for Journals by Title or ISSN
for Articles by Keywords
help

Publisher: SciELO   (Total: 711 journals)

 A  B  C  D  E  F  G  H  I  J  K  L  M  N  O  P  Q  R  S  T  U  V  W  X  Y  Z  

        1 2 3 4 | Last   [Sort by number of followers]   [Restore default list]

Showing 1 - 200 of 711 Journals sorted alphabetically
ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.277, h-index: 5)
ACIMED     Open Access   (Followers: 1)
Acta Agronómica     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.11, h-index: 2)
Acta Amazonica     Open Access   (Followers: 5, SJR: 0.32, h-index: 18)
Acta Bioethica     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.131, h-index: 4)
Acta Botanica Brasilica     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.364, h-index: 23)
Acta botánica mexicana     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.251, h-index: 6)
Acta Cirurgica Brasileira     Open Access   (SJR: 0.319, h-index: 19)
Acta Limnologica Brasiliensia     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.29, h-index: 6)
Acta Literaria     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.1, h-index: 2)
Acta Medica Colombiana     Open Access   (Followers: 1)
Acta Médica Costarricense     Open Access   (Followers: 2)
Acta Neurológica Colombiana     Open Access   (Followers: 2)
Acta Ortopédica Brasileira     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.288, h-index: 10)
Acta Paulista de Enfermagem     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.242, h-index: 15)
Acta Pediátrica Costarricense     Open Access   (Followers: 1)
Acta Scientiarum. Agronomy     Open Access   (Followers: 4, SJR: 0.961, h-index: 15)
Acta zoológica mexicana     Open Access  
Actualidades Biológicas     Open Access   (Followers: 1)
African Human Rights Law J.     Open Access   (Followers: 20)
African Natural History     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.106, h-index: 4)
Afro-Asia     Open Access  
Ágora - studies in psychoanalytic theory     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.101, h-index: 2)
Agricultura Tecnica     Open Access   (Followers: 5)
Agrociencia     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.213, h-index: 15)
Agrociencia Uruguay     Open Access  
Agronomía Mesoamericana     Open Access  
Aisthesis     Open Access   (Followers: 5, SJR: 0.1, h-index: 1)
Alea : Estudos Neolatinos     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.1, h-index: 3)
Alfa : Revista de Linguística     Open Access  
Alpha (Osorno)     Open Access   (SJR: 0.114, h-index: 3)
Ambiente & sociedade     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.142, h-index: 8)
Ambiente & Agua : An Interdisciplinary J. of Applied Science     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.221, h-index: 4)
Ambiente Construído     Open Access   (Followers: 1)
América Latina en la historia económica     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.148, h-index: 1)
Anais Brasileiros de Dermatologia     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.498, h-index: 23)
Anais da Academia Brasileira de Ciências     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.322, h-index: 42)
Anais do Museu Paulista : História e Cultura Material     Open Access   (Followers: 1)
Anales de Medicina Interna     Open Access   (Followers: 1)
Anales del Instituto de la Patagonia     Open Access   (Followers: 1)
Anales del Sistema Sanitario de Navarra     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.196, h-index: 18)
Análise Psicológica     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.129, h-index: 3)
Análise Social     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.109, h-index: 8)
Andean geology     Open Access   (Followers: 13, SJR: 0.997, h-index: 25)
Antipoda. Revista de Antropología y Arqueología     Open Access   (Followers: 6, SJR: 0.1, h-index: 0)
Anuario Colombiano de Historia Social y de la Cultura     Open Access   (SJR: 0.101, h-index: 1)
Anuario de Historia Regional y de las Fronteras     Open Access  
Apuntes : Revista de Estudios sobre Patrimonio Cultural - J. of Cultural Heritage Studies     Open Access   (Followers: 4)
Archivos de Medicina Veterinaria     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.199, h-index: 16)
Archivos de Neurociencias     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.1, h-index: 4)
Archivos de Pediatria del Uruguay     Open Access   (Followers: 3)
Archivos de Zootecnia     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.248, h-index: 9)
Archivos Españoles de Urología     Open Access   (SJR: 0.188, h-index: 19)
ARQ     Open Access   (Followers: 4, SJR: 0.1, h-index: 2)
Arquitectura y Urbanismo     Open Access   (Followers: 2)
Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia     Open Access   (SJR: 0.307, h-index: 22)
Arquivos Brasileiros de Cardiologia     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.334, h-index: 32)
Arquivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia     Open Access  
Arquivos Brasileiros de Oftalmologia     Open Access   (SJR: 0.308, h-index: 19)
