.ConclusãoQuatro semanas de treinamento intensivo de USCLA resultaram em aquisição e retenção adequadas do conhecimento por seis meses. Background and objectivesFocused Cardiac Ultrasound (FoCUS) has proven instrumental in guiding anesthesiologists’ clinical decision‐making process. Training residents to perform and interpret FoCUS is both feasible and effective. However, the degree of knowledge retention after FoCUS training remains a subject of debate. We sought to provide a description of our 4‐week FoCUS curriculum, and to assess the knowledge retention among anesthesia residents at 6 months after FoCUS rotation.MethodsA prospective analysis involving eleven senior anesthesia residents was carried out. At end of FoCUS Rotation (EOR) participants completed a questionnaire (evaluating the number of scans completed and residents’ self‐rated knowledge and comfort level with FoCUS), and a multiple‐choice FoCUS exam comprised of written‐ and video‐based questions. Six months later, participants completed a follow‐up questionnaire and a similar exam. Self‐rated knowledge and exam scores were compared at EOR and after 6 months. Spearman correlations were conducted to test the relationship between number of scans completed and exam scores, perceived knowledge and exam scores, and number of scans and perceived knowledge.ResultsMean exam scores (out of 50) were 44.1 at EOR and 43 at the 6‐month follow‐up. Residents had significantly higher perceived knowledge (out of 10) at EOR (8.0) than at the 6‐month follow‐up (5.5), p = 0.003. At the EOR, all trainees felt comfortable using FoCUS, and at 6 months 10/11 still felt comfortable. All the trainees had used FoCUS in their clinical practice after EOR, and the most cited reason for not using FoCUS more frequently was the lack of perceived clinical need. A strong and statistically significant (rho = 0.804, p = 0.005) correlation between number of scans completed during the FoCUS rotation and 6‐month follow‐up perceived knowledge was observed.ConclusionFour weeks of intensive FoCUS training results in adequate knowledge acquisition and 6‐month knowledge retention.
       
  • A adição de dexmedetomidina à bupivacaína em bloqueio paravertebral
           guiado por ultrassom potencializa o alívio da dor pós‐operatória em
           pacientes submetidos à toracotomia

    • Abstract: Publication date: Available online 18 January 2019Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Cihangir Biçer, Esra Nur Ünalan, Recep Aksu, Ömer Önal, Işın GüneşResumoJustificativa e objetivoO bloqueio paravertebral torácico é uma técnica regional opcional para o alívio da dor pós‐toracotomia, deste modo diminui o consumo de opioides, náuseas e vômitos no pós‐operatório, tontura, depressão respiratória e custos com saúde. O objetivo deste estudo foi investigar os efeitos de bupivacaína isolada e bupivacaína + dexmedetomidina no escore de dor pós‐operatória e no consumo de analgésicos em pacientes submetidos à toracotomia sob bloqueio paravertebral guiado por ultrassom.Material e métodoForam incluídos no estudo 93, ASA I–II, entre 18 e 65 anos, e programados para cirurgia torácica. Antes da indução anestésica, o procedimento de bloqueio paravertebral foi feito por um anestesista com o uso de ultrassom. Os casos foram estratificados aleatoriamente em três grupos. O procedimento de bloqueio paravertebral foi feito com injeção de 20 mL de bupivacaína a 0,5% no Grupo B (n = 31) e de 20 mL de bupivacaína a 0,5% + 1 mL de dexmedetomidina (100 μg) no Grupo BD. O Grupo C recebeu morfina intravenosa via analgesia controlada pelo paciente sem bloqueio paravertebral. Os escores de dor pós‐operatória foram registrados na sala de recuperação e no pós‐operatório com a escala VAS. Parâmetros hemodinâmicos, efeitos adversos e consumo de morfina também foram registrados.ResultadosNão houve diferença significativa entre os grupos B e C em relação a efeitos adversos intraoperatórios, como bradicardia e hipotensão, enquanto esses efeitos adversos foram significativamente maiores no Grupo BD (p = 0,04). Os escores VAS em repouso e movimento foram significativamente menores no Grupo BD em relação ao Grupo C (p < 0,001). O consumo total de morfina foi significativamente menor nos grupos B e BD em comparação com o Grupo C (p < 0,001). No Grupo BD, a frequência cardíaca e a pressão arterial média foram menores, mas esse resultado não foi clinicamente significativo (p < 0,05).ConclusãoA adição de dexmedetomidina à bupivacaína reduz os escores de dor pós‐operatória e o consumo de morfina em pacientes submetidos à toracotomia sob bloqueio paravertebral guiado por ultrassom. Background and objectiveThoracic paravertebral blockade is an alternative regional technique for comforting post‐thoracotomy pain, thereby decreasing opioid consumption, postoperative nausea and vomiting, dizziness, respiratory depression and health care costs. The objective of this study was to investigate the effects of bupivacaine and bupivacaine plus dexmedetomidine on postoperative pain score and analgesic consumption in thoracotomy patients who had undergone ultrasonography‐guided paravertebral blockade.Material and method93 ASA I–II patients aged 18–65 years were included in the study and scheduled for thoracic surgery. Prior to anesthesia induction, the paravertebral blockade procedure was performed by an anesthetist with ultrasonography. Cases were randomly stratified into three groups. The paravertebral blockade procedure was performed with 20 mL 0.5% bupivacaine injection in Group B (n = 31) and 20 mL 0.5% bupivacaine + 1 mL dexmedetomidine (100 μg) injection in Group BD. Group C received postoperative i.v. morphine via patient‐controlled analgesia without paravertebral blockade. Post‐operative pain scores were recorded in the recovery room and post‐operatively using a VAS. Hemodynamic parameters, adverse effects and morphine consumption were also recorded.ResultsNo significant difference was determined between Group B and Group C regarding intra‐operative adverse effects such as bradicardia and hypotension, while these adverse effects were significantly higher in Group BD (p = 0.04). VAS scores with rest and upon movement were significantly lower in Group BD compared to Group C (p 
       
  • Efeito de acetaminofeno versus fentanil intravenosos sobre a dor após
           litotripsia transuretral

    • Abstract: Publication date: Available online 15 January 2019Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Seyed Mohammad Zolhavarieh, Seyed Habibollah Mousavi‐Bahar, Maede Mohseni, Amir Hossein Emam, Jalal Poorolajal, Faeze MajzoubiResumoJustificativaA dor pós‐operatória é a complicação mais comum no período pós‐operatório. Este estudo foi feito para avaliar o efeito de acetaminofeno versus fentanil no alívio da dor pós‐operatória em pacientes submetidos a cirurgias urológicas.MétodosEste ensaio clínico foi feito com pacientes cujas idades variou entre 18 e 65 anos. Os pacientes foram randomicamente designados para receber 2.000 mg de acetaminofeno (propacetamol) ou 2 mcg.kg−1 de fentanil por via intravenosa 15 min antes do fim da cirurgia. A dor pós‐operatória foi avaliada a cada seis horas por 24 horas, com a escala visual analógica. A dose total de morfina administrada em 24 horas e o estado hemodinâmico foram avaliados.ResultadosOitenta pacientes foram incluídos no estudo. O escore médio de dor em seis, 12, 18 e 24 horas após a cirurgia foi menor no grupo acetaminofeno do que no grupo fentanil, mas a diferença não foi estatisticamente significativa, exceto em 12 e 18 horas após a cirurgia (p
       
  • A anestesia materna deve atrasar a amamentação' Uma revisão
           sistemática da literatura

    • Abstract: Publication date: Available online 14 January 2019Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Morenna Ramos e Oliveira, Murillo Gonçalves Santos, Débora Alves Aude, Rodrigo Moreira e Lima, Norma Sueli Pinheiro Módolo, Lais Helena Navarro e LimaResumoIntroduçãoA importância e os benefícios do aleitamento materno para os bebês e para as mães estão bem estabelecidos e documentados na literatura. No entanto, é frequente que mães lactantes precisem se submeter à anestesia geral ou raquianestesia e, devido à falta de informações, muitas delas interrompem a amamentação após a anestesia. Existem poucos dados disponíveis sobre a transferência de anestésicos para o leite materno. O objetivo desta revisão foi desenvolver algumas considerações e recomendações com base na literatura disponível.MétodosUma busca sistemática da literatura foi feita com os seguintes bancos de dados em ciências da saúde: Embase, Lilacs, Pubmed, Scopus e Web of Science. A pesquisa bibliográfica mais recente foi feita em 6 de abril de 2018. Uma pesquisa bibliográfica adicional foi feita através do site da Organização Mundial da Saúde. Usamos os seguintes termos para a estratégia de busca: “Anestesia” e “Aleitamento materno” e seus derivados.ResultadosNesta pesquisa, 599 registros foram encontrados e 549 foram excluídos por diferentes razões. Foram incluídos 50 manuscritos, com diferentes modelos de estudo: estudos prospectivos, estudos observacionais retrospectivos, revisões, relatos de casos, ensaios clínicos randômicos, caso‐controle e acesso a sites. Pequenas concentrações da maioria dos agentes anestésicos são transferidas para o leite materno; entretanto, sua administração parece ser segura para mães lactantes quando administrados em dose única durante a anestesia e isso não deve contraindicar o aleitamento materno. Por outro lado, altas doses, administração contínua ou repetida dos fármacos aumentam o risco de efeitos adversos em neonatos e devem ser evitados. Poucas drogas, como diazepam e meperidina, produzem efeitos adversos em bebês amamentados, mesmo quando administradas em doses únicas. Dexmedetomidina parece ser segura se a amamentação começar 24 horas após a interrupção do medicamento.ConclusõesA maioria dos anestésicos é segura para mães que amamentam e oferecem baixo risco para os recém‐nascidos amamentados quando a administração é em dose única. No entanto, altas doses e repetidas administrações de drogas aumentam significativamente o risco de efeitos adversos em recém‐nascidos. Além disso, diazepam e meperidina devem ser evitados em mulheres que amamentam. Finalmente, anestesiologistas e pediatras devem considerar o risco‐benefício individual, com atenção especial para os recém‐nascidos prematuros ou bebês com doenças concomitantes, pois são mais suscetíveis a efeitos adversos. IntroductionThe importance and benefits of breastfeeding for the babies and mothers are well established and documented in the literature. However, it is frequent that lactating mothers need to undergo general or spinal anesthesia and, due to the lack of information, many of them interrupt breastfeeding after anesthesia. There are limited data available regarding anesthetics transfer to breast milk. This review aims to develop some considerations and recommendations based on available literature.MethodsA systematic search of the literature was conducted by using the following health science databases: Embase, Lilacs, Pubmed, Scopus, and Web of Science. The latest literature search was performed on April 6th, 2018. Additional literature search was made via the World Health Organization's website. We used the following terms for the search strategy: “Anesthesia” and “Breastfeeding”, and their derivatives.ResultsIn this research, 599 registers were found, and 549 had been excluded by different reasons. Fifty manuscripts have been included, with different designs of studies: prospective trials, retrospective observational studies, reviews, case reports, randomized clinical trials, case–control, and website access. Small concentrations of the most anesthetic agents, are transferred to the breast milk; however, their administration seem to be safe for lactating mothers when administered as a single dose during anesthesia and this should not contraindicate the breastfeeding. On the other hand, high‐doses, continuous or repeated administration of drugs increase the risk of adverse effects on neonates, and should be avoided. Few drugs, such as diazepam and meperidine, produce adverse effects on breastfed babies even in single doses. Dexmedetomidine seems to be safe if breastfeeding starts 24 h after discontinuation of the drug.ConclusionsMost of the anesthetic drugs are safe for nursing mothers and offer low risk to the breastfed neonates when administered in single‐dose. However, high‐dose and repeated administration of drugs significantly increase the risk of adverse effects on neonates. Moreover, diazepam and meperidine should be avoided in nursing women. Finally, anesthesiologists and pediatricians should consider individual risk/benefit, with special attention to premature neonates or babies with concurrent diseases since they are more susceptible...
       
  • Buscando o motivo da instabilidade hemodinâmica: o papel do ultrassom
           intraoperatório – Relato de caso

    • Abstract: Publication date: Available online 14 January 2019Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Ángel Becerra, Héctor Trujillo, Lucía Valencia, Aurelio Rodríguez‐PérezResumoJustificativa e objetivosO atendimento rápido e eficaz do paciente traumatizado é necessário. O objetivo deste relato de caso foi destacar a importância do ecocardiograma intraoperatório como uma ferramenta útil em pacientes que sofrem de instabilidade hemodinâmica refratária sem explicação aparente.Relato de casoUma mulher de 41 anos sofreu um acidente de automóvel. No departamento de emergência, nenhuma anormalidade foi encontrada no ECG ou na radiografia de tórax. Uma ultrassonografia abdominal revelou a presença de líquido livre no abdome e a paciente foi submetida à laparotomia exploradora de urgência. No entanto, a paciente continuou a apresentar hipotensão arterial e acidose metabólica. Na busca pelo motivo de sua instabilidade hemodinâmica, um ecocardiograma transtorácico foi feito no período intraoperatório e constatou a presença de derrame pericárdico. Após a remoção dos coágulos pericárdicos pelo cirurgião cardíaco, a condição da paciente melhorou clínica e analiticamente.Conclusão: Todo anestesiologista deve saber usar o ecocardiograma intraoperatório como ferramenta eficaz para estabelecer as medidas adequadas para promover a sobrevida de pacientes com traumatismos graves. Background and objectivesA prompt and effective management of trauma patient is necessary. The aim of this case report is to highlight the importance of intraoperative echocardiography as a useful tool in patients suffering from refractory hemodynamic instability no otherwise explained.Case reportA 41 year‐old woman suffered a car accident. At the emergency department, no abnormalities were found in ECG or chest X‐ray. Abdominal ultrasound revealed the presence of abdominal free liquid and the patient was submitted to urgent exploratory laparotomy. Nevertheless, she persisted suffering arterial hypotension and metabolic acidosis. Looking for the reason of her hemodynamic instability, intraoperative transthoracic echocardiography was performed, finding out the presence of pericardial effusion. Once the cardiac surgeon extracted pericardial clots, patient's situation improved clinically and analytically.ConclusionEvery anesthesiologist should be able to use the intraoperative echocardiography as an effective tool in order to establish the appropriate measures to promote the survival of patients suffering severe trauma.
       
  • Pré‐condicionamento com dexmedetomidina protege contra lesão pulmonar
           em ratos com choque hemorrágico

    • Abstract: Publication date: Available online 14 January 2019Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Lei Zhang, Wei Wang, Qian‐Qian Qiao, Xue‐Shan Bu, Ling‐Hua Tang, Yi‐Fan Jia, Zhong‐Yuan Xia, Qing‐Tao MengResumoJustificativa e objetivosDexmedetomidina demonstrou efeitos protetores contra a lesão pulmonar in vitro. Neste estudo, investigamos se o pré‐condicionamento com dexmedetomidina protege contra a lesão pulmonar em ratos com choque hemorrágico.MétodosRatos machos, Sprague‐Dawley, foram aleatoriamente divididos em quatro grupos (n = 8): grupo controle, grupo com choque hemorrágico, grupo com 5 μg.kg−1 de dexmedetomidina (DEX1) e grupo com 10 μg.kg−1 de dexmedetomidina (DEX2). Solução salina ou dexmedetomidina foi administrada durante 20 minutos. Trinta minutos após a injeção, a hemorragia foi iniciada nos grupos choque hemorrágico, DEX1 e DEX2. Quatro horas após a ressuscitação, a proteína e o conteúdo celular no lavado broncoalveolar e a histopatologia pulmonar foram medidos. Malondialdeído, superóxido dismutase, Bcl‐2, Bax e caspase‐3 também foram testados no tecido pulmonar.ResultadosNa comparação com o grupo choque hemorrágico, o pré‐tratamento com 5 ug.kg−1 de dexmedetomidina reduziu a apoptose (2,25 ± 0,24 vs. 4,12 ± 0,42%, p 
       
  • YouTube como fonte informativa de bloqueios do plexo braquial: avaliação
           de conteúdo e valor educativo

    • Abstract: Publication date: Available online 8 January 2019Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Onur Selvi, Serkan Tulgar, Ozgur Senturk, Deniz I. Topcu, Zeliha OzerResumoJustificativa e objetivosO YouTube, site de compartilhamento de vídeos mais popular, contém um número significativo de vídeos médicos, inclusive bloqueios do plexo braquial. Apesar do uso generalizado dessa plataforma como fonte de informação médica, não há regulamentação para a qualidade ou o conteúdo dos vídeos. O objetivo deste estudo foi avaliar o conteúdo do material no YouTube relevante para o desempenho do bloqueio do plexo braquial e sua qualidade como fonte de informação visual digital.MétodosA pesquisa no YouTube foi feita com palavras‐chave associadas ao bloqueio do plexo braquial e, de 374 vídeos, 86 foram incluídos na lista de observação. Os avaliadores classificaram os vídeos separadamente, de acordo com os questionários. O questionário‐1 (Q1) foi preparado de acordo com as diretrizes da ASRA/Miller's Anesthesia como livro de referência e o Questionário‐2 (Q2) foi formulado com uma modificação dos critérios em Avaliação de Diretrizes para Mídia de Vídeo.ResultadosForam avaliados 72 vídeos sobre bloqueios guiados por ultrassom e 14 vídeos sobre bloqueios com estimulador de nervos. No Q1, para os vídeos que apresentavam bloqueios guiados por ultrassom, os menores escores foram para Q1–5 (1,38) em relação às complicações e os maiores escores foram para Q1–13 (3,30) em relação à imagem sonoanatômica. Nos vídeos que apresentaram bloqueios com estimulador de nervos, os menores e os maiores escores foram dados para Q1–7 (1,64) em relação ao equipamento e Q1–12 (3,60) em relação à explicação das contrações musculares, respectivamente. No Q2, 65,3% dos bloqueios guiados por ultrassom e 42,8% dos bloqueios com estimulador de nervos apresentaram escores abaixo de satisfatórios.ConclusõesA maioria dos vídeos examinados para este estudo carece da abordagem abrangente necessária para orientar com segurança as pessoas que buscam informações sobre o bloqueio do plexo braquial. Background and objectivesYouTube, the most popular video‐sharing website, contains a significant number of medical videos including brachial plexus nerve blocks. Despite the widespread use of this platform as a medical information source, there is no regulation for the quality or content of the videos. The goals of this study are to evaluate the content of material on YouTube relevant to performance of brachial plexus nerve blocks and its quality as a visual digital information source.MethodsThe YouTube search was performed using keywords associated with brachial plexus nerve blocks and the final 86 videos out of 374 were included in the watch list. The assessors scored the videos separately according to the Questionnaires. Questionnaire‐1 (Q1) was prepared according to the ASRA guidelines/Miller's Anesthesia as a reference text book, and Questionnaire‐2 (Q2) was formulated using a modification of the criteria in Evaluation of Video Media Guidelines.Results72 ultrasound‐guided and 14 nerve‐stimulator guided block videos were evaluated. In Q1, for ultrasound‐guided videos, the least scores were for Q1–5 (1.38) regarding the complications, and the greatest scores were for Q1–13 (3.30) regarding the sono‐anatomic image. In videos with nerve stimulator, the lowest and the highest scores were given for Q1–7 (1.64) regarding the equipment and Q1–12 (3.60) regarding the explanation of muscle twitches respectively. In Q2, 65.3% of ultrasound‐guided and 42.8% of blocks with nerve‐stimulator had worse than satisfactory scores.ConclusionsThe majority of the videos examined for this study lack the comprehensive approach necessary to safely guide someone seeking information about brachial plexus nerve blocks.
       