Arquivos de Gastroenterologia     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.424, h-index: 22)
Arquivos de Medicina     Open Access   (SJR: 0.1, h-index: 5)
Arquivos de Neuro-Psiquiatria     Open Access   (SJR: 0.374, h-index: 38)
Arquivos do Instituto Biológico     Open Access   (Followers: 1)
Arquivos Internacionais de Otorrinolaringologia     Open Access  
ARS     Open Access   (Followers: 3)
Atenea (Concepción)     Open Access   (SJR: 0.111, h-index: 3)
Atmósfera     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.377, h-index: 18)
Audiology - Communication Research     Open Access   (Followers: 8)
Avaliação : Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas)     Open Access  
Avances en Odontoestomatologia     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.109, h-index: 4)
Avances en Periodoncia e Implantología Oral     Open Access   (Followers: 1)
Bakhtiniana : Revista de Estudos do Discurso     Open Access  
BAR. Brazilian Administration Review     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.188, h-index: 6)
Biota Neotropica     Open Access   (SJR: 0.373, h-index: 18)
Biotecnología Aplicada     Open Access   (SJR: 0.122, h-index: 10)
Biotecnología en el Sector Agropecuario y Agroindustrial     Open Access  
Boletim de Ciências Geodésicas     Open Access   (SJR: 0.227, h-index: 5)
Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.139, h-index: 4)
Boletin Chileno de Parasitologia     Open Access  
Boletín de Filología     Open Access  
Boletín de la Sociedad Botánica de México     Open Access  
Boletin de la Sociedad Chilena de Quimica     Open Access  
Boletín de la Sociedad Geológica Mexicana     Open Access   (SJR: 0.231, h-index: 8)
Boletín del Museo Chileno de Arte Precolombino     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.149, h-index: 1)
Bosque     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.256, h-index: 10)
Bragantia     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.522, h-index: 20)
Brazilian Archives of Biology and Technology     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.242, h-index: 31)
Brazilian Dental J.     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.47, h-index: 34)
Brazilian J. of Biology     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.358, h-index: 35)
Brazilian J. of Chemical Engineering     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.424, h-index: 32)
Brazilian J. of Food Technology     Open Access   (Followers: 3)
Brazilian J. of Medical and Biological Research     Open Access   (SJR: 0.541, h-index: 70)
Brazilian J. of Microbiology     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.39, h-index: 38)
Brazilian J. of Oceanography     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.285, h-index: 13)
Brazilian J. of Oral Sciences     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.145, h-index: 6)
Brazilian J. of Physical Therapy     Open Access   (SJR: 0.466, h-index: 16)
Brazilian J. of Plant Physiology     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.452, h-index: 32)
Brazilian J. of Veterinary Research and Animal Science     Open Access   (Followers: 7, SJR: 0.184, h-index: 10)
Brazilian Oral Research     Open Access  
Brazilian Political Science Review     Open Access  
Bulletin of the World Health Organization     Open Access   (Followers: 17, SJR: 2.819, h-index: 123)
Caderno CRH     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.102, h-index: 4)
Caderno de Estudos     Open Access  
Cadernos CEDES     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.111, h-index: 5)
Cadernos de Pesquisa     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.26, h-index: 8)
Cadernos de Saúde Pública     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.593, h-index: 55)
Cadernos de Tradução     Open Access  
Cadernos Metrópole     Open Access   (Followers: 1)
Cadernos Nietzsche     Open Access  
Cadernos Pagu     Open Access   (SJR: 0.179, h-index: 4)
Cadernos Saúde Coletiva     Open Access   (Followers: 1)
Calidad en la educación     Open Access   (Followers: 1)
Cerâmica     Open Access   (Followers: 4, SJR: 0.19, h-index: 11)
CES Medicina     Open Access  
Chilean J. of Agricultural Research     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.366, h-index: 15)
Chungara (Arica) - Revista de Antropologia Chilena     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.49, h-index: 13)
Ciência & Educação (Bauru)     Open Access  
Ciência & Saúde Coletiva     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.588, h-index: 30)
Ciência Animal Brasileira     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.322, h-index: 4)
Ciência da Informação     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.117, h-index: 7)
Ciencia del suelo     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.206, h-index: 13)
Ciência e Agrotecnologia     Open Access   (SJR: 0.444, h-index: 19)
Ciencia e Cultura     Open Access   (Followers: 1)
Ciencia e investigación agraria     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.21, h-index: 10)
Ciencia forestal en México     Open Access  
Ciência Rural     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.389, h-index: 24)
Ciencia y Enfermeria - Revista Iberoamericana de Investigacion     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.165, h-index: 7)
Ciencias Marinas     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.348, h-index: 21)
Ciencias Psicológicas     Open Access  
Cirugia Plastica Ibero-Latinoamericana     Open Access   (SJR: 0.175, h-index: 8)
CLEI Electronic J.     Open Access  
Clínica y Salud     Open Access   (SJR: 0.15, h-index: 3)
Clinics     Open Access   (SJR: 0.525, h-index: 36)
CoDAS     Open Access   (SJR: 0.177, h-index: 12)
Computación y Sistemas     Open Access   (SJR: 0.253, h-index: 4)
Comuni@cción     Open Access  
Comunicación y sociedad     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.104, h-index: 1)
Contaduría y Administración     Open Access   (SJR: 0.103, h-index: 1)
Contexto Internacional     Open Access  
Convergencia     Open Access   (SJR: 0.112, h-index: 4)
Correo Científico Médico     Open Access  
Corrosão e Protecção de Materiais     Open Access  
Crop Breeding and Applied Biotechnology     Open Access   (Followers: 4, SJR: 0.604, h-index: 13)
Cuadernos de Economía     Open Access   (Followers: 2)
Cuadernos de Economia - Latin American J. of Economics     Open Access   (Followers: 2)
Cuadernos de Historia     Open Access   (Followers: 3)
Cuadernos de Historia de la Salud Publica     Open Access  
Cuadernos de Medicina Forense     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.106, h-index: 4)
Cuadernos.info     Open Access   (SJR: 0.117, h-index: 2)
Cubo. A Mathematical J.     Open Access  
Cuicuilco     Open Access   (Followers: 1)
Cultivos Tropicales     Open Access   (Followers: 1)
Culturales     Open Access   (Followers: 2)
Dados - Revista de Ciências Sociais     Open Access   (SJR: 0.429, h-index: 15)
De Jure     Open Access   (Followers: 1)
DELTA : Documentação de Estudos em Lingüística Teórica e Aplicada     Open Access   (SJR: 0.142, h-index: 5)
Dementia & Neuropsychologia     Open Access   (Followers: 6, SJR: 0.232, h-index: 10)
Dental Press J. of Orthodontics     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.214, h-index: 7)
Desacatos     Open Access   (Followers: 1)
Desarrollo y Sociedad     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.106, h-index: 2)
Diálogo Andino - Revista de Historia, Geografía y Cultura Andina     Open Access  
Diánoia     Open Access   (Followers: 1)
Dimensión Empresarial     Open Access  
Dynamis : Acta Hispanica ad Medicinae Scientiarumque Historiam Illustrandam     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.134, h-index: 7)
e-J. of Portuguese History     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.125, h-index: 2)
Eclética Química     Open Access   (Followers: 1)
Ecología en Bolivia     Open Access  
Economia Aplicada     Open Access   (SJR: 0.168, h-index: 6)
Economia e Sociedade     Open Access  
EconoQuantum     Open Access  
Educação & Sociedade     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.244, h-index: 12)
Educação e Pesquisa     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.171, h-index: 8)
Educação em Revista     Open Access  
Educación Matemática     Open Access  
Educación Médica     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.11, h-index: 7)
Educación Médica Superior     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.188, h-index: 7)
Educación y Educadores     Open Access   (Followers: 1)
Educar em Revista     Open Access  
EDUMECENTRO     Open Access  
En-Claves del pensamiento     Open Access   (Followers: 1)
Encuentros     Open Access  
Ene : Revista de Enfermería     Open Access  
Enfermería Global     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.14, h-index: 2)
Enfermería Nefrológica     Open Access   (Followers: 1)
Engenharia Agrícola     Open Access   (SJR: 0.396, h-index: 18)
Engenharia Sanitaria e Ambiental     Open Access   (SJR: 0.15, h-index: 10)
Ensaio Avaliação e Políticas Públicas em Educação     Open Access   (Followers: 1, SJR: 0.19, h-index: 6)
Entomologia y Vectores     Open Access   (Followers: 2)
Escritos de Psicología : Psychological Writings     Open Access   (Followers: 2)
Estudios Atacameños     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.418, h-index: 8)
Estudios Constitucionales     Open Access   (Followers: 4, SJR: 0.383, h-index: 5)
Estudios de Cultura Maya     Open Access   (Followers: 3, SJR: 0.167, h-index: 1)
Estudios de Economía     Open Access   (SJR: 0.144, h-index: 7)
Estudios de historia moderna y contemporánea de México     Open Access   (SJR: 0.101, h-index: 3)
Estudios Filologicos     Open Access   (SJR: 0.105, h-index: 3)
Estudios Fronterizos     Open Access   (Followers: 1)
Estudios internacionales     Open Access   (Followers: 5)
Estudios Pedagogicos (Valdivia)     Open Access   (Followers: 2, SJR: 0.209, h-index: 7)
Estudios Políticos     Open Access  
Estudios Sociales     Open Access   (Followers: 2)