  • Bloqueio combinado raquiperidural para analgesia de parto. Estudo
           comparativo com bloqueio peridural contínuo

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Angélica de Fátima de Assunção Braga, Vanessa Henriques Carvalho, Franklin Sarmento da Silva Braga, Rosa Inês Costa PereiraResumoIntroduçãoO bloqueio peridural lombar constitui técnica eficaz e rotineiramente empregada para alívio da dor do parto e o bloqueio combinado raquiperidural tem como benefícios o emprego de doses menores de anestésicos locais e rápido início de analgesia. O objetivo do estudo foi avaliar comparativamente a eficácia e a segurança de duas técnicas anestésicas: bloqueio combinado raquiperidural e peridural contínua em grávidas submetidas à analgesia de parto.MétodoOitenta gestantes, ASA 2 e 3, apresentação cefálica e dilatação cervical entre cinco e seis centímetros, submetidas à analgesia de parto, distribuídas em dois grupos de acordo com a técnica anestésica: técnica combinada raquiperidural (GI) e peridural contínua (GII). Avaliaram‐se: intensidade de dor antes do bloqueio; tempo para completa analgesia; grau do bloqueio motor; tempo para dilatação cervical total; duração do 2° estágio do trabalho de parto; intensidade de dor durante o 1° e o 2° estágio do trabalho de parto; tipo de parto; uso de ocitocina durante trabalho de parto; parâmetros cardiocirculatórios, respiratórios e eventos adversos maternos; repercussões neonatais.ResultadosNo momento da anestesia a intensidade de dor era semelhante em ambos os grupos. O alívio da dor foi mais rápido no GI (4,5 ± 1,5 min) quando comparado com o GII (11,6 ± 4,6 min) p = 0,01; os escores de dor no primeiro e segundo estágios de parto foram menores no GI (0,9 ± 0,3) e (1,8 ± 0,7) quando comparados com o GII (1,9 ± 0,6) e (2,2 ± 0,5) com p = 0,01 somente no primeiro estágio de trabalho de parto; houve necessidade de complementação com anestésicos locais no GII; partos espontâneos mais frequentes em GI (80% das pacientes) do que em GII (50%) p = 0,045 e instrumentais mais frequentes (p = 0,03) em GII (12 pacientes) quando comparadas com o GI (quatro pacientes); a frequência de partos cesáreos foi significativamente maior (p = 0,02) no Grupo II do que no Grupo I, quatro casos no GI e oito no GII; ausência de alterações cardiocirculatórias e respiratórias maternas e repercussões neonatais; prurido mais frequente no GI (10 pacientes) e (0 paciente no GII) p = 0,02.ConclusãoO bloqueio combinado mostrou‐se eficaz com melhor qualidade de analgesia e maior conforto às gestantes, constitui boa opção para a prática de analgesia obstétrica. IntroductionLumbar epidural block is an effective and routinely used technique for labor pain relief, and the combined spinal‐epidural block has the benefit of using lower doses of local anesthetics and rapid onset of analgesia. The objective of this study was to evaluate the effectiveness and safety of two anesthetic techniques: combined spinal‐epidural block and continuous epidural block in pregnant women for labor analgesia.MethodsEighty patients, ASA II and III, with cephalic presentation and cervical dilation between 5 and 6 centimeters, undergoing labor analgesia, allocated in two groups according to the anesthetic technique: combined spinal‐epidural (GI) and continuous epidural (GII). Pain severity before the blockade, time to complete analgesia, degree of motor blockade, time to full cervical dilation, duration of the second stage of labor, pain severity during the 1st and 2nd stage of labor, type of delivery, use of oxytocin during labor, maternal cardiocirculatory and respiratory parameters and adverse events, and neonatal repercussions were recorded.ResultsAt the time of anesthesia, pain severity was similar in both groups. Pain relief was faster in GI (4.5 ± 1.5 min) when compared to GII (11.6 ± 4.6 min) p = 0.01; pain scores in the first and second stages of delivery were lower in GI (0.9 ± 0.3 and 1.8 ± 0.7, respectively) when compared to GII (1.9 ± 0.6 and 2.2 ± 0.5, respectively), with p = 0.01 only in the first stage of labor; there was need for local anesthetics supplementation in GII; there were more frequent spontaneous deliveries in GI (80% of patients) than in GII (50%) (p = 0.045) and more frequent use of instrumental (p = 0.03) in GII (12 patients) compared to GI (4 patients); the frequency of cesarean deliveries was significantly higher (p = 0.02) in Group II than in Group I, with 4 cases in GI and 8 cases in GII; absence of maternal cardiocirculatory and respiratory changes and neonatal repercussions; more frequent pruritus in GI (10 patients) and (0 patients in GII) (p = 0.02).ConclusionThe combined blockade proved to be effective with better quality of analgesia and greater comfort for pregnant women, constituting a good option for the practice of obstetric analgesia.
       
  • Relação entre a proporção neutrófilo/linfócito e a dor
           pós‐operatória em artroplastia total de joelho e quadril

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Nur Canbolat, Mehmet Ilke Buget, Nukhet Sivrikoz, Demet Altun, Suleyman KucukayResumoJustificativa e objetivosA proporção entre neutrófilo/linfócito é um indicador de inflamação simples, custo‐efetivo e de fácil aplicação que vem sendo usado com frequência em estudos de mortalidade, morbidade e prognóstico nos últimos anos. Avaliamos a relação entre a proporção neutrófilo/linfócito e a dor pós‐operatória em pacientes submetidos à artroplastia total de quadril e artroplastia total de joelho.Material e métodosNo total, 101 pacientes que preferiram a raquianestesia e a analgesia venosa controlada pelo paciente foram incluídos e divididos em dois grupos neste estudo: artroplastia total de quadril e artroplastia total de joelho. Os dados demográficos e os tempos de operação, internação hospitalar e consumo de analgésicos e os resultados da proporção neutrófilo/linfócito e da dor pós‐operatória foram registrados usando uma escala visual analógica.ResultadosO consumo de morfina dos pacientes submetidos à artroplastia total de quadril e artroplastia total de joelho nas horas 4, 8, 12, 24 e 45 foi de, respectivamente: 7,38 mg e 7,80 mg; 12,19 mg e 13,29 mg; 16,94 mg e 19,18 mg; 25,97 mg e 27,98 mg; 36,38 mg e 39,59 mg. Os escores obtidos na escala visual analógica dos pacientes submetidos à artroplastia total de quadril e artroplastia total de joelho nas horas 4, 8, 12, 24 e 48 foram, respectivamente: 4,10 e 4,51; 3,02 e 3,43; 2,29 e 2,55; 1,90 e 1,87; 1,08 e 1,13. Na artroplastia total do quadril, uma associação estatisticamente significativa foi encontrada entre a proporção neutrófilo/linfócito no pós‐operatório e os valores da escala visual analógica na 48ª hora em uma direção positiva (r = 0,311; p = 0,031; p
       
  • Efeitos de tramadol, magnésio e cetamina por via intra‐articular sobre
           a dor pós‐operatória em meniscectomia artroscópica

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Nevriye Salman, Bilge Olgunkeleş, Umut Bektaş, Derviş Güner, Meltem Bektas, Şadan Ay, Sumru ŞekerciResumoObjetivoO controle da dor pós‐operatória é importante para recuperação e reabilitação precoces em meniscectomia artroscópica. Portanto, nosso objetivo foi comparar os efeitos de tramadol, magnésio e cetamina administrados por via intra‐articular em associação com bupivacaína pericapsular sobre a dor e a recuperação após meniscectomia artroscópica.MétodosNoventa pacientes submetidos à meniscectomia artroscópica foram incluídos no estudo. O Grupo T recebeu tramadol, o Grupo K recebeu cetamina e o Grupo M recebeu magnésio em doses reconstituídas por via intra‐articular e todos os grupos receberam bupivacaína por via periarticular. As avaliações foram feitas mediante comparação dos escores em escala visual analógica no pós‐operatório dos pacientes em movimento e em repouso, necessidade de analgésicos adicionais, tempo até a primeira necessidade de analgésico, tempo de mobilização, efeitos adversos e satisfação com os analgésicos.ResultadosOs escores da escala visual analógica foram menores no minuto zero e maiores nos minutos 15 e 30 e nas horas 1, 2 e 6 no Grupo T. Os escores da escala visual analógica em movimento foram maiores nos minutos zero e 15 no Grupo M e maiores no minuto 30 e nas horas 1, 2 e 6 no Grupo T. Os escores dos grupos foram semelhantes em relação à necessidade de analgésico adicional no pós‐operatório, ao consumo de analgésico e à satisfação com os analgésicos, mas os tempos até a primeira necessidade de analgesia e até a primeira mobilização foram mais curtos nos grupos M e K, respectivamente.ConclusãoA administração intra‐articular de cetamina permite mobilização precoce e diminui a necessidade de analgésicos adicionais, além de proporcionar um melhor efeito analgésico em comparação com tramadol e magnésio por via intra‐articular. ObjectivePostoperative pain control is important in terms of early recovery and rehabilitation in arthroscopic meniscectomy. For this purpose, we aimed to compare the effects of intraarticular tramadol, magnesium, and ketamine with combinations of pericapsular bupivacaine on postoperative pain and recovery in arthroscopic meniscectomy.MethodsNinety patients who underwent arthroscopic meniscectomy were enrolled in the study. Group T was given tramadol, Group K was given ketamine, and Group M was given magnesium reconstituted intraarticularly, and all groups received periarticular bupivacaine. Comparisons were made in terms of the patients’ postoperative Visual Analogue Scale scores with and without movement, need for additional analgesics, first analgesic time, mobilization times, adverse effects, and satisfaction with the analgesics.ResultsThe Visual Analogue Scale scores were lowest in Group T at 0 minutes, and were higher in the 15th and 30th minutes and 1st, 2nd, and 6th hours. Visual Analogue Scale values with movement were found to be high in Group M at 0 and 15 minutes, but they were found to be higher in group T in the 30th minute, 1st, 2nd and 6th hour. The groups were similar in terms of postoperative additional analgesic use, number of analgesic use, and satisfaction with analgesics; however, the first analgesic time was earlier in Group M, and the first mobilization time was earlier in Group K.ConclusionIntraarticular ketamine enables early mobilization and less need for additional analgesics, it also provides a better analgesic effect in comparison with intraarticular tramadol and magnesium.
       
  • Associação clonidina‐bupivacaína na anestesia peridural caudal para
           cirurgia de hipospádia em crianças: estudo prospectivo, randomizado,
           encoberto

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Ana Cláudia Mota Bonisson, Magda Lourenço Fernandes, Guilherme Freitas Araújo, Fabrício Eduardo Vieira, Luíza Melo Noronha, Renato Santiago GomezResumoJustificativa e objetivosA associação de clonidina ao anestésico local administrado por via peridural caudal parece melhorar a qualidade da analgesia pós‐operatória, mas com resultados conflitantes. Este estudo comparou a analgesia pós‐operatória de três diferentes doses de clonidina associada à bupivacaína na anestesia peridural caudal em crianças submetidas à correção de hipospádia.MétodoOitenta crianças entre um e dez anos, candidatas à correção cirúrgica de hipospádia, foram divididas, aleatoriamente, em quatro grupos de 20 pacientes para receber anestesia geral associada à anestesia peridural caudal com bupivacaína 0,166% isolada ou associada a 1, 2 ou 3 μg.Kg‐1 de clonidina. Como desfecho principal avaliou‐se o consumo de morfina nas primeiras 24 horas de pós‐operatório. Compararam‐se também pressão arterial média, frequência cardíaca, concentração expirada de sevoflurano, tempo de despertar da anestesia, intensidade da dor pela escala FLACC, nível de sedação (Ramsay), tempo de duração da analgesia e ocorrência de efeitos adversos.ResultadosNo transoperatório, não houve diferença entre os grupos quanto à pressão arterial média, frequência cardíaca, concentração expirada de sevoflurano e ao tempo de despertar. No pós‐operatório, o consumo de morfina e a intensidade da dor foram similares entre os grupos, mas o grupo que recebeu 3 μg.Kg‐1 de clonidina apresentou menor frequência cardíaca e maior sedação do que o grupo que recebeu somente bupivacaína.ConclusõesA associação de clonidina nas doses de 1, 2 ou 3 μg.Kg‐1 à bupivacaína 0,166% por via peridural caudal não alterou o consumo de morfina no pós‐operatório imediato de crianças submetidas à correção de hipospádia. Background and objectivesThe combination of clonidine with local anesthetic administered for epidural anesthesia via caudal route seems to improve the quality of postoperative analgesia, but with conflicting results. This study compared the postoperative analgesia of three different doses of clonidine combined with bupivacaine in caudal epidural anesthesia in children undergoing hypospadias repair.MethodsEighty children aged 1 to 10 years, candidates for surgical repair of hypospadias, were randomly divided into four groups of 20 patients to receive general anesthesia combined with caudal epidural anesthesia with bupivacaine 0.165% alone or in combination with 1, 2 or 3 μg.kg‐1 of clonidine. The primary outcome was morphine consumption in the first 24 hours postoperatively. Mean arterial pressure, heart rate, end‐tidal concentration of sevoflurane, time to awakening, pain severity (FLACC scale), level of sedation (RAMSAY), duration of analgesia, and occurrence of adverse effects were also compared.ResultsIntraoperatively, there was no difference between groups regarding mean arterial pressure, heart rate, end‐tidal concentration of sevoflurane, and time to awakening. Postoperative morphine consumption and pain severity were similar between groups, but the group receiving clonidine (3 μg.kg‐1) had lower heart rate and higher sedation level than the group receiving bupivacaine alone.ConclusionsThe combination of clonidine at doses of 1, 2 or 3 μg.kg‐1 with bupivacaine 0.16% via caudal epidural route did not alter the consumption of morphine in the early postoperative period of children undergoing hypospadias repair.
       
  • Avaliação ecocardiográfica transtorácica do débito cardíaco feita
           por médicos da unidade de terapia intensiva em pacientes críticos sob
           ventilação mecânica

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Valentina Bergamaschi, Gian Luca Vignazia, Antonio Messina, Davide Colombo, Gianmaria Cammarota, Francesco Della Corte, Egidio Traversi, Paolo NavalesiResumoJustificativa e objetivosA ecocardiografia transtorácica pode ser potencialmente útil para obter uma estimativa rápida, precisa e não invasiva do débito cardíaco. Avaliamos se os intensivistas não cardiologistas podem obter uma determinação precisa e reprodutível do débito cardíaco em pacientes mecanicamente ventilados e hemodinamicamente instáveis.MétodosAvaliamos 25 pacientes em unidade de terapia intensiva, mecanicamente ventilados, hemodinamicamente instáveis, com cateteres de artéria pulmonar posicionados. O débito cardíaco foi calculado com a técnica de ecocardiografia transtorácica com Doppler pulsátil aplicada à via de saída do ventrículo esquerdo no corte apical (5‐câmaras) por dois médicos intensivistas que receberam treinamento básico em ecocardiografia transtorácica e treinamento específico focado em Doppler, via de saída do ventrículo esquerdo e determinação da integral de tempo‐velocidade.ResultadosA avaliação do débito cardíaco pelo ecocardiograma transtorácico foi factível em 20 dos 25 pacientes inscritos (80%) e mostrou excelente reprodutibilidade entre operadores (teste de correlação de Pearson r = 0,987; K de Cohen = 0,840). No geral, o viés médio foi de 0,03 L.min−1, com limites de concordância de ‐0,52 e +0,57 L.min−1. O coeficiente de correlação de concordância (ρc) foi 0,986 (95% IC 0,966‐0,995) e 0,995 (95% IC 0,986‐0,998) para os médicos 1 e 2, respectivamente. O valor de precisão (Cb) da mensuração de COTTE foi de 0,999 para ambos os observadores. O valor de precisão (ρ) da mensuração de COTTE foi de 0,986 e 0,995 para os observadores 1 e 2, respectivamente.ConclusõesUm treinamento específico focado na determinação do Doppler e VTI, adicionado ao treinamento padrão em ecocardiografia transtorácica básica, permitiu que médicos não cardiologistas da unidade de terapia intensiva obtivessem uma avaliação rápida, reprodutível e precisa do débito cardíaco instantâneo na maioria dos pacientes mecanicamente ventilados em unidade de terapia intensiva. Background and objectivesTransthoracic echocardiography may potentially be useful to obtain a prompt, accurate and non‐invasive estimation of cardiac output. We evaluated whether non‐cardiologist intensivists may obtain accurate and reproducible cardiac output determination in hemodynamically unstable mechanically ventilated patients.MethodsWe studied 25 hemodynamically unstable mechanically ventilated intensive care unit patients with a pulmonary artery catheter in place. Cardiac output was calculated using the pulsed Doppler transthoracic echocardiography technique applied to the left ventricular outflow tract in apical 5 chamber view by two intensive care unit physicians who had received a basic Transthoracic Echocardiography training plus a specific training focused on Doppler, left ventricular outflow tract and velocity‐time integral determination.ResultsCardiac output assessment by transthoracic echocardiography was feasible in 20 out of 25 enrolled patients (80%) and showed an excellent inter‐operator reproducibility (Pearson correlation test r = 0.987; Cohen's K = 0.840). Overall, the mean bias was 0.03 L.min−1, with limits of agreement −0.52 and +0.57 L.min−1. The concordance correlation coefficient (ρc) was 0.986 (95% IC 0.966–0.995) and 0.995 (95% IC 0.986–0.998) for physician 1 and 2, respectively. The value of accuracy (Cb) of COTTE measurement was 0.999 for both observers. The value of precision (ρ) of COTTE measurement was 0.986 and 0.995 for observer 1 and 2, respectively.ConclusionsA specific training focused on Doppler and VTI determination added to the standard basic transthoracic echocardiography training allowed non‐cardiologist intensive care unit physicians to achieve a quick, reproducible and accurate snapshot cardiac output assessment in the majority of mechanically ventilated intensive care unit patients.
       