        1 2 3 4 | Last   [Sort by number of followers]   [Restore default list]

Journal Cover Cadernos de Tradução
  [0 followers]  Follow
    
  This is an Open Access Journal Open Access journal
   ISSN (Online) 2175-7968
   Published by SciELO Homepage  [711 journals]
  • APRESENTAÇÃO

    •  
  • FROM O PAIZ DO CARNAVAL TO IL PAESE DE. CARNEVALE AND LE PAYS DU CARNAVAL:
           THE PARATEXTS OF THE ITALIAN AND FRENCH TRANSLATIONS

    • Abstract: Resumo Recordamos em 2017 os 90 anos da “Ata de incineração” que destruiu mais de 1600 livros de Jorge Amado, e entre eles 214 exemplares de O Paiz do Carnaval, romance cuja primeira tradução – para o italiano, como de propósito escolhido pelo escritor – apareceria somente em 1984, com uma “nota” de Luciana Stegagno Picchio. Partindo do pressuposto que, antes da publicação da primeira edição do romance (1931), o lexicógrafo italiano Panzini já rejeitara, para a Itália, as antigas alcunhas inglesas carnival land e land of carnival; este artigo visa focalizar quais interpretações foram veiculadas, além do paratexto da tradução italiana também por aquele da tradução francesa (1990), da autoria de Alice Raillard. Tradutora que, porém, se beneficiou no seu paratexto da sua célebre entrevista Conversando com Jorge Amado (1990) que abriria novos rumos à crítica amadiana internacional. The year 2017 makes us remember the 90 years of the “Ata de Incineração” (Burning Act) which destroyed more than 1600 books of Jorge Amado, and among them 214 copies of O Paiz do Carnaval, a novel whose first translation, which was made into the Italian language, according to the desire of Amado himself, appeared only in 1984, with a “note” by Luciana Stegagno Picchio. Presupposing that, before the publication of the first edition of the novel (1931), the Italian lexicographer Panzini had already rejected, for Italy, the old English nicknames carnival land and land of carnival; this article wants to highlight which interpretations were vehicled, both by the paratext of the Italian translation and by the one of the French translation (1990), written by Alice Raillard. A translator who, however, took advantage of her famous interview Conversando com Jorge Amado, 1990 (Talking with Jorge Amado), which would open new paths to international criticism.
       
  • CLARICE LISPECTOR’S INTERNATIONALIZATION: THE BRAZILIAN
           AUTHOR’S HISTORY IN ENGLISH

    • Abstract: Resumo O texto ficcional clariceano vem recebendo a atenção de leitores, estudiosos e editores estrangeiros há cerca de 60 anos, desde a sua chegada à língua francesa, no início dos anos 1950. No presente artigo, pretende-se cobrir, especificamente, a trajetória das traduções de obras de Clarice Lispector para o inglês, idioma para o qual a autora brasileira tem sido com frequência traduzida e na qual experimenta, no momento, o prestígio desencadeado pelo lançamento da antologia The Complete Stories (2015), editada por seu biógrafo Benjamin Moser. Clarice Lispector’s fictional work has been given attention by foreign readers, scholars and editors since its first translations into French, which appeared in the beginning of the 1950s. The present article aims to present specifically the history of Lispector’s work in the Anglophone literary system – most of her fiction has been translated into the English language, and the recent release of The Complete Stories (2015), edited by her biographer Benjamin Moser, brought even more prestige to the Brazilian author.
       
  • PIERRE MENARD AS LOGOCENTRIC TRANSLATOR: A REAPPRAISAL OF ROSEMARY
           ARROJO’S ANALYSIS OF “PIERRE MENARD, AUTOR DEL QUIJOTE”

    • Abstract: This article revaluates Brazilian theorist Rosemary Arrojo’s reading of “Pierre Menard, autor del Quijote”, by Argentinian writer Jorge Luis Borges, proposing that her claims might be excessive, and calling into question the extent to which “Pierre Menard” can be read as a piece on translation. The first section briefly sketches deconstruction’s view on language and Arrojos’ own work; the second summarizes Arrojo’s analysis as contained in Oficina de tradução; the third exposes its limitations: its allegorical nature, its drawing upon a problematically amalgamating take on reading, interpretation and translation, the story’s difficult alignment with certain logocentric tenets and internal limitations of logocentrism’s take on language; the final section evaluates the role of George Steiner’s commentary on the short story as formative of the opinion that “Pierre Menard” is about translation.Resumo Este artigo reavalia a leitura feita pela teórica brasileira Rosemary Arrojo do conto “Pierre Menard, autor del Quijote”, do escritor argentino Jorge Luis Borges; propõe que suas conclusões sobre o conto podem ser excessivas, e questiona até que ponto o conto pode ser lido como uma obra sobre tradução. A primeira seção esquematiza brevemente a visão da desconstrução sobre a linguagem, e o trabalho de Arrojo; a segunda resume a análise que faz Arrojo do conto, conforme aparece em seu Oficina de tradução; a terceira expões suas limitações: sua natureza alegórica, seu embasamento em uma problemática amálgama entre leitura, interpretação e tradução, as dificuldades em se alinhar o conto aos pressupostos centrais do logocentrismo e as contradições internas do logocentrismo; a seção final avalia o papel de um comentário de George Steiner para a formação da opinião de que o conto versa sobre tradução.
       
  • TRANSLATION MODALITIES: AN INVESTIGATION OF THE TRANSLATED SHORT STORY
           “DEZ DE DEZEMBRO”

    • Abstract: During the translation process translators adopt linguistic strategies in order to make decisions that help to render a translated text suitable to the target language and culture. The translation modalities proposed by Aubert (105-10) constitute a tool that enables one to identify some of these strategies. In addition, they permit to measure the level of linguistic differentiation between a source text and a target text verifying the distance or the proximity of the target text to the linguistic and cultural issues of the source text. Thus, this paper aims to investigate the translation modalities in the short story “Dez de dezembro” (Saunders 204-38), a translation of the short story “Tenth of December” (Saunders 215-51). For quantifying the translation modalities in the translated text the noun phrases from the source text were selected and their counterparts in the target text were classified and annotated within Notepad++ software. The most recurrent translation modalities in the corpus were Literal Translation and Transposition, categories considered intermediate ones in the rank proposed by Aubert (105-10). Therefore, a relation of equivalence can be established between the target and the source texts.Resumo Durante o processo de tradução, os tradutores adotam estratégias linguísticas de forma a tomar decisões que os auxiliem a produzir um texto traduzido adequado à língua e à cultura metas. As modalidades tradutórias propostas por Aubert (105-10) constituem-se como uma ferramenta que possibilita aos pesquisadores identificar algumas dessas estratégias. Ademais, permitem medir o nível de diferenciação linguística entre um texto fonte e um texto meta, verificando a distância ou a proximidade do texto meta com relação às questões linguísticas e culturais do texto fonte. Assim, este artigo visa a investigar as modalidades tradutórias no conto “Dez de dezembro” (Saunders 204-38), uma tradução do conto “Tenth of December” (Saunders 215-51). A fim de quantificar as modalidades de tradução no texto traduzido, os sintagmas nominais do texto fonte foram selecionados e seus equivalentes no texto meta foram classificados e anotados no programa Notepad++. As modalidades tradutórias mais recorrentes no corpus foram a Tradução Literal e a Transposição, categorias consideradas intermediárias na escala proposta por Aubert (105-10). Portanto, pode-se estabelecer uma relação de equivalência entre os textos meta e fonte.
       