  • Os efeitos do aquecimento de cristaloides sobre a temperatura corporal
           materna e nas condições fetais: ensaio clínico randômico

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Mehmet Cantürk, Fusun Karbancioglu Cantürk, Nazan Kocaoğlu, Meltem HakkiResumoJustificativa e objetivosA hipotermia ocorre em cerca de 60% dos pacientes sob anestesia e geralmente não é tratada adequadamente durante procedimentos cirúrgicos de curta duração. A hipotermia está associada a desfechos clínicos adversos. O presente estudo teve como objetivo avaliar os efeitos do aquecimento de cristaloides nas condições maternas e fetais em pacientes submetidas à cesariana eletiva com raquianestesia.MétodosNeste estudo prospectivo, randômico e controlado, 60 parturientes agendadas para cesárea eletiva com raquianestesia foram distribuídas aleatoriamente para receber cristaloides à temperatura ambiente ou aquecidos a 37 °C. A raquianestesia foi realizada no interespaço L3–L4 com 10 mg de bupivacaína hiperbárica sem adição de opioides. Temperatura central, tremores e parâmetros hemodinâmicos foram medidos a cada minuto até o décimo minuto e em intervalos de 5 min até o fim da operação. O desfecho primário foi a temperatura central materna ao final da cesárea.ResultadosNão houve diferença nas mensurações basais da temperatura timpânica, mas a diferença foi significativa no fim da operação (p = 0,004). A temperatura central foi de 36,8 ± 0,5 °C na fase basal e diminuiu para 36,3 ± 0,5 °C no grupo com aquecimento isotérmico de cristaloides e a temperatura basal timpânica foi de 36,9 ± 0,4 °C e diminuiu para 35,8 ± 0,7 °C no grupo sem aquecimento das soluções no fim da operação. Tremores foram observados em 43,3% no grupo controle. Alterações nos parâmetros hemodinâmicos e dados demográficos não foram significantes entre os grupos.ConclusõesO aquecimento isotérmico de cristaloides previne a redução da temperatura central durante a cesariana com raquianestesia em parturientes a termo. Os escores de Apgar para os fetos no primeiro e quinto minutos são maiores com o aquecimento isotérmico. Background and objectivesHypothermia occurs in about 60% of patients under anesthesia and is generally not managed properly during short lasting surgical procedures. Hypothermia is associated with adverse clinical outcomes. The current study is designed to assess the effects of crystalloid warming on maternal and fetal outcomes in patients undergoing elective cesarean section with spinal anesthesia.MethodsIn this prospective randomized controlled trial, sixty parturients scheduled for elective cesarean section with spinal anesthesia were randomly allocated to receive crystalloid at room temperature or warmed at 37 °C. Spinal anesthesia was performed at L3–L4 interspace with 10 mg of hyperbaric bupivacaine without adding opioids. Core temperature, shivering, and hemodynamic parameters were measured every minute until 10th minute and 5‐min intervals until the end of operation. The primary outcome was maternal core temperature at the end of cesarean section.ResultsThere was no difference for baseline tympanic temperature measurements but the difference was significant at the end of the operation (p = 0.004). Core temperature was 36.8 ± 0.5 °C at baseline and decreased to 36.3 ± 0.5 °C for isothermic warmed crystalloid group and baseline tympanic core temperature was 36.9 ± 0.4 °C and decreased to 35.8 ± 0.7 °C for room temperature group at the end of the operation. Shivering was observed in 43.3% in the control group. Hemodynamic parameter changes and demographic data were not significant between groups.ConclusionsIsothermic warming crystalloid prevents the decrease in core temperature during cesarean section with spinal anesthesia in full‐term parturients. Fetal Apgar scores at first and fifth minute are higher with isothermic warming.
       
  • Bloqueios seletivos guiados por ultrassom para cirurgias de dedo em
           gatilho para manutenção da flexão/extensão dos dedos – Série de
           casos

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Fernanda Moreira Gomes Mehlmann, Leonardo Henrique Cunha Ferraro, Paulo César Castello Branco de Sousa, Graziella Prianti Cunha, Esthael Cristina Querido Avelar Bergamaschi, Alexandre TakedaResumoJustificativaA capacidade de um paciente mover os dedos durante a cirurgia da mão pode ser útil para o cirurgião porque permite a avaliação da eficácia da intervenção e a predição da função da mão no pós‐operatório. O objetivo desta série de casos é demonstrar a eficácia de uma técnica de bloqueio de nervo periférico guiado por ultrassom na manutenção da função motora dos músculos flexores e extensores da mão e discutir os benefícios da técnica para cirurgias de liberação de dedo em gatilho.Relato de casoForam selecionados 10 pacientes em programação para cirurgia de liberação de dedo em gatilho. O objetivo era manter a flexão e a extensão dos dedos durante o procedimento. Dessa forma, o bloqueio dos nervos ulnar, radial e mediano, guiados por ultrassom, foi feito no terço distal do antebraço, 5 a 7 cm proximais ao punho. O bloqueio foi feito com 5 mL de bupivacaína a 0,375% em cada nervo. Todos os procedimentos foram feitos sem complicações e com manutenção da flexão e extensão dos dedos. Em dois casos, observou‐se que a manutenção da motricidade e a capacidade dos pacientes de mover os dedos quando solicitado permitiu o sucesso do procedimento cirúrgico após a terceira avaliação intraoperatória.ConclusãoEsta série de casos mostra que é possível manter a função motora dos músculos flexores e extensores da mão em cirurgias de liberação de dedo em gatilho por meio de bloqueios distais específicos guiados por ultrassom. BackgroundA patient's ability to move his/her fingers during hand surgery may be helpful to surgeons because it allows the effectiveness of the intervention evaluation and prediction of hand function in the postoperative period. The purpose of this case series is to demonstrate the efficacy of an ultrasound‐guided peripheral nerve block technique to maintain the hand flexor and extensor muscles motor function and discuss the benefits of the technique for trigger finger surgery.Case reportTen patients scheduled to undergo trigger finger surgery were selected. The goal was to maintain flexion and extension of the fingers during the procedure. Thus, ultrasound‐guided ulnar, radial, and medial nerve block was performed in the distal third of the forearm, at 5–7 cm proximal to the wrist. The block was performed with 5 mL of 0.375% bupivacaine on each nerve. All procedures were uneventfully performed maintaining the flexion and extension of the fingers. In two cases, it was observed that the motricity maintenance and the patients’ ability to move their fingers when requested allowed the success of the surgical procedure after the third intraoperative evaluation.ConclusionThis case series shows that it is possible to maintain the motor function of the hand flexor and extensor muscles to perform finger trigger surgeries using specific ultrasound‐guided distal blocks.
       
  • A informação no pré‐operatório reduz a ansiedade pré‐operatória
           em pacientes com câncer submetidos à cirurgia: utilidade do Inventário
           Beck de Ansiedade

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Marilia F. Lemos, Sylvio V. Lemos‐Neto, Louis Barrucand, Nubia Verçosa, Eduardo TibiricaResumoJustificativa e objetivosA informação transmitida no pré‐operatório é conhecida por reduzir de modo significativo a ansiedade do paciente antes da cirurgia. O presente estudo teve como objetivo investigar os efeitos da orientação pré‐operatória sobre o nível de ansiedade de pacientes com câncer submetidos à cirurgia, utilizando o inventário Beck de ansiedade.MétodosEstudo observacional de curto prazo, incluindo 72 pacientes do sexo feminino com diagnóstico de câncer endometrial, programadas para receber tratamento cirúrgico sob anestesia geral. Durante a consulta pré‐anestésica, 15 dias antes da cirurgia, um grupo de pacientes (Grupo A, n = 36) recebeu informações abrangentes sobre seus procedimentos anestésicos e cirúrgicos, enquanto o outro grupo de pacientes (Grupo B, n = 36) não recebeu qualquer informação referente a essas variáveis. O inventário Beck de ansiedade, a pressão arterial e a frequência cardíaca foram avaliados antes e após a transmissão de informações ao Grupo A. No Grupo B, esses parâmetros foram avaliados no início e no final da consulta.ResultadosOs valores hemodinâmicos foram menores no grupo que recebeu informação pré‐operatória, em comparação com o grupo que não recebeu informação pré‐operatória. Informar os pacientes sobre o procedimento resultou em uma redução dos níveis de ansiedade de leve a mínimo, enquanto não houve mudança no grupo que não recebeu informação pré‐operatória. Esse último grupo manteve o mesmo nível de ansiedade até o final da consulta pré‐anestésica.ConclusõesA orientação do paciente no período pré‐operatório deve ser o atendimento padrão para minimizar a ansiedade dos pacientes antes da cirurgia, especialmente os pacientes com câncer. Background and objectivesPreoperative instruction is known to significantly reduce patient anxiety before surgery. The present study aimed to investigate the effects of preoperative education on the level of anxiety of cancer patients undergoing surgery using the self‐reported Beck anxiety inventory.MethodsThis study is a short‐term observational study, including 72 female patients with a diagnosis of endometrial cancer who were scheduled to undergo surgical treatment under general anesthesia. During the pre‐anesthetic consultation 15 days before surgery, one group of patients (Group A, n = 36) was given comprehensive information about their scheduled anesthetic and surgical procedures, while the other group of patients (Group B, n = 36) did not receive any information pertaining to these variables. The Beck anxiety inventory, blood pressure and heart rate were evaluated before and after the preoperative education in Group A. In Group B, these parameters were evaluated at the beginning and at the end of the consultation.ResultsThe hemodynamic values were lower in the group that received preoperative education, in comparison with the group that did not receive preoperative education. Educating the patients about the procedure resulted in a reduction in the levels of anxiety from mild to minimum, whereas there was no change in the group that did not receive the preoperative education. This latter group kept the same level of anxiety up to the end of pre‐anesthetic consultation.ConclusionsPatient orientation in the preoperative setting should be the standard of care to minimize patient anxiety prior to surgery, especially for patients with cancer.
       
  • Infarto cerebelar após orquidopexia sob raquianestesia

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Sunny Goel, Gaurav Garg, Manoj Kumar, Ruchir AeronResumoO presente relato descreve um caso de acidente vascular cerebral perioperatório que resultou em diplopia e dificuldade de marcha no segundo dia após orquidopexia de rotina sob raquianestesia em um jovem, em outros aspectos, saudável. Ressonância magnética cerebral revelou infarto agudo em hemisférios cerebelares bilaterais, metade esquerda do bulbo e tálamo esquerdo. Um diagnóstico de acidente vascular cerebral agudo (infarto) foi feito e o paciente começou a receber tratamento com aspirina oral (75 mg.dia‐1), após o qual sua visão começou a melhorar após duas semanas. Possíveis mecanismos de desenvolvimento de acidente vascular cerebral no período perioperatório são discutidos, mas, mesmo após extensas investigações, a etiologia do infarto pode ser difícil de determinar. O infarto agudo após cirurgia eletiva não cardíaca e não neurológica é raro; talvez não seja possível identificar a etiologia em todos os casos. Os médicos devem ter um elevado grau de suspeita para diagnosticar essas complicações inesperadas, mesmo após procedimentos cirúrgicos de rotina, para diminuir a morbidade e as sequelas em longo prazo. The report describes a case of peri‐operative stroke that presented as diplopia and gait difficulty on 2nd post‐operative day after routine orchidopexy under spinal anesthesia in an otherwise healthy young boy. Magnetic resonance imaging of the brain revealed acute infarct in bilateral cerebellar hemispheres, left half of medulla and left thalamus. A diagnosis of acute stroke (infarct) was made and patient was started on oral aspirin 75 mg.day−1, following which his vision started improving after 2 weeks. Possible mechanisms of development of stroke in the peri‐operative period are discussed, but, even after extensive investigations, the etiology of infarct may be difficult to determine. Acute infarct after elective non‐cardiac, non‐neurological surgery is rare; it may not be possible to identify the etiology in all cases. Clinicians must have a high index of suspicion to diagnose such unexpected complications even after routine surgical procedures in order to decrease the morbidity and long term sequelae.
       
  • Isolamento pulmonar para toracotomia de emergência em paciente com
           sangramento de vias aéreas: a escolha do bloqueador brônquico pode fazer
           diferença

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Hilary P. Grocott
       
  • Bloqueio do nervo supraclavicular e do tronco superior para tratamento
           cirúrgico de fratura de clavícula em paciente portador de doença de
           Steinert – Relato de caso

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Leonardo Diniz Correa Pinto, Cláudia Helena Ribeiro da Silva, Pedro Marcos Silva e Gonçalves, Roberto José ValadaresResumoJustificativa e objetivosBloqueios seletivos dos membros superiores guiados por ultrassom podem trazer grandes benefícios em pacientes portadores de doenças graves. Pacientes portadores da doença de Steinert apresentam fraqueza muscular e riscos de desencadear miotonia ou hipertermia maligna devido ao uso de agentes anestésicos e ao estresse cirúrgico. O objetivo deste relato foi mostrar uma opção viável para a cirurgia de fratura de clavícula com bloqueio do tronco superior e nervo supraclavicular, diminui‐se assim a dispersão do anestésico local para o nervo frênico em paciente com distrofia muscular.Relato de casoPaciente do sexo masculino, 53 anos, portador de doença de Steinert, associada a dispneia, rouquidão e disfagia. Encaminhado ao bloco cirúrgico para osteossíntese de fratura de clavícula. Feito bloqueio de tronco superior (1 mL ropivacaína a 0,75%) e de nervo supraclavicular (1 mL de ropivacaína 0,75 em cada ramificação) associado à anestesia venosa com propofol sob máscara laríngea (alvo de 4 mcg.mL‐1 em bomba de infusão). Ao despertar, o paciente apresentava‐se sem dor ou queixas respiratórias. Admitido em CTI para acompanhamento do pós‐operatório imediato com alta dessa unidade após 24 horas sem intercorrências.ConclusõesO bloqueio do tronco superior e do plexo cervical associado à anestesia venosa sob máscara laríngea, sem uso de opioides, mostrou‐se adequado no caso de fratura da clavícula em paciente com doença de Steinert. Com o uso da ultrassonografia em anestesia regional é possível fazer bloqueios cada vez mais seletivos e possibilitar assim maior segurança para o procedimento anestésico‐cirúrgico e menor morbidade para o paciente. Background and objectivesUltrasound‐guided upper limb blocks may provide great benefits to patients with serious diseases. Patients with Steinert's disease have muscle weakness and risk of triggering myotony or malignant hyperthermia due to the use of anesthetic agents and surgical stress. The objective of this report was to demonstrate a viable alternative for clavicle fracture surgery with upper trunk and supraclavicular nerve block, thus reducing the spread of local anesthetic to the phrenic nerve in a patient with muscular dystrophy.Case reportA 53‐year‐old male patient with Steinert's disease, associated with dyspnea, hoarseness and dysphagia, referred to the surgical theater for osteosynthesis of clavicle fracture. Upper limb (1 mL 0.75% ropivacaine) and supraclavicular nerve block (1 mL 0.75% ropivacaine in each branch) were combined with venous anesthesia with propofol under laryngeal mask (infusion pump target of 4 mcg.mL‐1). Upon awakening, the patient had no pain or respiratory complaints. He was transferred to the ICU for immediate postoperative follow‐up with discharge from this unit after 24 hours without complications.ConclusionsThe superior trunk and cervical plexus block associated with venous anesthesia under laryngeal mask, without the use of opioids, proved to be adequate in the case of a patient with clavicle fracture and Steinert's disease. With the use of ultrasonography in regional anesthesia it is possible to perform increasingly selective blocks, thus allowing greater security for the anesthetic‐surgical procedure and lower morbidity for the patient.
       
  • Bloqueio do plano do eretor da espinha com técnica de múltiplos
           cateteres para esofagectomia aberta: relato de caso

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Alessandro De Cassai, Tommaso Tonetti, Helmut Galligioni, Carlo OriResumoJustificativa e objetivoO bloqueio do plano do eretor da espinha é uma técnica válida para fornecer analgesia em cirurgias combinadas, torácica e abdominal, de modo simultâneo.Relato de casoUm paciente foi submetido à esofagectomia aberta seguida de esofagogastroplastia reconstrutiva, mas recusou analgesia peridural torácica; uma analgesia multimodal com o bloqueio dos múltiplos segmentos do eretor da espinha foi então planejada. Três cateteres foram colocados no plano do eretor da espinha (T5 e T10 no lado direito e T9 no lado esquerdo) para analgesia contínua antes da cirurgia. Durante as primeiras 48 horas, não houve queixa de dor na área torácica, mas várias vezes o paciente relatou sentir uma dor bem localizada no epigástrio, mas nunca localizada em qualquer outro quadrante abdominal.DiscussãoO bloqueio do plano do eretor da espinha é uma técnica válida para fornecer analgesia de modo simultâneo em cirurgias combinadas – torácica e abdominal – e pode ser uma estratégia opcional também válida nos casos em que o uso de analgesia peridural for contraindicado. Background and objectiveErector spinae plane block is a valid technique to provide simultaneously analgesia for combined thoracic and abdominal surgery.Case reportA patient underwent open esophagectomy followed by reconstructive esophagogastroplasty but refused thoracic epidural analgesia; a multi‐modal analgesia with a multiple erector spinae plane block was then planned. Three erector spinae plane catheters (T5 and T10 on the right side and T9 on the left side) for continuous analgesia were placed before surgery. During the first 48 h pain was never reported in the thoracic area but the patient reported multiple times to feel a pain well localized in epigastrium, but never localized in any other abdominal quadrant.DiscussionErector spinae plane block is a valid technique to provide analgesia simultaneously for combined thoracic and abdominal surgery and could be a valid alternative strategy if the use of epidural analgesia is contraindicated.
       
  • Bloqueio do plano do eretor da espinha para analgesia pós‐operatória
           de cirurgia de fratura de múltiplas costelas: relato de caso

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Ahmet Murat Yayik, Ali Ahiskalioglu, Erkan Cem Çelik, Aysenur Ay, Atila OzenogluResumoIntroduçãoO bloqueio do plano do eretor da espinha é um bloqueio do plano interfacial recentemente descrito e eficaz para cirurgia torácica e abdominal. Neste relato descrevemos o caso de um paciente com fratura de múltiplas costelas, submetido ao bloqueio contínuo do plano do eretor da espinha guiado por ultrassom para analgesia.Relato de casoPaciente do sexo masculino, 37 anos, encaminhado para fixação cirúrgica de fratura de múltiplas costelas. Ao final da cirurgia, usando a orientação parassagital longitudinal guiada por ultrassom 3 cm em relação à face lateral do processo espinhoso T5 e a técnica no plano, 20 ml de bupivacaína a 0,25% foram administrados entre o músculo eretor da espinha e o processo transverso, e um cateter foi então inserido no mesmo plano. Antes do final da cirurgia, 1 g de paracetamol e 50 mg de dexcetoprofeno foram administrados. A analgesia pós‐operatória foi aplicada com o método de analgesia controlada pelo paciente, com bupivacaína a 0,25% via cateter. Na Escala Visual Analógica, o escore do paciente em repouso nas primeiras 24 h foi zero. O paciente foi monitorado por três dias com a Escala Visual Analógica
       
  • O bloqueio contínuo do plano serrátil anterior fornece analgesia em
           fraturas múltiplas de costelas: relato de caso

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Fernando Calado de Oliveira Camacho, Elena Segura‐GrauResumoO trauma torácico com fraturas de costelas é uma condição desafiadora devido à dor intensa associada. O não controle da dor prejudica a respiração enquanto, o seu controle adequado é necessário para proporcionar conforto e evitar maiores complicações. O bloqueio do plano serrátil anterior é um procedimento seguro e fácil de fazer. Descrevemos um caso de trauma torácico com fraturas de costelas e comprometimento respiratório. O controle da dor só foi obtido após o bloqueio do plano serrátil anterior. A técnica foi aplicada conforme descrito na literatura médica, com a colocação de um cateter. O alívio da dor foi obtido com uma infusão de anestésico local em baixa concentração. Thoracic trauma with rib fractures is a challenging condition due to the severe associated pain. Uncontrolled pain impairs breathing and an adequate pain control is necessary to provide comfort and to avoid further complications. Serratus Anterior Plane block is a procedure safe and easy to accomplish. The authors describe a case of thoracic trauma with rib fractures and respiratory compromise. Pain control was only achieved after performing a Serratus Anterior Plane block. The technique was done as described in the medical literature with placement of a catheter. Pain relief was achieved with a low concentration infusion of local anesthetic.
       