  • TRANSLATION OF MR. TAMBOURINE MAN AT BRAZIL: FROM REFRACTION TO
           RETRANSLATION

    • Abstract: Resumo Este artigo inicia com uma introdução que destaca de maneira geral as questões mais significativas até o momento atual com relação à tradução de canções. Em seguida são apresentados os conceitos de refração e retradução, que dão subsídio para um estudo das traduções gravadas da canção Mr. Tambourine Man de Bob Dylan, no Brasil. This article starts with an introduction that points out an overview about the most significant issues concerning song translation until the present moment. After that, it presents the concepts of refraction and retranslation which form the basis for a study of the translations of the song Mr. Tambourine Man by Bob Dylan recorded in Brazil.
       
  • THE RAVEN AND ITS FLIGHT TO THE BRAZILIAN SIGN LANGUAGE

    • Abstract: Resumo The raven já recebeu diversas traduções desde que foi publicado em 1845, e vários tradutores já se aventuraram a compreender e transferir para outras culturas toda a trama envolvida com o corvo e sua resposta simples, mas ao mesmo tempo fria e angustiante. Agora, esse enigmático corvo pousou na cultura surda brasileira, e este artigo foi elaborado para comentar algumas estratégias tradutórias realizadas para a Libras. Poe’s The raven has received several translations since it was first published in 1845, with many translators having already ventured into trying to understand its plot, which centers around a raven and its simple, albeit cold and terrifying, reply to a lonely bereaved lover, in an effort to transpose it into other languages and cultures. Now this enigmatic bird has come to visit the Brazilian deaf culture. This article discusses some strategies used in my translation of the poem into LIBRAS (Brazilian Sign Language)
       
  • THE TRANSLATION OF CULTURALLY MARKED WORDS IN TRAVEL WRITING: A CASE STUDY

    • Abstract: Resumo O presente artigo tem por objetivo apresentar palavras culturalmente marcadas (AIXELA, 2013) e/ou culturemas (NADAL, 2009; SOTO ALMELA, 2014) presentes nos relatos de viagem e, mais precisamente, na obra O Brasil tal qual ele é/ Le Brésil tel qu’il est, de Charles Expilly, polêmico viajante francês que fixou residência durante dois anos no Rio de Janeiro, em meados do século XIX. Trata-se de um livro riquíssimo, que foi deixado de lado pela historiografia brasileira e francesa por muito tempo e que nos propicia, graças às palavras culturalmente marcadas e/ou culturemas, uma reflexão sobre tradução (LAPLANTINE, 1996; FERREIRA, 2013) naquilo que diz respeito à transformação do olhar em linguagem, a fazer existir no texto um Outro, ao encontro entre culturas, numa via de mão dupla. Concluímos o artigo comentando as estratégias de tradução utilizadas, para os culturemas, na nossa tradução para a língua portuguesa desta obra (CAMARGO, 2016). The present article aims at showing the culture-specifc item analysis (AIXELA, 2013) and/or culturemes (SOTO ALMELA, 2014) that appear in travel writing, more specifically, in the work of the controversial French traveller, Charles Expilly, who resided in Rio de Janeiro for two years in the mid 19th century – Le Brésil tel quíl est/O Brasil tal qual ele é. Here we are dealing with a dense book that has been ignored by Brazilian and French historians for many years, and which provides us, thanks to the culture-specifc item, and/or culturemes, with reflections on translation (LAPLANTINE, 1996; FERREIRA, 2013), paying attention to the transformation of the gaze into language, so that on encounutering cultures, on a two way path. We conclude the commented translation, addressing translation strategies used for the culturemes, in our translation into Portuguese (CAMARGO, 2016).
       