  • Uso da ecocardiografia transesofágica no período perioperatório
           orientando a tomada de decisão durante a instabilidade hemodinâmica
           desencadeada por fibrilação atrial

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): João Paulo Jordão Pontes, Aline Tonin dos Santos, Marcello Fonseca Salgado FilhoResumoJustificativa e objetivosA fibrilação atrial é a arritmia cardíaca mais comum, pode ocorrer durante todo período perioperatório e gerar instabilidade hemodinâmica devido à perda da função sistólica atrial. No manejo da fibrilação atrial, a cardioversão elétrica é uma das opções terapêuticas quando há instabilidade hemodinâmica, entretanto expõe o paciente a risco de eventos tromboembólicos. A ecocardiografia transesofágica é uma ferramenta que diagnostica trombos no átrio esquerdo e apêndice atrial esquerdo com alta sensibilidade e especificidade e permite a cardioversão precoce e segura. O presente caso descreve o uso da ecocardiografia transesofágica para excluir a presença de trombos no átrio esquerdo e apêndice atrial esquerdo em um paciente submetido à cirurgia não cardíaca com fibrilação atrial de duração desconhecida e instabilidade hemodinâmica.Relato de casoPaciente, masculino, 74 anos, hipertenso, com cirurgia abdominal programada, que à monitoração cardíaca em sala operatória apresentava ritmo de fibrilação atrial não documentada em eletrocardiograma pré‐operatório, porém estável hemodinamicamente. Durante a cirurgia, apresentou instabilidade hemodinâmica com necessidade de noradrenalina em doses crescentes, sem resposta ao controle de frequência cardíaca. Após o término da cirurgia, a ecocardiografia transesofágica foi feita com uma avaliação minuciosa do átrio esquerdo e apêndice atrial esquerdo e análise Doppler pulsado do apêndice atrial esquerdo com velocidade média de 45 cm.s‐1. Foram excluídos trombo em átrio esquerdo e apêndice atrial esquerdo e outras causas cardíacas para instabilidade hemodinâmica. Dessa forma, foi feita cardioversão elétrica com segurança. Após retorno ao ritmo sinusal, o paciente apresentou melhoria dos níveis pressóricos com retirada da noradrenalina, extubação em sala operatória e transferência para unidade de terapia intensiva.ConclusãoAlém de ferramenta para monitoração hemodinâmica pouco invasiva, a ecocardiografia transesofágica no perioperatório pode ser valiosa na tomada de decisões clínicas. Nesse relato, a ecocardiografia transesofágica permitiu que a cardioversão fosse feita precocemente e com segurança, revertendo o quadro de instabilidade hemodinâmica sem sequelas tromboembólicas. Background and objectiveAtrial fibrillation is the most common cardiac arrhythmia, which may occur during the perioperative period and lead to hemodynamic instability due to loss of atrial systolic function. During atrial fibrillation management, electrical cardioversion is one of the therapeutic options in the presence of hemodynamic instability; however, it exposes the patient to thromboembolic event risks. Transesophageal echocardiography is a diagnostic tool for thrombi in the left atrium and left atrial appendage with high sensitivity and specificity, allowing early and safe cardioversion. The present case describes the use of transesophageal echocardiography to exclude the presence of thrombi in the left atrium and left atrial appendage in a patient undergoing non‐cardiac surgery with atrial fibrillation of unknown duration and hemodynamic instability.Case reportMale patient, 74 years old, hypertensive, with scheduled abdominal surgery, who upon cardiac monitoring in the operating room showed atrial fibrillation undiagnosed in preoperative electrocardiogram, but hemodynamic stable. During surgery, the patient showed hemodynamic instability requiring norepinephrine at increasing doses, with no response to heart rate control. After the end of the surgery, transesophageal echocardiography was performed with a thorough evaluation of the left atrium and left atrial appendage and pulsed Doppler analysis of the left atrial appendage with mean velocity of 45 cm.s‐1. Thrombus in the left atrium and left atrial appendage and other cardiac causes for hemodynamic instability were excluded. Therefore, electrical cardioversion was performed safely. After returning to sinus rhythm, the patient showed improvement in blood pressure levels, with noradrenaline discontinuation, extubation in the operating room, and admission to the intensive care unit.ConclusionIn addition to a tool for non‐invasive hemodynamic monitoring, perioperative transesophageal echocardiography may be valuable in clinical decision making. In this report, transesophageal echocardiography allowed the performance of early and safely cardioversion, with reversal of hemodynamic instability, and without thromboembolic sequelae.
       
  • Livedo reticular por hipotermia durante anestesia para tratamento
           odontológico em paciente com síndrome de Down

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Heber de Moraes Penna, Norma Sueli Pinheiro Modolo, Dário Humberto de PaivaResumoJustificativaO livedo reticular representa quadro dermatológico benigno, caracterizado por áreas isquêmicas permeadas por áreas eritematocianóticas em padrão rendilhado, pode ser transitório ou permanente e frequentemente é associado à exposição corporal ao frio. O vasoespasmo arterial cutâneo promove a isquemia e a dilatação venosa das áreas congestas e ocorre por hipóxia tecidual ou por disfunção autonômica. Os portadores da síndrome de Down, devido às suas peculiaridades fisiológicas, constituem uma representativa parcela daqueles que necessitam de atendimento odontológico sob anestesia geral e o livedo reticular tem incidência relatada de 8% a 12% em pacientes com síndrome de Down.ObjetivosDescrever quadro de livedo reticular fisiológico em paciente portador de síndrome de Down, com aparecimento durante o ato anestésico‐cirúrgico.Relato do casoPaciente de cinco anos, sexo feminino, síndrome de Down, admitida para tratamento odontológico sob anestesia geral balanceada, com emprego de sevoflurano, fentanil e atracúrio. Houve ocorrência de hipotermia transoperatória, a temperatura axilar atingiu 34,5 ̊C após 30 minutos do início da anestesia. Ao término do procedimento, notaram‐se lesões cutâneas vermelho‐arroxeadas, intercaladas com áreas de palidez, exclusivamente na face ventromedial do antebraço direito, sem sinais sistêmicos sugestivos de reações alérgicas. O diagnóstico firmado foi de livedo reticular fisiológico. Houve esmaecimento total das lesões em cinco dias.ConclusãoO relato apresentado evidencia a necessidade de controle térmico de pacientes submetidos a anestesias, bem como registra manifestação de livedo reticular em consequência de hipotermia transoperatória. BackgroundLivedo reticularis is a benign dermatological condition characterized by ischemic areas permeated by erythematous‐cyanotic areas in a lacy pattern, and may be transient or permanent and is frequently associated with body exposure to cold. Cutaneous arterial vasospasm promotes ischemia, and venous dilation of the congested areas occurs by tissue hypoxia or autonomic dysfunction. Patients with Down's syndrome, due to their physiological peculiarities, constitute a representative part of those who require dental care under general anesthesia, and livedo reticularis has a reported incidence of 8% to 12% in Down's syndrome patients.ObjectivesTo describe the physiological livedo reticularis in a Down's syndrome patient, with the onset during the anesthetic‐surgical procedure.Case report5‐year‐old female patient with Down's syndrome, admitted for dental treatment under balanced general anesthesia with sevoflurane, fentanyl, and atracurium. Transoperative hypothermia occurred with axillary temperature reaching 34.5 °C after 30 minutes after the beginning of anesthesia. At the end of the procedure, red‐purplish skin lesions interspersed with areas of pallor were observed exclusively on the ventromedial aspect of the right forearm, with no systemic signs suggestive of allergic reactions. The established diagnosis was physiological livedo reticularis. There was a total fading of the lesions within 5 days.ConclusionThis report evidences the need for thermal control of patients undergoing anesthesia, as well as the manifestation of livedo reticularis as a consequence of transoperative hypothermia.
       
  • Efeitos do sulfato de magnésio e da milrinona sobre o vasoespasmo
           cerebral após hemorragia subaracnoidea por aneurisma: estudo randômico

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Rabie Soliman, Gomaa ZohryResumoJustificativaA hemorragia subaracnoidea por aneurisma é uma importante causa de morte prematura e de incapacidade em todo o mundo. O sulfato de magnésio mostra um efeito neuroprotetor e reverte o vasoespasmo cerebral. A milrinona também é usada no tratamento de vasoespasmo cerebral. O objetivo do presente estudo foi comparar o efeito profilático do sulfato de magnésio e da milrinona sobre a incidência de vasoespasmo cerebral após hemorragia subaracnoidea.MétodosO estudo incluiu 90 pacientes com hemorragia subaracnoidea por aneurisma randomicamente distribuídos (randomização simples) em dois grupos: sulfato de magnésio foi administrado em infusão de 500 mg.dia−1 sem dose de ataque durante 21 dias. O Grupo B recebeu milrinona em infusão de 0,5 μg.kg−1·min−1 sem dose de ataque durante 21 dias. O vasoespasmo cerebral foi diagnosticado pela velocidade média do fluxo sanguíneo cerebral na artéria cerebral envolvida (velocidade média do fluxo ≥ 120 cm.s−1), a deterioração neurológica por escala de coma de Glasgow ou angiografia (diminuição do diâmetro da artéria cerebral envolvida> 25%).ResultadosA velocidade média do fluxo sanguíneo cerebral diminuiu significativamente no grupo magnésio em comparação com o grupo milrinona nos dias 7, 14 e 21 (p 25%).ResultsThe mean cerebral blood flow velocity decreased significantly in the magnesium group compared to milrinone group through Day 7, Day 14 and Day 21 (p 
       
  • Efeitos da exposição repetida a diferentes concentrações de
           sevoflurano sobre o hipocampo de ratos neonatos

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Omid Azimaraghi, Maryam Nezhad Sistani, Mohammad‐Amin Abdollahifar, Ali Movafegh, Anahid Maleki, Ebrahim Soltani, Alireza Shahbazkhani, Reza Atef‐YektaResumoJustificativa e objetivosO cérebro em desenvolvimento é mais vulnerável ao risco ambiental do que o cérebro já desenvolvido. Avaliamos os efeitos da exposição repetida a diferentes concentrações de sevoflurano sobre o hipocampo de ratos neonatos com o uso de métodos estereológicos.MétodosDezoito ratos neonatos foram divididos aleatoriamente em três grupos. O Grupo A foi submetido à inalação de sevoflurano a uma concentração de 1,5%; o Grupo B foi submetido à inalação de sevoflurano a uma concentração de 3%; o Grupo C (controle) foi submetido à inalação de apenas oxigênio a 100%. Os tratamentos foram aplicados durante 30 minutos por dia, durante sete dias consecutivos. Volume do hipocampo, comprimento do dendrito, número de neurônios e número de células gliais foram avaliados em cada grupo com o uso de estimativas estereológicas.ResultadosIdentificamos uma redução de ∼2% no volume do hipocampo no Grupo A em comparação com o Grupo C. O volume médio do hipocampo foi ∼11% menor no Grupo B do que no Grupo C. Entretanto, essas diferenças no volume do hipocampo entre os grupos não foram estatisticamente significativas (p > 0,05 para todos). Quanto ao número de neurônios, encontramos um número significativamente menor de neurônios no Grupo A (∼29% menos) e no Grupo B (∼43% menos) do que no Grupo C (p  0.05 for all). As for the number of neurons, we found significantly fewer neurons in Group A (∼29% less) and Group B (∼43% less) than we did in Group C (p 
       
  • O efeito do pré‐condicionamento anestésico com sevoflurano sobre as
           vias de transdução de sinal intracelular e a apoptose, em modelo
           experimental de autotransplante pulmonar

    • Abstract: Publication date: January–February 2019Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 69, Issue 1Author(s): Ignacio Garutti, Francisco Gonzalez‐Moraga, Guillermo Sanchez‐Pedrosa, Javier Casanova, Beatriz Martin‐Piñeiro, Lisa Rancan, Carlos Simón, Elena VaraResumoJustificativaO pré‐condicionamento anestésico atenua a resposta inflamatória durante a lesão de isquemia‐reperfusão do pulmão. Os mecanismos moleculares para explicá‐lo não são totalmente compreendidos. O objetivo de nossa investigação foi analisar o mecanismo molecular que explica os efeitos anti‐inflamatórios do pré‐condicionamento anestésico com sevoflurano, enfocar seus efeitos sobre as proteínas quinases ativadas por mitógenos (MAPKs), o fator nuclear kappa beta (NF‐κB) e a apoptose em modelo experimental de autotransplante pulmonar.MétodosVinte porcos Large White submetidos à pneumonectomia e autoimplante de pulmão foram divididos em dois grupos de 10 membros com base no anestésico recebido (propofol ou sevoflurano). O grupo de pré‐condicionamento anestésico recebeu sevoflurano a 3% após a indução da anestesia, que foi descontinuado quando a ventilação monopulmonar foi iniciada. O grupo controle não recebeu sevoflurano em qualquer momento durante todo o período do estudo. As vias de transdução de sinal intracelular (família MAPK), o fator de transcrição (NF‐κB) e a apoptose (caspases 3 e 9) foram analisados durante o experimento.ResultadosOs suínos que receberam pré‐condicionamento anestésico com sevoflurano apresentaram valores mais baixos de MAPK‐p38, MAPK‐P‐p38, c‐Jun N‐terminal quinases (JNK), NF‐κB p50 intranuclear e caspases (p 
       
  • Edema pulmonar por pressão negativa: relato de quatro casos e
           revisão da literatura

    • Abstract: Publication date: Available online 24 December 2018Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Luisa Almeida Rodrigues Silva, Alexandre Almeida Guedes, Marcello Fonseca Salgado Filho, Leandro Fellet Miranda Chaves, Fernando de Paiva AraújoResumoJustificativa e objetivosO edema pulmonar por pressão negativa ocorre por aumento da pressão negativa intratorácica após inspiração contra via aérea superior obstruída. A pressão gerada é transmitida aos capilares pulmonares e supera a pressão de equilíbrio hidrostático, causa extravasamento de líquido para o parênquima pulmonar e alvéolos. Em anestesiologia, situações comuns como laringoespasmo e obstrução de via aérea superior podem desencadear essa complicação, que apresenta considerável morbidade e exige diagnóstico e propedêutica imediatos. A desobstrução das vias aéreas superiores, ventilação não invasiva com pressão positiva, oxigênio suplementar e, se necessário reintubação com ventilação mecânica são a base da terapia.Relato de casoCaso 1: Masculino, 52 anos, submetido a apendicectomia sob anestesia geral com intubação orotraqueal, uso de bloqueador neuromuscular adespolarizante, revertido com anticolinesterásico; apresentou laringoespasmo após extubação, seguido de edema pulmonar. Caso 2: Feminino, 23 anos, submetida a mamoplastia redutora sob anestesia geral com intubação orotraqueal, bloqueador neuromuscular adespolarizante revertido com anticolinesterásico, apresentou inspiração contra glote fechada após extubação, tratada com ventilação não invasiva com pressão positiva; após uma hora apresentou edema pulmonar. Caso 3: Masculino, 44 anos, submetido a ureterolitotripsia sob anestesia geral, sem bloqueador neuromuscular, apresentou laringoespasmo após retirada de máscara laríngea e evoluiu com edema pulmonar. Caso 4: Masculino, sete anos, submetido a redução cruenta de fratura sob anestesia geral com intubação orotraqueal, uso de bloqueador neuromuscular adespolarizante; apresentou laringoespasmo revertido com ventilação não invasiva com pressão positiva após extubação, seguido de edema pulmonar.ConclusõesO anestesiologista deve evitar que o paciente faça inspiração forçada contra glote fechada, além de ser capaz de reconhecer e tratar os casos de edema pulmonar por pressão negativa. Background and objectivesNegative pressure pulmonary edema occurs by increased intrathoracic negative pressure following inspiration against obstructed upper airway. The pressure generated is transmitted to the pulmonary capillaries and exceeds the pressure of hydrostatic equilibrium, causing fluid extravasation into the pulmonary parenchyma and alveoli. In anesthesiology, common situations such as laryngospasm and upper airway obstruction can trigger this complication, which presents considerable morbidity and requires immediate diagnosis and propaedeutics. Upper airway patency, noninvasive ventilation with positive pressure, supplemental oxygen and, if necessary, reintubation with mechanical ventilation are the basis of therapy.Case reportCase 1: Male, 52 years old, undergoing appendectomy under general anesthesia with orotracheal intubation, non‐depolarizing neuromuscular blocker, reversed with anticholinesterase, presented with laryngospasm after extubation, followed by pulmonary edema. Case 2: Female, 23 years old, undergoing breast reduction under general anesthesia with orotracheal intubation, non‐depolarizing neuromuscular blocker, reversed with anticholinesterase, presented with inspiration against closed glottis after extubation, was treated with non‐invasive ventilation with positive pressure; after one hour, she had pulmonary edema. Case 3: Male, 44 years old, undergoing ureterolithotripsy under general anesthesia, without neuromuscular blocker, presented with laryngospasm after laryngeal mask removal evolving with pulmonary edema. Case 4: Male, 7 years old, undergoing crude fracture reduction under general anesthesia with orotracheal intubation, non‐depolarizing neuromuscular blocker, presented with laryngospasm reversed with non‐invasive ventilation with positive pressure after extubation, followed by pulmonary edema.ConclusionsThe anesthesiologists should prevent the patient from perform a forced inspiration against closed glottis, in addition to being able to recognize and treat cases of negative pressure pulmonary edema.
       
  • Anestesia em cirurgia para correção de pentalogia de Cantrell:
           relato de caso

    • Abstract: Publication date: Available online 20 November 2018Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Jorge Victor da Silva Costa, Carlos Eduardo Coimbra Melonio, Ciro Bezerra Vieira, Caio Marcio Barros de Oliveira, Plínio da Cunha Leal, Elizabeth Teixeira Noguera Servín, Lyvia Maria Rodrigues de Sousa Gomes, Ed Carlos Rey MouraResumoA pentalogia de Cantrell é uma anomalia congênita associada a defeitos na formação da parede abdominal, do esterno, diafragma e pericárdio diafragmático, além do desenvolvimento de anomalias cardíacas. É uma doença rara, com incidência estimada em um caso para cada 65.000 nascimentos, mais comum no sexo masculino (60% dos casos). Apresenta prognóstico reservado com mortalidade em torno de 63% e sobrevida após procedimento cirúrgico de no máximo nove meses. São escassos os relatos de casos referentes à pentalogia de Cantrell, o que se justifica pela raridade dessa patologia. Com este relato, os autores objetivam descrever um caso cirúrgico, em paciente do sexo feminino, e tecer algumas considerações anestésicas sobre essa malformação congênita rara. Pentalogy of Cantrell is a congenital anomaly associated with defects in the abdominal wall, sternum, diaphragm, and diaphragmatic pericardium formation, in addition to the development of cardiac abnormalities. It is a rare disease with an estimated incidence of one case for every 65,000 births, being more common in males (60% of cases). It has a reserved prognosis with mortality around 63%, and a maximum of 9 months survival after surgery. There are few case reports addressing the pentalogy of Cantrell, which is justified by the rarity of this pathology. In this report our objective was to describe a surgical case of a female patient and make some anesthetic considerations about this rare congenital malformation.
       