  • INTERDISCIPLINARITY IN TRANSLATION TEACHING: COMPETENCE-BASED EDUCATION,
           TRANSLATION TASK-BASED APPROACH, CONTEXT-BASED TEXT TYPOLOGY

    • Abstract: Resumo No contexto de formação por competências, este artigo se apoia no modelo de Competência Tradutória (CT) do Grupo PACTE (2003) para estabelecer um diálogo interdisciplinar entre paradigmas cognitivo construtivistas para o ensino de tradução e o modelo de Tipologia Textual Baseada em Contexto (MATTHIESSEN et al., 2007). Nesse espaço teórico, propõe-se um modelo para construção de Unidade Didática (UD) para o desenvolvimento da subcompetência bilíngue para tradutores em formação. Para tanto, a proposta explora a tradução como uma atividade cognitiva, comunicativa e textual (HURTADO ALBIR, 2011) e considera seu ensino a partir da abordagem por tarefa-de-tradução (HURTADO ALBIR, 1999). Essa abordagem é ilustrada com um exemplo prático de desenho de uma UD elaborada para uma disciplina de Introdução à Tradução Especializada, da grade curricular do curso de Secretariado Executivo da Universidade Federal de Santa Catarina. Questões tais como o estabelecimento de objetivos de aprendizagem e seu alinhamento com as tarefas de tradução que compõem a UD são abordadas para essa situação pedagógica específica. Argumenta-se pela possibilidade de desenvolvimento de competências textuais por meio da aquisição de estratégias derivadas da Tipologia Textual Baseada em Contexto para a solução de problemas de tradução de textos de diferentes tipos e configurações contextuais. In the context of competence-based teaching, this paper draws upon the model of Translation Competence (TC) put forward by the PACTE group (2003) to establish a dialogue between cognitive-constructivist paradigms for translation teaching and the model of the Context-based Text Typology (MATTHIESSEN et al., 2007). In this theoretical environment, it proposes a model for the design of a Teaching Unit (TU) for the development of the bilingual competence in would-be-translators. To this end, it explores translation as a cognitive, communicative and textual activity (HURTADO ALBIR, 2011) and considers its teaching from the translation task-based approach (HURTADO ALBIR, 1999). This approach is illustrated through the practical example of the design of a TU elaborated for the subject ‘Introduction to Specialized Translation’, part of the curricular grid of the program ‘Secretariado Executivo’ at Universidade Federal de Santa Catarina. Aspects such as the establishment of learning objectives and their alignment with the translation tasks composing the TU are addressed for this specific pedagogical situation. We argue for the development of textual competences by means of the acquisition of strategies derived from the Context-based Text Typology to solve problems arising from the translation of different text types and contextual configurations.
       
  • THE CHALLENGE OF TRANSLATION BETWEEN POTUGUESE LANGUAGE AND SIGNAL
           BRAZILIAN LANGUAGE IN THE FACE OF THE PHENOMENON OF SYNONYMY

    • Abstract: Resumo A pesquisa está voltada para o fenômeno da sinonímia na tradução entre Língua portuguesa (LP) e Libras, como foco o trabalho do profissional intérprete de Libras. Objetiva-se analisar a sinonímia nas referidas línguas como também verificar a valorização semântica entre as sentenças traduzidas pelo intérprete de Libras. O aporte teórico é formado por Lyons (1981); Ilari e Geraldi (2006); âmara Jr. (2002), além dos estudos de Lacerda (2009) e Rosa (2008). Utilizamos abordagem quantitativa e qualitativa. Obtemos as traduções para análises a partir de sentenças escritas em português e submetidas a traduções por intérpretes de Libras do munícipio de Abaetetuba-Pa. Constatou-se que a sinonímia, por ser um processo constitutivo da tradução, é essencial para garantir o sentido na língua de chegada. Assim, qualquer perda semântica como verificada nas análises das traduções com o sentido literal e no acréscimo de informação pelo intérprete na tradução, provocou prejuízos ao processo sinonímico. Consequentemente, o trabalho do intérprete de Libras é muito importante para os surdos e a tradução precisa ser realizadas com ética e responsabilidade. Precisa ser um recurso para atender à compreensão do surdo de uma língua que ele não ouve. The research is focused on the synonymy phenomenon in translation between the Portuguese language and Brazilian sign language - LI-BRAS, focused on the work of Libras professional interpreter. The objective is to analyze the synonymy in the Portuguese language and LIBRAS as well as verify the semantic value of the sentences translated by LIBRAS interpreters. The theoretical basis is formed by Lyons (1981); Fernandes & Correia (2011); Chomsky (2006) and Saussure (2006), and studies of the Quadros (2004) and Rosa (2008). We use quantitative and qualitative approach. We obtain the translation for analyzes from sentences written in Portuguese and submitted to translations by LIBRAS interpreters of the Abaetetuba city. Concluded that the synonymy, as a constitutive process of translation, is essential to ensure the meaning in the target language. So any semantic loss as verified in the analyzes in translation with the literal meaning and information increase the interpreter translating for LIBRAS synonymic caused damage to the process. Consequently, the LIBRAS interpreter’s work is very important for the deaf and the translation must be carried out with ethics and responsibility. To be a resource to help the understanding of the deaf in a language that he does not hear.
       