  • Efeito da melatonina sobre o efeito colateral sonolência diurna da
           gabapentina em pacientes adultos com dor neuropática

    • Abstract: Publication date: Available online 16 November 2018Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Basak Altiparmak, Hemra Cil, Nalan CelebiResumoJustificativa e objetivosGabapentina é um agente antiepiléptico, amplamente usado para o tratamento da dor neuropática. Embora conhecida por ser bem‐tolerada, sonolência e tontura são os seus efeitos adversos mais frequentes. Neste estudo, nosso objetivo foi avaliar o efeito da melatonina sobre o efeito colateral de sonolência diurna da gabapentina, a qualidade do sono e a intensidade da dor em pacientes com dor neuropática.MétodosOs pacientes que sofriam de “dor neuropática” e com prescrição para receber terapia com gabapentina foram divididos aleatoriamente em dois grupos. O Grupo 1 recebeu 3 mg de melatonina e 900 mg de gabapentina por via oral, o Grupo 2 recebeu uma cápsula de placebo correspondente e 900 mg de gabapentina. A escala de sonolência de Epworth (ESS), o índice de qualidade do sono de Pittsburgh para avaliação da qualidade do sono (PSQI) e a escala de avaliação verbal (VRS) foram aplicados nos dias 0, 10 e 30 de tratamento. A necessidade de medicamentos analgésicos adicionais foi registrada.ResultadosOitenta pacientes foram incluídos no estudo; idade, sexo, quantidade de analgésico adicional consumida e os escores basais de ESS, PSQI e VRS foram semelhantes entre os grupos. Os escores ESS, PSQI e VRS do Grupo 1 foram significativamente menores do que os do Grupo 2 no décimo dia de tratamento (p = 0,002, p = 0,003, p = 0,002, respectivamente). No trigésimo dia de tratamento, os escores ESS e VRS foram significativamente menores no Grupo 1 (p = 0,002, p = 0,008, respectivamente). No entanto, os escores PSQI não diferiram significativamente entre os grupos (p = 0,0566).ConclusõesA suplementação de melatonina melhorou de forma rápida e significativa o efeito colateral de sonolência diurna da gabapentina, mas a qualidade do sono dos pacientes com dor neuropática foi semelhante entre os grupos. Background and objectivesGabapentin is an antiepileptic drug. Widely used for the management of neuropathic pain. Although it is known to be well tolerated, somnolence and dizziness are the most frequent adverse effects. In this study, we aimed to evaluate the effect of melatonin on daytime sleepiness side effect of gabapentin, sleep quality and pain intensity of patients with neuropathic pain.MethodsPatients suffering from “neuropathic pain” and planed to receive gabapentin therapy were randomly divided into two groups. Group 1 received melatonin 3 mg and gabapentin 900 mg orally, group 2 received matching placebo capsule and gabapentin 900 mg. The Epworth Sleepiness Scale, the Pittsburgh sleep quality index for assessment of sleep quality and Verbal Rating Scale were completed at the 0 th, 10th and 30th days of treatment. Additive analgesic drug requirements were recorded.ResultsEighty patients were enrolled to the study; age, gender, ratio of additive analgesic consumption, baseline Epworth Sleepiness Scale, Pittsburg Sleep Quality index and Verbal Rating Scale scores were similar between the groups. Epworth Sleepiness Scale scores, Pittsburgh sleep quality index scores and Verbal Rating Scale scores in Group 1 were significantly lower than group 2 at the 10th day of treatment (p = 0.002, p = 0.003, p = 0.002 respectively). At the 30th day of treatment, Epworth Sleepiness Scale scores and Verbal Rating Scale scores were significantly lower in Group 1 (p = 0.002, p = 0.008 respectively). However, Pittsburgh sleep quality index scores did not significantly differ between the groups (p = 0.0566).ConclusionsMelatonin supplementation rapidly and significantly improved daytime sleepiness side‐effect of gabapentin, however sleep quality of the patients with neuropathic pain was similar between groups.
       
  • Manejo anestésico para paciente com cianose grave após estenose
           de valva bioprotética

    • Abstract: Publication date: Available online 13 November 2018Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Jun Zeng, Wei WeiResumoApresentamos o caso de uma paciente de 39 anos, com hipoxemia em risco de vida após a substituição da valva tricúspide devido à anomalia de Ebstein e cianose grave devido à estenose de valva bioprotética e comunicação interatrial. O manejo anestésico de um paciente com disfunção obstrutiva grave de prótese valvar pode ser um desafio. Os pacientes com anomalia de Ebstein também precisam de atenção especial para manter a pressão equalizada entre o átrio direito e o esquerdo. A ecocardiografia transesofágica e a saturação cerebral de oxigênio forneceram informações em tempo real nos cuidados perioperatórios. We presented a 39‐year‐old female patient with life‐threatening hypoxemia after tricuspid valve replacement because of Ebstein's anomaly. And the severe cyanosis is due to bioprosthetic valve stenosis and atrial septal defect. Anesthetic management of a patient with severe obstructive prosthetic valve dysfunction can be challenging. Similar considerations should be given to patients with Ebstein's anomaly to maintain the pressure equalized between the right and left atrial. Transesophageal echocardiography and cerebral oxygen saturation provided real time information in perioperative care.
       
  • Efeito de duas doses diferentes de dexmedetomidina na incidência de
           agitação ao despertar após cirurgia para correção de estrabismo: um
           ensaio clínico randômico

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Khaled Abdel‐Baky Abdel‐Rahman, Sayed Kaoud Abd‐Elshafy, Jehan A. SayedResumoJustificativa e objetivoA agitação ao despertar é um comportamento pós‐operatório negativo que afeta principalmente as crianças. Avaliamos o efeito de duas doses diferentes de dexmedetomidina na incidência e no grau de agitação ao despertar em crianças submetidas à correção de estrabismo.MétodosNoventa pacientes foram alocados em três grupos iguais: receberam 0,5 μg.kg−1 de dexmedetomidina (grupo Dex‐alta), 0,25 μg.kg−1 de dexmedetomidina (grupo Dex‐baixa) ou solução salina normal (grupo placebo). Todos os medicamentos foram administrados com o fechamento da conjuntiva antes do fim da cirurgia. A escala pediátrica de delírio ao despertar da anestesia (PAED – Pediatric Anesthesia Emergence Delirium) foi usada para avaliar a agitação e a escala dos padrões de face, pernas, atividade, choro e consolabilidade (FLACC – Face, Legs, Activity, Cry, Consolability) para avaliar a dor. Os efeitos adversos de dexmedetomidina e os tempos de recuperação foram registrados.ResultadosA incidência de agitação foi significativamente menor no grupo Dex‐alta em comparação com os outros grupos, foi significativamente menor no grupo Dex‐baixa em comparação com o grupo placebo. A mediana (variação) do escore FLACC foi significativamente menor em ambos os grupos Dex em comparação com o grupo placebo. O tempo de recuperação, o tempo transcorrido desde a remoção da máscara laríngea até a abertura dos olhos e o tempo de permanência na sala de recuperação pós‐anestesia foram significativamente maiores no grupo Dex‐alta em comparação com os outros grupos. Não houve registro de bradicardia ou hipotensão significativa. O tempo de recuperação foi significativamente maior no grupo Dex‐alta em comparação com os outros dois grupos.ConclusãoDexmedetomidina (0,5 μg.kg−1) antes do despertar da anestesia geral resultou em uma redução da incidência de agitação ao despertar em comparação com dexmedetomidina (0,25 μg.kg−1), mas em detrimento dos tempos de recuperação sem efeitos adversos. Background and objectiveEmergence agitation is a postoperative negative behavior that affects mainly children. We studied the effect of two different doses of dexmedetomidine on the incidence and degree of EA in children undergoing strabismus surgery.Methods90 patients were allocated into three equal groups; patients received 0.5 μg.kg−1 of dexmedetomidine in high Dex group, 0.25 μg.kg−1 of dexmedetomidine in low Dex group, or normal saline in the placebo group. All drugs were received with the closure of the conjunctiva before the end of the surgery. Pediatric Anesthesia Emergence Delirium (PAED) scale was used to evaluate the agitation, and Face, Legs, Activity, Cry, Consolability (FLACC) scale was used for pain assessment. Adverse effects of dexmedetomidine and recovery times were recorded.ResultsThe incidence of agitation was significantly lower in high Dex group compared to other groups and it was significantly lower in low Dex group compared to placebo group. The median (range) of FLACC score was significantly lower in both Dex groups compared to placebo group. Recovery times; time from removal of laryngeal mask to eye opening and time stay in post anesthesia care unit was significantly longer in high Dex group compared to other groups. No significant bradycardia or hypotension was recorded. Recovery time was significantly longer in high Dex group compared to the other two groups.ConclusionDexmedetomidine (0.5 μg.kg−1) before emergence from general anesthesia resulted in a reduction in the incidence of emergence agitation compared to a dexmedetomidine (0.25 μg.kg−1) but on the expense of recovery times without adverse effects.
       
  • Influência da dose de propofol e dos componentes sanguíneos na duração
           das convulsões elétricas em eletroconvulsoterapia

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): María Luisa González Moral, Carmen Selva Sevilla, Patricia Romero Rodenas, María Teresa Tolosa Pérez, Marta Lucas Pérez‐Romero, Mar Domato Lluch, Manuel Gerónimo PardoResumoJustificativa e objetivosO propofol é comumente usado como agente hipnótico na terapia eletroconvulsiva, mas apresenta também propriedades anticonvulsivantes. O objetivo principal foi avaliar o efeito da dose de propofol ajustada ao peso na duração da convulsão elétrica. Os objetivos secundários foram avaliar o efeito da dose total de propofol na duração da convulsão elétrica, o efeito da dose tanto total quanto ajustada ao peso nos valores do índice bispectral e a influência da bioquímica do sangue no efeito anticonvulsivante.MétodosApós aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa, foi feita uma revisão retrospectiva dos prontuários de todos os pacientes que fizeram pelo menos uma sessão de eletroconvulsoterapia. Análise de regressão linear múltipla ajustada para potenciais confundidores foi feita para explorar o efeito da dosagem de propofol sobre os valores do índice bispectral e a duração da convulsão; análises de correlação bivariada foram previamente feitas para identificar as variáveis que atendem aos critérios de confusão, especificamente valores de r de Spearman> 0,10. Os resultados da análise de regressão foram expressos como coeficiente B com intervalo de confiança de 95%.ResultadosSetenta e seis pacientes receberam 631 sessões de fase aguda. Propofol mostrou um efeito negativo estatisticamente significativo sobre a duração da convulsão (especificamente uma redução de 4,081 segundos para cada mg.kg−1 de propofol; IC de 95%: ‐7906 para ‐0,255, p = 0,037), mas não para os valores do índice bispectral. Anemia leve e hipoalbuminemia foram condições muito raras e o efeito anticonvulsivante não foi influenciado por esses parâmetros.ConclusõesA dose de propofol ajustada ao peso está negativamente relacionada com a duração das crises convulsivas, deve ser cuidadosamente titulada quando usada na terapia eletroconvulsiva. Background and objectivesPropofol is commonly employed as a hypnotic agent to perform electroconvulsive therapy, but it exhibits also anticonvulsant properties. The main objective was to study the effect of the weight‐adjusted dose of propofol on duration of the electrical seizure. Secondary objectives were to study the effect of absolute dose of propofol on duration of electrical seizure, the effect of both absolute and weight‐adjusted doses on values of bispectral index, and the influence of blood chemistry on anticonvulsant effect.MethodsAfter approval of the Institutional Review Board, a retrospective chart review was performed of all patients who underwent at least one electroconvulsive therapy session. Multiple lineal regression analysis adjusted for potential confounders was employed to explore the effect of propofol dosage on values of bispectral index and on duration of seizure; bivariate correlation analyses were previously performed to identify variables fulfilling confounding criteria, specifically values of Spearman's rho>0.10. Results of regression analysis were expressed as B coefficient with its 95% confident interval.Results76 patients received 631 acute phase sessions. Propofol showed a statistically significant negative effect on duration of seizure (specifically a reduction of 4.081 s for every mg.kg−1 of propofol; CI95%: −7906 to −0.255, p = 0.037) but not on bispectral index values. Slight anemia and hypoalbuminemia were very infrequent conditions, and the anticonvulsant effect was not influenced by these parameters.ConclusionsPropofol weight‐adjusted dose is negatively related to duration of seizures. It should be carefully titrated when employed to perform electroconvulsive therapy.
       
  • Alterações no nível de TNF‐α após bloqueio do nervo femoral guiado
           por ultrassom em idosos com fratura de quadril

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Ji Su Jang, Yeon‐Hee Lee, Hemant K. Kandahar, Suman K. Shrestha, Jae Sung Lee, Jin‐Koo Lee, Seung Jae Park, Na Rea Lee, Jae Jun Lee, Sang‐Soo LeeResumoJustificativa e objetivosO bloqueio do nervo femoral guiado por ultrassom é um método analgésico estabelecido em pacientes com fratura de quadril. Níveis elevados de citocinas estão correlacionados com resultados desfavoráveis para o paciente após a cirurgia. Portanto, o objetivo do estudo foi descrever os níveis do fator de necrose tumoral alfa após bloqueio do nervo femoral guiado por ultrassom em pacientes idosos com fratura do colo de fêmur.MétodosNo total, 32 pacientes foram alocados em dois grupos de tratamento: 16 pacientes (grupo bloqueio do nervo femoral; bloqueio do nervo femoral guiado por ultrassom com até 20 mL de bupivacaína a 0,5% (0,3 mL.kg−1) e tramadol intravenoso) e 16 pacientes (grupo tratamento padrão, até 3 mL de solução salina a 0,9% na bainha femoral e tramadol intravenoso). Os escores do fator de necrose tumoral alfa e da Escala Visual Analógica foram avaliados imediatamente antes do bloqueio do nervo femoral e novamente em 4, 24 e 48 horas pós‐bloqueio do nervo femoral. Todas as cirurgias foram realizadas de forma eletiva após 48 horas de bloqueio do nervo femoral.ResultadosO grupo bloqueio do nervo femoral teve um nível médio de fator de necrose tumoral alfa significativamente menor em 24 (4,60 vs. 8,14, p 
       
  • Avaliação do programa de aprimoramento em anestesia cardiovascular por
           seus ex‐estagiários

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Sávio Cavalcante Passos, Adriene Stahlschmidt, Carolina Baeta Neves Duarte Ferreira, João Henrique Zucco Viesi, Indara Mattei Dornelles, Caetano Nigro NetoResumoJustificativaCom o avanço da cirurgia cardiovascular nos últimos anos, houve também um desenvolvimento exponencial das técnicas anestésicas. Pacientes com complexidade clínica crescente desafiam os anestesiologistas cardíacos a se manterem constantemente atualizados. Uma avaliação do programa de aprimoramento em anestesia cardiovascular brasileira do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia foi feita e informações foram coletadas para avaliar o programa.MétodoOs participantes‐alvo eram formados por ex‐aprimorandos, contatados via e‐mail com um convite para participação voluntária. A explicação do objetivo da pesquisa foi fornecida. Essa comunicação foi assinada pelos autores e continha um link para a pesquisa, que foi construída e hospedada em uma plataforma web. A pesquisa foi composta por 10 questões objetivas destinadas a descrever o treinamento e a carreira subsequente.ResultadosA taxa de resposta ajustada para a pesquisa foi de 71%. Dois terços dos entrevistados concordaram que o treinamento do programa lhes proporcionou uma vantagem no mercado de trabalho e 93% dos entrevistados trabalham atualmente com anestesia cardíaca. Pelo menos 87% dos participantes recomendariam o curso a outros anestesiologistas.ConclusãoOs graduados do programa de aprimoramento julgam sua formação técnica como excelente e incorporaram os conhecimentos adquiridos em sua prática diária. No entanto, há melhorias a serem feitas. Acreditamos que este documento possa ser útil como referência para outras instituições desenvolverem seus próprios programas de aprimoramento em anestesia cardiovascular. BackgroundAfter advancement of cardiovascular surgery, there is also exponential development of anesthetic techniques in this field. Patients with increasing clinical complexity challenge cardiac anesthesiologists to keep constantly updated. An evaluation of Brazilian's cardiovascular anesthesia fellowship at Dante Pazzanese Institute of Cardiology has been made and information has been collected to evaluate the fellowship program in cardiovascular anesthesia.MethodTarget participants were made up of former fellowships, contacted via e‐mail containing an invitation to voluntarily participate. Explanation of the survey's purpose was provided. This communication was signed by the authors and contained a hyperlink to the survey, which was constructed on and hosted on a web platform. The survey was composed of 10 objectives questions designed to describe training and subsequent career.ResultsThe adjusted survey response rate was 71%. Two‐thirds of respondents agreed that fellowship training provided them an advantage in the job market and 93% of respondents currently work with cardiac anesthesia. At least 87% of participants would recommend the course to other anesthesiologists.ConclusionFellowship graduates judge their technical training as excellent and incorporated the knowledge acquired in their daily practice. However, there are improvements to be made. We believe this document may be useful as a reference for other institutions to develop their own cardiovascular anesthesia fellowship programs.
       
  • Correlação entre síndrome da apneia obstrutiva e via aérea difícil na
           cirurgia otorrinolaringológica

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Marcia Hiray Pera, Maria Angela Tardelli, Neil Ferreira Novo, Yara Juliano, Helga Cristina Almeida da SilvaResumoIntroduçãoOs pacientes cirúrgicos otorrinolaringológicos portadores da síndrome da apneia obstrutiva do sono apresentam, além de obstáculos anatômicos, tendência ao colapso das vias aéreas superiores. Síndrome da apneia obstrutiva do sono está relacionada ao maior risco de via aérea difícil e também aumento de complicações perioperatórias. A fim de se identificar esses pacientes no período pré‐operatório, tem se destacado o questionário STOP Bang, por ser resumido e de fácil aplicação.ObjetivosAvaliar se pacientes submetidos à cirurgia otorrinolaringológica com diagnóstico de síndrome da apneia obstrutiva do sono pelo questionário STOP Bang apresentariam maior risco de complicações, particularmente ocorrência de via aérea difícil.Casuística e métodosFeitas medidas de parâmetros anatômicos para via aérea difícil e administrado questionário para predição clínica de síndrome da apneia obstrutiva do sono em 48 pacientes com estudo polissonográfico prévio.ResultadosA amostra detectou via aérea difícil em 18,7% dos pacientes, todos portadores de síndrome da apneia obstrutiva do sono. Esse grupo apresentava maior idade, circunferência cervical> 40 cm, ASA II e Cormack III/IV. Os pacientes com síndrome da apneia obstrutiva do sono apresentaram maior índice de massa corpórea, circunferência cervical e frequência de apneia observada. Na análise de subgrupos, o grupo com síndrome da apneia obstrutiva do sono acentuada mostrou significantemente maior pontuação no SB quando comparado com pacientes sem síndrome da apneia obstrutiva do sono ou com síndrome da apneia obstrutiva do sono leve/moderada.ConclusõesO questionário STOP Bang não foi capaz de predizer via aérea difícil e nem síndrome da apneia obstrutiva do sono leve e moderada, mas identificou síndrome da apneia obstrutiva do sono acentuada. Todos pacientes com via aérea difícil apresentaram síndrome da apneia obstrutiva do sono moderada e acentuada, apesar desta síndrome não implicar em via aérea difícil. As variáveis Cormack III/IV e IMC maior do que 35 Kg.m–2 foram capazes de predizer via aérea difícil e síndrome da apneia obstrutiva do sono respectivamente. IntroductionENT patients with obstructive sleep apnea syndrome have a tendency of collapsing the upper airways in addition to anatomical obstacles. Obstructive sleep apnea syndrome is related to the increased risk of difficult airway and also increased perioperative complications. In order to identify these patients in the preoperative period, the STOP Bang questionnaire has been highlighted because it is summarized and easy to apply.ObjectivesEvaluate through the STOP Bang questionnaire whether patients undergoing ENT surgery with a diagnosis of obstructive sleep apnea syndrome have a higher risk of complications, particularly the occurrence of difficult airway.Casuistry and methodsMeasurements of anatomical parameters for difficult airway and questionnaire application for clinical prediction of obstructive sleep apnea syndrome were performed in 48 patients with a previous polysomnographic study.ResultsThe sample detected difficult airway in about 18.7% of patients, all of them with obstructive sleep apnea syndrome. This group had older age, cervical circumference> 40 cm, ASA II and Cormack III/IV. Patients with obstructive sleep apnea syndrome had higher body mass index, cervical circumference, and frequent apnea. In subgroup analysis, the group with severe obstructive sleep apnea syndrome showed a significantly higher SB score compared to patients without this syndrome or with a mild/moderate obstructive sleep apnea syndrome.ConclusionsThe STOP Bang questionnaire was not able to predict difficult airway and mild obstructive sleep apnea syndrome, but it identified marked obstructive sleep apnea syndrome. All patients with difficult airway had moderate and marked obstructive sleep apnea syndrome, although this syndrome did not involve difficult airway. The variables Cormack III/IV and BMI greater than 35 Kg.m–2 were able to predict difficult airway and obstructive sleep apnea syndrome, respectively.
       
  • Manejo da via aérea na angina de Ludwig – um desafio: relato de
           caso

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Alexandre Almeida Guedes
       
  • Hipotensão associada ao bloqueio bilateral do quadrado lombar realizado
           para analgesia pós‐operatória em caso de cirurgia aórtica aberta

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Carlos Almeida, José Pedro AssunçãoResumoJustificativa e objetivosO bloqueio bilateral do quadrado lombar foi descrito para procedimentos abdominais de grande porte quando há presença de sepse, uma vez que os riscos associados à peridural são considerados altos. Em uma cirurgia aórtica aberta, um único bloqueio bilateral do quadrado lombar tipo 1 (QL tipo 1) pode ser uma opção ao bloqueio peridural torácico para analgesia pós‐operatória em paciente com risco cumulativo aumentado de hematoma epidural torácico.Relato de casoPaciente feminina de 56 anos, portadora de hipertensão arterial controlada, doença renal crônica (estágio 3 b), dislipidemia, plaquetopenia de 102.000/μl e tomava aspirina, estava programada para endarterectomia aortoilíaca bilateral. A paciente foi submetida à anestesia geral e, no fim da cirurgia, a bloqueio do quadrado lombar tipo 1 bilateralmente para analgesia pós‐operatória com 20 mL de ropivacaína a 0,5%, para cada lado, antes da extubação. Imediatamente após a internação na sala de recuperação pós‐anestésica, a paciente evoluiu com hipotensão moderada (necessidade de infusão de dopamina durante 18 horas), concomitante à rápida redução dos escores de dor. Escore numérico para dor baixo e consumo de opioides foram observados, especialmente nas primeiras 24 horas de pós‐operatório.ConclusõesO bloqueio do quadrado lombar foi uma técnica analgésica eficaz nesse caso de cirurgia aórtica aberta, embora a hipotensão associada ao bloqueio bilateral do quadrado lombar possa ocorrer. O bloqueio simpático associado, causado pelo bloqueio do QL tipo 1, provavelmente relacionado à extensão paravertebral bilateral do bloqueio, pode contribuir para a hipotensão pós‐operatória associada à síndrome de isquemia‐reperfusão em paciente submetido a pinçamento aórtico intraoperatório de longa duração. Alta concentração de anestésico local para prolongar a ação de uma injeção única no bloqueio do quadrado lombar, com o objetivo de evitar cateterização de ambas as anestesias peridural e do quadrado lombar bilateral, deve ser usada de modo criterioso. Background and objectivesBilateral quadratus lumborum block has been described for major abdominal procedures when sepsis is present, because risks associated to epidural are considered elevated. In an open aortic surgery, a single‐shot bilateral quadratus lumborum block type 1 may be an alternative to thoracic epidural block for post‐operative analgesia in a patient having an increased cumulative risk for thoracic epidural hematoma.Case reportA 56‐year‐old female patient presenting controlled hypertension, chronic renal disease stage 3 b, dyslipidemia and a platelet count of 102,000/μl, and taking aspirin, was scheduled for bilateral aortoiliac endarterectomy. She was submitted to a sole general anesthesia plus, at end of the surgery, a bilateral quadratus lumborum block type 1 for post‐operative analgesia with 20 mL of ropivacaine 0.5%, per side, before extubation. Immediately after post anesthesia care unit admission, patient developed moderate hypotension (dopamine infusion was needed during 18 h), concomitantly with a rapid reduction in the pain scores. Low numeric rating scale and opioid consumption were noted, particularly in the first 24 h post‐operatively.ConclusionsQuadratus lumborum block was an effective analgesic technique for open aortic surgery in this case, although hypotension associated to bilateral quadratus lumborum block type 1 may occur. Associated sympathetic block probably related to the bilateral paravertebral extension of the block, may contribute for post‐operative hypotension associated to reperfusion‐ischemia syndrome in a patient that had long‐lasting intraoperative aortic cross‐clamping. The use of high concentration of local anesthetic to obtain longer duration of action of a single‐shot quadratus lumborum block to avoid thoracic epidural or bilateral quadratus lumborum block catheterization should be used judiciously.
       
  • Bloqueio do quadrado lombar tipo II contínuo para analgesia
           pós‐operatória de nefrectomia parcial

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Rita Graça, Pilar Miguelez, José Miguel Cardoso, Miguel Sá, Joana Brandão, Célia Pinheiro, Duarte MachadoResumoJustificativa e objetivosO bloqueio do quadrado lombar foi descrito pela primeira vez em 2007 e atualmente existem descrições da sua realização através de quatro pontos de injeção. Esse bloqueio promove analgesia da parede abdominal e analgesia visceral e um de seus mecanismos é a dispersão do anestésico local para o espaço paravertebral. Descrevemos a realização do bloqueio do quadrado lombar tipo II contínuo para analgesia pós‐operatória numa nefrectomia parcial.Relato de casoMulher de 64 anos, agendada para nefrectomia parcial à esquerda por via laparoscópica. Durante o procedimento, por dificuldades técnicas, foi feita uma incisão no flanco esquerdo para facilitar a abordagem cirúrgica. No pós‐operatório imediato, fez‐se o bloqueio do quadrado lombar tipo II contínuo, recorrendo‐se a ultrassonografia, como parte da estratégia analgésica multimodal. Inicialmente foram administrados 20 ml de ropivacaína 0,2% e introduzidos 3 cm de cateter no espaço interfascial. Posteriormente, colocou‐se uma perfusão contínua de 5,2 mL.h−1 de ropivacaína 0,2% durante 48 horas. Nas primeiras 24 horas de pós‐operatório, a paciente não referiu dor em repouso ou com movimento. Nas 24 horas seguintes, manteve‐se sem dor em repouso e apenas com dor ligeira (2/10) com o movimento.ConclusõesA realização do bloqueio quadrado lombar tipo II contínuo foi uma opção analgésica pós‐operatória eficaz. O bloqueio de nervos somáticos e das vias aferentes viscerais promoveu analgesia da parede abdominal e visceral, permitiu reduzir o consumo de opioides. Consideramos relevante explorar a capacidade analgésica do bloqueio do quadrado lombar e suas diferentes abordagens, bem como a possibilidade de se tornar uma opção em doentes propostos para cirurgia renal. Background and objectivesQuadratus lumborum block was first described in 2007 and currently there are descriptions of its achievement through four different injection points. This blockage provides abdominal wall and visceral analgesia, and one of its mechanisms is the dispersion of the local anesthetic into the paravertebral space. We describe the performance of a continuous quadratus lumborum type II block for postoperative analgesia in a partial nephrectomy.Case reportA 64‐year‐old woman, scheduled for partial left laparoscopic nephrectomy. During the procedure, due to technical difficulties, an incision was made in the left flank to facilitate the surgical approach. In the early postoperative period, a continuous quadratus lumborum type II block was performed using ultrasonography as part of the multimodal analgesic strategy. Initially, 20 ml of 0.2% ropivacaine was administered and 3 cm of catheter were introduced into the interfascial space. Subsequently, a continuous infusion of 5.2 mL.h‐1 of 0.2% ropivacaine was given for 48 hours. In the first 24 postoperative hours, the patient reported no pain at rest or on movement. In the following 24 hours, she was free of pain at rest and only a slight pain (2/10) on movement.ConclusionsContinuous quadratus lumborum type II block was an effective postoperative analgesic option. Blocking of somatic nerves and visceral afferent pathways provided abdominal and visceral wall analgesia, allowing the reduction of opioid consumption. We consider relevant to explore the analgesic capacity of the quadratus lumborum block and its different approaches, as well as the possibility of it becoming an alternative in patients scheduled for kidney surgery.
       
  • Bloqueio paravertebral torácico guiado por ultrassom para correção de
           ileostomia em alça em DPOC grave: um relato de caso

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Rocco D’Andrea, Guido Gambetti, Lorenzo Querci, Beatrice Amodei, Amedeo BianchiniResumoJustificativa e objetivosO bloqueio paravertebral torácico guiado por ultrassom é geralmente considerado uma boa alternativa à anestesia peridural torácica para o controle da dor em cirurgia torácica e mamária. Além disso, ultimamente o bloqueio paravertebral torácico tem sido usado durante cirurgias abdominais, especialmente hepática e renal. No entanto, seu papel está mal definido nesse contexto. O objetivo deste relato foi destacar o papel do bloqueio paravertebral torácico em fornecer anestesia e analgesia efetiva tanto na intervenção cirúrgica abdominal quanto no controle da dor pós‐operatória, evitando as possíveis complicações que podem surgir da anestesia geral, bastante comuns em pacientes com doença pulmonar obstrutiva crônica e comorbidades similares.Relato de casoApresentamos um caso de cirurgia abdominal realizada com sucesso em uma mulher com doença pulmonar obstrutiva crônica grave que precisou de correção de ileostomia em alça, realizada com bloqueio paravertebral torácico guiado por ultrassom sem complicações.ConclusõesO bloqueio paravertebral torácico pode ser um método anestésico seguro para cirurgia abdominal em pacientes que poderiam apresentar complicações possivelmente graves com o uso de anestesia geral. Background and objectivesUltrasound‐guided thoracic paravertebral block is usually considered a good alternative to epidural thoracic for anesthesia and pain control in thoracic and breast surgery. Furthermore it has also been used during abdominal surgery lately, especially hepatic and renal surgery. However, its role is poorly defined in this context. The purpose of this report was to highlight the role of thoracic paravertebral block in providing effective anesthesia and analgesia during both the abdominal surgical intervention and pain control in post‐operative period, avoiding possible complications which general anesthesia may arise, which are fairly common in patients with chronic obstructive pulmonary disease and similar comorbidities.Case reportThe authors present a case of abdominal surgery successfully performed on a woman affected by severe chronic obstructive pulmonary disease requiring closed loop ileostomy repair performed with ultrasound guided thoracic paravertebral block without any complications.ConclusionsThoracic paravertebral block may be a safe anesthetic method for abdominal surgery in those patients who would undergo potential severe complications by using general anesthesia.
       
  • Monitoração da coagulação pela tromboelastometria no intraoperatório
           de transplante hepático em um paciente usando varfarina – relato de
           caso

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): José Carlos Rodrigues Nascimento, David Silveira Marinho, Rodrigo Dornfeld Escalante, Bodiyabaduge Emmanuel M. Daya Pereira Junior, Cristiane Gurgel Lopes, Rogean Rodrigues NunesResumoIntroduçãoA doença hepática avançada pode, além das complicações hemorrágicas amplamente reconhecidas, ocorrer com eventos trombóticos. Descrevemos o caso de um paciente cirrótico em uso de varfarina, cujo manejo da coagulação durante o transplante de fígado foi guiado por tromboelastometria (ROTEM®).Relato de casoPaciente do sexo masculino, 56 anos, diagnosticado com cirrose alcoólica, recebendo varfarina (2,5 mg.dia−1) para trombose parcial da veia porta, com razão normalizada internacional (INR) de 2,14. No início da cirurgia, os parâmetros ROTEM® estavam todos normais. Na fase não hepática, EXTEM e INTEM permaneceram normais, mas FIBTEM mostrou redução da amplitude após 10 min e firmeza máxima do coágulo. Por fim, na fase neo‐hepática houve uma ligeira alteração da hipocoagulabilidade na maioria dos parâmetros de EXTEM, INTEM e FIBTEM, além de uma correção notável do tempo de coagulação (CT) de HEPTEM em comparação com o CT de INTEM. Portanto, o paciente não recebeu transfusão de hemoderivados durante a cirurgia e no período pós‐operatório, obteve alta no oitavo dia de pós‐operatório.DiscussãoO déficit de coagulação resultante da cirrose distorce o INR como um parâmetro da adequação da anticoagulação e como um determinante da necessidade de transfusão de sangue. Portanto, a tromboelastometria pode fornecer informações importantes para o manejo do paciente. IntroductionAdvanced hepatic disease may – in addition to the widely recognized hemorrhagic complications – occur with thrombotic events. We describe the case of a cirrhotic patient taking warfarin and whose coagulation management during liver transplantation was guided by thromboelastometry (ROTEM®).Case reportA 56 year‐old male patient diagnosed with alcohol cirrhosis using warfarin (2.5 mg.day−1) for partial portal vein thrombosis with the International Normalized Ratio (INR) of 2.14. At the beginning of surgery, the ROTEM® parameters were all normal. In the anhepatic phase, EXTEM and INTEM remained normal, but FIBTEM showed reduction of amplitude after 10 min and maximum clot firmness. Finally, in the neohepatic phase, there was a slight alteration in the hypocoagulability of most of the parameters of the EXTEM, INTEM and FIBTEM, besides a notable correction of the Coagulation Time (CT) in HEPTEM compared to the CT of the INTEM. Therefore, the patient did not receive any transfusion of blood products during surgery and in the postoperative period, being discharged on the 8th postoperative day.DiscussionCoagulation deficit resulting from cirrhosis distorts INR as a parameter of anticoagulation adequacy and as a determinant of the need for blood transfusion. Thus, thromboelastometry can provide important information for patient management.
       
  • Anestesia para parto cesáreo em paciente portadora de síndrome
           de Klippel‐Trenaunay

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Clara Elisa Frare de Avelar Teixeira, Angélica de Fátima de Assunção Braga, Franklin Sarmento da Silva Braga, Vanessa Henriques Carvalho, Rafael Miranda da Costa, Giselle Ioná Teixeira BrighentiResumoIntroduçãoA síndrome de Klippel‐Trenaunay é uma doença vascular congênita rara caracterizada por hemangiomas cutâneos, varicosidades e assimetria de membros, que pode evoluir com distúrbios de coagulação e hemorragia como complicações mais frequentes na paciente grávida. A gestação é desaconselhada nas mulheres portadoras dessa síndrome devido ao aumentado risco obstétrico.Relato de casoPaciente com 29 anos, 99 kg e 167 cm, IMC 35,4 kg.m‐2, estado físico ASA III, com 27 semanas de idade gestacional, com diagnóstico de síndrome de Klippel‐Trenaunay, foi internada para tentativa de inibição de trabalho de parto prematuro. Como manifestações da síndrome de Klippel‐Trenaunay apresentava hemangiomas cerebral e cutâneos, principalmente em tronco e região lombar, paresia em membros superior e inferior esquerdos e assimetria de membros, necessitando de bengala para locomoção. Ao exame físico: ausência de malformações vasculares em vias aéreas, escore 3 pela classificação de Mallampati; exames laboratoriais normais; angiotomografia computadorizada de abdômen mostrava útero irregular, com múltiplas varizes e vasos de permeio de origem arterial e varizes perianexiais bilaterais. Evoluiu com falha de inibição do trabalho de parto prematuro e foi indicada a cesariana sob anestesia geral venosa total. Monitoração, acesso venoso central e periférico, cateterização de artéria radial, diurese. Operação cesariana com incisão mediana e secção corporal longitudinal uterina para extração fetal. No intraoperatório, observaram‐se dois episódios de hipotensão arterial. A evolução pós‐operatória seguiu sem complicações ou intercorrências. A escolha da anestesia dependeu das manifestações clínicas e da falta de exames de imagem que comprovassem a ausência de hemangiomas no neuroeixo. IntroductionKlippel‐Trenaunay syndrome is a rare congenital vascular disease characterized by cutaneous hemangiomas, varicosities, and limb asymmetry, which may evolve with coagulation disorders and hemorrhage as those more frequent complications in pregnant patients. Pregnancy is not advised in women with this syndrome due to increased obstetrical risk.Case reportFemale patient, 29 years old, 99 kg, 167 cm, BMI 35.4 kg.m‐2, physical status ASA III, with 27 weeks of gestational age and diagnosis of Klippel‐Trenaunay syndrome. She was admitted to attempt inhibition of preterm labor. As manifestations of Klippel‐Trenaunay syndrome, the patient presented with cerebral and cutaneous hemangioma mainly in the trunk and lumbar region, paresis in the left upper and lower limbs, and limb asymmetry requiring the use of a walking stick. Physical examination revealed absence of airway vascular malformations and Mallampati class 3. Laboratory tests were normal and abdominal angiotomography showed irregular uterus, with multiple varices and vessels of arterial origin and bilateral periadnexal varices. She evolved with failure in preterm labor inhibition, and cesarean section under total intravenous anesthesia was indicated. Monitoring, central and peripheral venous access, radial artery catheterization, and diuresis were secured. Cesarean section was performed with median incision and longitudinal uterine body section for fetal extraction. Two episodes of arterial hypotension were seen intraoperatively. The postoperative evolution was uneventful. The choice of anesthesia was dependent on the clinical manifestations and the lack of imaging tests proving the absence of neuraxial hemangiomas.
       
  • Paralisia de cordas vocais após intubação endotraqueal: uma
           complicação incomum da anestesia geral

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Claudia Hurtado Nazal, Andrea Araneda Vilches, Carolina Vergara Marín, Karen García Contreras, Carla Napolitano Valenzuela, Pedro Badía VentíResumoJustificativaA anestesia geral é um procedimento seguro e frequente na prática clínica. Embora seja muito rara em procedimentos não relacionados à cirurgia de cabeça ou pescoço, a paralisia das cordas vocais é uma complicação séria e importante. Sua incidência tem sido associada à idade e comorbidades do paciente, bem como à posição do tubo endotraqueal e seu balonete. A paralisia das cordas vocais pode ser uma condição perigosa porque predispõe à aspiração.ObjetivosApresentar um caso e analisar os fatores de risco associados ao aumento do risco de paralisia das cordas vocais descritos na literatura.Relato de casoPaciente do sexo masculino, 53 anos, diabético, que desenvolveu rouquidão no pós‐operatório após anestesia geral para cirurgia laparoscópica abdominal eletiva. A avaliação otorrinolaringológica mostrou paralisia da corda vocal esquerda.ConclusãoA paralisia de cordas vocais pode ser uma complicação séria da anestesia geral devido ao risco grave de disfunção da voz e aspiração. O manejo dessa condição ainda não está totalmente estabelecido, de modo que a prevenção e o diagnóstico precoce são essenciais. BackgroundGeneral anesthesia is a safe, frequent procedure in clinical practice. Although it is very unusual in procedures not related to head and or neck surgery, vocal cord paralysis is a serious and important complication. Incidence has been associated with patient age and comorbidities, as well as the position of the endotracheal tube and cuff. It can become a dangerous scenario because it predisposes aspiration.ObjectivesTo present a case and analyze the risk factors associated with increased risk of vocal cord paralysis described in the literature.Case report53 year‐old diabetic man, who developed hoarseness in the postoperative period after receiving general anesthesia for an elective abdominal laparoscopic surgery. Otolaryngological evaluation showed left vocal cord paralysis.ConclusionsVocal cord paralysis can be a serious complication of general anesthesia because of important voice dysfunction and risk of aspiration. The management is not yet fully established, so prevention and early diagnosis is essential.
       