  • SEMI-SELF-TRANSLATION. MODALITIES AND VARIANTS

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
  • INTERDISCIPLINARIDADE NOS ESTUDOS DE TRADUÇÃO

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
  • A RETRADUÇÃO COMO ESPAÇO DA TRADUÇÃO

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
  • Cesar, Ana Cristina. Crítica e tradução. São Paulo: Companhia das
           Letras, 2016, 531 p.

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
  • Albi, Anabel Borja; Ramos, Fernando Prieto: Legal Translation in Context.
           Professional Issues and Prospects: Series New Trends in Translation
           Studies. Oxford: Peter Lang, 2013, 315 p.

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
  • Russell, Debra L. Interpreting in legal contexts: Consecutive and
           simultaneous interpretation. Burtonsville, MD: Linstock Press, 2002, 256
           p.

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
  • Northup, Solomon. 12 anos de escravidão. Tradução de Caroline Chang.
           Penguin Classics Companhia das Letras, 2014. 273 p.

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
  • Shields, Carol. Bondade. Tradução de Beatriz Horta. Rio de Janeiro:
           Bertrand Brasil, 2007, 271 p.

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
  • Adichie, C. Ngozi. Sejamos todos feministas. Tradução de Christina Baum.
           São Paulo: Companhia das Letras, 2015, 63 p.

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
  • Girondo, Oliverio. 20 Poemas para ler no bonde. Fotografias de Horacio
           Coppola. Tradução de Fabrício Corsaletti e Samuel Titan Jr. São Paulo:
           Editora 34, 2014, 112 p.

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
  • Llosa, Mario Vargas. A orgia perpétua: Flaubert e Madame Bovary.
           Tradução de José Rubens Siqueira. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015. 280
           p.

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
  • Iñárritu, Alejandro González. The Revenant. Eua,
           2015. 156 min.

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
  • MATHIEU DOSSE

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
  • NILSON MOULIN

    • Abstract: Resumo No artigo é desenvolvido o conceito de semiautotradução, com o qual tentamos abranger a grande diversidade de autotraduções em que o autor dispõe da colaboração de outras pessoas. Após diferenciar a noção de colaboração na tradução alógrafa e na autotradução, defende-se a utilidade de não misturar a tradução alógrafa com colaboração do autor e a autotradução com colaboração alógrafa, vinculando esta à semiautotradução. Apresentamos, na parte central de nosso trabalho, cinco modalidades de semiautotradução, com suas respectivas variantes: 1º) autotradução em colaboração com um tradutor alógrafo; 2º) autotradução revista por um tradutor alógrafo; 3º) tradução alógrafa revista pelo autor; 4º) autotradução em colaboração com um familiar; e 5º) tradução alógrafa de um familiar ou um amigo do autor. In this paper, we expound the concept of semi-self-translation, with which we aim to reflect the great diversity of self-translation in which the translator is offered other people’s collaboration. After analyzing the concept of collaboration with respect to allograph translation and to self-translation, we contend the convenience of not fusing the concepts of allograph translation with author’s collaboration and self-translation with allograph collaboration, the latter being associated with semi-self-translation. In addition, we describe five modalities of semi-self-translation: i) self-translation in collaboration with an allograph translator; ii) self-translation revised by an allograph translator; iii) allograph translation revised by the author; iv) self-translation in collaboration with a relative; and v) allograph translation by a relative or a friend of the author.
       
 
 
JournalTOCs
School of Mathematical and Computer Sciences
Heriot-Watt University
Edinburgh, EH14 4AS, UK
Email: journaltocs@hw.ac.uk
Tel: +00 44 (0)131 4513762
Fax: +00 44 (0)131 4513327
 
Home (Search)
Subjects A-Z
Publishers A-Z
Customise
APIs
Your IP address: 23.22.136.56
 
About JournalTOCs
API
Help
News (blog, publications)
JournalTOCs on Twitter   JournalTOCs on Facebook

JournalTOCs © 2009-2016