  • Tamponamento cardíaco fatal desencadeado na sala de recuperação
           pós-anestésica: uma complicação rara após lobectomia pulmonar

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Hyung Mook Lee, Young Jae Jeon, Hye Won Chung, Hyo Min Yun, Mi Hyun KimResumoJustificativa e objetivosO tamponamento cardíaco é uma condição médica potencialmente fatal, cuja ocorrência como uma complicação da lobectomia pulmonar é muito rara. Apresentamos o primeiro caso de tamponamento cardíaco desencadeado na sala de recuperação pós‐anestésica (SRPA) após uma lobectomia pulmonar.Relato de casoPaciente do sexo masculino, 54 anos, com carcinoma de células escamosas pulmonares, submetido à lobectomia pulmonar aparentemente sem complicações. Sua hemodinâmica não apresentou alteração durante toda a cirurgia e também inicialmente na sala de recuperação pós‐anestésica. Porém, após cinco minutos na SRPA, o paciente apresentou hipotensão e dispneia de forma repentina e respondeu mal ao inotrópico e à reanimação hídrica. Uma ecocardiografia transesofágica feita por um anestesiologista que suspeitou de etiologia cardíaca revelou um derrame pericárdico que comprimia o coração. Após tentativa malsucedida de pericardiocentese, foi feita uma janela pericárdica de emergência. O paciente apresentou melhoria dramática com a descompressão do coração.ConclusãoComo o tamponamento cardíaco geralmente não é suspeito como causa de instabilidade hemodinâmica após lobectomia pulmonar, como ocorreu neste caso, um diagnóstico errado da condição do paciente poderia ter levado a um manejo inadequado, que resultaria em morte. Como os anestesiologistas estão frequentemente envolvidos na reanimação inicial de pacientes debilitados em salas de recuperação pós-anestésica, seu conhecimento de várias complicações pós‐operatórias e competência na ecocardiografia para avaliar problemas cardíacos podem contribuir para a sobrevivência do paciente. Background and objectivesCardiac tamponade is potentially fatal medical condition, which rarely occurs as a complication of lung lobectomy. We present the first case of cardiac tamponade to develop in a Post‐Anesthesia Care Unit following a lung lobectomy.Case reportA 54‐year‐old man with pulmonary squamous cell carcinoma underwent an apparently uncomplicated lung lobectomy. His hemodynamics was unremarkable throughout the surgery and initially in the Post‐Anesthesia Care Unit. However, after 5 min in the Post‐Anesthesia Care Unit, he suddenly became hypotensive and dyspneic. He responded poorly to inotropics and fluid resuscitation. Transesophageal echocardiography conducted by an anesthesiologist who suspected a cardiac etiology revealed a pericardial effusion compressing the heart. After a failed attempt of pericardiocentesis, an emergency pericardial window operation was performed. The patient improved dramatically once the heart was decompressed.ConclusionSince cardiac tamponade is generally not suspected as a cause of hemodynamic instability after a lung lobectomy, as it was in this case, a misdiagnosis of the patient's condition may have led to improper management resulting in death. As anesthesiologists are often involved in the initial resuscitation of morbid patients in Post‐Anesthesia Care Units, their acquaintance with various postoperative complications and competence in echocardiography for assessing cardiac problems may contribute to patient survival.
       
  • Acesso às vias aéreas guiado por ultrassom

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Neusa Lages, Diana Vieira, Joana Dias, Cláudia Antunes, Tiago Jesus, Telmo Santos, Carlos CorreiaResumoO uso do ultrassom em anestesia tem aumentado consideravelmente. Esse procedimento provou ser uma técnica nova, não invasiva e simples para o manejo das vias aéreas superiores, mostrou ser uma ferramenta útil não apenas em salas de cirurgia, mas também em unidades de terapia intensiva e prontos‐socorros. De fato, ao longo dos anos, evidências crescentes mostraram que o papel do ultrassom no manejo das vias aéreas se destacou. Nesta revisão, discutiremos a importância da ultrassonografia na avaliação pré‐operatória das vias aéreas, como forma de detectar sinais de intubação difícil ou definir o tipo e/ou tamanho do tubo endotraqueal, bem como auxiliar nos procedimentos de abordagem das vias aéreas, como intubação endotraqueal, cricotireotomia, intubação traqueal percutânea, intubação retrógrada e critérios de extubação. Ultrasound has increasingly growing applications in anesthesia. This procedure has proven to be a novel, non‐invasive and simple technique for the upper airway management, proving to be a useful tool, not only in the operating room but also in the intensive care unit and emergency department. Indeed, over the years mounting evidence has showed an increasing role of ultrasound in airway management. In this review, the authors will discuss the importance of ultrasound in the airway preoperative assessment as a way of detecting signs of difficult intubation or to define the type and/or size of the endotracheal tube as well as to help airway procedures such as endotracheal intubation, cricothyrotomy, percutaneous tracheal intubation, retrograde intubation as well as the criteria for extubation.
       
  • Manejo anestésico do tratamento endovascular para acidente vascular
           cerebral isquêmico agudo: influências no resultado e complicações

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Catarina Sousa Laranjo Tinoco, Patrícia Marlene Carvalho dos SantosResumoJustificativa e objetivosO uso emergente de terapias endovasculares para acidente vascular cerebral isquêmico agudo, como a trombectomia intra‐arterial, nos obriga a uma compreensão melhor do manejo anestésico necessário e seu impacto nos resultados globais. Este artigo revisa os dados disponíveis sobre o manejo anestésico do tratamento endovascular, comparando anestesia geral com sedação consciente, as modalidades mais utilizadas, quanto à indução anestésica e duração do procedimento, mobilidade do paciente, localização da oclusão, parâmetros hemodinâmicos, desfecho e segurança; abordando também o estado da arte da neuroproteção fisiológica e farmacológica.ConteúdoA maioria das evidências sobre esse tópico é retrospectiva e contraditória, com apenas três pequenos estudos randômicos realizados até o momento. A sedação consciente foi frequentemente associada a melhores resultados, mas as evidências prospectivas indicaram que não há vantagem sobre a anestesia geral em relação a essa questão. A sedação consciente é no mínimo tão segura como a anestesia geral para o tratamento endovascular do AVC isquêmico agudo, com mortalidade equivalente e menos complicações, como pneumonia, hipotensão ou extubações difíceis. Porém, a sedação consciente apresenta uma frequência maior de agitação e movimento do paciente, sendo a principal causa de conversão para a anestesia geral.ConclusõesAnestesia geral e sedação consciente são alternativas seguras para o manejo anestésico de pacientes submetidos à trombectomia endovascular. Não há um manejo anestésico que seja universalmente recomendado e esperamos que os ensaios clínicos randomizados em andamento possam lançar alguma luz sobre a melhor abordagem; enquanto isso, a escolha da anestesia deve basear‐se nas características individuais do paciente. Em relação à neuroproteção, a estabilidade hemodinâmica é atualmente a estratégia mais importante, uma vez que nenhum método farmacológico se mostrou eficaz em humanos. Background and objectivesThe emerging use of endovascular therapies for acute ischemic stroke, like intra‐arterial thrombectomy, compels a better understanding of the anesthetic management required and its impact in global outcomes. This article reviews the available data on the anesthetic management of endovascular treatment, comparing general anesthesia with conscious sedation, the most used modalities, in terms of anesthetic induction and procedure duration, patient mobility, occlusion location, hemodynamic parameters, outcome and safety; it also focuses on the state‐of‐the‐art on physiologic and pharmacologic neuroprotection.ContentsMost of the evidence on this topic is retrospective and contradictory, with only three small randomized studies to date. Conscious sedation was frequently associated with better outcomes, but the prospective evidence declared that it has no advantage over general anesthesia concerning that issue. Conscious sedation is at least as safe as general anesthesia for the endovascular treatment of acute ischemic stroke, with equivalent mortality and fewer complications like pneumonia, hypotension or extubation difficulties. It has, however, a higher frequency of patient agitation and movement, which is the main cause for conversion to general anesthesia.ConclusionsGeneral anesthesia and conscious sedation are both safe alternatives for anesthetic management of patients submitted to endovascular thrombectomy. No anesthetic management is universally recommended and hopefully the ongoing randomized clinical trials will shed some light on the best approach; meanwhile, the choice of anesthesia should be based on the patient's individual characteristics. Regarding neuroprotection, hemodynamic stability is currently the most important strategy, as no pharmacological method has been proven effective in humans.
       
  • Os efeitos condrotóxicos e apoptóticos de levobupivacaína e
           bupivacaína na articulação do joelho de coelhos

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Osman Çevik, Özlem Öz Gergin, Karamehmet Yildiz, Adnan Bayram, Özlem Canöz, Mehmet Halici, Münevver Baran, Arzu Yay, Sait PolatResumoJustificativaUma injeção em dose única ou infusão contínua de anestésicos locais no espaço articular é considerada uma técnica de analgesia bem definida. O objetivo deste estudo foi investigar os efeitos condrotóxicos e apoptóticos da injeção intra‐articular com dose única de levobupivacaína e bupivacaína em tecidos articulares do joelho de coelho.Material e métodosOs animais foram alocados em dois grupos, cada um contendo 20 coelhos. Levobupivacaína a 0,5% (Grupo L) e bupivacaína a 0,5% (Grupo B) foram aplicadas intra‐articularmente nas articulações posteriores esquerdas de coelhos. Ao mesmo tempo, solução salina normal foi aplicada nas articulações do joelho da perna posterior direita de coelhos em ambos os grupos e usada como controle (Grupo S). Ao fim do 7° e 28° dias após as injeções intra‐articulares, 10 coelhos escolhidos aleatoriamente em cada grupo foram mortos por aplicação de tiopental intraperitoneal. Seções de amostras de tecido cartilaginoso foram coradas para exames de microscopia de luz, e o método TUNEL foi usado para investigar células apoptóticas.ResultadosComo resultado do exame microscópico de imunofluorescência nos dias 7 e 28, o número de células apoptóticas no Grupo B foi significativamente maior que nos grupos L e S (p 
       
  • Remifentanil–cetamina vs. propofol–cetamina para sedação em
           pacientes pediátricos submetidos à colonoscopia: ensaio clínico
           randômico

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Feride Karacaer, Ebru Biricik, Murat Ilgınel, Çağatay Küçükbingöz, Mehmet Ağın, Gökhan Tümgör, Yasemin Güneş, Dilek ÖzcengizResumoJustificativa e objetivosOs pacientes pediátricos com frequência precisam de sedação profunda ou anestesia geral para colonoscopia. Este estudo foi desenhado para comparar a eficácia sedativa da combinação de remifentanil‐cetamina e de propofol‐cetamina em crianças submetidas à colonoscopia.MétodosSetenta pacientes, entre 2–16 anos, programados para colonoscopia diagnóstica foram alocados randomicamente em dois grupos. O grupo remifentanil‐cetamina recebeu a combinação de 2 mg.kg−1 de cetamina por via intravenosa e 0,25 μg.kg−1 de remifentanil; seguido de infusão de remifentanil (0,1 μg.kg−1.min−1). O grupo propofol‐cetamina recebeu a combinação de 1 mg.kg−1 de propofol e 2 mg.kg−1 de cetamina; seguido de infusão de propofol (1 mg.kg−1.h−1). Em caso de desconforto das crianças (choro, movimento e tosse), remifentanil (0,1 μg.kg−1) seria administrado ao grupo remifentanil‐cetamina ou propofol (0,5 mg.kg−1) ao grupo propofol‐cetamina. A despeito da terapia acima citada, caso as crianças ainda sentissem desconforto, cetamina (1 mg.kg−1) seria administrada como fármaco de resgate, independentemente do grupo. Escore de sedação de Ramsay, variáveis hemodinâmicas, necessidade de medicamentos, satisfação dos gastroenterologistas, duração da colonoscopia, tempo de recuperação e efeitos colaterais foram registrados durante o procedimento e o período de recuperação.ResultadosO percentual de pacientes com escore 4 ou mais na escala de sedação de Ramsay durante o procedimento foi de 73,5% e 37,1% nos grupos remifentanil‐cetamina e propofol‐cetamina, respectivamente, (p = 0,02). As variáveis, pressão arterial sistólica e diastólica, foram significativamente maiores no grupo remifentanil‐cetamina do que no grupo propofol‐cetamina, mas somente após a indução (p = 0,015).ConclusãoA coadministração de cetamina com remifentanil ou propofol fornece sedação e analgesia de forma eficaz e segura em crianças submetidas à colonoscopia. Os escores de sedação foram significativamente melhores no grupo remifentanil‐cetamina do que no grupo propofol‐cetamina. Background and objectivesPediatric patients frequently require deep sedation or general anesthesia for colonoscopy. This study was designed to compare the sedative efficacy of remifentanil–ketamine combination with propofol–ketamine combination in children undergoing colonoscopy.MethodsSeventy patients, between 2 and 16 years of age, scheduled for diagnostic colonoscopy were randomly allocated into two groups. Remifentanil–ketamine group received intravenous ketamine 2 mg.kg−1 and remifentanil 0.25 μg.kg−1 combination, followed by 0.1 μg.kg−1.min−1 remifentanil infusion. Propofol–ketamine group received intravenous propofol 1 and 2 mg.kg−1 ketamine combination, followed by 1 mg.kg−1.h−1 propofol infusion. In the case of children discomfort (cry, movement, and cough), remifentanil 0.1 μg.kg−1 in the remifentanil–ketamine group or propofol 0.5 mg.kg−1 in the propofol–ketamine group were administered to improve children discomfort. Despite the therapy given above, if children still experience discomfort, 1 mg.kg−1 of ketamine was administered as a rescue drug, regardless of the group. Ramsay sedation score, hemodynamic variables, drug requirements, gastroenterologists’ satisfaction, colonoscopy duration, recovery time, and side effects were recorded throughout the procedure and the recovery period.ResultsThe percentage of patients with a Ramsay sedation score of 4 or higher during the procedure was 73.5 and 37.1% in remifentanil–ketamine and propofol–ketamine groups, respectively (p = 0.02). Systolic and diastolic blood pressure variables were significantly higher only after induction in the remifentanil–ketamine group than in the propofol–ketamine group (p = 0.015).ConclusionCoadministration of ketamine with either remifentanil or propofol effectively and safely provides sedation and analgesia in children undergoing colonoscopy. Sedation scores were significantly better in remifentanil–ketamine group than in propofol–ketamine group.
       
  • Efeitos do pré‐tratamento com propofol sobre a apoptose de células
           miocárdicas e expressão de SERCA2 em ratos com isquemia/reperfusão
           hepática

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Shuzhen Yu, Yongqing Guo, Weiwei Zhang, Lina Zheng, Junming Ren, Jianmin Jin, Baofeng Yu, Yu Zhang, Hao Wang, Yuhong ZhangResumoIntroduçãoA lesão hepática por isquemia‐reperfusão é um processo fisiopatológico comum em cirurgias hepáticas. Mais estudos ainda são necessários para avaliar se o propofol pode reduzir a lesão de isquemia‐reperfusão miocárdica induzida pela lesão de isquemia‐reperfusão hepática em ratos, juntamente com os mecanismos que estão relacionados.ObjetivoInvestigar se propofol protege as células do miocárdio da apoptose com a lesão hepática por isquemia‐reperfusão.MétodosRatos machos da raça Sprague‐Dawley (n = 18) foram alocados aleatoriamente em três grupos: Grupo Sham (Grupo S, n = 6), Grupo Lesão Hepática por Isquemia‐reperfusão (Grupo IR, n = 6) e Grupo Propofol (Grupo P, n = 6). O Grupo S foi submetido apenas à laparotomia. O grupo IR foi submetido à isquemia por 30 min e reperfusão por 4 h. O grupo P foi submetido à mesma isquemia do grupo IR, com a administração de 120 mg.kg‐1 de propofol iniciada 10min antes da isquemia, seguida de infusão contínua a 20 mg.kg‐1.h‐1. A apoptose celular foi examinada por meio do ensaio de marcação de terminações dUTP pela deoxinucleotidil transferase. Retículo endoplasmático Ca2+‐ATPase2 (SERCA2) e caspase‐3 do ácido aspártico contendo cisteína (caspase‐3 clivada) foram avaliados com o ensaio western blot e reação em cadeia da polimerase.ResultadosA taxa de apoptose foi maior com mRNA e proteína de SERCA2 regulados para baixo e caspase‐3 clivada suprarregulada no Grupo IR, em comparação com o Grupo S (p 
       
  • Dinâmica ultrassonográfica dos volumes do conteúdo gástrico após a
           ingestão de água de coco ou sanduíche de carne. Um estudo cruzado
           controlado e randômico com voluntários saudáveis

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Bruno Mendes Carmona, Clauber Claudino Alves Almeida, Waldônio de Brito Vieira, Mario de Nazareth Chaves Fascio, Lídia Raquel de Carvalho, Luiz Antonio Vane, Fabiano Timbó Barbosa, Paulo do Nascimento Junior, Norma Sueli Pinheiro MódoloResumoJustificativaO jejum pré‐operatório adequado é fundamental para prevenir a aspiração pulmonar do conteúdo gástrico. Nossa proposta foi avaliar a dinâmica ultrassonográfica do conteúdo gástrico após a ingestão de alimentos líquidos ou sólidos em voluntários sadios e confrontá‐la com as diretrizes atuais para os períodos de jejum no pré‐operatório.MétodosUm estudo prospectivo, cruzado e avaliador‐cego foi feito com 17 voluntários saudáveis de ambos os sexos. Cada participante jejuou por 10 horas e foi submetido a uma ultrassonografia gástrica na fase basal, ingestão de 400 mL de água de coco ou 355 g de sanduíche de carne e avaliações gástricas ultrassonográficas foram feitas após 10 minutos e a cada hora até o estômago estar completamente vazio.ResultadosNa fase basal, todos os participantes estavam com o estômago vazio. Aos 10 minutos, o conteúdo gástrico [média + desvio‐padrão (DP)] foi de 240,4 + 69,3 e 248,2 + 119,2 mL para alimentos líquidos e sólidos, respectivamente (p> 0,05). Os tempos médios de esvaziamento gástrico + DP foram de 2,5 + 0,7 e 4,5 + 0,9 horas para alimentos líquidos e sólidos, respectivamente (p < 0,001). Para a bebida, o estômago ficou completamente vazio em 59% e 100% dos sujeitos após duas e quatro horas; para o sanduíche, o estômago ficou completamente vazio em 65% e 100% dos sujeitos após quatro e sete horas, respectivamente.ConclusõesA dinâmica ultrassonográfica do volume gástrico para água de coco e sanduíche de carne resultou em tempos totais de esvaziamento gástrico maiores e menores, respectivamente, do que os sugeridos pelas diretrizes atuais para o jejum pré‐operatório. BackgroundAdequate preoperative fasting is critical in preventing pulmonary aspiration of gastric content. We proposed to study the sonographic gastric content dynamics after the ingestion of liquid or solid food in healthy volunteers and confront it with current guidelines for preoperative fasting times.MethodsWe performed a prospective, crossover, evaluator‐blinded study involving 17 healthy volunteers of both sexes. Each participant fasted for 10 h and was subjected to a baseline gastric ultrasound, intake of 400 mL of coconut water or a 145 g, 355 kcal meat sandwich, and sonographic gastric evaluations after 10 min and every hour until the stomach was completely empty.ResultsAt baseline, all subjects had an empty stomach. At 10 min, gastric content [mean + standard deviation (SD)] was 240.4 + 69.3 and 248.2 + 119.2 mL for liquid and solid foods, respectively (p > 0.05). Mean + SD gastric emptying times were 2.5 + 0.7 and 4.5 + 0.9 h for liquid and solid foods, respectively (p 
       
  • Avaliação da qualidade da recuperação e do estado de saúde no
           pós‐operatório de cirurgias eletivas

    • Abstract: Publication date: November–December 2018Source: Brazilian Journal of Anesthesiology, Volume 68, Issue 6Author(s): Sofia M. Ferraz, João P. Moreira, Leonor C. Mendes, Tania M. Amaral, Ana R. Andrade, Alice R. Santos, Fernando J. AbelhaResumoObjetivoA recuperação pós‐operatória é um processo complexo com dimensões fisiológicas, funcionais e psicológicas. A qualidade da recuperação pós‐operatória é considerada um resultado crucial após cirurgia e anestesia. O objetivo deste estudo foi avaliar e comparar a qualidade da recuperação pós‐operatória e o estado de saúde antes e depois da cirurgia em pacientes submetidos à cirurgia eletiva.MétodosEste estudo observacional prospectivo foi feito com pacientes agendados para cirurgia eletiva. A avaliação da recuperação pós‐operatória foi feita com a Escala de Qualidade da Recuperação Pós‐Operatória (Postoperative Quality of Recovery Scale) e o estado de saúde foi avaliado com a aplicação do EuroQol, que analisa problemas em cinco dimensões (mobilidade, cuidados pessoais, atividades habituais, dor/desconforto e ansiedade/depressão) e a ferramenta para medida de incapacidade desenvolvida pela Organização Mundial da Saúde (World Health Organization Disability Assessment Schedule 2.0). Má qualidade de recuperação foi definida como uma recuperação em menos de dois domínios da Escala de Qualidade da Recuperação Pós‐Operatória no primeiro dia (D1) de pós‐operatório.ResultadosAntes da cirurgia (D0), os pacientes com má qualidade de recuperação apresentaram escores medianos na escala visual analógica semelhantes aos dos pacientes sem má qualidade de recuperação, mas apresentaram mais problemas nas dimensões mobilidade, atividades habituais, dor/desconforto e ansiedade/depressão. No terceiro mês após a cirurgia, os pacientes com má qualidade de recuperação apresentaram escores na escala visual analógica medianos no EuroQol semelhantes aos dos pacientes sem má qualidade de recuperação, mas apresentaram mais problemas na dimensão dor/desconforto. Os escores World Health Organization Disability Assessment Schedule 2.0 dos pacientes com má qualidade de recuperação foram significativamente maiores no início do estudo, embora os resultados tenham sido semelhantes no terceiro mês.ConclusõesOs pacientes com má qualidade de recuperação apresentaram o pior estado de saúde no D0. A avaliação no terceiro mês indicou taxas semelhantes de problemas no EuroQol (exceto dor/desconforto) e escores semelhantes no World Health Organization Disability Assessment Schedule 2.0. PurposePostoperative recovery is a complex process with physiologic, functional, and psychologic dimensions. Postoperative quality of recovery is considered as a crucial outcome following surgery and anesthesia. The objective of this study was to assess and compare the quality of postoperative recovery and health status before and after surgery, in patients undergoing elective surgery.MethodsThis observational, prospective study was conducted on patients proposed for elective surgery. Evaluation of postoperative recovery was performed using the Postoperative Quality of Recovery Scale and health status was assessed by applying the EuroQol assessing problems in five dimensions: mobility, personal care, usual activities, pain/discomfort, and anxiety/depression, and the World Health Organization Disability Assessment Schedule 2.0. Poor quality of recovery was defined as recovery in fewer than two domains at postoperative Day 1 in the Postoperative Quality of Recovery Scale.ResultsBefore surgery (D0), patients with poor quality of recovery had median Visual Analog Scale scores in EuroQol similar to those of patients without poor quality of recovery, but they had more problems in the mobility, usual activities, pain/discomfort, and anxiety/depression dimensions. At 3 months after surgery, patients with poor quality of recovery had median Visual Analog Scale scores in EuroQol similar to those of patients without poor quality of recovery, but they maintained more problems in the pain/discomfort dimension. Patients with poor quality of recovery scored significantly higher on the World Health Organization Disability Assessment Schedule 2.0 scale at baseline, although the results were similar at 3 months.ConclusionsPatients with poor quality of recovery had the worst health status at D0. Evaluation at 3 months indicated similar rates of problems in EuroQol (except for pain/discomfort) and World Health Organization Disability Assessment Schedule 2.0 scores were similar.
       
  • Perfil dos relatos de suscetibilidade à hipertermia maligna confirmados
           com teste de contratura muscular no Brasil

    • Abstract: Publication date: Available online 26 October 2018Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Helga Cristina Almeida da Silva, Gisele Ferreira, Gislene Rodrigues, Joilson Moura dos Santos, Pamela Vieira Andrade, Alexandre Hortense, Marcelo Vaz Perez, José Luiz Gomes do AmaralResumoJustificativa e objetivoHipertermia maligna é síndrome farmacogenética hipermetabólica, autossômica dominante, com mortalidade 10%‐20%, desencadeada por uso de anestésico inalatório halogenado ou relaxante muscular succinilcolina. O padrão‐ouro para pesquisa de suscetibilidade à hipertermia maligna é o teste de contratura muscular in vitro em resposta ao halotano e à cafeína. A determinação da suscetibilidade nas famílias suspeitas permite planejar anestesias seguras sem agentes desencadeantes para os pacientes confirmados como suscetíveis à hipertermia maligna pelo teste de contratura muscular in vitro positivo. Além disso, o paciente no qual a suspeita de hipertermia maligna foi excluída pelo teste de contratura muscular in vitro negativo pode ser anestesiado de forma convencional. Suscetibilidade à hipertermia maligna tem manifestação variável, desde indivíduo assintomático que apresenta crise de hipertermia maligna durante anestesia com agentes desencadeantes até paciente com atrofia e fraqueza muscular por miopatia central core disease. O objetivo deste trabalho é analisar o perfil dos relatos de suscetibilidade à hipertermia maligna confirmados com teste de contratura muscular in vitro.MétodoAnálise das fichas de notificação dos pacientes com suspeita pessoal/familiar de hipertermia maligna investigados com teste de contratura muscular in vitro, após assinatura do termo de consentimento, entre 1997‐2010.ResultadosDos 50 eventos que motivaram a suspeita de hipertermia maligna e a investigação familiar (amostra com 27 ± 18 anos, 52% homens, 76% brancos), 64% foram investigados por crise de hipertermia maligna anestésica, com mortalidade de 25%. Sinais mais comuns da crise de hipertermia maligna foram hipertermia, taquicardia e rigidez muscular. Suscetibilidade à hipertermia maligna foi confirmada em 79,4% dos 92 parentes investigados com teste de contratura muscular in vitro.ConclusãoCrises de hipertermia maligna assemelharam‐se às descritas em outros países, porém com frequência no país inferior à estimada. Background and objectivesMalignant hyperthermia is an autosomal dominant hypermetabolic pharmacogenetic syndrome, with a mortality rate of 10%‐20%, which is triggered by the use of halogenated inhaled anesthetics or muscle relaxant 10%‐20% succinylcholine. The gold standard for suspected susceptibility to malignant hyperthermia is the in vitro muscle contracture test in response to halothane and caffeine. The determination of susceptibility in suspected families allows the planning of safe anesthesia without triggering agents for patients with known susceptibility to malignant hyperthermia by positive in vitro muscle contracture test. Moreover, the patient whose suspicion of malignant hyperthermia was excluded by the in vitro negative muscle contracture test + may undergo standard anesthesia. Susceptibility to malignant hyperthermia has a variable manifestation ranging from an asymptomatic subject presenting a crisis of malignant hyperthermia during anesthesia with triggering agents to a patient with atrophy and muscle weakness due to central core myopathy. The aim of this study is to analyze the profile of reports of susceptibility to malignant hyperthermia confirmed with in vitro muscle contracture test.MethodAnalysis of the medical records of patients with personal/family suspicion of malignant hyperthermia investigated with in vitro muscle contracture test, after given written informed consent, between 1997‐2010.ResultsOf the 50 events that motivated the suspicion of malignant hyperthermia and family investigation (sample aged 27 ± 18 years, 52% men, 76% white), 64% were investigated for an anesthetic malignant hyperthermia crisis, with mortality rate of 25%. The most common signs of a malignant hyperthermia crisis were hyperthermia, tachycardia, and muscle stiffness. Susceptibility to malignant hyperthermia was confirmed in 79.4% of the 92 relatives investigated with the in vitro muscle contracture test.ConclusionThe crises of malignant hyperthermia resembled those described in other countries, but with frequency lower than that estimated in the country.
       
  • Estudo comparativo do esvaziamento gástrico entre uma solução
           isotônica e um suplemento nutricional por meio da ultrassonografia

    • Abstract: Publication date: Available online 24 October 2018Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Flora Margarida Barra Bisinotto, Luciano Alves Matias da Silveira, Tiago Caneu Rossi, Laura Bisinotto Martins, Gustavo Palis Zago, Mariana Andrade Lopes MendonçaResumoJustificativa e objetivosO jejum pré‐operatório pode levar a efeitos indesejáveis no paciente cirúrgico, em que há um estimulo à ingestão de líquidos sem resíduos até 2 h antes da anestesia. O objetivo deste estudo foi avaliar o esvaziamento gástrico de duas soluções diferentes por meio da ultrassonografia.MétodosEm um estudo prospectivo, randomizado, cego, 34 voluntários saudáveis ingeriram 200 mL de duas soluções sem resíduos, em duas etapas: uma solução isotônica com carboidratos, eletrólitos, osmolaridade de 292 mOsm.L‐1 e 36 Kcal; e outra suplementação nutricional, com carboidratos, proteínas, eletrólitos, osmolaridade de 680 mOs.L‐1 e 300 Kcal. Após 2 h, fez‐se ultrassonografia gástrica com avaliação da área do antro e volume gástrico e relação do volume gástrico sobre o peso (vol.p‐1), cujo valor acima de 1,5 mL.kg‐1 foi considerado risco para broncoaspiração. Considerou‐se p 
       
  • Bradicardia grave e assistolia associadas ao sugamadex: relato de caso
           clínico

    • Abstract: Publication date: Available online 19 October 2018Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Catarina Oliveira, Catarina Marques, Vânia Simões, Leina Spencer, Rita Poeira, Margarida CasteleiraResumoJustificativa e objetivosO sugamadex é uma gama ciclodextrina modificada, o primeiro agente seletivo para reversão do bloqueio neuromuscular induzido pelos relaxantes musculares não despolarizantes do tipo esteroide, com maior afinidade para o rocurônio. Neste artigo apresentamos um caso de bradicardia grave e assistolia após administração de sugamadex.Relato do casoDoente do sexo masculino, 54 anos, ASA II, com antecedentes pessoais de hipertensão, dislipidemia e obesidade, submetido à herniorrafia umbilical em regime de urgência sob anestesia geral balanceada. O relaxamento muscular intraoperatório foi mantido com rocurônio. No fim da cirurgia o doente mantinha bloqueio neuromuscular com duas respostas no TOF, pelo que foi administrado sugamadex 200 mg. Cerca de trinta segundos após a sua administração, o doente desenvolveu bradicardia acentuada (FC 30 bpm) seguida de período de assistolia.ConclusõesA bradicardia e a assistolia documentadas foram atribuídas à administração do sugamadex. Este caso evidencia que, apesar de rara, a parada cardíaca é um efeito adverso possível desse fármaco e que o conhecimento dessa situação pode ser determinante para a evolução do doente. Background and objectivesSugamadex is a modified gamma‐cyclodextrin, the first selective agent for reversal of neuromuscular blockade induced by steroidal non‐depolarizing muscle relaxants, with greater affinity for rocuronium. In this article we present a case of severe bradycardia and asystole following sugammadex administration.Case reportA 54‐year‐old male patient, ASA II, with a history of hypertension, dyslipidemia and obesity, who underwent an emergency umbilical herniorrhaphy under balanced general anesthesia. Intraoperative muscle relaxation was maintained with rocuronium. At the end of the surgery, the patient maintained a neuromuscular block with two TOF responses, and sugammadex (200 mg) was administered. About thirty seconds after its administration, the patient developed marked bradycardia (HR 30 bpm) followed by asystole.ConclusionsDocumented bradycardia and asystole were attributed to the administration of sugammadex. This case shows that, although rare, cardiac arrest is a possible adverse effect of this drug, and that the knowledge of this situation can be determinant for the patient's evolution.
       
  • O bloqueio contínuo do quadrado lombar tipo 3 fornece analgesia
           pós‐operatória efetiva para cirurgia do quadril

    • Abstract: Publication date: Available online 6 September 2018Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Ahmet Murat Yayik, Sevim Cesur, Figen Ozturk, Ali Ahiskalioglu, Erkan Cem CelikResumoIntroduçãoA cirurgia de quadril é uma cirurgia de grande porte que causa dor intensa no pós‐operatório. Embora a dor durante o repouso seja consideravelmente reduzida, a mobilização é importante em termos de complicações tromboembólicas. O bloqueio do quadrado lombar é uma técnica analgésica regional que bloqueia os ramos nervosos de T6‐L3. Esse bloqueio pode fornecer analgesia adequada e reduzir o consumo de opioides após cirurgias de quadril.Relato de casoFizemos o bloqueio contínuo do quadrado lombar tipo 3 em dois pacientes submetidos à artroplastia de quadril. Durante as 24 hs de pós‐operatório foram registrados os escores de dor, o consumo de anestésicos locais em analgesia controlada pelo paciente e a necessidade de analgésicos adicionais. Em dois pacientes, os escores de dor pós‐operatória foram
       
  • Importância da ultrassonografia direcionada pré‐operatória em
           pacientes com fratura de fêmur – Relato de caso

    • Abstract: Publication date: Available online 13 August 2018Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Marcos Guilherme Cunha Cruvinel, Fabiano Soares Carneiro, Roberto Cardoso Bessa JuniorResumoObjetivoExemplificar o papel do emprego da ultrassonografia à beira do leito pelo anestesiologista e oferecer uma abordagem individualizada para a condição específica do paciente, sem que haja postergação desnecessária de correções cirúrgicas de fraturas de fêmur em idosos.Relato do casoPaciente feminina, 86 anos, hipertensa, vítima de fratura trocantérica de fêmur, levada ao bloco cirúrgico após liberação cardiológica. O exame ultrassonográfico à beira do leito possibilitou a identificação de estenose aórtica, hipertrofia ventricular esquerda, estenose de carótida e indícios de hipovolemia. A partir desses achados, decidiu‐se pelo bloqueio nos nervos femoral e cutâneo lateral da coxa guiado pela ultrassonografia como técnica anestésica.ConclusãoO uso da ultrassonografia direcionada à beira do leito pelo anestesiologista pode fornecer informações relevantes para a individualização da técnica anestésica, sem que haja postergação da intervenção cirúrgica, a qual comumente ocorre quando o paciente é referenciado para exame completo pelo especialista. ObjectiveThe aim of this report is to represent the role of the use of bedside ultrasound by the anesthesiologist, offering an individualized approach to the specific condition of the patient, without unnecessary postponement of femur fracture surgical repair in the elderly.Case reportFemale patient, 86 years old, hypertensive, victim of trochanteric fracture of the femur, taken to the operating room after being released by cardiology service. A bedside ultrasound exam allowed the identification of aortic stenosis, left ventricular hypertrophy, carotid stenosis, and signs of hypovolemia. From these findings, it was decided to use an ultrasound‐guided block of the nerves femoral and lateral cutaneous of the thigh as an anesthetic technique.ConclusionsThe use of ultrasound guidance by the anesthesiologist can provide relevant information for individualizing the anesthetic technique, without postponing the surgical intervention, which usually occurs when the patient is referred for complete examination by the specialist.
       
  • Anestesia e desafios perioperátorios para cirurgia de separação de
           gêmeos toraco‐onfalópagos: relato de caso

    • Abstract: Publication date: Available online 7 August 2018Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): Milton Halyson Benevides de Freitas, Luciana Cavalcanti Lima, Tania Cursino de Menezes Couceiro, Maria Célia Ferreira da Costa, Márcio Handerson Benevides de FreitasResumoJustificativa e objetivosGêmeos conjugados são gêmeos monozigóticos conectados por alguma parte do corpo. Esse é um fenômeno raro, estimado entre 1:50.000 a 1:200.000 nascimentos. O objetivo deste relato é apresentar o manejo anestésico e os desafios perioperatórios para cirurgia de separação.Relato de casoGêmeos toraco‐onfalópagos foram diagnosticados por ultrassonografia e acompanhados pela equipe de medicina fetal do serviço. Após 11 horas da cesárea, a equipe cirúrgica pediátrica optou pela separação dos gêmeos. Foram monitorados com cardioscopia, oximetria, capnografia, termômetro nasofaríngeo, débito urinário e pressão arterial não invasiva. Optou‐se por indução inalatória com oxigênio e sevoflurano a 4%. O G1 foi intubado com tubo orotraqueal 3,5 sem cuff e após três tentativas de intubação do G2 sem sucesso usou‐se máscara laríngea número 1. Após obtenção da via aérea nos gêmeos, complementou‐se indução com fentanil, propofol e rocurônio. Ventilação mecânica no modo pressão controlada 6 ml.kg‐1 e peridural lombar L1‐L2 com ropivacaína 0,2% (2,5 mg.kg‐1). A equipe cirúrgica pediátrica iniciou a separação dos gêmeos através de esternotomia, ligadura de vasos hepáticos. Após duas horas de procedimento, a separação foi concluída, prosseguiram‐se o tratamento cirúrgico de G1 e o cuidados de G2 até o óbito.ConclusõesA cirurgia de separação de gêmeos conjugados é um desafio, requer planejamento e coordenação de uma equipe multidisciplinar durante todos os estágios. Background and objectivesConjoined twins are monozygotic twins physically joined at some part of the body. This is a rare phenomenon, estimated between 1:50,000 to 1:200,000 births. The objective of this report is to present the anesthetic management and the perioperative challenges for a separation surgery.Case reportThoraco‐omphalopagus twins were diagnosed by ultrasound and were followed by the fetal medicine team of the service. After 11 hours of cesarean surgery, the pediatric surgical team chose to separate the twins. They were monitored with cardioscopy, oximetry, capnography, nasopharyngeal thermometer, urinary output, and noninvasive blood pressure. We chose inhaled induction with oxygen and 4% Sevoflurane. T1 patient was intubated with a 3.5 uncuffed endotracheal tube, and, after three unsuccessful intubation attempts of patient T2, a number 1 laryngeal mask was used. After securing the twins’ airway, the induction was supplemented with fentanyl, propofol, and rocuronium. Mechanical ventilation in controlled pressure mode (6 mL.kg‐1) and lumbar epidural (L1‐L2) with 0.2% ropivacaine (2.5 mg.kg‐1) were used. The pediatric surgical team initiated the separation of the twins via sternotomy, ligation of hepatic vessels. After 2 hours of procedure, the separation was completed, continuing the surgical treatment of T1 and the support of T2 until his death.ConclusionsConjoined twin separation surgery is a challenge, which requires planning and coordination of a multidisciplinary team during all stages.
       
  • Dissecção de aorta pós‐troca valvar mitral – o papel da
           ecocardiografia intraoperatória no seu diagnóstico

    • Abstract: Publication date: Available online 2 August 2018Source: Brazilian Journal of AnesthesiologyAuthor(s): José Mateus Costa, Fábio de Vasconcelos Papa, Kamila Fernanda StaszkoResumoO uso da ecocardiografia transesofágica no intraoperatório em cirurgias valvulares é bem estabelecido de acordo com os guidelines mais recentes, assim como o seu uso no diagnóstico, manuseio e resgate de complicações perioperatórias. O objetivo deste relato de caso é ilustrar uma situação em que o seu uso no intraoperatório influenciou de maneira positiva o seu desfecho. According to the most recent guidelines, the use of intraoperative transesophageal echocardiography in valvular surgeries is well established, as well as its use in the diagnosis, management, and rescue of perioperative complications. The aim of this case report is to illustrate a condition in which its intraoperative use had a positive influence on the outcome.
       
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
 


Your IP address: 18.207.102.38
 
Home (Search)
API
About JournalTOCs
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-